Vacinas Contraceptivas

Vacinas Contraceptivas – Alguns Trabalhos Intrigantes

1 – Um Surpreendente trabalho Científico.
1 de novembro de 1993.
FASEB Journal, volume 7, pp.1381-1385.
Authores Stephan Dirnhofer et al.

Dirnhofer é do Instituto de Pesquisa Médica do Envelhecimento da Academia Australiana de Ciências. Uma citação do trabalho: ” Nosso estudo fornece insights para os possíveis modos de ação da vacina para controle da natalidade promovida pela Força Tarefa sobre Vacinas de Controle da Natalidade da OMS.
“Uma vacina de controle da natalidade? O que? Sim. Uma vacina cujo propósito é alcançar a não gravidez onde ela ordinariamente pode ocorrer. Esterilização? Esta vacina em particular é aparentemente apenas uma das várias vacinas anti fertilidade que a Força Tarefa está promovendo. Sim. Há uma Força Tarefa de Vacinas de Controle da Natalidade na OMS. Este trabalho científico se concentra em um hormônio chamado gonadotrofina coriõnica B (hCG). Há um uma orientação no trabalho (p.1382) chamado “Habilidade dos Anticorpos Neutralizarem a atividade biológica da hCG.” Os autores estão tentando descobrir se um estado de não fertilidade pode ser alcançado ao se bloquear a atividade normal da hCG. Eles afirmam, “Concluimos de nossos resultados que tanto a segurança quanto a eficácia da vacina da OMS ainda não está assegurada.”

2 – Um outro trabalho científico, o The British Medical Bulletin, volume 49,1993, tem como título “Vacinas Contraceptivas”. Os autores RJ Aitken et al. da MRC Reproductive Biology Unit, da Universidade de Edinburgh, Edinburgh, UK.
“Três maiores abordagens ao desenvolvimnto das vacinas contraceptivas estão sendo perseguidos no tempo atual. A abordagem mais importante que já alcançou o estágio de fase 2 de teste clínicos [eficácia na testagem em humanos], envolve a indução de uma imunidade contra a hCG. As vacinas estão sendo engenheiradas… incorporando tóxoide tetánico ou diftérico ligado a uma variedade de peptídeos baseados em hCG… Os testes clínicos tem revelado que tais preparações são capazes de estimular a produção de anticorpos anti-hCG. Contudo, as consequências a longo prazo de tal imunidade em termos de segurança e de eficácia ainda são desconhecidos… Os autores estão falando sobre a criação de uma resposta imune contra o hormônio feminino… Os autores afirmam, “O princípio fundamental por trás desta abordagem do desenvolvimento da vacina contraceptiva é evitar o reconhecimento maternal da gravidez ao induzir um estado de imunidade contra o hGC, o hormônio que dá sinais da presença do embrião ao sistema endócrino materno”…

“Em 1995, uma organização católica de direitos humanos chamada Human Life International acusou a OMS de promover uma vacina contra tétano canadense ligada a um hormônio da gravidez humana chamado hormônio humano coriogonadotrófico (HCG). As suspeitas foram levantadas quando a vacina de tétano foi prescrita em doses não usuais de 5 injeções múltiplas durante um período de três meses e somente para muhers em idade reprodutiva. Quando um número não usual de mulheres apresentou sangramento vaginal e abortos depois das vacinações, foi descoberto um hormônio aditivo como causa.
Aparentemente a OMS tinha estado desenvolvendo e testando as vacinas anti fertilidade por mais de duas décadas. As mulheres que receberam estas vacinas ligadas às vacinações antitetânicas não só desenvolveram anticorpos contra o tétano, mas elas também desenvolveram perigosos anticorpos ao hormônio da gravidez. Sem este hormônio HCG, o crescimento do feto é prejudicado. Consequentemente, as vacinas enlaçadas serviram como uma cobertura para a aparelhagem contraceptiva. Foi comissionada para analisar a vacina a Assossiação Médica das Filipinas e esta descobriu que 20% das vacinas anti tetãnicas da OMS foram contaminadas com o hormônio. Não surpreendentemente, a OMS tem negado todas as acusações como “completamente falsas e sem base” e a grande media nunca tem relatado a controvérsia. Para detalhes posteriores sobre o assunto, consulte o website de Human Life International em http://www.hli.org/ Dr Alan Cantwell MD

3 – Vacinações são Destinadas a Esterilizarem as Mulheres?

de Kjeld Heising

9 de novembro de 2007

As mulheres estão sendo dirigidas a uma armadilha médica. A consequência é a intoxicação e a erosão da saúde. O instrumento são as vacinações – apresentadas como uma solução para “combater” até mesmo o número crescente de perigos do mundo dos micróbios. O mundo tem possuido sua própria Al Qaeda ­ o invisível exército dos vírus. Com exatamente os mesmos atributos: Desconhecido, Não localizado. Invencível.

A resposta é também aproximadamente a mesma: Mais medo, mais morte. E agora, com crescente claridade, alvejando as mulheres. Temos tido a mais de uma década campanhas mandatórias de testes HIV em mulheres grávidas. Somente mulheres. No Terceiro Mundo, temos tido inúmeras campanhas de vacinação alvejando mulheres em idade fértil. Somente mulheres. Recentemente, na Dinamarca, o grande doador de drogas, Bill Gates, doou USD 10milhões para uma Universidade de Copenhagen para estudos posteriores sobre a vacina contra a malária – grupo alvo: mulheres do Terceiro Mundo.

E então, a mais recente proeza: Vacinação de meninas de 12 anos em muitos países – alegadamnente contra o vírus HPV que pode [ou não] causar câncer cervical. Grupo Alvo: garotas na idade de se tornarem férteis. Em alguns Estados a vacina é obrigatória, em outros é apenas pesadamente propagandizada.

Mas tudo isto é sobre o que? Dinheiro? Com certeza, mas isto não responde pelo enfoque nas mulheres. Cuidados especiais com as mulheres? Bom. Mas em fatal oposição a agenda de “women’s lib”. Women’s lib não inclui reprodução e é desinteressada no sexo feminino.

Pode ser isto?

Sim, mas pode ser exatamente o oposto. E eu lhe direi porque.

Primeiramente, “women’s lib” não é um movimento desencadeado por mulheres doentes e cansadas de opressão. Isto é uma invenção masculina, definida em papéis políticos remontando a década de 1950, mais ansiosamente promovida pela sempre “vendo tudo em todos os lugares” dinastia Rockefeller e seus operadores políticos. O que aconteceu com o Memorandum 200 do Secretário de Segurança Nacional Henry Kissinger sobre “as consequências do crescimento global da população para a segurança dos EUA e os interesses além mar.”

Este papel, ao qual deveria ser dado muito mais atenção, afirma que urgentes medidas imediatas devem ser tomadas para reduzir a fertilidade. Este memo recomenda taxa de crescimento zero nos países menos desenvolvidos pelo ano 2000. Perceba: A desfertilização começou primeiro no ocidente e então foi para os pobres.

Ele também recomenda instrumentos para o mundo industrializado:

Saúde Reprodutiva – uma palavra melhor para o aborto, uso de preservativos, etc. A educação sexual melhorou a saúde das mulheres com a participação de igualdade do governo no cuidado diário e na melhora da securidade social e reduziu a mortalidade infantil.

Bem, na Europa, costumamos chamar a isto de “bem estar social”. Agora parece, isto apenas significa que paremos de nos reproduzir. Um grande sucesso: Hoje, encontramos declinando as taxas de nascimento por todo o mundo ocidental – somente a Albania (o país mais pobre da Europa ­ sem bem estar social) está mantendo o tamanho de sua população.

A imagem se torna mais clara quando aprendemos que o amigo de Rockefeller, John D. III de volta na década de 1950 também advogou que todas as vacinas tivessem adionado mercúrio. Isto servia a um triplo propósito: o mercurio age como um preservativo. Pode ajudar a indústria química a se livrar de um produto residual altamente tóxico [exatamente como o fluoreto na pasta de dentes]. E, mais importante, o mercúrio é absorvido em nosso corpo, não é automaticamente excretado e tem vários efeitos tóxicos.

Um dos efeitos é o destruir a cilia dentro do sexo feminino, removendo a habilidade da membrana mucosa transportar o sêmen masculino para as células ovo. O que obviamente impede a concepção natural. Um outro efeito é o de que as crianças que nascem se tornam autistas – a frequência de crianças autistas aumenta claramente com a quantidade de mercúrio consumida. E há outros efeitos deste aditivo que é chamado de thiomesal – tal como diabetes.

Assim, qualquer vacina contendo mercúrio, é uma droga de desfertilização. Isto significa quase que todas as vacinas no mundo.

Obtemos uma outra pista ao estudar os simples fatos sobre o HIV e a AIDS. Como mostrado em muitos trabahos e documentários, a existência de um vírus destruindo nosso sistema nervoso nunca tem sido documentada – até este dia permanece um rumor que tem obsecado nosso mundo médico e, ao ser sustentado por autoridades médicas estatais profundamente corruptas, uma camada política completamente controlada e uma rede de media centralizada amando a “assustadora estrutura”, tem também obsecado as pessoas comuns.

Os fatos são que não existe uma doença causada pelo vírus da AIDS, não há um teste que prove sua presença no sangue humano. Os chamados testes HIV testam a presença de anticorpos e os anticorpos pertencem a um sistema imunológico em funcionamento. É sabido que os testes tem reações cruzadas com muitas condições que nada tem ver com um vírus em particular. Uma destas condições é estar grávida.

Isto é onde a burla da AIDS se torna uma ferramenta de depopulação. Para o próximo passo de um tste positivo para HIV está a prescrição de mortais drogas tóxicas (charmosamente denominadas “Medicação Prolongadora de Vida “) destuindo o sistema imunológico e a capacidade do intestino absorver nutrientes – e causar crianças defeituosas. Estas drogas são os químicos mais tóxicos que já foram inventados pela indústria farmacêutica.

Na África, os testes de HIV somente são realizados nas clínicas de gravidez. E adivinhe para onde vão estas drogas mortais.

Uma outra pista se torna clara quando olhamos as campanhas de vacinação da OMS no Terceiro Mundo. As mais famosas são as campanhas de meados dos anos 90 contra o tétano. A despeito do fato de que 70% de todos os casos de tétano ocorram em homens, as vacinações eram somente dadas a mulheres. E somente a mulheres entre 14 e 44 anos de idade. As vacinas eram misturadas com a gonadotropina hCG. Agora, hCG é um hormônio que é naturalmente encontrado nos fetos dentro dos primeiros poucos dias e que é necessário para a vida continuar e crescer. Quando a mistura da vacina e hCG é inoculada no sangue de uma mulher, sua defesa imune não somente produzirá anticorpos para a bactéria do tétano como também produzirá anticorpos contra o hCG. Como resultado, ela perde o feto.

Estas campanhas de vacinação foram realizadas em milhões e milhões de mulheres na Nicarágua, México, Nigéria, Tanzânia e Filipinas.

Outras campanhas de vacinação tem tido outros efeitos. Em Uganda, uma vacinação polio foi realizada, matando 600 crianças em apenas um mês e em uma vila (Mbarara) – na qual havia por coincidência uma contagem. Na Nigéria, a vacina polio foi distribuída, contaminada com estradiol e um número de agentes carcinogenicos [geradores de cânceres]. Quantas mais destas campanhas criminosas tem sido realizadas por estes anos?

Então temos a fraude d vacina contra a malária. A malária não é uma doença microbiana , assim como uma vacina age nisto? Nada. Mas um cientista engraçado veio com um história divertida sobre uma “certa molécula” que seria necessária para o parasita da malária se fixar dentro do útero das mulheres. Esta é a molécula que a vacina é suposta alvejar. Mas somente em mulheres.

A idade média de uma mulher ter câncer cervical é de 50 anos – como escreve o Dr. Tim O’Shea em seu excelente artigo “HPV – A primeira Vacina do Câncer” em Rense.com
(http://www.rense.com/general78/hpv.htm). O criador da vacina HPV, a companhia Merck, promete um tempo de efeito de 5 anos. Assim, porque vacinar meninas de 12 anos?

Nunca mais tenho dúvida: Isto nada tem a ver com medicina. Nada tem a ver com qualquer coisa baseada em ciência. Nada tem a ver com doenças. É uma máquina de dinheiro , sim, mas há mais. Temos uma outra guerra e esta guerra está se movendo de cobertura em cobertura. Temos uma guerra global contra as mulheres.

Heising é um dinamarquês ativista.

http://www.whale.to/vaccine/heising.html

Anúncios
Published in: on abril 5, 2008 at 6:02 pm  Comments (2)  
Tags: ,

The URI to TrackBack this entry is: https://conspireassim.wordpress.com/2008/04/05/vacinas-contraceptivas/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Sim, provavelmente por isso e

  2. Eu acho isso uma puta falta de sacanagem.Deu a chota?Então arque com suas consequências.Tudo na vida tem uma recompensa se meteu sem usar camisinha ou algo para proteção,temos uma recompensa boua ou ruin:uma gravidez invedejada,uma doença sexualmente transmitida e etc.Oque não podemos é tirar a vida de um ser humano que não tem nada a ver com nossa falta de prodência e de responsábilidade.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: