Projeto Montauk

Estação da Força Aérea em Montauk
Ativa ou Não?
de John A. Quinn

Introdução

Para ter as coisas começadas do jeito certo (e colocar o leitor em um apropriado estado mental) esta pergunta deve ser respondida antecipadamente, tão simples e diretamente quanto possível; a resposta é sim… e não; e aqui está a história.

Dentro dos últimos dois anos, vários incidentes de natureza profundamente perturbadora e altamente irregular tem ocorrido em Camp Hero/Estação da Força Aérea Montauk, uma instalação ostensivamente abandonada na ponta extremo sul de Long Island e perto do histórico farol do Ponto Montauk. Esta área é atualmente administrada pelo sistema de parques do Estado de New York e é de fato um designado parque estadual, ao menos no papel. Dois destes incidentes envolveram mulheres, uma das quais estava acompanhada por seus filhos, sendo interpeladas, perseguidas e ameaçadas com armas por pessoal militar ou do governo, não identificado, enquanto estavam nas vizinhanças. Disseram a elas que elas violaram áreas restritas e top secretas e estavam sujeitas a serem presas; contudo nenhuma prisão foi feita. Um tal incidente envolvendo armas aconteceu dentro do ano passado [1996] quando uma jovem mulher estava andando no chamado parque estadual. Um evento similar mas sem armas automáticas aconteceu em meados de 1995 quando uma família que passeava encontrou um agente de segurança, também não identificado, que abusivaente perseguiu a família e a ameaçou de prisão pela mesma alegada violação; novamente, não foram feitas prisões. Em abril de 1966, em um esforço para se manterem atualizados sobre o status da área, esta família novamente entrou na porção restrita do Parque Estadual de Camp Hero, e mais um vez foi abordada por um guada não uniformizado que os advertiu que eles estavam invadindo uma área fora dos limites de acesso ao público e que deveriam sair imediatamente. Isto se seguiu em um número inexplicavelmente grande de eventos similares em anos recentes. Existe testemunho muito bem consubstanciado – pelo menos remontando a 25 anos atrás -, de atividades bizarras, inconstitucionais e horríveis secretamente realizadas pelo governo sombrio e agências militares neste local.

Além das conhecidas bases militares [da marinha americana] de Camp Hero e a Estação da Força Aérea de Montauk, os planos e registros do Corpo de Engenheiros do Exército americano estabelecem uma prova conclusiva da existência de ao menos quatro níveis de intalações subterrâneas sob Camp Hero, e segundo fontes informadas, mais de três níveis adicionais tem sido acrescentados na década de 1990. Montauk é geologicamente distinta do resto de Long Island e está no topo de uma montanha submersa pelo mar, assim há muito leito rochoso onde descer. Camp Hero foi uma instalação do exército americano criada antes da Segunda Guerra Mundial e a Base da Força Aérea de Montauk foi criada dentro de seu perímetro na medida em que o exército se retirou do local na década de 1950. A Base da Força Aérea esteve oficialmente ativa somente até 1989, e os registros federais não mostram qualquer fonte legítima de custeio existente após este tempo para manter ativo a base e seu sistema de radar SAGE que tinha se tornado obsoleto, ainda que documentos recuperados da Força Aérea e inúmeras testemunhas verifiquem sem sombra de dúvida que a Estação da Força Aérea estava ainda ativa muito depois de então.

Recentemente tem emergido muita evidência que indica que a base e as instalações subterrâneas estavam e ainda são usadas para uma quantidade tremenda de pesquisa classificada top secreta e experimentação (muito disto cai sob o patrocínio do apelidado Projeto Phenix] em física quântica e de partículas [simulação de buracos negros], campos elétricos superpoderosos, controle do clima, psicotrônica [interface mente e máquina], genética, e controle mental baseado em drogas e eletrônica. A preponderância desta evidência fortemente sugere que um grande quantidade destas atividades tem sido deliberadamente malevolente tanto para os fins desejados e quanto os meios, e tem utilizado sujeitos não voluntários e até mesmo indefesos – incluindo as vezes, jovens raptados das comunidades adjacentes. Certos experimentos na dobra controlada de nosso espaço-tempo contínuo tiveram tais efeitos devastadores e consequências potenciais surpreendentemente inconcebíveis que vários internos do projeto conspiraram para sabotar os procedimentos em agosto de 1983, forçando o abandono total, mas que acabou sendo temporário.

Conteúdo

Sem Piqueniques no Parque Estadual de Camp Hero

É uma questão de registro público que o governo federal entregou a propriedade de Camp Hero/Estação da Força Aérea de Montauk para o Estado de New York, para uso da terra como um parque público em 1984, ainda que segundo os termos do acordo registrados nos escritórios do Condado de Suffolk em Riverhead, N.Y., o governo federal retenha todos os direitos a toda propriedade sob a superfície da terra – somente a superfície foi realmente doada ao Estado de New York. O acordo também determina que o governo federal pode reclamar a superfície da terra por razões de segurança nacional, se necessário.

13 anos depois desta transferência, ao menos 2/3 do chamado parque permanece fora dos limites permitidos ao público! Isto mesmo é uma violação ao regulamento dos parques estaduais de New York, e a restrição é feita cumprir severamente por uma variedade de autoridades, que algumas vezes apontam armas. Técnicos eletrônicos tem monitorado e registrado radio frequências extremamente não usuais e não ortodoxas e outras transmissões eletromagnéticas que se emanam diretamente desta supostamente abandonada e restrita propriedade atualmente, o que indica atividades muito semelhantes aquelas que são alegadas ocorrerem lá. Novas linhas telefônicas e linhas de energia de alta alta capacidade com um gigawatt metro tem sido instaladas nesta alegada área abandonada e fora de limites bem recentemente, e as testemunhas observaram uma unidade de radar de partícula de raio altamente avançada da Cardion Corp. por um período de ao menos quatro meses em 1994. Investigadores receberam várias explicações para a razão disto de funcionários da Cardion (Siemens), e uma testemunha ouviu de um guarda de segurança que a unidade tinha estado funcionando mal no subterrâneo e assim foi trazida para a superfície para testes, e eu pessoalmente vi e ouvi com meus próprios olhos e ouvidos estas bizarras e complexas transmissões de sinais EM/RF monitoradas e rastreadas por receptores que localizam a direção e outros equipamentos.

O metro elétrico com capacidade de gigawatt está em uma estrutura afirmada ser um prédio de manutenção de equipamentos pelo funcionários do parque estadual: um dos poucos prédios funcionais dentro da área restrita. Gigawatts de energia elétrica é uma quantidade tremenda de energia – bastante para suprir uma grande cidade, mas onde está esta cidade em Montauk Point? Aparentemente, no subterrâneo. Investigadores das atividades clandestinas avaliam que se gigawatts de eletricidade fossem descarregados (utilizados) dentro de um único prédio, ele seria demolido completamente pelo fogo em tempo record. Eles apontam para a existência de uma linha de energia e gigawatt metro como evidênia clara de operações secretas, ilícitas, inconstitucionais na Estação da Força Aérea. Em junho de 1996 esta avaliação foi confirmada como fato por um homem de serviço da LILCO, a companhhia de energia elétrica para a área de Montauk (e virtualmente toda Long Island). Um leitor de linha e metro para a vizinhança de Camp Hero, afirmou que ele e seus supervisores estavam cientes que uma quantidade tremenda de eletricidade é utilizada por esta linha de energia e registrada pelo metro. Ele também notou que também não é possível em absoluto que seja para a manutenção de um único edifício de manutenção que use tanta energia para operações de equipamentos ou outras atividades legítimas concebíveis de parques estaduais.

Fato Estranho da Ciência

A pesquisa e a experimentação alegada haver ocorrido na instalação subterrânea debaixo de Camp Hero, que inclui manipulações de tempo e interdimensionais e viagem, podem sem dúvida atingir certos leitores como ficção científica; contudo, um exame cuidadoso dos mais recentes conceitos e desenvolvimentos na física quântica mostra um apoio disseminado às teorias que fornecem esta possibilidade , até mesmo similaridade, do desenvolvimento de métodos para realizar viagem no tempo e em outras dimensões. Por exemplo, em março de 1994, “Scientific American” publicou um trabalho científico de David Deutsch e Michael Lockwood que concluiram claramente que nada nas atualmente conhecidas leis da Física, proibe tais excursões. De fato, o peso da prova é agora sobre os duvidosos do tempo e da viagem dimensional que dizem que isto é impossível. Várias grandes mentes na Física contemporânea – incluindo mas não se limitando a Nick Herbert, Kip Thorne, Frank Tipler, Fred Allen Wolf, Michio Kaku, Steven Hawking, e Paul Halpern — postulam que a viagem no tempo pode de fato ser alcançada. Pode ser dito conclusivamente, provado além da dúvida dentro da estrutura da ciência contemporânea, que existem dimensões paralelas – realidades prováveis, aparentemente infinita em número, e nosso familiar espaço tempo continuum em 3D é apenas uma manifestação.

Fundamentalmente, é a nossa consciência que de algum modo literalmente traz a existência a dimensão ou ralidade que vivenciamos, manifestando-a do que são para nós reinos de potenciais infinitos. Isto foi demonstrado em uma fórmula matemática conhecida como Prova de Von Neumann, desenvolvida pelo físico húngaro Janus Eric Von Neumann e publicada na década de 1930 em seu livro “Fundamentos Matemáticos da Física Quântica”, conhecida até hoje como a “bíblia” entre os físicos quânticos. Outros desenvolvimentos tem demonstrado que o tempo como é geralmente concebido, uma progressão linear do passado para o presente e deste para o futuro, em última instância não existe. Experimentos realizados na Universidade de Columbia na década de 1970 provaram que uma decisão tomada por um pesquisador/observador que determina se um fóton tem ou não viajado como uma onda ou uma partícula (causando ou não causando interferência de onda], e o que é feito depois que o fóton é emitido dentro de um aparelho multi espelhado (o que retarda consideravelmente sua viagem), também determinará o estado do fóton ao tempo em que ele é emitido – mostrando que o presente afeta o passado e então o futuro pode afetar o presente. Portanto, todo tempo é realmente simultâneo; o que chamamos de passado e futuro existem agora. O passado não foi embora e o futuro não está por vir. Então onde eles estão? Em uma outra dimensão. Alterações similares aos conceitos tradicionais sobre espaço, em particular vastas distâncias, devem suceder de tais fatos cientificamente aceitos.

Um outro campo de pesquisa usada intensamente em projetos top secretos envolvendo tecnologias ultra avançadas é aquele de Nikola Tesla, um verdadeiro gênio científico e verdadeiro pai de nosso sistema elétrico atual de corrente alternada, que já na virada do século anterior relatadamente desenvolveu tais tecnologias como raio de partícula e aparelhos anti-gravidade, transmissão de energia sem fio, psicotrônica e energia “livre”, para nomear uns poucos. Grande parte de seu trabalho permanece apenas obscuramente compreendido por muitos cientistas até mesmo hoje. Tesla e suas invenções figuraram proeminentemente no lendário “Philadelphia Experiment” que foi de fato parte da pesquisa do Projeto Phoenix.

Deve ser ressaltado por estes revisionistas que descontam a realidade do “Philadelphia Experiment” e também aqueles cujas mentes se assombram com a contemplação de tais assuntos, que há uma ampla evidência em se falando apenas de registro público (jornais, revistas, periódicos, etc.), mostrando que nas décadas de 1930 e início da de 1940 a Inteligência Naval e outras agências estiveram de fato completamente devotadas na pesquisa da tecnologia de ocultação ao radar com os principais físicos da época, incluindo John Hutchenson, Emil Kurtenhour, Albert Einstein, Von Neumann e Tesla. Embora não seja discutido então ou agora, a literal invisibilidade à visão foi também um assunto de consideravel interesse neste trabalho. Os locais desta pesquisa foram primeiramente a Universidade de Chicago e então mais tarde o Instituto Para Assuntos Avançados, uma organização de fachada para grupos conectados ao conclave de “um governo mundial” – o Conselho de Rhodes.

É certamente digno de nota que Tesla, que mantinha instalações de pesquisa em Shoreham, Long Island, falou de seus contactos com e inspiração de fontes extraterrestres.

Isto nos leva ao que talvez seja a avaliação mais incrível a respeito de tais comportamentos super secretos como o Projeto Phoenix, incluindo o Philadelphia Experiment e mais tarde, as atividades de Montauk – o envolvimento do governo secreto e agências internacionais com várias espécies alienígenas em inúmeros destes empreendimentos, até mesmo a anteriormente bem documentada queda de UFO em Roswell, New Mexico em julho de 1947. Não obstante, nenhuma pessoa racional e inteligente pode continuar a ignorar a existência de naves aeroespaciais excepcionalmente avançadas, aparentemente de origem não terrestre em sua maior parte, bem como a grande quantidade de testemunho de milhares de pessoas normais e sadias de contactos em algum grau com frequentes seres humanóides embora não terrenos operando tais naves; ignorar tais fatos é estar em negativa. Certamente uma tal condição de negativa da parte de tantos tem sido deliberada e unilateralmente instigada pelos governos, em particular pelos serviços de inteligência por inúmeras razões. A razão mais frequentemente citada e aceitável é a afirmação da grande preocupação sobre o efeito das notícias da existência de seres extraterrestres (e suas associadas tecnologias avançadas e habilidades) possa ter sobre os fundamentos sociais, políticos e econômicos da civilização humana. Tradução: aqueles no controle tem medo que eles possam não se manter assim. Uma razão mais compelente seria esconder o fato de que muitas das agências supra mencionadas tem aderido a atividades colaboradoras e a tratados com grupos de alguns destes seres extraterrestres. Uma percentagem da tecnologia usada no Projeto Phoenix e também na aeronave Stealth é dito ser derivado de fontes alienígenas e acusações tem sido feitas por pessoas como John Lear, filho do inventor do Lear Jet e mantenedor dos maiores records da aviação [que voou muitas missões para a CIA e saberia], que em troca desta tecnologia o governo deu a certos alienígenas permissão para abduzirem e realizarem experiências em cidadãos. Embora a ocorrência de abduções seja inegável por agora, uma quantidade surpreendente de evidência mostra que de fato pessoas muito humanas associadas a certas agências mlitares ou governamentais são responsáveis por muito – se não pela maioria -, do chamado fenômeno da abdução. fPreston Nichols diz que a inforação dele indica que 2/3 das ‘abduções alienígenas” realmente são realizadas pelas agências do governo – sem nenhum envolvimento alienígena.]

A totalidade da evidência nesta conjuntura indica que ao menos umas poucas raças extraterrestres estão presentemente se movendo em grande velocidade ao redor dos arredores gerais da Terra. O presidente de Buena Vista (Disney), Michael Eisner aparece pessoalmente em um vídeo promocional de 1996 da Disney para uma exibição completamente reprojetada e interativa de “Tomorrowland” apresentando cenários extraterestres e de abdução, durante a qual ele acusa direta e claramente o governo americano de enganar e mentir para o público a respeito da existência de extraterrestres e sua presença aqui, por muitos anos. Sua delaração continua com uma chamada para que as pessoas aceitem a verdade inevitável e aprendam a lidar com isto, sem ajuda ou orientação de qualquer fonte oficial ou governamental que possa ser esperada. (Algo novo aqui?)

Whitley Strieber, o autor de best sellers dos livros de não ficção “Communion” e “Breakthrough” reforçou esta opinião enquanto falava no programa de rádio Dreamland de Art Bell – que alienígenas de qualquer espécie que estejam conectados com as agências secretas militares ou governamentais, geralmente são más notícias e aqueles que não estão assim conectados podem ser OK, ou ao menos, gozarem do benefício da dúvida.

A Caixa de Pandora

Algumas das informações mais surpreendentes agora disponíveis a respeito de uma tal pesquisa classificada e experimentação em física ultra avançada, e tecnologias resultantes,e os usos das quais foram colocadas, podem ser encontradas em livros de Preston Nichols e Peter Moon, que fornecem profundos detalhes das atividades recentes do Projeto Phoenix. Seguindo o “Philadelphia Experiment” em 1943, uma tentativa inicial de tornar invisível [invisibilidade ao radar] e segundo algumas fontes também de invisibilidade literal, que pela maioria responde haver terminado em um fracaso incontrolável e de pesadelo, tal que a pesquisa interdimensional foi posta a espera enquanto era desenvolvida a bomba atômica e até que fosse vencida a Segunda Guerra Mundial, certamente contra o Japão. [a respeito da guerra contra a Alemanha nazista, contudo, a consequência não foi tão completa e decisiva como os livros de história podem nos ter feito acreditar – certamente nenhuma bomba atômica foi lançada – e devemos procurar mais sobre isto posteriormente). No final da década de 1940, entendendo que as linhas de pesquisa do Projeto Phoenix, se apropriadamente canalizadas, controladas e desenvolvidas, tinham possibilidades surpreendentes e inimagináveis, as agências clandestinas do governo reabriram a caixa de Pandora.

Os piores problemas encontrados durante o “Philadelphia Experiment” foram os efeitos extraordinariamente dstrutivos e bizarros sobre os seres humanos que estavam a bordo do navio militar que foi usado no experimento. Alegadamente, navio e tripulação desapareceram da vista por algum tempo; danos psicológicos devastadores bem como horríveis resultados físicos que atingiram os marinheiros que foram anexados ao metal do navio quando ele reapareceu [rematerializou] foram relatadamente alguns destes efeitos. Janus Von Neumann, que era o diretor do “Philadelphia Experiment”, (depois que Tesla havia saido desgostoso por sua preocupação sobre os efeitos sobre as pessoas) foi chamado para descobrir mais a respeito de como os seres humanos eram impactados ao entrarem em outras dimensões de tempo-espaço e para desenolver tecnologia que pudesse permitir que pessoas fizessem isto sem danos severos. Von Neumann, que diferentemente de Tesla tinha pouco costume com a metaísica ou a parapsicologia, logo se descobriu incapaz de chegar a termos com os aspectos psíquicos e espirituais dos seres humanos além dos níveis material e físico. É suficiente dizer que alguns elementos de uma pessoa, frequentemente chamados de espírito ou alma, devem permanecer em sintonia com seu original fechamento no tempo-espaço, que começa ao tempo da concepção física [incarnação] enquanto se transfere ou retorna de outras dimensões, se tais resultados destrutivos em ampla escala devam ser evitados. Von Neumann, exercendo mais uma vez suas prodigiosas capacidades mentais, chegou ao primeiro computador mundial, que tinha a capacidade de calcular certos fatores de referência de tempo e espaço com absoluta precisão – uma necessidade para o que era para ser realizado; além disso, equipamento psicotrônico foi criado que podia receber, reconfigurar e transmitir frequências do tipo de rádio gerada por pensamentos da mente humana [frequências que existem e podem ser captadas pelo que geralmente é chamado “física” [não, elas não são todas falsas); e por extensão, aparelhos que podiam externa e artificialmente alterar ou “controlar” as mentes das pessoas.

Entre os objetivos iniciais do Projeto Phoenix tem sido (e ainda são! [veja informação sobre o Projeto HAARP posteriormente]) obter capacidades de controle climático. Agências secretas do governo dos EUA e grupos associados receberam um grande impulso nesta área, e no desenvolvimento das tecnologias psicotrônicas em geral, da pesquisa e do trabalho de Wilhelm Reich, um verdadeiro gênio em vários campos: científico, médico, psicológico e metafísico. Reich demonstrou por extensa experimentação que uma forma de eneria de radio-frequência que ele chamou de “orgonio” era responsavél por estados psicológicos mentais bem como por coisas como condições climáticas. A respeito das condições climáticas, Reich doou sua tecnologia de “quebra de nuvem” para o governo americano sem compensação financeira, já que ele próprio estava buscando outras implicações de suas descobertas. (Parcialmente devido a pressão da Associação Americana de Medicina [A.M.A.], Reich foi sem misericórdia caçado e perseguido por agentes federais e seu laboratório foi destruído; ele foi aprisionado, entre outras acusações, por praticar medicina sem licença.) A tecnologia de controle climático de Reich foi utilizada e posteriormente desenvolvida pelo governo, e integrada a outros aspectos do projeto Phoenix.

Alguns pesquisadores,incluindo Preston Nichols, avaliam que as tecnologias do Projeto Phoenix foram desenvolvidas e aperfeiçoadas em seu mais alto grau, e em sua maior parte em Long Island no Laboratório Nacional Brookhaven e outras instalações. Grande parte disto foi legitimamente custeada até a década de 1960, quando o Congresso, ao ser informado pelos Laboratórios Brookhaven, Siemens/ITT, A.I.L. e outros contratados do estado avançado de desenvolvimento e da grande eficácia dos aspectos de controle mental e da psicotrônica, prudentemente decidiu terminar tal pesquisa de uma vez, para o bem de ao menos esta tecnologia cair em mãos erradas e ser usadda de modo inaceitável. Isto pode ter sido uma das poucas recentes ações congressionais apresentando alguma determinação real, mas infelizmente, a tecnologia já havia caído nas mãos erradas. Consternados pela ação do Congresso, os diretores do projeto abordaram certos membros da inteligência e das hierarquias militares em segredo e inconstitucionalmente conspiraram para continuar a experimentação, novamente em segredo, na recentemente fechada Estação da Força Aérea de Montauk. Janus Von Neumann foi mais uma vez o diretor científico já que as avenidas de pesquisa do Projeto Phoenix eram levadas a extraordinariamente novas alturas. Isto, o chamado Projeto Montauk, especificamente lidava em sua maior parte com psicotrônica e áreas interdimensionais de experimentação. Experimentos de controle mental eletromagnético usando transmissões de radio frequência altamente energizadas eram realizadas continuamente sobre homens de serviço visitantes e mulheres “convidadas” para a base para R&R; sobre a população grandemente nas comunidades vizinhas; e mais incrivelmente, em inúmeras crianças abduzidas [raptadas]. Sobretudo, pelo final da década de 1970, foi ralizada experimentação muito avançada na “dobradura” controlada de espaço-tempo, usando algumas idéias e invenções de Tesla [ morto a muito tempo], Von Neumann e outros. Correntes elétricas tremendamendamente poderosas fluindo em configurações específicas geravam campos eletromagnéticos que criavam em efeito um funcional “objeto de viagem espacial”. Para mais uma vez simplificar, a física era novamente utilizada para visualizar e estabilizar a “destinação alvo” em uma diferente dimensão espaço-tempo na qual o vortex seria então focalizado. O cilindro de viagem espacial, um conceito formulado pelo físico supramencionado Frank Tipler, é atualmente um dos modelos teóricos mais amplamente aceitos na física quantum de como criar um “buraco negro” artificial e controlável, e asim alcançar a mudança espaço-tempo e dimensional e até mesmo a habilidade de efetuar alterações e manipulação de nosso espaço-tempo continuum.

Há indicações definidas e testemunho que as instalações militares em Montauk Point foram o local da pesquisa psicológica e de controle mental até mesmo antes de 1969; segundo os pesquisadores de Camp Hero, tem sido sabido que uma base “psíquica” tem até mesmo existido desde sua origem não muito depois que o governo federal adquiriu a terra em 1910 por meio de uma flagrante burla, fraude e engano praticada contra seus legítimos proprietários – a tribo indígena Montauk. Evidência substancial de inúmeras fontes mostra que as agências de inteligência do nosso governo são responsáveis por um surpreendemente sortimento de experimentos de controle mental e projetos, ao menos a cinquenta anos. O Napa (Califórnia) Sentinel publicou uma longa série em 1991 que forneceu uma visão geral muito compreensível do “estado de arte” geral das atividades em controle mental nos EUA; o Washington Post tem apresentado uma boa cobertura sobre os diabólicos abusos da CIA e do NSA neste campo. As audiências do Comitê Church do Senado durante a década de 1970 sobre as práticas da CIA, NSA e similares em tais assuntos, realmente só arranharam a superfície de um aspecto sórdido, brutal e pouco conhecido dos registros dos serviços de inteligência dos EUA neste tipo de experimentação – quase sempre envolvendo completo abuso abjeto e desrespeito aos direitos humanos, civis e constitucionais. Em 1994 o Comitê do Senado de Assuntos dos Veteranos [presidido por John D. Rockefeller] realizou audiências sobre as práticas de grupos militares e de inteligência a respeito da utilização de sujeitos involuntários em uma parte substancial da chamada pesquisa realizada em campos tais como a testagem dos efeitos das armas químicas e biológicas e os usos de drogas e as configuradas transmissões eletromagnéticas e de radio frequência no controle mental [e corporal].

Em Montauk, para simplificar consideravelmente, a agenda básica de “pesquisa” era como se segue. Psíquicos extremamente dotados e rigorosamente treinados eram atraídos por meio do equipamento psicotrônico para computadores que convertiam as formas de ondas de seus pensamentos em código digital de computador, e também reestabeleciam formas de ondas a transmissores excepcionalmente altamente energizados eletromagneticamente ou por radiofrequência que transmitiam pensamento, sinais alteradores da consciência e da mente. Segundo narrativas, certos experimentos alcançaram a materialização, em níveis variados de estabilidade e solidez, de objetos visualizados pelos psiquícos cujos pensamentos eram irradiados, bem como efeitos de teleportação. [o website da IBM em maio de 1997 apresentou uma sinopse da pesquisa dela e pretendido desenvolvimento da tecnologia da teleportação]

Parte disso soa muito excitante, surpreendente e até mesmo maravilhoso, e certamente de alguns modos provavelmente o seja. Contudo, em grande extensão, tais atividades foram e são feitas absolutamente sem qualquer consideração com os efeitos que as pessoas experimentem; sobretudo, este trabalho é feito com a plena intenção de usar as capacidades e o conhecimento obtidos para mais inteligentemente e completamente subjugar a humanidade com um controle cada vez mais poderoso e invasivo de nossa consciência; de fato, e literalmente se lembrarmos da Prova de Von Neumann, “a engenharia da realidade”. Segundo Nichols, um engenheiro radio-eletrônico inquestionavelmente brilhante que trabalhou frequentemente no Projeto Montauk em um estado mental alterado enquando simultaneamente trabalhava no Laboratório Nacional Brookhaven (tal consciência alternativa pode ser obtida com variações das tecnologias psicotrônicas) – e também segundo outros participantes em primeira mão em certos destes experimentos – alguns dos mais jovens abduzidos e tão viciosamente abusados nestas atividades morreram como resultado e foram enterrados em massa no sitio! A tragédia humana atestada aqui começa a rivalizar as indeléveis atrocidades dos massacres de Pol-Pot ou Auschwitz e Bergen-Belsen em seu horror e brutalidade. O fato de que isto tenha sido feito a crianças americanas e em solo americano por agências ligadas, contudo tenuamente, a nosso governo é virtualmente inimaginável; ainda que temos descoberto, muitas das avaliações feitas pelos investigadores de Phoenix/ Montauk tenham sido examinadas e verficadas.

Como mencionado, o Projeto Montauk ruiu e foi queimado em agosto de 1983, sabotado certamente de dentro por alguns participantes chave que não podiam mais tolerar o que estava acontecendo. Um túnel do tempo exatamente ligado ao “Philadelphia Experiment” exatamente quarenta anos antes [12 de agosto de 1943] foi alegadamente alcançado então – aparentemente uma tentativa de projetar operadores para repararem ou desfazerem os danos que eles sentiam terem sido feitos ao espaço-tempo continuum durante o experimento de 1943; entretanto, o projeto terminou temporariamente, como descrito, com a superfície da propriedade sendo doada ao Estado de Nova Iorque.

Os paradoxos abundam

Até mesmo uma breve descrição deste local revelará maciças inconsistências e ofuscantes anomalias na atual administração da área dos Parques Estaduais de Nova Iorque: uma série de investigações da instalação de aproximadamente 400 acres mostra que sua designação e administração é muito irregular e suspeita. Embora seja supostamente uma instalação abandonada, tóxica e perigosa, fora dos limites do público até que seja limpa, virtualmente nenhuma limpeza tem sido realizada depois de 13 anos. A entrada de veículos tem um portão de alta segurança e é cercado com cadeados de combinação e está pesadamente cheio de avisos postados de “entrada restrita” e “não ultrapasse”, ainda que a cerca e os avisos que delineiem e identifiquem a área restrita sejam pontilhados ou não existentes ao longo de milhares de pés da fronteira [ironicamente, especialmente nas áreas residenciais]. Ao mesmo tempo, inúmeras autoridades patrulham a base continuamente, mas de uma forma como se estivessem “fora de serviço”. Eles geralmente não usam emblemas que os identifiquem ou uniformes e assim é algo não oficial – não necessário de se identificarem ou a fonte de sua autoridade; avisos para se manter fora da área e ameaças de prisão [e mais] são enviadas “não oficialmente” mas com muita força. A Polícia Estadual de Nova Iorque, a Polícia Estadual de Parques e a Polícia Municipal de East Hampton também patrulham a área e cumprem a restrição “fora dos limites”. Parece óbvio que o perímetro desta área restrita é tão desigualmente e irregularmente identificado e patrulhado para evitar chamar uma atenção indevida a este local.

Funcionários dos Parques Estaduais de Nova Iorque, incluindo o supervisor do parque George Larsen, são extremamente evasivos e enganosos quando questionados sobre o status real da área, bem como sobre a administração dela. Quintais nas vizinhanças diretamente adjacentes da Estação da Força Aérea de Montauk tem caminhos que levam diretamente a supostas áreas restritas, ou propriedade perigosa, do qual existe evidência filmada em videotape. Também, a uma maior exceção ao cumprimento legal da restrição da área fora de imite, e considerando as acusações feitas a respeito de algumas atividades aqui, é uma exceção mais que sinistra. Crianças e adolescentes tem sido localizados muito frequentemente dentro do perímetro e não são retirados ou até mesmo abordados quando observados pelo pessoal da segurança. Evidência filmada existe disso, e também de crianças dirigindo bicicletas e subindo nas estruturas da chamas área restrita, tóxica e perigosa, que aparentemente não está fora dos limites para eles.A Guarda Nacional e outras unidades militares realizam o que parece ser legítimos exercícios de treinamento na propriedade. Estas pessoas estão sendo submetidas a tal ambiente inseguro, tóxico e perigoso? Não parece ser provável, mas se assim for, aqui temos um outro fato escandaloso, bizarro e desperador para acrescentar a longa lista de tal relato ocorrer regularmente neste local. Bem como há uma quantidade substancial de testemunho de residentes das redondezas que descrevem o que parece ser uma atividade noturna, em andamento, não legítima, envolvendo pessoal militar/do governo não identificado na base.

Informação de Apoio

Certos incidentes tem vindo a luz durante os últimos poucos anos que dão apoio posterior a algumas das alegações sobre as atividades do Projeto Montauk. Ramos da CIA, NSA e outras agências tem reconhecido que realizaram inúmeras e extensas experimentações em controle mental em algumas locações nas décadas de 1960 e 1970, inclusive a infame pesquisa feita no Instituto Memorial Allen e na Universidade McGill em Montreal, Canadá. Dr. Euen Cameron era o chefe mestre de cerimônias lá, em um outro cenário estranhamente reminiscente da Alemanha nazista no que havia de pior – e não sem razão, como descobriremos.

Para os não esclarecidos, há quantidade substancial de informação e evidência sobre literalmente incontáveis projetos e subprojetos realizados pelas agências federais de inteligência de pesquisa e experimentação em todas as formas concebíveis de controle mental – usando tudo desde o contrle encoberto da informação básica disponivel a sociedade como um todo de fontes fundamentais como livros, revistas, TV, rádio, jornais etc., até drogas e eletromagnetismo e um culto altamente estruturado como “sistema de crença” em grupos de controle. ( Jonestown, o massacre da Guiana [aproximadamente 700 das mais de 900 vítimas foram de homicídio, não de suicídio) em 1979, como exemplo principal do projeto de controle mental mais drogas empregadas em um culto da CIA que perdeu o controle – o que talvez tenha sido a idéia! – um fato estudiosamente evitado na maior parte da cobertura da media da tragédia.) Usando sinais de radio frequência ou eletromagnéticos [e drogas] tecnologias funcionais tem sido desenvolvidas que podem: manipular os estados psicológicos básicos; interferir com o funcionamento mental coerente e com os reflexos motores; controlar o sistema nervoso autônomo; transmitir palavras audíveis diretamente ao cérebro vio microondas pulsadas; criar [psicotrônica] links mente-computador [utilizado pela Força Aérea com pilotos combatentes e computadores de vôo e demonstrado na TV]; interface diretamente com os processos de pensamento conscientes e o subconscientes; plantar mensagens subliminares – especialmente quando os alvos estão em sono REM… tudo isto em adição a outras atividades e capacidades anteriormente ressaltadas.

De particular interesse são as filas de computadores de nanotecnologia extremamente avançada da NSA que, usando links com satélites, podem localizar, catalogar, rastrear e escanear literalmente qualquer um nos EUA, ao ler [e registrar ou correlacionar/combinar] a única assinatura bio-eletromagnética possuida por qualquer um e por todos seres vivos, e pelo monitoramento de estado mental, físico e emocional através de sutis leituras evocadas de eletroencefalogramas captados por um escaneamente extremamente sensível. Os indivíduos alvos podem então ser “interfaceados” por meio da tecnologias de eletromagnetismo/radio frequência ressaltadas. A lista não termina, e este relato é apenas relativo aos aspectos de controle mental de Montauk, então devemos continuar. Indico aos leitores as bibliotecas públicas para alguma informação posterior sobre os projetos de controle mental do governo.

Os pesquisadores do Projeto Montauk avaliam que os mais jovens abduzidos para uso nos experimentos, primeiramente tinham demolido completamente seus espíritos, psiques, personalidades, senso de ego, e integridade mental por meio de um abuso psicossexual severo, intensivamente cuidadoso e orquestrado até que estivessem apropriados para serem “reunidos” “reprogramados” via supercomputadores usando a psicotrônica, realidade virtual eletromagnética e de rádio frequência e tecnologias “tecno-psíquicas” para o desejado perfil psicológico, realizado como necessário; para uso em experimentação interdimensional, como cobaias no infindável trabalho de controle mental e psicotrônica, como agentes adormecidos que podem ser ativados por uma variedade de meios – inclusive pelo uso de receptores implantados, e como “um exército secreto” que pode ser convocado pelo governo secreto em tempos de crises severas e não usuais; se eles de fato sobrevivessem a experiência difícil. Isto é a maior confirmação que este seja realmente um método estabelecido e usado frequentemente [em outros projetos de controle mental documentados] de serviços de inteligência para criar agentes controlados mentalmente, frequentemente totalmente involuntários a serem usados em espionagem, assassinatos e similares. Falsas instalações de cuidados infantis e grupos falsos “quase religiosos” tem sido fortemente implicados como métodos utilizados por agências de inteligência com a CIA para obter acesso aos apropriados mais jovens em situações que exigem parâmetros de controle.

Em 1978, virtualmente o inteiro Estado do Oregon foi submetido a transmissões eletromagnéticas verdadeiramente não comuns que tinham efeitos destabilizantes e negativos no humor e estado mental de uma grande percentagem da população. Isto foi monitorado e rigorosamente relatado por inúmeros grupos tais como a polícia, bombeiros, serviços de emergência,estações de rádio e TV etc. A situação naquele tempo recebeu ampla cobertura da imprensa e os sinais foram eventualmente rastreados a um transmissor da marinha dos EUA na Califórnia!

A respeito destas habilidades “psíquicas” das agencia do governo, o San Francisco Examiner no domingo, 24 de dezembro de 1995, apresentou a primeira parte de um artigo sobre um programa da CIA no Instituto de Pesquisa Stanford e outras instalações que treinaram e desenvolveram habilidades psíquicas no programa de forma que eles pudessem serem usados como “espiões psíquicos’. Chamado Stargate, o programa floresceu na década de 1980 e foi especialmene bem sucedido em tais atividades como “visão remota” e outros fenômenos associados a percepção extrassensorial. Outros experimentos incluiram psicocinese [movimentar objetos com a força do pensamento], onde processos aleatórios eram influenciados pela mente, e também controle mental por interferência psíquica. Sentir onde um alvo estava e o que estava fazendo eram outras habilidades pesquisadas neste programa. Uma grande quantidade de informação sobre visão remota e outras operações psíquicas diretamente controladas, frequentemente realizadas por pessoal militar ou de inteligência, tem se tornado públicas aproximadmente no ano passado.

A publicação de agosto de 1995 de Popular Science trouxe uma peça que forneceu muita informação sobre um recente projeto do governo chamado HAARP (Programa de Pesquisa Aural de Alta Frequência Ativa]; informação que novamente impulsiona certas avaliações feitas pelos investigadores de Montauk/ Phoenix . Além disso, das capacidades e funções esotéricas mas de certo modo mais mundanas tornadas públicas a respeito desta tecnologia, a inteira ionosfera da Terra pode ser configurada para realizar um receptor de frequência incrivelmente poderoso, de ultra amplo espectro, global ao radiar energia de raio em alta frequência na ionosfera.

O Projeto HAARP está sendo operado pela marinha e a força aérea, junto com o laboratório Phillips e adicionais participantes. A tecnologia de HAARP causa tremendas mudanças de energia em regiões específicas da ionosfera, permitindo que isto seja configurado como uma lente virtual, um espelho virtual, um transmissor, e outros meios. As metas publicadas de aparência inócua das atividades de HAARP são camufladas pela evidência produzida pelos autores do livro recente “Os Anjos Não Tocam Eta HARPA”. Segundo os documentos descobertos pelo Dr. Nick Begich e Jeann Manning no curso da pesquisa deles, alguns dos objetivos deste projeto, detalhados em documentos oficiais internos da força aérea, incluem, entre outros horrores, utilizar vários sinais eletromagnéticos (RF) para causar efeitos deletérios, injuriosos mental e fisicamente e até mesmo fisicamente letais sobre grupos alvo da população, não excluindo os chamados “inimigos domésticos”. Também diretamente indicado em certos documentos é o uso de transmissões para interagir com e “interrogar” as mentes de grupos alvos. Isto significa controle mental eletromagnético. Tais atividades podem ser implementadas em qualquer lugar na face da Terra. Outras aplicações potenciais para a tecnologia de HAARP incluem:

1. Aperfeiçoamento de ou interferência com as comunicações – bem desenvolvimento de novos tipos de transmissão de rádio.

2. Manipulação de padrões climáticos.

3. Armas relacionadas e usos de controle mental como supramencionado.

4. Tomografia penetrante da Terra – uma função como raio X que pode revelar, por exemplo, a existência de instalações subterrâneas [como Montauk!], bem como depósitos de petróleo e de minerais.

5. “Empurrar o envelope” em termos de bombear energia eletromagnética na ionosfera apenas para ver o que acontece.

Segundo a vasta maioria dos cientistas [independentes de qualquer afiliação governamental] entrevistados pelos autores, o potencial para um dano catastrófico e em bola de neve à ionosfera e de fato a inteira rede de vida inter-relacionada eletromagneticamente neste planeta como um resultado deste projeto em particular é extremo. Isto é uma atividade horripilante que tem inimagináveis riscos ambientais globais, bem como certos objetivos completamente inconstitucionais. Leia “Angels Don’t Play This HAARP” de Dr. Nicholas Begich e Jeann Manning para conhecer a história inteira.

A tecnologia de HAARP pode ser capaz de muitos ou todos os efeitos e procesos dos Projetos Phoenix/ Montauk, bem como modificação genética, “polícia cerebral” e outras funções similarmente assustadoras. Nick Begich e Jeann Manning tem relatado transmissões de 435 megahertz que tem sido monitoradas em associação a atividade de HAARP; sinais que Mr. Nichols tem determinado estejam diretamente no alcance da interface mental e tem sido usados extensamente no controle mental e a experimentação psicológica que tenho relatado. As implicações disto são incríveis e horripilantes, já que o potencial agora existe para implementar tais funções em uma base mundial.

Turtle Cove

Investigadores do Projeto Montauk afirmam que a localização de Montauk Point foi escolhida não por acaso, mas porque este é um “ponto de energia” muito importante na Terra, devido a fatores geomagnéticos de grande significado científico.

É de conhecimento comum e um fato aceitado em geofísica e ciências relacionadas que certas áreas da superfície da Terra são “pontos quentes” goemagnéticos onde ocorrem anomalias gravitacionais, magnéticas e eletromagnéticas, incluindo efeitos em certas atividades eletromagnéticaas e de radio frequência, e isto é um fato das razões pimárias citadas nos proponentes de HAARP para a situação da principal [como a conhecemos!] instalação HAARP em Gakona, Alasca.

Richard Hoagland, um ex cientista da NASA que reuniu uma equipe que tem feito grande parte de pesquisa intensiva no que parece ser uma face similar a da Esfinge, pirâmides e outras estruturas na superfície marciana, tem decifrado uma fórmula matemática codificada em ângulos e relacionamentos de estruturas que compõem o complexo marciano [conhecido como Cidonia] que ele chama de geometria tetraédrica ou física tetraédrica. Os elementos básicos da fórmula são [e eu simplifico consideravelmente], como uma esfera tal como um planeta é rotado em seu eixo, pontos específicos na esfera se tornam o foco ou portal para o processo de subida natural de energia que se origina em outras dimensões. A mais notável destas coincidências com onde os pontos do tetraedro incritos dentro da esfera se intersectam a superfície da esfera. Outros que os polos, estes pontos estariam a 19.5 graus de latitude norte e sul. Na Terra isto é as Ilhas Havaianas, em Júpiter é a Grande Mancha Vermelha, e assim por diante. Segundo a fórmula tetraédria outras locações também são pontos de “poder”, incluindo a própria Cidonia. Na Terra alguns pontos adicionais incluem Gizé [as famosas pirâmides] no Egito , Machu Pichu (na mesma longitude que Montauk) e Stonehenge.

Quando os colonizadores ingleses e europeus alcançaram as costas leste de Long Island nos anos de 1600, os índios Montauk e outras tribos estreitamente relacionadas viviam na região. Os Montauks são uma tribo Algonquina, reconhecida no fato que muitos Algonquins sejam a tribo primária ou liderante. Grante quantidade de indios nativo americanos, incluindo os Montauks e a minoria dos Algonquins, acreditam que Turtle Cove, imediatamente adjacente a e entre Montauk Point e Camp Hero, seja de fato uma maior ponto de “poder” – um “stargate” ou vortex interdimensional e fonte de nossa realidade ou criação. Os índios Montauk são considerados os guardiães deste ponto. (o mundo criado, como muitas tribos o conheciam, era a América do Norte,que foi chamada de Ilha da Tartaruga).

Um ponto importante é que os chefes dos Montauks tem mantido o nome de Faraó através da história deles, muito antes que qualquer pessoa branca tivesse chegado para partilhar tal nome com eles, e o nome Faraó agora aparece em algum outro lugar da Terra exceto o Egito. A evidência arqeológica indica que os índios Montauks habitavam esta região continuamente por ao menos 8.000 anos. Como Montauk é geologicamente distinto de Long Island e da América do Norte, pode ser teoricamente um remanescente da dos Atlantes do Egito e Montauk. Narrativas históricas de séculos anteriores atestam estruturas piramidais que existiram em ou perto de Turtle Cove, e vários anciãos da tribo se recordam de ouvir sobre elas: contudo elas foram relatadas serem uma formação linear – não circular que seria mais provável se elas fossem construções nativo americanas. Preston Nichols e Peter Moon teorizam no livro deles “Projeto Montauk”que as pirâmides de Montauk podem ter sido construídas por uma sociedade extraterrestre, e que os índios Montauk são um remanescente de uma civilização atlante muito antiga, como o foi o Egito Antigo. A pesquisa deles traz inúmeras conexões com Marte e também com as pirâmides e a face similar a Esfinge que são o foco do trabalho de Hoagland.

Este local, nos tempos antigos e atualmente, e as atividades que as agências secretas do governo [com seus extensos laços com fraternidades de tipo maçonico e senhores extraterrestres por trás delas – como escrito no livro “Deuses do Éden” de William Bramley) estão alegadamente realizando são vitalmente importantes para a raça humana e seu futuro na Terra.

Uma outra curiosidade é o nome “Camp Hero”. A palavra “hero” é derivada da palavra grega para o deus egipcio Horus, entre quais atributos estavam a habilidade de ver outras realidades bem como adiante e para trás no tempo. Embora este nome tenha sido dado a região relativamente recentemente pelo governo federal (leia: Theodore Roosevelt — um Mestre Maçom que possuia uma grande parte da terra tribal muito próxima a Turtle Cove) certamente se correlaciona perfeitamente com o que os índios Montauk e outras tribos acreditavam sobre este local. Como notado, Camp Hero foi conhecido por ser uma “base psíquica” desde sua iniciação como uma instalação militar do governo.

Parece que os membros de certas organizações ou agências ou sabiam que este era um ponto muito significativo na Terra ou logo descobriram isto, e durante centenas de anos sistemática e deliberadamente manipularam os índios Montauk para deixarem suas terras tribais e campos de enterros a leste do que agora é o pequeno vilarejo de Montauk. Thomas Jefferson fez um esforço substancial no iníio dos anos de 1800 para ir pessoalmente a Montauk e registrar o máximo possível da história de Montauk, linguagem e cultura. [embora a lingua dos indios Montauk agora tenham quase desaparecio completamente, há indicações substanciais que era de fato Vril, a assim chamada linguagem enoquiana de extrema antiguidade]. Obviamente Jefferson, um outro Mestre Maçom, considerou ser o material muito importante. Jefferson mais tarde afirmou haver perdido grande parte do material em um acidente de barco, mas isto parece estranho porque ele nunca voltou a Montauk para refazer o trabalho perdido se isto fosse tão mportante em primeiro lugar, e pudesse indicar que sua história não era verdadeira e que a informação estivesse escondida longe.

A Destruição Sistemática de Uma Tribo

As maquinações contra a tribo e as tentativas incansáveis de afastar os indios Montauk da terra de Montauk Point e vice versa culminaram em uma decisão judicial ultrajante e indenfensável em 1900 da côrte de Nova Iorque que declarou os índios Montauk estarem “extintos” até mesmo enquanto alguns se sentavam na sala da côrte; uma tática particular usada contra nenhuma outra tribo da América do Norte. Significativamente, a construção de instalações militares em Turtle Cove começaram quase que imediatamente depois desta decisão da côrte. De fato, centenas de Montauks ainda estão vivos hoje, e este é um fator definitivo na decisão do governo federal de devolver ao Estado de Nova Iorque a base da Estação da Força Aérea de Camp Hero/Montauk depois de seu suposto abandono das instalações de superfície. Há uma existente lei federal chamada de Ato do Não Intercurso que diz que a propriedade de qualquer terra uma vez habitada pelos índios americanos que seja ocupada e então abandonada pelo governo dos EUA, deve reverter aos seus habitantes originais; neste caso seriam os índios Montauk, exceto que eles estão covenientemente “extintos” por ordem judicial.Contudo uma ordem judicial do Estado de Nova Iorque não necessáriamente se aplica acima do governo federal. Obviamente o governo federal não quer que os índios tenham a propriedade que interferiria seriamente nas operações clandestinas lá. Se os Montauks pudesem, como estão tentando fazer, obter o pleno reconhecimento legal como uma tribo existente, o governo federal seria obrigado a se curvar aos termos do Ato do Não Intercurso e devolver a propriedade de Camp Hero a eles, a quem ela obviamente pertence – sem qualquer divertido negócio sobre reter os direitos às instalações subterrâneas.

Envolvimento do Secreto Governo Mundial

Segundo muitos daqueles que tem investigado os inúmeros projetos, programas e tais que tem sido discutidos neste artigo, existe algum tipo de supergoverno internacional mundial oculto por trás das cenas do grande estágio mundial, por assim dizer; puxando as cordas que tem um impacto substancial na consequência de muitos eventos mundiais – eventos frequentemente instigados e manipulados por estes mesmos grupos. Muito pouco, se algo, que pode ter qualquer efeito significativo sobre a raça humana socialmente, politicamenete, economicamente ou até mesmo espiritualmente apenas acontece a menos que este grupo oculto de controle pretenda que isto aconteça, ou permita. Um fenômeno como o do Terceiro Reich defintivamente cairia nesta categoria. Não apenas muitas pessoas proeminentes abertamente apoiaram Hitler e alguns dos objetivos declarados do movimento nazista antes da deflagração da Segunda Guerra Mundial na Europa, mas depois da guerra incontáveis milhares de membros de alto escalão do partido nazista, principais cientistas e agentes de inteligência vieram para os EUA e trabalharam para o governo americano, e não apenas nos campos aeroespaciais como geralmente é pensado. De fato, nossos serviços de inteligência receberam a maior infusão de todas, incorporando o maior número de ex agentes nazistas, muitos dos métodos e técnicas nazistas de inteligência bem como uma vasta quantidade de “pesquisa” e dados resultantes de um dos mais abomináveis projetos daquele tempo – os campos nazistas de morte. Muitas alegações e rumores continuam a persistir que inúmeros outros nazistas de alto escalão escaparam para vários países da América do Sul e novamente auxiliaram a inteligência americana e as agências militares onde eles continuam a fomentar eventos realizados para sua intenções inabaláveis políticas e filosóficas.

Acoplado ao fato de que não houve rendição completa e incondicional do Terceiro Reich, somente um acordo de cessar fogo, podemos admitir a possibilidade que há mais da história do que o que foi publicamente revelado – e talvez os nazistas não foram realmente derrotados mas foram em alguma extensão incorporados ao nosso governo, e atividades tais como os Projetos Phoenix e Montauk realmente tenham ido para o subterrâneo depois disto. Há inegáveis fortes implicações de um substancial elemento nazista/ariano em muitos destes comportamentos, que em alguma extensão podem talvez terem infiltrado nosso governo depois do fim da Segunda Guerra Mundial.

Obviamente “Top-Secret”

Uma conclusão que razoavelmente pode ser tirada desta riqueza de evidência que é irradiantemente óbvia; certos grupos clandestinos ou agências tem conduzido e continuam a realizar atividades extremamente sensíveis e classificadas como “top-secret” nas instalações sob a Estação da força áerea Camp Hero/Montauk com a cooperação tácita e as vezes, a assistência do sistema de parques estaduais de Nova Iorque bem como vários outros corpos governamentais.

Existem claras evidências sobre como exatamente as atividades tem sido e estão sendo realizadas no Projeto Phoenix/ Montauk (e outos tais), que agências são responsáveis, e quem mais provavelmente sejam as vítimas desta pesquisa que será difícil se apresentarem e tomarão uma investigação sustentável e intensa por pessoas dedicadas; certamente devemos esperar que as agências e grupos envolvidos sejam menos que sinceros e honestos a respeito de qualquer coisa relacionada. Contudo, incidentes de intimidação, ameaças e abusos de armas apontadas diretamente contra os nossos cidadãos, tais como aqueles descritos no início deste relato, são facilmente verificáveis: eles são um ultraje absoluto e inaceitável e fortemente indicam que algo muito asqueiroso e secreto ainda está acontecendo certamente nas instalações subterrâneas dos laboratórios de Montauk e indubitavelmente em outros lugares pelo mundo. Tais incidentes representam uma óbvia violação de todo contrato implícito e explícito entre qualquer governo legítimo e seu povo; o tempo está a muito vencido para a cidadania local e nacional dar uma olhada profunda e séria na real situação em tais locais e nas maiores ramificações, assistidas, espera-se por uma imprensa livre e legítima, preocupada e sensível as organizações locais. Devemos exigir uma auditoria pública completa destas atividades atrozes daqueles que forem descobertos responsáveis, além da restituição ás partes feridas de qualquer meio possivel.

Se agências secretas operando sem o conhecimento ou consentimento de qualquer autoridade constitucionalmente eleita pretendem ou continuam suas atividades clandestinas, ilegais, inconstitucionais neste local, ao menos as áreas devem ser clara e inequivocamente determinadas, cercadas, tendo avisos e patrulhadas como tal. Isto é o que está sendo feito fora do perímetro da Area 51 da Base da Força Aérea de Nellis em Nevada, onde em maio de 1996 a Força Aérea tomou 4.000 acres do Escritório de Gerencialmento de Terras (BLM) adjacentes a Area 51 e top-secret S4 em Nellis. Esta ação foi tomada para evitar que o público chegasse perto demais da pesquisa altamente classificada que envolve naves aeroespaciais terrestres [ou não] que apresentam características anti-gravidade, testemunhadas por muitos milhares de pessoas anteriormente.

De fato, experimentos realizados em sujeitos não voluntários e indefesos e mais definitivamente o uso de crianças sequestradas em qualquer um de tais experimentos devem cessar imediatamente e aqueles responsáveis levados à justiça. O modo totalmente sorrateiro que a Estação de Camp Hero/Montauk está sendo administrada é o suficiente para indicar que coisas muito desagradáveis e maliciosas estão acontecendo diferentemente da situação de Nellis e em Montauk eles não querem que você saiba que há algo que supostamente você não deve saber!

A família mencionada no início deste relato que foi submetida ao comportamento abusivo, impróprio e completamente não profissional por supostos empregados dos parques do estado de Nova Iorque, em abril de 1995, está movendo ação legal como resultado do incidente. As investigações preiminares tem fracassado em encontrar qualquer registro válido do emprego dos parques estaduais de Nova Iorque para este indivíduo. Sobretudo, ele se identificou como um empregado da Estação da Força Aérea de Montauk – uma designação federal para a supostamente a muito abandonada instalação! Estas conversas foram gravadas.

Do mesmo modo, em uma recente investida a vizinhança da entrada principal da base feita para posterior “espionagem”, fui momentaneamente surpreendido quando um veículo de manutenção dos Parques Estaduais de Nova Iorque saiu pelo portão e o motorista parou para me perguntar o que estava fazendo lá [ os novos sinais de aviso de “área restrita” marcando o “velho” perímetro interno da propriedade da base estão aproximadamente 300 jardas atrás da estrada de entrada, diretamente passando um desvio para a pequena vizinhança próxima.] Dei uma desculpa que estava procurando a Avenida Washington, uma das ruas na área adjacente de habitações, e ele replicou: “Penso que seja de volta a estrada a direita.Isto aqui é uma base da força aérea!” E de fato é!

Custeio Ilegal

Inúmeras matérias colaterais tem sido levantadas pelos investigadores do Projeto Montauk. Um dos mais notáveis é o custeio destas secretas e inconstitucionais operações que vem grandemente da importação e venda de temendas quantidades de drogas pesadas ilegais. A polícia de East Hampton e outras agências locais de cumprimento legal tem sido acusadas por alguns de “olhar para o outro lado” quando os barcos dos contrabandistas de drogas descarregam em inúmeras praias remotas de Eastern Long Island a noite, assinaladas por fogueiras acesas pelas turmas que pegam a carga no litoral. Leis que proibem fogueiras noturnas nas praias nesta área são notoriamente descumpridas, para grande consternação de uma grande proporção dos residentes de East Hampton e funcionários: e apenas um carro rápido ou avião vai embora; é o maior e mais densamente povoado mercado local no país – a cidade de Nova Iorque. Segundo uma fonte informada do Departamento de Justiça, a área de Long Island, N.Y.tem literalmente zero casos federais de contrabando de drogas pendentes, e há muito poucos, se algum , casos já por inúmeros anos na área de Long Island. Isto de fato está em flagrante contrastraste com as fronteiras e linhas costeiras dos EUA para ser visto com alguma suspeita. Elementos do crime organizado (Máfia) trabalhando em conjunto com unidades clandestinas da NSA e CIA, alegadamente estão conectados a estes aspectos do Projeto Montauk e também uma percentagem de vítimas procuradas para experimentação, que notadamente envolve o uso de jovens adolescentes masculinos e caucasianos.

Tecnologia do Raio de Partícula

No fronte científico há forte evidência, detalhada por Nichols em seu livro mais recente, que indica que aceleradores de patículas estão em uso na base da força aérea de Montauk e nas instalações vizinhas – tais como os Laboratórios Brookhaven – para fornecer energia aos experimentos tridimensionais, armas de raios de partícula,transmissões HAARP e sistemas exóticos de radar de raio de partícula.

As peculiariedades e falta de qualquer resposta crível a queda do vôo 800 da TWA tem levado muitos investigadores das atividades clandestinas em Long Island a suspeitarem do envolvimento das operações do Projeto Montauk na queda; em particular, o uso de armas de raios de partículas, energizados por estes aceleradores de partícula subterrâneos. Segundo a informaçãode um ex agente federal ligado ao Projeto Montauk, certamente as operações dos raios de partícula causaram a queda. Este aspecto do Projeto Montauk não tem sido pesquisado profundamente neste relato; em “Pyramids of Montauk”, Preston Nichols fornece alguma informação sobre o assunto geral. E no que e por quem estas armas estão usadas contrariamente? Mr. Nichols me disse que em agosto de 1995 ele foi informado diretamente por um coronel da força aérea estacionado em Montauk chamado Ciel Roth que a tecnologia do raio de partícula estava sendo desenvolvida para uso como arma em um esforço maciço contra malévolos extraterrestres – aparentemente os “grays”. (Quem é mais malevolente, se os “greys ou ou o governo secreto, é uma questão em aberto). Os investigadores apontam um número muito alto realmente não usual na queda de UFOs em Long Island como uma indicação que isto de fato possa ser verdadeiro. As suspeitas são que o vôo 800 da TWA pode ter sido atingido durante as operações de raios de partículas. (Alguns investigadores não estão certos que tenha sido acidental, já que certos agentes de inteligência aparentemente estavam a bordo. Também é possível que uma arma menos exótica seja a responsável pela queda). A área de Long Island onde o jato caiu, Westhampton, tem sido identificada por Nichols e outros como tendo acelerador de partícula e tecnologia de raio de partícula operando nas instalações subterrâneas, e está próxima aos Laboratórios Nacionais de Brookhaven, citado como sem qualquer dúvida um maior participante nas operações clandestinas nesta região.

Severos e extensos incêndios de bosques nesta área de Long Island em agosto de 1995 foram alegadamente causados por certas operações [ou má funções] de raio de partícula/acelerador, e de fato os fogos foram a razão primária pela qual foi pedido a Mr. Nichols que se encontrasse com o Cel. Roth. Isto aparentemente foi uma tentativa da parte da Força Aérea para avaliar se Nichols podia ou não obter alguma luz do que estava indo errado com uma série interligada de aceleradores subterrâneos entre Brookhaven e Montauk Point.

Cavando a Verdade

Vários grupos investigativos do congresso tem começado a olhar as acusações feitas a respeito da Estação da Força Aérea Camp Hero/Montauk, devido em grande parte a informação nos livros de Preston Nichols e Peter Moon e nas narrativas oferecidas por inúmeras testemunhas. Mr. Nichols e outros tem conhecimento em primeira mão do que transpirou e transpira lá e eles continuam no esforço de revelar o uso clandestino da instalação subterrânea vastamente bem documentada e muito grande lá. Acusações tem sido feitas que os investigadores congressionais estão atualmente sendo ludibriados, enganados e claramente mentidos em suas tentativas de terminar como esta base permaneceu em um status operacional depois de ter sido fechada em 1969, e em suas tentativas de descobrir que tipos de atividades tem sido e estão sendo realizadas lá, depois que o custeio legítimo de qualquer operação na propriedde federal tinha terminado.

As pessoas responsáveis ou envolvidas em disseminar as informações sobre o Projeto Montauk, como o cientista Alfred Bielek, Preston Nichols, e certos jornalistas, tem sido submetidas a uma variedade de perturbadoras e sempre nocivas retaliações. Mr. Bielek, que tinha sido empregado das agências do governo e organizações particulares como um cientista de pesquisa e que tem feito uma grande quantidade da investigação do inteiro Projeto Phoenix, tem tido sua residência bombardeada por transmissões extraordinariamente complexas e anormais eletromagnéticas e de radio frequência, monitorado e gravado por técnicos eletrônicos o que tem tido um severo efeito detrimental físico e psicológico nele. Mr. Nichols tem sobrevivido a todos os tipos de críticas ultrajantes, infelizmente nem todas elas metafóricas, por todos os meios. Em setembro de 1995 e novamente em maio de 1996, tentativas foram feitas contra a vida dele; a primeira por um meio de um programado auto acidente que deixou Nichols seriamente ferido [agora já se recuperou inteiramente] e a segunda por meio de um ataque de um gás nervoso, realizado pelo motorista de um carro que cortou Nichols enquanto ele estava dirigindo – obrigando-o a parar e então liberando o gás.

Um residente local da área de Montauk, ativo em tornar pública a informação sobre o Projeto Montauk foi ameaçado e intimidado em uma residencia particular e mensagens bizarras deixadas na propriedade, depois que ele de certa forma tinha sido identificado como a pessoa responsável por postar boletins de propaganda e avisos públicos detalhando os maiores aspectos do projeto. Devido ao número de medidas extremamente protetoras, este indivíduo tem mantido secreta sua identidade, ele e seu advogado sentem que tem havido algum grau de enolvimento oficial a nível governamental [mais provavelmente a inteligência federal], para que ele tenha sido rastreado a residência onde de fato era apenas um hóspede naquele tempo.

Um número de construções e instalações na área geral de Montauk são ditas pelos investigadores estarem ligadas subterrâneamente por meio de túneis ao complexo subterrâneo central, entre eles um prédio da Inteligência Naval no centro, datando da Segunda Guera Mundial, que no presente é ostensivamente um condomínio particular de residências. Foi aqui de fato que Preston Nichols se encontrou com pessoal da Força Aérea em agosto de 1995, a respeito dos incêndios dos bosques. Há documentação irrefutável que tais túneis existem e se extendem muito além das propriedade de Camp Hero/Estação da Força Aérea. Minhas próprias inestigações me provaram que há defato maiores inconsistências e peculiaridades rodeando certas destas construções e suas supostas funções – contudo, no interesse da brevidade não falarei mais sobre isto agora. A inteira área de vila de Montauk, que está aproximadamente a 5 milhas a oeste da Estação da Força Aérea e do Farol, era basicamente um campo militar (Camp Wykoff) mais cedo neste século XX; aproximadamente uma milha ao norte da cidade no litoral estava a base naval que se tornou local de extensas operações de submarinos durante a Segunda Guerra Mundial. Todas estas instalações e outras estavam ou estão conectadas por meio de redes de túneis sob a área inteira.

Jornais locais apresentaram vários artigos sobre a situação da Estação da Força Aérea Montauk no ano passado; depois que foi publicado o primeiro artigo do ‘Independent’ de East Hampton no verão passado, eles receberam um telefonema de uma mulher – com medo de se identificar, que disse a eles que estava feliz desta informação ter vindo a tona; disse também que o marido dela estava trabalhando na instalação subterrânea e que ela sabia que existiam nove níveis subterrâneos e que alguns deles eram de vasto tamanho.

Anúncios
Published in: on maio 24, 2008 at 2:46 pm  Comments (4)  
Tags: , , ,

The URI to TrackBack this entry is: https://conspireassim.wordpress.com/2008/05/24/projeto-montauk/trackback/

RSS feed for comments on this post.

4 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Muito bom.

  2. O que tem haver American Scud ou capitão América no
    Projeto Filadéfia,Com o Montauk e o Phenix,existe algo real nisso tudo,tem alguma coisa haver com nazismo ou estou próximo de descobrir a verdade os americanos conseguiu desenvolver um super soldado Ariano do tipo capitão américa,omque hitler não conseguiu desenvolver na época.sim ou não

  3. Meu caro , como posso adquirir o livro em portugues do Projeto Mountak do Preston Nichols? muito grato

    inacioladeira@gmail.com

  4. Armas de energia dirigida ( DEW ), estão sendo usadas para torturar, mutilar e matar pessoas no Brasil.
    Estamos sendo escravizados, quadrilha brasileira mercenária utiliza tecnologias de patentes americanas ou similares, armas escalares de energias dirigidas restrita ou experimental, gang perseguindo e sabotagem sócio econômica para torturar, extorquir, arruinar em todos os aspectos e levar ao óbito pessoas inocentes. Utilizam a vítima para experimentação de suas tecnologias, além disso conduzem o alvo à emboscadas degradantes diversas envolvendo integrantes e associados da quadrilha, esses grupos tiram do individuo a capacidade de ter uma vida normal, reduzindo os a cobaias humanos da quadrilha. Esse serviço pode ser alugado, estes grupos operam no mundo todo, esse método é uma forma de terrorismo e é utilizado para reduzir a qualidade de vida de uma pessoa, assim o alvo poderá ter um colapso nervoso, tornar se encarcerado institucionalizado a experiência de dor mental emocional ou física constante, tornar sem teto ou cometer suicídio. Ele é feito usando acusações bem orquestradas, mentiras, rumores investigações falsas enquadramento intimidação ameaças abertas ou veladas vandalismo furto sabotagem e tortura humilhação terror emocional e assédio em geral, é um sistema criminoso destrutivo construído sobre o engano que existe para servir as intenções de alguns que estão conscientes de todo o horror que a vítima é obrigada a aguentar. Esse tipo de crime é realizado por sociedades secretas criminosas, como essa a que me refiro que está agindo no Sul do país utiliza dispositivo de envio de voz para o crânio humano para torturar suas vítimas. Táticas de perseguição quadrilha predatória incluem a vigilância altamente cordenada, os torturadores podem ver e ouvir tudo que vemos e ouvimos e ler a mente, tem a capacidade de acompanhar, monitorar, assediar e ameaçar pessoas em todo o país. Como vítima dessa arma à cerca de uma década tive meu cérebro, corpo e espaço físico e privacidade incessantemente monitorados, sou submetida à privação do sono e intensa sobrecarga sensorial eu literalmente não tive desde o princípio um minuto de descanso mental relaxamento e privacidade e estou sendo agredida, mutilada, experimentada como um rato de laboratório pelos integrantes da quadrilha.

    marisanogueira123@yahoo.com.br


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: