Céus Brilhantes

Céus Brilhantes: Testagem Top Secreta de Armas?

Harry Mason

Minha pesquisa sobre o assunto das bolas de fogo australianas começaram a aproximadamente dois anos atrás em 1995. Um colega e amigo, John Watts, dos consultores geológicos Mackay & Schnellmann Pty Ltd, pediu minha opinião sobre o risco de terremoto em uma área isolada dos campos de ouro a leste da Austrália Ocidental (WA). John conhecia minha longa esperiência na região de Laverton, realizando pesquisas de exploração de campo geológicas e geofísicas lá para mineração de ouro – então se aproximou de mim para aconselhamento científico sobre uma série estranha de eventos que ocorreram nesta área de WA em maio de 1993.

Os Eventos de Bolas de Fogo em Banjawarn

Enquanto visitava uma pequena mina de ouro subterrânea, John tinha percebido um artigo no jornal “Kalgoorlie Miner”, datado de 1o. de junho de 1993, anexado a porta da geladeira da cozinha da barraca. Este relatava que em 28 de maio de 1993 às 23.03 horas, uma bola de fogo meteórica foi vista por vários observadores voando de sul ao norte entre Leonora e Laverton. Isto foi imediatamente seguido por um significativo terremoto de 3.9 na escala Richter – captado por 23 receptores sísmicos ao redor de WA e Território Norte (NT). Ed Paul, um geofísico do Observatório Sísmico da AGSO (Organização de Vigilância Geológica Australiana) perto de Perth, tinha recebido várias chamadas telefônicas do público, bem como da polícia de Laverton. Ed tinha raciocinado que houve uma conexão possível entre a bola de fogo meteórica e o abalo devido a um impacto com o solo.

A pequena mina de ouro (a mina Alycia) vivenciou este evento do abalo quando canos de aço de três polegadas subterrâneos partiram-se na metade e as direções e fossas desmoronaram. Meu amigo John havia feito uma quantidade considerável de avaliação de risco de terremoto durante sua carreira de consultoria e pensou que o padrão do dano era mais similar ao dano espontâneo de explosão, como normalmente acontece em grandes explosões, muito mais que o dano padrão por um terremoto. A chave para isto era o dano subterrâneo e o tipo de dano causado em comparação ao dano normal de abalo de mina que geralmente é limitado ao desmoronamento da construção de superfície causado pelas ondas sísmicas do solo induzidas pelo abalo.

Muitos observadores relataram que a bola de fogo passou acima fazendo um barulho de rugido, similar a um motor a diesel de um trem de estrada, e que depois da onda sísmica ter atingido eles ouviram uma enorme explosão interminável – similar a uma maior explosão interminável de mina, mas de algum modo peculiarmente diferente. (nota: as ondas sísmicas de solo se movem muito mais rápido do que a velocidade do som em uma explosão).

Naquele tempo raciocinamos que Ed Paul estivesse provavemente correto e que uma bola de fogo meteórica [bólido] podia ter impactado explosivamente no solo e causado o aparente “terremoto” pelo impacto ou explosão no ar com indução da onda de choque. Esta área de WA não tem abalos registrados desde que os sismógrafos foram pela primeira vez instalados em 1900, nem a memória racial aborígene se refere a qualquer abalo.

Como um tal evento de impacto é uma curiosidade maior geológica, frequentemente observada no registro geológico da Terra mas raramente registrada como ocorrendo na história humana, decidimos embarcar em um projeto de pesquisa particular para documentar o evento – levando, esperávamos, a fama e glória científica. O que então não apreciamos foi onde este trabalho de pesquisa e interesse levaria…

Visitei a área em maio e junho de 1995 e comecei a entrevistar, por visita pessoal ou telefone, os habitantes em uma área de raio de 300 quilometros centrada em Laverton. Esta região leste das minas de ouro de WA é semi-deserta e muito isolada com uma densidade populacional extremamente baixa. Ela contém estações de carneiros muito grandes, um par de pequenos centros mineiros de ouro (Leonora e Laverton), mais vários sítios isolados de mineração de ouro, umas poucas pedras e estradas de terra, montes de arbustos espessos de mulga e vegetação pequenina de árvore de goma com algunas campos de dunas de areia e uma cobertura de grama spinifex.

Aluguei um avião leve para que pudesse visitar as estações adjacentes e acampamentos aborígenes para buscar testemunhas oculares e o “ponto zero”. Isto demorou aproximadamente três semanas. Um sumário de todas as testemunhas atualmente disponíveis segue-se:

Uma grande bola de fogo esférica e laranja com uma pequena cauda cônica branco-azulada tinha voado baixo no sul sobre observadores para o norte. Alguns observadores relataram que a bola de fogo era cilíndrica em forma e mais branco-amarelo-azul em cor. Foi ouvido como um som de motor a diesel longo, pulsado, rugindo – bem antes de passar acima. Ela caiu sem fragmentos brilhantes e não teve faíscas ou cauda longa e luminosa. – como a comum atividade meteórica. Sua velocidade era similar a uma avião a jato 747 ou um rápido avião a jato e obviamente era menos que a velocidade do som, já que barulhos altos foram ouvidos antes de sua chegada.

Os sons ouvidos antes que o “objeto’ chegasse eram mais definitivamente não normais sons eletrofônicos como tem sido bem relatado nos eventos históricos dsa bolas de fogo meteóricas. Tais sons eletrofônicos são vivenciados como estranhos “pings” e “whees” de intensidade de baixo volume e não são completamente entendidos neste tempo, mas são acreditados serem devidos oa ondas eletromagnéticas hertzianas produzidas na trilha de plasma bólido e propagados na velocidade da luz para o observador – antes do bólido. Este sons foram pensados se acoplarem harmonicamente com o ouvido interno ou fazer com que os objetos vizinhos vibrassem simpateticamente, assim produzindo os caracteristicos sons de baixo volume. Nenhum boom sônico foi relatado, e nenhum observador acreditou que qualquer explosão foi ouvida até que o objeto tivesse chegado a nível do solo, ou muito perto disto, atrás das baixas montanhas ou cobertura da linha de árvores e então explodiu ou impactou.

O objeto bola de fogo voou aparentemente paralelo à curvatura da Terra em uma longa trajetória arqueante em baixa altitude [possivelmente a 1.000 ou 2.000 metros] do baixo horizonte sul – não como um meteoro normal em alto ângulo, trajetória de alta altitude.

A bola de fogo iluminou alguns observadores e sua vizinhança na medida em que passava acima. Sua trajetória de vôo foi observada sobre uma distância de ao menos 250 quilometros – embora ela provavelmente tivesse um caminho de vôo mais longo fora acima do sul do Oceano Índico vindo da Antártica. Isto então pareceu se arquear para baixo na direção do solo antes que desaparecesse de vista por trás das árvores ou baixas montanhas.

Isto foi seguido por uma maciça explosão de alta energia quase cegante de luz branco-azulada que rompeu por três a cinco segundos. Isto iluminou o céu noturno, sem vento, sem lua e sem nuvens como se fose a luz do dia. Os observadores puderam ver por uns 100 quilometros em cada direção a nível do solo – “tão claro quanto o dia”. A intensidade da energia envolvida neste flash de luz foi similar ao flash de luz gerado por uma significativa explosão nuclear, e em muitos aspectos o incidente inteiro fortemente se assemelhou a um teste nuclear noturno.

Uma enorme chama de cor vermelha então se disparou verticalmente na direção do céu por alguma distância considerável [vários quilometros?]. Este evento foi imediatamente seguido por uma maciça onda sísmica de solo que atingiu os observadores mais próximos do “ponto zero” tal que pedras e latas de cerveja vibraram fora das mesas e o solo sacudiu tão violentamente que as pessoas que acendiam uma fogueira cairam.

Então seguiu-se uma explosão maior e muito alta que foi ouvida por mais de um corredor de 250 por 150 quilometros. Menos dano do abalo foi relatado tão longe quanto 150 quilometros a sudoeste do ponto zero [as outras direções, excetuando Leonora para o sudoeste, sendo grandemente não habitadas]. Naquele noite em Laverton estava um engenheiro – com experiência na Guerra do Golfo em mísseis e aeronaves que quebram a barreira do som – que descreveu isto como “definitivamente uma maior explosão de onda de concussão [não um boom sônico], similar a, mas muito maior que, uma explosão de abertura de poço em mina.

Um grande hemisfério de luz opaca de cor profunda vermelho-alaranjada, com uma cobertura externa prateada, então se elevou do nível do solo para planar ao redor acima do ponto zero. Esta estrutura, quando completamente desenvolvida, era aproximadamente três vezes o tamanho de um típico campo de ouro no ambiente da lua, como visto por observadores localizados a 330 a 350 quilometros de distância [em outras palavras, era muito grande] e isto ‘oscilou ao redor um pouco por quase duas horas antes de desaparecer subitamente’ – como se alguém desligasse o interruptor de luz.

Esta “estrutura como metade de um prato de sopa”, parecendo-se como um “sol meio posto, muito grande e profundamente vermelho” foi vista por dois observadores de localizações amplamente separadas, um das construções da estação de Banjawarn e outro dos edifícios da estação Deleta. Cães em ambas localizações ficaram totalmente frenéticos, ganindo e uivando e tentando se livrar de suas coleiras enquanto o hemisfério de luz estava acima. Presumidamente houve uma propagação de onda eletromagnética a que os cães são extremamente sensíveis.

Prospectores aborígenes que estavam acampados muito próximos do ponto zero na busca de ouro em Freeman estavam extremamente assustados pelo evento, acreditando que era o “fim do mundo”. Alguns deles pensaram que eles haviam testemunhado um desastre de um jato jumbo por trás do alcnce das baixas montanhas. Eles reuniram seus rolos de dormir juntos já que estavam apavorados demais para dormirem separados. De manhã, eles subiram uma montanha para procurar incêndios a distância mas não puderam ver qualquer fumaça. Eles rapidamente abandonaram a área para a segurança de Leonora.

Um observador aborígene responsável por uma fazenda,localizado nos edifícios da estação de Banjawarn, acreditou estar testemunhando um UFO em movimento muito baixo e se tornou muito preocupado que ele fosse pousar e abduzi-lo e a seus dois companheiros – já que isto voava diretamente para ele e então passou, muito barulhentamente, baixo, acima de sua cabeça antes de ir para sua final queda para baixo.

Quase exatamente uma hora depois do primeiro grande evento, três observadores localizados nos edifícios da estação de Banjawarn viram uma segunda bola de fogo muito menor que eles descreveram como sendo mais de cor azul-verde-branca. Isto pareceu se elevar do nível do solo, mas definitivamente subiu por detrás das árvores distantes bem ao sul do perimetro da estação, e então voou para o norte em um arco tipo alto morteiro antes de vir abaixo ao nível do solo por trás de arbustos distantes. Seu caminho de vôo era divergente para norte-nordeste quando comparado aquele evento da primeira bola de fogo maior daquela noite.

Este último evento criou uma segunda explosão muito menor e concomitante menor abalo do solo, similar ao primeiro evento mas muito menor em tamanho e sem a resultante elevação de hemisfério de luz opaca. Um prospector localizado ao norte do assentamento aborígene de Mulga Queen também relatou ter visto partes deste segundo evento.

Este segundo evento parece não ter sido de magnitude suficiente para ser registrado pelos sismógrafos AGSO. Contudo, a análise dos melhores registros sísmicos da AGSO pelo USGS (US Geological Survey) as equações de conversão de energia sugerem que a energia envolvida no primeiro evento do abalo principal foi provavelmente da ordem de uma dois quilotons de equivalente em TNT. A própria explosão foi provavelmente maior, já que nem toda a energia é transmitida eficientemente no solo ao longo do caminho da onda na Terra para os observatórios sísmicos.

A testemunha ocular da bola de fogo principal “da explosão no ponto zero” foi localizada perto da borda norte da estação de Banjawarn, onde o AGSO calculou o epicentro do abalo, que foi perto ao perímetro sul da estação de Banjawarn, a diferença refletindo as dificuldades envolvidas nos cálculos acurados dos epicentros de abalos de locações sismicas remotas.

A despeito da excelente testemunha ocular da correção do “impacto do grau do zero”, um tempo considerável no ar em um Cessna-172 fracassou em encontrar qualquer cratera ou anomalia no solo ou qualquer tipo lá ou qualquer outro lugar em uma área de busca de 300 quilometros de diâmetro. O exame no solo e aéreo da vizinhança da linha da de falha Celia não produziu evidência de qualquer movimento nesta estrutura.

Banjawarn é arguidamente a área de estação mais isolada na região leste dos campos de ouro de WA. Esta estação de ovelhas tem conquistado notoriedade desde sua compra no mesmo ano [1993] pela seita japonesa Aum Suprema Verdade (Aum Shinrikyo) – de fama pelo ataque de 1995 do metrô de Tóquio pelo gás. A pesquisa logo mostrou que um representante da seita japonesa Aum Suprema Verdade – o vice líder Hayakawa – tinha estado inspecionando estações de ovelhas a venda, ao redor e inclusive Banjawarn, no início de abril de 1993.

Hayakawa iniciou o procedimento de compra de Banjawarn no final de abril 1993, desejando “realizar experimentos lá para benefício da humanidade”. A estação mudou de mãos quando os papéis foram assinados e um cheque bancário foi fornecido em 1o. de junho de 1993 – apenas três dias depois do evento da bola de fogo. Contudo um acordo referente a venda para a seita Aum foi completado em 23 de abril de 1993 – alguns 35 dias antes do evento da bola de fogo.

Como o evento de 28 de maio de 1993 não parece se encaixar em qualquer cenário normal de impacto de meteoro, começamos a brincar que a seita Aum provavelmente tinha enviado um míssel cruise com um motor a jato de pulso e detonado uma bomba nuclear na margem do deserto desabitado imediatamente ao norte da estação de Banjawarn…

Meteoros geralmente viajam a hipervelocidades, maiores que 25.000 mph, e normalmente não voam em baixa velocidade, “no colo da Terra”, em trajetórias de baixo nível [1.000 a 2.000 metros de altitude). Eles geralmente tem uma longa cauda luminosa e fragmentos que caem, e não são documentados como desencadeando terremotos.

As mudanças de pressão devidas a tempestades [ou, possivelmente, ondas de pressão criadas pelo caminho de vôo do meteoro] são conhecidas para desencadearem abalos nas placas estressadas da região da crosta, mas esta região dificilmente pode ser designada como uma assinatura de alto stress de falha, dado a total falta de tais eventos de abalos na história humana. Esta é uma área de escudo cratônico muito estável da Era Arcaica, com a localização mais próxima demonstrando atividade de abalo estando localizada em Fraser Ranges, a uns 500 ou 600 km ao sul, a leste de Norseman.

Em resposta as recentes entrevistas da rádio ABC pelo autor, três motoristas de caminhão relataram ter visto uma outra bola de fogo pouco depois de começar o trabalho às 5.00 am de um dia (a data exata é desconhecida) em maio ou junho de 1993. Esta bola de fogo do tamanho da lua voou de sul a norte em baixo nível [a alguns mil metros] com a alta velocidade de um avião a jato. Ela era de cor amarelo-laranja-avermelhada e tinha uma pequena cauda branco-azulada. Ela se acendeu no escuro do amanhecer em um intenso flash de luz azul-esbranquiçado que silhuetou o interior na medida em que se dirigia imediatamente a oeste de Laverton diretamente da estação de Banjawarn. Como os caminhoneiros estavam sentando próximos aos motores de diesel alto deles mesmos, eles não sabem se esta terceira bola de fogo de Banjawarn fez algum barulho pulsado, rugindo.

Esta terceira bola de fogo manteve um curso que não apenas passaria sobre Banjawarn mas ultimamente pode ter alcançado a Península de Exmouth bem a noroeste de WA.

Agora, pelas três bolas de fogo estarem se dirigindo na direção de Banjawarn é mais que uma coincidência de um evento de tipo de meteoro. Os meteoros deste tamanho são eventos muito raros, sem falar os três se dirigindo ao redor de maio-junho de 1993 em um pequeno espaço na superfície da Terra em Banjawarn. Se assumimos que a bola de fogo número 3 foi vista às 5.00 am de 29 de maio de 1993 – e portanto seguiu a bola de fogo número um por seis horas, em uma cadeia de bólidos viajando de sul a norte [muito similar aos recentes impactos do cometa Shoemaker-Levy 9 em Jupiter) – temos um problema com a teoria do meteoro, porque em um período de seis horas a Terra teria rotado 90 graus sobre seu eixo norte-sul e a bola de fogo número 3 não deveria ter vindo sobre a África Oriental!

Outros eventos em bola de fogo na Austrália e Nova Zelândia

Desde o evento de maio de 1993, tem havio muitos outros relatos [em um excesso de 1.000 e frequentemente de múltiplos eventos] a respeito de bolas de fogo aéreas e associadas a emissões de alta energia. Eles envolvem bolas de fogo esféricas e exóticas que fazem barulhos como os de um motor a diesel de trem de frete [embora algumas sejam variantes sem barulho], voando longas trajetórias sobre diferentes partes da Austrália. Relatos isolados mas similares tem também se originado recentemente na Nova Zelândia.

Estas bolas de fogo tem sido observadas em todos os estados australianos [tão tarde quanto 4 de fevereiro de 1997], e em muitos casos tem exibido variações e combinações das seguintes ações: altitude muito baixa, trajetórias no colo da Terra, caudas pequenas ou não existentes, sem queda de fragmentos, aparente velocidade muito baixa e geralmente menos do que aquela do som, não há booms sônicos associados, mudanças consideráveis e súbitas no curso, bem como na velocidade para cima, parando imóvel, revertendo o curso e voando verticalmente para cima no espaço; criação de intensa vibração no solo e construções durante a passagem de vôo; explosão em maciça luz arqueante azul-esbranquiçada com eventos maiores de sons explosivos ou flashes de luz intensos e silenciosos; criação regular de geração de energia de alta voltagem e outros efeitos elétricos.

O caso de Banjawarn demonstra um relacionamento causa-efeito com o terremoto de 3.9 na escala Richter, e outras bolas de fogo tem sido positivamente relacionadas em ao menos duas ocasiões a terremotos de 3.0 a 4.0 na escala Richter na Austrália Ocidental.

Se os meteoros são a fonte destas observações, então últimamente parecemos estar continuamente encontrando espécies muito estranhas de meteoros que exibem o comportamento exótico anteriormente não documentado e uma alta taxa estatística de chegada na Austrália, aparentemente [até recentemente, isto é, 1996] grandemente ignorando o resto do mundo.

Outras causas possíveis tais como bolas de fogo de gás natural, luzes min-min e luzes de stress de terremotos podem ser facilmente descontadas por muitos aspectos destes múltiplos eventos de bolas de fogo – mas não menos por causa de seu output de energia geralmente muito baixo quando comparado as energias muito grandes envolvidas nestes recentes incidentes de Banjawarn.

Contudo, os possíveis cenários tais como UFOs alienígenas de fora do planeta, ou poderes da Terra testando nova usina de energia exótica, aeronaves militares e/ou sistemas de armas eletromagnéticas, não podem ser facilmente descartados.

O Evento da Bola de Fogo de Perth

Provavelmente o mais espetacular destes eventos em bola de fogo foi o que ocorreu a aproximadamente 2:00 am de 1o. de maio de 1995 acima de Perth, WA. Naquele tempo, uma grande bola de fogo esférica laranja-avermelhada com uma pequena cauda cônica azul-esbranquiçada foi observada enquanto voava do Oceano Índico sobre Bunbury, no sudoeste de WA, em uma direção norte-nordeste em relativamente alta altitude, aparentemente com uma trajetória que era paralela à curvatura da Terra. A altitude desta bola de fogo é uma questão aberta na medida em que muitos observadores pensaram que não estivese muito alta no céu, mas os relatos de jornal mais tarde a colocaram a vários quilometros de altitude.

A bola de fogo logo chegou acima do lado leste da cidade de Perth (população >1 milhão) e foi vista e ouvida por muitas testemunhas oculares acima de sua trajetória de vôo a 150 quilometros da terra. Os observadores relataram que o “objeto” emitiu um barulho alto, pulsado e rugindo – similar ao trem de carga a diesel – antes que ele chegasse, e que voasse em uma velocidade constante similar a uma aeronave a jato em alta velocidade. Não há relato de boom sônico.

Enquanto se movia sobre a parte leste de Perth, perto de Midland, a bola de fogo relatadamente parou imóvel no céu e a cauda inverteu pela bola de fogo para apontar para a direção anterior de viagem! Então houve uma enorme explosão de energia luminosa arqueante azul-esbranquiçada que brevemente iluminou a cidade e seus subúrbios como se fosse dia claro por muitos quilometros. Em muitos meios o evento foi muito similar ao nível de força de uma explosão nuclear. Uma onda sísmica alta, vibrante e de explosão maciça reverberou ao redor de Perth, fazendo com que as construções da cidade sacudissem e livros e objetos caissem de prateleiras.

Vários observadores relataram que, no instante da explosão, quatro luzes brancas correram separadas do centro do objeto principal e formaram uma cruz em ângulo reto no céu. Nenhum objeto real foi visto em qualquer tempo – apenas uma bola de fogo brilhante laranja-avermelhada de emissão de luz e sua cauda cônica de luz azul-esbranquiçada muito pequena.

Um observador relatadamente contou ao Observatório Astronômico de Perth ter visto faiscas caindo da bola de fogo diurante seu vôo e que ela tinha uma cauda longa ou faixa de cor laranja. Todas as outras testemunhas oculares e da política relataram que a bola de fogo não tinha cauda [ou ao menos, uma cauda rudimentar, muito curta] e que eles definitivamente não viram faiscas. Elas notaram que ela era de forma esférica ou cilindrica, como definido pela emissão da energia luminosa.

Aproximadamente metade da população, algumas 500.000 pessoas, acordaram pela violência deste evento de onda sísmica, explosiva. A onda de vibração no solo foi captada pelo Observatório Sísmico Mundaring da AGSO enquanto um trabalho análogo registrando os ultimos dois minutos, cronometrado a 17.57 UTC, i.e., começando às 1.57 am WA hora local.

Este evento levantou alguma discussão na imprensa de WA durante as seguintes poucas semanas e foi geralmente explicado na media pelo Observatório Astronômico Perth como a explosão de uma bola de fogo meteórica com a energia de um ou mais megatons de equivalente de TNT, em uma altitude de vários quilometros. Surpreendentemente, este evento não foi amplamente relatado na imprensa mundial. Alguém pensaria que algo com um nível de energia equivalente a uma grande bomba de hidrogênio detonando-se sobre uma cidade como Perth seria digno de grande discussão. Obviamente isto não foi alto o bastante para acordar Canberra…

Relatos logo vieram de pequenas luzes e estranhos barulhos aéreos que tinham se movido para o norte-nordeste de Perth na direção da pequena cidade de Toodyay e além, na noite em questão. Astrônomos amadores de meteoros gastaram uma considerável quantidade de tempo entrevistando fazendeiros fora do caminho mais nenhum fragmento de meteoro tem sido recuperado até hoje [dezembro de 1996].

Mais tarde relatos notaram que na mesma noite, a alguns 1.900 quilometros a norte-nordeste de Perth, um casal situado em Sunday Island, perto de One Arm Point ao norte de Broome na região de Kimberley de WA, foi despertado em algum tempo ao redor das 3.00 am por um barulho de motor a diesel, pulsado, alto, rugindo, ‘similar a um buldozer D9 ou motor de tanque”, avançando diretamente na direção de sua porta da frente. Este barulho se elevou em um crescendo e os livros e objetos cairam das prateleiras. A onda sísmica de vibração no solo e o evento do som durou um ou dois minutos.

Acreditando que eles tinham vivenciado um terremoto, a família ouviu cedo na manhã a rádio ABC, mas somente a história era de um evento de uma bola de fogo meteórica explosiva acima de Perth. Um exame dos registros sísmicos de Mundaring tem mostrado que nenhum terremoto de qualquer magnitude ocorreu em Sunday Island ou em qualquer outro lugar naquela região naquela noite.

Uma interpretação possível destes eventos é que a bola de fogo meteórica explodiu em contacto com a atmosfera mais densa da Terra alto acima do leste de Perth e que pequenos fragmentos, inclusive um fragmento muito grande, voou norte-nordeste acima de Toodyay, eventualmente sendo ouvido voando baixo acima de Sunday Island na região Kimberley.

Esta interpretação de meteoro ignora o fato da baixa velocidade da bola de fogo, relatadamente similar aquele de um avião a jato. Devido a seu som rugindo ser ouvido antes que ela chegasse, a bola de fogo aparentemente viajou a menos que a velocidade do som em aproximadamente 750 mph. A maioria dos meteoros são objetos de hipervelocidade voando a muitos milhares de milhas por hora, frequentemente maiores que 25.000 mph.

A hipótese do meteoro também ignora a estranha aerodinâmica do objeto que relatadamente parou imóvel no céu, enquanto a cauda luminosa muito pequena invertia através da bola de fogo esférica. Sobretudo, esta hipotese ignora a falta de fragmentos recuperados de um evento tão grande e explosivo, e a evidência acumulada de muitos outros eventos similares de bola de fogo que tem ocorrido pela Austrália nos anos recentes.

As observações do vôo da bola de fogo, ou efeitos associados ao evento, cobrem algums 2.000 quilometros no ataque através de WA e então permite uma tentativa razoavelmente possível na reconstrução em um globo de uma perspectiva planetária. A trajetória começa em algum lugar a sul-sudoeste de Perth – possivelmente no Oceano Índico ou na Antártica – e se projeta norte-nordeste na direção da costa nordeste do Japão e através do centro da Península Siberiana de Kamchatka. Se continuada, a trajetória atravessaria sobre o norte do Alasca e sobre o Canadá Ártico para emergir no Atlântico em algum lugar perto de Nova Scotia.

É interessante que a trajetória projetada passa roçando na Antártica ao longo de sua costa perto de Enderby Land. Nesta localização está um complexo de três bases de pesquisa: as bases japonesas de Syowa (aprox. 40º leste) e Mizuho (aprox. 45º leste e terra a dentro), e a antiga base soviética de Molodezhnaya (aprox. 45º leste na costa). Mais a noroeste, a antiga base soviética de Novolazarevskaya (aprox. 15º leste na costa) também fica aproximadamente na trajetória. A antiga União Soviética também tem bases beirando a costa da Antártica nas segunte localizações aproximadas: 92º E (Queen Mary Land), 105º E (Vostok, terra a dentro perto do polo sul magnético), 163º E (Oates Land), e 224ºE/44ºW) (oposta ao Plateau de Rockefeller). Estas bases efetivamente dão uma boa cobertura em arco do inteiro globo do ponto de vista de transmissão de rádio.

A Península de Kamchatka na Sibéria foi o local do infame incidente KAL 007. Pesquisa recente de David Pearson, publicada em seu livro, “KAL 007: The Cover-up”, a respeito do abate deste jato jumbo 747 pelos soviéticos, sugere que KAL 007 era uma tentativa de ganhar inteligência sobre um grande sítio transmissor eletromagnético localizado na parte central da península.

Tem sido sugerido por jornalistas japoneses [revista “Archipelago”] bem como o pesquisador científico americano Tom Bearden que este transmissor de Kamchatka é um de uma antiga série de complexos de arma eletromagnéticas soviéticas.

Tais armas são acreditadas terem a habilidade de transmitir efeitos explosivos e outros, tais como indução de terremoto, através de distâncias inter-continentais a qualquer local alvo selecionado no globo, com níveis de força equivalente a maiores explosões nucleares.

A evidência para a existência de tais armas exóticas é dada em parte por uma transmissão de rádio de “Voice of Russia” em seu programa de Ciência e Engenharia de 23 de dezembro de 1996, onde eles discutiram as modernas armas eletromagnéticas russas da variedade de plasma de microondas. A seguir está uma parte da transcrição deste programa, apresentando o entrevistador Yekimenko e a autoridade em ciências Boris Belitsky:

Yekimenko: Como poderia um gerador de microondas ser usado ‘em raiva”, Boris?

Belitsky: Seria usado para disparar um plasmóide – isto é uma bolha de plasma – no caminho de um míssel que venha, sua ogiva ou aeronave. O plasmóide efetivamente ionizaria a região do espaço, e deste modo, perturbaria a aerodinâmica do vôo do míssel, ogiva ou aeronave e terminaria seu vôo. Isto torna um tal gerador e seu plasmóide uma arma praticamente invulnerável, fornecendo proteção contra o ataque via espaço ou atmosfera.

Yekimenko: Boris, odeio fazer esta pergunta, mas ainda… os generais e cientistas que falam desta arma – eles não podem estar blefando, podem?

Belitsky: Oh, não. Isto é evidente se apenas o fato de que alguns anos atrás, em 1993, em um encontro americano-russo em Vancouver, os russos propuseram um experimento conjunto na testagem de tais geradores – ou armas de plasma, como são chamados aqui – como uma alternativa a Iniciativa de Defesa Estratégia [SDI]. Em um tal experimento, que foi proposto receber o nome de Verdade, o sistema seria usado para repelir um ataque de míssel. Desta forma, a Rússia esperava fortalecer o novo clima de segurança pós Guerra Fria no mundo.

Estes comentários de fato enfatizam que muitos ‘objetos” observados no céu noturno podem de fato não ter massa associada a eles afinal, e são realmente hologramas de luz liberados por projéteis de densa energia eletromagnética, estes sendo mantidos no lugar por três ou mais transmissores de outputs de onda Tesla manipulando bolhas plasmoídes em um espaço 3D.

Bola de Fogo Silenciosa

Um outro evento bem típico de bola de fogo [mas silenciosa] ocorreu em outubro de 1994 no centro minerador de ferro de Tom Price na região de Pilbara da Austrália Ocidental.

Em uma noite de meados de outubro de 1994, uma família estava realizando um churrasco no pátio por volta das 8.30 pm. Eles viram uma bola de fogo muito grande de cor vermelho-alaranjada se movendo em uma altitude muito baixa diretamente na direção deles em uma velocidade constante, vagarosa, de aeronave leve (100 mph?) em uma altitude de 200 a 300 metros. Era maior do que a Lua em seu tamanho aparente.

Eles telefonaram para a polícia local para alerta-la de uma possível aeronave em chamas. Os dois policiais correram para o exterior para observar. Por agora, metade da cidade [população de aproximadamente 4.000] estava do lado de fora observando a bola de fogo. De frente ela parecia ser de cor viva laranja-vermelho-amarelada; de lado, parecia ser amarelo-esbranquiçada e pulsando para cima e para baixo na intensidade da luz [como capturado em video].

Nossos observadores originais do churrasco, por agora a uns 200 metros diretamente abaixo do “objeto’, relataram que era uma intensa bola de fogo laranja-avermelhado ou plasma com o fogo girando em um padrão em espiral e as chamas desaparecendo internamente na direção para cima para “um buraco negro central” ou vazio dentro da massa esférica de chamas. A bola de fogo não tinha cauda e não fez qualquer barulho, e não houve abalos sismicos no solo/onde de barulho como vivenciado em muitos outros eventos recentes de bola de fogo na Austrália. Foi descrito como um tipo de ‘bola de implosão em chamas”, com todo o fogo ou chamas se originando no espaço local fora da feroz forma esférica e então sendo sugada para o centro onde desaparecia – “como uma bola de plasma se movendo em uma dobra de espaço-tempo ao redor de um buraco negro central” ‘Nunca vi nada como isto antes, e portanto é difícil descrever acuradamente” (Realmente um povo consciente, estas famílias de mineração do interior!)

Os observadores disseram que a bola de fogo demorou de cinco a sete minutos para cobrir a distância de uma linha de montanhas a oeste de Tom Price para uma linha de montanhas a leste. A este ponto, ela emitiu um flash de cor brilhante azul-esbranquiçada que iluminou a área; então decolou em alta velocidade se movendo muito rapidamente para leste e desaparecendo com uma intensa explosão/ flash de intensa energia luminosa brilhante azul-esbranquiçada, mas sem barulho explosivo.

Os observadores se viraram para olhar de volta para oeste. Imediatamente, uma segunda bola de fogo apareceu a oeste, seguindo o caminho da primeira. Voava ligeiramente mais baixo mas na mesma velocidade baixa de uma aeronave leve (i.e., aproximadamente 100 mph) e, similarmente, em altitude constante. Novamente voou diretamente sobre os observadores do churrasco e foi idêntica em todos os aspectos a primeira bola de fogo. Similarmente, moveu-se em velocidade muito alta a leste e desapareceu em um flash maciço de emissão de energia luminosa azul-esbranquiçada.

Isto foi seguido por uma terceira bola de fogo que era exatamente do mesmo tamanho e viajava exatamente na mesma altitude de nível muito baixo [perto do topo das árvores] e exatamente na mesma velocidade de vôo baixa, exatamente no mesmo curso, e novamente desapareceu em alta velocidade a leste em exatamente o mesmo tipo de flash de luz.

O tempo entre o aparecimento de cada ‘pulso” separado de bola de fogo era quase idêntico. Os observadores relataram que depois que a primeira havia desaparecido a leste, eles se viraram ao redor para olhar a oeste, somente para encontrar uma outra bola de fogo que tinha chegado; e depois que a segunda desapareceu, novamente eles se viraram para oeste para verem uma terceira bola de fogo que tinha chegado diretamente no caminho – exatamente como o trabaho de um relógio!

Permanece uma diferença de opinião entre os observadores sobre quantas bolas de fogo exatamente foram vistas em sequência naquela noite. Todos os observadores concordam que duas bolas de fogo foram vistas, mas vários afirmam que foram realmente vistas três, mas estes estranhos efeitos de distorção de espaço-tempo-mental estavam em operação [emanando-se das bolas de fogo] tais que a confusão reinou imediatamente, durante e depois dos avistamentos, levando ao desacordo e discussão sobre o número exato dos discretos eventos de bola de fogo.

Esta sequência inteira de eventos [ou parte dele] foi vista por muitos dos habitantes de Tom Price, i.e., possivelmente por mais de 2.000 pessoas. Muitas testemunhas oculares tentaram tirar fotografias, mas quando reveleram os filmes em Perth descobriram que suas fotos mostravam boas tomadas familiares e somente filmes brancos onde as bolas de fogo tinham estado! Os filmes foram revelados por amigos e não foram alterados, sugerindo que raios X ou similar radiação eltromagnética da bola de fogo velaram os filmes.

Uma gravação de fita de camera de video foi feita, mais tarde acidentalmente gravado por cima de forma que apenas permaneceram dois minutos do incidente – registrado como uma luz pulsante ou bola de fogo, como vista bem ao sul do rastro da bola de fogo. Este video tape tem desde então sido apropriado por um pesquisador UFO de Nova Gales do Sul e desde então nunca mais foi apresentado.

Todos os residentes ficarm chocados com o que eles observaram, eventualmente acreditando que alguém deliberadamente queria que eles vissem estas bolas de fogo como algum tipo de teste acima de uma cidade isolada do interior. Eles confirmam que o objeto pareceu não ter massa sólida quando foi mostrada, mas de uma distância muitos pensaram que estavam vendo uma aeronave em chamas – mas a segunda e terceira bolas de fogo eliminaram esta idéia. Ninguém pode alinhar seus avistamento com algo dentro de sua memória vivencial. Alguns pensaram que era “como o fim do mundo’ – esta mesma expressão novamente!

Os dois policiais foram levados no dia seguinte a um ponto a meio caminho do centro da cidade Paraburdoo (os residentes lá também viram as bolas de fogo ao norte deles a noite), localizada a aproximadamente 50 quilometros ao sul de Tom Price. Os policiais foram instruidos por “oficiais” sobre o que havia ocorrido e portanto se recusaram a discutir os eventos daquele anoitecer com seus amigos em Tom Price.

Sendo uma cidade pequena com poucos habitantes, e bastante isolada se os outros residentes “gelassem” você, um policial mais tarde admitiu que ele gostaria de dizer o que era isto mais tinha sido ordenado a manter a boca fechada e era mais do que seu trabalho e vida valiam para dizer mais.

Os residentes de Tom Price discutiram estes eventos por dias, mas as tentativas de levar a público na televisão de Perth receberam o ridículo e epítetos de loucos.

Eles perceberam que as bolas de fogo tinham voado na direção da Península de Exmouth, “a base de comunicações por rádio dos EUA” e sabiam que, a despeito da recente publicidade no jornal afirmando que “esta base tinha estado deserta pelos EUA e passada para o governo australiano” ainda haviam lá muitos americanos que eram vistos na cidade de Exmouth que continuavam a viver e a trabalhar na base [como é o caso agora, no início de 1997]. Muitos suspeitam que há uma parte secreta subterrânea desta base que contém sistemas aéreos peculiares a nível do solo.

Mais tarde foi descoberto que a estação de energia elétrica de Dampier, mais a nordeste, saiu de linha ao tempo das bolas de fogo de Tom Price devido a um enorme pulso de alta voltagem nas linhas de transmissão.

Os residentes neste distrito tem usualmente visto ou até mesmo sido seguidos por brancas luzes brilhantes enquanto atravessam estradas a noite perto da costa e adjacente a área da base de Exmouth. Eles relatavam que estas luzes se movem em alta ou baixa velocidade, alta ou baixa altitude e geralmente alteram seus cursos.

Brilhos brancos muito brilhantes tem sido observados a noite emanando-se do cerrado não habitado exatamente a leste de Tom Price. Bolas de fogo tem sido relatadas em várias ocasiões no período de 1973 a 1994 voando de Exmouth na direção leste e Deserto de Great Sandy.

Testes de armas secretas e outros cenários

Neste caso de Tom Price parecemos ter um possível link direto a bases americanas, então é possível que sistemas de armas de alta energia eletromagnética estejam sendo testadas pelos EUA – ou algum outro governo estrangeiro – em solo australiano, ou que o interesse UFO fora do planeta na base americana de Exmouth esteja sendo demonstrado nestes avistamentos.

A passagem regular de três de tais bolas de fogo de baixa velocidade, geralmente aumentando rapidamente para velocidade muito alta, ocorrendo em intervalos de tempo exatamente iguais, ao longo da mesma trajetória de curso de altitude muito baixa, pode não envolver qualquer meteoro normal ou evento em trem-bólido. Estes eventos em bolas de fogo não parecem representar qualquer fenômeno natural conhecido, e certamente parecem se encaixar em UFOs alienígenas, testes secretos de naves espaciais militares ou cenários de testes de armas eletromagnéticas.

A informação de testemunhas oculares sobre o interior da península de Exmouth – “base americana de comunicações VLF de submarinos” prova ser extremamente interessante. O principal sítio transmissor (Tx) consiste de uma “torre zero” central aérea muito alta posicionada sobre o topo baixo de uma colina e cercada por 11 tores menores igualmente espaçadas [cada uma de 1.000 pés de altura]. Cada torre é conectada por fiação aérea formando uma série de três voltas concêntricas circulares [em excesso de 2.5 quilometros de diâmetro]. A Torre Zero é guardada por uma folha de madeira/asbestos para formar uma caixa oblonga fechada e muito alta, e tem um elevador para dois homens funcionando dentro da torre. A forma interna aérea do topo é cercada por uma caixa fechada maior.

O conjunto aéreo utiliza quantidades enormes de tubo de cobre e conjuntos de fio “para equilíbrio no solo” enterrados no solo sob o inteiro complexo.

O acesso a abertura do túnel do lado da montanha leva a uma grande [de ao menos três andares] seção subterrânea na base da Torre Zero. Agui está algo como as entranhas de um gigante “radio transistor” com uma enorme bobina de fiação pesada de cobre de alguns 50 pés de altura e 15 pés de diâmetro – todos apoiados por estruturas de madeira dura (Jarrah) porcas e parafusos! As seções são arrumadas em fileiras com folha de aço inoxidável. Pode haver seções posteriores e mais profundas sob a bobina de cobre que não é vista pelas testemunhas oculares.

Há uma enorme estação de energia elétrica no local, possivelmente a base de gás de perfurações no grande reservatório de gás natural na vizinhança.

Embora oficialmente recentemente transferida para o controle da marinha australiana, a base ainda tem muitos ‘consultores” americanos que vivem na cidade vizinha de Exmouth. Os acessórios Jarrah e a bobina de cobre na Torre Zero foram instalados em 1968, depois que o principal contratado para a construção tinha deixado a instalação.

Supupostamente o sítio Tx de Exmouth está transmitindo radio mensagens VLF ou ELF radio para submarinos. Contudo, a descrição de testemunhas oculares da estrutura de madeira subterrânea e a bobina gigante é uma denúncia morta. Isto descreve perfeitamente os maiores elementos de Wardenclyffe de Tesla, Long Island, Tansmissor Magnificador de Energia – e suas versões de pesquisas anteriores em Colorado Springs. A construção amadeirada é necessária para lidar com voltagens muito altas e frequências muito altas [possivelmente tão altas quanto as frequências de banda microondas] por conter onda de descarga eletrostática induzida pela bobina. Não é necessário lidar com frequências muito baixas (VLF) ou extremamente baixas (ELF).

Tesla afirmou em 1908 que ele podia atingir qualquer cidade planetária antípode com um enorme pulso de energia eletromagnética, enviada em micro-segundos, que ‘criaria uma explosão equivalente a mais do que o poder das marinhas mundiais existentes” combinada aos ataques violentos de navios de batalha” (i.e., uma força similar aquela de uma explosão nuclear) de apenas um tal aparelho.

Portanto, parece que o sítio TX de Exmouth contém armas de “Tesla” ou sistemas de armas eletromagnéticas “escalares” e tem estado ativo desde aproximadamente 1969, i.e., ao tempo de realizar em 1970 e mais cedo testes dos quais vemos evidência, devido a leste de lá no Deserto de Great Sandy, tantas quantos muitas fileiras de grade com espaço de 10 quilometros de terremotos – parecendo um taboleiro de xadrez – cada um com energia de 3 a 5 na escala Richter.

Terremotos para Ordenar

Em 1965, esta seção de área do Deserto de Great Sandy era (unicamente para a Austrália) coberta por fotografia aérea de alta altitude por U2, paga pelo governo americano. Porque?

Em 1966, a companhia francesa de petróleo Aquitaine Oil (agora chamada ELF Aquitaine) tomou uma grande permissão para exploração de petróleo nesta área mais isolada e de mais difícil aceso da Austrália. Canberra até mesmo pagou metade ds custos de exploração para ajudar a explorar a área remota. Nenhuma outra companhia conhecida por mim teve este tipo de acordo – especialmente para explorar uma área de pobre potencial conceitual em um ambiente geologicamente pobre quando muitos de mais fácil acesso e ambientes geológicos muitissimo melhores com excelente potencial conceitual existam em outros lugares na Austrália e estavam abertos para aquisição e exploração.

Aquitaine começou a exploração em 1967 e realizou estudos aeromagnéticos, gravidade de solo, traverso sísmico, e eletromagneticos VLF/ELF de solo. (Estas técnicas eletromagnéticas eram bem raras e técnicas estranhas de exploração a serem utilizadas na exploração de petróleo.)

Em 1968-69, os MPs do Exército australiano com jipes com tração nas quatro rodas foram levados por via aérea para o Deserto de Great Sandy para cercar um par de centena de pessoas tribais aborígenes nômades e envia-los a Broome. Esta região foi declarada ‘fora dos limites para o público’ e todas as trilhas de acesso ao deserto foram guardadas pela Polícia Militar. A razão publicada foi que isto estava em perigo de uma série de testes de lançamentos de Woomera no sul da Austrália, sobre o Deserto de Great Sandy e Broome, dos mísseis britânicos Blue Streak, e do sistema europeu de lançamento de satélite/foguete espacial de quatro estágios. (Eles até mesmo tiveram um em órbita eventualmente em 1970 e 1971.) Entretanto, o programa britânico de míssel e o esforço espacial europeu foram muito misteriosa e repentinamente fechados.

Em 1970 Aquitaine não fez trabalho de campo. Em março de 1970, uma serie de terremotos concentrados de 3.0 a 5.0 na escala Richter começaram a leste do Deserto de Great Sandyt. (Nota: nenhum terremoto tinha sido conhecido lá desde que os sismografos foram instalados em WA em 1900; também, não há memória racial aborígene de abalos nesta região.)

Estes abalos pararam em outubro de 1970, somente para recomeçar no ano seguinte. Abalos isolados tem continuado a cada ano desde 1970. No período passado de março a outubro é o único período viável de campo nesta região – devido as temperaturas extremas de mais de 50 graus centígrados nos meses de novembro a fevereiro.

Em 1972-73, Aquitaine perfurou dois buracos estratigráficos [ambos secos] e abandonou a permissão Seus relatórios anuais de trabalho (1966-1973) deveriam estar no arquivo aberto na biblioteca do Departamento de Minas de WA em Perth; contudo, eles são listados como confidenciais. Não existem cópias em Perth já que eles tem sido mantidos trancados em Canberra nos escritórios da AGSO (ex-BMR). Esta situação é única em toda minha experiência de exploração em WA.

Em 1973 o BMR (Escritório de Recursos Minerais) publicou um relatório sobre a estranha explosão de novos terremotos no leste do Deserto Great Sandy. Este relatório continha mapas incorretos do epicentro do abalo – aparentemente tendenciados para não mostrar o posicionamento estranho e regular destes abalos ao longo da grade espaçada em 10 quilomômetros em uma área de mais de 80 por 70 quilometros, com uma serie central de abalos espaçados de 2 quilometros ao longo de duas linhas formando um “ponto de mira” em cruz aparentemente central.

Os dados de 1996 do epicentro do Observatório de Mundaring AGSO demonstram muito bem este padrão regular do epicentro do abalo. A acurácia da determinação do epicentro é pensada ser de +/-10 km. Outras áreas australianas de densa distribuição de abalos mostram uma área elípptica caótica que se espalha agrupada estatisticamente ao redor dos pontos centrais – não linhas regulares de grade de abalos marchando pelo deserto. Estes abalos não são devidos a explosivos sísmicos – a menos que eles usaram vários quilotons em cada buraco de tiro!

Os terremotos do Deserto Great Sandy são distribuídos quase que exatamente devido a leste do sítio VLF Tx de Exmouth e, intrigantemente, também são localizados sobre uma roda circular do Polo Norte Magnético do complexo irmão transmissor de Exmouth localizado em Cutler, Maine, no litoral nordeste dos EUA perto da fronteira canadense.

Então, se os vários avistamentos concernentes a bola de fogo emanando-se de Exmouth (relatados durante o período de 1973 a 1994) para leste na direção do Deserto de Great Sandy são levados em consideração, e pareceria que esta área da Austrália tem sido utilizada para testagem e eventual emprego de um diabólico sistema de armas eletromagnéticas de prodigioso poder.

Projéteis de energia eletromagnética podem ter sido disparados de Exmouth e dirigidos ou explosivamente iniciados de Cutler, e/ou outro site americano transmissor global a área de alcance de teste dentro do Deserto Great Sandy para iniciar os maiores terremotos em uma região previamente e totalmente desprovida dos mesmos.

Em um globo pode-se ver que a rota norte do grande círculo geográfico polar norte de Exmouth passa pelas seguintes localizações: Hong Kong; Thule (base área americana na Groenlândia); Cutler, Maine (conhecida como VLF Tx); Arecibo, Porto Rico (conhecida como VLF Tx); Tucuman, Argentina (conhecida como VLF Tx); Palmer e Amundsen-Scott bases americanas na Antártica; de volta a Exmouth Tx em NW Austrália. Tal série de sítios Tx forneceriam uma boa cobertura do inteiro planeta.

Interessantemente, o sítio de Porto Rico é quase exatamente o antípoda de Exmouth, e ambos os sítios são áreas onde os avistamentos UFOs são comuns – especialmente Arecibo, onde suspeito que os avistamentos sejam principalmente UFos de emissão de energia luminosa atmosférica de Tesla para testagem e operação de ambos os sítios de armas eletromagnéticas Tx.

Há muitas coincidências fascinantes nesta pesquisa. Tome por exemplo o caso de Harold E. Holt, Primeiro Ministro da Austrália de 26 de janeiro de 1966 a 19 de dezembro de 1967. Ele desapareceu enquanto nadava em um domingo – aparentemente depois de relatar a família e colegas íntimos durante os dias anteriores que ele tinha descoberto algo sobre os EUA, suas atividades aqui e suas futuras intenções, que profundamente o ofenderam e preocuparam. Pretendendo levantar estes assuntos no Gabinete e então Parlamento, na segunda-feira seguinte, ele nunca mais foi visto novamente.

Rumores de assassinato pela CIA, ataque de tubarão ou remoção por um submarino chinês tem continuamente emergido durante anos. Histórias recentes até mesmo sugerem que Holt está vivo e bem na China…

A base de comunicações da Península de Exmouth é agora chamada “Estação de Comunicação Naval Harold E. Holt”. Poderiamos pensar que a Polícia Federal Australiana ou ASIO/ASIS pode ter resolvido o desaparecimento e/ou possível assassinato de um Primeiro Ministro Australiano em aproximadamente trinta anos. Não temos que olhar longe demais para uma ligação e possível linha de inquérito.

Então há o caso de dois jovens trabalhadores de uma estação de gado que morreram sob circunstâncias muito misteriosas uns poucos anos atrás no Deserto Great Sandy – nas linhas de grade muito sísmicas colocadas pelo Aquitaine Oil, e dentro da própria área do Deserto Great Sandy de “alcance de teste de terremoto”…

Pareceria ser um alto tempo para os australianos fazerem alguma coisa sobre este estado de coisas – de que realmente hospedamos um sistema de armas que tem levado clandestinamente a mortes não apenas de australianos mas muito provavelmente de dezenas de milhares de seres humanos em muitos países ao redor do globo.

Mas de tudo isto – a ciência de sistemas de armas eletromagnéticas indutoras de terremotos e seu recente emprego e uso no planeta pelas forças russas, japonesas e americanas – devem esperar até o próximo artigo nesta série.

Eventos de Energia Luminosa Exótica Recentes Australianos

Enquanto pesquisava em 1993 o incidente de terremoto-explosão-bola de fogo em Banjawarn, tornei-me ciente de um espectro inteiramente diferente de eventos bizarros não relacionados ao fenômeno de luz da bola de fogo relatadamente sendo observados em nossos céus por observadores muito confiáveis de arbustos da Austrália Ocidental [tais como aquele que descreveram as bolas de fogo sobre a cidade de Tom Price). Em comum com os eventos de bolas de fogo, estes eventos foram raramente, se é que foram, relatados na imprensa e não parecem ter sido comentados por nossa comunidade científica.

Estes eventos variam em estilo, mas quase todos envolvem essencialmente eventos estáticos de emissão atmosférica de luz que aparentemente nunca tem sido relatados ou observados antes da década de 1980, tendo raramente sido relatados depois de 1985, mas agora temos uma peridicidade crescente de evento nos anos depois de 1993.

Um evento de tal tipo geralmente relatado consiste de explosões maciças de alta energia de duração de 2 a 10 segundos de luz azul-esbranquiçada vista nos céus noturnos da atmosfera superior. Tais eventos tem sido relatados em WA por muitos observadores inclusive especialistas em meteoros e astrônomos amadores que estão categoricamente certos que estas não são explosões luminosas passageiras devidas a meteoros únicos ou múltiplas chuvas de meteoros.

Normalmente, nenhum objeto maciço ou fonte de luz se movendo é vista em associação a estes eventos. Contudo, as maciças emissões de energia luminosa azul-esbranquiçada são as vezes muito similares em output de energia aqueles eventos de flash de luz azul-esbranquiçada muito brilhantes frequentemente relatados ocorrendo em conjunção com as bolas de fogo e sua explosão (como descrito na parte um desta série de artigos).

Eventos similares envolvendo emissões maciças de explosão luminosa azul-esbranquiçada também tem sido relatados como ocorrendo a nível do solo. Por exemplo, um incidente em outubro de 1994 que foi visto da estação de Minara (50 quilometros a leste de Leonora nos campos de ouro leste de WA) possivelmente envolveram um pouco noturno de UFO e pequenos seres com tochas vasculhando ao redor das construções da estação. A chama exótica, brilhante e azul-esbranquiçada foi observada a nível do solo quando a alegada espaçonave alienígena acelerou para fora da pista aérea perto de Minara. A luz deste flash iluminou inteiramente os edifícios da estação escura em uma silhueta bonita brilhante azul-acinzentada.

Um outro incidente noturno em 1996 foi observado perto de Rocky Gully no sudoeste de WA e foi descrito como um evento muito assustador quando fitas maciças azul-esbranquiçadas de eletricidade arqueante sairam do chão da floresta para a atmosfera, criando um brilho intenso e violento azul-esbranquiçado [e um presente barulho elétrico] que foi visível por milhas – como alguém com um soldador de arco. Este evento persistiu por ao menos város minutos. Os observadores fugiram da área temendo por suas vidas, gradualmente cancelado pela aparente quantidade de enorme energia envolvida no evento.

Estas maciças explosões de energia de alta altitude, luz azul-esbranquiçada e/ou arcos elétricos a nível do solo são razoavelmente comuns e eu tenho aproximadamente 100 destes eventos documentados em minha base de dados de WA. A publicidade de meu primeiro artigo em NEXUS tem resultado que tenham sido relatados a mim ao menos três eventos similares – um deles a leste de Victoria. Não conheço qualquer um de tais eventos similares sendo relatados historicamente na literatura em qualquer lugar do planeta Terra – exceto como referido abaixo em conexão com os experimentos de onda eletromagnética de alta voltagem e alta frequência por volta de 1900 de Nikola Tesla.

Outros eventos exóticos envolvem observações diurnas e noturnas pós 1993 de raios ou cilindros dourado-alaranjado ou prata-azul-esbranquiçados de energia se propagando verticalmente para baixo de alta altitude a atingindo a superfície da Terra – sem barulho ou dano de superfície e sem atividade de tempestade de trovão relatada – geralmente em áreas isoladas do interior remoto.

Um outro estilo de evento com emissão de energia luminosa sendo observado envolve formas de cor laranja-avermelhada penduradas estaticamente no céu noturno. Geralmente um raio em forma de lápis [vertical ou a 45 graus] mas incluindo raras formas esféricas, este estilo de evento tem sido relatado desde aproximadamente 1985, com um aumento aparente por volta de 1990 mas com muitos mais avistamentos relatados desde 1993. Alguns 100 de tais eventos tem sido relatados.

Felizmente, neste caso, um alerta de um astrônomo amador, vivenciado astrograficamente de noite, tem capturado tal caso em filme. John Goldsmith fotografou este raio de sua casa em Bedfordale (a leste de Fremantle em Darling Ranges) por volta de 9.50 pm em 24 de maio de 1990.

Tomei uma leitura de bússola [no ponto indicado por John Goldsmith perto de sua plataforma de observação do telescópio] entre as árvores como visível nas fotos 2-4. A situação era aproximadamente 262-263 graus magnéticos [desvio local é um grau ou menos como é o compasso e a acurácia da reconstrução]. A situação do raio está em linha direta com a área “proibida” da Base Naval da Ilha Fremantle Garden.

Esta “ilha”, ou promontório, é inundada de instalações subterrâneas da Segunda Guerra Mundial quando foi usada como base de submarino pela Marinha americana/real britânica/real australiana. O fim sul da Ilha Garden é ocupado pelo HMAS Stirling – nossa atual base de submarinos – onde a maioria dos submarinos australianos da classe Collins Class estão baseados. Os pátios navais também estão presentes sob a situação do raio na terra principal.

Embora não possamos deduzir o alcance exato do raio, tem que estar muito próximo do observador já que na frente dele e das nuvens os iluminam. é portanto uma boa aposta que este raio pendurado acima, ou muito perto de, da instalação naval da Ilha Garden.

John Goldsmith tinha saído de sua casa naquela noite para fazer algum trabalho astronômico. Ele viu um raio laranja pendurado verticalmente no céu e correu de volta dentro de sua câmera. Sendo usado para capturar eventos passageiros de meteoritos, ele sabia exatamente como tirar a foto. Ele usou um filme de 400 ASA em tomadas de 30 segundos, 60 segundos, 120 segundos e 120 segundos paras fotos de 1 a 4 respectivamente [as fotos estão publicadas no artigo original].

John afirmou que o raio iluminou algumas nuvens e não era tão brilhante como as imagens capturadas no filme – provavelmente devido a luz de captura e tempo de exposição, ou talvez sua chamada de intensidade um pouco fora. O raio não aparece se mover ao redor ou muda muito durante cinco ou seis minutos que esteve a vista, mas John estava muito concentrado em sua câmera.

Uma reconstrução em vídeo utilizando as quatro fotos dele, cada uma registrou as mesmas estrelas brilhantes, demonstra que, de fato, a localização do raio é inteiramente estática durante a duração do evento. Finalmente, depois de aproximadamente cinco ou seis minutos, o raio esmaeceu até nada. Não houve som neste evento.

As estrelas são vistas se moverem acima do tempo de exposição, e possivelmente o centro da intensidade da luz laranja muda um pouco, para baixo ao longo do raio. A completa energia luminosa do raio varia para cima e para baixo de foto a foto – possivelmente devido a variação dos tempos da exposição do filme ou variações na real intensidade de emissão de luz do raio.

Nas cores originais das fotos podemos ver ao lado do raio laranja uma banda de linhas mais fracas vermelhas, então linhas azuis então uma banda ainda mais fraca de linhas vermelhas e então novamente linhas azuis. Note que este espectro similar também existe do lado direito do raio. As linhas espectrais são distribuidas de cada lado do maior raio laranja através de largura cosiderável do céu – ao menos duas vezes o comprimento do raio visível e possivelmente mais. Estas fotos também sugerem que uma cauda basal “fantasma” do raio maior central vai muito mais baixo, possivelmente a nível do solo.

Estas fotos foram tomadas no escuro por volta das 9.50 pm (o pôr do sol aqui em WA em 24 de maio de 1990 foi por volta das 5.30 pm). Note que a linha branca quase vertical no lado da mão esquerda da imagem número 2 é uma pequena falha do filme original e não um evento do tempo.

Foi originalmente sugerido que este raio era um efeito criando por um laser baseado no solo, mas exames por cientistas atmosféricos que empregam tais aparelhos na Austrália e EUA tem completamente descartado tal teoria. Um maior problema é que a forma de luz parece bem acima da atmosfera e não está ligada a qualquer laser baseado no solo. Um outro problema é que a grande largura do raio quando comparada a espessura normal de lápis de laser prova que eles normalmente apenas são visíveis dentro de dois quilometros do raio. Além disso, há linhas harmônicas espectrais visíveis através da imagem.

Uma outra sugestão é a de que o raio fosse uma luz de busca normal quando ela aparece em alta altitude sem ligação ao nível do solo. Isto também não tinha uma seção cônica divergindo para cima, e tem linhas espectrais harmônicas, paralelas e exóticas.

Em 1991 uma revista japonesa de astronomia publicou um artigo com uma versão branco e preta muito pobre da foto, sugerindo que o raio principal foi causado pela refração de luzes de navios na camada horizontal do ar de diferente densidade. Se assim fosse, porque este efeito não foi anteriormente documentado em qualquer lugar nos oceanos do mundo?

Agora tenho narrativas de muitas tstemunhas oculares de tais raios laranja visto a noite sobre a terra durante os últimos dois anos, aqui em WA. Estas localizações na terra são geralmente desabitadas e não tem fontes de luz [tais como luzes de busca etc] área de refração por camadas de ar como sugerido pela revista japonesa. Um relato de evento do raio em 1996 em Brisbane foi muito significativo já que muitos observadores viram tiras de descarga de voltagem muito alta, azuis-esbranquiçadas saindo das paredes de suas casas montadas das principais caixas de energia como um raio laranja planando próximo no céu. Membros de uma outra habitação relataram que suas caixas de energia zuniram violentamente quando o raio laranja planou a alguma distância longe no céu.

Estes dados confirmam a probabilidade de que potenciais eletromagnéticos escalares longitudinais no estilo de Tesla estavam envolvidos no evento em Brisbane (e portanto possivelmente estavam presentes durante os outros eventos de raio], provavelmente criado por um remoto transmissor de Tesla e saindo do ‘vácuo’ espaço-tempo local na onda permanecendo em modo alvo, isto é, a localização do raio.

Uma explicação bem possível para os raios laranja é que eles sejam devidos a hologramas eletromagnéticos de energia luminosa sendo emitidos de projéteis invisíveis mais concentrados de ondas permanentes eletromagnéticas. Tais ondas podem ser de origem natural [exemplo, luzes de stress da Terra]. humana ou alienígena, mas todas envolvem múltipla interferência de ondas escalares eletromagnéticas.

Os maciços flashes de luz azul-esbranquiçada de alta altitude são possivelmente devidos a emissão de onda eletromagnética de Tesla se acoplando brevemente com a atmosfera superior enquanto os flashes a nível de solo são possíveis devido a operação de um Transmissr Magnificador de Tesla [localizado na Austrália ou no exterior] que está transmitindo energia eletromagnética pelo planeta para o sítio antipoda onde a energia elétrica em arco está sendo violentamente liberada.

Nenhum dos eventos relatados envolvendo flashes de energia luminosa laranja-avermelhada ou raios laranja-avermelhados ou esferas ocorreram durante ou perto de qualquer tipo de tempestade elétrica ou padrão atmosférico não determinado. Há uma possibilidade de algum fenômeno eletricamente carregado natural e desconhecido selecionou os sistemas de plano de falha da Terra através de WA, então criando enormes ‘luzes de stress da Terra” penduradas sobre selecionadas concentrações de energia.

O output solar de partículas carregadas, acoplando a um estilo peculiar com a ionosfera/superfíie da Terra, é uma possibilidade posterior, mas isto implica que tenha havido uma recente mudança muito significativa no equilíbrio eletromagnético e/ou eletrostático Sol/Terra.

Tais eventos luminosos poderosos, localizados e exóticos, ocorrendo em grandes números e em um tal período de tempo relativamente curto de uns poucos anos, nunca foi anteriormente relatado em WA, ou em qualquer outro lugar do planeta Terra, na história científica documentada.

Contudo, em uma ocasião, eventos isolados de única alta energia [luzes de stress da Terra?] tem sido relatados; isto é, no Leste do Tibet em 1947, antes da invasão da China Vermelha, um grande terremotou atingiu esta área de fronteira e foi seguido por brilhos laranja-avermelhados enormes e de alta energia de formas esféricas de luz que ficaram penduradas dos céus por dias sobre o céus do leste. Os monges budistas relataram que estas aparições eram visíveis de Lhasa e eles consideravam naquele tempo serem terríveis presságios [ e corretamente assim foi!]

Estes eventos australianos são eventos de muito alta energia e não devem ser confundidos ao serem comparados com ‘as luzes de stress da Terra” médias, isoladas e muito raras, de baixa energia e/ou relatos de “luzes min-min” como ocasionalmente observadas perto de zonas sismicamente ativas de terremotos e somente raramente relatadas na literatura histórica.

As altas energias concentradas envolvidas nos recentes eventos australianos de bola de fogo e associados e nos eventos exóticos de luzes estáticas, bem como o crescente aumento de sua periodicidade, sugere uma origem não natural ou possivelmente um sistema natural de evolução muito rápida e de origem desconhecida.

A este tempo, a interferência de onda escalar eletromagnética é o preferido mecanismo físico para a formação de ambas bolas de fogos e seus fenômenos associados bem como os eventos de emissão de luzes estáticas exóticas.

Atividades de UFO alienígenas não podem ser completamente descartadas, mas eles não se encaixam no disponível padrão de inteligência humana que fortemente aponta para a atividade tecnológica baseada na Terra.

Cenário de Bomba Nuclear em Banhawarn?

Durante meus inquéritos iniciais em 1995 do “Banjawarn Bang” de 28 de maio de 1993, A transmisão australiana da rádio ABC apresentou uns poucos itens dos EUA referentes ao Senador americano Sam Nunn que era o presidente do Inquérito do Senado dos EUA sobre “as armas de destruição em massa da seita japonesa Aum”. Foi relatado que Nunn tinha afirmado que a equipe de inquérito do senado tinha evidência que a seita Aum Suprema Verdade (Aum Shinrikyo) tinha tentado comprar armas nucleares dos russos e tinha também tentado desenvolver as mesmas em seu próprio laboratório científico e provavelmente havia tido sucesso. Eu me preocupei, porque desde 28 de maio de 1993 o evento do campo de ouro tinha características similares a uma explosão nuclear; possivelmente estes lunáticos da seita Aum tinham de fato adquirido arma nucleares e algum tipo de sistema de entrega de jato de pulso [isto é, um tipo de missel cruise nazista].

Contactei Dan Gelber, chefe do conselho do inquérito do Senado dos EUA, e falei com ele sobre meus dados e pesquisa. sua resposta agitada foi “por favor envie por via área qualquer coisa que você tenha para que nós examinemos, às nossas custas”. Cumpri a solicitação dele e também falei com ele e seu assistente outras vezes por telefone.

Agora acredito que, embora as energias envolvidas no evento de Banjawarn era de nível de energia de uma bomba nuclear, a explosão não foi de origem nuclear e sim de origem de tecnologia escalar eletromagnética.

A Ligação Tesla

Na chamada telefônica inicial, Dan Gelber me informou que os EUA haviam encontrado evidência que em 1992 a seita Aum tinha enviado uma equipe de pesquisa para estudar no Museu Nikola Tesla em Belgrado, Iugoslávia. O objetivo deles era obter dados sobre a tecnologia de transmissão de onda eletromagnética de Tesla, como relatado no sistema de armas indutoras de terremotos. Gelber, sendo um advogado, não parecia entender muito sobre este sistema de armas, mas discutiu isto superficialmente como evidência do profundo desejo da seita Aum de obter novas armas exóticas com potencial para destruição em massa – tal como bombas nucleares, tecnologia do gás nervoso etc.

Nikola Tesla (1856-1943) foi um gênio científico que sozinho inventou a tecnologia moderna dos campos rotacionais elétricos AC e geradores elétricos, motores, mais rádio (Marconi aparentemente roubou as idéias de Tesla enquanto era seu aprendiz no laboratório de New York) e vários outros aparelhos elétricos e eletromagnéticos. A maioria da fundação da civilização elétrica moderna do século XX é devida ao trabalho pioneiro de Tesla no período de 1880-1908.

Na medida em que isto acontece, tenho uma grande biblioteca dos trabalhos de Tesla e muitos livros escritos sobre ele. A eletromagnética de Tesla e o entendimento dele da física sempre tem me intrigado e tenho passado muitas horas buscando as patentes dele, tentando visualizar os circuitos e entendimentos dele.

Estive grandemente intrigado pelos comentários de Gelber e ponderei sobre o possivel significado deles, se algum, para os eventos de Banjawarn de 28 de maio de 1993. Comecei a reler minha biblioteca de Tesla, procurando qualquer informação possívelmente relevante.

Telegeodinâmica e Ondas Tesla

Encontrei referência sobre Tesla construir um vibrante oscilador mecânico com uma periodicidade perfeita que ele usou para “detonar, soar” na Terra. Ele também tentou isto na estrutura de construção de seu laboratório e descobriu que quando isto recebia um sinal de retorno da energia onda longitudinal sísmica [isto é, escalar] ou sonora isto acrescentava um novo impulso de “detonação, som” ao retorno. Depois de alguns minutos, esta construção de reforço de onda construiu um tal nível que as forças harmônicas oscilatórias criavam terremotos locais no solo e/ou começavam a vibrar a construção alvo em pedaços. Tesla construiu este aparelho para fornecer analogia mecânica a sua pesquisa de onda eletromagnética e ajuda-lo a visualizar o sistema dinâmico.

Tesla descreve tomar um martelo grande e pesado de cabo longo de um de seus primeiros aparelhos, quando isto era o único método capaz de parar o rápido colapso de seu laboratório e construções vizinhas que estavam todos vibrando violentamente e em simpatia com os pacotes de ondas sísmicas dos osciladores mecânicos.

Havia vagas referências na literatura as teorias telegeodinâmicas de Tesla, acopladas a sugestões que ele podia criar os mesmos efeitos sísmicos com “ondas eletromagnéticas escalares de Tesla”, como produzidas pelo “Transmissor Magnificador de Energia” dele – uma bobina gigante de Tesla ligada a um projeto especial de circuito e um ‘aéreo” grande e de forma esférica.

Tesla utilizou estas ‘ondas de Tesla – ondas eletromagnéticas escalares longitudinais [como ondas de som] de puro potencial eletrostático sem campos vibracionais transversos H [magnéticos] ou E [elétricos]. Ele certamente provou que ele podia transmitir energia utilizável em quantidades muito grandes, sem qualquer fio e com apenas menores perdas de energia, por meio de seu Transmissor Magnificador de Energia eletromagnética. Ele afirmou que ele estava saltando [arremetendo] estas ondas Tesla pelo núcleo da Terra para os antípodas e de volta ao sítio transmissor Tx. Um gerador de energia de 10 kW, relativamente pequeno, suprido de apenas uns poucos cavalos-vapor rapidamente permitiria a construção pela ressonância de milhões de cavalor-vapor nos circuitos da bobina deste aparelho Transmissor Magnificador de Energia.

Folhas de relâmpagos feitos pelo homem e tiras elétricas azuis-esbranquiçadas arqueariam fora do circuito para pontos do solo da Terra, ou de principal sistema esférico aéreo. Locais, muitas milhas fora do laboratório de Tesla em Colorado Springs, se queixaram de vivenciar faiscas e tiras azuis-esbranquiçadas saindo das linhas elétricas, geradores, motores elétricos etc e até mesmo das solas de suas botas para o solo.

Tesla tinha demonstrado anteriormente que o fogo e chamas podem ser exatamente reproduzidos por tensão muito alta, alta frequência, ondas de potencial eletrostático [de fato, que tudo isto é um fogo quando considerado em física] – dimensões superiores que a filosofia padrão de “queima de, dizendo, carbono em oxigênio” da química molecular atômica.

Em sua patente do Transmissor Magnificador de Energia, Tesla menciona que ele pode transmitir energia eletrostática potencial a antípodas planetários, ou criar uma grade de ondas imóveis e nodos de pura energia potencial eletrostática através do planeta inteiro. Ele fornece um método para dirigir o sítio do alvo antípode ao utilizar duas ondas ou mais de frequências diferentes e amplitude para dois ou mais sítios Tx amplamente separados.

É importante entender que ele não estava transmitindo ondas hertezianas normais que vibram transversamente na direção da corda no espaço 3D normal com uma taxa constante de fluxo de tempo – como na trasmissão padrão de rádio HF. Lord Kelvin da Sociedade Real de Londres de Física uma vez teve uma séria discussão com Tesla em um encontro científico em New York onde Kelvin considerou as ondas hertezianas de campo H e vibracional transversa E serem a única forma de propagação da onda eletromagnética. Contudo, quando convidado ao laboratório de Tesla, Kelvin ficou perplexo ao ver a demonstração experimental que de fato Tesla estava criando ondas eletromagnéticas escalares ou longitudinais vibracionais de puro potencial eletrostático – ou, como Tesla as chamava, radiações não hertezianas. Kelvin então se desculpou em público e confirmou a existência e natureza da nova onda de Tesla.

Recente pesquisa particular nos EUA tem demonstrado que a onda de Tesla se propaga em um espaço “n” dimensional e pode ser engenheirada para operar em uma dimensão de tempo não linear em qualquer velocidade de zero ao infinito [ não sendo limitada a “c”, a velocidade da luz].

Várias ondas Tesla enviadas de diferentes transmissores também podem ser engenheiradas para combinar pela interferometria para produzir um projétil eletromagnético de nível muito alto recoberto ou contido energia, com qualquer forma desejada de emissão de luz, cor e intensidade. Este projétil de energia luminosa pode ser movido ao redor do planeta e será visível ou invisível. A energia contida pode ser liberada por uma posterior transmissão específica. O projeto eletromagnético pode ser movido dentro da Terra, pelo ar ou dentro do mar. Se ‘detonado’ na Terra, um terremoto é o resultado. Em uma construção ou uma cidade, uma violenta explosão de estilo pseudo nuclear é o resultado [até mesmo acima dos níveis de força nuclear].

Os Raios da Morte de Tesla e a Tecologia Suprimida das Armas Eletromagnéticas

Em seus últimos anos Tesla afirmou que ele podia produzir um “raio da morte” com um alance de centenas de milhas, que seria útil contra aeronaves. Tesla também afirmou que uma outra de suas invenções permitiria que cidades inteiras fossem devastadas por transmissões eletromagnéticas explosivas através de distâncias intercontinentais, a qualquer lugar do planeta, sem defesa possível; e que os “escudos eletromagnéticos” de Tesla, produzidos pelo mesmo novo aparelho, podem defender um país inteiro ou uma cidade contra aeronaves e bombas.

Ele certamente fez vários anúncios públicos sobre o ‘raio da morte’ e sistemas de armas ‘queimadoras’ de cidade nas décadas de 1920 e 1930, mas nenhum detalhe das técnicas tem sobrevivido no domínio público, ao meu conhecimento.

Em 1924 uma plétora de histórias sobre o ‘raio da morte’ e ‘raio anti-aeronaves’ apareceu no New York Times. o jornal da Austrália Ocidental ‘Kalgoorlie Miner’ também publicou histórias sobre estas invenções durante a década de 1920.

Várias invenções estavam ligadas a cientistas de várias nações, isto é, Grindell H. Mathews (Reino Unido), Dr T. F. Wall (EUA), Herr Wolle (Alemanha), e Grammachikoff (USSR) (como revelado pelas declarações beligerantes de Trotsky). Os detalhes da tecnologia alegadamente empregada por estes sistemas estão atualmente indisponíveis na literatura ocidental.

Um inventor australiano e um tal aparelho de ‘raio da morte’, Charles Sidney Way, foi encontrado morto com um tiro no coração sob circunstâncias misteriosas – no passeio de um resort do litoral inglês em 1937.

Histórias de noticiário também foram publicadas nos EUA sobre as invenções do ‘raio da morte’ de Tesla em 1924, 1934 e finalmente em 1938.

As divulgações de imprensa de 1938 afirmaram que Tesla empregaria 50 milhões de volts em uma nova forma de onda de raio, somente uma centena de milionésimo de um centimetro de diâmetro, baseado inteiramente em um novo princípio da física que produzia uma grande força repelente. Tesla afirmou que este aparelho poderia derreter qualquer motor e que não havia defesa contra ele. Ele viajaria pelo espaço interestelar mais rápido do que a luz e, se destinado a Lua, ele tornaria um ponto na superfície em incandescência.

Pareceria que Tesla estivesse se referindo a algo vagamente similar aos conceitos modernos de armas a laser ou de raios de partículas, mas possivelmente utilizando transmissões eletromagnéticas de microondas de enorme poder, viajando em velocidades maiores do que ‘c’, a velocidade da luz. Em fato real, os físicos chamam as ondas com dimensões de um centésimo de milionésimo de dentimetro (i.e., 10-9 metros) raios X, mas o tamanho mencionado por Tesla é também muito perto da fronteira arbitrária designida para até mesmo radiações menores – definidas como raios gama.

Alcançar velocidades de pacote de onda maior do que ‘c’ foi pensado ser impossível na física ocidental einsteniana – até o recente redesenvolvimento de novas idéias em física relacionadas a transmissão teórica relativista hiperespacial de ondas eletromagnéticas escalares ou ondas de Tesla.

É também conhecido que as ondas eletromagnéticas escalares longitudinais de fato produzem uma grande força repelente no núcleo atômico, contornando as conchas externas de elétrons e diretamente engenheirando ou interferindo com os componentes do núcleo.

Tesla não foi conhecido por fazer declarações ociosas, mas algumas de suas idéias eram tão incríveis e além de seus pares que muitos outros pares científicos da corrente principal científica simplesmente ignoraram os trabalhos dele. Somente em anos recentes temos algumas almas corajosas que se apresentam com alguns estudos experimentais e teóricos que confirmam o brilhantismo desta mente surpredentemente prática e inovadora. A maior parte dos físicos das modernas universidades ocidentais simplesmente ignora o trabalho de Tesla. Somente as universidades do leste europeu e da Rússia normalmente incluem um estudo do trabalho de Tesla no currículo delas.

Já em 1914, Tesla previu o controle elétrico da umidade atmosférica, e ele deu algum pensamento de como este controle atmosférico podia ser obtido utilizando seu transmissor magnificador. Ele implicou que isto seria possível até mesmo para afetar os campos eletromagnéticos do Sol e o output, ou certamente modificar seus efeitos sobre a Terra, por meio dos transmissores das ondas eletromagnéticas de Tesla.

Tesla sugeriu um meio para acender a ionosfera por ondas eletromagméticas para produzir um maciço brilho branco para tornar a noite dia e tornar mais seguras as navegações aéreas e marítimas. Esta tese aprentemente mágica funcionaria ao longo das linhas de uma analogia entre a rarefeita atmosfera superior ou ionosfera e um tubo padrão evacuado fluorescente: ambos podem ser acessos pela bobina de Tesla radiando ondas Tesla, sem qualquer fio tendo que ser utilizado.

Tesla acreditava que a radiação nuclear de isótopos específicos, tais como o rádio ou urânio, não apenas era o resultado da instabilidade do núcleo atômico, mas que a decomposição foi causada pela interação do núcleo com um raio especial emanando-se pelo universo. Ele afirmou que seria possível engenheirar um ‘escudo’ eletromagnético que impediria os raios e portanto terminariam a ação da desentegração nuclear, e que portanto, presumidamente, seria possível gerar concentrações de tais raios e estimular o núcleo em uma transmutação geral rápida e explosiva.

A radição Tesla e outras teorias, bem como os estudos mais recentes teóricos do físico americano Tom Bearden, tem habilitado uma elucidação completa das razões para uma série de atividades muito bizarras associadas a seita japonesa Aum Verdade Suprema na estação de Banjawarn, WA, durante 1993, e demonstrou a extreita ligação da seita com as bolas de fogo de Banjawarn, explosão e eventos de terremotos mini-Tunguska.

Na medida em que havia progredido a pesquisa do “Banjawarn Bang”, uma coleção inteira de eventos bizarros e coincidências havia começado a se revelar – mas você tera que esperar pela parte 3 para isto…

O artigo seguinte nesta série cobrirá inteligência sobre a seita japonesa Aum a respeito de seu interesse em armas eletromagnéticas e suas atividades na Austrália. Ele também resumirá a física conhecida e os efeitos dos modernos sistemas de armas eletromagnéticas escalares, inclusive os efeitos na saúde do transmissor de ondas deles em seres humanos e outras formas de vida, e detalhará uma variedade de recentes eventos na história da Terra onde tais armas são acreditadas terem sido empregadas pela Rússia, japoneses e grupos encobertos do poder dos EUA.

“Banjawarn-Bang” Revisitado

A parte 1 da série de artigos de “Céus Brilhantes” descreveu um evento anômalo de uma bola de fogo brilhante e de trajetória chata, um enorme flash de luz branca, uma maior explosão, uma chama vermelha elevando-se na direção do céu, um terremoto de 3.6 ou 3.9 na escala Richter – que ocorreu no alto anoitecer de 28 de maio de 1993 perto da estação de carneiros [rancho] de Banjawarn na região nordeste dos campos de ouro da Austrália Ocidental.

A maioria das testemunhas oculares localizou a evidência de ponto zero de uma explosão de 1 a 2 quilotons na borda noroeste da propriedade de Banjawarn.

Um grande hemisfério [aproximadamente duas vezes tão grande quanto metade de um sol nascente] de cor laranja-avermelhada opaca com uma linha prata então se elevando a nível do solo para se mover para cima e para baixo por volta de duas horas antes de se ‘apagar” como um interruptor de luz quando é desligado.

A estação de carneiros de Banjawarn logo se tornou digna de notícias devido a sua compra e ocupação em 1993 pela seita japonesa Aum Suprema Verdade (Aum Shinrikyo), de fama do ataque por gás ao metrô de Tóquio. O propósito declarado pela seita naquele tempo era ‘realizar experientos lá [em Banjawarn] em benefício da humanidade”. Foi relatado na media em 1995 que membros da seita Aum tinham experimentado lá como gás nervoso sarin em carneiros – como um prelúdio do ataque a gás em Tóquio em 20 de março de 1995.

O vice líder da seita Aum, Kiyohide Hayakawa, visitou Perth em abril de 1993. Auxiliado pelo agente da seita baseada em Perth, a seita Mahikari, o japonês Yasuko Shimada, ele alugou um avião leve e voou com um consultor imobiliário de Perth (o nipo-australiano, Micky Webb) pra nordeste dos campos de ouro para ver várias estações de carneiro que estavam a venda.

Interessantemente, em seus dias anteriores a Aum, Hayakawa tinha estudado para seu grau de mestrado na Universidade de Osaka em “Tecnologia do Amadurecimento”. Sua tese é marcada como altamente confidencial e está guardada como top secreta. As autoridades da universidade originalmente declararam que ele estudou ‘Anti-Desertificação” no departamento de engenharia climática. Contudo, o jornalista investigativo japonês, Yoichi Shimatsu (veja o website http://www.pelago.com) tem descoberto forte evidência que este departamento é uma cobertura para a pesquisa japonesa secreta de armas eletromagnéticas.

Mais recentemente, em resposta a história publicada de Shimatsu a respeito da verdadeira área de estudo de Hayakawa, a Universidade Osaka agora insiste que Hayakawa estudou “Engenharia de Panorama”. A consequência do emprego de certos tipos de armas eletromagnéticas é, se você quiser, uma ordem superior de “Engenharia de Panorama”!

Estes sistemas de armas parecem ser candidatos, entre muitos outros exemplos, para armas de guerra ambiental geofísica originalmente contempladas pelo Professor Gordon McDonald no livro de 1968 de Nigel Calder, “Unless Peace Comes.”

Hayakawa deixou a Universidade Osaka e logo encontrou seu caminho na Igreja da Unificação – a seita coreana de Moon. O reverendo Moon foi um amigo de longo tempo do recentemente falecido “Grande Líder” norte coreano, e que agora é conhecido como um associado de George Bush nas novas aventuras de Moon na América do Sul. Depois de alguns anos, Hayakawa se tornou um membro de alto escalão mas rompeu com esta seita sob circunstâncias nebulosas em 1987. Ele deixou a seita Moon [com a permissão dela?] com 20 milhões de dólares americanos de seus fundos, os documentos de vários edifícios em Tóquio, e os direitos de vários negócios da seita Moon – e se uniu a seita Aum.

Segundo um analista da policia japonesa, Hayakawa estava sob vigilância neste tempo – acreditado ser um possível espião para os militares norte-coreanos. Ele inadvertidamente os levou diretamente para a relativamente desconhecida seita Aum.

Hayakawa aparentemente utilizou os bens da seita Moon para comprar seu caminho na seita Aum – para quem ele trouxe aproximadamente 35 companheiros da seita Moon. Ele elevou quase que imediatamente sua posição de vice líder, dirigindo uma organização separada cercada por seus companheiros antigos da seita Moon, em seu chamado “Ministério da Construção Aum”. Hayakawa relatadamente começou a usar a organização multi-facetada Aum como uma cobertura conveniente para uma variedade de negócios de drogas, arma e equipamento científico de alta tecnologia [de uso em sua fabricação de armas] ao redor do mundo. Por exemplo, durante a Guerra do Golfo, Saddam Hussein estava entre seus parceiros comerciais.

Hayakawa visitou a Rússia 22 vezes, e a Coréia do Norte 17 vezes desde 1992. Ele comerciava com o oficial da KGB Vitaly Masenko – operando sob acobertamento do Ministro da Indústria e Comércio da Ucrania. Masenko tinha anteriormente trabalhado estreitamente com o capítulo ucraniano da Igreja da Unificação desde ao menos meados da década de 1980.

Cultos japoneses: apoio político encoberto

Yasuko Shimada, o contacto de Hayakawa e auxiliar na Austrália Ocidental, também teve uma carreira interessante antes do papel dela em 1993 em Banjawarn, segundo o autor Garry Greenwood.

Em seu livro de 1997, “All The Emperor’s Men”, Greenwood discute suas experiências com o culto internacional japonês Mahikari. Ele era um membro devotado desta religião espirutal de cura da “Nova Civilização” por aproximadamente 17 anos e era seu líder/executivo número dois na Austrália por aproximadamente 10 anos.

Vários anos atrás Greenwood deixou esta seita depois que descobriu que seu fundador, o Ten. Cel. Yoshikazu Okada (ex segurança e da Guarda Imperial do Imperador) tinha sido instrumental no planejamento do infame “Estupro de Nanking” na China antes da Segunda Guerra Mundial. Ele também descobriu que nos níveis superiores do comando do culto japonês Mahikari o culto era visto como destinado a apenas um propósito: iniciar a colocação do atual imperador do Japão de volta a sua “posição de direito” como Imperador do Planeta Terra dentro de nosso período de vida. Aparentemente estas pessoas acreditavam que em um periodo anterior de vida, muitos milhares de anos atrás, o atual Imperador japonês governava este inteiro planeta, e que agora era seu destino ordenado governar novamente a Terra.

Greenwood notou que Yasuko Shimada, o contacto de Hayakawa em 1993 em Perth, era instrumental para estabelecer a Mahikari na Austrália em 1974. Este culto tinha apenas aproximadamente 2.000 membros aqui, mas concentra os ricos e poderosos.

Jo Court, a esposa do Premier da Austrália Ocidental Richard Court, tinha sido um membro por uns 15 anos, e ela e seu marido celebraram sua eleição em fevereiro de 1993 no dia segiunte no templo Mahikari de Perth, antes de sair duas semanas depois em uma viagem a passeio ao Japão, relatadamente envolvendo muitos encontros com homens japoneses de negócios poderosos e influentes patrocinados pela seita Mahikari.

É interessante como tantos eventos nesta história de Banjawarn aconteceram em sequência durante 1993.

Em abril de 1993, ainda um outro grupo japonês chegou a Austrália Ocidental. O Ministro do Ambiente japonês abordou o governo da Austrália Ocidental com um plano para realizar um estudo “Anti-Desertificação” a leste da área de campos de ouro na Austrália Ocidental. Este projeto ficou silencioso depois que o caso da seita Aum explodiu nos noticiários mundiais, mas depois da ajuda de Richard Court e do vice Premier Hendy Cowan isto agora está de vento em popa ao redor de Kalgoorlie e Laverton. Estudantes pós graduados da universidade japonesa estão supervisionando o monitoramento de equipamentos eletrônicos instalados por todas estas áreas a leste dos campos de ouro – “para aprender como verdejar os desertos do terceiro mundo.”

A pesquisa conjunta de Yoichi Shimatsu no Japão e de Garry Greenwood tem descoberto uma trilha de ligações entre os apoiadores encobertos de dinheiro e poder japonês das seitas Aum e Mahikari. Estes incluem proeminentes políticos do Partido Liberal Democrático [LDP] tais como Shintaro Ishihara, co-autor (com o falecido presidente da Sony Akio Morita) de um livro intitulado “O Japão que Pode Dizer Não”. A teste básica deste livro de 1989 sugere que o Japão deve se aliar a Rússia, e que pela combinação dos micro-chips japoneses e das super armas russas eles podem levantar o dedo para os EUA e conjuntamente governar o mundo. Parece descrever um plano que atualmente está sendo desenvolvido por um grupo encoberto de dinheiro e poder que controla o governo japonês.

Grande parte da evidência sugere que as seitas Aum e Mahikari são proles de grupos encobertos de adoração ao Deus-Imperador e servem principalmente como negável braço de ação política [ e tecnologia militar] que pretende auxiliar seus particular ramo japonês de hegemonia mundial. É improvável que a maioria dos membros internacionais estejam cientes disto e de seus falsos papéis neste cenário. Jo Court foi informada deste cenário Mahikari-Imperador pelo amigo dela Garry Greenwood, mas ela se recusou a acreditar nisto.

O Trabalho de Campo de Hayakawa

Em abril de 1993 Hayakawa, auxiliado pelo consultor imobiliário de Perth, passou 12 dias examinado as propriedades de estação de carneiros na região do interior remoto de Leonora-Laverton da Austrália Ocidental.

Voando a cada estação, Hayakawa estranha e abertamente pediu para que lhes fossem mostradas as prospecções de urânio localizadas lá. Hayakawa tomou pequenas amostras de rochas de um ensaio de prospecção de urânio que lhe foi mostrada. Ele também requistou um veículo com tação nas quatro rodas para “fazer sozinho um tour pela estação para ver o potencial da propriedade e preparar sua mente para a compra”.

Segundo a informação de seu consultor, Hayakawa dirigiu para locais dentro das áreas centrais das propriedades, frequentemente sobre solo coberto de granito. De início, ele tentou perfurar dois pequenos buracos no solo com uma perfuradora portátil de rocha, mas a perfuração logo falhou e ele teve que perurar pequenos buracos com uma pá. Ele colocou um eletrodo em cada buraco no solo, ligado os dois eletrodos a um pequeno instrumento elétrico do tamanho de uma máquina de fax, e reaizou o registro de alguma variável elétrica ou eletromagnética por várias horas em cada sítio. Ele não moveu os eletrodos durante todo este processo.

De volta as sedes da estação ele cruzaria estes dados a noite inteira em um poderoso computador portátil.

Hayakawa ficou mais que suscetível quando o consultor perguntou-lhe do que se tratatavam todos esets procedimentos, e ele murmurou que isto era necessário para os futuros experimentos da Aum “em benefício da humanidade’ para escolher a localização correta. De fato, ele realizou estas pesquisas geofísicas de solo sem o conhecimento dos proprietários das estações, que pensavam que ele estivesse meramente fazendo uma vista ao redor das propriedades deles nos veículos de tração nas quatro rodas da estação.

Como um geofísico frequentemente envolvido em pesquisas geofísicas de muitos tipos de propósitos para exploração mineral, não pude entender imediatamente ou deduzir que sistema elétrico Hayakawa estava utilizando ou para que propósito. Pesquisas normais de solo elétricas e eletromagnéticas envolvem mover os sensores ao longo de linhas sobre a localização da prospecção da mina, não medir alguns parâmetros por horas em uma localização estática, e elas nunca envolvem medidas de cruzamento de números que duram a noite toda.

Hayakawa repetiu este processo de amostra de urânio, geofísica de solo e cruzamento dos números durante a noite toda em cada estação de carneiros que ele visitou.

Eventualmente, depois da posterior verificação em Banjawarn, Hayakawa decidiu que esta estação era a ideal para os propósitos da Aum. Parece que ele escolheu Banjawarn devido ao seu isolamento muito mais porque contivesse lá prospecção de urânio a qual, se alguma, era muito menor e em grau inferior aquelas localizadas em outras estações que ele havia inspecionado.

Banjawarn é arguidamente a estação de carneiros mais isolada a leste dos campos de ouro, a a área jazendo ao longo de seu perímetro norte, nordeste e leste é até mesmo um interior de areia/duna/spinifex ligado ao bordo do Deserto Gibson. A área inteira é quase que totalmente vazia de habitantes.

Hayakawa tentou comprar a estação então e lá em meados de abril de 1993, mostrou uma maleta cheia de notas do dinheiro em papel australiano. O proprietário, sendo um homem prudente e bem consciente da cor das impressoras jato de tinta, recusou o acordo daquela maneira e requisitou um documento de compra legal apropriadamente assinado e a entrega de um cheque de um banco idôneo na Austrália Ocidental.

Obviamente Hayakawa estava estusiástico para que a Aum possuisse logo a estação de Banjawarn, em meados de abril de 1993 – o que sugere uma programação estreita de tempo.

Hayakawa então imediatamente voltou a Perth e foi para Tóquio, mas no início de maio de 1993 ele viajou para a base naval soviética em Cam Ranh Bay no Vietnã – segundo a inspeção da polícia japonesa das listas de tiquetes de seu agente de viagem.

Mais tarde em abril de 1993, outras duas pessoas da Aum chegaram a Perth de Tóquio, e portanto eles utilizaram os serviços de uma firma de advogados para estabelecer uma companhia em Austrália Ocidental e escrever um documento legal de compra que seria satisfatório para os proprietários da estação de Banjawarn. Esets representantes da Aum tinham pouca fluência em inglês e estavam muito agitados com o vagar e lentidão do processo legal necessário para efetuar o acordo de compra – o que novamente sugere um cronametragem estreita para a agenda deles.

Este acordo de compra de Banjawarn foi assinado em 23 de abril de 1993. Yasuko Shimada, sendo um residente australiano, foi co-signatário dos papéis de propriedade de Banjawarn para auxiliar a seita Aum a acelerar os regulamentos de propriedade de terras australianos. Sem a ajuda dela Mahikari, a Aum teria tido severos problemas para receber o título de Banjawarn e realizar experimentos lá “em beneficio da humanidade”.

Acho interessante que a seita Mahikari inclua entre seus membros a esposa do Premier da Austrália Ocidental; o mesmo Premier que teve uma investigação realizada das atividades da seita Aum em ligação ao “Banjawarn Bang”. Ele foi despertado pelo meu relatório de 1995 a ele a respeito dos dados iniciais da bola de fogo/explosão/ abalo que sugerem que este evento tem sido nuclear em natureza e era certamente suspeito o bastante para garantir uma investigaçao científica completa.

A Corte principal afirmou em uma carta para mim [datada de 15 de maio de 1996] que este inquérito da policia da Austrália Ocidental tinha estabelecido que o evento de Banjawarn era de origem natural. Ainda que nenhuma das testemunhas oculares [cujo testemunho foi detalhado em meu relatório] nunca tenha sido abordada pela polícia da Austrália Ocidental ou qualquer outra pessoa] durante a alegada investigação. Parece que aqui haja espaço para alguns cenários interessantes e, ao menos, uma poucas perguntas importantes exigem uma resposta.

A troca do cheque bancário da Aum ao proprietário de Banjawarn aconteceu em 1o.de junho de 1993. Então, a real propriedade da estação de Banjawarn estava nas mãos da seita Aum via uma companhia de fachada apenas três dias depois do evento em bola de fogo de 28 de maio de 1993, embora isto tenha sido um acordo garantido e assinado aproximadamene 35 dias antes do evento da bola de fogo de Banjawarn.

A Diretoria Pastoral do Governo da Austrália Ocidental finalmente registrou a troca oficial de propriedade em 1o. de setembro de 1993.

a Aum que nunca foi

Em meados de 1995 o advogado chefe do inquérito do senado dos EUA sobre a seita Aum informou a este autor do grande interesse da seita Aum na tecnologia de armas eletromagnéticas indutoras de terremoto de Nikola Tesla. Isto sugeriu uma linha interessante de pesquisa e apresentou a questão de se há uma ligação ente os bizarros eventos de bolas de fogo da noite de 28 de maio de 1993 e o interesse mostrado por Hayakawa e a seita Aum na estação Banjawarn.

Em 26 de maio de 1993 um grupo de astrônomos amadores australianos e japoneses estava fazendo um tour nos campos de ouro na rota de Leonora a Meekatharra quando eles encontraram várias pessoas japonesas acampadas nos arbustos ao norte de Leonora. Os astrônomos japoneses observaram a seus companheiros que estas pessoas eram bem estranhas em seu comportamento e conversação, e eles eram vistos estarem muito estranhamente vestidos. É bem possível que eles fossem membros da seita Aum, na medida em que a seita é conhecida no Japão por roupa estranha e comportamento.

De onde eles estavam acampados ficava somente a uma hora em veiculo por tração de quatro rodas nas estradas entre os arbustos para a localização do ponto zero dos eventos de 28 de maio perto ou na estação Banjawarn. Estas pessoas foram idealmente colocadas para cobrirem os eventos de bola de fogo que ocorreram apenas dois dias depois. Os turistas japoneses são muito raros nesta região a qual está bem fora da trilha batida.

A Polícia Federal Australiana me informou em abril de 1995 que o pessoal da seita Aum, inclusive seu Ministro da Ciência Hideo Murai (um físico nuclear, visto como “o mais inteligente japonês vivo”), esteve em Banjawarn em 28 de maio de 1993, tendo chegado na Austrália em meados de maio. [Interessantemente Murai também tinha um background em tecnologia eletromagnética antes de ser da Aum. Ele trabalhou em Kobe Steel, pesquisando microondas e outras aplicações de tecnologia de raio/onda eletromagnético para moldagem a frio do aço, tendo se graduado como um astrofísio especializando-se em análise de raios X cósmicos. Seu laboratório em Kobe Steel estava no epicentro do grande terremoto de Kobe de 1995.]

Aproximadamente um mês mais tarde a Polícia Federal retratou esta história, afirmando que não havia evidência de qualquer membro do Aum estar em Banjawarn (ou na Austrália) ao tempo do evento de bola de fogo, portanto a Aum pode não ter estado envolvida no evento de 28 de maio.

A informação dos astrônomos amadores sugere que a Polícia Federal estava, na melhor das hipóteses, enganada. Membros desconhecidos da seita Aum podem facilmente ter chegado a leste da Austrália como turistas japoneses e podem ter sido perdidos pelas autoridades australianas de imigração.

A Polícia Federal Australiana também afirmou mais tarde que a propriedade da estação Banjawarn somente foi transferida para a seita Aum em setembro de 1993, então não é possível ligar isto aos eventos em bola de fogo. Tecnicamente, isto está correto, desde que isto foi quando a Diretoria Pastoral da Austrália Ocidental registrou a mudança da propriedade. Contudo, esta afirmação é muito enganosa já que o acordo de compra foi assinado por ambas as partes em 23 de abril de 1993 e a Aum entregou o cheque em 1o. de junho de 1993.

Ao tempo do evento de bola de fogo as 23:03 horas da noite de sexta-feira de 28 de maio de 1993, a Aum sabia que Banjawarn era sua por direito legalmente enforçado. Eles sabiam que raramente havia alguém na residência nos edifícios da estação durante os fins de semana de sexta feira a segunda feira, quando, tipicamente, o proprietário da estação e sua esposa dirigiriam 100 quilometros para sudoeste para ficarem com parentes.

O grupo de pessoas japonesas estranhamente vestidas [Aum?] pode facilmente ter examinado que todos os traços no ponto zero do evento estavam vazios de pessoal – se isto até mesmo fosse necessário. Eles certamente podem ter filmado os eventos de 28 de maio e/ou realizado monitoramento de parâmetros científicos de campo.

Em final de setembro de 1993 Shoko Asahara, o líder guru barbado da seita Aum, chegou em Perth com o vice líder Hayakawa e vários membros do grupo (inclusive jovens meninas adolescentes) levando um excesso de bagagem aérea que foi relatado ter custado aproximadamente 330.000 dólares australianos.

Esta bagagem incluia laboratório e ‘equipamento de mineração” na carga, bem como químicos perigosos [ácido hidroclórico] escondido em conteiner de toilate e garrafas em bagagens pessoais. Muitos desses itens foram confiscados pela alfândega australiana e dois membros da Aum passaram tempo detidos por sua infração dos regulamentos de segurança aérea.

O grupo da Aum alugou um par de aviões bimotores para leva-los a Banjawarn. Eles mais tarde usaram os aviões para reconhecimento aéreo de baixo nível ao redor da estação inteira bem como para exame das áreas fora da estação a leste, sul e norte.

A Polícia Federal Australiana alega que a seita Aum testou o gás nervoso sarin em carneiros na estação de Banjawarn durante sua ocupação de setembro de 1993. A evidência para isto é insuficiente e provavelmente seria derrubada se fosse testada na côrte. Sobretudo, há copiosa evidência que o sarin não foi o gás usado no ataque a gás no metrô de Tóquio.

Os ataques a gás em sistemas ferroviários japoneses, e “acidentes” estranhos nas usinas nucleares japonesas [possivelmente iniciados por terroristas] tem continuado bem depois da prisão de Asahara. Há alguma evidência que aponta para atividades terroristas norte coreanas sendo a fonte de todos estes incidentes – incluindo o ataque a gás do metrô de Tóquio.

Hoje, Asahara está geralmente sendo vilificado na media japonesa e mundial e é mantido em uma cela fria; mas Hayakawa dificilmente é até mesmo ouvido enquanto está sob prisão domiciliar [onde seus carcereiros o tratam por Senhor”)

Parece provavelmente que a seita Aum foi simplesmente denominada como fonte de ataque a gás para encerrar um bem de inteligência comprometido e esconder o verdadeiro estado de coisas a respeito da Coréia do Norte.

Cenário de Bomba Nuclear

As observações das testemunhas oculares da explosão de Banjawarn de 28 de maio de 1993 se assemelham a descrição de uma explosão nuclear noturna. Os cálculos utilizando os sinais sísmicos recebidos ao redor de WA sugeriram que as energias envolvidas na explosão eram ao menos de 1 a 2 quilotons de equivalente de TNT, isto é, similar a uma pequena bomba nuclear. Seguindo os relatos de imprensa de meados de 1995 que ligavam a Aum a tentativas de procurar armas nucleares, decidi que esta possibilidade era séria o suficiente para alertar o inquérito do senado dos EUA e as autoridades australianas. Contudo, a falta de partículas de poeira radioativa nos coletores australianos naquele mês, bem como a informação de inteligência e outras considerações, logo me levaram a descartar a teoria da bomba nuclear. Contudo, o senado dos EUA ainda está pesquisando esta possibilidade.

Durante a breve ocupação de um mês da estação de Banjawarn em 1993, o grupo Aum estabeleceu um laboratório químico de campo em uma das casas da estação de Banjawarn. Eles também construiram uma nova trilha aplainada em direção a borda do lago de sal ao sul das construções da estação, presumidamente para permitir melhor acesso a amostragem de urânio.

Há evidência sólida de fontes da Polícia Federal Australiana que a Aum fez a reamostragem de muito mineral de urânio do distrito e que transportaram por via aérea uma carga de caminhão de mina local de urânio de volta para o Japão. As amostras da mina deixadas no laboratório em Banjawarn e encontradas pela Polícia Federal tem sido analisadas no laboratório do governo da Austrália Ocidental em Perth. Estas rochas continham um nível tão baixo de urânio que os químicos e a polícia riram da aparente estupidez da Aum em tentar utilizar estas minas para propósitos de fabricação de bomba nuclear. Não há qualquer outra evidência de tentativa de uso ilegal de mineração de urânio ou amostragem em grande escala pela Aum em ou perto de Banjawarn.

Então Hayakawa tinha realizado uma amostragem geoquímica de urânio local antes e depois de 28 de maio de 1993, o evento de bola de fogo de Banjawarn com sua associada explosão, terremoto e duas horas de estrutura hemisférica laranja-avermelhada.

Mais tarde relatos de noticiários, cuja fonte foi um detido da Aum aprisionado em Tóquio, sugeriu que a Aum havia tentado extrair urânio fissionável da mina de Banjawarn.

Esta história de tecnologia nuclear se encaixou nas anteriores divulgações de imprensa do senador americano Sam Nunn, que, como membro senior do inquérito do senado dos EUA sobre a seita Aum e armas de destruição em massa [outubro-novembro de 1995], tinha arguido que havia evidência que a Aum havia tentado adquirir tecnologia nuclear de seus contactos russos, e também tinha tentado desenvolver suas próprias armas nucleares em fábricas da Aum.

Pela evidência disponível, Nunn estava preocupado que a Aum tivesse tido sucesso em seu objetivo e portanto tivesse adquirido armas nucleares. Seua preocupação foi justificada, dado a informação da media sugerindo que o líder da Aum, Asahara, não somente previu uma maior guerra nuclear entre o Japão e os EUA, mas também conspirou para iniciar tal guerra ao detonar uma arma nuclear dentro dos EUA continental.

A mina disponível para Aum em Banjawarn era de grau muito baixo, e, em comum com todas as outras minas de urânio, consistia em 99.999% de 238U com somente quantidades minúsculas de 235 U altamente radioativo, o isótopo fissionável para a fabricação da bomba atômica. Até o recente desenvolvimento da tecnologia da extração a laser, levaria anos para adquirir quantidades úteis deste isótopo usando grandes centrífugas e fábricas industriais de extração de gás operando em quantidades enormes da mina com exigências maciças de energia elétrica. Isto ainda tomaria grandes quantidades da mina mas agora seria alcançado em meses, não mais em anos.

Era obviamente impossível para a Aum efetuar a recuperação de 235 U suficiente para uma bomba nuclar padrão em seu laboratório de campo e com suas limitadas ações mineradoras em Banjawarn. Mas uma “bomba suja” [238 U encapsulada tática ou micro-nuke, como adquirida da Rússia?] pode possivelmente ter sido alcançada pelas ações da Aum.

Contudo, Hayakawa tinha dispendido uma grande quantidade de esforço em suas pesquisas de toda uma noite cruzando números e em sua amostragem geoquímica das amostras locais de urânio. Qual era o propósito dele, e havia uma ligação com os eventos de 28 de maio de 1993?

As ligações possíveis entre a seita Aum e os eventos de Banjawarn podem ser resumidos assim:

1. O interesse da Aum no mesmo pedaço do planeta Terra quando ocorreram os estranhos eventos de bola de fogo e associados em aproximadamente o mesmo tempo;
2.A anterior “Engenharia de Panorama’ de Hayakawa”, i.e., estudos de armas eletromagnéticas na Universidade de Osaka, e o trabalho em eletromagnetismo de Murai em Kobe Steel;
3. Os comentários do advogado chefe do inquérito do senado americano referentes ao interesse da Aum nos sistemas de armas eletromagnéticas indutoras de terremotos de Tesla;
4. A estranha natureza dos eventos em bola de fogo, como relatados pelas testemunhas oculares, aparentemente não se encaixando em um cenário de um meteorito natural.

Cenário de Armas Eletromagnéticas nipo-soviéticas

Os sismologistas japoneses que primeiramente insinuaram a tecnologia de armas indutoras de terremotos apareceu em um encontro conjunto entre eles e os sismologistas soviéticos depois do enorme terremoto da Armenia de 1988.

Evidência fortemente apoiadora sobre estas armas veio de uma fonte de Moscou desenvolvida pelos jornalistas investigativos japoneses. Esta pessoa esteve presente durante uma conferência em Moscou [janeiro de 1990] quando uma alta delegação japonesa, liderada pelo Ministro do Exterior Shintaro Abe, se encontrou com o presidente soviético Gorbachev e seu auxiliar, o membro do Politburo Alexander Yakovlev. O intento deles era estabelecer uma cooperação bilateral.

Em encontros posteriores em janeiro de 1991, Gorbachev via Yakovlev ofereceu aos japoneses a tecnologia de armas eletromagnéticas intercontinentais super-secretas da União Soviética – capaz de produzir terremotos – por 900 milhões de dólares americanos. Este sistema de armas eletromagnéticas tem estado na Rússia desde a década de 1960.

Gorbachev também concordou com o membro da Dieta Japonesa Toshio Yamaguchi em estabelecer uma universidade conjunta nipo-soviética em Moscou que seria encarregada de arregimentar as mais brihantes mentes de jovens cientistas nucleares de ambos países para desenvolver as novas segunda e terceira geração das super armas eletromagnéticas ao combinar os microchips japoneses com o “know how” russo da tecnologia da primeira geração das armas russas. Note a similaridade do cenário com aquele do livro, “O Japão Que Pode Dizer Não”.

Esta universidade logo foi formada, e sob o acobertamento de “Estudos Culturais” foi administrada pela seita Aum e alguém de nome Lobov. Lobov veio o ser o Chefe do Conselho de Segurança de Yeltsin – depois do golpe de 1991 que removeu Gorbachev. Os membros da Aum inicialmente chegaram a Moscou em 1991. Sob o apoio de Lobov, receberam muitas horas de tempo livre na Radio Moscou e acesso ao Exército russo, e a Aum logo teria muito mais membros russos [mais de 50.000] do que japoneses [por volta dos 30.000]

A seita Aum foi utilizada para realizar muitas compras encobertas de armas na Rússia como cobertura para o governo japonês. Yakovlev ainda gerenciava o relacionamento japones/Aum – mas por trás de Lobov, devido a sua associação estreita ao agora manchado Gorbachev. Ambos se encontraram repetidamente com Hayakawa durante os seguintes poucos anos.

O preço solicitado por esta tecnologia de armas eletromagnéticas era o de 900 milhões de dólares – mas não era destinado ao Tesouro Público soviético. O inquérito do senado americano sobre a Aum encontrou evidência que somas muito grandes de dinheiro de fato haviam sido transferidas para as contas bancárias de Lobov na Suiça, mas não soube porque! Muitas pessoas acabaram mortas na Rússia enquanto tentavam investigar este cenário.

Esta inteligência levanta a possibilidade que um sítio de teste seria necessário para demonstrar o alcance intercontinental e a eficácia do dito sistema de armas eletromagnéticas ao comprador. A arma precisaria ser disparada de um existente sítio [Tx] transmissor da KGB em algum lugar dentro da Rússia e/ou vaso naval controlado pela KGB. [lembre-se, Hayakawa visitou a Marinha russa em Cam Ranh Bay logo depois de sua visita de abril de 1993 a Austrália Ocidental.] Provavelmente dois ou três reais transmissores seriam necessários para realizar a bola de fogo e os eventos associados. Este sítio de teste não podia ser no Japão altamente populado por razões óbvias; nem podia ser dentro das fronteiras russas, onde os russos controlavam totalmente o sítio alvo, já que o ccomprador podia suspeitar de uma farsa para extrair o dinheiro dele.

A Austrália Ocidental se demonstrou uma distância para teste de alcance intercontinental similar a da Península siberiana de Kamchatka, como do Japão para as cidades litorâneas do leste dos EUA.

Kamchatka contém um enorme sítio Tx circular de 30 quilometros de diâmetro – que o infame vôo KAL 007 estava para ganhar inteligência antes de ser abatido pelas forças soviéticas em 31 de agosto de 1983.

Obviamente uma ou várias demonstrações de testes de fogo das muitas capacidades do sistema de armas eletrmagnéticas teriam que ser realizados para que os 900 milhões de dólares americanos fossem pagos. Que meio melhor do que comprar uma estação no interior remoto australiano para atuar como um alvo independente japonês e alcance de teste? Praticamente ninguém vive neste deserto para perceber os testes. Se alguém o fizesse, eles os descartariam como meteritos naturais. O teste maior e mais explosivo, e aquele envolvendo a iniciação de um maior terremoto, foi melhor realizado antes da oficial residência da Aum lá.

O físico nuclear americano e ex Ten. Cel do Exército dos EUA Tom Bearden tem pesquisado os sistemas de armas eletromagnéticas dos russos a mais de vinte anos. Ele tem documentado muitas narrativas de testemunhas oculares ao redor do mundo das “bolas de fogo de Tesla” e grandes “escudos de Tesla” esféricos ou hemisféricos laranja-avermelhado. Bearden acredita que o incidente de Banjawarn e eventos associados se encaixam perfeitamente na conhecida tecnologia russa de armas eletromagnéticas.

Uma bola de fogo de Tesla é criada por dois ou mais transmissores transmitindo raios Tesla para criar um projétil de energia eletromagnética envelopada muito alta que é movida através do espaço tridimensional pela manipulação dos parâmetros do raio. Quando acima ou no alvo sua contida energia eletromagnética é liberada em micro-segundos para criar explosões do tamanho de uma bomba nuclear ou grandes terremotos.

Um escudo de Tesla consiste em um campo de energia eletromagnética escalar altamente carregado – gerado plasmas capazes de explodir os circuitos elétricos em mísseis ou aeronaves, assim abatendo-os ou removendo a ameaça poetncial deles de um acurado envio de armas. Um escudo Tesla também é acreditado ser capaz de engenheirar mudanças dentro do núcleo atômico tais como vagarosa aplicação de energia eletromagnética de baixo nível que transmuta os isótopos nucleares dentro de uma ogiva de, a dizer, 235U para 238 U; isto é, esta tecnologia pode fracassar ogivas nucleares em seus silos ou em vôo. Alternativamente, uma rápida aplicação altos níveis de energia eletromagnética podem fazer com que ogivas sejam prematuramente detonadas.

O Propósito Real de Hayakawa ao Redor de Banjawarn

Então porque Hayakawa estava realizando uma pesquisa de reconhecimento geofísico nas estações de carneiros ao redor de Banjawarn em abril de 1993? O seguinte cenário é considerado plausível.

Hayakawa precisava conhecer os parâmetros telúricos ou magneto-telúricos contidos de eletromagnetismo [raios Tesla]. Estes dados permitiriam o alvejamento acurado da arma eletromagnética russa, e um estudo para detectar mudanças induzidas durante e depois do real teste de bola de fogo-explosão-abalo. Obviamente os poders japoneses queriam saber tudo o que pudessem sobre esta tecnologia.

Para propósitos de teste, Hayakawa também precisava conhecer a proporção de U208/U205 na mina local de urânio ao redor do distrito. Repetindo estas análises durante e depois dos testes permitiria uma avaliação da habilidade de incapacitar ogivas nucleares dos raios Tesla dentro do enorme hemisfério laranja-avermelhado que se formou ao norte de Banjawarn na noite de 28 de maio de 1993.

Então, o simples laboratório de campo da Aum em Banjawarn podia facilmente ralizar a análise para determinar as proporções de 238U/235U das amostras das minas locais de urânio. Qualquer mudança nestas proporções demostraria as afirmações dos russos sobre a transmutação do material radioativo da ogiva. Tal cenário parece mais plausível do que a impossibilidade da Aum tentar extrair 235U das minas em Banjawarn no laboratório de campo.

Uma segunda bola de fogo foi relatadamente vista em Banjawarn naquela noite, às 24.00 horas. Ela pareceu arquear para cima a nível do solo, alto sobre Banjawarn, antes de cair na Terra dentro de uma estrutura de hemisfério laranja-avermelhado. Foi este um pequeno teste de míssel, com navegação eletrônica e uma carga da mina de urânio, destinada a auxiliar a testar a habilidade deste escudo de Tesla em desabilitar o núcleo eletrônico e radioativo?

Cenário de Testes de Armas Eletromagnéticas Americanas

Uma terceira bola de fogo foi vista sobre Banjawarn ás 5.00 am por motoristas de caminhão em maio ou junho de 1993. Ela voava em uma trajetória “no colo da Terra” quase vertical e de baixo nível e trlha da primeira bola de fogo de 28 de maio de 1993. Era similar em todos os aspectos , exceto que não sabemos se fez um barulho como um motor a diesel rugindo durante o vôo. Uma outra bola de fogo rugindo, de baixo nível foi observada por um armadilheiro de “dingo” [um tipo de cão selvagem australiano] voando na mesma trilha de Laverton a Banjawarn aproximadamente em 1988-89. Outras estruturas “escudo de Tesla” consistentes de hemisférios laranja-avermelhados e esferas foram vistas ao norte de Banjawarn muito antes da década de 1980 e no final de 1988-89 e durante 1992.

Estes dados sugerem que um sistema eletromagnético natural da Terra muito estranho está operacional nesta região, ou possivelmente que atividade alienígena tem estado acontecendo nesta área por algum tempo. Ou talvez um outro grupo que não a seita japonesa Aum tem estado utilizando esta área como sua área de teste por alguns anos.

Certamente eu e várias testemunhas vivenciaram efeitos estranhos exatamente a oeste desta área em 1998 enquanto engajados em um projeto de exploração de ouro. Três sistemas de rádio HF, um computador e três veículos com tração nas quatro rodas todos sofreramqueima de circuitos elétricos às 11:00 am uma manhã. Todos estes sistemas estavam isolados um do outroe espalhando afastados por distâncias variando de 10 a 50 quilometros. Todo tempo brincamos sobre explosões EMP nucleares e UFOs (nenhum foi visto!).

Este incidente de queima eletrônica agora parece um ataque de um sistema de onda de plasma OTHR EMP plasma – tal como o atualmente sendo empregado em Laverton, WA, Alice Springs, NT, e Longreach, Qld. Vendido ao público como simplesmente “Radar sobre o Horizonte” (OTHR) utilizandos ondas hertzianas HF, estes sistemas realmente tem outros efeitos ocultos. Ao utilizar raios pulsados de radar de alta energia, eles podem criar e projetar um plasma carregado via camadas guia de ondas na ionosfera. Isto pode ser desencadeado para criar e projetar severas correntes induzidas diéletrica da Terra, causando dano eletrônico, eletrocutaão humana e outros danos colaterais sobre alvos localizados a milhares de milhas de distância – um moder interruptor liga desliga equivalente a uma explosão nuclear EMP.

Durante anos recentes o distrito de Laverton tem uma história de estranhos eventos elétricos envolvendo geradores de estações elétricas, explosão por supervoltagem de linhas elétricas, interferência em ligações telefônicas de microondas, e radio receptores captando poderosa interferência faiscando fluxo de corrente em tempos específicos.

É bem possível que Hayakawa e a Aum estivessem realmente espionando os testes de armas eletromagnéticas de alguém mais nesta área. Se assim for, o melhor candidato como fonte é a “ex base americana” na Península Exmouth, o sítio transmissor de microondas VLF/HF, localizado no noroeste da Austrália. Isto é onde tantos vôos de bola de fogo são relatados e parecem ter se originado. Contudo, outras bolas de fogo tem sido vistas voarem em direção a esta instalação (devido a polaridade de onda TX-reversa de Tesla?)). As bolas de fogo de Banjawarn também parecem ter estado no curso para Exmouth.

Este sítio Exmouth também contém uma grande “fazenda de cogumelos” [um clone de HAARP] sistema aéreo acreditado ser um protótipo experimental da arma de plasma OTHR. Presumidamente este sistema tem estado realizando testes de propagação por vários anos através do interior remoto para sítios alvos localizados em solo australiano.

Hayakawa ainda teria sido necessário para examinar o raio-onda de Tesla envelopado no solo no sítio Tx de Exmouth, e ordinária onda eletromagnética hertziana, fortalecimento de sinal para deduzir qual era a melhor estação de carneiros para comprar para fins de espionagem dos testes controlados americanos. A Aum provavelmente ainda teria desejado testar as idéias de anulação nuclear pela amostragem das minas locais de urânio em uma tentativa de estudar os efeitos dos desenvolvimentos locais do escudo de Tesla.

Em uma nota relatada, há evidência que em abril de 1993 a corporação japonesa Mitsui enviou uma equipe de campo a Austrália para estudar “a geologia “verdade do solo” obtida por seu Satélite de Recursos da Terra de alta definição. [as imagens produzidas por este sistema parecem ser de definição resolução de alta inteligência militar, muito mais que a resolução padrão de exploração de recursos da Terra].

Esta equipe japonesa recrutou os serviços de um prospector australiano para ajuda-los a sobreviverem no interior remoto – e obter fotografia aéra estéreo do sítio Tx de Exmouth.

Esta solicitação foi posta em dúvida por Canberra, mas eles permitiram a venda destas fotos quando ele notificou Canberra que elas eram para exploração de petróleo. O prospector notou o interesse da equipe japonesa não apenas na geologia do interior remoto mas nos sítios OTHR Tx de Exmouth, Laverton, Alice Springs (Pine Gap) e Longreach (planejados ou construídos).

Pareceria que certos poderes no Japão viram estes locais como perigosos e em necessidade de urgente reunião de inteligência encoberta. Eles foram mais provavelmente alertados para estes sistemas OTHR pela KGB russa.

Este cenário de inteligência e espionagem provavelmente também explica os muitos motociclistas japoneses solitários que, de 1990 até o presente, tem estado mapeando o inteiro sistema das trilhas de arbustos do interior remoto em WA/NT em uma escala 1:50.000 das imagens do satélite da Corporação Mitsui (buscando outras bases de defesa ocultas americano-australianas?).

Raciocínio similar pode explicar a estranha pesquisa japonesa de verdificação de deserto sendo realizada no leste dos campos de ouro. Pode este trabalho ser um acobertamento para a colocação de instrumentação em campo através da região para observar o sistema de armas eletromagnéticas OTHR de Laverton e qualquer emissão de campo no sítio Tx de Exmouth? Lembre-se da pesquisa de Hayakawa na Universidade de Osaka em “verdificação de Deserto “, i.e., armas eletromagnéticas?

A Surpresa dos EUA nos Cálculos do Ponto Zero

O inquérito do senado americano sob o Senador Sam Nunn enviou meu relatório inicial do incidente de bola de fogo em Banjawarn em 1995 as Instituições de Pesquisa Incorporadas para Sismologia (IRIS). IRIS está encarregada de desenvolver métodos sismológicos americanos e tecnologia para buscar violoções do tratado de banimento de testes nucleares da ONU usando cadeias de receptores sismográficos locaizados ao redor do mundo.

IRIS tem pubicado um relatório inicial de Gregory van der Vink et. al., sugerindo que embora este incidente de Banjawarn de muitas formas se asemelha a um cenário clandestino de teste, não causado por uma explosão [nuclear ou outra] ou um abalo normal, mas provavelmente foi devido a um impacto de meteorito de ferro-níquel de três metros.

Van der Vink tinha sido entrevistado pela rádio australiana ABC e continua a propagar a teoria do impacto do meteorito a despeito da falta de descoberta de uma cratera de impacto, da evidência peculiar de testemunhas oculares sobre a natureza do vôo da bola de fogo e seus eventos associados [por exemplo, a grande estrutura hemisférica laranja-avermelhada] e a evidência de múltiplos vôos de bola de fogo ao lngo da mesma trilha em Banjawarn -cada um ocorrendo em diferentes datas/tempo e demostrando um comportamento muiro estranho e consciente para um meteorito.

Continuando sua pesquisa, IRIS estabeleceu a melhor correção possível do epicentro do terremoto de 28 de maio de 1993. Este trabalho brilhante foi alcançado ao estudar os caminhos da energia sísmica das recenes explosões de minas no recentemente desenvolvida mina de ouro de Bronzewing (localizada a aproximadamente 50 quilometros a oeste de Banjawarn).

IRIS recomputou o epicentro do abalo de Banjawarn usando novos algorítmos deduzidos desta pesquisa de caminho de onda da explosão de mina, acoplada ao input do dados do registro sismográfico fornecido pela cadeia de receptores do AGSO (Australian Geological Survey Organisation).

Os dados do AGSO sempre tem mostrado que o epicentro do abalo de 3.6 a 3.9 na escala Richter foi ao sul de Banjawarn – mas selvagemente variando os resutados de três cálculos diferentes, devido a falta de conhecimento da propagação regional da onda sísmica. Mais cedo as explosões de minas de Leonora-Laverton demonstraram erros de +/-100 quilometros nos algorítmos e cálculos padrão do AGSO.

IRIS orgulhosamente me enviou um mapa detalhando uma pequena área retangular que, com 95% de confiança, continha o epicentro do abal de Banjawarn de 28 de maio de 1993. Isto coincidiu exatamente com o plano ressaltado do sítio [receptpr] Rx de Laverton-Jindalee.

IRIS estava presumidamente operando com base na “necessidade de saber” dentro dos círculos do governo americano e esta inconsciente da existência deste sítio OTHR Rx de Laverton.

De fato, forneci a IRIS os mais detalhados mapas topográficos desta área, e não inclui informação sobre o sítio Rx Laverton-Jindalee porque naquele tempo me pareceu irrelevante.

Este sistema OTHR consiste em um sítio Tx localizado a leste de Laverton em White Cliffs, e um sítio Rx a oeste de Laverton, perto da fronteira sul da estação de Banjawarn.

Aproximadamente 5% das testemunhas oculares do “Banjawarn Bang” sugeriram que a área deste sítio Rx, onde a bola de fogo explodiu em uma chama vermelha enorme, era o ponto zero.

A maioria das outras testemunhas oculares localizaram o ponto zero muito mais ao norte, então descontei estes poucos relatos isolados mas pesquisei esta localização em meados de 1995 tanto no ar quanto no solo, apenas para se fosse necessário.

A razão para esta discrepância entre 95% das testemunhas oculares da evidência do sítio de explosão e do cálculo do epicentro do abalo permanece inexplicado até este tempo. (Os 5% das testemunhas oculares que viram uma chama explosiva no sítio Rx estavam presentes naquela noite com muitas outras testemunhas que observaram a explosão bem ao norte daquela localização).

Ao tempo de 28 de maio de 1993 do “Banjawarn Bang”, a localização era arbusto virgem e apenas um planejado retângulo notado no local ds mapas do Departamento de Minas – para avisar prospectores que nenhuma mina seria permitida naquela área devido aos desenvolvimentos futuros OTHR.

Em 1995 enquando fazia uma busca aérea pela “cratera do meteorito” de Banjawarn, voei sobre esta área e mais tarde a visitei no solo. O buldozer limpando a área de arbustos estava em progresso sobre a área de uns poucos quilometros quadrados.

Infelizmente para IRIS, não havia uma estrutura de impacto de meteoro lá; nem qualquer uma foi encontrada em qualquer outro lugar dentro de 300 quilometros de Banjawarn. Os bulldozers também não estavam enchendo uma cratera!

Contudo, alguém pode ser deixado com a forte impressão que este local era um lugar muito ruim para instalar um sistema militar OTHR, possivelmente devido aos raros e altamente acurados “impactos de meteoritos”, rapidamente evoluindo em eventos eletromagnéticos naturais da Terra exóticos, teremotos estranhamente coincidentes [em uma região onde nenhum terremoto foi detectado desde que foram colocados detectores em 1900), ou outro fenômeno alienígena.

Ou talvez alguém mais saiba que este não é apenas um sistema de radar mas também um sistema projetor de arma de plasma, e este alguém enviou uma de suas próprias explosões de arma eletromagnética para atingir o alvo justamente ás 23.03 horas de 28 de maio de 1993 com um aviso: “Posso retirar seu proposto bem de armas quando eu quiser.”

Talvez este mesmo alguém seja responsável por mais de 1.000 maiores eventos de bola de fogo sabidos terem ocorrido na Austrália durante os últimos quatro anos [até junho de 1997]- 100 deles envolvendo enormes explosões aéreas a níveis de força de uma explosão nuclear, e 10 deles envolvendo enormes explosões aéreas coincidentes com terremotos de medio poder de 3.6 a 4.0 na escala Richter (equivalente a 1 a 2 quilotons de explosivo TNT).

Quem, ou o que, é este “alguém”?

Seja qual for a fonte ou a causa, agora é óbvio que estes eventos oferecem uma ameaça severa e em rápida evolução a vida e propriedade humana. É somente uma questão de tempo antes que um moderno avião comercial de passageiros com vôo controlado por eletrônicos seja derrubado por um campo de raio-onda acoplado aos eletrônicos a bordo.

As explosões aéreas ou no solo ou terremotos induzidos obviamente ameaçam muitas mortes no ponto zero se qualquer destes eventos ocorram em uma área construida.

Infelizmente, parece que teremos que esperar por um evento em bola de fogo que destrua Canberra antes que ocorra qualquer ação do governo. Provavelmente não teremos que esperar demais!

Relatos de bolas de fogo e eventos de energia luminosa eletromagnética estão aumentando, não apenas no remoto interior australiano. Estes eventos são testes de armas de Tesla e existe uma guerra secreta acontecendo?

Os leitores dos episódios anteriores desta série “Céus Brilhantes” podem se desculpar por acreditar que esta bola de fogo exótica, emissão luminosa, eventos elétricos, eletromagnéticos e acoplados explosivos e/ou sísmicos tem sido observados nos anos recentes apenas dentro do continente da Austrália.

Embora avistamentos “abaixo” tenham sido prolíficos e fortemente sugiram que estamos sendo utilizados como um maior solo de teste para alguém, também tem havido um número significativo de eventos similares em outros países durante esta mesma estrutura de tempo (a dizer, 1985-1997), como os seguintes exemplos aleatoriamente escolhidos [fornecidos a este autor pelos leitores de NEXUS e reproduzidos abaixo em seu formado original, embora resumido) amplamente demonstram.

O Incidente de Mansfield, Inglaterra, Reino Unido, 1987

Ashley Rye enviou um e-mail a Skywatch (um servidor de notícias UFO da Internet) com o seguinte relato a respeito de um evento que ocorreu nas primeiras horas de 12 de novembro de 1987 em Mansfield, Nottinghamshire, Inglaterra, Reino Unido:

Na noite de 12 de novembro de 1987, uma tempestade esquisita, ou um raio esquisito, danificou um número de propriedades na área de Kirkby, incluindo uma casa que foi quase destruída. Mike West, que lidou com muitas queixas de seguros, verificará que este não foi um fenômeno meteorológico comum. Ele disse aos residentes locais: “Isto não faz qualquer sentido. Cada queixa com a qual tenho lidado nos últimos 26 anos tem sido lógica e razoável… mas esta desafia a razão. Isto nem mesmo viaja em linha reta [como você espera de um raio, seguindo a linha de menor resistência]. Isto zigzagueou pelo céu, e as pessoas até mesmo viram isto mergulhar para baixo acima das montanhas… é como se toda a área estivese coberta de radiação eletromagnética”. Os efeitos foram sentidos em uma área ampla. Os residentes de Mansfield foram rudemente acordados às 1.30 am por um som “como uma explosão”.

Apropriadamente talvez, uns poucos estavam entretidos naquele tempo por um velho filme de guerra, “A Batalha de Bretanha”, na televisão, que por coincidência bizarra tinha exatamente alcançado o ponto onde os bombardeiros alemães estavam descarregando suas bombas no aeródromo britânico. Durante a explosão, as luzes relatadamente ligaram-se por eas próprias, enquanto outras já aceas explodiram. Algumas antenas de TV partiram-se em dois. 40 queixas de seguro foram feitas em uma rua para dano no equipamento de vídeo e televisão causado pelo raio.

Um consertador local de video e TV trabalhando tarde em casa naquele anoitecer relatou que as luzes repentinamente enfraqueceram e as lâmpadas começaram a explodir na casa; sobretudo o termo-contacto elétrico explodiu. No dia seguinte, ele foi inundado por telefonemas de indivíduos cujo equipamento havia sido danificado.

Alguns sugeriram que um raio bola foi a causa de tudo isto, mas somente uma velha senhora o viu voando diretament para a casa dela, fazendo voltas, dupla voltas e realizando outras manobras. Um outro homem observando a distância descreveu como o céu repentinamente se tornasse vermelho brilhante. A explosão foi ouvida e sentida em uma área de sete ou oito milhas quadradas, jogando algumas pessoas fora da cama – algo de mais energia do que a que é necessária para um raio bola, alguém é tentado a concluir.

Os residentes testemunharam um objeto zigzagueando muito vagarosamente sobre Mansfield, fazendo um barulho de zumbido como se estivesse com problemas. Dois mais objetos foram observados subsequentemente descendo perto de Blidworth, junto da floresta de Sherwood. Segundo as queixas de seguro, os objetos vieram de três direções diferenets e colidiram em pleno ar exatamente ao sul de Mansfield. Os UFOs estavam relatadamente se dirigindo para Kirkby quando um pareceu encontrar dificuldade, aparentemente perdendo energia e descendo em uma grande floresta perto de Blidworth. Parecia saltar no impacto, liberando uma tremenda onda de choque. Um relato sugeriu que um objeto era uma nave com problemas e as outras duas podem ter sido mísseis.

Numerosas pessoas relataram dano estrutural em sua propriedade. As linhas elétricas caíram. Curiosamente, relatos meteorológicos confirmaram que não havia nuvens, vento, chuva ou relâmpago ativo naquela noite, resultando em que um número de queixas de danos em propriedades não fossem aceitas, a despeito da investigação. Outras testemunhas falaram de uma noite imóvel e sem nuvens.

As testemunhas oculares descreveram um número de bolas de luz branca correndo para o UFO quado ele descia perto de Annesley Hall, que fica em propriedade privada, impedindo as tentativas de obter informação posterior. Às 2.15 am sete helicópteros militares, incluindo o que pareceu um transportador de tropas Chinook cercado por Gazelles e Lynxes, voaram em baixa velocidade, examinando a área com luzes de busca sobre Normanton, Sutton-in-Ashfield e Kirkby. A polícia subsequentemenet isolou o local do impacto e colocou bloqueios de estrada que permaneceram por vários dias.

As árvores no local ainda permanecem muito incineradas e muitas estão mrcadas pra remoção. O exército permaneceu no sítio de impacto por três ou quatro dias. O primeiro impacto do objeto, antes que ele saltasse, causou uma raivosa conflagração que queimou algumas árvores abaixo e fez com que outras do lado oposto de seus troncos fossem queimadas pelo fogo. O dano deixado na floresta foi calculado ter sido feito por um objeto de 60 pés atráves, confirmado visualmente por uma testemunha. As árvores estavam estranhamente inclinadas da base a uma altura de seis pés e posterior. De um modo como microondas, os cones de pinheiro foram queimados de dentro para fora.

No dia depois do incidente, pesados caminhões militares chegaram ao local. Guardas armados foram postados para evitar o acesso; funcionários do governo e aviões localizadores foram vistos. No primeiro sítio de impacto, a parte superior do solo foi descoberta ter sido removida a um nível de nove oplegadas. Isto foi substituido por argila e coberta por um novo solo superior; pinheiros e bétulas foram plantados.

Este relato é extremamente interessante por vários ângulos, especialmente envolve intensa atividade elétrica e fenõmeno de emissão luminosa noturno. Os avistamentos dos objetos reais precisam ser tratados com cautela como, em comum com a maioria das observações noturnas, é altamente provável que apenas a emissão luminosa tenha sido realmente observada, e então o bjeto ou massa foi assumido estar presente por trás da luz visível – e isto pode ou não ser a verdadeira situação.

Este evento de Mansfield pode ter sido um secreto teste militar que saiu horrivelmente errado de um avançado sistema de propulsão, ou um similar vôo noturno de três de tais naves operacionais, ou um verdadeiro cenário de um UFO alienígena; ou talvez tenha consistido de três projéteis separados de raio/onda de plasma eletromagnético de Tesla [os objetos vieram de três direções diferentes e colidiram] sendo transmitidos a um ponto alvo onde a interferência mútua liberou um pulso eletromagnético [similar em caráter a uma explosão nuclear].

“Um número de bolas de luz branca correndo para o objeto na medida em que ele descia” opde estar descrevendo um efeito de pulso eletromagnético similar a aqueles vistos em vários registros anteriores em filme de explosões nucleares onde uma multitude luzes brancas correm para cima do nível do solo e se curvam ao redor do plasma da bola de fogo central da bomba nuclear parecendo centenas de pequenos foguetes, mas realmente consistindo de muitos projéteis de energia eletroagnética induzida, derivada do próprio campo eletroagnético da Terra pela criação súbita de um maciço novo campo de densidade eletromagnética dentro da bola de fogo de plasma da explosão nuclear. Este é o mecanismo que realmente cria o pulso eletromagnético {EMP} da explosão nuclear e causa um dano disseminado regional aos sistemas elétricos não escudados.

Se a causa postulada está correta, então este incidente é um exemplo perfeito de um ataque defocado de arma eletromagnética – talvez um teste britânico ou, mais provavelmente, um teste russo destinado a avaliar se as autoridades do Reino Unido reconheceriam esta tecnologia e reagiriam [sendo muito provável que eles não soubessem o que realmente aconteceu].

A subsequente atividade militar de alto nível no sítio de Mansfield demonstra um interesse muito forte neste tipo de evento. Então alguém ao menos estava com a bola – em agudo contraste com nossas autoridades australianas que parecem estar adotando uma abordadem tipo avestruz.

Tal tipo de luzes/bola de fogo de onda em sino angular ou zigzagueante tem sido muito usualmente observado nos céus sobre a região de Kimberley no noroeste da Austrália nos anos recentes. Estes eventos parecem ser exemplos em mega escala de ação tipo de osciloscópio, com o projétil em movimento de energia eletromagnética sendo controlado por grades de onda eletrostática na atmosfera/ionosfera.

O Evento Eureka, Califórnia, EUA, 1994

O seguinet relato, muito típico em seu gênero, foi escrito por Christine Gates de Blue Lake, Califórnia, EUA, e recentemente enviado por e-mail a este autor:

Enquanto dirigia sozinha de San Jose, Califórnia, ao norte para minha casa em Eureka, Califórnia, em 24 de setembro de 1994 às 9.32 pm, vi uma bola de fogo azul com uma cauda durado correndo para mim.

Estas são minhas melhores suposições sobre distância e velocidade. Ela não estava muito longe de mim, talvez aproximadamente meia milha. Estava viajando entre eu e as montanhas perto da Auto Estrada 101. Ela estava aproximadamente a 100 a 200 pés do solo, viajando de sul a norte em aproximadamente 200 mph. Diminiu a velocidade do carro umpouco para observar esta coisa maravilhosa. Ela então continuou ao norte sobre uma outra montanha e então um enorme flash de luz azul-esbranquiçada luminou o céu noturno como se fosse dia!

O flash veio de onde estava a bola de fogo sobre o horizonte e radiou daquele ponto para o céu inteiro. Eu estava a uns 25 minutos ao sul de minha casa em Eureka. Oh, meu Deus! Pensei que isto fosse um míssel que tivesse atingido a área de Eureka. Meu marido e minha filha de dois anos estavam em casa esperando por mim! Eles estariam lá quando eu chegasse? Eu deveria voltar? Eu quase parei na auto estrada porque estava paralisada de terror! Havia um oficial da patrulha rodoviária da Califórnia e um outro carro na estrada comigo. Nenhum de nós realmente parou mas todos diminuimos a velocidade e então aceleramos para a cidade.

Quando cheguei em casa,Eureka ainda estava lá, exatamente como a deixei no dia anterior. Eu realmente estava confusa. Corri para casa e perguntei ao meu marido se havia visto o flash de luz. Ele me olhou divertidamente e disse: ‘Sim, vi enquanto estava sentado na sala de estar asistindo TV, o que foi isto?”

No dia seguinte, perguntei a todo mundo que conhecia e a cada estranho pelo qual passei se eles tinham visto o flash de luz e/ou a bola de fogo. A maioria deles estava dentro de casa naquele tempo. As pessoas terra a dentro disseram que elas ouviram um barulho muito alto retumbante antes do flash. Não penso que qualquer pessoa com quem eu falei tenha visto a bola de fogo. Até mesmo telefonei para pessoas acima e abaixo da costa oeste para ver quanto ao norte ou ao sul ela foi vista. Pessoalmente, falei com pessoas tão ao sul quanto San Jose, tão a leste quanto Redding, CA, e tão ao norte quanto Portland, Oregon, que viram o flash.

No dia seguinte, 25 de setembro de 1994, houve duas histórias nac TV local, duas histórias nos jornais locais, e uma grande história no jornal San Francisco Chronicle sobre esta ocorrência bizarra. Todos eles estavam perguntando: ‘o que foi isto?” A media fez promessas de deixarem as pessoas saberem.

No dia seguinte, 26 de setembro, não houve mais cobertura. E nenhuma outra paplavra mais desde então! A estação local de TV me telefonou em 25 de setembro para dizer que eles estavam trabalhando nisto, mas a única declaração oficial que eles obtiveram foi que isto era “uma interferência magnética na ionosfera”. Fim da história. A estação de TV disse que checou com os aeroportos, a polícia, a estação nacional atmosférica aqui em Eureka – ninguém viu nada e nada havia no radar naquela noite. O repórter da Tv com quem eu tinha falado estava com muitas suspeitas. Ambos ficamos a imaginar o que pode ter acontecido.

Até mesmo se isto fosse um simples meteorito pasando pelo noso planeta, porque havia tanto silêncio sobre isto por 6 pm, 25 de setembro de 1994? Nunca ouve outro relato sobre isto pela media depois disto.

Este relato de Eureka, Califórnia, é idêntico a centenas de relatos australianos a respeito das bolas de fogo e estilo de vôo, sua performance e energia de explosão, bem como a reação inicial da media seguida de um silêncio total. A falta de acompanhamento das histórias pode ser puramente devido a ignorância seguida pelo desinteresse ou devido a um fechamento oficial.

É interessante notar que vários tipos idênticos de relatos de bolas de fogo foram feitos nas regiões de Kununurra e Tom Price do norte e noroeste da Austrália durante outubro de 1994, apenas a dias e semanas depois deste evento em bola de fogo na Califórnia – sugerindo que estes eventos em bola de fogo são mundiais em sua escala de operação.

Física Postulada das Armas Eletromagnéticas em Bola de Fogo

65% de todas as bolas de fogo australianas relatadas tem barulhos altos, pulsados como um trem de frete a diesel rugindo acompanhando seu vôo. Os remanescentes não tem barulho e nunhum barulho é relatado apresentar boom sônico. Então eu suspeito que nenhuma destas bolas de fogo tenha massa anexda [isto sendo necessário para criar o boom sônico ou onda de choque]. Postulo que elas provavelmente consistam de projéteis concentrados de raio/onda de energia eletromagnética envelopada de Tesla emitindo luz [fótons] como um sub produto da intereação com as moléculas de ar para fornecer uma forma espacial como holograma.

As ondas longitudinais transversas relatadas como sacudindo casas sob seus caminhos de vôo podem ser causadas pelos projéteis de energia eletrommagnética de onda escalar longitudinal de Tesla vibrando rapidamente e assim iniciando o acoplamento de onda harmônica dentro das ligações interatômicas de ou (1) as moléculas vizinhas de ar, ou (2) a rede de cristal do material de construção das casas, e/ou (3) a rede de cristal das rochas do solo.

Severo acoplamento harmônico de alta energia ocorreria no caso de liberação de onda de micro-segundo da arma de um concentrado pulso de energia eletromagnética, e isto provavelmente causaria uma partição explosiva da ligação a nível interatômico do materal alvo, isto é, rocha sob o solo, estruturas de construções acima do solo, ou em vidros de ar. Isto criaria uma enorme explosão e um terremoto regular, provavelmente muito indistinto de um abalo normal; ou, no au, um abalo aéreo resultaria.

Uma tal explosão provavelmente seria muito similar a explosão da fissão nuclear de baixo nível e envolveria essencialmente processos similares interatômicos mas de iniciação eletromagnéticaa que afetam o núcleo atômico e seus laços com os vizinhos nucleos atômicos. Isto provavelmente criaria alguma radioatividade menor como um sub-produto do processo, devido a produçao de um número de isótopos exóticos.

Este mecanismo é provavelmente a razão para a utilizaão russa do apelido “Ellipton bomb” quando se refere a estes tipos de armas eletromagnéticas. (“O canditado presidencial de ala direita do KGB Vladimir Zhirinovsky foi citado usando este termo enquanto aparentemente ameaçava os muçulmanos bósnios de aniquilação.) Um campo eletrostático alternante rapidamente liga-desliga acoplado causaria um stress de uma oscilação elipsóide de Mohr em qualquer material pelos eefeitos das ligações atômicas. Se poderoso o suficiente, este input de energia por último levaria a uma ruptura muito rápida do material das ligações inter atômicas – isto é, uma maior explosão de níveis de força nuclear e/ou criação de um teremoto de aparência normal.

Eventos Recentes Austalianos de Bolas de Fogo.

Enquanto esta série de artigos de “Céus Brilhantes” [partes 1 a 3] tinham estado em progresso durante 1997, continuamos a vivenciar muitos eventos significativos de bolas de fogo aqui na Austrália, os seguintes eventos maiores sendo particularmente dignos de serem mencionados:

1) Central Nova Gales do Sul, 1 de maio de 1997, tarde ao anoitecer
Luzes onduladas maciças azuis-esbranquiçadas em flash no céu noturno da área central e leste de Nova Gales do Sul no anoitecer de 1o. de maio de 1997. Elas foram relatadas em chamadas telefônicas ao autor e a Hotline UFO Nacional baseada em Melbourne.

No dia seguinte, o Canal 10 da TV apresentou uma história escolhida do Sydney Reuters a respeito dos muitos relatos a polícia e a observatórios astronômicos de uma enorme bola de fogo que voava a baixo nível através de Nova Gales do Sul com um barulho alto rugindo. Este objeto pareceu arquear-se para o solo no horizonte onde detonou com uma explosão alta e associadas apresentações de uzes como ‘fogos de artifício”. Um relacionado tremor de solo foi relatado de Cobar e Broken Hill. Os observadores consideram que pode ter sido um impacto de bólido na Terra em algum lugar no oeste-cente de Nova Gales do Sul, a nordeste de Broken Hill.

Os astrônomos e a media acreditavam que o evento tinha sido um outro impacto de meteorito em bola de fogo na Austrália. Contudo, deste esta discussão inicial na media, nenhum relato de descoberta de qualquer cratera de impacto tem sido apresentado. De fato, todas as notícias sobre esta bola de fogo ficaram mudos dentro de um dia depois do evento.

2) Central Victoria, 24 de junho de 1997, 6.15 pm EST

Esta dramática bola de fogo foi relatada por centenas de observadores em Victoria e na Tasmania quando ela voou sobre o Mar da Tasmania, então via a Península Mornington ao norte de Melbourne, sobre a cidade de Ballarat e na direção da cidade de Ararat em Victoria.

Os observadores relataram que em seu caminho de vôo paralelo a Terra de baixa altitude, a bola de fogo causou explosivos blecautes de alta voltagem de lâmpadas de casas (240 volts AC), enfraqueceram os faróis de carros ao reduzir a voltagem DC do veículo, e também descarregou as baterias dos carros quando passava por eles a alta velovidade.

(Depois, os faróis e baterias de carros voltaram a força normal. Note que estes efeitos sobre sistemas de baterias de 12 volts DC são indicadores muito significativos de ondas eletrostáticas escalares de estilo Tesla fazendo dobradura de tempo-espaço.)

Durante seu vôo, a bola de fogo também criou ondas de choque ou explosão, sentidas pelos observadores como ondas de pressão aérea. Ondas vibracionais penetrantes abalaram casas muito violentamente enquando a bola passava. As ondas se propagavam em ângulos retos para sua direção de viagem e pareciam ser severas devido a baixa altitude da bola de fogo.

A bola de fogo foi relatada variadamente como enorme, brilhante, iluminação laranja-vermelho- verde-azulada [a cor exta neste caso parece depender da distância do observador]. A bola de fogo foi geralmente relatada como do tamanho de uma lua cheia. Ela aparentemente foi precedida por três iluminações. Fez um barulho muito alto, pulsado e rugindo no vôo.

Não estou certo neste tempo se estas luzes azuis eram enormes flashes de luz azul na atmosfera superior – como suspeito, e como tendo anteriormente relatado por observadores em muitos outros eventos australianos de bola de fogo e em muitos casos isolados de flash brilhante ionosférico ou da atmosfera superiorm sem bolas de fogo – ou se elas eram luzes azuis se movendo na frente da principal bola de fogo.

Brevemente a noite se transformou em dia por um luz muito brilhante que sse irradiava da bola de fogo. Havia uma trilha de tipo de nuvem ou vapor longa. Não foram relatados explosões que ultrapassem a barreira do som, mas isto era muito, uito rápido – assim sugerindo que não havia massa presente, ou os booms sônicos indubitavelmente teriam sido produzidos quando isto voava a baixa altitude.

A bola de fogo de Victoria estava em um curso que aponta diretamente para o sítio Tx na Península de Exmouth no nordeste da Austrália, possivelmente se originando em um grande círculo da Nova Zelândia ou além , isto é, o sítio Tx Tucano na Argentina.

Esta recente bola de fogo de Victoria pareceria ser o primeiro candidato para um teste de arma de projétil de energia em bola de plasma de onda-raio eletromagnética – mas talvez tenha sido apenas outro meteorito exótico! O problema é, mais tarde parecemos estar obtendo demais destes monstros que atravessam nossos céus, e por alguma razão elas adoram voar em 1o. de maio [veja a parte 1, NEXUS 4/03, referente ao evento de Perth de 1o. de maio de 1995]. Agora, quem celebra esta data todo ano?

Explosões em Bola de Fogo e Outras Considerações

Aparentemente esta recente bola de fogo de Victoria explodiu espetacularmente sobre o oeste de Victoria como uma enorme apresentação de fogos de artifício. Digo “aparentemente” já que é muito comum para os observadores verem explosão de energia luminosa como vívidos fogos de artifício depois que a bola de fogo desce ao seu horizonte. Suspeito que isto seja apenas um efeito acoplado eletromagnético ionosférico, a vista da evidência de múltiplas testemunhas al longo de vários caminhos de vôo diferentes da bola de fogo.

Geralmente, cada observador (espalhados ao longo, vamos dizer, 2.000 quilometros de caminho de vôo) vê uma bola de fogo voar acima de cima cabeça, descer em direção ao horizonte, desaparecer em uma enome e maciça apresentação como fogos de artificio; então o observador seguinte [posicionado, vamos dizer, a 200 quilometros adiante no caminho de vôo] vê exatamente o mesmo efeito, e assim por diante na linha de observadores. Pode ser que esta bola de fogo [projétil de energia eletromagnética] esteja reagindo com a atmosfra e/ou ionosfera [como na tese de Tesla] para dar uma apresentação brilhante mas pulsada de energia luminosa a cada aproximadamente 200 quilometros. Ou talvez o holograma da bola de fogo eletromagnética esteja pulsando “liga-desliga” em baixa frequência, e na posição de “desliga” há um colapso de campo, dando elevação a aparente explosão. Ou, mais provavelmente, na posição de “liga” o pulso do campo eletromagnético escalar há uma transmissão Tesla de campo acoplando o sítio Tx a atmosfra/ionosfera, via local campo dielétrico no solo, dando aprentes apresentações explosivas em fogos de artifício.

O tempo dos últimos dos maiores eventos de bola de fogo/explosão foi por volta de 10.00 pm para o evento central de Nova Gales do Sul em 12o. de maio de 1997, e exatamente depois de 6.00 pm para o evento de 24 de junho de 1997 perto de Ararat, a oeste de Victoria. Isto não sugere que qualquer tentativa de esconder que estes possiveis testes de armas estejam acontecendo; muito mais, o opsto parece ser o caso, isto é, as pessoas devem supostamente ver estar coisas. Acho isto interessante. Talvez elas sejam mensagens de ameaça aoa nossos militares – de, vamos dizer, os nipo-russos ou talvez dos greys alienígenas – ou uma nova classe de evento elétrico naturak, ou meteoros exóticos?

De fato há a real possibilidadeque estejamos lidando com uma série de meteoritos altamente carregados que tem características de vôo muito estranhas – preferindo voar sobre a Austrália, em números sempre crescente em anos recentes.

Com todas estas bolas de fogo correndo selvagemente sobre nossas cabeças em nossos céus – e algumas bem perto de Canberra – você não pensaria que alguém de autoridade ficaria agitado o bastante para fazer alguma coisa?! Ao menos alguns comentários oficiais estariam em ordem, mas tudo o que recebemos é o silêncio.

Sim, tem havido eventos históricos de bolas de fogo meteóricas registrados no planeta Terra por muitos séculos, mas nenhum com esta alta periodicidade, aparencia única e estilo de vôo, nem com os efeitos sísmicos e explosivos geralmente associados.

Estas recentes bolas de fogo e eventos elétricos associados são altamente anômalos e parecem oferecer considerável perigo para a população não apenas da Austrália mas do inteiro planeta. Certamente, apenas um dos terremotos/explosões associados pode completamente achatar uma cidade do tamanho de Broken Hill, Kalgoorlie, Mt Isa, Alice Springs ou Canberra – com enormes perdas de vida. Isto se aproximaria a uma explosão nuclear em intensidade e “estragar o dina inteiro dos habitantes”.

A determinação se estou ou não correto sobre a fonte ou origem destas bolas de fogo – isto é, teses de armas elwetromagnéticas, UFOs alienígenas, meteoros eletrostáticos naturais ou outros fenômenos naturais envolvendo eletricidade – é muito irrelevante para este problema e não pode turvar a discussão.

O nosso governo deve iniciar estudos científicos abertos, públicos, honestos e de amplo alcance sobre a natureza destes eventos – ou eles parecerão serem inapropriados para nos representarem, ou estarem cometendo traição contra a população geral.

Não posso acreditar que qualquer governo seja tão irresponsável que permita a testagem de armas de projéteis de energia eletromagnética potencialmente altamente perigosas ao redor e acima de nós quando elas envolvem tais enormes energias e tantos desconhecidos a respeito da possibilidade de controle e possíveis efeitos colaterais das ondas Tx sobre a saúde da população em geral.

Contudo, um similar comportamento irresponsável foi frequentemente exibido pelos governos australianos, britãnicos e americanos durante a era da testagem nuclear da década de 1950. Por todas as narrativas do governo soviético até mesmo mais descuidado da saúde de seus cidadãos durante este tempo. Portanto suponho que é bem possível que estes novos “brinquedos” de armas seriam similarmente desencadeados dentro do domínio público.

Armas Bola de Fogo no sítio Tx de Exmouth e UFOs Orbitais

Com certeza há um outro cenário possível que pode estar contribuindo para o silêncio do governo.

Richard Hoagland, ex empregado da NASA,arqueologista espacial e personalidade da media, divulgou algumas filmagens espetaculares da NASA que foi tirado da missão do transportador espacial americano em setembro de 1991. Este video foi transmitido por rádio do transportador para a estação de solo da NASA nos EUA e foi casualmente interceptado na rota por um operador de rádio ham nos EUA.

Subsequente a esta interceptação e sua distribuição pública pelo radio ham, a NASA inicialmente encriptou e então cessou posteriores transmissões de vídeo do transportador.

Hoagland disse que o transportador estava em órbita sobre a Indonésia, se dirigindo ao sul na direção da Austrália Ocidental. Pesquisa subsequenet por grupos ufológicos australianos e neo-zelandeses demonstra que o transportador de fato estava sobre o Lago Carnegie na central Austrália Ocidental, se dirigindo sul-sudeste. [veja relato em NEXUS 3/03.]

O video mostra um pequeno Ufo de luz branca que aparece sobre o horizonte da Terra a leste da Austrália e voa ao norte em uma velocidade de aproximadamente 54.000 mph (este e dados subsequentes estão de acordo com os cálculos de Hoagland). Repentinamente a atmosfera superior ou ionosfera abaixo, o transportador deu flashes de intensa luz branca. O UFO parece sentir este flash e imediatamente executa uma volta de 180 graus e 14.000 g de força, acelerando fora da órbita e para longe do planeta em aproximadamente 200.000 mph.

Todas estas manobras ocorrem em aproximadamente um segundo, e são imediatamente seguidas em um micro segundo por dos pulsos de energia de luz brilhante e de alta velocidade correndo diretamente [mas mais apagadas] raios de luzda superfície do planeta abaixo do transportador, projetdo para cima de um ponto onde o UFO teria estado se não tivesse reagido tão violentamente ao inicial flash de luz inicial da atmosfera superior.

As equipes ufológicas de pesquisa australiana e neo-zelandesa airmam que o raio pulso número um veio de Exmouth a noroeste de WA, e o raio pulso número dois veio aproximadamente de Alice Springs, NT, perto da Instalação Conjunta de Pesquisa de Defesa Espacial em Pine Gap.

Hoagland acredita que o video demostra um teste americano do sistema de armas em raio de partícula Brilliant Pebbles, mirado em uma espaçonave/drone anti-gravidade americana super secreta. O mesm o video mostra umas poucas outras luzes orbitais que presumidamente também são UFOs.

Recentemente fui contactado por um residente de Onslow, WA, que tinha lido as primeiras duas partes de “Céus Brilhantes”. Ele relatou que seu filho tinha ficado totalmente asustado em 1991 quando caçava cangurus uma noite ao sul de Onslow em Crow Plains, alguns 80 km a sudeste do sítio Tx de Exmouth. O filho e um outro atirador tinham observado enormes bolas de fogo azul-verde-esbranquiçadas a nível de solo e disparar para o espaço ao longo de um raio de luz em um ângulo pronunciado em em velocidade sempre acelerando.

As bolas de fogo foram vistas a nivel do solo a noroeste, e uma reconstroção as coloca exatamente em linha com o sítio Tx de Exmouth. Elas quase que certamente se originaram do sítio VLF Tx na Estação de Comunicação Naval Harold E. Holt na base de Exmouth. As bolas de fogo foram vistas em várias noites e tinham previamente sido relatados pelo proproetário da estação de carneiros nesta área.

Os relatos dastestemunhas oculares do solo se acoplam bem ao vídeo de Hoagland e as achados das equipes ufológicas de pesquisa antípode. Os dados coletivamente demonstram que a base de Exmouth de fato é um sítio de emprego de um maior sistema de armas eletromagnéticas que pode ao menos criar e disparar pulsos de energia plasma eletromagnética no espaço. Os dados também explicam os estranhos flashes de luz da atmnosfera superior vistos em eventos de granes áreas sobre WA e outras partes da Austrália.

It was this type of event occurring below the space shuttle that appeared to cause the UFO to turn and run. I postulate that this event was a Tesla Energy Magnifying Transmitter “warming up” and energising the ionosphere-to-Earth ground-space cavity as a prelude to EM weapon pulse firing. The EM fireball plasma energy pulse was presumably shot skywards along an improved Grindell H. Mathews ultraviolet laser beam that “cleared” the way, creating a conducting path through the atmosphere for propagation of the Tesla EM energy slug. Unfortunately for the Exmouth weapons team, the UFO was a slight technological jump ahead of their pulse weapon.

Permaneço não convencido que as explicações de Hoagland da ação neste video da NASA sendo um teste de armas contra uma espaçonave/drone UFO americana. O UFO demonstra habilidades muito avançadas e embora eu possa aceitar que os EUA sejam avançados tecnologicamente, realmente tenho que supor se este UFO seja realmente de origem americana ou se é mais provável ter origem alienígena, projeto e fabricação fora do planeta.

A origem deste UFO em particular é de grande importância já que o vídeo de Hoagland/NASA pode indicar que exista um estado de guerra entre os EUA [ e por default, a Austrália] e um poder alienígena fora do planeta. Um tal estado de coisas alienígenas pode bem explicae [mas não desculpar] o silêncio da media e do governo nos recentes eventos de emissões luminosas exóticas e bolas de fogo.

Contudo, outros dados e inteligência apointam mais na direção de uma troca de fogo com nave de tecnologia avançada operada por outros poderes terrestres em uma secreta guerra oligárquica que tem estado evoluindo ao nosso redor por vários anos.

Uma coisa é totalmente certa: o video de Hoagland não mostra uma série de partículas de gelo voando após o transportador como a NASA nos teria feito acreditar. As conclusões de minha própria pesquisa sobre as bolas de fogo, explosões e eventos sísmicos são tentativas genuinas, honestas de tentar entender suas causas. Se mais recursos fossem colocados a trabalho, minhas concluões evetualmente se mostrariam incorretas. Mas elas ficam pálidas na insignificância ao longo das eloquentes lendas da NASA.

Não há meio de terminar as séries de Harry Mason; de fato, elas tem evoluído nos escritos na medida em que mais e mais dados e relatos dos leitores de NEXUS tem seguido este caminho. Fique ligado na análise dele de eventos recentes onde armas eletromagnéticas podem ter sido usadas em ataques terroristas contra a população geral.

[Todas os gráficos sobre os eventos australianos podem ser encontrados em http://www.cheniere.org/misc/brightskies1.htm%5D

Armas Indutoras de Terremoto Foram Usadas em Kobe?

Em 17 de janeiro de 1995, a cidade japonesa de Kobe foi atingida por um maciço terremoto que devastou grande parte da cidade, matando mais de 5.500 pessoas e ferindo muitos milhares mais. Shoko Asahara, o líder da seita japonesa Aum Suprema Verdade (Aum Shinrikyo), tem surpreendentemente previsto, em uma transmissão da rádio de Tóquio de 8 de janeiro de 1995, qwue um maior abalo logo ocorreia em Kobe. Asahara foi até mesmo mais adiante e declarou que este abalo se iniciaria por um “poder estrangeiro” utilizando um sistema de armas eletromagnéticas.

O Ministro da Ciência da Aum, Hideo Murai, mais tarde declarou ao Clube dos Correspondentes Estrangeiros de Imprensa, em 7 de abril de 1995 que, “Há a possibilidade que o grande terremoto de Hanshin [Kobe] foi ativado por energia eletromagnética ou algum aparelho que aplica energia ao solo.”

Embora Asahara indubitavelmente teria preferido que seus grandes poderes de previsão fossem pensados serem devidos a uma habilidade altamente desenvolvida e superior para examinar a trilha do futuro [ assim atraindo mais wseguidores ávidos depois deste evento de abalo, é muito mais provável que ele foi alimentado pelo aviso de inteligência referente a Kobe por seu Ministro de Ciência Murai, e/ou agenets operacionais da inteligência japonesa que eles próprios foram antecipadamente avisados por oficiais da KGB russa.

Em seus dias anteriores a Aum, Hideo Murai tinha trabalhado em aplicações físicas altamente avançadas de microondas e raios gama/cósmicos para derretimento a frio de aço nos laboratórios de Kobe Steel. Este complexo de laboratório era localizado quase exatamente no epicentro do grande terremoto de Kobe. Jornalistas investigativos japoneses acreditam que este laboratório de Kobe foi uma das várias instalações de pesquisa [localizadas nas universidades de Osaka, Tsukuba e Tóquio) engajadas em pesquis top secreta e desenvolvimento de armas eletromagnéticas – sob a cobertura dos estudos de “verdificação de deserto” de pesquisa industrial e/ou ambiental de Kobe Steel.

O vice líder da Aum, Kiyohide Hayakawa, em seus dias anteriores a Aum estudou na Universidade de Osaka na seção de Engenharia de Panorama do departamento de Engenharia Ambiental. A tese dele é altamente confindencial e não está disponível para o público, mas alegadamente contém somente projetos de engenharia de panorama.

Por vários dias antes do grande terremoto de Kobe houve relatos de luzes brilhantes laranja -avermelhadas e rosas e formas esféricas planando acima e ao longo da linha de falha de Kobe. Tais luzes de stress da Terra tem sido observadas sobre maiores abalos em muitas partes do globo desde o século XIX, mas o número e a intensidade destas que se desenvolveram em janeiro de 1995 nos dias anteriores ao abalo de Kobe parecem ser altamente anômalas.

A existência de armas geofísicas capazes de criar ou desencadear terremotos em regiões crostais altamente stressadas tem sido discutida provadamente por geofísicos a uma década o mais. Os rumores tem abundados sobre enormes terremotos das décadas de 1970 e 1980 nas repúblicas centro asiáticas da antiga URSS. Alguns escritores tem sugerido que foram causados por sistemas de armas eletromagnéticas israelenses, franceses ou americanos em retaliação aos ataques das armas eletromagnéticas soviéticas ao ocidente. O cientista americano Tom Bearden argumenta que os siviéticos colocaram em serviço uma arma eletromagnética de Tesla de alcance intercontinental já em 1963, durante a era de Khrushchev.

A evidência de que Kobe não foi um terremoto natural é escassa e primariamenet baseada na previsão de Asahara sobre a causa real, e bem possivelmente eu esteja totalmente incorreto ao sugerir que isto até mesmo pode ter sido causado por uma arma consciente e controlada de energia eletromagnética. Pare haver alguma evidência de apoio a natureza indireta envolvendo as considerações políticas e outros eventos mais recentes. Contudo, levando em consideração os inteiros cenários de Kobe e da seita Aum em Tóquio juntos com o anterior e possivelmente relacionado evento de bola de fogo-explosão-teremoto de 28 de maio de 1993 em Banjawarn, Austrália Ocidental, podemos ficar com a forte im pressão de um sério incêndio subjacente a visível “pluma de fumaça escura” que se elevou sobre Kobe.

Mas qual poderia ser o motivo possível para um tal maior ataque de arma que queima cidade? Porque escolher um exótico sistema de arma eletromagnética?

É bem possível que o ataque eletromagnético foi dirigido para o secreto laboratório de pesquisa de armas eletromagnéticas de Kobe Steel e que o motivo tenha sido em parte destruir esta instalação e causar tal ressoante explosão na populaçãso civil, em escala similar aos bombardeios nucleares de Hiroshima e Nagasaki, que os poderes oligárquicos japoneses por trás das cenas pensariam bastante e muito antes de tentar continuar seu projeto de armas eletromagnéticas.

Se os EUA (ou encoberto grupo internacional de poder baseado nisto) fosse a parte belirejanet que atacou Kobe, então o motivo mais provável teria incluido um grande aviso aos poderes japoneses para fazer o que lhes era dito a respeito da Nova Ordem Mundial [econômica] ou enfrentar as consequências.

Pareceria dos eventos subsequentes que a oligarquia japonesa não sehumilhou sob este ataque mas de fato, depois de alguma provocação posterior, foi a ofensiva com seu próprio sistema de armas eletromagnéticas [ou o de um amigo?].

Facções em Guerra?

Durante 1995 e 1996 os seguintes maiores eventos literalmente explodiram no estágio mundial:

1. 17 de janeiro de 1995: O grande terremoto de Kobe;
2. 29 de março de 1995: O ataque a gás ao metrô de Tóquio;
3. 17 de abril de 1995: a bomba terrorista de Oklahoma City;
4. 1 de maio de 1995: a explosão da bola de fogo de Perth;
5. 17 de julho de 1996: A destruição do vôo 800 da TWA fora da cidade de New York e Long Island.

Com a exceção do ataque a gás ao metrô de Tóquio, cada um dos eventos acima pode ser provado conter evidência do aparente envolvimento de sistemas exóticos altamente avançados de armas eletromagnéticas. O ataque a gás ao metrô de Tóquio pareceu envolver a seita japonesa Aum Suprema Verdade e possivelmente vários ourtos participantes previamente apontados no jogo das armas eletromagnéticas. Por alguma razão o 17o. dia de um número de meses de evento parece ser signifficativo; isto pode refletir a cronometragem de pagamento de retorno baseado no primeiro maior evento de 17 de janeiro de 1995.

Tomados como um todo, ests eventos parecem representar uma troca de fogo em escalada entre fações opostas [mas não identificadas]. A natureza desta guerra em andamento e as identidades dos oponentes e seus líderes parecem ter sido muito deliberadamente mantidas secretas da população planetária, enquanto redes elaboradas de mentiras tem sido erigidas na imprensa mundial e japonesa e nas cortes americanas para indicar bodes expiatórios como perpetradores destes eventos chocantes.

O desenvolvimento das armas eletromagnéticas aparentemente mágicas capazes de iniciarem terremotes ou explosões a nível de força nuclear sobre u dentro de alvos localizados a grande distância intercontinental pela transmissão de raios-ondas eletromagnéticas de Tesla de dois ou três sítios de transmissão – ou armas eletromagnéticas capazes d atacar sítios alvo de um satélite em órbira, espaçonave ou aeronave – ou armas de raio-pulso eletromagnéticas baseadas no solo capazes de abater alvos orbitais ou no ar, tem pela primeira vez em nossa história planetária permitido o uso de “negáveis” armas de força maciça em atos terroristas dirigidos contra a população geral.

Estes efeitos das armas eletromagnéticas são “negáveis” porque podem ser atribuidos a terremotos naturais, explosão no ar de meteoros ou impactos de bólidos no solo ou podem ser devidos a uma bomba terrorista, míssel terra-ar ou até mesm o cenários UFO alienígenas. A habilidade de causar aparenetmene eventos de força mágica implica em uma enorme vantagempara certos grupos idividuais de poder que parecem ter roubado estas armas [dos Estados que originalmente as desenvolveram] para usa-las unicamente para sua própria vantagem.

Tais armas nas mãos de grupos secretos de poder que são voluntários em utiliza-las sem misericórdia contra cidadãos inocentes do planeta Terra, representam uma horripilanet perspectiva futura nas lutas pelo poder deste planeta. A defesa contra tais armas e os patifes que as controlam deve agora ser nosso objetivo primário. O terror nuclear tem sido substituido por algo muito pior: uma arma utilizável de alta energia.

Por trás do Ataque a Gás do Metrô de Tóquio

O ataque a gás ao metrô de Tóquio em 20 de março de 1995 matou 11 pessoas e feriu milhares. A seita Aum Suprema Verdade logo foi implicada pela polícia de Tóquio e a imprenas mundial.

Foi relatado que a Aum iniciou o ataque a gás como um prelúdio de uma tomada ervolucionária de extrema direita do Japão. Os membros da Aum foram mostrados em um filme pela BBC sendo treinados e armados pelos russos. Alegadamente a A um contrabandeou milhares de rifles automáticos e outras armas para dentro do Japão da Rússia. Aparentemente a Aum pretendia usar helicópteros russos e tropas Spetnaz chegadas ao litoral como auxiliares para permiti que as forças Aum tomassem o controle dos ministérios do governo japonês durante uma série dwe maiores ataques de gás nervoso terroristas diversionários em população cheve e centros de governo pelo Japão. O ataque a gás no metrô de Tóquio foi aleggadamente um teste preliminar operacional antes da ação em plena escala.

Na Austrália, ABC TV logo apresentou uma história de noticiário em primeira mão mostrando um galpão cheio de grandes tambores químicos [encontrados em Banjawarn pelos novos proprietários depois da Aum) e trincheiras cheias de centenas de carneiros mortos. O relato também discutiu os relatórios da Polícia Federal a respeito de químicos derivados do gás sarin encontrados nos carneiros mortos e entrevistas com o gerante australiano da estação de carneiros. Tudo isto era suposto demonstrar que a estação de Banjawarn enquanto de propriedade da Aum realizou testes com gás nervoso sarin de fabricação doméstica nos carneiros, como o teste de campo precursor ao ataque a gás ao metrô de Tóquio. ´

Os problemas logo surgiram a respeito deste cenário oficial da imprensa australiana. Os presentes proprietários de Banjawarn relataram a este autor que a história da ABC TV era “um pacote de mentiras”, porque o galpão mostrado no notíciário das 7.00 pm não era nas estações de Banjawarn; de fato, eles nunca tinham visto isto e não sabiam de onde eram ests videos. Eles relataram que apenas haviam encontrado duas pequenas garrafas marcadas com “HCl” (ácido hodroclórico) no velho edifício da estação, que anteriormente havia sido utilizado pela seita Aum em setembro de 1993 como laboratório de campo.

A fimagem do noticiário da ABCmostrando centenas de carneiros mortos eram realmente videos armazenados do ano anterior quando carneiros foram mortos em fazendas perto de Esperance, WA, devido aos preços de mercado extremamente baixos. Somente umas poucas dezenas de carneiros mortos foram encontrados pela polícia em Banjawarn, e eles haviam sido habatidos por marteladas na cabeça pelo real gerente da Aum – indicado pela Diretoria Pastoral de WA porque o gernte novato da Aum tinha falhado em administrar os moinhos de vento da estação, assim causando uma falta de água para os rebanhos que resultou em muitos carneiros severamente desidratos tendo de ser abatidos.

No Japão, especialistas europeus em quimica e gás nervoso que examinaram o complexo químico da Aum riram da noção de que o gás sarin ou qualquer outro gás nervoso tenha sido feito lá, relatando que o equipamento e as instalaões teriam vazado como ums peneira matando os operadores e os vilarinhos locais. Eles encontraram montes de evidência residual na fábrica que demonstrou que grandes quantidades de drogas projetadas, tal como ecstasy, tinham sido fabricadas lá, exatamente no tempo do ataque a gás ao metrô de Tóquio.

Pequenas amostras de sarin e outros gases nervosos bem como gases letais e tipos químicos foram encontrados no complexo da Aum, junto com uns poucos rifles automáticos de origem russa e equipamento para posteriormente duplicar as armas. Contudo, os membros da Aum foram aparentemente avisados uma semana antes que a polícia estava vindo – assim permitindo que eles removesem qualquer outro estoque de armas, gases e drogas.

Parece que o vice líder Hayakawa usou a seita para uma variedade de compras de armas estrangeiras e pesquisa relacionada a armas – aparentemente para o poder oligárquico de extrema direita pr trás do governo japonês. é bem óbvio que ao menos partes da organização Aum não esta enturmada com os “bons garotos” e que eles estavam envolvidos em algumas atividades anti-sociais e bem loucas tais como a maciça fabricação de drogas.

Jornalistas investigativos japoneses acreditam que as drogas estavam sendo distribuidas mundialmente pela Yakuza, possivelmente por meio de uma operação hostil da CIA. Então, a um tempo de modo de serviço secreto honrado, uma operação de inteligência da oligarquia japonesa de extrema direita estava sendo custeada por drogas ilícitas.

Estes mesmos jornalistas japones (veja o website: http://www.pelago.com) tem sugerido que a seita Aum era uma cobertura para operações da inteligência japonesa envolvendo o encoberto rearmamento das Forças de Auto Defesa Japonesas com novos sistema russos de armas eletromagnéticas. Recentes divulgações ed imprensa da Agência Japonesa de Defesa tendem a apoiar esta opinião ao revelar grandes e novas compras de modernos aviões a jato e bombardeiros russos, bem como exercícios conjuntos de comunicação entre as forças de defesa dos dois países. Há muita evidência a respeito das atividades da Aum na Rússia, tal como treinamento com tropas russas e gerenciamento da Universidade conjunta em Moscou – uma cobertura para o redesenvolvimento nipo-russo de primeira geração e sistemas de armas eletromagnéticas russas combinadas ao poder dos computadores japoneses.

Já em meados de 1993, em seu pedido de visto para entrar na Austrália, Asahara se queixou de ataques a gás e laser a sua pessoa e contra instalações da Aum. Ele continuou a se queixar destes ataques na correspondência posterior com a Imigração Australiana em meados de 1994. Se forem tomados como face de valor, estes dados e muito mais na rede de imprensa referente a Aum sugerem que a Aum [e portanto seus sustentadores?] tinham sido vítimas de um nocaute por um serviço secreto muito influente. A Aum foi estabelecida como os perpetradores do ataque a gás ao metrô de Tóquio – o bode expiatório, se você quiser.

Pode ser altamente significativo que metade do gabinete japonês do Partido Democrata Liberal alegadamene voou acobertadamente a Coréia do Norte para negociações secretas durante uma semana. O Ministro da Ciência da Aum, Hideo Murai, foi assassinado pela faca de um norte coreano logo depois do ataque a gás ao metrô de Tóquio. Alguém estava com muito medo do que ele iria dizer. Aparentemente as últimas palavras de Murai na ambulância foram o equivalente a “os judeus me pegaram!” , embora outras interpretações destes murmírios finais também tenham sido apresentadas.

Hayakawa deixou seus anteriores estudos de ‘engenharia de panorama” e se uniu a seita Moon, onde foi equipado com os direitos de vários edifícios em Tóquio e vastas somas de dinheiro de forma a comprar seu camihno para o alto da sseita Aum. O Reverendo Moon era um amigo íntimo do Grande Líder Norte Coreano e, mais recentemente, do expresidente americano George Bush, envolvendo aventuras de negócios na América do Sul.

Várias fontes japonesa anteriormente confiáveis acreditam que a CIA planejou e executou o ataque a gás ao metrô de Tóquio para desestabilizar o governo do Partido Democrata Liberal e/ou força-lo a cooperar com as exigências da política americana. A naturza exata da evidência deles é desconhecida para mim, mas queixas similares tem sido feitas por Debra von Trapp, uma ex agente da NSA/CIA envolvida com a ocultação do microfone de Clinton na Casa Branca para a facção da CIA controlada por George Bush em benefício de certas companhias industriais japonesas durante as conversas de comércio EUA/Japão.

A estranha mentira da ABC TV a seus espectadores, ao implantar a imagem por toda a Austrália que ligava a seita Aum ao gás nervoso sarin e a testagem na estação de Banjawarn com o sonsequente ataque a gás ao metrô de Tóquio, suger uma ação de inteligência em apoio aos interesses dos EUA.

A Bomba de Oklahoma City

Em 17 de abril de 1995, uns poucos minutos depois das 9.00 am, Oklahoma City foi explodida pela bomba terrorista do Edifício Federal Alfred P. Murrah. 168 homens, mulhers e crianças foram ortos e centenas mais foram feridas neste horrível ataque. O edificio foi quase que totalmente destruído pela explosão, enquanto umm dano severo era infingido aos edifícios adjacentes, atingido aproximandamente uma milha do ponto zero.

Esteevento logo foi atribuido a ‘um grupo de milícia de ala direita” composto por veternanos da ex Guerra do Golfo utilizando uma bomba ANFO composta de duas a cinco tenaladas de nitrato de amônio e óleo diesel colocados num caminhão alugado estacionado em frente ao edifício alvo. Um Timothy McVeigh robótico recentemente foi condenado pela bomba de Oklahoma City e seu alegado cúmplice Terry Nichols espera seu julgamento (o que deve começar quando este artigo for para a imprensa).

No dia do evento, eu e muitos outros, assistimos a CNN TV alimentar a cena de Oklahoma. Intrigantemente, houve relatos iniciais de mísseis descendo verticalmente no edifício, mas estes relatos nuca emergiram. Um sobrevivente com a face coberta de sangue foi entrevistado aproximadamente uma hora do esforço de resgate. Ele descreveu sua vida como tendo sido salva em seu domicílio anterior na Califórnia. Quando e edifício Murrah começou a sacudir violentamente ele reconeceu um terremoto e asim mergulhou sob sua escrivaninha do quinto andar. Alguns cinco a dez segundos depois, uma enorme explosão demoliu o edifício ao redor dele, mas a escrivaniha salvou sua vida.

Então veio relatos que mais bombas haviam sido encontradas, e um caminhão utilitário com uma pequena caixa de bomba blindada nele foi encontrada, enquanto o radio do FBI enviou uma conversa alegando que grandes tambores de explosivo de fulminato de mercúriotinham sido encontrados anexados aos plares de apoio do edifício perto do poço do elevador.

Fiquei agitado, já que nunca ouvi falar de efeitos de um tipo de terremoto atingindo um edifício antes de uma bomba cair, e sabia que fulminato de mercúrio é um explosivo altamente instável para ter sobrevivido a uma maior explosão. Também, o tamanho do tambor do explosivo relado e então mais tarde fotografado teria sido grande demais para se encaixar na caixa blindada da bomba que relaadamente dirigu com estes prêmios perigosos.

Os especialistas em explosivos na Austrália, Reino Unido e EUA [ exemplo, o relatório de General Partin] começaram a questionar a natureza do dano em Oklahoma City. A essência da tese deles é que estes explosivos de beixa velocidade como ANFO não podem ter demolido tantos pilares de suporte no padrão estranho visto no edifício de Oklahoma City, já que a pressão da explosão cai segundo a lei invesa da distância do cubo – ainda que alguns pilares perto de bomba ainda estivessem de pé, enquanto outros distantes da bomba foram demolidos pela explosão. Seus relatórios geralmente invocam a necessidade de explosivos de velocidade muito alta e cargas individuaiis anexadas a certos pilares dentro do edifício – exigindo horas de trabalho para se enquandrarem. Amigos pessoais com experiência em explosivos de mineração e danos de bombas terroristas ANFO do IRA em Belfast tem confirmado estes pontos para mim e tem notado que a cratera que se desenvolveu em Oklahoma City não se encaixa com a explicação da bomba no caminhão ou a alegada posição do caminhão no estacionamento.

Outras possíveis armas candidatas logo apareceram: a bomba A neutrônica. Neste cenário, um louco cientista criminoso [ o infame Michael Riconoscuito, atualmente cumprindo pena em uma prisão americana] , desenvolveu para o governo uma super arma que envia a explosão de uma nuvem de químicos no ar, carregando a nuvem com um grande excesso de energia eletrostática por meio de um pegueno foguete carregando um ‘fio” e então detonando a resultante mistura de combustível-ae para criar uma pequena explosão de tipo nuclear.

Comecei a coecionar testemunhas oculares e evidência de publicações de fonte oficial e sítios da Internet relacionados ao evento de Oklahoma City. Então, mais tarde em 1996, visitei Oklahoma City e com a ajuda do autor local David Hoffman examinei o local da “bomba” e entrevistei testemunhas locais. A liberação imediata e rápida do luto e angústia presente, com mensagens e coroas de flores dos parentes e amigos das vítimas nas cercas protetoras do sítio do edifício alvo, fez com que eu resolvesse dar a este evento minha melhor análise para tentar deduzir a verdadeira natureza e oprtanto ajudar a indicar os reais culpados.

A evidência sísmica registrado nos sismometros locais demonstraram uma dupla-forca de evento de energia explosiva com dois dois quase idênticos de três a cinco segundos, baixa amplitude, multiplas trilhas de onda separadas por um campo nulo, ocorendo em um intervalo de nove segundos. Geofísicos da USGS argumentaram que estes dois pacotes de ondas eram devidos a uma onda de superfície de solo inicial chegando antes de uma onda secundária que tinha viajado mais profundamente refletindo as camadas da Terra, isto é, via o porão local. Outros geofísicos argumentaram que houve dois pacotes de onda, representando a explosão seguida por destroços do edifício impactando o solo.

Estas hipóteses foram explodidas apartadas pela ação de demolição explosiva do governo dos EUA dos restos do edifício Alfred P. Murrah Building, que fracassaram completamente em demonstrar uma resposta sísmica em dupla-forca que fosse de qualquer modo aos registros originais do evento. Os registros melhores e originais sísmicos tem sido confiscados pelo FBI, juntamente com muitos outros itens de evidência tais como as fitas de video-tape de vigilância da Cidade. Dificilmente surpreendente, nenhuma destas evidências apareceu nos julgamentos de McVeigh.

Ao longo da evidência de ação sísmica sacudindo o edifício por cinco a dez segundos antes de qualquer onda de explosão atingir o edifício, houve vários outros eventos misteriosos pré explosão. Um policial trabalhando em seu computador percebeu faiscas e tiras elétricas na fiação sob a mesa vários segundos antes que explosão destruisse o edifício sobre ele. Uma mulher em um andar superior notou uma corda de sensação elétrica ionizante e fluxo de ar quente entrando pelas janelas vários segundos antes da explosão que estourou as mesmas janelas sobre ela. As luzes no edifício apagaram por cinco segundos antes da explosão. Uma fita de gravação de ditado feita através da rua do edifício “bombardeado” registrou um clique alto uns poucos segundos antes que registrasse o som da enorme explosão. Este clique provavelmente foi um pico de onda eletromagnética local de considerável intensidade.

Uma testemunha ocular localizada em um carro a umas duas centenas de metro ao redor do ponto zero observou um flash ou raio de luz prata-esbranquiçada saindo do topo do edifício, seguido de um flash ou raio de luz laranja-avermelhada que disparou do topo do edifício. Estes efeitos elétricos e luminosos duraram uns cino segundos e precerram a ral explosão. [relatos de mísseis podem ter sido a identificação errada destes rais de energia pré explosão]. Eles foram imediatamente seguidos por duas ondas de choque, uma sguindo a outra, que se propagou para fora e para longe da base do edifício. Estas ondas subiram o solo e edifícios violentamente para cima. As testemunhas chamaram a isto de “efeito de tampa”.

Vários carros localizados no estacionamento acima do solo tiveram computadores de ignição eletrônica completamente queimados pelo eventos. Dois carros tinham bússulas magnéticas vinda de fábrica que aqui mais tarde foram descobertas serem atiradas em 180 e 45 graus rspectivamente. Muitos computadores de escritórios na vizinhança apagaram e queimaram as placas de circuito. Estes fatos apontam fortemente para uma mior pulso eletromagnético ter atingido a área associada a explosão.

O dano local da área do evento em Oklahoma City foi enorme. Não posso enfatizar o bastante o quanto a área estava devastada. Fiquei muito perplexo quando a visitei. Blocos inteiros d edifícios de escritórios danificados tinham sido derrubados devido a seu estado abalado, alguns a aproximadamente uma milha do ponto zero. Grandes espaços abertos eram cercados por efifícios cobertos por tábuas, sem janelas, sem tetos, e raios de concreto interno intensamente abalados e os pilares de sustentação. Vi o dano intenso dentro do edifício vizinho de um jornal onde as paredes divisórias internas tinham sido esmagadas em partes e os raios de concerto reforçadoa horizontais de três pés ciram por todos os lados. Este edifício havia sido construído pelos padrões muito altos da década de 1930 para resistir a tornados, ainda que estivesse em destroços. Muitos edifícios tinham inteiros peitoris de janelas forçados pra trás em com suas paredes de frente de tijolos afundadas para dentro. Mais perto do ponto zero, vigas-mestras em H de aço reforçado de chão e parede de um pé de largura, grandes, estavam retorcidas como espagueti em formas grotescas em meio das ruinas de pisos inteiros que se explosiram em poeira e escombros.

Mostrei a amigos da tropa SAS fotos dos danos locais, com experiência em danos de bomba ABFO do IRA. Eles ficaram tão atônitos quanto eu, e afirmaram categoricamente que este não foi um dano ANFO. Eles disseram que isto não se combinava e nem importava o tamanho da bomba ANFO que tinha sido detonada, isto não pode ter causado o dano visto nas fotos e/ou descritos na literatura americana.

Engraçadamente, o FBI divulfou um filme de um teste de explosões de carro-bomba ANFO que mostrava significante bola de fogo ou ou efeitos ferozes de tais explosões. Ainda que nenhuma testemunha ocular tenha descrito qualquer explosão feroz ou chamas – apenas flashes ou raios de lus estranha pré explosão seguidos de puras ondas de energia, omefeitos de calor do tipo de alto plasma notados na pintura dos carros na vizinhança.

É minha posição que o evento de Oklahoma City foi o resultado de um ataque de arma eletromagn´wetica de dupla-forca que fez com que o campo dielétrico da Terra irrompesse através do edifício. Primeiro o edifício balançou por causa da reação harmônica do primeiro pacote dwe onda eletromagnética que também explodiu o fornecimento elétrico do edifício e criou vários efeitos de ar quente ionizante em bussolas digitais e computadores. Tendo balançado suficientemente o edifício, o modo das armas eletromagnéticas foi avançado em um segundo ataque para iniciar a rutura das ligações atômicas e literalmwente explodir o edificio.

Nenhuma explosão convencional ou nuclear, icluindo a chamada bomba A neutrõnica, pode causar efeitos de abalos sísmicos e eneria luminosa elétrica em uma estrutura, segundos anes de ser atingido pelas ondas de explosão.

Fotos oblíquas aéres do Edifício Murrah mostram duas formas quase idênticas verticais de dano como tubo correndo pelo edifício. Elas representam orientações de raio-pulso divergentes mas quase verticais ligeiramente deslocados, sugerindo que uma plataforma orbital esteve envolvida na ação.

Qualquer caráter de bomba ou milícia terrorista deste evento foi colocado em movimento por aqueles que atinngiram o edifício, para assegurar que a verdadeira natureza do sistema de armas e sua tecnologia estivesse oculta do público e possivelmente de outras pessoas do governo dos EUA.

Isto implica que uma facção de dentro do governo dos EUA foi a responsável. Ou que, ou o governo dos EUA foi avisado que este edifício em particular seria atingido naquele dia por uma arma avançada para a qual não havia defesa – assim ele rapidamente encontrou um bode expiatório e construiu uma história cobertura.

A política do segredo da “Necessidade de saber” sugere que há então uma preparação de horríveis dimensões. Pessoal de nível inferior tinha estado procurando por uma bomba mais cedo naquela manhã, que havia sido dito que o edifício tinha sido escolhido para alvo de bombardeio por terroristas, mas não encontrando a bomba, eles então não continuaram para evacuar o edifício. Altos níveis do governo tinham decidido esconder a verdade de seus prórios agentes operacionais, tinham qe ter um plausível evento tipo milícia com McVeigh. O pessoal de Tabaco, Álcool e Armas de Fogo [DEA] foi melhor servido, como foram os juízes na corte adjacente: eles foram avisados para ficarem longe naquele dia.

O pessoal do Serviço Secreto engajado nas operações anti-drogas estavam em seus escritórios que ficvam no centro do dano e foram dizimados por este evento. Interessantemente, similares eventos de bombardeio terrorista no pasado eram aparentemente destinados ao mesmo serviço secreto anti-drogas tanto no abate do jumbo Lockerbie da Pan Am e no “bombardeio ” do World Trade Center em New York. De fato é possível que a série inteira de eventos seja um combate sobre um império de drogas.

A Chamada Muito Cedo para Acordar em Perth

Nas primeiras horas de 1o. de maio de 1995, uma maior bolo de fogo voou em uma direção norte-nordeste na direção de Perth, WA, e detonou sobre o lado leste da cidade aroximadamente às 2.00 am em uma maior explosão. A cobetura da imprensa australiana deste evento o definiu como uma bola de fogo meteórica. Infelizmente, bolas de fogo demais como esta voavam ao redor de nossos céus noturnos, exibindo exótico comportamento de vôo e uma preferência por 1o de maio a cada ano.

Este evento de Perth tem sido descrto em mais detalhes na parte 1 desta série “Céus Brilhantes” (veja NEXUS 4/03, Abril-Maio de 1997), onde apresento evidência para o origem não natural deste evento e sugiro que isto represente um inncidente de arma eletromagnética possivelmente de origem russa, ou de origem alienígena fora do planeta.

O nível de força de megatons desta explosão acordou meio milhão de pessoas e demonstrou que Perth pode ter sido obliterado no piparote de um interruptor. Isto era uma mensagem para acordar feira no inicio da manhã ao povo de Perth.

Fortemente suspeito que isto estava apontando para os hospedeiros de Austrália Ocidental de um enorme sistema de armas eletromagnéticas controladas pelos EUA em Exmouth na parte noroeste de Austrália Ocidental, e que deviamos acordar para trazer a ordem a nosa própria casa – ou enfrentar as consequências.

A trajetória desta bola de fogo sugere uma origem em Enderby Land, Antártica, onde um número de bases japonesas e russas estão localizadas. A bola de fogo voou na direção da Península de Kamchatka onde fica um enorme sítio transmissor [Tx] de um complexo de armas eletromagnéticas russas.

O registro sismográfico deste evento de meteoro de Perth é surpreendentemente similar a uma ou duas chegadas de pacote de onda de ordem baixa vistas no registro do evento do bombardeiro de Oklahima City.

Com a premissa que uma tal bola de fogo represente um objeto sem massa e seja simplesmente um projétil envelopado de energia eletromagnética criado por um sistema de armas Tesla de tipo russo, proponho que este incidente se encaixe bem com outros eventos exóticos de 1995 e represente uma guerra oligárquica em escalada pelo controle de nosso planeta.

Alguma evidência neste estudo aponta fortemente para uma série de ações principalmente baseadas na Terra envolvendo aqueles em linha aos lucros com drogas, lutando contra outras homens loucos pelo poder – com ambos lados utilizando sistemas de armas eletromagnéticas muitos avançados. Contudo, alguma evidência aponta para uma batalha entre grupos de poder basedaos na Terra e alienígenas fora do planeta – possivelmenet os pequenos Greys ou esverdeados reptilianos [veja a parte 4 NEXUS 4/06]. Talvez estejamos envolvidos em ambos cenários, com duas facçõesc oligárquicas baseadas na Terra com separados aliados alienígenas lutando com teriveis armas para o controle do planeta Terra.

Há muitos rumores sobre ambos cenários – mas então novamente, é bem possível que nenhum esteja correto e estejamos apenas lidando com eventos naturais estranhos e exóticos que possivelmente tem sido eradamente identificados.

Até mesmo asim, estes eventos tem sido, e continuam a ser, extremamente perigosos para a vida humana; assim, seja o que for que estiver acontecendo exige atenção imediata das pessoas deste planeta – como o próximo incidente envolvendo o fatídico vôo 800 da TWA demostra amplamente.

O Abate do Vôo 800 da TWA

O vôo 800 da TWA foi destruído no anoitecer de 17 de julho de 1996 e com ele, pereceram 230 homens, mulheres e crianças.

Tenho estado pesquisando estranhs bolas de fogo laranja-avermelhadas e outros raios exóticos de energia luminosa observados ao redor da Austrália quando fui surpreendido pelos relatos que vinham dos EUA sobre os eventos que cercam o abate do vôo 800 da TWA. Vôo bastante em jatos jumbo e o pensamento de um punhado de lunáticos matando centenas de pessoas comuns fez o meu sangue ferver.

Os relatos começaram a chegar, um de um piloto de helicóptero da Guarda Nacional de New York que, em patrulha naquela noite de quarta-feira, foi uma testemunha ocular da explosão do vôo 800 da TWA.

“Conheço o ataque de um mísel. O que vi não se parece com um míssel”, disse o comandante Fritz Meyer da 106a. Asa de Resgate da Guarda Nacional Aérea de New York. “Nossa tripulação de três homens viu a mesma coisa: um flash de luz laranja-avermelhada, característico de uma estrela cadente”, ele disse, “Então vimos uma pequena explosão seguida de uma grande explosão, uma bola de fogo caiu no mar.”

Telefonei para o Pentágoo em Washington e fiu colocado na linha da base aéra do piloto, mas depois de deixar mensagens não recebi resposta – até uma semana mais tarde quando alcancei a base da torre de controle. Por acidenet, eset homem estava na torre, tendo estado no solo devido ao mesmo item de noticiário e um pouco desapontado com o FBI e o prefeito de New York que tinham ordenado que ele ficasse calado. Falei com este piloto por uns poucos minutos e senti que ele era um homem honesto e, como todos os pilotos militares, um observador muito bom que estava muito perplexo com o que tinha visto naquela noite. Ele disse que realmente gostaria de saber o que foi aquilo e que gostaria de conversar comigo posteriormente, mas seria melhor para nós termos o OK para falar do relações públicas da base dele.

Uma troca de fax mais tarde, eu estava lendo que investigadores do FBI não queriam que ninguém falasse com este homem até que eles determinassem a causa do acidente. Ele e eu ainda estamos esperando por uma conversa.

Durante o período dos poucos próximos meses, vários pilotos de aviões comerciais viram similares bolas de fogo laranja-avermelhadas e mini bolas de fogo verde-azuladas com caudas voando a altura dos jatos jumbo naquela área. Um piloto da TWA voltou ao Aerororto Kennedy ao invés de continuar, depois de ter visto um destes objetos como meteoro voar passando pela ponta de sua asa. Afinal, aproximadamente 10 relatos separados aparerceram sobre as estranhas bolas de fogo ou meteoros na vizinhança do espaço aéreo de New York e Long Island.

Enquanto isto, alegadamente depois de exigências do governo francês que havia perdido vários homens do serviço secreto no vôo 800 da TWA, as autoridades dos EUA reuniram uma equipe de mergulhadores que recuperavam os destroços do mar para uma investigação do desastre. O gravados de vôo foi recuperado mas estava eletricamente morto devido a queima dos circuitos e não deu pistas dos eventos daquela noite. Eu anteriormente havia previsto em e-mails ao FBI a semelhança de exatamente um tal fato por analogia com a evidência da Austrália que nossas luzes laranja-avermelhadas e bolas de fogo eram efeitos de campo eletromagnético, possivelmente devido a testagem de sistemas de armas eletromagnéticas escalares. O FBI não respondeu.

As teorias começaram a executar uma reviravolta na imprensa mundial. Elas giravam em torno de um impacto de meteoro, uma bomba terrorista, um míssel da Marinha, um impacto de ave, uma falha mecãnica de algum tipo, e uma exoplosão o quase vazio tanque central de combustível. Recentemente a investigação do acidente apareceu com evidência de uma faísca de super voltagem elétrica em uma válvula localizada dentro do tanque central de combustível, e tem sugerido que esta foi a causa da explosão e que a Boeing deve reprojetar esta parte.

Obviamente os achados deles deem também incluir considerações sobre o que causuo o salto da supervoltagem; por exemplo, foi um pulso de arma eletromagnética ou um meteoro eletros taticamente carregado? O problema é que os meteoros não se mantém voltando ao mesmo pedaço da Terra a cada poucos dias – como tem sido vivenciado em New York.

Interessantemente, houve muitos relatos UFO sobre Long Island durante os dos meses precedentes, e um pesquisador ufológico local foi preso sob circunstância nebulosas apenas cinco semanas antes do evento do vôo 800 da TWA.

No final de 1996 um principal psíquico britânico, que frequentemente trabalha com a Scotland Yard e o MI5, foi abordado pela CIA e solicitado que fizesse a visão remota do incidente do vôo 800 da TWA. Ela relatou ver raios piscando para baixo em alta altitude; onde eles se interceptaram criaram um terceiro raio laranja-avermelhado que disparou, atingindo o jato jumbo e causando a maior explosão secundária. Isto era um assunto fascinante, já que a descrição dela era quase o equivalenteb verbatim da real testemunha ocular evidente da queda de 1987 do DC-8 perto de Gander em Newfoundland, a nordeste do Canadá, que matou centenas de pesoas do exército dos EUA. Ela não sabia deste evento, a apenas tinha visto as noticias britânicas sobre a explosão do vôo 800 da TWA – e nada sobre raios.

Contudo, o completo padrão da evidência aqui liga a destruição do vôo 800 da TWA a um evento de tipo eletromagnético que fortemente se assemelha a certos eventos austraianos de tipo bola de fogo. Aqui ainda ficamos com uma forte impressão que este evento – novamente no 17o dia do mês – envolve agentes de serviço secreto [deste vez franceses] e avançado armamento eletromagnético que tem sido responsável pela morte de centenas de pessoas inocentes.

Então novamente, como em muitos outros incidentes por volta de outubro de 1997 no New Mexico, Queensland e New South Wales, há elementos da imagem que sugerem uma guerra em andamento com UFOs alienígenas fora do planeta. Talvez um UFO realmente tenha abatido o vôo 800 da TWA e as chuvas de meteoros Triffid ou algum derivado moderno tenha nos cegado para a nova realidade em nosso caminho. Ou talvez alguns eventos estranhos naturais de estilo eletromagnético tal como um bólido eletrostaticamente carregado, tenha causado a destruição deste avião e de seus passageiros.

Acredito que seja um alto tempo para descobrirmos a verdade. Nossas vidas, e bem possivelmente o futuro de nossa raça, possa depender disso.

Sobre o Autor

Harry Mason, BSc, MSc, MAIMM, MIMM, FGS., é um geologista/geofísico nascido no Reino Unido e residente em Perth, Austrália Ocidental. Sua carreira de trinta anos em exploração mineral o tem estacionado em vários lugares do mundo, incluindo Alasca, Índia, Noruega, México, Marrocos, Sudão e Reino Unido. Ele tem extensa experiência de campo em geo-recce, mapeamento geológico, geofísica e geoquímica, prospecção, tecnologias de imagens por sensor remoto e computador, e estudos sísmicos e eletromagnéticos. Ele se especializou em geologia e exploração de recursos em WA’s Eastern Goldfields. Mais tarde ele tem estado devotando seu tempo e especialização a pesquisa do misterioso fenômeno do interior remoto australiano de origens naturais ou artificiais.

Published in: on julho 31, 2008 at 4:51 pm  Deixe um comentário  
Tags: , , ,

FOGO VINDO DO CÉU

FOGO VINDO DO CÉU

parte 1
a Batalha da Colheita da Lua e a Verdadeira História dos ônibus Espaciais

por “One Who Knows”

Quando comecei a escrever este relato, os noticiários estão falando do estranho acidente do avião da USAIR na Pennsylvania. No dia seguinte, um avião caiu em Moscou. CNN falou sobre uma bola de fogo que foi relatada de Bakersfield, Califórnia, até Medford, Oregon. Eles disseram que isto ocorreu aproximadamente 6 ou 6:15 na manhã de sábado, 10 de setembro (1994) e foi tão brilhante que a luz cintilava pelas janelas acordando algumas pessoas. Eles mostraram uma casa em San Rafael com um buraco no telhado de um pedaço de algo que caiu do céu.

Um foguete Arian foi lançado da Guiana Francesa e foi perdido, um dia antes. Vários terremotos tem ocorrido na Califórnia, inclusive um que a CNN mostrou em um mapa, a sudoeste do Lago Tahoe. Aproximadamente 15 minutos mais tarde, a CNN começou a falar sobre o Ônibus Espacial disparando lasers para a Terra e mostrou uma visão da Terra, com o Lago Tahoe no canto superior direito da tela. Se você reunir as duas coisas, então você vê que o ônibus espacial Columbia estava disparando lasers para a Terra com “propósitos ambientais”, precisamente onde os terremotos estavam ocorrendo. O Presidente foi a Camp David, e então quando o Presidente voltou (?), um avião caiu na Casa Branca. Mais tarde ele deu uma fala em uma sala da Casa Branca e então apenas ele saiu, um incêndio irrompeu na sala. Rosh Hashanah acabou de passar (setembro 6-7, 1994), e Yom Kippur está vindo (setembro 15, 1994). O Presidente tinha ordenado a 8.300 homens da Marinha, 1.800 Marines e 4.000 do Exército juntamente com 15 a 20 navios de guerra que se preparassem para invadir o Haiti.

AS GUERRAS SECRETAS ENTRE OS PODERES QUE SÃO

Se você que está lendo isto, não se assusta até tremer as pernas das calças, você não está usando nenhuma. Preste atenção e esta informação pode salvar sua vida. O propósito deste artigo é informar-lhe brevemente sobre algumas das guerras secretas que estão acontecendo entre os “poderes que são’ que estão lutando pelo controle do mundo.

Em 1978, eu fui o chefe de um grupo de interesse especial de Mensa chamado Notícias do Clube do Dia Final e Relato de Inteligência. Escrevi uma newsletter para o Clube. Na divulgação de maio de 1978 eu disse:

“A guerra é um perigo sempre presente, muito mais perto do que a maioria das pessoas concebe. Agora a Rússia está testando satélites assassinos e armas de laser e de raios de partícula, enquanto os EUA estão realizando um maior programa de desenvolver armas contra raios – uma real batalha de Guerra nas Estrelas está tomando forma. A guerra no espaço agora é possível e provável na medida em que isto cresce. Um programa agora está a caminho para determinar a possibilidade de usar o ônibus espacial para propósitos de defesa.” O que eu não sabia naquele tempo era o fato de que a guerra espacial já havia começado. Este manuscrito fornecerá mais detalhes.

Na mesma newsletter, mencionei que Richard Helms da CIA havia sido despedido pelo Presidente Carter, e recomendei que o leitor contatasse o Fundo de Segurança e Inteligência (no endereço incluso) para mais informação. Listei os membros da equipe como James Angleton, Elbridge Durbrow, Brig Gen. Robert Richardson, o antigo Secretário da Marinha e do Tesouro Robert Anderson, o antigo chefe de Operações Navais Almirante G. W. Anderson, e outros nomes que se tornam importantes mais tarde nesta história.

MUDANDO AS ESTRATÉGIAS DE DEFESA

Na página 10, disse: “OS EUA estão mudando suas defesas para mísseis balísticos sub-lançados e mísseis cruises lançados do ar, na medida em que os ICBMs baseados em silos se tormam vulneráveis a um profilático primeiro ataque da União Soviética. Os B-52, F-14, F-15, e F-16 serão equipados com mísseis cruise durante os próximos cinco anos, na região do Pacífico. Esta postura indica a admissão de que nada permanecerá até que os EUA possam estar protegidos – somente as aeronaves e os submarinos tem uma chance de sobreviver a um primeiro ataque.

“Estudos independentes do congresso já tem sido completados que mostram que por 1980 os russos podem realizar um primeiro ataque contra uma força Minuteman com uma forte probabilidade de destruir a maioria dos IBCMs dos EUA e que por 1981, os EUA não terão mais um impedimento suficiente para evitar um primeiro ataque soviético.” Continuei com esta citação de Aviation Week & Space Technology, (p. 14, 3 de abril de 1978), sobre os números de mísseis que nós e a Rússia tínhamos. Mais tarde na página, mencionei o Secretário de Defesa Harold Brown propondo um agudo aumento em gastos de defesa civil, inclusive o custeio de um estudo para planejar uma evacuação mais rápida das cidades durante a ameaça de um ataque nuclear. O que estava acontecendo? Porque os EUA estavam mudando sua estratégia de defesa e subitamente enfatizando a importância da defesa civil?

Em minha publicação de julho da DCN&IR newsletter, citei o General George S. Brown, Presidente da Junta de Chefes de Staff, que disse: “O que os soviéticos estão fazendo é preocupante, porque nenhum de nós sabe porque”. Eu disse: “General Alexander Haig, Comandante Supremo dos Aliados na Europa, avisou Washington em março da mudança fundamental no Exército Aéreo do Pacto de Varsóvia para “um caráter ofensivo”. Continuei para dizer que a Rússia estava se preparando para se defender de uma ameaça de uma Alemanha rearmada. Mencionei que a maior parte da força nuclear dos EUA estava em solo alemão. Na página sete disse que “O Japão, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, tinha ordenado a suas forças armadas para preparar planos de defesa para se protegerem de um ataque estrangeiro.”

Na página 10, citei Alexander Solzhenitsyn como dizendo, “Não armas, não importa quão poderosas, podem ajudar o Ocidente até que ele supere sua perda de força de vontade. Para defender a si próprio, alguém deve estar pronto para morrer.”

A TECNOLOGIA DO RAIO DE PARTICULA RIDICULARIZADA

A manchete da capa de minha divulgação de outubro de 1978 foi ARMAS NUCLEARES – LOGO OBSOLETAS! A seguir é o que diz o artigo:

“General George Keegan – graduado de Harvard, voou 56 missões de combate na Segunda Guerra Mundial, recebeu a Cruz de Serviço Distinguido no Vietnã, é o vice presidente executivo do Instituto Estratégico dos EUA, Chefe da Inteligência da Força Aérea dos EUA. Aproximadamente dois anos atrás ele se aposentou da Força Aérea, porque viu alguns perigos críticos para os EUA que ele não tinha permissão de revelar ao público. Ele tentou advertir os poderes da Casa Branca, mas riram dele. Assim, aproximadamente a dezoito meses atrás, ele fez as primeiras referências públicas à secreta pesquisa russa sobre “armas de partículas carregadas”. A revista Aviation Week & Space Technology acompanhou a informação dele e determinou que ele estava essencialmente correto. Contudo, o Presidente Carter e o Secretário de Defesa Harold Brown, ambos muito mal instruídos pela CIA, ridicularizaram Keegan.

Os cientistas americanos do Laboratório Lawrence Livermore (a uma corrida de bicicleta de distância de mim) se encarregaram do Projeto See-Saw para determinar se os EUA podiam construir armas de raios de partículas. A decisão foi que atualmente era impossível de construir tal arma e já que estamos muito à frente tecnologicamente dos soviéticos, era ridículo pensar que eles tivessem construído uma. Keegan revelou seus achados sobre os desenvolvimentos sovéticos das armas de raios de partículas para a CIA, chefiada por William Colby em 1975. Colby reuniu o Painel de Inteligência Nuclear que determinou que, já que os EUA não podiam construir uma tal arma, era impossível que os soviéticos tivessem feito isto. Colby nunca passou a informação para a inteligência da força aérea ou para o presidente e o secretário de defesa.

Keegan se aposentou e começou a tornar pública a informação, através do Conselho Americano de Segurança (do qual sou membro da mesa de aconselhamento nacional) e outros grupos. Sua história foi recebida com um olhar de desprezo dos oficiais de alto nível, os mais acrimoniosos vindos dos engenheiros nucleares auto intitulados Presidente Jimmy Carter e Secretário de Defesa Harold Brown (anteriormente do Lawrence Livermore Lab).” “Mas a despeito das negativas oficiais, os soviéticos continuaram seu trabalho, realizando ao menos oito experimentos de raio de eletron no espaço a bordo das espaçonaves Cosmos, Soyuz e Salyut…” (AW & ST) e realizando testes em Semipalatinsk e Sarova. “Ao mesmo tempo, os físicos americanos mais jovens, desinibidos dos problemas de ego dos mais velhos, também estavam fazendo progresso nas técnicas chave necessárias para o desenvolvimento das armas de raio. Agora a maré havia mudado. Um esforço dos EUA em plena escala para dominar esta tecnologia exigiu determinar a possibilidade do desenvolvimento de armas de raio sendo organizados no mais alto nível do Pentágono. Até mesmo os céticos mais teimosos agora reconhecem que abandonar este campo incontestado para os soviéticos é um risco que os EUA não podem assumir. Por causa do extremo embaraço público que esta série de artigos trará para… o Presidente Jimmy Carter, e o Secretário de Defesa Harold Brown, que viram seus contemporâneos tentarem e falharem no Projeto See-Saw, há ainda uma tentativa de velar o programa em segredo oficial ” (Aviation Week & Space Technology, Oct. 2, 1978).

O artigo afirma, “Especialistas em Capitol Hill, que tem sugerido toda a evidência incluindo os dados secretos não disponíveis para nós, tem concluido que a avaliação da análise do Gen. Keegan estava certa no núcleo da matéria.”

Os soviéticos já tem com sucesso testado armas de raios de partículas [como tem a França!]. “Os especialistas em raios de partícula dos EUA que tem acesso a informação da inteligência americana e contactos pessoais com físicos russos envolvidos em programas de física magnética e de plasma acreditam que os soviéticos já terão em solo uma arma de raios proton entre 1980-1983.”

O PROJETO SIPAPU

O Pentágono iniciou um programa chamado “Chair Heritage” para aterrar nossso próprio sistema por volta de 1982. Isto foi anteriormente principalmente um programa da marinha na instalação de pós graduação naval de Monterey, CA, mas agora está sendo combinado com o projeto SIPAPU do Exército (raios espaciais, como opostos a raios realizados em vasos da marinha] e outros – parece que agora todo mundo que é alguém está se envolvendo (Lawrence Livermore Lab, Sandia Corp., Agência de Defesa Nuclear, CIA, Hughes Aircraft, Lockheed, Universidade do Texas, Austin Research Associates, etc.).

Se você recordar, a Rússia nos bateu no espaço com o Sputnik, então fomos para um programa drástico para ficarmos a frente deles. Vannevar Bush uma vez disse que era impossível construir um míssel balístico capaz de ir 3.000 milhas, mas dentro de dez anos a Rússia já os tinha e estávamos apenas começando um programa drástico para alcançar.

Agora mais uma vez estamos em uma corrida para superioridade estratégica, mas desta vez a Rússia pode ter em campo seu sistema em dois anos enquanto parece que necessitamos de ao menos cinco anos – mas então as coisas podem mudar rapidamente.

Um problema que temos agora é o da liderança principal – o Presidente e o Secretário de Defesa – podem retardar o progresso porque eles não gostam de admitir seus enganos. No passado, havia vários serviços de inteligência, todos em competição uns com os outros, tentando ser o mais acurado e quando um serviço fracassava, o outro apontava isto. Agora, Carter tem unificado os serviços de inteligência sob Stansfield Turner e todos os relatos de inteligência devem passar por Turner antes de chegarem ao Secretário de Defesa ou ao Presidente de homens como o Gen. Keegan, Gen. Singlaub, etc. Isto também cria a chance de que o presidente possa ser consideravelmente mal informado ou mal conduzido. Isto, na longa corrida, pode até mesmo ser um perigo maior para os EUA do que a arma de raio de partícula!

AS CAPACIDADES DOS RAIOS DE PARTÍCULA

Então o que é uma arma de raio de partícula? É similar a um laser, mas não é um laser. Lasers atiram um raio de radiação eletromagnética [luz], enquanto as armas de raio de partícula atiram um raio de partículas sub atômicas (eletrons, protons, ions, etc.). O que significa é que as armas nucleares podem logo se tornar obsoletas.

Qualquer um que ponha satélites com armas de raios de partícula em órbita primeiro (propriedade controlada por complexos sensores ou computadores) pode controlar o mundo. Qualquer míssel guiado ou aeronave pode então ser varrida da existência em uma fração de segundo depois do lançamento.

Sob estas condições, ainda teremos as bombas nucleares, mas seria impossível envia-las contra um inimigo que está protegido por raios de partículas.

Um editorial em AW & ST disse, “As armas de raio oferecem a promessa de reduzir as armas estratégicas nucleares a um fator insignificante no futuro. Se bem sucedidamente empregadas, as armas de raio podem terminar o longo reinado do terror nuclear introduzido pelos mísseis balísticos e sua ogiva termonuclear. Se os soviéticos alcançam esta capacidade primeiro, isto dará a eles uma alavancagem enorme e crucial para impor sua política ao resto do mundo. Se os EUA alcançarem isto primeiro, não mais serão necessários os frágeis acordos SALT, e em um calor morto, os cidadãos deste planeta podem olhar para frente para uma mudança nas tensões internacionais da estratégica área nuclear para armas mais convencionais e menos devastadoras.”

Se você quer saber com o que se parece as armas de raios de partículas, assista “Star Wars” ou Battlestar Galactica.”

Este é o fim da minha citação da newsletter de 1978. E agora, como Paul Harvey diria, para o resto da história!

Russia lançou o veículo espacial octágono Intercosmos 17 em 26 de setembo de 1977. A “Enciclopédia Britanica” diz que o seu propósito foi “a pesquisa científica internacional em partículas carregadas e micrometeoritos”. O que, um satélite de partículas carregadas? Já no espaço? Foi isto mesmo que lemos acima? “Se os soviéticos alcançam esta capacidade primeiro, isto dará a eles uma alavancagem enorme e crucial para impor sua política ao resto do mundo.”

A GUERRA NO ESPAÇO

A Batalha pela Colheita da Lua começou em 17 de setembro de 1977. Rússia começou destruindo nossos satélites espiões usando “satélites assassinos”. Em 27 de setembro, a Rússia destruiu nossa base lunar secreta. Em 29 de setembro de 1977, Rússia lançou a estação espacial tripulada Salyut 6 em órbita.

Primeiro, vamos explorar um pequeno background. O livro “War In Space” de James Canan, 1982, Harper & Row, p. 153 diz: “Armas de alta energia, seus perigos e promessas, começaram a penetrar a consciência do congresso no final da década de 1970, e foi o Major General George J. Keegan USAF – ‘louco George’ para seus críticos, ‘brilhante George’ para seus admiradores – que começou tudo isto. Keegan indubitavelmente teve um dos mais altos QIs de sempre dentro da instituição militar, que é, estereótipos ao contrário, dizer muito.

Keegan esteve na inteligência aérea por muitos anos, e a cargo dela, começando em 1972, por cinco… em meados da década de 1970, o império da inteligência da força aérea de Keegan, como seus críticos a apelidaram, tinha uma população de aproximadamenteb 50.000 e gastava quase que três bilhões por ano. Keegan tinha acesso a fontes HUMINT dentro da Rússia e em todos os lugares, a todos os álbuns de photorecce satelites e todas as fitas dos satélites ELINT.”

P. 155: “Em 1972, um jovem cientista civil trabalhando na inteligência da Força Aérea dos EUA foi até Keegan com a evidência de um esforço soviético para desenvolver uma das maiores armas estratégicas de todos os tempos – uma arma de raio de alta energia que seria usada para destruir os mísseis balísticos em vôo para a máxima defesa da União Soviética.”

Tendo passado três anos estudando física nuclear a nível de graduação, Keegan chamou para si com aquele jovem cientista no exame da evidência antevista de trabalhos científicos soviéticos desclassificados. Ele concluiu que o jovem cientista tinha descoberto algo, e ele pôs sua turma para trabalhar. Com Keegan no controle direto, uma equipe de inteligência da força aérea filtrou e combinou relatos de dentro da Rússia e de fotografias de satélites e de interceptações de comunicação a respeito de um estendido complexo de construções, canos e pilares no Semipalatinsk no sul central da Ásia Soviética.
O que os soviéticos haviam construído lá – começando com seu posicionamento subterrâneo de duas enormes esferas no início da década de 1970 – era uma instalação para testes de raios de partículas carregadas… um segmento de tamanho considerável da comunidade científica dos EUA pulou em Keegan, acusando-o de tráfico de paranóia.”

P. 157: “Em 1974, dois anos depois que o General Keegan começou a falar nos círculos top secretos sobre o trabalho russo no Semipalatinsk, os raios de partículas voltaram a moda no Pentágono. Um documento do Departamento de Defesa descreveu o que aconteceu: a Marinha iniciou seu programa “Chair Heritage’ envolvendo o desenvolvimento do raio de elétron para “aplicação para defesa de navios contra todas as formas de ataque de aeronaves e mísseis… O Exército também começou um programa separado para demonstrar a produção de raios de ions de alta corrente.”

O primeiro programa do Exército, chamado ‘SIPAPU’ (uma palavra nativo americana para fogo sagrado) é controlado pelo Comando de Defesa de Mísseis Balísticos no Arsenal de Redstone, Alabama, e centralizado no Laboratório Científico Los Alamos. Chair Heritage, transferido para o controle do DARPA em 1980, está sendo realizado pelo Laboratório de Radiação Lawrence em Livermore…” Confio que alguns dos meus leitores tomem nota da palavra “Sipapu.”

PROJETOS SECRETOS

Até meados de 1979, trabalhei para Corporação de Controle de Dados em Sunnyvale, Califórnia, na divisão “skunk works” [fabricas nos EUA que trabalham com a tecnologia de ponta em aeronaves]. Um dos projetos no qual trabalhei foi Chair Heritage.

Para confirmação para pesquisadores, fornecerei a seguinte informação: meu chefe era Phil Myers. Os gerentes do programa eram JM Moore (projetos TIGS, IOS), Jack Crawford, JL Smith, CR Shuler, LH Woodward, WA Osborne, e outros.

Alguns dos projetos tinhm nomes código STC, RFREDA, BRONCO, MARE ISLAND, A4, LATFAC, DALFAC, RKYDSO, etc. Penso de que nada serviria a você saber o que estas siglas significam – TIGS é Gráficos Integrados Terminais, IOS era Sistemas Operacionais Integrados , DALFAC era Instalação de Dallas, etc.

Apenas é suficiente dizer que tinhamos os mais poderosos computadores do mundo (Star 100 que foi um computador Cray, etc.) e estávamos envolvidos nos projetos mais secretos dos EUA. Nossos clientes incluiam a instalação atmosférica de Monterey, CA, (os satélites atmosféricos fazem mais do que observar a atmosfera), Cheyenne Mountain em Colorado, DARPA , NASA, e, oh sim, o IRS. Um dos meus amigos passou todo seu tempo livre estudando a anti-gravidade, assim não será difícil demais supor a que dizia respeito o trabalho dele.

General Keegan e o Scretário de Defesa de Carter, Harold Brown não olhavam olho no olho – poderia o fato de que o pai de Brown fosse um judeu russo (esqueci seu nome real) e isto tivesse algo a ver? Como um oficial militar, Keegan era proibido de dizer qualquer coisa em público, então em janeiro de 1977 Keegan pediu exoneração e criou o Conselho Americano de Segurança civil e começou a viajar pelo país, dando palestras para tentar despertar todo mundo. Ele fracassou.

Keegan morreu em março de 1993. O” obituário dele no *New York Times* disse, “Ele avaliou que a União Soviética estava construindo um sistema de defesa civil que aseguraria uma razoável taxa de sobrevivência no caso de uma troca nuclear. Ele também acreditava que os russos estavam perto de empregar futiristicas armas de raios de particula carregadas”. O livro *Deep Black: Space Espionage and National Security* de William E. Burrows, Random House, uma história dos satélites espiões, tem mais informação sobre Keegan.

MISSÕES SKYLAB

Você realmente tem imaginado porque os EUA nunca mais voltaram a Lua novamente? Você se lembra de *Skylab?* A história oficial é que *Skylab* foi lançada em 14 de maio de 1973. Era para ser a primeira estação espacial tripulada da América. Em 25 de maio de 1973, um foguete Saturn levou a primeira tripulação (Conrad, Kerwin & Weitz) para *Skylab,* uma missão que duraria aproximadamente um mês.

A segunda tripulação (Alan Bean, Owen Garriott, e Jack Lousma) foi lançada em 28 de julho de 1973 e a missão durou aproximadamente dois meses. Ambas as missões foram pragueadas por falhas, vazamentos e outros problemas.

A terceira missão tripulada de *Skylab* começou em 14 de novembro com Gerald Carr, William Pogue e Edward Gibson. Foi dito que a missão retardou seis dias por causa das rachaduras nas “nadadeiras de cauda” do foguete Saturn.

Russia tinha lançado uma estação espacial em 3 de abril mas em 14 de abril ela explodiu, o que foi descrito como “uma má função catastrófica”

“MÁ SORTE” NA NASA

Depois dos surpreendentes sucessos das missões Apollo, por alguma razão a NASA começou a ter todos os tipos de má sorte. “Nos EUA o sucesso do primeiro vôo do ônibus espacial orbital foi nublado por duas falhas catastróficas dos previamente confiáveis foguetes veículo de lançamento.”

Depois do teste preliminar de taxeamento na pista e os vôos combinados com o avião a jato transportador Boeing 747, o ônibus espacial Enterprise foi declarado pronto para libertação de seu avião mãe. Em 12 de agosto, na Base da Força Aérea de Edwards na Califórnia, os astronautas Fred W. Haise, Jr., e C. Gordon Fullerton guiaram o Enterprise para um pouso super liso no solo do Lago Seco Rogers, 5 minutos e 23 segundos depois de se soltar do 747.

Um segundo vôo, com os astronautas Joe H. Engle e Richard H. Truly, em 13 de setembro foi igualmente bem sucedido. Haise e Fullerton colocaram o Enterprise em um outro pouso dez dias mais tarde. Um mau presságio apareceu no Centro Espacial Kennedy na Flórida em meados de maio, quando um pequeno acessório do foguete auxiliar sólido propelente caiu de sua braçadeira no primeiro estágio de um veículo delta e o danificou. O impulsionador estava sendo preparado para lançar o Satélite de Teste Orbital para a ESA.

O satélite foi destruído em 13 de setembro quando seu veículo de lançamento Delta explodiu um minuto depois da decolagem, aparentemente por causa que um dos acessórios sólido propelentes do foguete detonou. Somente 16 dias depois, um impulsionador Centaur com um satélite de comunicações Intellsat 4A a bordo, também foi em chamas somente um minuto depois do lançamento ” (*Encyclopedia Brittanica Book of the Year,* 1978, p. 638.

Amigos, é tempo de saberem da história real. Em outubro de 1977, um novo interceptador operacional russo Cosmos abateu *Skylab* juntamente com sua tripulação de cinco astronautas americanos secretamente a bordo; eles morreram em uma gigantesca bola de fogo sobre os EUA. A NASA imediatamente iniciou um prolangado acobertamento do que tinha acontecido. Como eu sei? É suficiente dizer que tenho uma fonte de informação muito alta.

NASA queria que todo mundo esquecesse sobre esta misteriosa bola de fogo e assim fingiu que *Skylab* ainda estava em órbita, mas afundando inesperadamente. A NASA usou histórias sobre o ônibus espacial como parte de seu acobertamento de *Skylab*. Eles fingiram que talvez o ônibus chegase a tempo para salvar *Skylab.* Isto era um a dupla mentira para a NASA. Primeiro, porque *Skylab* não podia ser salva já que havia sido destruida. Segundo, porque naquele tempo os EUA não estavam em posição de lançar o ônibus ou qualquer coisa mais de natureza militar no espaço. A Rússia estava empregando sua secreta Tríade Espacial de avançadas armas espaciais tripuladas.

Os Interceptadores russos Cosmos tinham varrido os ceus dos satélites espiões dos EUA e os russos planando plataformas de armas eletro-gravídicas, as Cosmosferas, estavam fazendo manchetes ao criar enormes booms ao longo das costas da América, e ainda fazem isto. Todas estas coisas ocorreram exatamente quando o Programa do Ônibus Espacial estava saindo do solo.

OS BOLCHEVISTAS AMERICANOS – MESTRES DO ENGANO

O resultado foi uma completa reorganização do Programa do Ônibus. Os antigos planos de banha-lo em publicidade foram cortados. Os bolchevistas no nosso governo, que haviam substiuído o cartel de Rockefeller em muitas áreas de poder, lançaram uma rede de segredo em todos os novos planos militares. Nunca nada nos foi dito sobre as capacidades do ônibus de treinamento *Enterprise,* e nunca nos foram ditas muitas coisas que estavam acontecendo em White Sands no programa militar do transportador. Ao manter estas coisas secretas, os bolchevistas se colocaram em uma posição poderosa para nos enganar e a mentira tem continuado incessante.

Nunca nada nos foi dito sobre o 747 modificado pela NASA que carregou uma réplica completa das partes de tripulação e baia de carga de um ônibus. E ainda é assim. Nos estávamos inconscientes de que o avião, originalmente pretendido para treinamento, tinha se tornado um instrumento bolvhevista para a mentira contra nós. Quando assistimos os videotapes dos astronautas na cabine simulada do transportador, naturalmente pensamos que era a coisa real. Ao procurar um caderno de anotações flutuando no meio do ar por uns poucos segundos perto dos astronautas, éramos levados a pensar que estavam sem peso porque estavam em órbita.

Não nos foi dado qualquer pista que aqueles momentos sem peso tinha acontecido meses antes em um protótipo. Posteriormente, o que você faria se fosse um astronauta e estivesse diante do fato de que a Rússia já tinha virado a esquina e podia destruir sua nação com uma explosão? Você não pensaria que um bom patriota iria adiante com o jogo? Contudo, isto nos traz a um sério problema – talvez as imagens que enganaram muitos no mundo e na América – não tivesssem enganado os novos governantes da Rússia. Eles tinham aprendido da queda anterior do que realmente se tratava o vôo do *Columbia* e, quando o *Columbia* foi lançado em 12 de abril, os russos já estavam prontos a espera!

O LANÇAMENTO DO COLUMBIA EM UMA ÓRBITA ESTRANHA

O plano real da missão era para uma missão curta. Os astronautas supostamente entrariam em órbita e empregariam o satélite militar da baia de carga do *Columbia* muito rapidamente; então eles retornariam a Terra – não a bordo do transportador mas em uma cápsula especial de reeentrada. Dois dias mais tarde, eles supostamente aterrissariam a disfarçada *Enterprise* em Edwards como o ato final do drama falsificado preparado para nosso benefício.

Pela primeira vez em três anos o Pentágono estava esperando obter um satélite espião em órbita que não pudesse ser imediatamente abatido pela Rússia. Esta tentativa era destinada a continuar pelos nossos nerds de desastre em desastre.

Você deve saber o que aconteceu na frente final para ter uma idéia do que continua. Se você pensar de volta nos lançamentos espaciais americanos do passado, alguns podem ter percebido alguma coisa muito não usual no lançamento do *Columbia.* No passado, os lançamentos espaciais tripulados de Cape Canaveral eram sempre feitos na direção do sudeste, na direção do equador, mas não foi assim como *Columbia.* Ele foi lançado a nordeste, para longe do equador. A razão para isto era a missão secreta de reconhecimento espacial do *Columbia.*

Em sua divulgação pública de notícias, a NASA disse a todo mundo que *Columbia* estava sendo lançado em uma órbita de 44 graus – isto é, ele nunca iria mais longe ao norte ou ao sul que 44 graus acima e abaixo do equador. Mas a órbita real escolhida para o *Columbia* era uma órbita de 69 graus. Esta órbita de 69 graus foi escolhida porque isto levaria o *Columbia, e o satélite espião dentro dele, todo o caminho para o norte para o Círculo Ártico e além. Este tipo de órbita é necessario se um satélite espião é para ir em seu vôo de reconhecimento sobre a Rússia.

O lançamento a nordeste do *Columbia* foi feito para possibilitar que o satélite espião começasse a reunir dados sobre a Rússia apenas minutos depois que o *Columbia* alcançasse a órbita. O tempo era a essência de qualquer tentativa de espionar a Rússia. Cada satélite americano lançado para a Rússia durante os anteriores três anos tinham sido cegados ou abatidos antes de reunir muitos dados.

O plano secreto de vôo para o *Columbia* foi completamente diferente daquele que a NASA afirmou para o público. O plano exigia que o *Columbia* fosse lançado em um curso inicial nordeste na direção geral de Bermuda, e então aproximadamente 2 minutos e meio depois do lançamento, começasse uma não ortodoxa mudança de curso – uma ampla volta para o norte. Este lançamento em curva sem precedentes foi tentado como uma manobra evasiva de qualquer cosmofera russa que pudesse estar esperando acima. Ainda acelerando em seu curso curvo, o *Columbia* era suposto passar a 100 milhas a leste de Cape Hatteras, North Carolina. Aproximadamente a 200 milhas leste de Washington, D.C., os principais motores do transportador foram cortados. Depois de costear em silêncio por uns poucos segundos, o tanque de combustível estava programado para se cortar solto na medida em que o *Columbia passava a 100 milhas a leste de New Jersey.

Pelos próximos dois minutos o transportador e seu tanque de combustível estavam a ser costeiros a passada ponta leste de Long Island, sobre Boston, e na direção do Maine. Durante este tempo o transportador era suposto manobrar para longe de seu tanque de combustível usando pequenos jatos de manobra.

Finalmente, exatamente enquanto *Columbia* passava sobre New Brunswick, Canadá, o plano de vôo pedia que os motores de manobra orbital fossem disparados. Em algum lugar sobre o Mar do Labrador, voando de cabeça para baixo, *Columbia* estava programado para alcançar a órbita da Terra. Tão logo assim o fizesse, o plano de vôo pedia que os astronautas Young e Crippen começassem a trabalhar rápido.

A MISSÃO DE ESPIONAGEM DO COLUMBIA

Em menos de dez minutos esperavam qe eles abrissem as portas da baia de carga e ligassem os sensores do satélite espião repousando lá dentro. Na medida em que eles fizessem estas coisas, o *Columbia* estava para correr sobre a ponta sul da Groenlândia, acima do meio do Estreito da Dinamarca entre a Groenlândia e a Islândia, sobre o Círculo Ártico e então se dirigindo de volta ao sul na direção do norte da Noruega, Finlândia e Rússia. Segundo o plano de vôo, o *Columbia* estava programado para atravessar a fronteira russa exatamente ao sul da estratégica Península Kola. Isto seria aproximadamente a uns 23 minutos depois da decolagem. Neste instante o reconhecimento inicial sobre a Rússia estava a caminho. O satélite espião dentro da baia de carga, até mesmo embora ainda não empregado, teria tido uma visão perfeita para baixo pelas portas abertas do transportador de cabeça para baixo.

O *Columbia* era intencionado voar um um curso através da Rússia que começava exatamente a oeste do estratégico Mar Branco no extremo noroeste da Rússia. De lá, o curso planejado do *Columbia* era se dirigir a sudeste sobre algumas 2.500 milhas de estratégico território russo. Durante apenas o primeiro minuto, era esperado que o satélite visse partes da altamente sensível Península Kola, o Mar Branco, incluindo os armazenamentos super secretos dos submarinos perto de Kazan, uma das bases do sistema de vôo ABM da Rússia. Este sistema usa raios de partículas carregadas transportados por transportes supersônicos TU-144.

Na direção do fim da primeira passagem sobre a Rússia era esperado que o satélite espião reunisse dados sobre dois ou mais dos quatro cosmódromos da Rússia – aqueles de Baiokonur e Tyuratam. No intervalo, inúmeros outros alvos de guerra também eram para ser examinados. Era esperado que o satélite espião na baia de carga do *Columbia* visse tudo isto durante sua primeira passagem sobre o território russo. Isto só levaria uns oito minutos e meio. Então o *Columbia* teria atravesado a fronteira com o Afeganistão e se dirigiria a Índia. Aproximadamente 10 minutos depois, o satélite espião estaria irradiando seus dados de volta para os receptores americanos em Diego Garcia no Oceano Índico.

Agora, isto era o plano. Os planejadores militares estavam confiantes que o satélite espião deles obteria ao menos a primeira visão da Rússia. Eles estavam certos de que a curva de lançamento do *Columbia* e o curto tempo envolvido evitariam que a Rússia frustrasse a missão. *Columbia* decolou de Cape Canaveral as 7:00 A.M. naquela manhã de domingo. Pelas 7:23 *Columbia* era esperado já estar sobre a Rússia. Pelas 7:31 *Columbia* era esperado deixar os céus da Rússia e as 7:45 daquela mesma manhã de domingo os planejadores militares esperavam ter seus primeiros dados de reconhecimento da Rússia.

OS RUSSOS FRUSTRAM O PLANO

O plano parecia plausível mas os planejadores estavam caindo vítimas da própria brecha de inteligência que eles próprios criaram anos antes na América. Os agentes russos de inteligência eram capazes de aprender as linhas gerais do plano da missão de *Columbia* aproximadamente seis meses antes do lançamento. Isto hoje é pior, porque há mais agentes da KGB na CIA do que americanos leais.

Um mês completo antes do giro público do *Columbia* em Cape em novembro de 1980, o Comando Espacial Russo estava estudando o problema. Não havia questão sobre uma coisa: A missão do *Columbia* não podia ser bem sucedida. Dar até mesmo uma fração de dados atualizados de reconhecimento, os bolchevistas na América estavam determinados a criar uma guerra nuclear. Até mesmo assim, havia uma questão sobre o melhor modo de estragar a missão. Várias possibilidades foram consideradas, incluindo sabotagem ou simplesmente explodir o *Columbia* no céu. Todos foram rejeitados porque apresentavam uma fraqueza. Cada alternativa parava uma missão do transportador, mas não pararia o programa de transportadores como um todo, e a meta da Rússia era fechar completamente o Programa do Ônibus Espacial.

Ao menos eles encontraram uma solução. O que era necessário era uma versão da Era Espacial do famoso incidente do U-2 duas décadas antes. Foi nos dias minguantes da administração Eisenhower. A Rússia tinha acusado publicamente os EUA de invadirem o espaço aéreo dela com vôos espiões. Isto foi antes da era dos satélites, e invadir o espaço aéreo de um outro país era uma acusação séria aos olhos do mundo.

Os porta-vozes americanos tentaram difundir um furor crescente enquanto cuidadosamente evitavam uma negativa definitiva das acusações; mas os russos mantiveram isto. Finalmente o Presidente Eisenhower ficou tão exasperado que claramente negou, em público, que a América estivesse enviando aviões espiões sobre a Rússia.

Isto era exatamente o que os russos estavam esperando. Os russos prontamente fizeram o que os especialistas da inteligência americana pensaram que eles não fariam – eles abateram um U-2 em alto vôo sobre a Rússia. O nome do piloto da CIA, o falecido Francis Gary Powers, preencheu as manchetes mundiais da noite para o dia. Os russos tinham tornado mentiroso o presidente dos EUA.

Uma reunião tinha sido programada entre o Presidente Eisenhower e Nikita Kruschev, mas os russos friamente cancelaram. Ao estudar a situação do *Columbia*, os russos decidiram fazer um foco de natureza similar. Afinal, tudo o que eles precisavam era aterrissar o transportador intacto.

A Rússia protestou continuamente sobre a natureza militar do Programa do Transportador e percebeu que seria capaz de chocar o mundo com a verdade disto simplesmente provando. Eles colocariam o transportador abatido em exposição pública junto com seu satélite espião com sua energia nuclear e disparos de laser. O Kremlin gostou o plano e concordou com ele. Para posteriormente enfatizar o paralelo com o incidente do U-2 de 1960, a Rússia tinha proposto recentemente uma reunião com os EUA. O plano era retirar a proposta de reunião depois do abatimento do *Columbia.*

O Comando Espacial Russo trabalhou vários meses antes para ficar pronto. Eles estavam enfrentando uma grande ordem: abater o *Columbia* em território russo sem totalmente destrui-lo. Como recentemente, até um ano antes, isto teria sido totalmente impossível até mesmo de ser levado em consideração. Contudo, agora os russos tinham uma nova ferramenta espacial para fazer o trabalho. Era a terceira versão da plataforma de armas levitantes russas, a cosmosfera. Elas eram chamadas de “super pesadas” pelo Comando Espacial Russo.

“SUPER PESADAS” ESTÃO PRONTAS

As cosmoferas super pesadas russas já eram consideradas experimentais em natureza mas tinham vastos melhoramentos integrados desde a década de 1980. Até mesmo assim, por 1980-81 os russos já haviam construído sete delas. Em termos de volume, elas eram maiores do que o dirigível da Goodyear, elas eram até mesmo maiores que os maiores dirigíveis (“zeppelins”) da década de 1930. Elas podiam transportar uma carga de mais de 50 toneladas, muito mais do que o transportador espacial; e elas eram equipadas com uma poderosa propulsão eletromagnética que podia levar a cosmosfera todo o caminho em velocidade orbital. Em resumo, a cosmosfera jumbo era realmente o trasportador espacial russo. E estava plenamente funcional.

Para realizar seu ataque ao *Columbia,* a frote inteira russa de sete cosmosferas jumbo estava pronta. Cinco eram equipadas com equipamento especial de agarramento para capacita-las de pegar um objeto muito grande no espaço. As outras duas eram equipadas com armas de raios de partícula neutron. Estas armas eram do mesmo tipo usado na “Batalha da Colheita da Lua” em setembro de 1977.

*COLUMBIA* DECOLA

As 7:00 A.M. da manhã de domingo de 12 de abril de 1981, os motores do foguete de *Columbia* rugiram vivos. Momentos depois os gigantescos impulsionadores sólidos foram disparados, e o *Columbia* decolou. Na medida em que subia, ele girava ao redor e começou a se inclinar no caminho de vôo em direção ao espaço. Como assistimos na televisão, ele rapidamente mingou para o nordeste. Os impulsionadores sólidos separaram e se descascaram a cada lado. Momentos depois, o *Columbia* desapareceu da tela da TV.

A cena da televisão então mudou para o alegado controle da missão em Houston – tudo isto tinha sido preparado anteriormente. Sim, sei que você pensará que é difícil acreditar!

O mapa controlado por computador da NASA começou a rastrear o alegado curso do *Columbia.* Segundo o mapa, *Columbia* estava se dirigindo sobre o Atlântico na direção de Bermuda; mas naquele momento, livre dos impulsionadores sólidos, *Columbia* já estava começando sua longa curva para o norte. 150 milhas a leste de Charleston, Carolina do Sul, a frota russa das sete cosmosferas jumbo estava planando sobre o oceano na medida em que o transportador se aproximava de seu elaborado caminho curvo, de cabeça para baixo, com o enorme tanque de combustível no topo.

AS COSMOFERAS INTERCEPTAM O TRANSPORTADOR

As duas cosmosferas armadas com os raios neutron se aproximaram do *Columbia* de baixo e um pouco atrás, onde não podiam ser vistas por Young ou Crippen. As outras cinco cosmosferas jumbo com seu equipamento de agarramento, voavam em formação acima e bem atrás do tanque de combustível para ficar fora da linha de fogo. As cosmosferas acompanhavam o transportador até que ele alcançou uma altitude e velocidade pré determinada.

Então as cosmosferas armadas abriram seus raios neutron. Disparando no alcance do ponto branco, cada cosmosfera disparou apenas duas cargas de sua arma de raio. “WHOOMP! WHOOMP!” A primeira salva inundou a cabine perto dos motores na parte de trás. Young e Crippen morreram instantaneamente, a radiação neutron tento interrompido totalmente toda a atividade do sistema nervoso deles, cérebros, olhos e corações.

Ao mesmo tempo os motores do transportador pararam. Uma fração de segundo mais tarde, uma segunda salva de radiação neutron inundou e nariz e uma área sob a baia de carga. Estes tiros foram calculados para desarranjar e fechar os computadores de vôo do *Columbia* – isto é, todos os computadores, exceto um. Os russos queriam o backup do computador para tomar e fazer seu trabalho – isto é, fazer uma reentrada automática de emergência e pouso de acidente na Rússia. Eles anteciparam que fariam assim porque o computador de backup estava pesadamente escudado contra a radiação. O escudo é um material mais eficiente do que o chumbo; é de ouro!

Os russos plenamente esparavam que este computador de ouro assumisse depois que os motores parassem.

Dentro de uns dez segundos, depois que os motores pararam, o tanque de combustível, ainda um terço cheio, automaticamente foi lançado solto. O computador de ouro agora estava voando o transportador. As cinco cosmosferas jumbo com o equipamento de agarramento, se fixaram no tanque de combustível. Então usando sua poderosa propulsão magnética, elas lançaram para longe o tanque. De seu curso a nordeste, o tanque estava desviado sobre o Atlântico Norte em um grande arco até que estivesse se dirigindo ao sul. As cosmosferas então aceleraram para a velocidade orbital e lançaram o tanque de combustível solto.

Três anos antes disso, as primeiras cosmosferas tinham enviado uma mensagem por meio de enormes booms aéreos ao longo da Costa Leste da América. Você se lembra de ter ouvido a discussão nos noticiários sobre os misteriosos booms sônicos que estava sendo ouvidos ao longo da costa? Agora as mais recentes cosmosferas russas estavam usando o tanque de combustível para enviar uma mensagem arrepiante pata os planejadores bolchevistas da guerra na América.

Enquanto isto as cosmosferas armadas seguiam o *Columbia*. Tendo tido seus motores parados prematuramente, o *Columbia* foi bem abaixo da velocidade orbital. Estava seguindo um caminho balístico, exatamente como um ICBM, no coração da Rússia. Parecia que o plano da Rússia estava se seguindo com perfeição – mas então aconteceu o inesperado.

UMA SITUAÇÃO SEM VENCEDOR

Um dos computadores defeituosos do *Columbia* aparentemente começou a funcionar. A breve parada o tinha atirado fora de sincronização com o computador de ouro e assim aparentemente os dois computadores não se comunicavam entre eles. Na medida em que o *Columbia* passava sobre a fronteira da Rússia, ele estava voando do lado direito para cima ao invés de de cabeça para baixo, fora do controle do computador de ouro.

Mas o outro computador abriu as portas da baia de carga exatamente como programado. Na medida em que o transportador começou a reentrar sobre a Rússia, o ar quente inundou a baia de carga. Os sensores de calor do satelite espião detectaram a construção do calor que estava programado no computador do satélite como um sinal de ‘dano de ataque”. Finalmente, a temperatura chegou a um ponto crítico ativando um circuito auto-destrutivo no satelite. Então o satélite espião explodiu, explodindo o *Columbia* em pedaços.

Os russos haviam esperado um pouso acidentado de forma reconhecível. Ao invés, o *Columbia* terminou em destroços espalhados ao longo de uma linha de aproximadamente 85 milhas na Rússia central a sudeste da cidade de Kazan e tiveram que dizer aos cidadãos que um satélite de pesquisa tinha caido de órbita. Desta forma, nem os russos nem os bolchevistas conseguiram o que queriam. Mas estavam destinados a mais tentativas, cada uma tão tola quanto a anterior.

Em 24 de novembro de 1980, o Programa Espacial Tripulado da América repentinamente começou a mostrar sinais de vida depois de próximo da morte. Foi o dia em que o transportador *Columbia* foi apresentado a visão pública no Centro Espacial Kennedy na Flórida. Era o primeiro aparecimento público do transportador em quase dois anos. O transportador chegou em Cape Canaveral dois anos antes, em março de 1979. Daí até novembro de 1980, o transportador *Columbia* permaneceu oculto em um casulo de metal muito grande chamado “Instalação de Processamento de Orbitador”, mas em 24 de novembro repetinamente o casulo se abriu e pulou o transportador espacial.

Não foi uma viagem muito longa preparada para aquele dia – aproximadamente 300 jardas até a próxima Construção de Reunião de Veículo, onde ele desapareceu mais uma vez como se por mágica. Pela primeira vez em aproximadamente seis anos os EUA estavam se comprometendo em público com missões tripuladas ao espaço. O aparecimento do *Columbia* pegou quase todo mundo de surpresa.

O Programa do Transportador Espacial da América estava completo três anos antes da programação. Desde 1977 eles nada mais ouviam que problemas, atrasos e mais problemas com o transportador espacial. De fato, apenas cinco dias antes, o Dr. George Low, antigo diretor do Programa Lunar *Apollo*, resumiu tudo isto em desgosto total quando disse, “Hoje suponho se podemos começar um outro *Apollo,* e muito menos ainda realiza-lo”.

O programa do pouso lunar de *Apollo* foi um outro programa cheio de mentiras, fumaças e espelhos, mas eu terei esta história em um outro tempo. Por agora, a coluna central do jornal *Spotlight* de 5 de setembro de 1994, dará a você alguma pista das mentiras envolvidas.

A FARSA DA QUARENTENA PÓS LUNAR

Uma outra fonte de informação deste assunto foi um artigo chamado ‘A Grande Quarentena Lunar” a revista *Air & Space* de fevereiro/março de 1994. Se você se lembrar, quando os astronautas pousaram na lua e voltaram, eles tiveram que ficar sob quarentena por três semanas. As mentes pensantes questionarm a razão disto.

Na página 39, o artigo declara: “O problema era que a quarentena era tudo um show”, diz Gerald Wasserburg, John D. MacArthur professor de geologia e geofísica do Instituto de Tecnologia da Califórnia, que ainda está espumando 25 anos depois. ‘Isto realmente não evita contaminação. As pessoas de Fort Detrick [a instalação de guerra biológica do Exército], que realmente sabiam como conter patógenos, pensaram que isto era ridículo. Tudo foi parte de uma fraude mas isto não seria parado porque estava vindo do alto nível político. Você supõe que possa haver outra razão para interrogatório, ou, quarentena?

A CONTAGEM REGRESSIVA DO TANSPORTADOR ESPACIAL PARA A GUERRA NUCLEAR

Depois de três anos a espera, a contagem regressiva estava a caminho. Havia um ar total de urgência sobre isto. As pontas estavam sendo aparadas, precauções de segurança estavam sendo postas em ação, riscos inaudíveis estavam sendo assumidos; e quando os repórteres perguntaram porque estas coisas estavam sendo feitas, eles apenas receberam uma resposta ambígua ao invés de respostas reais.

O transportador espacial foi a espaçonave mais complexa americana a este ponto. Havia mais coisas a irem errado do que nunca anteriormente, e o futuro inteiro do Programa Espacial Tripulado da América dependia do transportador. De fato, nos foi dito que dentro de poucos anos o transportador estaria lançando praticamente todos os satélites americanos.

Até onde nos foi dito, a América estava colocando todos os seus ovos em um só cesto. A velha NASA teria continuado passo a passo com o maior cuidado. Cada espaçonave tripulada tinha feito sua primeira viagem ao espaço sem astronautas para assegurar não haver perdas de vidas no caso de problemas.

FACÇÕES INVISÍVEIS EM GUERRA

Em 1981 as coisas eram feitas de fato de uma maneira muito estranha. Os fatos eram, os nossos bolchevistas americanos estavam ficando prontos para uma guerra nuclear, e uma mentalidade de pressa de tempo de guerra predominava. Eles queriam tomar os russos antes que eles ficassem mais fortes. Era o caso de certas forças americanas e russas guerrearem com outras forças russas e americanas! O verdadeiro primeiro transportador era para ser tripulado e ir todo caminho em alta órbita. Não havia consideração para a segurança dos astronautas; contudo, não sabiamos que eles haviam sido treinados no *Enterprise.* Lembra-se do *Enterprise?* Seja o que for que aconteceu com ele, você sabe? Eu estava naquele tempo dizendo as pessoas que algo podre estava acontecendo.

Para todos os intentos e propósitos, os novos motores de foguete do transportador espacial foram radicalmente não testados, até quanto alguém estava ciente. Havia três motores principais chamados SSMEs pela NASA. Estes motores nunca voaram no espaço antes daquele tempo; de fato, eles nunca tinham sido disparados todos juntos até oito dias antes do vôo.

Naquele dia, os três motores foram disparados por somente 20 segundos no bloco de lançamento de Cape. NASA não correu o risco de testa-los por um tempo maior, até mesmo embora estes motores supostamente fossem reutilizáveis, lançamento após lançamento. Ao invés, baseados em um mero teste de vinte segundos, a NASA teria dois astronautas arriscando as próprias vidas nestes motores e, no real lançamento ao espaço, os motores teriam que operar em plena capacidade por um mínimo de nove minutos.

NASA reconhecidamente jogava que os três novos motores do *Columbia* durariam o suficiente para chegar em órbita. Os motores eram somente um exemplo da inexplicável pressa da NASA porque se o *Columbia* não alcançasse a órbita, a seguinte pergunta era se ele poderia voltar. A NASA não tinha a menor noção.

O recente lançamento do telescópio Hubble usa o mesmo subterfúgio de escopo ‘duplicado’ que foi lançado como uma outra tentativa de enganar os russos e novamente a tentativa foi um desastre total como somente o império do mal pode criar.

LADRILHOS HUMPTY-DUMPTY

Em 1980 os novos sistemas de proteção térmica eram radicalmente novos. Todas as espaçonaves anteriores tinham “escudos de calor” que afastavam o calor ao queima-lo para longe durante a reentrada, portanto, eles só podiam ser usados uma vez. Mas o transportador era suposto ser reutilizável vezes seguidas, e assim necessitavam de um tipo diferente de escudo. Eles desenvolveram uma cerâmica de baixo peso, quebrada em mais de 30.000 pequenos pedaços chamados “ladrilhos”. Uma coisa estranha, eles disseram que uns poucos caiam de cada vez, mas que isto não era preocupante. Estava certo. Como podia estar certo? O calor teria aberto um buraco onde o ladrilho estivesse faltando. Lembro-me que eles disseram que não podiam voar o *Enterprise* porque eles “esqueceram” de colocar escudos de calor nele, então o *Enterprise* era apenas um tipo de esmaecimento da imagem. Então o *Columbia* voou com escudos de calor caindo dele? Lembra? Você percebeu? Isto cheira mal.

Por ao menos dois anos antes do lançamento original estavamos ouvindo histórias de problemas com os ladrilhos. Começou quando o transportador *Columbia* chegou em Cape Canaveral em março de 1979 nas costas do jato jumbo. Muitos ladrilhos foram perdidos ou danificados durante o vôo e o *Columbia* parecia que tivesse tido varíola – e isto foi apenas voando nas costa do jumbo jato na atmosfera.

ENCALHADO PELO URSO

A controvérsia do ladrilho fez uma perfeita história de acobertamento para explicar os três anos no solo do transportador espacial. A razão real era que a América tinha sido fechada para missões espaciais militares desde 1977. Em agosto de 1977, os primeiros testes pré vôo do transportador espacial aconteceram. Um transportador foi carregado em cima de um jato jumbo e saiu livre e guiado para pouso por astronautas. Parecia que a era do transportador espacial estava perto do velório.

OS COSMONAUTAS RUSSOS NO ESPAÇO

O programa espacial da Rússia parecia completamente silencioso. Não sabíamos que a Rússia tinha estado empregando suas secretas armas de raios de partículas no espaço, e em 17 de setembro de 1977, a Russia começou a esmagar nossos satélites espiões no que foi chamado a Batalha pela Colheita a Lua. Eles lançaram em órbita a estação espacial *Salyut-6* em 29 de setembro de 1977, e então começou uma corrente incessante de cosmonautas russos indo e vindo do espaço. Eles até mesmo levaram cosmonautas de sete outros países, incluindo Cuba e Vietnã ao espaço com eles, na medida em que torciamos nossas mãos.

OS BOLCHEVISTAS RUSSOS SE APINHAM NA AMÉRICA

Os bolchevistas haviam sido chutados do poder na Rússia e os bolchevistas americanos tinha a muito tempo esperado e observado o momento de fraqueza entre seus inimigos – os secretos novos regentes da Rússia. Os bolchevistas queriam desesperadamente reconquistar suas antigas posições de poder na Rússia; mas por anos, os novos governantes russos tinham estado expulsando os bolchevistas que então inundaram principalmente os EUA.

Os bolchevistas originalmente haviam tomado o poder na Rússia pela intervenção do Cartel de Rockefeller em novembro de 1917. Eles eram chamados comunistas mas eram meramente ditadores sádicos e mais tarde foram chutados fora do Kremlin. Mas na última metade de 1980, eles começaram a reconquistar o poder na Rússia e assim foi tomada a decisão de ir adiante com a missão do transportador espacial.

Um satélite espião top secreto americano tinha sido desenvolvido pelo Escritório Nacional de Reconhecimento, um projeto secreto no qual Control Date trabalhou (eu fiz o trabalho de escritório para as pessoas que programaram o computador do satélite).

O PRIMEIRO ATAQUE ABERTO DOS EUA – QUASE

A Rússia destruiu um satélite espião americano em 20 de setembro de 1977, e uma semana mais tarde tirou nossa base lunar de ação. Sete meses depois, a Rússia terminou de destruir todos os nossos satélites espiões e iniciais satélites de aviso. Desde então, temos tentado várias vezes empregar satélites espiões para obter informação de alvos para lançar uma guerra nuclear, uma guerra que chegamos bem perto várias vezes. Tudo o que descobrimos é que a Rússia havia mudado os alvos de lugar e não ousamos lançar um ataque [embora alguns quisessem faze-lo de qualquer modo).

OS BOLCHEVISTAS PLANEJAM O PRIMEIRO ATAQUE NUCLEAR A RÚSSIA

Sim, houve um plano completo para que os EUA lançassem um primeiro ataque nuclear em uma guerra contra a Rússia. Este primeiro ataque confiava pesadamente nos mísseis, incluindo os secretos mísseis móveis Minuteman TX americanos (não os MX dos quais a media falou), mas isto não podia ter sucesso sem informação atualizada sobre os alvos na Rússia. Os bolchevistas americanos estavam fazendo tudo que podiam para nos levar a uma guerra nuclear, conquanto eles tivessem abrigos para a sobrevivência deles próprios [mas não para o resto de nós!]. A Rússia tinha extensos abrigos para sobrevivência, planos funcionais de defesa civil e grandes instalações de armazenamento cheias de trigo, milho, aveia e outros suprimentos que demos a eles ( “vendemos” os suprimentos a eles, sabendo que eles não os pagariam).

A CIDADANIA AMERICANA É TOTALMENTE DISPENSÁVEL

No livro *Deep Black: Space Espionage and National Security*, o General George Keegan fala dos abrigos civis russos de defesa. Ele descobriu que cada fábrica na Rússia tinha um abrigo. A cidade de Moscou tinha 75 abrigos/postos de comando subterrâneos, cada um do tamanho do Pentágono. Sim, isto é o que ele disse. Cada um deles era coberto por 100 pés de concreto reforçado e 400 pés de terra. Ele disse que eles eram de duas a três vezes mais fortes do que a Represa Hoover.

Toda cidade militar na Rússia e a maioria das outras cidades tinham destes abrigos. Keegan disse que custaria 500 bilhões de dólares para construir apenas um deles. Sim falei em bilhões. Ele disse que eles eram *felpudos,* e eles até mesmo tinham trens ferroviários indo para eles. Eles tem abrigos ao longo da estrada do aeroporto até o centro de Moscou.

A Rússia está completamente comprometida a sobreviver se for necessário se envolver em uma guerra nuclear. Os EUA, todavia, não tem sistemas de defesa civil – exceto um sistema muio exclusivo para a elite. Nosso programa oficialmente tem sido chamado MAD, “Destruição Mutuamente Assegurada”. Contudo, teriamos sido os únicos a serem destruídos. Se você tem vinte minutos de aviso de que bombas nucleares estão para cair por toda a América, o que você faria?

Sei que muitos de vocês dirão . “Não me preocupo com isto, será a vontade de Deus.” Este é o tipo de lavagem cerebral que temos recebido nesta confusão. Que vontade de Deus, se nos foi dado o livre arbítrio! Se você quer ficar de pé na frente de um trem em uma ferrovia, DEUS permitirá que você o faça. Ele não parará o trem para você! E se você não fizer nada sobre esta confusão na qual você está dentro, Deus permitirá que morra! Se os russos quisessem atacar este país, ou se quiséssemos ataca-los, Deus o permitirá – ele deu o livre arbítrio a todos!

Os bolchevistas americanos estão fazendo tudo o que podem para criar uma guerra nuclear, assim eles estão desesperados por novos e atualizados dados de reconhecimento da Rússia. A Rússia sabia disto, e isto é o porque eles terminaram de aperfeiçoar seu plano de sobrevivência. Nós, contudo, fomos totalmente descartáveis então e agora. Enchemos os silos deles com suprimentos para sobrevivência e esvaziamos os nossos.

A elite bolchevista tinha, por este tempo, desenvolvido um satélite que eles acreditaram que poderia sobreviver em órbita por algum tempo se eles o lançassem em segredo e tomassem rotas de desvio do vôo.

Lembra-se do *Sputnik?* A primeira vez em que vi um eu estava no campo. O *Sputnik I* era uma bola de 184 libras lançada por um ICBM SS-6 pela Rússia as 9:36 P.M. de 4 de outubro de 1957. Ele foi altamente polido para ser visto mais facilmente e levava um radio transmitindo em uma frequência que tornava fácil para os operadores de radio ham [amador] rastrear. Nosso governo fez piada do foguete, com desprezo o chamando de Sapwood. O humor da revista do MIT *Voodoo* tinha um cartoon de um recorte do *Sputnik* com um russo barbado dentro dizendo, “Beep…beep…beep.”

Um mês depois a Rússia lançou o Sputnik 2, que pesava 1.119 libras que estavam no alcance de uma ogiva de guerra. Embora ainda fizéssemos piada da Rússia [o líder da maioria no senado disse que iríamos lançar um satélite melhor, com acabamento de cromo e limpadores], o Presidente Eisenhower tomou nota especial do míssel. A Rússia havia saltado o nosso caro sistema de bombardeio e estava se tornando capaz de enviar ogivas de guerra de seus ICBMs. Entre 1956 e 1960 Ike enviou mais de 20 vôos U-2 sobre a Rússia para tentar conhecer as capacidades dos misseis da Rússia. Cada vôo U-2 foi monitorado pelo radar da Rússia. Nossa Força Aérea relatou que a Rússia teria mil ICBMs por 1961.

Dois anos depois do *Sputnik* lançamos nosso satélite *Discoverer* , que tinha uma câmera e fazia muito mais que beep. Tinhamos um programa chamado Pied Piper que se tornou SAMOS (Sistema de Observação de Satélites e Mísseis). O primeiro lançamento SAMOS foi em 11 de outubro de 1960, que falhou, e SAMOS 2 foi lançado em órbita em janeiro de 1961. O final SAMOS 30 foi em 27 de novembro de 1963, embora oficialmente o final *Discoverer* foi o 38 lançado em 27 de fevereiro de 1962. A este ponto, o programa foi mudado e alguns dos satélites tiveram seus nomes trocados. O nomo programa era o KeyHole, e os satélites eram chamados KH-1s (*Discoverers* foram renomeados KH-4s).

Um dos ramos mais secretos do governo foi e é o Escritório Nacional de Reconhecimento [NRO], criado oficialmente em 25 de agosto de 1960. Acredito que uma das razões para sua criação tinha a ver com discos voadores, mas isto é uma outra história. O NRO desenvolveu o KH-11 (por um homem chamado Kennan) um satélite espião (reconhecimento por fotos e outros) em 1972. Um dos projetos nos quais trabalhei no Control Data envolveu o KH-11. O KH-11 foi usado para coisas tais como descobrir onde estavam os reféns na embaixada iraniana e supostamente observar o calor dos ladrilhos do escudo no transportador. É óbvio que eles também foram usados para observar discos voadores, mas todos nós sabemos que discos voadores “não existem” e assim eu devo estar errado, certo?

A América sabia que a frota orbital da Rússia de interceptadores tripulados Cosmos destruiria o transportador, mas os planejadores esperavam que antes que isto acontecesse o satélite seria capaz de transmitir de volta por radio bastante informação sobre alvos para um primeiro ataque nuclear por míssel. A primeira missão era um trabalho de pressa frenética e tinha que ser tripulada por causa da carga secreta.

Se o transportador alcançasse a órbita, os astronautas eram necessários para empregar o satélite militar dentro da baia de carga. O satélite era basicamente um satélite espião mas também era muito mais. Para fazer o trabalho dele, era destinado a defender-se das armas espaciais russas pelo maior tempo possível. Como um resultado, ele seria nada menos do que uma estação de batalha robô no espaço. Era um “satélite endurecido” capaz de aguentar um ataque sem ser facilmente destruído, ou assim eles esperavam. Ele era equipado com defesas ativas e podia atirar de volta.”

Todos os componentes do satélite foram comprimidos na baia de carga do transportador *Columbia.* Eles já estavam lá quando o *Columbia* foi apresentado antes de novembro. Uma vez em órbita, o trabalho dos astronautas, John Young e Robert Crippen, seria reunir isto e o ter operacional rapidamente.

SATÉLITES DE TUNGSTÊNIO OFERECEM UMA AMEAÇA ÀS COSMOSFERAS

Uma vez tudo fosse reunido e estivesse flutuando no espaço, o satélite pareceria uma gigantesca lata de estanho girando, de talvez 30 pé de comprimento e 20 pés de diâmetro, mas em uma inspeção mais próxima pareceria mais com um barril de madeira exceto que as aduelas do barril eram feitas de tungstênio.

Dentro do barril de tungstênio mais externo estava um outro barril menor e dentro dele ainda havia um outro barril menor ainda. No centro de tudo isto estava o satélite. Os barris de tungstênio eram separados um do outro por um espaço de aproximadamente um pé. Havia também um espaço considerável entre o barril mais interno e o satélite. Os barris de tungstênio constituem uma defesa passiva do satélite. Se um raio de partícula carregada é disparado, atingiria o barril mais externo e isto vaporizaria um ponto no barril, mas no processo absorveria energia e o raio ficaria difuso. Na teoria, isto grandemente reduziria o dano feito ao segundo barril e não haveria qualquer dano ao terceiro, o mais interno. O tungstênio tem o mais alto ponto de derretimento de qualquer metal trabalhável a serviço naquele tempo, e assim era esperado que este sistema de escudos contra os raios de partículas resistisse a várias batalhas.

O sistema do escudo em três camadas de tungstênio era também instrumentado. Quando uma explosão o atingisse. o padrão da explosão seria sentido como uma indicação inicial de qual direção veio o ataque. Um computador dentro do núcleo do satélite então ativaria um novo sistema secreto chamado LADAR (Direção e Alcance a Laser). As seções removíveis das aduelas do barril dos escudos de tungstênio girando seriam abertas. O LADAR espiaria pelas aberturas enquanto elas giravam em um escaneaneamento ultra rápido.

No vazio escuro do espaço, esperava-se que LADAR fosse muito mais eficiente do que um radar, pegando muito rapidamente o atacante russo, e no momento de fazer isto, a estação de batalha robô abriria fogo. Quando assim o fizesse, ofereceria até mesmo uma maior ameaça ao Interceptador Cosmos russo porque o satélite americano estaria armado com um gigantesco disparador de gás de dióxido de carbono (CDDB).

O CDDB era uma versão mais compacta do laser, que havia sido testado com sucesso a bordo de um petroleiro a jato modificado KC-135. Isto produzia uma intensa radiação infra vermelha com uma energia de mais de um megawatt – que é um milhão de watts. Um laser industrial 10.000 de satélite era 100 vezes mais poderoso. Ele não era tão poderoso quanto o raio de partícula carregada russo, mas era poderoso o bastante para danificar ou destruir o atacante russo. Tudo isto dependendo, com certeza de reamente conseguir empregar o transportado e a carga.

Segundo o plano, pretendia-se que o *Columbia* decolasse em uma manhã ensolarada de meados de abril de 1981. Milhões estariam assistindo a televisão quando Young e Crippen bramissem para cima no céu e para a órbita. Então a cena mudaria para a cobertura padrão de Young e Crippen na cabine deles, e por uns dois dias a cobertura continuaria aparecendo de tempo em tempo. Eram esperadas cenas da cabine, cenas no Controle da Missão e assim por diante e aparentemente haveriam problemas inesperados, nada sério, mas apenas para adicionar um toque de sabor à história e à coisa real. Os telespectadores não teriam suspeitas que apenas estavam asistindo trechos de inúmeras simulações de vôo. Em sua cobertura do fiasco de SKYLAB, a NASA aprendeu bem as técnicas do engano.

Enquanto isto, não haveria uma cobertura do vôo real, exceto da decolagem inicial. Ao invés, quando Young e Crippen alcançassem a órbita, eles imediatamente iriam trabalhar. Eles despressurizariam a cabine, abririam a baia de carga e movimentariam o componente robô do satélite espião para fora do *Columbia.* Eles também removeriam uma cápsula espacial tipo *Gemini* para dois homens da baia de carga do *Columbia,* e os dois astronautas se aproximariam da baia de carga por controle remoto.

Eles manobrariam para baixo sob o *Columbia* para uma rápida inspeção visual da condição dos ladrilhos térmicos, mas a urgência de estabelecer o satélite robô não deixaria tempo para qualquer tentativa de reparo dos ladrilhos. Se os astronautas fossem fazer isto, eles perderiam um tempo precioso para estabelecer o satélite e fazer sua boa escapada na cápsula *Gemini*. Isto é o porque a NASA se recusou a incluir um kit de reparo dos ladrilhos na primeira missão do transportador. Como o administrador da NASA, Robert Forsch, disse em uma conferência de notícias, “Sinto que no fim provavelmente aumentaremos o risco, talvez não o risco a respeito do sistema de ladrilhos mas o risco a respeito da segurança do vôo inteiro”.

Depois de uma inspeção muito breve, os astronautas devolveriam o controle do *Columbia* para a NASA em Houston com as palavras: “Ok para retrofogo.” Então se afastariam do *Columbia* e imediatamente começariam o trabalho da reunião do satélite espião robô. Era esperado que eles completassem o trabalho dentro de aproximadamente quatro órbitas. Logo que o satélite robô estivesse reunido e operando, Young e Crippen iriam a bordo de sua cápsula espacial de tipo *Gemini*.

Se tudo correse segundo o plano, eles sairiam de órbita e cairiam no Oceano Pacífico. Isto seria no anoitecer do mesmo dia do lançamento, mas a televisão falsificou a cobertura da NASA até que mostrasse fitas de Young e Crippen na cabine simulada do *Columbia.* Young e Crippen seriam resgatados secretamente de sua queda no mar. De onde eles seriam levados a Base da Força Aérea de Edwards na Califórnia para aguardar os eventos e ordens posteriores.

Algumas 12 horas depois do lançamento de Cape Canaveral, Houston enviaria um sinal de retrofogo para a agora não tripulada *Columbia.* Os motores do transportador disparariam. Em algum lugar sobre o Oceano Índico o transportador espacial entraria na atmosfera. Seria o primeiro teste completo dos ladrihos térmicos do transportador. Se eles funcionassem, o *Columbia* sobreviveria a reentrada. Então em altitude mais baixa, a pilotagem do *Columbia* seria realizada por controle remoto. Se tudo fosse bem, o *Columbia* pousaria no grande deserto de areia da Austrália ocidental.

Por anos usei uma calculadora de mão HP-41CX até desgastar as chaves. Quando eu a comprei, os anúncios diziam que que os astronautas do transportador levavam uma delas em órbita de forma que poderiam tomar e pousar o transportador no caso do computador a bordo falhar. Provavelmente ainda tenho a literatura em algum lugar. Mas o ponto é, o transportador pode ser facilmente pousado [lançado e voado, por esta matéria] pelo computador.

Foi planejado que todas estas coisas aconteceriam no primeiro dia da suposta missão de 54 horas de Young e Crippen. Então o ato final da charada, nos seria dito pela televisão que o Columbia estava reentrando sobre o Oceano Pacífico; e finalmente, o transportador espacial brilharia a vista. Todo mundo assistiria em assombro e fascinação na medida em que o transportador espacial se aproximasse da Base da Força Aérea Edwards na Califórnia, ao ressoante boom duplo das ondas de choque dando a prova física da jornada. O fato de que tudo passava através da barreira do som no vôo seria totalmente minimizado na intriga e alívio do momento.

Finalmente a nave tocaria o leito seco do lago e gradualmente freiaria para parar, e apareceriam Young e Crippen. Todo mundo assumiria que eles estavam saindo do *Columbia,* Contudo, na verdade eles estariam desembarcando do *ENTERPRISE.* Foi o *Enterprise* que vimos naquele pouso nos testes de pouso de agosto de 1977 e seria o familiar *Enterprise* que veríamos fazer um outro pouso perfeito. A nave teria sido um pouco retocada para parecer que veio do espaço, mas era uma fraude intencional.

Isto de fato era um jogo desesperado. Contudo, se a missão funcionasse, realizaria um padrão maior de mentira ao programa, mas também traria o mundo inteiro muito mais perto de uma guerra termonuclear. Embora o fracasso foi antecipado e cuidadosamente encoberto, como se mostrou necessário, estariamos na estrada de um incrível farsa seguindo uma outra de sempre crescente magnitude. Isto de fato tem sido o curso subsequente dos eventos.

12 de abril de 1981 era o 20o. aniversário do primeiro vôo tripulado ao espaço. Era o aniversário do primeiro vôo orbital do cosmonauta russo Yuri Gagarin. Ele também se tornou o dia da confusão total e e desordem entre os mestres bolchevistas do Programa do Transportador Espacial da América.

Menos de oito minutos depois do lançamento naquela manhã de domingo, eles sabiam que algo tinha acontecido ao *Columbia.* Nós ainda estávamos ouvindo os efeitos de som do vôo aparentemente bem sucedido, cortesia das fitas gravadas da NASA em Houston. Mas os controladores militares em White Sands que estavam acompanhando o vôo real nada estavam ouvindo. O *Columbia* tinha falhado em chegar sobre o Oceano Índico, como programado.

Vieram mais más notícias: NORAD estava rastreando o tanque de combustível do transportador. Ele não era suposto de estar em órbita, mas estava. Isto parecia impossível, para dizer o mínimo.

Naquele anoitecer de domingo 12 de abril, o tanque de combustível reentrou sobre o Golfo do México exatamente ao sul de Louisiana. O tanque havia se rompido mas ainda havia uma quantidade cosiderável de hidrogênio líquido e oxîgênio dentro. Quando o tanque reentrou, ele aqueceu e criou uma explosão enorme e também criou uma nuvem gigante nas bordas do espaço.

Com uma capa de ouro, que é extensamente usado no tanque de combustível do transportador por causa de suas propriedades de transferência de calor, foi vaporizado e espalhado pelas nuvens o que foi interessante e deu um show fantástico. O resultado foi o mesmo de quando o ouro é acrescentado em pequeninas quantidades a uma janela de vidro colorido. Uma brilhante cor roseo avermelhada. A gigantsca nuvem rosa, com pedaços do arruinado tanque brilhando ao sol, criou manchetes na medida em que passava para nordeste sobre a Louisiana e o Mississippi. Enquanto isto nossos “bons velhos garotos” diziam que tudo isto eram “um fenômeno natural”.

Os bolchevistas da elite americana não estavam bem certos do que havia acontecido ao *Columbia,* mas eles sabiam que tanto quanto diga respeito ao espaço, o programa do transportador era a única esperança deles. Eles tinham mais três transportadores orbitais escondidos em White Sands e pretendiam lançar todos, não importa quanto isto possa parecer estranho, assim o acobertamento da NASA do desastre do *Columbia* seguia de acordo com o plano.

RÉPLICAS GENÉTICAS DE HUMANOS

Na parte final da década de 1970 a existência de réplicas genéticas feitas pelo homem de seres humanos eram tornadas públicas. Os reveladores foram presos e as chaves da cadeia perdidas. Isto foi desacreditado, embora os filmes de movimento eram feitos como ficção científica e o assunto enterrado sob ameaça de pena de morte aos reveladores. Elas, contudo, existiam e existem e são colocadas em serviço bem diante de nossos olhos. Nem mesmo piscamos diante delas – não senhor, engolimos a mentira no total.

Se eu ainda não perdi você, isto provavelmente o fará. Replicas genéticas? Robôs humanos? Você não pode ser sério! você dirá. Chame-as como se parecessem “stand-ins” [substitutos] se isto tornará mais fácil para que você acredite, mas elas eram de fato cópias genéticas. Você precisa estudar o que está acontecendo em lugares como Dulce, Novo México! A Bíblia diz que nos fins dos tempos será como foi no tempo de Noé, e os registros mostram que no tempo de Noé, a manipulação genética estava acontecendo!

Usar ‘stand-ins’ é um procedimento comum. Por exemplo, o livro *A Estranha Morte de Franklin D. Roosevelt* de Emmanuel M. Josephson, copyright 1948, diz no capítulo intitulado “As Estranhas Indisposições de Roosevelt e sua Estranha Morte” que Roosevelt e Churchill foram envenenados na conferência de Teerã com Stalin. “Em Teerã Roosevelt e Churchill se encontraram com Stalin para confirmar a divisão do mundo entre eles. Durante a conferência, Roosevelt tinha sido convencido pelos russos para ficar na embaixada russa porque, disseram os russos, a embaixada americana não era segura. Na embaixada russa, é relatado, uma cortesia especial foi estendida aos convidados. Foi designado para eles um garçom especial que os servia exclusivamente. Mais tarde foi descoberto que o garçom era um médico especialista na ciência do envenenamento, a toxicologia. O uso de médicos no sistema estatal russo para dispor de pessoas que os poderes que são desejam ver fora do caminho, ao envenena-los, tem sido atestado nos julgamentos de purga em Moscou. O Dr. Levine testemunhou que recebeu ordens de envenenar Maxim Gorki e assim tinha feito.

“Logo depois da partida, Winston Churchill ficou extremamente doente. Ele foi levado às pressas para o Egito onde estava tão doente que sua morte era esperada para qualquer momento. Mas sua vida foi salva por um protegido seu, Sir Arthur Fleming, o descobridor da penicilina.”

“Roosevelt também estava extremamente doente em sua volta. Ele era incapaz de andar ou ficar de pé sem ajuda e nunca recuperou sua força”. Amigos, o homem que foi eleito para o 4o. mandato presidencial não era Roosevelt! Quando ele morreu, “O Almirante McIntyre, seu médico, é relatado ter dito que o corpo de Roosevelt não foi embalsamado; menos de quatro horas depois de sua morte, seu corpo estava negro, uma reação que acontece entre outros casos, no evento de envenenamento por arsênico” (p. 285).

Na página 286, o livro diz, “Um estudo cuidadoso das poucas fotografias de Roosevelt divulgadas em 1944 levantaram perguntas se elas realmente eram de Roosevelt ou de um “stand-in” [substituto]. Foi amplamente sabido que havia alguns substitutos que representavam Roosevelt em algumas ocasiões. Se a suspeita levantada por estas fotografias são bem fundadas, o mistério se aprofunda. O que aconteceu a Roosevelt? Quem fez a campanha e foi reeleito em 1944?”

Quem de fato ? Lembre-se, este livro foi escrito em 1948. Na página 287 ele diz que a evidência indicou que Roosevelt se matou com uma pequena pistola de prata. Ele diz, “Seu enterro sem autópsia foi um ato criminoso e uma flagrante violação a lei. Há mais nesta situação do que o olho vê’. Então!” Ele termina o capítulo dizendo ” o engano perpetrado ao público a respeito da saúde de Roosevelt é característico do que prevaleceu em todos os assuntos durante sua administração” Agora. a situação é muito pior.

SINTÉTICOS

Na manhá que quinta feira, 14 de abril, as réplicas genéticas chamadas ‘sintéticos” dos então falecidos astronautas, Young e Crippen, estavam prontas em White Sands. Elas foram programadas para realizar uma corrida computadorizada no transportador de treinamento *Enterprise.* As entidades Young e Crippen a bordo do *Enterprise* que estava montado no topo do lançado 747. Depois que o combustível do foguete foi carregado para o transportador, o 747 decolou dirigindo-se a oeste, evitando o tráfego aéreo comercial. O lançado 747 se dirigiu sobre o Pacífico até várias milhas a oeste de Los Angeles. Então ele voltou a leste em direção da costa da Califórnia. Na televisão nos foi dito que o *Columbia* estava reentrando da órbita.

Enquanto isto o *Enterprise,* renomeado *Columbia,* soltava-se do 747 e disparava seus foguetes. Ele acelerou a uma velocidade de 6.000 milhas por hora, então o assistimos quando fez a corrida dramática do mar a um preciso pouso por computador na Base da Força Aérea Edwards. Tudo foi programado para se aproximar o máximo possível do tempo programado da NASA para posteriormente nos convencer da segurança e da eficiência do sistema.

Até mesmo embora um engano técnico foi feito naquela manhã e nos foi dito que o transportador pousaria seis minutos mais cedo. Pense sobre isto, seis minutos em órbita corresponde a aproximadamente um erro de 2.000 milhas no local do transportador, mas na TV ninguém se preocupou em questionar isto. Todo mundo apenas sorriu e dise que era um dia maravilhoso para asistir o pouso do transportador.

Depois do pouso dramático, o antigo astronauta Gene Cernan expressou surpresa na televisão ABC. Ele disse que o transportador simplesmente não parecia queimado o suficiente para uma nave que havia reentrado da órbita. Da mesma forma, quando os sintéticos chamados Young e Crippen emergiram, eles não agiam como homens que tivessem estado sem peso por dois dias. Ao invés, eles saltaram para baixo para acessar os degraus e se empinaram ao redor com energia incansável mas ninguém questionou ao menos isto. Afinal, todos nós vimos o transportador pousando e centenas haviam sido testemunhas de primeira mão do pouso em Edwards; também tinhamos ouvido e sentido estes booms sônicos. Certamente o nosso governo não mentiria para nós.

TRANSPORTADORES IDÊNTICOS ESPERANDO

Mais três transportadores idênticos ao *Columbia* estavam aguardando sua vez no deserto em White Sands. Cada um teria o mesmo nome, “*Columbia,*” pintado de seu lado. O primeiro *Columbia* agora estava morto bem como a sua tripulação, mas graças aos duplos o *Columbia* continuaria a viver e os astronautas seriam removidos da vista pública exceto em raras e distantes ocasiões quando o aparecimento seria inevitável e os atores seriam capazes de desempenhar as designações.

Em 28 de abril de 1981, todos estávamos ligados aos nossos aparelhos de televisão para assistir a fala do presidente Reagan. A fala era para ganhar e construir apoio para o orçamento da administração, mas a maioria das pessoas estava interessada porque esta era a primeira fala desde a tentativa de assassinato do presidente no mês anterior. As pessoas estavam tão concentradas no reaparecimento de um presidente ferido para prestar atenção em qualquer outra coisa. Ninguém se importava muito que o transportador espacial “*Columbia*” supostamente teria voltado a Flórida naquele dia – nas costas de seu avião transporte. O *Columbia* foi um grande sucesso, até onde sabiam as pessoas – tinhamos visto tudo pela televisão.

A SUPERIORIDADE ESPACIAL ESPIONADA

Baseado naquele vôo do transportador espacial, estamos ouvindo por todos os lados que novamente estávamos no topo no espaço. Nos era dito que agora estavamos cinco ou dez anos a frente daqueles pobres russos estúpidos.

Quando o transportador pousou na Califórnia em 14 de abril inicialmente nos disseram que voltaria imediatamente para a Flórida. Mas os dias se passaram e o transportador permanecia na Califórnia. A NASA criou uma desculpa após outra para explicar os atrasos para o público.

Enquanto isto, estavam acontecendo encontros frenéticos envolvendo juntas militares chave e pessoal da NASA. As coisas não tinham acontecido segundo o plano e eles não estavam certos do que fazer a seguir. Uma facção insistia que a NASA devia seguir adiante segundo o plano original. O plano pedia uma mudança de transportadores entre a Califórnia e a Flórida. No Dia Um um 747 modificado decolaria de Edwards com o transportador *Enterprise* às costas. Câmeras de noticiário estariam a mão para registrar a decolagem. O *Enterprise* então seria transportado para sua casa-base em White Sands, Novo México. Enquanto isto, seria dito ao público que o 747 com o transportador tinha feito uma parada noturna. Então no Dia Dois o 747 modificado levando um transportador diferente decolaria de White Sands e voaria para a Flórida.

Mais uma vez, os repórteres estariam a mão para assistirem o pouso em Cape Canaveral. O novo transportador, de fato, teria o nome do “Columbia” exatamente como o tinha feito o *Enterprise*. No caminho do transportador de treinamento, *Enterprise,* era para ser devolvido a sua base-casa e um novo transportador orbital seria enviado para a Flórida. A troca seria feita sem que o público suspeitasse de qualquer coisa, e, afinal, é somente do povo americano que estes segredos super secretos são subtraídos. Os participantes, por acidente, acreditavam que o acobertamento é pela segurança nacional para evitar a aceleração da óbvia guerra a caminho. Quem iria contar?

Nestes encontros de portas fechadas sobre a situação, outros protestavam que seria tolice ir adiante com o originalmente planejado sem mais informação. Era óbvio que de algum modo os russos haviam destruido o *Columbia,* mas a pergunta era: “Como?” O grupo militar de planejamento do transportador concordava que precisava de uma resposta a esta pergunta, senão eles não tinham meios de antever contramedidas para dar uma melhor chance ao próximo vôo do transportador. Você vê, eles nunca consideraram contar a verdade e encerrar os planos seguintes.

Finalmente, ficou acertado que a primeira necessidade urgente era ganhar tempo, assim foi dito aos porta-vozes da NASA para darem a imprensa uma série de histórias de retardamento sobre os procedimentos pós vôo do transportador na Califórnia. Enquanto isto, cada caminho disponível mundial de inteligência foi pressionado a responder a pergunta: “O que aconteceu ao transportador espacial *Columbia?*”

Dia a dia vimos relatos de noticias bem orquestrados sobre os checkouts pós vôo do transportador em Edwards. O transportador foi levantado nas costas do 747, mas a decolagem continuava adiada um dia depois do outro. O grupo militar de planejamento do transportador estava recebendo um branco de seu vasculhamento de inteligência sobre o *Columbia.*

O transportador permaneceu no solo uma semana a mais do que originalmente planejado, e ainda nenhuma resposta vinha sobre o *Columbia.* Você vê, se por acaso os russos apresentassem o *Columbia* teria sido pior que desatroso porque, de aproximadamente o primeiro dia, a troca não poderia ter sido explicada sem evitar o pânico público.

NASA esgotou as desculpas para o retardamento posterior sem levantar perguntas não bem recebidas. A equipe secreta de planejamento do transportador ainda não tinha posição para preparar uma segunda missão obital e ainda as aparências tinham que ser mantidas a todos os custos e cada dia que passava se tornava mais crítico.

O governo dos EUA estava vociferando alto sobre o suposto surpreendente sucesso do transportador, porque esta era a única esperança que restava para o programa espacial americano. O transportador espacial era o único programa, outro que de defesa, que havia recebido custeio crescente da administração Reagan. Havia também um medo incrível de que se de fato os russos tivessem o transportador intacto, o inteiro acobertamento seria exposto mundialmente. Os russos, por outro lado, não tinham provas e não podiam se apresentar com ações que teriam causado uma guerra completa.

AS ESCOLHAS DE WHITE SANDS

Antes que o transportador *Enterprise* deixasse a Califórnia a bordo de seu “747,” o grupo de planejamento do transportador tinha que tomar uma decisão: Eles deviam ou não fazer a troca planejada em White Sands? Ainda existiam três transportadores em White Sands, e uma missão específica estava planejada para cada um.

Um dos planejadores resumiu o dilema nestas palavras: “Como podemos enviar um pássaro orbital a Cape?” STS-2, 3, e 4 podem necessitar de maiores modificações para ultrapasar os russos. Não sabemos quais são estas modfificações até que recebamos o feedback perdido sobre o STS-1. Digo enviar o *Enterprise.* Podemos manter isto sub orbital ao falsificar um aborto – um fechamento de motor antes da imprensa para MECO e deixar que o *Enterprise* volte para Kennedy. Isto manterá o *Enterprise* fora do perigo de ‘Ivan.’ Isto também manterá a bola rolando enquanto nos dá mais tempo para estabelecer um tiro orbital bem sucedido.”

Alguém mais perguntou: “E quanto ao impacto nas relações públicas? Uma coisa que não precisamos é abortar uma missão no início do programa.”

A resposta: “Deveriamos perder um outro pássaro orbital para Ivan? Além, se fizermos isto corretamente, podemos até mesmo conseguir mais apoio público. Você sabe o que quero dizer – a idéia de que o transportador está seguro até mesmo se algo der errado e assim por diante.”

Houve um longo silêncio seguido de mais discussão, mas finalmente a sugestão foi adotada.

Na segunda feira, 27 de abril, o “747” levando o transportador *Enterprise* decolou de Edwards. No dia seguinte vimos o mesno transportador, o transportador de treinamento *Enterprise,* pousando na Flórida. Nenhuma troca foi feita.

Os planejadores secretos do transportador ainda estavam sentindo o caminho e deixaram em aberto uma avenida para mudanças nos planos. Entretanto, seria o transportador de treinamento *Enterprise* que mais tarde rolaria da plataforma de lançamento na Flórida, naquele verão. Ele parecia exatamente o que o *Columbia* era antes de seu lançamento em abril, combinado com um gigantesco tanque de combustível e enormes impulsionadores de foguetes sólidos.

FIQUEM DE PÉ, POR FAVOR OS REAIS JOGADORES E APOIADORES

NASA estava então atirando de cada dado de lançamento inicial de 30 de setembro de 1981. Segundo os planos, o lançamento se realizaria suavemente pelos primeiros poucos minutos. Diferente do *Columbia,* o *Enterprise* não se inclinaria para o norte na direção daquele tipo de órbita proibida pela Rússia.

Então, um motor pararia prematuramente. Isto se daria em um ponto mais anterior de vôo daquele no qual o contacto com o *Columbia* foi perdido em abril. Então, como ainda assistimos na televisão, o *Enterprise* voltaria em seu alegado pouso de emergência e pousaria em Kennedy.

Por aquele tempo, o *Enterprise* tinha feitos tantos pousos computadorizados que a NASA tinha confiança que o pouso seria seguro. Se outros planos pudessem ser substituídos na medida em que progredia o verão, a sequência do vôo seria mudada, até mesmo abortando o lançamento na plataforma.

Com certeza haveria um tumulto sobre o abortado vôo espacial, mas isto não duraria muito porque nenhum cidadão arriscaria as vidas dos astronautas a um possível acidente. O inteiro cenário de um aborto “somente provaria a eficiência do sistema de checagem do computador e as medidas de segurança’. ”

As esperanças com certeza eram as de ganhar tempo e informação sobre o primeiro lançamento.

DE VOLTA AS EXPLOSÕES AÉREAS

Vamos voltar a dezembro de 1978 quando as explosões aéreas no mar começaram a sacudir casas e amedrontar milhares ao logo da Costa Leste. Por um tempo, o porta-voz do governo tentou ignorá-las; mas os booms agora conhecidos e reconhecidos como Abalos Aéreos, não acabavam. De fato, eles incessantente aumentaram em número e também logo eram vivenciados na Costa Oeste e na parte interna do continente também.

Como nenhuma explicação podia ser oferecida, eles a seguir foram ridicularizados na media maior controlada, mas esta tática rapidamente mudou, também, porque gente demais os estava ouvindo para aceitar tudo como uma grande piada. Então a tática passou a ser simplesmente relata-los e prometer um acompanhamento e então nunca acompanhar.

Os novos projetores nunca se afastaram do script dado a eles e assim não havia medo de escorregadelas. Notem isto vocês mesmos durante as edições de notícias de primeira mão; mude os canais e você ouvirá palavra por palavra os itens do noticiário sendo lidos de script principal.

Depois que estes abalos tinham continuado sem explicação por vários meses, o governo tentou explicar isto atribuindo a coisa toda a caprichosas condições atmosféricas. Os alegados especialistas percorriam a imprensa informando ao público com a confusão completa de camadas de ar não usualmente frias, depleção de ozônio, luzes do norte, distúrbios elétricos, e assim adiante ad nauseum.

Balançando os braços sobre suas performances mestras, outros especialistas estavam apregoando que os booms eram devidos a aeronaves militares, talvez a uma centena de milhas no mar, já que nada aparecia nas telas de radar.

Outros resolveram dizer que os booms eram causados pelo transporte supersônico *Concorde* e todos mais puseram o *Concorde* no solo para sempre. Eles disseram que as ondas de choque do avião estavam atingindo a Costa Leste mais de uma hora a frente do próprio avião, com uma força incrível e “construindo uma incrível força sônica na medida em que o Concorde viajava”

Estas explicações eram ridículas ainda que a maioria dos americanos, desesperados para serem apaziguados, tenham aceitado estes insultos a própria inteligência como face de valor e tenham até mesmo marchado para impedir que o *Concorde* pousasse nos EUA. Os fatos são que a maioria dos abalos ocorria nacionalmente, mas eram escondidos da imprensa e as pessoas se acalmaram.

Por exemplo, há quase que diários Abalos Aéreos ao redor de bases da força aérea onde você pode encontrar aeronaves sofisticadas capazes de velocidades supersônicas. Geralmente, a mais recente aeronave a jato não causa explosões, mas as equipes de inspeção estão examinando estes lugares, examinando a locação da explosão.

Aqueles de vocês que não acreditam que possa existir tal coisa, melhor pensariam se analisassem de novo alguns dos booms inexplicados que vocês notaram na media e que não puderam ter explicação. E o fenômeno continuou, e as pessoas simplesmente voltavam a dormir e ignoravam a interrupção em seus pensamentos – simplesmente não se importavam mais de um modo ou outro.

Já em dezembro de 1977 foi dito publicamente, e suprimido governamentalmente, que os abalos eram causados pelas recentementemente operacionais cosmosferas russas disparado seus raios de partícula de modo defocado no ar sobre o Oceano Atlântico – e mais tarde sobre o Pacífico. Esta informação veio diretamente de nossos principais sistemas de inteligência.

Em 1977, havia aproximadamente sete Cosmosferas planando sobre os EUA mas nos meses que se seguiram os números cresceram para centenas mundialmente. Agora você pode descobrir mais se você tiver em suas mãos material da Corporação Mitre porque o governo patrocinou um estudo sobre elas. O material foi discretamente divulgado e então caiu no esquecimento.

O relato listou 594 abalos aéreos de maior impacto entre dezembro de 1977 e junho de 1978. Por junho, com certeza, estas alegadas ‘frenéticas camadas de ar frio” já tinham que ter ido embora. O estudo fez o melhor que pode para atribuir os booms a barulhos de aeronaves, mas 181 abalos aéreos eram impossíveis de serem ligados a qualquer coisa, até mesmo artificialmente, ou a qualquer desculpa aceitável, assim o relato desajeitadamente concluiu que eles deviam ser de alguma origem natural ainda que o governo e os militares desconhecessem sua origem.

As cosmosferas são a versão russa das Plataformas Planadoras de Armas das quais o falecido General Thomas Power tentou em vão dar um aviso a 15 anos atrás. O General Power foi o antigo chefe da Pesquisa e Desenvolvimento da Força Aérea e então do Comando Aéreo Estratégico. Ele sabia do que estava falando e fez todo o esforço possível para alertar o povo americano sobre os anos seguintes mas seus esforços foram suprimidos e continuaram ignorados.

Na medida em que o número de cosmosferas se multiplicava mundialmente durante o ano seguinte, os avistamentos de UFO também dispararam. Alguém pode imaginar porque os EUA não reconhecem oficialmente os UFOs e os chamam de balões meteorológicos ou gás dos pântanos?

ALIENÍGENAS DO ESPAÇO?

O “pânico” que o governo tem tentado nos evitar não é de alienígenas. Se os alienígenas fossem o problema, eles já nos teriam conquistado a muito tempo atrás. O problemas são muito bem oriundos da Terra, humanos físicos no controle.

A maioria dos avistamentos UFO são de fato Objetos Voadores Identificados; eles são cosmosferas russas. Isto não é o mesmo que dizer que discos voadores alienígenas não existem, porque a mesma inteligência que identifica e rastreia as cosmosferas soviéticas tem confirmado a existência de naves que não são da Terra.

Todos os astronautas de nosso programa de pouso na lua tem dito que foram acompanhados por discos voadores, muito antes que a Rússia desenvolvesse suas plataformas voadoras. Isto dá a vocês a razão real pela qual os astronautas foram postos em quarentena depois de voltarem da lua?

Eles tinham que passar por instruções – eles tinham que aprender a manter a boca fechada sobre o que viram. Neil Armstrong dise que quando eles pisaram na lua, havia ao menos dois discos voadores já pousados lá o observando. Ele mais tarde teve um colapso nervoso. Contudo, alguns dos programas lunares foram “fumaça e espelho”.

É SOMENTE UMA LUA DE PAPEL…

O Centro disseminou em 5 de setembro de 1994, na divulgação do jornal *Spotlight* tinha um artigo por um homem que apontava alguns problemas óbvios com o programa lunar. O autor, que usou o nome R. René, tinha escrito um livro chamado *É Apenas Uma Lua de Papel (o título publicado é ‘NASA enganou a América’)* no qual ele ressalta alguns fatos científicos tais como as naves espaciais e roupas espaciais não fornecerem proteção suficiente para os astronautas realizarem o que eles afirmam terem feito (se as roupas funcionassem, porque não utiliza-las em acidentes de reatores nucleares?). Ele diz que os pousos lunares eram uma farsa e que o programa Apolo foi uma farsa governamental muito cara, ainda que bem sucedida. Uma farsa que está sendo repetida usando Marte como o novo alvo celestial. O telescópio Hubble é uma outra farsa da NASA – tente ler *THE HUBBLE WARS* de Eric Chaisson.

PORQUE TODA AJUDA À RÚSSIA?

Porque o nosso governo dá uma ajuda maciça em dinheiro, comida e tecnologia a Rússia? Poderia isto ser para manter estas cosmosferas estacionadas em órbita apropriada e não tomar cada maior represa, linha de falha, cidade populada e base militar em nosso país? A Elite Bancária Internacional sabe o que está acontecendo e tem se situado para tirar vantagem da destruição de cinco de cada seis pessoas na Terra [segundo seus planos]. A única razão pela qual isto ainda não aconteceu é que eles tem que poder terminar suas placas de ouro em mãos cômodas e armazenar seus bens subterrâneamente.

ESTAS INSTALAÇÕES SUBTERRÂNEAS

Sobre este assunto, aqui estão algumas pistas para os pesquisadores UFO. Há abalos sônicos sobre o sul da Califórnia que tem sido rastreados a uma aeronave Aurora e outra nave acontecendo em Groom Lake, Nevada. Se você segue este curso ao reverso, você chega na Austrália. Examine as instalações subterrâneas em Pine Gap, Austrália, se você quiser saber mais sobre um dos esconderijos da “Elite.” A pesquisa mostra que uma destas voa mais de 4.000 milhas por hora, mas uma que conhecemos eles dizem que pode voar a 8.000 milhas por hora. A nave pode chegar a Austrália mais rápido do que você no trabalho.

UFOs sempre tem sido atraídos por aeronaves, foguetes e espaçonaves, especialmente quando estes são novos ou experimentais. As cosmosferas não são exceção a esta regra. Seja onde for que as cosmosferas se reunam, os UFOS sempre aparecerão. A nave alienígena observa e monitora a nave humana.

O MONITORAMENTO FEITO PELA NAVE ALIENÍGENA

Um bom exemplo deste monitoramento foi testemunhado na Nova Zelândia quando as bases secretas estavam sob vigilância dos russos. Em 30 de dezembro de 1978, uma equipe de noticiário da televisão australiana fez manchetes mundiais ao filmar o que eles chamaram de UFOs de um avião sobre a Nova Zelândia. O filme, de aproximadamente sete minutos, foi comprado pela BBC e pela rede de TV CBS. Em 2 de janeiro, a CBS mostrou menos de cinquenta segundos do filme que mostrava um brilhante objeto esférico, e a maioria dos objetos avistados naquele entardecer pela equipe de câmera e outros observadores foram descritos como esferas de luz.

Contudo, quando um clip do filme foi mostrado, tocaram uma trilha sonora. O noticiarista australiano descreveu um objeto diferente. Ele disse que isto se parecia com um disco voador. Walter Cronkite não disse se a trilha sonora tinha sido registrada ou não simultaneamente ao clip do filme que foi mostrado.

Em qualquer caso, este objeto esférico no filme era uma cosmosfera russa, mas as tentativas de desacreditar o filme fizeram eco as histórias ridículas do governo sobre os abalos aéreos do ano anterior. No entardecer de 25 de janeiro Walter Cronkite da CBS News lembrou aos espectadores dos UFOs da Nova Zelândia; então continuou: “Bem, a Força Aérea da Nova Zelândia relatou hoje que as frenéticas condições atmosféricas, não visitantes do espaço externo, foram os responsáveis. Os investigadores disseram que uma causa definida foi Vênus não usualmente brilhante se elevando no céu do leste.”

PRESTE ATENÇÃO – ISTO É DA TERRA

A amigável nave alienígena mostrará luzes coloridas em movimento verdes, vermelhas, amarelas, azuis. Elas estão estacionadas em uma sequência não orbitante em locais estratégicos. As cosmosferas não tem luzes estroboscópicas e são estacionadas no que parece ser um planeta ou uma estrela. Esta é a razão porque há tanta conversa fiada envolvida com o telescópio Hubble, eles não podem aguentar que vejamos o que podem ver.

ESFERAS E PLATAFORMAS RUSSAS, E A AJUDA DE ALIENÍGENAS

A nave russa nem sempre é visível; realmente quase nunca é visível do ponto de vista orbitante, já que são como os outros satélites que seriam pequenos demais para serem vistos a olho nu. Elas são escudadas por um sistema muito sofisticado de invisibilidade. Os alienígenas algumas vezes neutralizam os sistemas russos na esperança que os veremos e despertaremos para o que está acontecendo, mas já sofremos lavagem cerebral demais para aceitar a verdade.

Você pode perguntar, se os alienígenas são benevolentes, porque eles não nos ajudam? Quem eles ajudariam? De que lado estão os bons? Temos que primeiro pedir a ajuda deles e então temos que aceitar a ajuda deles e seguir as regras deles. Mas os governos americano e russo [e outros] estão tentando abate-los.

Os tumultos dos avistamentos UFO sobre a Austrália e a Nova Zelândia realmente foram devidos as cosmosferas com naves alienígenas monitorando juntamente com algum de nosso próprio monitoramento com suficiente capacidade de velocidade.

Os EUA na década de 1970 decidiram flanquear a Rússia empregando Minuteman e outros misseis nucleares por todo o mundo, já que nossas bases principais tais como Edwards, White Sands, etc., estavam todas monitoradas pelas cosmosferas russas. Acreditavamos que podiamos inabilitar as cosmosferas por tempo suficiente para lançar um ataque de mísseis contra a Rússia. Várias vezes chegamos bem perto de fazer isto, mas a cada vez fomos derrotados pelas cosmosferas que salvaram o mundo do pesadelo nuclear. Quem são os bons garotos, amigos?

BOMBAS DE IONS DE COBALTO E LASERS

É bem conhecido pelos analistas científicos de inteligência dos EUA que as cosmosferas planam ao flutuar no campo eletrostático da Terra. Eles também presumem que os russos usem as mesmas técnicas que usariamos para atingir as armas de raios de partículas deles – isto é, uma combinação de detecção infra vermelha e radar. Eles raciocinaram que se as cosmosferas podem ser perturbadas de suas posição de planar, e se os sistemas de sensores delas possam ser cegados, suas armas de raios de partícula não fariam qualquer bem – até mesmo se disparadas elas poderiam ser dirigidas selvagemente e perderiam nossos foguetes na medida em que eles fossem lançados.

A solução antevista foi chamada de Bomba de Ionização de Cobalto. Diferente de uma bomba normal de cobalto, tal aparelho não é destinado a criar uma tremenda explosão; seu propósito primário é criar quantidades tremendas de átomos de cobalto totalmente ionizados despidos de todos os eletrons, deixando o nucleo nu. O plano é detonar estas em varias localizações nas bordas superiores da atmosfera, o mais alto possível, mas abaixo da altitude de planagem da cosmosfera.

O resultado seria uma enorme tempestade de eletrons, se espalhando horizontalmente no campo magnético da Terra para passar debaixo das cosmosferas. Quando você ouve no noticiário que recenetmente lançamos um satélite que “ilumina o campo eletrostático/magnético” faz mais sentido agora? E você se lembra que o lançamento foi considerado uma missão militar secreta? Isto também pode interromper os sistemas de radar e infra vermelho usados para observar os mísseis abaixo; e enquanto as cosmosferas são brevemente incapacitadas desta maneira, nossos regentes planejaram lançar os nossos ICBM diretamente atrás delas.

Enquanto isto, os laser de alto poder baseados no solo seriam usados em um esforço de abater as cosmosferas. Mas, meus amigos, seus mestres foram vítimas de uma brecha de inteligência que eles próprios ocasionaram nos anos passados, sobre o que eu escrevi em minhas newsletters em 1978, porque os russos compreendiam bem a importância da surpresa. E assim, conquanto eles tenham permitido que sua triade espacial se tornasse conhecida nos círculos de inteligência por causa de seu emprego, eles ainda tinham uma arma mestra secreta de reserva para a própria guerra.

Esta arma é para proteger o calcanhar de Aquiles de suas armas de raios – a habilidade de mira-las acuradamente. Isto é chamado de ‘Achado de Alcance Psicoenergético” ou PRF. PRF não confia nas radiações convencionais como o infra vermelho e o radar – ao invés, é baseado na detecção da real asinatura atômica do alvo, e as técnicas normais de danificar não tem qualquer efeito sobre o PRF. Portanto, quando as bombas de ionização de cobalto americanas explodem, as cosmosferas são capazes de mirar exatamente através das tempestades de elétrons para explodir nossos mísseis ou qualquer outra coisa no alvo.

Em novembro um plano alternativo para um segundo lançamento foi apresentado. Este plano seria uma abreviada missão orbital. Assim, o lançamento do segundo transportador espacial aconteceu em Cape Canaveral, Flórida, em 12 de novembro de 1981, sete meses depois do primeiro lançamento.

Aproximadamente sete horas depois do lançamento foi anunciado que o vôo iria ser encurtado. Portanto, o plano secreto para uma missão abreviada foi verificado e estava a caminho. Como uma desculpa, a NASA fingiu que uma célula defeituosa de combustível era a responsável pela abreviação da missão.

A missão abreviada do transportador espacial em novembro foi o legado do desastre total que engolfou o primeiro lançamento em abril. Em novembro, exatamente como em abril, nenhuma parte do vôo real do transportador foi ouvida além da decolagem na Flórida. Idênticas técnicas teatrais foram usadas para enganar o público, inclusive alguns segmentos gravados – ninguém percebeu nem mesmo quando a história não combinava com o som ou as imagens.

Lembre-se, haviamos assistido o *Columbia* decolar, mas quem pousou na Califórnia foi o *Enterprise*.

O *Enterprise* era um transportador especialmente projetado, diferente do *Columbia* ou dos outros três transportadores que existiam secretamente em White Sands. O *Enterprise* era um transportador de treinamento, com sua baia de carga cheia de tanques de combustivel de foguete. Lançado no topo do 747, o *Enterprise* era capaz de fazer curtos vôos sub orbitais no espaço, mas devido aos seus tanques de combustível não poderia levar qualquer carga na baia.

No despertar do secreto desastre com o transportador espacial em abril, os planejadores militares do transportador enviaram o *Enterprise* para a Flórida.

Originalmente, eles estavam simplesmente tentando ganhar tempo. Mas o tempo estava se passando rapidamente porque os bolchevistas americanos estavam em uma programação acelerada para a guerra! Os argumentos irromperam entre os planejadores militares do transportador sobre o plano original de desfazer um lançamento apenas para manter as aparências.

Finalmente foi construído um esquema para usar o próprio *Enterprise* em novembro para uma missão militar.

COMPUTADORES BODES ESPIATÓRIOS

Exatamente como os computadores são jeitosos para ajudar os trabalhos das pessoas, eles também podem ser jeitosos bodes espiatórios para cobrir uma maciça multitude de erros e omissões. Desta vez um problema no computador seria um fator importante no encurtamento deliberado do segundo vôo do transportador. Uma informação a ser mentida para o público. Assim, no anoitecer antes do lançamento, houve um súbito tumulto de atividade em Cape Canaveral.

Supostamente o módulo de processamento de dados a bordo do transportador – que é, parte de seu sistema de computador -, ‘estava se comportando mal’. Nos foi dito que uma substituição estava vindo e vimos os trabalhadores correndo para instalar algo a bordo do transportador. Tudo estava acontecendo, literalmente, no último minuto, exatamente antes que os grandes tanques externos começassem a ser carregados com combustível de foguete.

A pressa de último minuto na plataforma de lançamento 39-A naquele entardecer de 11 de novembro (11/11) não era para carregar um módulo de computador como nos foi dito – e mostrado. Ao invés, equipamento especial de reconhecimento fotográfico foi instalado no deck de trás do compartimento da tripulação. Foi arranjado para olhar das duas janelas em ogiva. O *Enterprise* era incapaz de carregar um satélite espião em sua baia de carga como já foi mencionado. Assim, o próprio *Enterprise* foi transformado em satélite espião.

O provisório aparato espião instalado no compartimento da tripulação na parte de trás do deck não era tão bom quanto o regular satélite espião, mas os planejadores militares estavam desesperados. A propósito, você pode enganar muito facilmente seus amigos, mas raramente engana o inimigo porque ele está olhando mais estreitamente e os russos sabiam, momento por momento, o que estava acontecendo.

Logo completaria quatro anos que a Rússia havia destruido todos os satélites espiões americanos com sua frota de satélites assassinos. A equipe militar do transportador estava esperando usar a “surpresa’ para obter ao menos um pouco de reconhecimento sobre a Rússia. Era esperado que os russos não considerassem o *Enterprise* uma ameaça, já que nada podia levar em sua baia de carga.

NASA, também, fez de tudo para convencer os russos que uma órbita não ameaçadora seria usada. Finalmente, o tempo de lançamento foi mudado por aproximadamente duas horas e meia na manhã de 12 novembro. Isto pretendia tornar mais dificil para os interceptadores russos Cosmos reajustarem a órbita deles para atacar o *Enterprise.*

O último item reflete um mortal erro de inteligência feito pela equipe militar de planejamento do transportador americano. Eles sabiam sobre os interceptadores orbitais russos Cosmos e os satélites assassinos. Eles também sabiam da primeira geração de cosmosferas, as plataformas de armas levitantes russas. Ambos já haviam sido empregados quatro anos antes. Os planejadores militares americanos sabiam que o transportador espacial podia provavelmente correr mais rápido que a primeira geração das cosmosferas, portanto eles acreditavam que os interceptadores orbitais cosmos eram a principal ameaça ao transportador.

O que eles não sabiam – mas suspeitavam – era que a Rússia tinha desenvolvido e empregado uma pequena frota de cosmosferas de segunda geração semi-experimentais. Em abril haviam sete em operação – por novembro havia ao menos oito ou nove. As novas cosmosferas eram chamadas de Super Pesadas ou Jumbo e podiam andar mais rápido e subir mais do que qualquer coisa que a América tivesse, inclusive o transportador. Os russos até mesmo deram a NASA apontada informação sobre elas já no lançamento de abril.

Havia alguns na comunidade de inteligência americana que interpretaram corretamente o que aconteceu e informaram aos planejadores. Mas os bolchevistas americanos que controlavam o programa militar espacial se recusaram a aceitar isto. Eles estavam descartando os fragmentos de inteligência sobre as novas cosmosferas russas Jumbo e portanto garantindo seu próprio fracasso.

Quando o *Enterprise* decolou não havia pilotos humanos a bordo. Era uma reconhecida missão suicida. O *Enterprise* seguiu um lançamento curvo e evasivo exatamente como o *Columbia* tinha feito em abril. Ele se dirigiu ao norte o que indicaria uma órbita quase polar. Quando passou sobre a Russia o *Enterprise* estava de cabeça para baixo com sua câmera espiã olhando para baixo pelas janelas do compartimento da tripulação.

Cinco grandes, gordas e boas cosmosferas Jumbo estavam exatamente a mão e seguiram, bem como um bom número de naves alienígenas, na medidade em que o transportador subia para a órbita. Moscou foi instantaneamente notificado do curso que ele estava tomando – mas foi dito as russos para não dispararem no transportador. Ao invés, as Forças de Defesa de Mísseis Balísticos Russas foram alertadas. Os russos sabiam que a guerra estava vindo e eles decidiram usar a aproximação do transportador como um bom exercício de treinamento.

SISTEMAS DE PROTEÇÃO

A dois anos já era sabido que a Rússia estava se preparando para empregar um novo sistema anti misseis balisticos e sistemas de abrigos subterrâneos que foram melhorados e renovados ao longo da instalação de novos abrigos e totalmente atualizados para a segurança da população. O nosso governo nada fez de bom para seus contribuintes. O novo sistema de míssel era baseado em armas de raios de partícula carregadas disparadas por transportes a jato supersônico modificados TU-144. Em 12 de novembro um esquadrão de TU-144s foi enviado para interceptar e abater o *Enterprise.*

As cosmosferas jumbo continuaram a acompanhar o transportador à distancia como um recurso se os TU-144s falhassem – mas eles com certeza não falharam. O *ENTERPRISE* escorregou para baixo do norte através de sua estretégica Península Kola. Na medida em que atravessava sobre o Mar Branco os grandes jatos começaram a disparar para cima com suas armas de raios de partícula contra a nave bem acima. O terceiro raio explodiu cortando a seção média do transportador e ele quebrou na metade exatamente atrás do compartimento da tripulação e se desintegrou.

NASA foi adiante com seus filmes espaciais feitos para a televisão e seguiu o script para uma missão encurtada pré planejada. Eles sabiam dentro de horas do lançamento que o *Enterprise* tinha sido destruído. Tendo aprendido sobre os planos dos russos, em abril, para criar um incidente internacional com o transportador acidentado, eles queriam completar o vôo, aos olhos do mundo, rapidamente.

O pouso do transportador na Base da Força Aérea de Edwards, Califórnia, em 14 de novembro foi uma reapresentação do transportador que tinhamos visto no abril anterior. Literalmente aquelas tomadas a longa distância de telefotos do transportador descendo da estratosfera eram as mesmas que nos foram mostradas em abril. A NASA meramente alimentou os videotapes das cenas de longas distâncias de abril das redes e acrescentaram uma nova narrativa a elas. A única parte do pouso que foi ao vivo em novembro foi a porção terminal que pode ser vista no solo.

O transportador que nos foi mostrado pousando foi um dos novos transportadores de White Sands. Ele tinha sido transportado a bordo da aeronave de lançamento, Impulsionado a uma altitude modesta e altitude por um par de foguetes impulsionadores de combustível solido – o bastante para produzir ressonância sônica e então descer para a delícia da multidão presente.

Já que todos nós testemunhamos quão bem funcionou o segundo transportador, o próximo lançamento já foi marcado para março, apenas três meses depois daquele pouso perfeito. Foi planejado lançar o terceiro transportador exatamente como programado. Bem, o *Enterprise* não mais seria um problema embaraçoso para a NASA.

Agora tinhamos um novo transportador, o terceiro que nos foi mostrado como “Columbia” esperando em Cape Canaveral. Sua baia de carga esperava uma nova carga secreta militar. Este transportador particular tinha realmente sido modificado e armado para batalha no espaço. Nossos idiotas planejadores militares bolchevistas continuavam e ainda continuam a se recusar a entender como que ele vão contra – e dessa maneira, uma outra tragédia já estava nos estágios finais de ser feita.

VISÃO GERAL DOS EVENTOS MUNDIAIS

Para dar uma visão geral dos eventos mundiais coincidentes aos lançamentos dos transportadores, precisamos voltar a tentativa de assasinato de Reagan, em 30 de março. Os noticiários dispararam miríades de perguntas pelo mundo instantaneamente na medida em que velhas preocupações eram desencadeadas. Algum outro país de alguma forma tentaria tirar vantagem? Sobretudo, a Rússia invadiria a Polônia? Naquele tempo as manchetes nos diziam que uma invasão era iminente. Como foi mais tarde mostrado, nossas preocupações eram infundadas, mas não tinhamos meios de saber.

Ao invés de “invadir”, os russos estavam no processo de esfriar a mais recente crise trabalhista do Solidariedade. Da mesma forma, outras nações pelo mundo atuavam geralmente com restrição das seguintes notícias de disparos e literalmente, sem muita surpresa ou reação, os planejadores conheciam os planos. Isto é, todos, exceto um – a exceção solitária era ISRAEL! Você pode querer olhar estreitamente os próximos pedaços de informação e ver o que discerne.

ISRAEL

A cronometragem não podia ser mais precisa, “se isto tivese sido planejado antecipadamente.” Na medida em que os chocantes boletins dos tiros dispararam através da América, os aviões israelenses de guerra ligaram seus motores. Enquanto os porta-vozes americanos se reuniam para instruir a imprensa, os caça bombardeiros de Israel estavam se reunindo sobre o Líbano.

Por aquela tarde e anoitecer os americanos se reuniam ao redor dos aparelhos de televisão para receberem as últimas notícias do Hospital da Universidade George Washington, completamente chocados com os acontecimentos daquele seu proprio dia e distraídos totalmente de qualquer coisa mais que estivesse acontecendo no mundo.

Enquanto isto, os vilarinhos libaneses estavam se amontoando em porões e abrigos bombardeados enquantos os mísseis e bombas israelenses explodiam ao redor deles. O serviço Mundial da BBS e outros noticiários de rádio em ondas curtas relatavam para o mundo, os repentinos raids israelenses sobre o Líbano eram uma grande notícia, de fato. Mas não era assim na América.

As notícias sobre o tiro presidencial e suas consequências apagavam tudo mais exatamente como era suposto que o fizessem e nunca disseram a você o que realmente aconteceu com aquele incidente de tiro – mas isto não foi exata e precisamente como planejado, mas fez seu trabalho – afinal, todos nós vimos isto, não vimos?

Não foi senão quando as tropas sírias começaram a fazer movimentos em resposta aos raids israelenses ao Líbano que tudo isto começou a entrar na consciência da América. Dia após dia, os israelenses e sírios se lançaram uns aos outros mais e mais, diretamente e por meio de sub-rogados no Líbano.

Em 28 de abril jatos israelenses abateram dois helicópteros sírios sobre o Líbano. Isto foi uma notícia tremenda no exterior, mas nos EUA foi totalmente ignorada a favor da cobertura em todas as redes da fala do presidente ao Congresso naquele mesmo entardecer. Não foi senão no dia seguinte, 29 de abril, que a crise do Libano recebeu atenção da maior media controLada da América.

A CRISE DO ORIENTE MÉDIO

Os sírios tinham movido os mísseis anti-aeronave russos SAM-6 para o Vale de Beka no Líbano. Esta foi a resposta da Síria ao abatimento de seus dois helicópteros no dia anterior por Israel, sobre Zahle. Então a crise de misseis no Oriente Médio nasceu

A CONTENDA EUA E JAPÃO

Uma outra crise que se esgueira é a contenda crescente entre os EUA e o Japão. É como se Washington nada pudesse fazer de certo para os japoneses. Na manhã de 10 de abril de 1981, a primeira tentativa de lançamento do transportador espacial *Columbia* aconteceu em Cape Canaveral. Terminou em fracasso devido a um problema no computador, mas esta foi a história principal daquele dia na América. Todas as notícias foram enterradas que eram principais no Japão. No dia anterior um submarino americano havia afundado um pequeno navio de carga japonês, supostamente ao golpea-lo. Então o submarino havia abandonado a cena sem fazer qualquer tentativa de resgatar os sobreviventes. Ainda pior, os EUA nem mesmo haviam admitido o incidente para as autoridades japonesas até 36 horas depois e o episódio levantou mais e mais perguntas nas mentes dos japoneses.

COMO USUAL, A MARINHA TINHA UMA HISTÓRIA DIFERENTE

A Marinha dos EUA divulgou um relato que difere dramaticamente do testemunho dos 13 sobreviventes japoneses. O relatório da Marinha até mesmo localizou a colisão a 3 milhas de meia do lugar onde realmente aconteceu. Os japoneses queriam saber porque!

Os japoneses exigiam respostas para isto e muitas outras questões intrigantes sobre o incidente. O afundamento supostamente acidental do cargueiro japonês era apenas uma arma de abertura da contenda entre Washington e Tóquio.

Um choque após outro da América atingiram o Japão. Vasos navais americanos navegaram pelas frotas pesqueiras japonesas, cortando as redes de pesca em tiras. Repentinamente, haviam revelações que navios americanos com armas nucleares a bordo estavam usando regularmente os portos japoneses, em segredo.
O Secretário de Estado Haig cancelou uma visita ao Japão. Até mesmo a visita do Primeiro Ministro Suzuki a Washington recentemente tinha sido contra ele. Ele concordou com a linguagem em um comunicado conjunto que levou a acusações no Japão que Suzuki estava fazendo uma aliança militar secreta com os EUA. A ironia de tudo isto foi que os problemas de Suzuki eram devidos ao fato de que ele estava resistindo a tal aliança militar.

Os fatos, com certeza, eram que uma tentativa estava sendo feita para pressionar os japoneses por causa das quantidades maciças de dinheiro falsificado da América do Sul e da Antártica. Além disso, os bolchevistas nos EUA queriam que o Japão se rearmasse, para se tornar a polícia do Pacífico Ocidental. O predecessor de Suzuki, o Primeiro Ministro Ohira, estava pronto para acompanhar os bolchevistas americanos, a despeito dos duros avisos da Rússia para não fazer isto.

Então, surpresa das surpresas, Ohira morreu subitamente e Suzuki o substituiu. Suzuki não queria rearmar o Japão, assim os bolchevistas americanos o queriam fora do ministério. O Japão havia suportado todos os tipos de choques naqueles meses específicos, mas eles tinham um denominador comum: eles todos envolveram a perda de face do Japão como um todo e especialmente para o Primeiro Ministro Suzuki, e isto foi o mais doloroso para tal povo oriental.

Na Ásia, a perda da face é uma questão profundamente séria. Ao usar esta arma política, os bolchevistas americanos acreditavam que eles podiam derrubar o governo de Suzuki. Seja quem for que substituisse Suzuki teria uma conversa de paz para consumo doméstico mas teria que se preparar para a guerra se ele acompanhasse Washington.

OUTROS LUGARES

Todos os lugares na Ásia, China Vermelha e Vietnã recentemente haviam se engajado em guerras de fronteiras com muitas baixas. Enquanto isto, a chamada administração Reagan estava se preparando para declarar abertamente que venderia as armas americanas mais sofisticadas a China Vermelha. Você pode concordar que este câncer que consome a América tivesse causado tal insanidade? Você pensa que tenha melhorado desde então? Bem, certamente está ficando pior. Você não tem idéia de que tipo de década foi 1980.

Na Europa, também havia um turbilhão nas mãos dos agentes bolchevistas. O governo da Itália tinha acabado de ser derrubado por um escândalo tremendo que envolvia a conspiração maciça de muitos principais cidadãos do país. Na Alemanha Ocidental, o Chanceler Helmut Schmidt estava sob fogo de forças que queriam desfazer o equilíbrio que ele tinha alcançando entre Leste e Oeste.

E na França os bolchevistas tiveram uma tremenda vitória na eleição. Até então, a França tinha tido um relacionamento especial com a Rússia bem como com o Ocidente. O relacionamento era um de confiança construida laboriosamente que começou com o Presidente Charles de Gaulle; mas o novo Presidente francês, Mitterrand, estava trabalhando o mais rápido possível para mudar isto. Mitterrand tentaria trazer a França para o campo anti-russo, chefiado pelos bolchevistas americanos. Note sua presença em todo encontro aberto ou secreto e coloque as peças do quebra-cabeças no lugar.

Naquele tempo, crises grandes ou pequenas estavam se multiplicando e se compondo ao nosso redor, e grande parte disto não era acidental. Elas eram parte e parcela da deliberada construção de estratégia de guerra dos bolchevistas na América. Ao tornar o mundo um caldeirão de crises, eles estavam preparando o estágio para a Guerra Nuclear Número 1. O mundo inteiro estava cheio de desassossego exatamente como o desconfortável Balcãs antes da Primeira Guerra Mundial. A confusão tem diminuido?

A Primeira Guerra Mundial foi criada, aparentemente por acidente, pelo assassinato do Arquiduque Ferdinand da Áustria por terroristas.

Quando o transportador espacial *Columbia* decolou em seu vôo condenado de 12 de abril de 1981, uma frota de aviões especiais estavam no ar para rastrea-lo. Os EUA dependiam pesadamente de sua frota de aeronaves de avançado alcance de instrumentação. Eles estavam voando por comunicações de estações de radar e rádio conhecidos como “Froop Snoots” por seus enormes narizes bulbosos.

Este avião especial era um 707 modificado militarmente chamado *EC-135N.* Quando não estavam envolvidos em tiros no espaço, os *EC-135Ns* também tinham muitos outros usos, inclusive rastrear satélites russos. Havia apenas uns poucos destes *EC-135Ns,* assim todos eles eram muito importantes. Quando o transportador espacial *Columbia* decolou em abril, haviam apenas oito deles.

O Programa do Transportador Espacial era uma chave indispensável para seguir os planos de guerra dos bolchevistas, e os *EC-135Ns* eram cruciais para o programa. Em 6 de maio de 1981, um *EC-135N,* apelidado *”Boss Hog,”* decolou de sua base da Força Aérea Wright-Patterson, Ohio. Ele se dirigiu a leste no que era um vôo de treinamento de rotina. Na medida em que o modificado 707 voou na direção leste, ele estava se dirigindo para um encontro inesperado.

Planando alto sobre as montanhas do oeste de Maryland, uma cosmosfera solitária estava esperando pelo *Boss Hog.* As 10:51 A.M. o piloto do avião radiou as palavras “Nível de vôo 29” para os controladores no solo. O avião estava a 29.000 pés.

Momentos mais tarde a cosmosfera disparou seu raio de partícula carregada para baixo na direção do jato que passava a milhas abaixo dela. O raio explodiu um buraco no topo da fuselagem e outro na parte inferior. A descompressão explosiva esvaziou a cabine de seu ar. A explosão também criou uma explosão secundária fazendo do jato uma bola de chamas.

Ao mesmo tempo os cabos de controle pela cauda foram destruídos, e o jato virou violentamente o nariz para baixo. Ao invés de atirar pedaços milhas a distância, o avião caiu como uma rocha, quase que diretamente para baixo.

Os controladores de tráfego do radar estavam atônitos ao verem o avião desaparecer subitamente de suas telas, mas tudo isto foi documentado. Tudo estava acabado antes até mesmo que eles soubessem que algo houvesse acontecido.

No solo, as testemunhas ouviram um boom-boom-boom, e momentos depois uma gigantesca bola de fogo descia das nuvens. Por ao menos dez minutos, pequenos pedaços de destroços do avião continuaram a cair em direção ao solo a milhas ao redor.

Em qualquer desastre aéreo tão violento quanto este, a investigação geralmente se estende por meses – mas não neste. Em 29 de maio, sexta feira, exatamente três semanas depois da queda, a Força Aérea discretamente anunciou que a investigação estava terminada e que havia sido algum tipo ‘de erro do piloto”! A Força Aéra sabia o que havia explodido seu avião radar no ar, mas eles também declararam que, “por enquanto os resultados não serão tornados públicos”.

Enquanto a Força Aérea ainda estava se recuperando da perda do valioso *EC-135N,* foi a vez da marinha ter alguma diversão. Esta alguma começando a permitir que você reúna as peças de todas aquelas excursões navais? Que tal algumas explosões etc?

Os raios de partícula são tão exatos que eles podem ser disparados na turbina de um jato, durante o vôo. Mais uma vez, o alvo russo foi um jato altamente sofisticado de guerra eletrônica. O avião envolvido foi um EA-6B Prowler baseado no super portaviões, *USS Nimitz.*

Na noite de quinta feira, 26 de maio de 1981, o *Nimitz* estava engajado em exercícios de pouso noturno exatamente fora da Costa Leste. Os pousos em portaviões são sempre perigosos, especialmente a noite; mas o EA-6B tem uma vantagem especial. Ele é equipado com um Sistema de Pouso Automático no Portavião que permite pousos seguros em condições de visibilidade zero.

Parcialmente como um resultado, os Prowlers são conhecidos como alguns dos mais seguros de todos os jatos de portaviões, mas na noite de 23 de maio uma das novas cosmosferas jumbo russas estava planando alto sobre o *Nimitz.* Esta uma das duas armadas com a arma de raio de partícula neutron.

Quando o EA-6B se aproximava do *Nimitz* para pousar, a cosmosfera aguardava. No momento crítico da abordagem final, a cosmosfera disparou. O invisível raio neutron instantaneamente matou a tripulação de três e temporariamente desarranjou os sistemas eletrônicos do avião.

Ficando subitamente sem orientação, o jato se inclinou a direita e caiu no deck cheio de aviões. O resultado: 14 mortos, 48 feridos e 20 aviões destruídos ou danificados. Foi o pior desastre em deck de vôo da marinha desde a década de 1950.

EUA PROVOCA A RÚSSIA

Durante estes tempos houve muita conversa fiada sobre ‘segurança nacional”. O que isto significava? Poderia haver tal coisa como Segurança Nacional sem Sobrevivência Nacional?

Uma coisa divertida – nossos líderes continuavam a nos dizer que o que ameaçava a nossa segurança nacional era a Rússia. Enquanto não estamos olhando, eles se viravam para provocar a Rússia. Aqui está um exemplo:

O super portaviões *Nimitz* entrou no porto muito brevemente depois da queda em chamas do EA-6B. Ele entrou no porto em 28 de maio e saiu novamente apenas dois dias depois, em 30 de maio. A história oficial era que ele estava se dirigindo para o Caribe para exercícios continuados.

O *Nimitz,* contudo, tinha ordens de ir para o norte, não para o sul. Em uma partida drástica do procedimento normal, um grupo de transportadores americanos foi ordenado para a Noruega e Mar de Barrents, exatamente na porta da Rússia. Era esperado que o emprego fosse breve, mas de fato era mais perigoso, para dizer o mínimo. Era um ato insano de bravata dos bolchevistas americanos, como jogar sal em uma ferida aberta.

Os russos haviam tido o dia deles e não queriam empurrar vantagem mas indubitavelvente chegaria o tempo quando o empurrão iria longe demais.

MENTIRAS: GRANDES ENTÃO E GRANDES AGORA

As mentiras sobre Segurança Nacional eram grandes então e são grandes agora. Quanto mais eles fingem gastar em segurança nacional, menos segurança nós temos. Aqueles que secretamente controlam o destino da América [e assim do mundo] não podem manter a verdade e isto é porque apenas a verdade pode começar a afrouxar nosos laços.

Havia muita coisa acontecendo naquele tempo e não tenho tempo para mencionr tudo. No Irã, na América Central, Israel, etc. Em janeiro de 1982, a Rússia renovou a guerra geofísica envolvendo modificação atmosférica e terremotos artificiais. Algo que está acontecendo agora mais do que nunca. Partes do Canadá sofreram tão extremas condições de nevasca, que uma emergência nacional foi declarada.

Por mais de quatro anos as plataformas de armas eletrogravídicas russas chamadas cosmosferas tinham estado planando alto sobre os EUA. Elas primeiro anunciaram sua presença ao criar gigantescos booms ao longo das costas. Seus números continuavam a se multiplicar e elas patrulhavam continuamente sobre todos os tipos de áreas alvo estratégicas americanas.

Nossos planejadores americanos bolchevistas planejaram abater tantas cosmosferas quanto possível usando lasers de alto poder, quando veio a guerra. Até o final de 1981, era impossível para nós até mesmo detectar a presença das cosmosfras flutuando acima.

Elas eram invisíveis ao radar normal, exceto se muito próximas, mas pelo final de 1981, um programa tinha vindo com um sistema que algumas vezes podia detectar as esferas e permitir a mira a laser. A nova técnica foi chamada “Infravermelho aperfeiçoado por computador”. Era um meio extremamente sensível de detectar o calor da radiação liberado pelas cosmosferas. Isto foi reconhecido pelo acrônimo CEIR

Em um anoitecer de 12 de janeiro de 1982, um teste completamente operacional foi realizado contra uma cosmosfera que estava patrulhando sobre a área central de New Jersey. CEIR foi usado para mirar um laser de alto poder baseado no solo na cosmosfera e então o laser foi disparado. Uma seção da cosmosfera irrompeu em chamas azuis-esverdeadas.

Na medida em que as chamas começaram a se disseminar, a tripulação acelerou a cosmosfera na direção da costa porque todas as cosmosferas tem ordens estritas de não cairem em mãos não russas e eles estavam com pressa de alcançar o mar. A cosmosfera atingida foi vista sobre uma grande área a leste da Pennsylvania e central de New Jersey.

Ela tinha estado planando em uma altitude de mais de 40 milhas, mas caiu rápido. Sua concha semi rígida começou a se enrugar. Ela passou sobre Atlantic City em baixa altitude e caiu na água a apenas umas poucas milhas da costa. Muitas testemunhas assistiram os restos da cosmosfera se queimarem flutuando na superfície da água por aproximadamente dez minutos. Todo o incidente criou uma sensação na região local mas o porta-voz oficial do governo tratou isto como um usual não evento!

O primeiro abate de uma cosmosfera criou ondas de choque no Kremlin. Foi decidido muito rapidamente que uma mensagem clara seria enviada ao Pentágono que eles pagariam caro se o incidente se repetisse.

Os russos sabiam que um laser tinha atingido a cosmosfera deles e então no dia seguinte [13 de janeiro] um Boing 737 da Air Florida, vôo 80, com especialistas em laser a bordo caiu em Washington, D.C. O avião caiu em uma ponte apinhada, se quebrou em pedaços, e afundou no rio momentos depois da decolagem do Aeroporto Nacional durante uma tempestade de neve. O desastre matou 74 das 79 pessoas a bordo e quatro outras em veículos na ponte. Talvez você se lembre de ter assistido algumas tentativas de resgate.

A guerra não é divertida?

ACOMPANHANDO ACIDENTES

Então se seguiram uma cadeia de acidentes e quase acidentes – todos eles supostamente inexplicáveis. Todos os quatro jatos de demonstração Thunderbird da Força Aérea sofreram queda. Um Boeing 737 na Califórnia caiu muito longe de seu caminho de vôo, aparentemente sem causa, e estreitamente um desastre perdido ao bater em alguma linhas elétricas.

E o mais estranho de todos, um DC-8 da Japan Air Lines caiu na Baía de Tóquio em 9 de fevereiro durante os momentos finais de sua abordagem de pouso. Era um dia perfeito para voar, claro e ensolarado. O DC-8 estava apenas a 1.000 jardas do toque no solo, voando gentilmente. Não havia problemas mecânicos.

Repentinamente, o piloto agiu como se estivesse ofuscado. Relatadamente ele alcançou acima e reverteu o impulso de dois dos quatro motores do jato. O grande jato colocou o nariz para baixo; se esmagou nos postes de luz que marcavam o caminho de aproximação e caiu na água rasa; 24 pessoas morreram e outras 150 ficaram feridas.

Mais tarde, no hospital, o piloto disse que ele tinha tido um blecaute, O co-piloto relatou que ele também, repentinamente se sentiu aturdido, mas lutou e permaneceu consciente.

Repentinamente houve uma divulgação de informação a respeito de UFOs e acobertamentos de visitantes alienígenas e assim por diante.

RAIOS NEUTRON

Os raios neutron interompem os instrumentos eletrônicos e também os sistemas nervoso e mental das pessoas. Os russos estavam dizendo de fato aos bolchevistas americanos do Petágono: “Se vocês abaterem qualquer outra cosmosfera não haverá lugar onde se esconder…”

Em fevereiro de 1982, haviam três facções principais de poder lutando para se tornar “o rei da montanha”. Uma facção era aquela do cartel de Rockefeller – o complexo multinacional do Grande Petróleo, Grande Banco e Grande Negócio.

Uma outra facção era o Eixo Bolchevista-Sionista com sedes partilhadas entre a cidade de New York e Jerusalém.

A terceira facção era a dos novos governantes da Rússia que haviam expulso a maioria dos bolchevistas antes no poder lá.

O CARTEL ROCKEFELLER-RUSSO

Um novo relacionamento operacional estava em andamento entre os novos governantes da Rússia e o Cartel de Rockefeller. O arranjo, contudo, desmoronou pouco antes da conclusão.

O novo arranjo era um de, basicamente um acordo de não prejudicar um ao outro como matéria de política deliberada. O principal objetivo era livra-los [os russos e o cartel de Rockefeller) de lidar com o agora inimigo mútuo, os bolchevistas americanos que haviam infiltrado as posições chave de fazer política em Washington.

A área principal na qual o cartel de Rockefeller podia ser útil ao russos era na esfera econômica. A política externa dominada pelos bolchevistas americanos nos EUA era uma política de inanição econômica contra a Rússia e os satélites dela. O cartel de Rockefeller estava em posição de parcialmente enfraquecer estas políticas ao cooperar economicamente com a Rússia e o comércio Leste Oeste.

A guerra econômica americano bolchevista contra o bloco soviético estava aparentemente correta então na condição difícil da Polônia. Os bolchevistas americanos estavam finalmente tendo sucesso em usar a União Trabalhista Solidariedade para levar a Polônia a uma lei marcial. A lei marcial estava sendo usada como uma desculpa para fazer o povo polonês sofrer até mesmo mais nas mãos da América. Um mal disfarçado embargo de comida estava em lugar nos EUA contra a Polônia. Até mesmo ração para galinhas eram seguradas para criar um desastre para as próprias granjas polonesas. Todo o que era possível estava sendo feito para levar o povo polonês a um desespero tal que uma revolta aberta irrompesse.

O colapso da Polônia oferecia uma ameaça militar à Rússia e foi também um dreno econômico. Os novos governantes da Rússia estavam trabalhado com uma economia centralizada e incômoda deixada pelos bolchevistas expulsos. Isto não podia ser mudado da noite para o dia e assim os russos estavam vulneráveis a guerra econômica. Para evitar o desastre econômico, os russos estavam empurrando duro por novos meios de levantar moeda ocidental. Um tal movimento era um maior golpe nas seguranças dos Tesouro dos EUA mas, a longo prazo, os russos queriam estabelecer laços econômicos mais estáveis e benéficos mútuos com o Ocidente.

O OLEODUTO SIBERIANO

A peça central da direção econômica da Rússia se tornou o oleoduto siberiano para a Europa Ocidental. Era um projeto de 25 bilhões de dólares, o maior entre a União Soviética e o Ocidente. Ele ficaria pronto em 1984.

Os bolchevistas estavam tentando parar completamente o projeto do oleoduto, mas o cartel de negócios e petróleo de Rockefeller estava trabalhando diligentemente para ajudar o projeto a ir adiante. Em meados de febereiro a Câmara de Comércio dos EUA, a muito tempo um órgão de relações públicas de Rockefeller, foi a público sobre o oleoduto. Chamou o embargo de Reagan contra o equipamento do oleoduto uma estatégia de guerra econômica contra a Rússia.

O “Comitê Conjunto Econômico” do Congresso endossou o projeto do oleduto e na Europa, as companhias americanas multinacionais de petróleo estavam se alinhando para apoiar o oleoduto – todas elas, exceto uma, a Mobil Oil. Diferente dos outros membros do Cartel de Rockefeller do Grande Petróleo, a Mobil Oil na Alemanha Ocidental tinha estado publicamente se opondo ao oleoduto o que, de fato, era por si só mais interessante.

Para os russos, o oleoduto era uma questão de sobrevivência econômica e, com toda a guerra no horizonte, o Kremlin não tinha paciência com aqueles que diziam uma coisa e faziam outra. Os russos viram a posição da Mobil contra o oleoduto como uma encruzilhada, de efeito pendendo para o lado dos bolchevistas na América. Os governantes russos decidiram dar a Mobil Oil fortes razões para repensar sua posição, e rápido.

Na quinta feira, 11 de fevereiro, o navio russo de conteiners *Mekhanik Tarasov,* partiu de um porto em Quebec, Canadá, para Leningrado. Ele foi na direção nordeste subindo o Rio St. Lawrence, então através do Golfo de St. Lawrence para o Atlântico.

Depois de beirar a costa sul de Newfoundland, o *Tarasov* estabeleceu o curso leste para nordeste. Este curso foi escolhido para ficar muito perto da maior plataforma de petróleo semi-submersa mundial, passando-a o sul. Supõe porque? A plataforma era a *Ocean Ranger,* operada pela Mobil Oil. Supostamente não podia ser afundada – exatamente como o *Titanic.*

O *Tarasov,* como muitos outros navios mercantes russos, possuia capacidade militar que não era admitida. Na medida em que ele se aproximava da plataforma de petróleo em uma tempestade crescente, ele disparou um torpedo guiado ao alvo com uma ogiva nuclear de nível baixo na direção da plataforma.

Exatamente antes de 1:00 A.M. daquela manhã de segunda feira, 15 de fevereiro, o torpedo alcançou seu alvo: um dos gigantescos pontões submersos. As explosões nucleares sob a água são muito mais confinadas do que aquelas no ar e esta uma estava bem oculta pelos ventos com força de furacão e ondas esmagadoras. Um buraco foi aberto no pontão e a *Ocean Ranger* começou a se inclinar para o lado.

A tripulação deu uma dupla chamada pelo rádio; meia hora depois eles relataram que estavam tripulando os botes salva vidas. Mas a *Ocean Ranger* construída pelos japoneses estava destinada a ser a plataforma mais não afundável do mundo! Um canto da plataforma superior afundou na água e então parou. A plataforma permaneceu flutuante, escorada em um ângulo maluco.

As pessoas rudes pararam de tomar os botes salva-vidas, esperando que, afinal, os botes não fossem necessários. Então uma cosmosfera planando sobre a pataforma mirou o canto que havia afundado na água. Uma poderosa explosão de sua arma carregada de raio de partícula abriu um buraco no canto parcialmente submerso. Imediatamente, a *Ocean Ranger* afundou. Foi tão rápido que era tarde demais para que os botes salva-vidas fossem lançados com sucesso e todos foram perdidos.

O cargueiro *Tarasov* continuou no curso depois de afundar a plataforma. Os russos esperavam que o cargueiro estivesse longe antes que qualquer um entendesse o que aconteceu, mas eles calcularam mal!.

Por volta das 2:00 P.M. daquela mesma tarde de 15 de fevereiro, um submarino americano de ataque estava se aproximando do *Tarasov.* O submarino disparou um único torpedo contra o *Tarasov,* atingindo-o no costado. A água entrou pelo buraco gigantesco abaixo da linha de água e o cargueiro começou a afundar. Como a tripulação da cosmosfera que foi abatida em New Jersey, a tripulação do *Tarasov* tinha ordens estritas de proteger os segredos de seu navio e assim o capitão russo recusou ajuda de um cargueiro dinamarquês próximo, na medida em que seu navio afundava com seus segredos.

Bem, Mobil Oil certamente recebeu a mensagem, e apenas dois dias depois, a Mobil Oil fechou outras duas plataformas de petróleo que tinham estado próximas e as rebocaram para terra firme.

Recomendo que você dê uma olhada em todos os acidentes de derramamento de petróleo que tem acontecido.

COMANDO RUSSO DO ESPAÇO E DA LUA

Em 05 de fevereiro de 1982, o Vice Presidente Bush se tornou evidente por uma viagem a Cape Canaveral, Flórida. Ele foi fotografado com astronautas dentro de um laboratório de ciência espacial orbital europeu chamado “Space Lab.” Estava planejado colocar o Space Lab em órbita por meio do transportador espacial em 1983. Bush também anunciou que o vôo número 3 do transportador espacial estava programado para 22 de março de 1982. Era suposto ter uma semana de duração.

Para consumo público, os porta-vozes da NASA estavam continuando a fingir que o transportador estava meramente realizando descansados testes de vôo. Nos foi dito que o Programa do Transportador Espacial era basicamente um pacífico programa civil, a despeito de todas as tripulações militares voando os transportadores. Mas a imagem pacífica do Programa do Transportador Espacial era uma completa mentira. O fato era que os vôos do transportador espacial a caminho eram parte de um acidente, er, desculpe-me por isto, o programa dos EUA para reconquistar um pé militar mantido no espaço.

Os EUA tinham sido virtualmente fechados para o uso militar do espaço pelos russos desde 1977. O domínio espacial russo por aqueles quatro anos anteriores e mais adiante tinha sido ressaltado por inúmeros vôos espaciais tripulados. Estes incluiam cosmonautas de nove países, além da Rússia.

Enquanto isto, os EUA ficaram mais de cinco anos sem admitir qualquer tentativa de vôo espacial tripulado. Os russos, com os espetaculares vôos espaciais de longa duração na órbita da Terra foram suficientes para construir o prestígio aos olhos públicos mas o Programa Espacial Soviético envolvia muito mais do que publicamente revelado.

Desde meados de outubro de 1977, a Lua tinha sido um posto avançado russo. Haviam sete instalações de raios de partículas tripuladas no lado próximo e ao menos uma grande base do lado distante. No passado, missões regulares iam e vinham da Lua para ressuprir as bases e fazer a rotação de tripulações, e vagarosamente mas seguramente, o Kremlin estava avançando em seu caminho em direção às novidades nos noticiários sobre seu controle da Lua.

Eles já estavam começando a lançar pistas sobre isto como no exemplo de uma publicação circulada nos EUA e chamada de *Soviet Life* em fevereiro de 1982. Ela declarou: “Hoje as espaçonaves transportam entre a Terra e a Lua com maior frequência do que o fizeram as primeiras viagens ao Novo Mundo.”

No topo da página estava uma foto noturna de um vaso lunar pronto para sair de um cosmódromo russo. Abaixo estava uma foto da Terra vista do espaço e entre as duas a declaração em negrito destinada a dar uma outra pista sobre os vôos para a lua que afirmava, “De uma distância de 70.000 quilômetros acima da Terra, o planeta parece pacífico e indefeso. A meta comum é proteger nosso lar verde e azul.”.

Amigos, “satélites” não são usados em altitudes de 70.000 quilômetros. A mais alta órbita que é geralmente útil para os satélites da Terra é a órbita geossincrônica dos satélites estacionários sobre o equador. 70.000 quilometros é quase duas vezes mais longe da Terra. A única vez que uma espaçonave alcança esta distância da Terra é quando está a caminho da Lua ou um outro planeta.

O interesse russo no espaço se estendia muito além dos fatores militares. Os planos dos novos governantes russos eram de colonização do sistema solar. Estes planos estavam indo adiante incessantemente: de fato, naquele tempo havia duas espaçonaves russas se aproximando do planeta Vênus e enviando de volta uma corrente incessante de relatos dos homens a bordo.

Os russos visaram primeiro Vênus, não Marte. Este foi o primeiro alvo além da Lua para colonização experimental. Agora você pode entender melhor a inabilidade de nosso governo em permitir o “Telescópio Hubble” no espaço? Os russos começaram a pousar naves não tripuladas em Vênus em 1975! Eles sabiam alguns fatos chave que eram desconhecidos pelos EUA em 1982, quando o Programa do Transportador estava começando.

Em 1978 os russos começaram uma série vôos espaciais orbitais tripulados de duração crescentemente longa que foram amplamente publicados. Eles foram gradualmente estendidos para seis meses e mais para aprender quão bem as tripulações aguentariam as viagens interplanetárias. Em 1981, os vôos espaciais orbitais de longa duração estavam completos. Os russos haviam aprendido tudo que realmente precisavam saber.

Em 30 de outubro e 4 de novembro de 1981, duas espaçonaves russas foram enviadas a Vênus. Ambas naves eram tripuladas por cosmonautas russos e ambas estavam preparadas para pousar em Vênus na primeira semana de fevereiro de 1982.

A comparação dos programas espaciais dos EUA e da Rússia era um estudo de trágicas ironias. Era dito aos americanos que o transportador espacial era primariamente um programa de orientação civil, mas ele realmente era militar. Nos estava sendo dito que isto era o primeiro transportador espacial reutilizável do mundo, mas o transportador na realidade estava sendo perdido a cada vôo.

Nos era dito que o transportador espacial nos havia posto anos a frente da Rússia, mas estávamos realmente anos atrás. Frequentemente nos era dito que os nossos governantes queriam apenas atividades pacíficas no espaço, mas eles estavam fechando quase todos os programas científicos espaciais civis. O custeio continuava para um ou dois projetos pacíficos que eram tão visíveis para serem cancelados sem tumulto, tal como o do telescópio espacial. O acompanhamento dos projetos para explorar o sistema solar estava sendo descartado porque ele em nada contribuia para os planos de guerra de nossos líderes.

Nos era dito que na mente dos russos nada havia além de guerra e de conquista, mas eram os russos, não os americanos, que naquele momento tinham duas equipes de cosmonautas prontos para pousar em Vênus. Eles estavam indo lá por razões que nada tinham a ver com guerra.

Os russos estavam explorando a terra de Vênus. Eles estavam indo lá para explorar o sistema solar simpesmente porque isto estava “lá fora”. Os novos governantes da Rússia acreditavam que era destino do homem se mover para o espaço. A urgência em explorar que motivara seus ancestrais vikings estava viva e bem no Programa Espacial Russo. O único pregador real de igualdade para os EUA era de alguma forma dobrar economicamente os joelhos da Rússia a assim orquestrar guerras civis.

Sei que você achará difícil ou impossível acreditar nisto. Porque você não tenta provar que eu estou errado? Ou melhor ainda, porque você não decide descobrir por própria conta o que está acontecendo?

Você pode tentar ler *SOMEBODY ELSE IS ON THE MOON* de George Leonard, Little, Brown & Co. *Publishers Weekly* que disse no livro, “Leonard tem recebido pistas de um ex cientista da NASA sob o pseudônimo (o livro dele *Deep Throat*), e as fotos dele de “a foto assombrada do barril da NASA,'” são verdadeiramente perplexantes quando alguém começa a ver o que ele vê: plataformas imensas aparentemente ‘minerando” a Lua; estranhas geometricidades, marcas, símbolos, luzes, evidência de mudança e movimento”.

Ou obter as fitas e livros de Richard Hoagland tais como Hoagland’s *Mars, Vol. 3, The Moon-Mars Connection* (…nossos achados mais recentes na Lua”).

Em 16 de fevereiro de 1982, o transportador espacial foi movido para fora para a plataforma de lançamento em Cape Canaveral, cinco dias antes do programado. Este seria o terceiro transportador americano a ser usado. O primeiro, de fato, foi o real *Columbia* e foi destruído em abril anterior. Ele foi substituído pelo transportador de treinamento *Enterprise* que pousou na Base da Força Aérea Edwards e foi levado para a Flórida. O vôo do *Enterprise* em novembro anterior foi apenas uma medida de ‘preencher a brecha’ enquanto um terceiro transportador podia ser extensamente modificado.

O novo transportador em Cape Canaveral era um dos três transportadores secretos de White Sands. Ele havia sofrido uma extensa modificação desde que o primeiro transportador sofreu o desastre, dez meses antes. Ele parecia o mesmo do original *Columbia,* ao menos à distância, mas na verdade o transportador era muito diferente.

O transportador que estava na plataforma estava armado até os dentes para a batalha. A missão básica do terceiro transportador era a mesma do primeiro, quase um ano antes. Seu carregamento era uma estação robô de batalha disparadora de laser pesadamente blindada e destinada ao reconhecimento espacial sobre a Rússia. As armas espaciais russas acabaram destruindo todos os satélites espiões americanos quase quatro anos antes.

Isto significava que os planejadores americanos da guerra estariam atirando quase cegos contra a Rússia se eles começassem uma guerra sem de algum modo adquirir novos dados de reconhecimento. O transportador espacial estava tentando resolver este problema ao obter um novo satélite endurecido em órbita. Era disto que se tratava os transportadores espaciais – tentativas de reconhecimento de forma que a guerra nuclear pudesse ser lançada.

Depois que cada transportador decolasse da Flórida, ele seguiria uma curva de lançamento longa para o norte para imediatamente voar sobre a Rússia. Os planejadores militares bolchevistas americanos acreditavam que se eles pudessem uma vez colocar seu novo supersatélite espião em órbita, teriam feito o trabalho. Eles estavam confiantes que ele podia sobreviver aos ataques das armas espaciais russas tempo suficiente para enviar grandes quantidades de dados de reconhecimento e quanto tivessem a informação, o Pentágono estaria pronto para levar a América para a guerra.

Na primavera de 1981, o *Columbia* foi destruído antes que o satélite espião pudesse ser empregado. Similarmente, a missão disfarçada do *Enterprise* em novembro de 1981 foi um fracasso, mas os planejadores militares do transportador acreditavam que desta vez seria uma história diferente com seu transportador No. 3 se preparando para o lançamento.

Na baia de carga deste transportador estava uma nova estação de batalha e reconhecimento robô como a anteriormente descrita. Havia também um laser adicional montado no fim da baia de carga, exatamente atrás do compartimento da tripulação. Era um laser dinâmico de gás fluoreto de hidrogênio montado verticalmente, mirando para cima. Era equipado com uma cabeça rotatória consistente em espelhos que podiam mirar o raio ao redor de um amplo alcance de ângulos. O laser de fluoreto de hidrogênio na baia de carga pretendia principalmente proteger o transportador enquanto ele subia em direção à órbita.

O *Columbia* tinha estado sob fogo logo antes de alcançar a órbita. Analistas de inteligência nos EUA tinham eventualmente obtido bastante informação sobre o que aconteceu para decidir instalar o laser na baia de carga.

Na medida em que o transportador sobe, o ar fica mais fino chegando a quase nada muito antes dos motores do foguete pararem. No momento mais cedo possível, as portas modificadas da baia de carga que não tinham dobradiças no terceiro transportador, abririam por explosivos especiais. Na medida em que as portas da baia de carga flutuassem para longe do transportador, isto deixaria a metade superior da baia de carga aberta. O laser da baia de carga estaria pronto para disparar daquele momento em diante. Ele era equipado pelo mesmo sistema chamado CEIR como descrito anteriormente.

Já que um laser equipado dessa maneira tinha com sucesso abatido uma cosmosfera em janeiro de 1982, os planejadores do transportador acreditavam que ele poderia com segurança alcançar a órbita. Uma vez em órbita, os planejadores acreditavam que as principais ameaças ao transportador seriam os interceptadores orbitais russos Cosmos. Estes satélites assassinos tripulados eram responsáveis por haverem limpado os céus dos satélites espiões americanos. Para lidar com esta ameaça, houve verdadeiras modificações radicais no terceiro transportador.

Seja como for que tenha sido discutido o transportador espacial, sempre foi enfatizado que os astronautas do transportador podem trabalhar em mangas de camisa – sem necessidade de roupas espaciais porque correr em um transportador era quase como estar em uma aeronave comercial. Não desta vez.

Quando o Cel. Jack Lousma e o Cel. C. Gordon Fullerton subiram ao transportador, eles estariam em trajes espaciais. E ainda mais, eles precisariam de seus trajes espaciais porque a cabine deles não seria pressurizada. Toda a parte inferior frontal da nave deles abaixo do deck de vôo tinha sido transformada em uma baia de armas. Tão logo o transportador alcançasse a órbita, o nariz abriria para o vácuo do espaço, o nariz se dobraria para baixo e para trás, algo como certas aeronaves de carga cujos narizes se dobram para cima da carga e descarga.

Tal logo o nariz se abrisse, um complexo sistema a laser emergiria. O sistema tinha cinco seções tubulares miradas para cima, para baixo, para cada lado, e diretamente para frente. Cada tubo laser tinha uma cabeça rotatória em espelho para o raio mirar como aquele laser da baia de carga mencionado anteriormente. Uma vez empregado, o Sistema de Laser do Nariz seria capaz de disparar em quase qualquer direção, a única exceção seria um estreito corredor na parte de trás do transportador.

O Sistema de Laser do Nariz foi descrito como um ponto nuclear de laser de plasma hélio com cinco ressoadores. O pacote de energia nuclear poderia disparar qualquer um dos cinco tubos de laser a um dado tempo. Ele não era tão poderoso quanto o laser da baia de carga, mas, diferente do laser da baia de carga, o Sistema Laser do Nariz podia operar por um longo tempo, em base intermitente e os planejadores do transportador acreditavam que isto seria poderoso o bastante para incapacitar os satélites assassinos russos tripulados.

Sob a proteção do sistema de Laser do Nariz, Lousma e Fullerton eram para empregar o satélite espião robô. Logo este fosse empregado, eles retornariam a Terra em uma pequena cápsula tipo Gemini de reentrada. A parte do plano era a mesma apontada para o primeiro vôo. Enquanto isto, o transportador permaneceria em órbita.

O Sistema Laser do Nariz foi programado para se manter direto em destruir qualquer interceptador russo Cosmos que viesse dentro do alcance. Ele continuaria a fazer assim até ser destruido ou o laser nuclear se esgotasse, o que poderia levar um longo tempo. Isto constituiria uma chateação muito perigosa no espaço, e os russos teriam pouca escolha a não ser destruir isto. Os bolchevistas americanos esperavam que os russos perdessem montes de espaçonaves e homens antes de terem sucesso.

GUERRA NUCLEAR NÚMERO 1

Se os planejadores militares estivesem certos nos cálculos deles, a terceira missão do transportador podia se tornar uma batalha real no espaço. Se eles estivessem errados, eles planejavam tentar novamente. A quarta missão já estava programada para 4 de julho. Depois disso, não importa o que acontecesse com o transportador espacial, eles estavam planejando ir em frente de qualquer modo e criar a Guerra Nuclear Número 1.

Durante os feriados de 1981 de Ação das Graças para 1982. Três crises maiores estavam nos cercando. Primeiro, havia histórias sobre um alegado atirador líbio em assassinato de líderes principais do governo dos EUA; segundo, havia uma medida de força militar na Polônia; e terceiro, logo que os olhos do mundo piscaram na Polônia, veio a anexação ilegal por Israel das Colinas Sírias de Golã.

Na superfície, estas três crises podem parecer não estar relacionadas, mas de fato estavam e estreitamente. Embora certamente não parecessem estar. Cada uma dela era uma consequência do complexo plano secreto de guerra da junta militar conjunta dos EUA e Israel!

Até mesmo desde o início da primavera de 1981 este plano de guerra era nos relatado, o público, pelo grande acobertamento que cairia sobre nós e seria enterrado para que ninguém ouvisse sobre ele e os comunicadores da verdade foram presos, ridicularizados ou simplesmente mortos e os cidadãos pareceram não perceber – pior, nem nos preocupamos em nos livrar destes instigadores da guerra.”

Os conflitos pretendiam escalar gradualmente até que o tempo estivesse maduro. Então um primeiro ataque nuclear americano seria lançado contra a Rússia. A guerra nuclear começaria como se fosse acidental. As forças nucleares americanas não entenderiam que elas estavam disparando os primeiros tiros da guerra nuclear. Ao invés, elas receberiam falsa informação que desencadearia uma total retaliação contra um inexistente ataque russo!

O prelúdio desta guerra toda nuclear foi planejada para incluir uma Guerra no Oriente Médio. O plano conjunto de guerra dos americanos bolchevistas e dos planejadores militares israelenses, a guerra do Oriente Médio era uma responsabilidade de Israel. Isto estava fazendo de Israel o olho do furacão crescente de violência.

A crise continuou a crescer, aparentemente sem controle. Para Israel, a prioridade era fazer tudo possível para destruir os acordos de paz de Camp David. Isto é porque o Presidente Sadat do Egito foi assassinado umas poucas semanas antes [6 de outubro].

Por dezembro nos foi dito que um grupo de três dos seis atiradores já se pensava estarem nos EUA. Foi declarado que eles iam atirar no presidente e vários outros principais oficiais do governo. Os EUA abateram dois jatos líbios e mataram uma criança, filha de Khadafy, tentando programa-lo como um homem louco. Estes planos tinham o objetivo de nos levar mais perto de uma guerra nuclear.

Os velhos bolchevistas da Rússia que ganharam o controle das políticas militares dos EUA tinham estado tentando desencadear uma revolução na Polônia. Eles primeiro tentaram fazer assim ao subverter a Igreja Católica Romana e já um turbilhão estava se cozinhando em fogo baixo no Vaticano. Aproximadamente três semanas depois, uma tentativa foi feita para tornar a Igreja Católico Romana fortemente anti-russa em suas políticas. Em 28 de setembro de 1978, 3 dias depois de sua eleição, o Papa João Paulo I foi morto por envenamento, ainda que nos tenha sido dito que ele morreu enquanto dormia.

Em minha newslleter de fevereiro de 1979, divulgação do *Doomsday Club News & Intelligence Report* , disse que havia evidência de que o Papa João Paulo I tinha sido assassinado e que o Papa que o sucedeu era um agente da KGB! Malachi Martin escreveu um livro popular sobre o novo Papa, *THE KEYS OF THIS BLOOD,* mas o que você não sabia era que Martin era um judeu usando um nome falso e que o novo Papa não era o que parecia ser! Um livro chamado *IN GOD’S NAME* de David Yallop veio em 1984 com prova do assassinato do Papa anterior e Lawrence Patterson em sua newsletter revelou que o farsante judeu estava usando o nome de Malachi Martin.

Para aqueles que ainda tem uma cópia da minha newsletter, porque não checar comigo: na página 6 de fevereiro de 1979 eu disse, “o atual Papa [João Paulo II] não durará muito. Eu enfatizei isto – o atual Papa durará provavelmente menos do que cinco ou sete anos. Sim, errei, eu sei, ele ainda está aí. Mas deixe-me citar um livro chamado *BLOOD AND ASHES,* um Phoenix Journal, que na página 133 diz: “Os bolchevistas dentro do Vaticano que engenheiraram a eleição dele, queriam apenas sua imagem potencialmente anti-russa, não o próprio homem e assim ele também, foi despachado por envenenamento e substituído por um dublê em 21 de novembro de 1978. O novo Papa ator então começou a divulgar uma corrente incessante de declarações contra a alegada repressão russa contra a Polônia”.

“Os bolchevistas americanos planejaram completamente usar o poder deles no Vaticano para criar o que seria conhecido como “a Revolução do Papa” na Polônia… A inteligência russa foi capaz de substituir o Papa ator bolchevista pelo seu próprio dublê”.

Yallop, em seu livro na página 301, diz: “Muitos milhões de palavras tem sido escritas desde a eleição de Karol Wojtyla em tentativas de analisar e entender que tipo de homem ele é. Como pode ser visto, ele é o tipo de homem que pode permitir homens como Villot, Cody, Marcinkus, Mennini, de Strobel, de Bonis, e Poletti permanecerem no cargo. Não há defesa com base na ignorância. Marcinkus responde diretamente ao Papa, e é inconcebível que o Papa não soubesse do grau de culpa que cabe a Marcinkus.” Marcinkus, meus amigos, foi membro da Máfia judia de Cicero, Illinois que eventualmente ganhou controle dos bilhões de dólares do Vaticano. E matou o Papa anterior. Você não ama a religião e os pregadores?

O FALSO PAPA

O falso papa estava programado para visitar a Polônia e estabelecer uma revolução, mas a inteligência russa foi capaz de parar isto. Tendo sua intriga no Vaticano estragada naquele momento, os planejadores bolchevistas na América começaram uma rota diferente.

Os agentes deles dentro da Polônia começaram uma agitação para uma união trabalhista independente a ser conhecida como Solidariedade. O Solidariedade foi criado unicamente para o propósito de criar condições cada vez piores na Polônia até que um confronto inevitável seria criado com o governo. Eventualmente eles foram bem sucedidos e a lei marcial foi declarada.

As notícias sobre a lei marcial na Polônia alcançaram o Ocidente no domingo, 13 de dezembro de 1981. No mesmo dia em que o governo de Begin em Israel lançou a terceira crise de natal. Naquele dia, o governo israelense anunciou sua decisão surpresa de anexar as Colinas de Golã.

As Colinas de Golã estão ao longo do canto nordeste da fronteira com a Síria e são território sírio. Elas tem sido ocupadas pelas tropas israelenses desde a guerra de 1967 e então os assentamentos civis israelenses as tem ocupado, mas pela lei internacional, as Colinas de Golã pertencem a Síria.

Como sempre, o governo de Begin defendeu suas ações em termos de arrongante auto-direito como tem feito troça da regra da lei!

Mundialmente, a reação foi a condenação universal de Israel, e dentro do próprio Israel havia um amargo criticismo. Os EUA estavam na mais difícil posição de se mostrar publicamente. O tempo se esvaia enquanto urgentes decisões secretas eram tomadas sobre como gerenciar publicamente a situação.

Então, em 18 de dezembro, os EUA anunciaram que suspenderiam “indefinidamente” o alegadamente novo acordo de cooperação estratégica com Israel. Em resposta Israel cancelou o novo acordo com a América.

Por um acordo mútuo a portas fechadas, os EUA e Israel bateram uma pose de longo braço para consumo público. Isto especificamente tinha o propósito de livrar as mãos de Israel para agirem sem restrição mais tarde.

O Primeiro Ministro de Israel Rabin resumiu com as palavras: “A anexação das Colinas de Golã é o começo do fim de ‘Camp David’.”

Bem, naquele tempo, todos os planos dos bolchevistas americanos e dos sionistas em Israel estavam em andamento. Eles estavam preparando o irromper da guerra no Oriente Médio para antes do fim do verão de 1982. De lá, passo a passo, eles planejavam fazer o conflito escalar com outras crises continuando a se multiplicarem mundialmente.

Em 6 de julho de 1982 o governo israelense anunciou que tropas americanas seriam enviadas ao Líbano, se necessário. Horas depois, Reagan anunciou que, “Sim, a princípio, ele estava preparado para enviar Marines como parte de um ‘acordo de armistício’.”

A PISCINA SUJA

Para consumo público, eram dadas garantias que isto seria feito sob certas situações confortantes. Supostamente, os Marines seriam enviados para temporariamente policiarem o armistício, não para o combate, e somente se todos os lados concordassem com a presença deles.

Isto não soa como uma reedição – “Estamos lá para asegurar que o Iraque não invada o nosso irmãozinho, a Arábia Saudita” e “Estamos no Haiti apenas para preservar a Democracia” ?. O Iraque não tinha intenção de invadir a Arábia, então ou mais tarde. Saddam Hussein foi chamado ao Kuwait para proteger os interesses dos kuwaitianos de serem absorvidos pelos interesses dos EUA e um colapso trazido pelas notas seguintes default dos kuwaitianos aos banqueiros. Uma piscina suja.

No dia seguinte uma carta de aviso contra o envio dos Marines foi enviada a Reagan pelo Presidente Soviético Brezhnev. Era um aviso críptico que não continha ameaças. Em linguagem diplomática dizia simplesmente: ‘Não faça isto.’

Os avisos anti-guerra de Moscou foram se tornando crescentemente urgentes e frequentes. Em 7 de julho, Brezhnev avisou para que os Marines não fossem enviados ao Líbano e isto foi divulgado, e somente seis dias mais tarde o aviso de Ustinov contra o primeiro ataque nuclear americano foi divulgado. Isto não lhe surpreende? Você não se lembra das pequenas porções dos noticiários?

Os avisos anti-guerra da Rússia não incluiam apenas palavras mas também ações, meus amigos. O Kremlin era governado por homens que sabiam que palavras sem ações eram inúteis contra os bolchevistas americanos. Isto era o motivo porque eles estavam dando os avisos um mês antes que as medidas preventivas russas devam ser esperadas começarem a ocorrer. Estas medidas preventivas estavam prontamente a caminho, na forma de ataques de aviso para enviar uma mensagem clara e limpa.

O primeiro destes ataques de aviso aconteceu na manhã de domingo de 27 de junho de 1982. Milhões de americanos assistiam o lançamento do transportador espacial número 4 pela televisão. Você assistiu até que os dois propelentes sólidos de foguete se separaram e cairam fora do transportador. Momentos depois, uma cosmosfera jumbo que estava acompanhando a distância o transportador, disparou duas rápidas explosões nos propelentes que caiam e que não estavam mais visíveis na televisão.

A arma de raio das cosmosferas abriu um buraco no lado de cada concha de 18 milhões de dólares do propelente. Um avião C-130 da Força Aérea estava rastreando os propelentes e viram seus paraquedas abertos, mas quando os propelentes atingiram a água eles continuaram afundando. Graças aos buracos que tinham precisamente explodido em seus lados – eles certamente não flutuaram. As equipes de recuperação observavam sem esperança na medida em que os 36 milhões de dólares em hardware espacial afundava em vários milhares de pés de água.

Embaraçados funcionários da NASA tentaram explicar a perda dos dos propelentes do transportador com a mentira de que seus paraquedas não abriram.

AVISOS!

A *Encyclopedia Brittanica Book of the Year* fala deste incidente: o quarto lançamento do “*Columbia* do Centro Espacial Kennedy foi em 27 de junho, com os astronautas Thomas K. Mattingly e Henry W. Hartsfield, Jr. Fittingly e eles pousaram em 4 de julho na Base da Força Aérea de Edwards na Califórnia, cumprimentados pelo Pres. Ronald Reagan e aproximadamente 500.000 cidadãos. Um problema maior ocorreu quando os dois foguetes propelentes cairam no Atlântico, aparentemente por causa de falhas nos paraquedas. Contudo, não houve perigo para o *Columbia*. Experimentos incluiram um a ser desenvovido por uma companhia particular. Ele era destinado a produzir certos farmacêuticos continuamente de alta pureza. Os astronautas também ajudaram a salvar o primeiro “portal espacial” quando um circuito defeituoso evitou que a energia alcançase a lata.”

Enquanto isto, as mensagens russas de fato eram claras. Se os russos tivessem querido, teriam destruído o prório transportador na televisão nacionalmente, nada menos; ao invés, escolheram explodir somente os foguetes. Eles estavam poupando a face do nosso governo para uso mais vantajoso durante os anos seguintes. Eles certamente tem gerenciado fazer tudo muito bem, às nossas custas.

A seguir veio o desastre da Aeroflot em Moscou seguido da represália em 9 de julho do jato da Pan Am em New Orleans (um Boeing 747 da Pam Am se acidentou com 145 pessoas a bordo em Kenner, LA, pouco depois da decolagem de New Orleans, explodiu, e caiu em quatro ruas residenciais: o acidente, que matou 153 pessoas, incluindo 8 no solo, foi o segundo pior desastre na história americana, envolvendo um único avião). Ambos eventos eram atos de guerra – a guerra secreta que ambos os lados estavam começando a mencionar abertamente em público. A mensagem russa aos bolchevistas americanos aqui estava: “vocês não estão tão seguros quanto fingem estar.”

Seis dias mais tarde os russos relembraram aos bolchevistas nos EUA de suas capacidades combinadas em guerra geofísica, uma sabotagem disseminada aqui. Já em 1977 tinhamos sido avisados que os russos estavam em campanha de plantar minas nucleares onde eles podiam destruir incontáveis represas ao redor dos EUA. Estes aparelhos ainda estão lá, esperando pelo uso ao pressionar um botão de um gatilho do detonador, bem como fora do nosso alcance e controle.

Como podem trabalhadores subversivos entrar em nossas fronteiras sem nosso conhecimento? Eles não podem. Há agentes russos da KGB demais em nossa CIA como americanos. Nosso governo pensou, naquele tempo, que as minas eram um grande blefe porque foram os próprios russos que anunciaram a presença delas ao nosso governo.

Em 15 de julho de 1982, o Kremlin disse, “Pense novamente” para o Pentágono bolchevista. Naquele dia o norte do Colorado estava enfrentando incríveis tempestades, produto da modificação atmosférica russa. As represas na área estavam tensas para afastar a acometida da água. Então uma mina sub-aquática de baixo efeito foi detonada na base da Represa de Lawn Lake. A represa explodiu e as águas inundantes desceram o cânion e atingiram a cidade de veraneio de Estes Park. O governo freneticamente tentou encobrir seus rastros ao dizer que estava preocupado com a represa, mas o desastre veio realmente sem qualquer aviso porque a represa foi instantaneamente arruinada pela explosão.

MAIS AVISOS

No dia seguinte houve outro tiro de aviso russo. Desta vez ele foi expresado na velha linguagem de guerra naval, atualizada para a Era Espacial.

Quando os confrontos ocorrem no mar, as vezes um vaso de guerra disparará um tiro através do arco de um outro vaso. O tiro é destinado a mal raspar o navio, passando exatamente na frente dele. Um tiro através do arco talvez seja a mensagem militar mais inconfundível na face da Terra. Isto significa: ‘Pare imediatamente ou será destruido.”

Em 16 de julho um DC-19 da United Airlines decolou de Boston para Los Angeles. Entre os passageiros do grande jato estavam certos membros chave do grupo governante bolchevista aqui na América.

Por algum tempo o vôo continuou sem incidentes mas na medida em que o jato voava na direção oeste a 39.000 pés, uma cosmosfera russa estava estacionada para intercepta-lo. A cosmosfera planava a várias milhas, fora do lado do caminho de vôo do jato e a umas poucas centenas de pés acima dele. A arma de raio de partículas carregada da cosmosfera foi mirada horizontalmente para disparar um tiro através do arco do veloz DC-10.

Na medida em que o jato se aproximava, a tripulação da cosmosfera carregou a arma de raio para uma explosão de máxima energia em modo defocado. Isto produz uma violenta explosão aérea como aquelas ouvidas naquele inverno, ao longo da Costa Leste e em outros lugares. Precisamente no exato instante, a cosmosfera disparou seu tiro através do arco do DC-10 que vindo.

Esta tremenda explosão aérea exatamente acima da altitude do DC-10 criou uma enorme onda de choque para o ar que descia. Um instante depois, o jato voou para dentro disto. Os passageiros mais tarde disseram aos repórteres que ele ouviram um big bang, então o avião inteiro sacudiu como se empurrado para baixo por uma mão gigantesca. Todo mundo que não estava usando o cinto de segurança foi atirado no teto, que é um longo caminho para um DC-10. Muitas pessoas ficaram feridas, algumas seriamente; então o episódio acabou tão rápido quanto havia começado.

O jato voou para Los Angeles sem incidente posterior – mas para certos indivíduos no avião o tiro através do arco significou um claro aviso! Isto certamente significou algo para o pessoal militar e do governo porque eles tinham sido avisados que isto aconteceria. Isto dizia claramente: “Pare agora seus planos de guerra ou vocês serão destruídos.”

O próximo tiro de aviso ocorreu em 22 de julho. Ele foi destinado aos especialistas em armas entre os bolchevistas americanos nos EUA. Naquele dia o primeiro teste de vôo de pleno alcance do novo míssel Pershing-2 do Exército aconteceu em Cape Canaveral. O Pershing-2 é um míssel nuclear que a administração Reagan queria colocar na Europa onde pudesse atacar a Rússia. A Europa seria usada como plataforma de lançamento.

Uns poucos segundos depois que o Pershing-2 subiu de Cape Canaveral ele foi banhado em radiação neutron de uma cosmosfera russa acima. Lembre-se, a radiação neutron desarranja todos os tipos de equipamentos eletrônicos. Como resultado, o sistema de orientação do Pershing-2 ficou maluco.

O míssel que subia virou de lado e então começou a correr pelos adoráveis céus da Flórida. Dezessete segundos depois da decolagem, o Oficial de Segurança de Alcance apertou o botão de auto-destruição e o míssel explodiu.

A mensagem russa para os bolchevistas nos EUA foi muito clara de fato. Os planos de usar mísseis para destruir a Rússia não teriam sucesso. A tentativa de fazer isto apenas faria chover a destruição sobre a própria América.

GUERA NUCLEAR NÚMERO UM

O Eixo Reagan-Begin de bolchevistas e sionistas pretendiam manipular estas crises, e as que viessem, para pavimentar o caminho para a guerra. Repentinamente, certas crises se combinariam para desencadear uma cadeia de eventos que levasse a Primeira Guerra Nuclear. A junta militar conjunta do Pentágono dos EUA e Israel estava trabalhando em uma rápida cronometragem para tudo isto. Eles estavam planejando o tempo final para meados do verão de 1982, para que começasse a sequência final: o cumprimento do plano estava marcado para setembro.

Isto envolveria conflitos regionais no Oriente Médio que gradualmente escalariam para engolfar os superpoderes. A coisa toda estava sendo criada para fazer parecer inevitável a guerra nuclear. Ao menos a própria guerra nuclear irromperia entre os EUA e a Rússia. Isto seria feito para parecer acidental, mas como já detalhamos no passado, a primeira guerra nuclear começaria com um ataque americano á Rússia.

A partir deste ponto, os secretos planejadores da guerra nos EUA tinham estado esperando que levaria muitos meses para a construção final da guerra seguir seu curso. Por exemplo, a guerra no Oriente Médio podia ser desencadeada pelo verão de 1982, mas levaria até a primavera de 1983 para que a resultante guerra nuclear irrompesse. O plano realmente havia sido mudado e pelo inverno de 1982 ocorreram dramáticas mudanças no planejamento secreto da guerra a caminho na América.

A cronometragem para a primeira guerra nuclear foi acelerada em muitos meses para ter o inverno como aliado. Isto foi quando a data alvo foi estabelecida para meados de setembro de 1982. Havia pouco mais do que seis meses do lançamento do terceiro transportador espacial e assim a desesperada necessidade de vigilância para informação de inteligência a respeito da União Soviética. Bem, então um maior golpe de inteligência foi conseguido pelos bolchevistas americanos que permitiria o alvejamento bem acurado.

Dois generais soviéticos de alto escalão foram estimulados a sair da Rússia e levados a Washington. Estes dois homens eram bolchevistas que os novos governantes da Rússia falharam em detectar e expelir. Na linguagem da inteligência, eles permaneceram como “manchas” no aparato militar da Rússia.

Agora eles haviam sido trazidos para a América e trouxeram com eles uma riqueza de dados sobre a atual postura militar russa. Gaças a estes dois antigos generais russos bolchevistas os secretos planejadores da guerra nos EUA agora tinham bastante informação.

Se eles pudessem obter mais dados dos vôos dos transportadores espaciais números 3 e 4, quanto mais melhor, mas se nenhum destes vôos fosse bem sucedido, os planejadores da guerra não pretendiam esperar mais e seguir com a inteligência de solo. Eles queriam fazer uso da inteligência obtida dos dois generais russos enquanto elas estavam recentes e as mudanças não podiam ser feitas na União Soviética por aqueles que suspeitassem da traição. Portanto, a linha final para o ataque aos russos foi reprogramada.

Se os EUA tivessem entendido e ouvido, todos nós teríamos entendido que o quarto lançamento era a linha da encruzilhada para a contagem regressiva para a guerra.

CONTAGEM REGRESSIVA PARA A GUERRA NUCLEAR 1

No início de 1982 houve uma tremenda luta oculta que estava dividindo o governo americano. De um lado estavam os bolchevistas americanos cujo agente operacional chefe de governo era o Secretário de Defesa Caspar Weinberger. Do outro lado estava o Cartel de Rockefeller, cujo chefe no governo e porta-voz era o Secretário de Estado Alexander Haig. Weinberger e Haig estavam constantemente em oposição nos noticiários, e pior, em particular. Pego no meio de tudo isto estava o fantoche, o Presidente Reagan.

Reagan foi instalado pelo Cartel de Rockefeller mas veio a ficar grandemente sob controle bolchevista depois da tentativa de assassinato em março de 1981. Por volta de fevereiro de 1982, os militares americanos eram dominados pelos bolchevistas, mas nem sempre havia sido assim.

Por 1982 um plano para um golpe militar apoiado pelo cartel de Rockefeller foi novamente colocado em movimento e desta vez era um programa intensivo. O cartel de Rockefeller não podia suportar permitir que seus inimigos bolchevistas tivessem sucesso em estabelecer uma guerra nuclear; portanto, o golpe militar devia ocorrer antes do quarto vôo do transportador espacial, planejado para o verão de 1982, porque a guerra estava programada imediatamente a seguir do vôo.

O homem que estava a cargo das preparações do golpe militar era o general de quatro estrelas do exército que era também Secretário de Estado, o General Alexander Haig. Se você se lembrar, a Guerra pelas Ilhas Falkland [Malvinas] ocorreu a este tempo e os bolchevistas estragaram o golpe. Haig foi exonerado e o bolchevista George P. Shultz ocupou seu lugar em 25 de junho.

GUERRA DAS FALKLANDS

Você precisa saber os fatos por trás da Guerra pelas Ilhas Falkland, o disparo do *U.S.S. Liberty* pelos israelenses, o turbilhão na América Central, os desenvolvimentos na direção de uma guerra Irã-Iraque, a Líbia de Kadhafi, Afganistão, Polônia etc. As coisas não eram e não são o que você pensa que sejam, amigos!

Tenho mencionado sobre dublês [substitutos]. Por exemplo, em 6 de março a BBC citou um artigo do *London Times* questionando se Khomeini ainda estava vivo ou não. O artigo expressou suspeitas que as fotografias falsas estavam sendo usadas mostrando o dublê de Khomeini.

QUANTOS DEDOS VOCÊ VÊ?

Lembro, acredito, que o artigo estava no *Reader’s Digest, um artigo que disse que quando Khomeini estava no exílio em Paris, ele tinha perdido um dedo. Quando ele mais tarde voltou ao Irã, ele tinha todos os dedos. Khomeini era bem um operador de milagre, você não acha? Ou alguém poderia estar trapaceando?

O Eixo Reagan-Begin, em conluio com seus parceiros sionistas em Israel, estavam indo de vento em popa tentando iniciar uma guerra nuclear.

O Projeto Manhattan veio de uma decisão de fazer a bomba [no dia anterior a Pearl Harbor em dezembro de 1941), para trabalhar uma bomba que explodiu em Hiroshima em agosto de 1945. E isto foi antes dos computadores.

Em 1982, um novo programa foi iniciado similar ao Projeto Manhattan. Isto foi chamado de programa “Stealth” [invisibilidade] e, surpresa das surpresas, teve sucesso no mesmo ano! Ele teve sucesso por causa do imenso poder de computação da Corporação de Controle de Dados dos computadores Star 100 e Cray (uma ramificação do Control Data).

O ramo mais secreto do Programa Stealth era desenvolver uma aeronave que seria invisível a mais do que apenas ao radar. Elas deviam ser invisíveis até ao olho. Estes aviões de guerra invisíveis fantasmas levaria especial equipamento eletromagnético.

Você vê, já havia a capacidade, porque a Rússia tinha o “know-how” para tornar invisíveis as cosmosferas e os Interceptadores Cosmos. Tudo o que era realmente necessário era obter mais desertores e a maioria dos desertores tinham um preço com o qual barganhariam.

O equipamento incluia magnetos [imãs] supercondutores que eram mantidos a temperaturas perto de zero. O equipamento criogênico cria um campo eletromagnético enormemente poderoso ao redor da aeronave. O campo é projetado segundo os princípios da “Teoria do Campo Unificado” de Einstein.

Einstein nunca terminou completamente esta Teoria de Campo, mas ela foi estudada por técnicas numéricas usando os computadores Star 100 e Cray e outros e a integração se tornou um simples jogo. Por este método, o bastante pôde ser aprendido, acoplado com a informação roubada, para aplicar a Teoria do Campo Unificado aos novos aviões de guerra “Phantom”.

Pense nas possibilidades magnificentes. O tempo é uma função da medida do movimento das coisas – átomos, matéria e coisas. No zero absoluto, os átomos param de se mover. O tempo para. Quando os átomos se aceleram em relação aos arredores, o tempo se acelera. A frequência é tudo.

Quando você entende as regras, coisas maravilhosas são possíveis. Para dicas das possibilidades, estude o Philadelphia Experiment e o Projeto Montauk. Leia *A BRIEF HISTORY OF TIME* de Stephen Hawking ou *HYPERSPACE, A SCIENTIFIC ODYSSEY THROUGH PARALLEL UNIVERSE, TIME WARPS, AND THE 10TH DIMENSION* de Michio Kaku.

Isto é o porque o governo deve manter oculta a aeronave Stealth como um segredo de segurança nacional. Eles tem revelado parte do segredo dizendo que a forma das superfícies afetam a assinatura ao radar, para explicar os ataques no Iraque e assim por diante, mas eles não querem que você saiba o resto dos segredos. Ao revelar isto muito, eles evitaram que o programa Stealth fosse examinado pelo Congresso.

Sob este programa eles podem enviar 22 aviões a batalha e os 22 aviões retornam. Missão cumprida! Você não vê todos os outros que foram para a batalha e aqueles que são perdidos, são feitos de forma que você veja o mesmo número retornar.

Quando o campo da invisibilidade é ligado, um avião de guerra “Phantom” é envolvido por um tipo de bolha eletromagnética. A luz que atinge o campo vinda de qualquer direção se divide, se reune novamente do outro lado e segue. O efeito disto é como o de uma pedra no riacho – a água fluindo na direção da bolha se divide, vai ao redor dela e então se reune novamente do outro lado.

Quando você não vê nada, a luz pula do objeto e atinge seus olhos. Seus olhos então reconhecem o padrão. Se algo vem entre você e o objeto, você não pode ver isto. Mas se a luz do objeto vai ao redor da obstrução, você vê o objeto original, mas não a obstrução. Isto é como funciona o Phantom, embora de perto eles sejam muito pouco detectados enquanto de longe sejam totalmente invisíveis. Você agora entende porque tantos avistamentos UFO são borrados?

O Radar se comporta do mesmo modo da luz, apenas em um cumprimento de onda diferente. Então os aviões Phantom são invisíveis a luz e ao radar, a menos que eles desliguem seus campos. Isto explica alguns dos booms sônicos relatados onde não há avião visível.

Os russos, contudo, podem ver através destes campos usando sofisticados detectores de raios infravermelhos.

Os aviões Phantom são completamente imunes a laser porque um laser é apenas um raio de luz intensa. Um campo de invisibilidade também dá proteção contra o sistema de raio de partícula russo na habilidade de rastrear mas o plano é um tiro pela culatra, porque os russos já tinham desenvolvido a tecnologia do escudo anti-invisibilidade. Ordinariamente as partículas carregadas são muito mais fáceis de defletir do que a luz, então os raios de partícula carregada não são páreo para o escudo defletor de luz. Ah, mas quando você obtém raios neutrons pulsados você realmente obtém um punhado de problemas.

E então restam apenas as armas de raio neutron. Os raios neutron da Rússia penetrariam o escudo de invisibilidade, mas os meios que eram ensinados terem sido encontrados para escudar contra a radiação neutron bem o suficiente para tornar os raios neutron ineficazes em parar um avião de guerra Phantom. Isto foi concebido como verdade por causa do escudo tremendamente eficaz que seria parte do projeto básico do avião de guerra Phantom por meio do qual o avião primeiramente tinha que ser localizado para que fosse disparado o fogo. O projeto básico exigiria uma tal escudagem sofisticada para evitar o desarranjo dos instrumentos eletrônicos, bem como a tripulação, se fosse uma nave tripulada.

Então o resultado do programa seria construir uma nave que seria indetectável aos meios convencionais e era acreditado que seria invulnerável a todas as armas de raio da Rússia. Estas armas de raios haviam sido a chave da superioridade militar russa desde 1977, e então o avião de guerra Phantom era a arma esperança para atacar a Rússia no planejado ataque nuclear.

O avião de guerra Phantom tinha reconhecidamente um maior inconveniente. Deste modo, sua maior força também poderia ser sua maior fraqueza. Quando o campo da invisibilidade era ligado, as ondas de luz que vinham não atingiriam o avião; ao invés, a luz flui ao redor do avião. Isto é o que torna o avião invisível aos observadores a distância mas, ao mesmo tempo, o campo evita que ondas de luz externas alcancem a cabine do avião. Em outras palavras, o piloto não pode ver nada fora do avião [fora do campo de invisibilidade]. Ele é exigido pela lei física fazer o vôo cego.

Havia apenas uma técnica conhecida no Ocidente pela qual o avião Phantom podia ser navegado. Ela é chamada de “Orientação Inercial“, uma técnica usada nos ICBMs. Na Orientação Inercial, um sistema computadorizado mantém o rastro de todas as forças e manobras vivenciadas pelo veículo. Ao adicionar isto ao correr do tempo, o sistema calcula onde isto está sem referência do mundo externo. Para um avião de guerra Phantom, o problema da Orientação Inercial é muito difícil. O sistema de orientação deve operar por várias horas enquanto o avião voa para o alvo. Isto dá muito tempo para erros serem construidos o que enviaria o avião fora do curso, mas o problema foi dito ser resolvido suficientemente para utilizar os aviões Phantom no ataque.

A nova Teconologia de Orientação Inercial tem sido desenvolvida usando laseres no lugar dos velhos giros mecânicos usados nos ICBMs, e então o projeto super secreto do avião de guerra Phantom tinha basicamente tido sucesso no conceito – e, para todos os intentos e propósitos, agora tinhamos uma super arma. Ela era revolucionária, os protótipos estavam voando e um programa apressado de produção já estava a caminho pela década de 1980. Os secretos planejadores de guerra esperavam ter uma frota operacional pronta no verão de 1982. Este era um item regular na curta cronometragem para a guerra.

Por causa da orientação inercial, dados de reconhecimento absolutamente acurados eram totalmente críticos para o planejamento da guerra. Quando os aviões Phantom decolassem para atacar a Rússia, eles teriam que ter conhecimento anterior do tempo exatamente de onde o alvo deveria estar. Portanto, por um ano o transportador espacial havia feito uma tentativa desesperada de obter a necessária informação dos alvos do espaço. Seriam os primeiros novos dados desde que a Rússia tinha destruído os satélites espiões em 1978. O transportador espacial número 3 foi mais bem sucedido em fevereiro de 1982. Os planejadores da guerra agora haviam obtido os dados mais cruciais dos alvos necessários para que o Phantom atacasse a Rússia. Como resultado, um programa de guerra inteiramente novo estava sendo preparado para a futura guerra nuclear planejada.

Os estrategistas de guerra americanos estavam ávidos pela guerra porque eles acreditavam que podiam alcançar a vitória sobre a Rússia – o conceito de vitória, contudo, não incluia o povo americano. Os estrategistas secretos da guerra estavam se preparando para sacrificar a América e a maioria de seu povo no altar do Domínio Mundial – e somente o tempo e lugar haviam mudado.

ESTRATÉGIA DE GUERRA

O novo avião de guerra radicalmente novo Phantom causou igualmente uma revisão radical da estratégia mestra da guerra com a qual os estrategistas americanos estavam contando. Elementos de várias estratégias passadas estavam sendo reunidos para criar um grande plano.

O planejamento estratégico da guerra nuclear em Washington estava sendo realizado sob o nome de “Projeto Z.” A letra “Z” foi escolhida por ser a letra final do alfabeto. Os planejadores estavam confiantes que este seria o último plano de guerra que eles precisariam contra a Rússia. O Projeto Z era tão secreto que estava sendo feito no próprio Pentágono; ao invés de por um grupo de elite de estrategistas de guerra que eram reunidos em uma sala especial de guerra no centro de Washington. A sala de guerra era oculta em uma construção que nunca seria suspeita deste propósito. Era praticamente dentro da sombra da Casa Branca.

A elite dos planejadores de guerra era um pequeno grupo. O trabalho dele era pensar em termos da grande imagem completa. Eles tinham suas impressões digitais nos terminais de computador com o qual podiam acessar qualquer informação que necessitassem do outros computadores do governo [usando o software PROMIS da INSLAW que foi roubado, por exemplo]. Isto incluia não apenas os bancos de dados do Pentágono mas também os arquivos de computador de todas as outras agências do governo.

Por maio os planejadores do Projeto Z já tinham chegado a amplos ressaltos de seu plano mestre de guerra. Detalhes incontáveis e refinamentos já estavam adiante, mas a estratégia básica já foi decidida. Esta estratégia sustenta olhar para este ponto.

A estratégia do Projeto Z para a Guerra Nuclear 1 era um plano de três fases – isto é, os planejadores da guerra pretendiam que a guerra seguisse em três fases distintas conhecidas como: Fase 1 – Iniciação; Fase 2 – Atrito; e Fase 3 – Dominação.

O maior processo estava baseado nas crescentes crises mundiais, como aquelas que levaram a Primeira Guerra Mundial. Estamos vendo este processo de vento em popa ao nosso redor. Foi planejado que estas crises se escalem nos próximos seis meses e finalmente a centelha será disparada. Os planejadores do Projeto Z estavam preocupados com os atos militares daquela centelha inicial em diante.

A Fase 1: Em seus planos, a Fase de Iniciação começaria com um ataque americano surpresa à Rússia. O ataque surpresa usaria os novos aviões de guerra Phantom. Eles seriam a chave nas consequências do resto da guerra.

No verão de 1978 a América tinha começado uma maior mudança na estratégia do primeiro ataque nuclear contra a Rússia. Seria abater as bases no solo da tríade espacial russa de armas estratégicas. Se isto pudesse ser feito, o poder militar completo russo no espaço pereceria.

Isto deixaria a Rússia e os EUA em termos mais igualitários pelo resto da guerra. O plano era usar uma combinação de subnaves ou aeronaves não tripuladas chamadas RPVs para o ataque inicial. O plano realmente era para ser tentado uns dois anos antes, mas terminou no fracasso total porque os RPVs não eram páreo para as cosmosferas russas e suas armas de raios de partículas, mas os novos aviões de guerra Phantom estavam quase prontos e o plano foi revivido em uma forma atualizada.

Pretendiam que os Phantom estivessem baseados nas portas da Rússia. Estas áreas de bases eram: norte da Noruega, leste da Turquia, e a mais crítica de todas, a província de Sinkiang no noroeste da China. Agora sabemos porque Reagan e outros se tornaram tão acalentadores com a China. Já, os laseres de alta energia estavam sendo movidos nestas áreas. Elas foram equipadas com o novo aparelho de mira chamado CEIR. Estes lasers tinham provado a habilidade de abater as cosmosferas. Elas seriam usadas para proteger os aviões Phantom da destruição no solo pelas cosmosferas.

Os aviões Phantom que seriam usados não seriam tripulados. Eles eram equipados com pilotos robôs que seriam programados para uma viagem de um só caminho. O invisível piloto robô voaria pelo espaço aéreo da Rússia invulnerável a qualquer ataque de arma de raio. Os misseis anti-aeronaves disparados contra elas seriam incapazes de atingi-los, e assim os planejadores do Projeto Z acreditavam que os aviões Phantom com os robôs alcançariam seus alvos.

Estes alvos eram os quatro cosmódromos russos para foguetes, mais várias instalações de cosmosferas na Sibéria central. Os aviões robôs invisíveis cairiam como kamikases em seus alvos. Aparentemente fora do claro céu azul, todas as bases espaciais russas repentinamente desapareceriam em bolas de fogo termonucleares.

Além das bases espaciais russas, o assalto do avião de guerra Phantom seria sempre dirigido para uma outra categoria de alvos principais. Eram as bases dos Sistema Anti-míssel de vôo. O sistema consistia de uma frota de Transportes Superssônicos TU-144 equipados com armas de raios de partícula. Eles supostamente forneceriam a linha final de defesa a Rússia contra a vinda de ogivas em misseis. Os aviões americanos Phantom seriam programados para destruir as bases dos TU-144.

A fase 1 estava continuando em uma cronometragem muito estreita para maio de 1982. Se o ataque dos aviões invisíveis tivessem sucesso, um contra ataque furioso pela Rússia era uma coisa garantida. O Projeto Z exigia que os EUA vencessem a Rússia. O inteiro arsenal nuclear americano seria disparado contra a Rússia.

Isto seria feito ao criar uma falsa indicação qe a América estava sob ataque nuclear. O método que seria empregado era conhecido como Pulso Eletromagnético ou EMP. EMP é um fenômeno associado as explosões nucleares nas bordas do espaço. As forças estratégicas foram programadas para considerar um um episódio EMP como prova positiva de um ataque russo. Sob estas circunstâncias, elas estavam instruídas para contra atacar a Rússia sem esperar ordens posteriores.

Na cronometragem do Projeto Z, as explosões dos aviões Phantom na Rússia seriam seguidas momentos depois por detonações nucleares na América do Norte. Eles seriam lançados ao céu a partir de vários locais ao redor dos EUA para criar um violento episódio EMP. As Forças Nucleares Estratégicas, obedecendo ordens, lançariam o que eles acreditariam ser uma retaliação contra a Rússia.

Na medida em que os ACMs americanos fossem lançados nos céus sobre nossas cabeças, ainda um outro evento estaria a caminho. Tenha em mente o episódio de janeiro de 1982, quando uma cosmosfera foi abatida pela primeira vez – sobre New Jersey. Do mesmo modo, os lasers de alta energia localizados em muitos lugares nos EUA estariam abatendo tantas cosmosferas quanto possível.

Ao tempo em que os nossos ICBMs fossem lançados uns poucos minutos depois, seria esperado que muitas das cosmosferas ameaçadoras acima tivessem sido destruídas. Elas seriam incapazes de explodir todos os nossos mísseis na medida em que fossem lançadas, e muitos sobreviveriam em seu caminho contra a Rússia. O sistema de vôo ABM russo estaria fora de ação. Despida de todas as suas defesas contra um ataque de mísseis, a União Soviética logo estaria em chamas no mar das tempestades nucleares.

No plano de guerra do Projeto Z, a chegada dos ICBMs americanos nos alvos russos marcaria o fim da Fase 1, a fase da iniciação.

A FASE 2: A FASE DE ATRITO

Durante a fase 2, os planejadores da guerra divisavam um dano extremo tanto nos EUA quanto na Rússia, com a guerra graualmente correndo. Primeiramente, haveria uma chuva de ogivas mísseis russos sobre os EUA. Também haveriam ataques de mísseis sobre certos outros alvos ao redor do mundo, onde as forças militares americanas estivessem localizadas. Mas a destruição real seria dos próprios EUA.

Os planejadores da guerra do Projeto Z não esperavam que a América, como você a conhece, sobrevivesse a uma troca nuclear. Diferentemente da Rússia, os EUA não tem uma defesa civil digna deste nome, sem falar os abrigos duramente explodidos e, por causa da necessidade da surpresa total no ataque contra as bases espaciais da Rússia, as seguintes trocas de ataques nucleares viriam sem aviso. Pessoas em seu tempo livre estariam nas praias, negociantes fazendo seus acordos, donas de casa estariam nos supermercados, crianças brincando etc.

Em minha newsletter de julho de 1978 avisei que era uma política dos EUA não avisar sua população. Subitamente as sirenes de ataque aéreo podiam começar a tocar, mas seria tarde demais. A América que você conhece e ama morreria aos milhares como Hiroshimas. Os esquematizadores da guerra tem planejado tudo e somente atualizaram seus planos para se adequar as mudanças nos acontecimentos de hoje.

Enquanto vocês e suas crianças desaparecem da face da Terra, eles completamente pretendiam e ainda pretendem se resguardar de qualquer ataque que tenham causado, dentro dos bunkers de guerra do governo que foram construídos com o nosso dinheiro de contribuintes, em Camp David, Mount Weather, Pine Gap, China Lake e dúzias de outros locais. Vocês tem acesso a estes lugares? Penso que não.

4 DE CADA 5 AMERICANOS MORRERÃO

Gradualmente, em um período de muitos meses, eles plenamente esperavam que o conflito entre a Rússia e os EUA se extinguisse. Ambos os lados estariam exaustos e arruinados; ambos perderiam a capacidade de levar a guerra mais longe.

Na Rússia, a ferida seria dolorosa – mais de 50 milhões de mortos e milhões de feridos e morrendo. Mas nos EUA, a ferida seria mortal. Os planejadores de guerra do Projeto Z tinham entendido isto em seus próprios computadores . Se tivéssemos sorte, 40 a 50 milhões de americanos podiam sobreviver no fim da guerra. Todo o resto teria morrido nos ataques nucleares ou dos ferimentos e doenças. A guerra nuclear 1 tornaria a assistência médica virtualmente inexistente no que sobrasse da América.

Os bolchevistas americanos pretendiam se abrigar até que a guerra acabasse. Eles esperariam até que o ponto final fosse alcançado por ambos os lados que não poderiam mais lutar. Isto marcaria o fim da fase 2, a fase de atrito.

FASE TRÊS: FINAL

Finalmente o plano de guerra do Projeto Z se moveria para a fase final. Esta fase, de fato, seria a dominação mundial pelos satânicos parasitas bolchevistas e sionistas que já controlavam e controlam os militares americanos.

Um braço do plano anterior tinha sido a estratégia que era necessária para que os EUA dêem a impressão que estava e tornando crescentemente mais fracos, desarmando unilateralmente, fechando as bases militares e assim por diante, mas isto era somente para consumo público. O lado secreto da estratégia envolvia a real construção de armamentos, em segredo. Isto necessitava um governo secreto o qual seria criado por Jimmy Carter, Oliver North, George Bush, et al., sob a tela de fumaça da FEMA – a Agência Federal de Gerenciamento de Emergência.

Quando os bolchevistas/sionistas tomaram o poder nos EUA dos Rockefellers, eles continurama acumular reservas secretas de armamentos mundialmente, e especialmente em Israel. Foi bem planejado que na media em que a guerra começasse a irromper, todos estes armamentos seriam trazidos abertamente.

Até mesmo se populações inteiras dos EUA e da Rússia fossem destruídas, eles ainda teriam 95% da população mundial viva, e sob domínio total da elite. Ambos, bolchevista e sionistas, desprezam e repudiam os russos e os americanos e o domínio mundial pode vir dos banqueiros e cartéis globais através do dano maciço e/ou destruição de ambos maiores poderes.

Onde tudo isto deixa o nosso aliado Grã Bretanha? Pode ser que eles planejem sobreviver livres e claros no domínio mundial?

Em 30 de março de 1982, um dia por trás da programação, iamos ver um transportador pousando na Base de Misseis de White Sands, Novo México. White Sands é o verdadeiro centro nervoso do Programa do Transportador Espacial, a despeito do que a media nos diz ao contrário..

O terceiro vôo do transportador, a despeito de que transportador fez; o que representou um outro primeiro e este não foi visível na televisão. Pela primeira vez um transportador espacial tinha tido sucesso em sua secreta missão militar. Ao fazer isto, uma outra barreira foi removida no caminho da guerra nuclear. A terceira missão espacial aconteceu aproximadamente um ano depois do primeiro vôo de abril de 1981. Uma comparação entre o primeiro e o terceiro vôo é um estudo de ironias. No fiasco de abril, a publicidade do primeiro vôo era destinada a dar a impressão que isto era não naturalmente perfeito. Enquanto isso, a secreta missão militar – que vocês não viram – foi um desastre. Com o terceiro võo é um outro caminho. Do início ao fim, a publicidade emanada da NASA deu a impressão que o transportador estava pragueado de problemas. A NASA queria ser capaz de explicar se o desastre os atingisse novamente mas, a missão militar no espaço, oculta de nossos olhos, foi um sucesso e a perda de mais um transportador não foi tão deletéria para o programa como um todo.

PROBLEMAS

O transportador espacial número 3 era suposto orbitar um novo satélite espião especial. Ele foi endurecido contra o ataque das armas espaciais russas e armado com um laser controlado por robô que podia disparar de volta. Além disso, o próprio transportador foi armado com lasers em sua terceira tentativa.

A imagem pública de um vôo do transportador realmente foi vários dias antes do lançamento, graças ao tempo. Chuvas fortes atingiram a Base da Força Aérea Edwards na Califórnia, usada antes para os pousos, tornou-se um lamaçal úmido. A estreita programação militar do programa do transportador exigia que o vôo decolasse como programado, de qualquer maneira, assim, para consumo público um trem ferroviário de 23 carros carregado com equipamento foi enviado da Califórnia para o Novo México.

Ostensivamente, a NASA estava criando a sensação do momento no sítio de pouso de White Sands. Isto foi feito de forma que o papel central de White Sands no programa do transportador não seria suspeito pelo público e também deletaria a necessidade de substituir transportadores no próprio pouso porque ela é completamente fechada ao público.

O transportador espacial No. 3 decolou de Cape Canaveral somente uma hora depois da programação na manhã de segunda feira, 22 de março. Começando no momento da decolagem, a NASA começou a mentir com base em uma história de acobertamento que a missão militar devia falhar.

Primeiro você ouviu a voz pré gravada do Comandante do transportador Jack Lousma dizendo que inexplicáveis flocos brancos estavam voando depois do escudo de vento. Mais tarde, depois que o transportador já estava fora da vista, nos foi dito que um dos pacotes de energia [ um APU] não estava funcionando. Estas pistas iniciais de possíveis problemas já tinham sido gravadase para a transmissão durante o lançamento – por uma razão. Havia o medo que o transportador pudesse ser destruído pelas armas espaciais russas antes de alcançar a altitude de órbita.

Se isto tivesse acontecido, os gerentes do transportador queriam ser capazes de iniciar um acobertamento que não revelaria a situação militar; mas como isto se mostrou, as preparações realizadas por meio de nova manobra radical já discutida, o transportador ao menos alcançou a altitude apropriada.

Quando o transportador No. 3 decolou, ele se dirigiu para o nordeste. Cameras de longa distância o acompanharam até que os dois foguetes sólidos se separaram e cairam. Então, na medida em que o transportador desaparecia da vista, começava sua longa virada para o norte. Ele ia em direção de uma órbita quase polar e assim teria que passar sobre a Rússia. Este era o mesmo plano de vôo do passado, mas desta vez uma nova característica crítica foi acrescentada.

Menos de trinta segundos depois que o transportador desapareceu das câmeras de TV, as portas da baia de carga foram explodidas completamente. Isto abriu um campo de fogo para o laser defensivo na frente da baia de carga. Então o transportador e seus gigantescos tanques externos começaram a girar vagarosamente em uma versão da era espacial de um barril rolando.

Na Segunda Guerra Mundial, os pilotos de caça usavam o barril rolando para evitar as balas dos aviões inimigos. Similarmente, o transportador espacial usou um barril rolando para se proteger contra o provável ataque das cosmosferas russas. Ao rodar como um saca rolhas, o transportador tornava impossível para a cosmosfera se aproximar de qualquer direção. A manobra do barril rolante era uma muito arriscada, contudo, para o transportador. O transportador e o tanque não eram projetados para acrobacias aéreas na mente, mas os cálculos mostraram que ele sobreviveria ao giro vagaroso, e de alguma forma ele o fez…

Uma das maiores questões sobre o giro do barril era o que isto faria aos astronautas Lousma e Fullerton. Era exigido deles que suportassem estes estonteantes giros por seis minutos. Ao mesmo tempo, o transportador ainda estava acelerando com mais de três vezes a força da gravidade; e por causa do projeto peculiar do transportador e do tanque de combustível, os giros eram de fato adoecedores.

Os médicos militares espaciais sabiam que na melhor das hipóteses Lousma e Fullerton estariam muito doentes por algum tempo depois de alcançar esta baixa órbita. Sua corrida selvagem giratória terminaria abruptamente na falta de peso. Esta é uma combinação garantida de desarranjo de equilíbrio de até mesmo o mais capaz astronauta. Nada remotamente como isto já havia sido feito. Os médicos estavam altamente preocupados que até mesmo se os dois sobrevivessem a missão e voltassem a Terra, poderia haver um dano permanente no equilíbrio deles.

Quando a órbita foi alcançada, eles de fato ficaram violentamente doentes. Este é o motivo pelo qual você ouviu estes relatos sobre a náusea atacando ambos os homens. NASA queria pavimentar o caminho para uma explicação pública plausível se eles não parecessem bem quando voltassem a Terra. Ao mesmo tempo os planejadores do transportador sabiam perfeitamente bem porque eles estavam doentes. Isto é porque os porta-vozes da NASA agiram tão despreocupamendamente quando discutindo a doença espacial com repórteres. Quando eles chamaram isto de “doença do movimento”, eles estavam fazendo um grande sub-entendimento.

Lousma e Fullerton eram para começar a trabalhar imeditamente ao alcançar a órbita apropriada – doentes ou não. Seu corpartimento de tripulação extensamente modificado era para já estar despressurizado – automaticamente – com os dois homens dependendo de suas roupas espaciais. Este plano tinha que ser modificado ligeiramente quando o rolamento em barril foi acrescentado ao plano de vôo.

DIFÍCIL PARA A TRIPULAÇÃO

Quando o transportador alcançou a órbita os astronautas estavam em roupas espaciais, mas a cabine ainda estava pressurizada. Eles ainda tinham vários minutos para chegar a cápsula de escape gemini guardada abaixo. Uma vez dentro da cápsula de escape eles então despressurizavam a cabine: então o Sistema de Laser no Nariz empregado automaticamente para proteger o transportador contra qualquer ataque das armas espacias russas. Isto permitiu que Lousma e Fullerton se recuperassem da doença espacial enquanto dentro da cápsula.

Pelos próximos dois dias mais ou menos, fazer certo era sua tarefa principal. Era um período de vulnerabilidade total, dependente do Sistema Automático de Laser ainda não testado. Os planejadores queriam ter uma desculpa pronta mais tarde se o transportador fosse atacado ou destruído. Assim dias depois do lançamento vimos na TV as imagens dos ladrilhos perdidos no nariz do transportador. Segundo estas imagens, ao menos uma dúzia de ladrilhos na área negra foram perdidos.

Se isto realmente houvesse acontecido, teria sido causa de extremo alarme. Mais tarde o porta-voz da NASA minimizou isto, dizendo que os ladrilhos não eram críticos. Mas não existe tal coisa como ladrilhos negros que não fossem críticos. Os ladrilhos negros perdidos eram para suportar temperaturas de 1500 graus Fahrenheit. Sob o ladrilho nada mais há que uma peça de feltro chamado “bloco tenso de isolamento” que não resiste a cinco minutos nestas temperaturas, e sob o feltro está a pele de metal do transportador. Isto é feito de alumínio que perde sua força acima de 350 graus. Se exposto a um calor de 1500 graus pela falta dos ladrilhos, o transportador não evitaria possivelmente um dano muio severo, incapacitante, ou destruição por rutura.

FARSA PRÉ GRAVADA

Os bons filmes espaciais da NASA que vimos na TV eram uma farsa pré gravada para fornecer uma desculpa se algo fosse errado, mas não. Os astronautas se recuperaram, foram trabalhar, empregaram o novo satélite espião militar. Enquanto isto, os porta-vozes da NASA alegavam que os problemas com os ladrilhos eram menores. Se tivesse servido a seu propósito, não eram mais necessários.

Embora pelo resto da semana ouvissemos sobre um problema após outro. Supostamente as portas das baias de carga não fechariam e suponho que não, já que elas foram completamente explodidas, a toilete não funcionaria, três dos quatros canais de comunicadores não funcionasse, uma das três telas cruciais de dados na cabine falharam, etc. Nenhuma destas histórias era verdadeira; tudo isto pretendia fornecer material e história encoberta para possíveis problemas com a secreta missão militar. Mas no fim nenhum deles foi necessário e então os porta-vozes da NASA apenas afastavam como não importantes.

A secreta missão militar foi um sucesso, assim a missão fingida que foi preparada para a TV foi declarada um sucesso completo, também.

Mais tarde na noite de sexta feira, 26 de março de 1082, Lousma e Fullerton terminaram de empregar o novo satélite super-espião. Não demorou mais do que o planejado, foi feito. O transportador foi deixado em órbita e os astronautas reentraram suas cápsula de escape gemini, dispararam seus retrofoguetes e cairam da órbita para uma amerissagem no Oceano Índico. De lá eles seguiram sem parar para White Sands, Novo México.

Os diretores do transportador tiraram vantagem de uma tempestade de areia em White Sands para retardar um pouso público em um dia enquanto os astronautas eram recuperados. Então na manhã seguinte eles foram a bordo de um dos dois transportadores remanescentes em White Sands. O transportador decolou da ponta norte da imensa base de White Sands, usando foguetes sólidos. Apenas momentos antes das 11:00 A.M. fez seu aparecimento na TV. Eles voaram para o norte, cairam sobre montanhas e pousaram em uma nuvem de poeira branca. Finalmente, deppois de uma espera respeitável, apareceram Lousma e Fullerton descansados e refrescados.

No Memorial Day, 30 de maio de 1982, Richard Halloran vazou a existência do Projeto Z em um artigo no *New York Times.* O artigo dizia: “Pentágono desenha sua primeira estratégia para lutar uma longa guerra nuclear. Os fazedores de política do Departamento de Defesa em um novo plano de defesa de cinco anos tem aceito a premissa que um conflito nuclear com a União Soviética pode ser prolongado e tem desenhado sua primeira estratégia para combater tal guerra”.

Isto contudo não queria dizer lançar a guerra em três meses. O artigo continuou para mencionar que o plano era composto de um documento não publicado de 125 páginas. Era destinado a aprovação de um homem que servia diretamente a Satã, o Secretário de Defesa Caspar Weinberger.

Caspar Weinberger é um camarada muito mais interessante, mas a história dele é tão perplexante que terei que poupar vocês por uns momentos e guardar para uma outra vez. O Pentágono dos EUA era controlado pelos bolchevistas que anteriormente controlaram a Rússia. Weinberger era o mais alto agente *visível* dos bolchevistas no governo dos EUA naquele tempo.

AMARGOS RIVAIS: PORQUE OS ROCKEFELLERS TINHAM QUE SER REMOVIDOS

O plano da guerra nuclear dos bolchevistas estavam se movendo mais rapidamente, mas o governo dos EUA era uma casa dividida. Os bolchevistas tinham a oposição de seu amargo rival, o cartel de Rockefeller. O agente operacional máximo visível no governo federal naquele tempo era o Secretário de Estado Alexander Haig. A hostilidade frequentemente visível entre Haig e Weinberger era somente uma pálida sombra de uma luta mortal pelo poder por trás das cenas. Diferente dos bolchevistas, as facções dos Rockefeller não queriam uma guerra nuclear. Em uma palavra, eles não podiam tolerar isto. Eles perderiam tudo, e então a facção dos Rockefeller estava trabalhando tão fervorosamente para degolar o plano de guerra nuclear bolchevista.

Os novos governantes anti-bolchevistas da Rússia também eram contra a guerra nuclear. As atitudes anti-bolchevistas e anti-guerra nuclear do cartel de Rockefeller e do Kremlin levaram a uma coalisão limitada entre eles. O resultado mais espetacular desta coalisão Rockefeller-Rússia foi a Guerra das Falklands [Malvinas] entre a Argentina e a Bretanha.

As Falklands foram a consequência visível para encobrir o estado de guerra que ocorreu em abril de 1982. O cartel de Rockefeller e os russos uniram forças para destruÍrem certas instalações militares e reservas de armas. Este eram ingredientes chave na fase final do plano de guerra do Projeto Z.

A operação inteira começou na Ilha Georgia do Sul em 3 de abril. Com a ajuda da Argentina, uma equipe de comando conjunta Rockefeller-russa foi capaz de abater a gigantesca base naval lá. A base, construída durante a década de 1960, era originalmente controlada pelo governo americano pelo Cartel de Rockefeller mas os bolchevistas adiquiriram o controle das bases no final dos anos de 1970 quando também tomaram o controle do Pentágono Americano.

A maior base estava contida dentro de uma gigantesca caverna artificial dentro de uma montanha perto da água. Com as entradas de navios camuflados seladas, a base era a prova de bombas, mas o comando conjunto Rockefeller-Rússia teve sucesso em atacar a base ao perfurar um buraco pela montanha. Então uma compacta bomba de raio neutron russo foi inserida pelo buraco e detonada dentro da cavernosa base naval. O processo levou várias semanas. O governo Thatcher que – como o governo dos EUA – era controlado pelos bolchevistas, despachou a Marinha Real.

Primeiro, era suposto desalojar a força militar pesadamente armada conjunta Rockefeller-russos antes que esta pudessem destruir a base naval. Então, seguiria para as Falklands para a luta publicamente admitida. A Marinha Real chegou vários dias atrasada demais para salvar a secreta base da Ilha Georgia do Sul. Mas por aquele tempo o pânico do governo Thatcher já tinha comprometido 2/3 da marinha Real no Atlântico Sul. No topo disso, ao menos um navio britânico já tinha sido afundado pela Rússia em ligação com a secreta operação da Ilha Geórgia do Sul. Isto não deixou a Thatcher outra escolha que combater a Argentina, de outra forma teria sido impossível explicar o enorme emprego britânico no Atlântico Sul, muito menos as pesadas perdas que tinham ocorrido. Em 30 de abril o bloqueio britânico das Falklands estava começando. Mais tarde naquele dia o Presidente Reagan anunciou que os EUA estavam se posicionando ativamente ao lado dos britânicos. O anúncio foi uma vitória da facção de guerra do Pentágono. Dai em diante a guerra pelas Falklands começou a esquentar rapidamente .

Em 1o. de maio, os britânicos lançaram raids de bombas contra o aeroporto de Port Stanley, e em 2 de maio um submarino britânico torpedeou o segundo maior navio argentino, o cruiser *General Belgrano.* Ele afundou dentro de 24 horas, deixando um saldo mortal de 300 marinheiros argentinos. O afundamento do *Belgrano* aconteceu em um momento em que não era uma força ameaçadora para as forças britânicas. Os argentinos decidiram que era tempo de começar a jograr o “ás no buraco” contra os britânicos.

Argentina tinha recebido certas promessas em troca de tornar possível a secreta operação da Ilha Geórgia do Sul. Uma delas era a de assistência militar encoberta da Rússia contra os britânicos. Especificamente, foi solicitado que os russos intervissem em parelelo com as operações aéreas e navais dos modos destinados até mesmo mais estranhos. Desta forma os líderes militares da Argentina podem tomar pleno crédito de seus ataques e dos ataques encobertos russos aos britânicos. Ao mesmo tempo, o procedimento foi destinado para manter o papel russo na luta bem obscuro.

Simplesmente não tenho tempo para me aprofundar na verdade real sobre a guerra das Ilhas Falklands, apenas é suficiente dizer que tudo que você ouviu está a mundos distantes da verdade.

Em 24 de abril de 1982, uma outra cosmosfera foi abatida sobre as vizinhanças da cidade de New York , para assegurar que o evento de New Jersey podia ser duplicado. Isto criou uma bola de fogo de alta velocidade, descrita no *New York Times* como um possível asteróide queimando.

Quando os aviões de guerra Phantom fossem lançados contra a Rússia no dia Z , ele estariam em um enxame na direção de apenas seis alvos primários e aproximadamente uma dúzia de alvos secundários. Os seis alvos primários eram as bases espaciais russas, quatro cosmódromos em Baikonur, Tyuratam, Plesetsk, e Kaspusin Yar, e duas instalações de cosmosferas em Semipalatinsk e Novosibirsk.

Quanto aos aproximadamente doze alvos secundários, estes eram o complexo das bases de ABM russos. O sistema consistia de armas de raios de partícula anti-missel carregados a bordo dos transportes supersônicos TU-144. Os transportes foram misteriosamente removidos de serviço em junho de 1978 para conversão em defesa anti-míssel mas por setembro de 1982 o sistema estava completamente operacional. O intento era abate-los todos, se possível, para tornar os seguintes ataques americanos mais devastadores.

Alguns outros assuntos apareceram então. Foi determinado que se o ataque contra estas bases falhassem, o plano de guerra estaria condenado. Havia apenas uma localização geográfica satisfatória para lançar um ataque contra as áreas das cosmosferas russas e esta localização era a Província de Sinkiang, China. Os bolchevistas devem ter acesso a Província de Sinkiang a todos os custos, foi decidido – então – a Administração Carter inexperadamente desligou-se de Taiwan em 15 de dezembro de 1978, e repentinamente anunciou plenas relações diplomáticas com Pequim.

O FIM DO MUNDO PLANEJADO

O fim do mundo foi estabelecido para as 3 horas PM de quinta feira, 17 de setembro de 1982. Esta foi a segunda data programada para o lançamento da guerra nuclear número um. A propósito, esta era a data da Festa das Trombetas.

A exatamente 3 horas e 1 minuto PM toda a Rússia estaria no escuro, Quando o sinal do Satélite do Oceano Índico chegasse para confirmar o ataque, seria seguido dentro de um minuto aproximadamente pelo episódio eletromagnético descrito acima.

Se você estivesse assistindo TV ou ouvindo um rádio, subitamente seria uma estática horrenda e possivelmente o dano permanente dos receptores. Haveria um total blecaute de energia e os telefones estariam mortos. Os mísseis russos subaquáticos de curto alcance estavam plantados em nossas costas e nos Grandes Lagos em 1976 e 1977 (e ainda estão lá). Nós teríamos tido de 24 a 10 minutos para viver, dependendo de quão longe dos lançadores estivéssemos.

Além disso, a Rússia tinha bases na Lua e Cosmosferas acima, armadas com suas armas de raios de partículas carregadas.

Então o que aconteceu? O super satélite espião lançado em março de 1982 pelo terceiro transportador espacial tinha detectado algo muito mais intrigante na Rússia. O enigma consistia em grandes números de instalações com pequenos domos arranjadas em aneis ao redor dos estratégicos alvos russos. Havia um anel destes domos ao redor de cada cosmódromo e ao redor de cada base de cosmosfera em particular. Elas obviamente eram armas defensivas de algum tipo.

Houve discussões calorosas sobre o que elas podia ser. Realmente, elas eram armas Rail [uma railgun é uma forma de arma que converte a energia elétrica [muito mais do que a mais convencional energia química de um propelente explosivo] em energia cinética do projétil]. Não quero passar mas tempo nelas, se você quiser saber mais, faça sua própria pesquisa. A informação está disponível para o público. Por agora, apenas direi que Rail Guns não podem ser defletidas por defesas eletrônicas.

Por causa das discussões sobre a incerteza do sucesso, o ataque foi suspenso cinco horas antes do tempo de lançamento. Foi reprogramado. Foi reprogramado para a Festa das Trombetas, Rosh Hashanah, quinta feira, 20 de setembro de 1990.

Esta última data também foi reprogramada e passou.

Suponha para quando isto foi reprogramado?

Por favor reveja o primeiro parágrafo deste trabalho. Eu o copiarei para você aqui:

Quando comecei a escrever este relato, os noticiários estão falando do estranho acidente do avião da USAIR na Pennsylvania. No dia seguinte, um avião caiu em Moscou. CNN falou sobre uma bola de fogo que foi relatada de Bakersfield, Califórnia, até Medford, Oregon. Eles disseram que isto ocorreu aproximadamente 6 ou 6:15 na manhã de sábado, 10 de setembro (1994) e foi tão brilhante que a luz cintilava pelas janelas acordando algumas pessoas. Eles mostraram uma casa em San Rafael com um buraco no telhado de um pedaço de algo que caiu do céu.

Um foguete Arian foi lançado da Guiana Francesa e foi perdido, um dia antes. Vários terremotos tem ocorrido na Califórnia, inclusive um que a CNN mostrou em um mapa, a sudoeste do Lago Tahoe. Aproximadamente 15 minutos mais tarde, a CNN começou a falar sobre o Ônibus Espacial disparando lasers para a Terra e mostrou uma visão da Terra, com o Lago Tahoe no canto superior direito da tela. Se você reunir as duas coisas, então você vê que o ônibus espacial Columbia estava disparando lasers para a Terra com “propósitos ambientais’, precisamente onde os terremotos estavam ocorrendo. O Presidente foi a Camp David, e então quando o Presidente voltou (?), um avião caiu na Casa Branca. Mais tarde ele deu uma fala em uma sala da Casa Branca e então apenas ele saiu, um incêndio irrompeu na sala. Rosh Hashanah acabou de passar (setembro 6-7, 1994), e Yom Kippur está vindo (setembro 15, 1994). O Presidente tinha ordenado a 8.300 homens da Marinha, 1.800 Marines e 4.000 do Exército juntamente com 15 a 20 navios de guerra se preparassem para invadir o Haiti.

Agora, na medida em que termino este artigo, em que estou digitando, a TV está dizendo que Carter e Colin Powell tem arranjado para que a invasão do Haiti seja suspensa.

A carga lançada da Guiana era uma repetição de satélite em espelho para uma arma carregada no *Columbia.* Era para ser disparado em linhas de terremoto no sul da Califórnia para desencadear as bombas que tem sido colocadas lá, para criar terremotos. A destruição resultante permitiria que o governo trouxesse a FEMA e declarasse a lei marcial.

Há atualmente milhares de tropas russas através da fronteira no México e Baixa Califórnia. A manchete de agosto de 1994 da newsletter *Criminal Politics* diz, “O Sionismo internacional planejando guerra no México, 300 toneladas de hardware soviético chegaram a Veracruz.” Artigos recentes no jornal *SPOTLIGHT* e em vários outros jornais através do país, incluindo o *San Francisco Chronicle,* tem relatado milhares de tropas russas e equipamento militar presentemente sendo vistos dentro do U.S. Clinton que chamou dois portaviões ao Caribe e chamou Reservistas (geralmente você chama os reservistas quando está perdendo a batalha!). O satélite transmissor do transportador foi abatido por um disco voador.

O vôo USAIR que foi abatido, provavelmente por uma arma de raio russa [ o piloto disse “tráfego” e o gravador da cabine registrou o que é descrito como um som “WHOOMP, WHOOMP”] estava transportando Paul Olson, que tinha acabado de testemunhar a respeito de um futuro julgamento de drogas.

CNN está falando sobre o transportador em órbita disparando lasers para a Terra. O Presidente apenas aconteceu estar dormindo quando o avião caiu na Casa Branca e mais tarde ele deu uma fala em uma sala na Casa Branca e saiu, e imediatamente um incêndio começou onde ele tinha acabado de estar.

6 de setembro foi Rosh Hashanah e 15 de setembro foi YOM KIPPUR. Hoje, quando termino este artigo, é 18 de setembro. Hoje eu tinha que trabalhar em um show de comércio. Um dos meus clientes era um russo. Tenho um homem [cujo patrão é o Secretário de Estado Warren Christopher] falando em uma fita de video-cassete dizendo que ele plantou uma bomba nuclear sob a Universidade do Texas em Austin.

Amigos, há muito mais que posso dizer, mas estou cansado. É tempo de você começar a fazer sua lição de casa. Isto é, se você se importa.

Que você possa viver um outro dia!

O RESTO DA HISTÓRIA

Deus não disse, “o direito lhe tornará livre”. Ele não disse,”a obediência o tornará livre”. A obediência a um pregador, papa pastor ou guru não fará isto. Nem contar contas, bater gongos, sentar em posição de lotús e cantar mantras. Ele disse: ‘A verdade o libertará”. (João 8:32)

Temos perdido uma grande quantidade de nossas liberdades [e o que é mais surpreendente, poucas pessoas se dão conta disso] e muito rápido perderemos o resto. Isto significa que não há verdade suficiente conhecida e sendo ensinada! É tempo de buscarmos a verdade real.

Têm me pedido o resto da história sobre o que aconteceu com o Programa do Transportador Espacial dos EUA, assim tentarei acrescentar mais informação na medida em que tenho uma chance. Agora, continua a história.

Nos meus escritos prévios eu disse que o fim do mundo foi programado para as 3:00 PM da Festa das Trombetas [Rosh Hashanah] sexta feira, 17 de setembro de 1982.

A exatamente 3:01 PM toda a Rússia estaria na escuridão. Quando o sinal do satélite do Oceano Índico chegasse confirmando o ataque americano dos Phantom, e isto seria seguido dentro de um minuto pelo episódio de eletromagnetismo descrito anteriormente. Isto sinalizaria as forças militares dos EUA para lançarem um ataque nuclear retaliatório em escala completa contra a Rússia.

Obviamente isto não aconteceu, e eu naquele tempo não entrei em detalhe sobre o que realmente aconteceu.

Um artigo publicado pelo *NEWSDAY* disse que em 10 de junho de 1982: “O Presidente Reagan surpreendeu os aliados no encontro da OTAN ao dizer a eles que até onde ele sabia a União Soviética está em guerra com os EUA. Oficiais europeus disseram na semana passada. A declaração, que veio de um Presidente que estava expressando suas opiniões no encontro de dois dias em Bonn, foi tão surpreendente para outros chefes de Estado que eles permaneceram calados, e o Secretário Geral da OTAN Joseph Luns imediatamente adiou a sessão, segundo estes oficiais que estiveram presentes neste encontro a um mês atrás.”

Por vários anos antes a guerra já havia se enraivecido entre os EUA e a União Soviética. Apenas não havia uma admissão pública do fato de que a guerra já estava a caminho entre os superpoderes.

Em 13 de julho, o *Pravda* publicou uma fala do Ministro da Defesa Soviético Marechal Ustinov que disse que os EUA estavam orquestrando uma guerra comercial, de crédito e tecnológica contra a União Soviética. Ele também deu um duro aviso a Washington que: “…um primeiro ataque profilático com uso de armas nucleares poderia não assegurar a vitória americana.”

Isto indicava que os novos líderes da Rússia sabiam sobre o plano da administração Reagan de lançar uma guerra nuclear logo, e eles estavam preparados para derrotar o primeiro ataque americano desencadeado pelos bolchevistas se este fosse realizado. O satânico eixo bolchevista-sionista (Reagan/Begin) não ouviu. Eles foram adiante com seu plano de uma guerra nuclear.

Eles tinham um plano de cinco partes .

Parte 1 era criar o máximo de turbilhão interno na Rússia e seus satélites. Isto incluia sabotar um jato Aeroflot que caiu em Moscou em 6 de julho (você assistiu o que estava acontecendo lá?)

Parte 2 exigia um condicionamento do povo americano para a guerra (alguma coisa assim está acontecendo agora?).

Parte 3 do plano envolvia o Programa Espacial do Transportador. *Columbia STS-1* foi lançada em 12 de abril de 1981, no vigésimo anivrersário do primeiro vôo espacial orbital do russo Yuri Gagarin (e aproximadamente duas semanas depois da tentativa de assassinato do Presidente Reagan). O Columbia foi abatido por duas cosmosferas russas. Os astronautas John Young e Robert Crippen foram queimados quando ele caiu a 85 milhas ao sul de Kazan na Rússia central. Um falso pouso foi encenado na Base da Força Aérea de Edwards usando o transportador de teste *Enterprise* e atores.

*Columbia STS-2* foi lançado em 12 de novembro de 1981. Supostamente levava os astronautas Joseph Engle e Richard Truly. De fato não havia pilotos humanos a bordo. Foi abatido por jatos TU-144 russos usando armas de raio sobre o Mar Branco (perto da Finlândia em seu mapa).

*Columbia STS-3* foi lançado em 22 de março de 1982. Era suposto orbitar um novo satélite espião espacial. Era blindado contra o ataque das armas espaciais russas e armado com um laser controlado por robô que podia atirar de volta. Além disso, o próprio transportador era armado com lasers nesta terceira tentativa. Ela pousou um dia antes da programação em 30 de março de 1982 em White Sands. Isto é, algo pousou. Os astronautas Lousma e Fullerton com sucesso empregaram o novo satélite armado com o laser e então abandonaram a nave e entraram em uma cápsula de escape e voltaram a Terra amerrissando no Oceano Índico. De lá, eles voaram para White Sands, onde mais tarde eles falsificaram um outro pouso do transportador.

*STS-4* foi lançado em 24 de julho de 1982, com os astronautas Thomas Mattingly e Henry Hartsfield . Seu propósito era empregar um satélite que seria usado para confirmar o ataque dos aviões Phantom que então sinalizaria para ir em frente para o lançamento dos mísseis nucleares sobre os alvos russos. O sensor de confirmação do ataque foi colocado em uma órbita geoestacionária sobre o Oceano Índico por um foguete auxiliar. Era um satélite criogênico – isto é, era mantido emtemperaturas super frias perto do zero absoluto. Este estado frio tinha a intenção de preteger o satélite da detecção pelas armas espaciais russas que parcialmente se baseariam nos sensores infravermelhos do calor.

Por vários anos antes de 1982, os analistas da inteligência científica americana sabiam que os russos tinham uma nova tecnologia para aquisição do alvo. A técnica russa não era o radar, nem era qualquer outro meio convencional de detectar e rastrear alvos. A técnica era mortalmente acurada, confiável e, diferente do radar, impossível de estragar. Os analistas estavam convencidos que eles tinham entendido o que era a técnica russa. Eles acreditavam que fosse uma versão russa de detecção infraverelho ultra avançada aperfeiçoada por computador. Isto então foi empregado nos EUA e foi chamado de CEIR.

Logo depois do desenvolvimento, um laser americano equipado com CEIR foi usado para abater uma cosmosfera russa. Todos os objetos mais quentes que o zero absoluto emitem radiação infra vermelha. Quanto mais quente é o objeto, mais os sensores infra vermelhos os detectam. O único meio de se esconder do CEIR é, portanto, reduzir a temperatura o máximo possível. Isto é o porque o sensor de confirmação do ataque da força aérea era um satélite criogênico.

Quando o nosso governo nos diz que a carga do transportador era equipamento para espiar entre as nuvens e escudos eletrônicos ao redor de planetas e assim por diante, não acredite nisto. Eles estão tentando desenvolver uma arma que eles sentem que lhes dará vantagem quando eles lançarem uma guerra nuclear, o que eles tem tentado fazer várias vezes. O que você pensa que realmente está acontecendo com a Coréia, o Haiti, a Bósnia, o Iraque etc?

De volta a missão do transportador #4. Um sistema de resfriamento de hélio líquido foi originalmente usado para manter o satélite a apenas uns poucos graus acima do zero absoluto, reduzindo as emissões de infra vermelho a quase nada.

O projeto criogênico do satélite da Força Aérea foi o que deu aos planejadores bolchevistas da guerra tanta confiança para continuarem. Eles estavam seguros que os russos seriam incapazes de encontrar e destruir isto antes que fosse usado na guerra.

Errado! Os bolchevistas do Pentágono estavam errados sobre a nova técnica de rastreamento de alvo russa. Ela não era de todo uma técnica infra vermelha; ao invés, era um sistema revolucionário que detecta as vibrações atômicas da matéria. Os russos chamam a isto Achado de Alcance Psicoenergético [Psychoenergetic Range Finding], ou PRF. Os russos viam isto como seu segredo mestre, sua arma mais secreta. Quanto mais isto permanecesse um mistério para os bolchevistas americanos, mehor seria para a Rússia e então, quando o transportador espacial #4 lançou um sensor de confirmação de ataque em junho, os russos começaram a jogar o jogo.

EM JOGO

Ao invés de destruir imediatamente o satélite, eles permitiram que ele orbitasse com sucesso. Os russos sabiam que o satélite de confirmação de ataque não podia causar a eles qualquer mal até que a própria guerra começasse, assim ele permitiram que ele permanecesse intocado por o máximo possível. O resultado foi exatamente o esperado: a sobrevivência a longo prazo do sensor da força aérea convenceu os bolchevistas que eles estavam certos sobre a Rússia estar usando CEIR. O Pentágono tinha andado direto para o maior engano de inteligência e os russos os estavam encorajando a continuarem.

Pelo verão, agentes operacionais do Cartel de Rockefeller dentro da CIA alimentaram atualizaçãoes sobre o plano de guerra do Pentágono para os russos. Estes relatos continuavam a dizer que a cronometragem da guerra permanecia inalterável, alvejada para meados de setembro, asim o comando espacial russo deixou o sensor da força aérea neste intervalo.

Enquanto isto, os russos começaram a preparar um meio completamene não suspeito para o momento quando eles destruissem o satélite. Estas preparações tinham a ver com o serviço telefônico internacional da Rússia.

Os homens no nosso país estavam planejando um total primeiro ataque de bomba de hidrogênio contra a Rússia! Nosso governo, amigos. Eles tinham um plano reserva. Se algo acontecesse ao sensor de confirmação de ataque, eles ainda podiam dizer se os aviões Phantom haviam ou não tomado as bases espaciais russas, porque o ataque fecharia o sistema telefônico soviético!

Ou assim eles pensavam.

Para manter nossos analistas de inteligência sem supor o que estava acontecendo, os russos arrumaram uma pequena desinformação nos lugares certos. Eles criaram falsos vazamentos que haviam condições inquietantes no Kremlin, uma luta pelo poder (exatamente o que é dito estar acontecendo agora). Os bolchevistas nos EUA que sempre estiveram lutando pelo poder, engoliram completamente a isca. Primeiro, em junho de 1982 a União Soviética drasticamente reduziu o número de links telefônicos para o ocidente. Eles tabém fizeram ameaças veladas de reduzir o serviço até uma data posterior.

O seguinte maior passo era repentinamente cortar todo serviço automático de discagem de e para o Ocidente. Os bolchevistas americanos estavam atônitos mas ainda não suspeitavam do que realmente significava. Eles estavam tão preocupados com os rumores de problemas na China para se preocuparem muito com os telefones na Rússia.

Em 21 de abril a facção de Rockefeller teve um maior ganho, enquanto todos os olhos estavam na crise da guerra das Falklands. O Almirante bolchevista Bobby Inman foi forçado a sair da posição de Diretor Substituto da CIA e foi substituído pelo homem de Rockefeller John McMahon. Em 24 de junho o transportador foi lançado e no dia seguinte ocorreu um golpe quando o agente operacional de Rockefeller Alexander Haig foi forçado a resignar e o bolchevista/sionista GEORGE SHULTZ assumiu como Secretário de Estado. A guerra nuclear 1 foi marcada para 17 de setembro, a Festa das Trombetas, mas em 1o. de setembro o presidente do partido comunista Hu Yaobang lançou uma bomba no Congresso do Partido em Pequim. Ele declarou que a China não mas podia se aliar aos EUA contra a Rússia; ao invés, Hu disse que a China devia ver ambos superpoderes como iguais ameaças mas ao mesmo tempo incluiu alguma linguagem conciliatória em relação a Rússia e disse que altos oficiais russos viriam a China para começar conversas por volta do meado do mês a convite da China!

Ao descartar a aliança sino-americana, Hu Yaobang deixou claro que a secreta base de ataque americana de Stealth na China estava em sério risco.

Esta base, localizada na província ocidental de Sinkiang na China Vermelha, era essencial para o ataque pretendido às duas bases russas de cosmosferas na Sibéria. A base de guerra era a razão para o comunicado conjunto de 17 de agosto pelos EUA e China Vermelha a respeito de Taiwan.

O comunicado compreendia que os EUA descontinuassem o envio de armas a Taiwan em alguma data futura em violação aos pedidos passados de Reagan. O comunicado foi concordado para eliminar o ameaçado fechamento da base de Stealth pelos chineses, mas não foi o suficiente para satisfazer os chineses.

Em 6 de setembro o antigo Presidente Richard Nixon chegou a Pequim, acrescentando o atiçar dos problemas dos planejadores de guerra do Pentágono [pense sobre o que aconteceu recentemente com Clinton-Carter, Coréia-Haiti e tal. Pense!) Nixon a muito tinha estado cooperando com o cartel de Rockefeller.

Nixon foi a Pequim como um enviado de Rockefeller e um de muito maior credibilidade para os chineses do que qualquer um dos bolchevistas tinha. Nixon chocou os chineses ao confirmar o que as fontes russas já havia dito a eles – que a base Stealth estava para ser usada na guerra.

Nixon então os aconselhou a não fechar diretamente a base naquele tempo por temer reações indesejáveis dos felizes bolchevistas do Pentágono pelo desencadeamento. Ao invés, ele pediu que os chineses começassem a interferir com as operações na base de Stealth por instrumentos burocráticos. Esta é uma coisa na qual os chineses são extremamente bons, e eles aceitaram o conselho de Nixon.

Por volta de 9 de setembro, a base americana Stealth na província chinesa de Sinkiang estava efetivamente fora de ação. O pessoal crítico da base estava enredado na fita vermelha chinesa que evitava que eles relatassem por dever. Os chineses estavam dando pistas a Washington que tudo isto era devido a continuada insatisfação quanto a Taiwan mas a razão real era que eles não queriam ser parte de uma guerra nuclear com a Rússia e a Rússia teria tirado diretamente aquela base do mapa.

O Kremlin recebeu palavra por meio dos canais de Rockefeller em 9 de setembro que a base Stealth na província de Sinkiang tinha sido eficazmente neutralizada. A este ponto, os russos podiam descansar assegurados que até mesmo se o Pentágono continuasse com seu plano de guerra nuclear, as cosmosferas russas sobreviveriam muito bem. A crítica tríade espacial de armas estrastégicas não pode ser destruída.

No dia seguinte, sexta-feira, 10 de setembro, houve um fechamento repentino da maior parte do serviço telefônico internacional para e da Rússia mas, para enviar uma mensagem aos planejadores bolchevistas americanos da guerra, uns poucos circuitos selecionados foram mantidos abertos. Estes incluiam Leningrado, Kiev, Minsk e Tallinn. Seu significado era o fato de que nenhum destes era alvo planejado para o ataque Stealth inicial. As linhas telefônicas foram cortadas às 2:10 PM hora de Moscou. Momentos mais tarde o Comando Espacial Russo começou a trabalhar.

Uma cosmosfera jumbo russa estava estacionada em uma pseudo-órbita aproximadamente a duas milhas acima do satélite de Confirmação de Ataque da Força Aérea. Tinha estado lá por aproximadamente dois meses – desde o momento em que foi lançado em órbita da cápsula espacial #4.

Ao usar seu sistema de propulsão eletromagnética em baixo poder a Cosmosfera tinha permanecido estacionada ao invés de se afastar vagarosamente como o faria um satélite normal e, estava estacionada na medida em que estava acima olhando para baixo o satélite da força aérea, e a presença da cosmosfera nunca foi detectada.

O tempo havia chegado! A cosmosfera mirou sua arma de raio e disparou. Logo depois, em 10 de setembro, havia notícias muito ruins para os bolchevistas. No recentemente operacional Comando Espacial da Força Aérea em Colorado Springs (que usava computadores da Control Data Corporation) houve uma súbita perda de sinal de seu satélite do Oceano Índico. De início, eles não podiam acreditar que seu satélite de Confirmação de Ataque tinha sido atacado. Todos os tipos de coisas foram tentadas em um esforço de restabelecer contacto com o satélite – tudo sem resultado. O satélite não existia mais!

Contudo, a atitude deles era, isto realmente não importa. A América estava indo a ser sugada em uma guerra totalmente aniquilante de qualquer modo. Estamos falando de reações e ações a respeito da guerra planejada – não se a guerra era ou não realmente possível.

Na medida em que crescia a manhã de 10 de setembro, os planejadores do Projeto Z estavam reunidos em uma conferência de crise. A questão era: O que fazemos agora?

Alguém sugeriu continuar com o plano baseado nos telefones. “Ainda podemos ir com o plano back-up – cada alvo russo que é atacado por nossos pásaros será obliterado. Se o serviço telefônico internacional para as áreas alvo da Rússia estão subitamente cortados a zero hora, podemos assumir que nossos pássaros fizeram isto.”

Há sempre alguém que não capta a palavra. Quase todo mundo gritou para ele, “os telefones russos já estão cortados!”

Por algum tempo houve uma atmosfera de quase pânico. Alguns estavam seguros que um primeiro ataque pela Rússia era certo se seguir e que o Pentágono devia disparar o botão nuclear sem demora.

Outros argumentavam que se esta fosse a intenção do Kremlin, já seria tarde demais – os mísseis da Rússia já estariam a caminho. Alguém sugeriu que todo o plano do Projeto Z fosse abortado e reprogramado para mais tarde.

Todo mundo concordava com uma coisa: sem o sensor de Confirmação de Ataque, qualquer ataque a Rússia tinha se tornado muito mais arriscado. Depois do lançamento dos aviões Stealth da Noruega e Turquia era presumido que eles destruissem seus alvos. Mas, você vê, eles não teriam! Com o satélite de confirmação de ataque perdido, eles não teriam modo de confirmar isto, e todo o acompanhamento do ataque das forças nucleares da América podiam causar muito mais problema do que havia sido esperado. Mas nada mudou muito, meus amigos, ainda somos governados por serpentes!

Os russos mantiveram as linhas telefônicas internacionais fechadas por sete horas naquele dia. Eles queriam se assegurar que se os bolchevistas do Pentágono acionassem o botão do pânico, eles não obteriam qualquer inteligência ao monitorar os circuitos telefonônicos. Depois das primeiras duas horas do blecaute da manhã, o Scretário de Estado George Shultz foi interrogado pelos repórteres sobre isto. Shultz disse a eles, “Isto é muito sigificativo,” mas não disse nada mais.

Os idiotas ainda planejavam ir adiante com isto e este ir adiante foi programado para Rosh Hashanah. O Projeto Z continuaria na programação. Enquanto isso, todos os esforços seriam feitos para cortar através das restrições chinesas que atuavam sobre o uso da crítica base da província de Sinkiang. Ao mesmo tempo, foi decidido colocar em movimentio outros planos também, apenas para o caso que o Projeto Z devesse finalmente ser abandonado.

A contagem regressiva continuou até o Dia Z, a manhã de sexta-feira de 17 de setembro. Aproximadamente as 8:30 AM em Washington, um bem conhecido repórter de notícias nacionais foi entrevistado na estação de rádio da NBC em Washington, a WRC. O reporter do *Washington Post* chamou atenção para a guerra avisando que ele havia sabido sobre como isto foi programado e aqui foi estipulado. Ele ressaltou brevemente o plano para todo mundo que estava ouvindo na área metropolitana de Washington, e acrescentou que “se o Pentágono tivesse um tal plano, a exposição pública por meio da informação teria provavelmente reduzido as chances de isto ser realizado!”

SATÃ NÃO PODE FUNCIONAR NA LUZ!

A contagem regressiva foi suspensa a menos de cinco horas do início. Ela tem sido reprogramada e abortada ao menos quatro vezes desde então, incluindo, como eu bem entendo isto, a última vez no Rosh Hashanah (Festa das Trombetas) do mês passado (Setembro de 1994).

Quando o antigo Israel foi avisado sobre Nabucodonosor, ele disse “Somos o povo de Deus e Deus nos protegerá!”. Os sobreviventes marcharam nus para o cativeiro na Babilônia. Em 70 de nossa era, os judeus em Jerusalém disseram, “Somos o povo de Deus, Deus nos salvará” e todos morreram. Continuamente ouço boas pessoas dizendo “nada posso fazer quanto a isto; entrego a Deus, seja a vontade Dele.”. Mas Deu nos deu o livre arbítrio, não profecias. As profecias falham, a menos que você as escolha.(I Cor. 13:8). Se você se senta e nada faz, enquanto seu inimigo trabalha contra você, então você será destruído. O livre arbítrio é a Vontade de Deus. Assim deve ser.

Tenha um bom dia.

ARTE II

Muitos que leram “Fogo Vindo do Céu” (Partes 1-14) ficaram chocados com a história. Alguns disseram: “não acredito nisto” ou “não pode ser!”

Mas é verdade, queira você acreditar ou não. Para aqueles que desejam um melhor entendimento, tentarei partilhar algumas coisas que tenho aprendido. Revelarei aqui mais coisas que o governo americano deseja manter top secretas.

O material de Fogo Vindo do Céu falou das cosmosferas anti-gravidade, naves invisíveis, e outras coisas muito além, tais como “Achado de Alcance Psicoenergético”. Antes que você faça um julgamento sobre as coisas que você não conhece, porque não tentar aprender com isto? Este material é para aqueles entre vocês que desejam aprender e pesquisar mais sobre o assunto.

A MARAVILHA DO ESPAÇO VAZIO

Muitos cientitas principais recentemente estão falando sobre “Universos” vindo à existência do nada e tal. Como pode ser isto, este pensamento não é uma forma de insanidade?

Aqueles entre vocês que completaram suas aulas de lavagem cerebral [acredito que vocês as chamem de cursos universitários] uns poucos anos atrás, podem não estar cientes que os cientistas principais estão agora discutindo sobre coisas vindo à existência do nada etc.

*Science News,* de 18 de fevereiro de 1995, em um artigo chamado “Fazendo Universos, constantes fora do nada” (p. 102) diz, “A cosmologia Quantum postula que universos incrivelmente pequenos espontaneamente se nucleiam do nada”. Não nos foi ensinado que a “geração espontânea” era uma coisa das velhas lendas?

Se você parar e pensar, você entenderá que o universo material tinha que vir à existência do “nada” ou ele teria existido eternamente sem qualquer início. Se você examinar a atual literatura, encontrará muita discussão entre os físicos principais, matemáticos etc sobre estas questões.

Por exemplo, leia “Nothing’s plenty: The vacuum in modern quantum field theory” de I.J.R. Aitchison, *Contemporary Physics,* 26(4), 1985, pp. 887-894.

Ou veja Yu. G. Itnat’ev, “Relativistic kinetics of an anisotropic plasmalike medium with damping in the field of gravitational radiation,” *Soviet Physics Journal,* 27(12), Dec. 1984, (tradução em inglês: Plenum, June 1985), pp. 1066-1069. O artigo é sobre produzir energia de um vácuo.

Michio Kaku, autor de *Hyperspace, A Scientific Odyssey Through Parallel Universes, Time Warps, and the 10th Dimension,* fala do espaço vazio borbulhando e o universo vindo a existência destas bolhas.

Fritjof Capra, em *The Tao of Physics,* (Bantam Paperbacks, p. 208), diz:

“A distinção entre matéria e espaço vazio finalmente tinha que ser abandonada quando se tornou evidente que partículas virtuais podem vir a existir espontaneamente fora do vazio, e desaparecer novamente no vazio, sem qualquer nucleon ou outra partícula fortemente interagindo estar presente… o vácuo está muito longe de estar vazio. Ao contrário, ele contém um número ilimitado de partículas que vem a existência e desaparecem sem fim.

Aqui, então, está o mais próximo paralelo ao Vazio do misticismo oriental na física moderna. Como o Vazio oriental, o “vácuo físico” – como isto é chamado na teoria de campo – não é um estado de meramente nada, mas contém potencialmente todas as formas de partículas do mundo. Estas formas, por sua vez, não são entidades físicas independentes, mas meramente manisfestações transitórias do Vazio subjacente. Como diz o *sutra*, “Forma é vazio, e vazio é de fato forma.”

A relação entre as partículas virtuais e o vácuo é essencialmente uma relação dinâmica; o vácuo é verdadeiramente um “vazio vivo”, pulsando em ritmos infindáveis de criação e destruição. A descoberta da qualidade dinâmica do vácuo é vista por muitos físicos como um dos achados mais importantes da física moderna. De um papel como um conteiner vazio de fenômeno físico, o vazio tem emergido como uma quantidade dinâmica de máxima importância. Os resultados da física moderna então parece confirmar as palavras do sábio chinês Chang Tsai: “Quando alguém sabe que o Grande Vazio é cheio de *Ch’i,* entende que não existe uma coisa tal como nada”.

Esta ciência de aplicar a física de criar “algo” do “nada” é variadamente chamada “energética,” “Psicoenergética,” “eletromagnetismo escalar,” “energia do orgônio,” “radiônica,” etc.

*Air & Space* magazine, Junho/Julho de 1995, em um artigo de Frank Kuznik (p. 70) sobre fazer um vácuo, inicia:

“Pode algo realmente vir do nada? Alex Ignatiev ferventemente espera que sim. Ignatiev, um físico da Universidade de Houston e professor de química, está escrevendo equações para cada processo em um quadro em seu agrupado escritório do campus.”

*Fer-De-Lance,* by Col. T.E. Bearden, p. 106, #60, diz:

“As interações que ocorreram entre Krushchev e o renomado físico premiado com o Nobel P. Kapitsa são de interesse. Krushchev desejava defesa absoluta da União Soviética e assim os soviéticos pudessem ser capazes de lançar qualquer ação desejada sem risco de séria preocupação.  Kapitsa informou ao líder soviético que, se isto significasse a total neutralização de mísseis estrangeiros a ser alcançada, isto só poderia vir de um grupo de novos princípios na física que eram chamados de energética”; o termo energética de fato era a abreviação de “psicoenergética” e é essencialmente a expandida física/eletromagnetica que este autor (Bearden) tem apelidado de *eletromagnetismo escalar.*”

Agora você sabe que a psicoenergética no documento Fogo Vindo do Céu é o mesmo que T.E. Bearden chama de “eletromagnetismo escalar” e que os russos chamam de “energética”. (O foguete russo que abastece a Estação Espacial Mir [palavra russa para “Mundo”] é chamado de “Energia.”) Bearden tem tido uma quantidade considerável de escritos publicados sobre o assunto. Para uma lista de seus livros, contacte a Tesla Book Company, P.O. Box 121873, Chula Vista, CA 91912. Para rastrear posteriormente esta informação, tome nota do seguinte:

Por volta de aproximadamente 1950, a União Soviética teria iniciado a experimentação fenomenológica com facilidade, com fase conjugada a radar de espelhos e fase conjugada de radares. Isto é o que é chamado de “energética” ao tempo do início da Guerra da Coréia. (p. 86, *Aids, Biological Warfare* de T.E. Bearden).

Construindo a partir do importante trabalho de Whittaker, formulei uma revisão conceitual do eletromagnetismo, que apelidei “eletromagnetismo escalar” para acentuar este campos de força de vetor do eletromagnetismo observável; não existem em coisa tal como o vácuo, mas que os campos dinâmicos escalares o fazem [“vácuo” não é vazio]. Também desejei chamar forte atenção ao fato de que as forças observáveis não existem até que uma partícula observável de massa é acoplada pela interferência de dois campos escalares (muito similar ao efeito Aharonov-Bohm). Os soviéticos, de fato, chamam esta área de energética. A tecnologia energética tem sido usada em gigantescos programas de armas da União Soviética por décadas, e parece ser desenvolvida sob o programa mais altamente clasificado que os soviéticos possuem. Todo desenvolvimento e emprego de armas energéticas está sob a KGB e é controlado diretamente pela organização, não pelas Forças Armadas Soviéticas. (p. 88, *Aids, Biological Warfare).*

P. 89 diz que o eletromagnetismo escalar “permitiu a engenharia direta da teoria do campo unificado, incluindo a estruturação do vácuo, a curvatura do espaço-tempo, e a produção de efeitos a distância [como abater aeronaves] e nas dimensões mais altas”.

Por favor, tome nota especial dos termos chave de identificação acima “fase de espelhos conjugados” na medida em que isto  nos ajuda a identificar este assunto em outra literatura! A este ponto você não precisa entender sobre o que está falando, apenas lembre-se do termo.

ZERO NÃO É NADA

Pensamos no vácuo como zero, nada, vazio, nichts, zilch. Se temos sete pedras e lançamos as sete pedras, então não temos pedras, zero pedras. Mais tarde aprendemos que nem sempre é assim. Se temos sete pedaços de matéria e sete pedaços de anti-matéria, quando combinados temos zero, embora na realidade tenhamos quatorze pedaços. Você pode dizer que eles cancelaram uns aos outros e agora nada tem. Pense no que você está dizendo. Você está dizendo que 14 coisas podem ser combinadas e deixarem de existir e se tornarem nada? Então não é conversamente possível que ‘nada” possa render ou ser dividido em 14 “coisas” reais?

Em álgebra acrescentamos sete+ a sete- e obtemos uma soma total de zero, novamente a despeito do fato de que realmente existam 14 números.

Bearden afirma isto deste modo: “Embora zero seja a ausência de apenas uma única coisa, pode ser a presença de “múltiplas” coisas.” (p. 98, *AIDS*).

Você já sabe que ‘espaço vazio” não é tão vazio – ele contém ondas de rádio, ondas de radar, gravidade, raios cósmicos etc. Até mesmo quando estas coisas são removidas, Bearden e outros ressaltam que o que pensamos como “espaço vazio” realmente consiste em uma quantidade incrível de forças positivas e negativas que se cancelam mutuamente e somam zero, assim parecendo não estarem lá. Para a “curvatura do espaço” e tais, algumas forças se tornam “fora de equilíbrio” e o resultado é luz, gravidade etc. Normalmente isto é expressado como gravidade positiva, mas sob condições certas, a força de gravitação é revertida. Isto é chamado de anti-gravidade. E sim, meus amigos, os russos [e agora outros], possuem anti-gravidade.

Nota: Para aqueles leitores que podem já entender Bearden, estou ciente que ele diz que a força não existe em um vácuo. (“Mas se a força consiste de massa unida à aceleração, ela não pode existir na ausência de massa. Portanto a força não existe no vácuo… Portanto nem o campo magnético, nem o campo gravitacional existem no vácuo. O maior erro na física tem sido a designação de uma força como uma causa, e assim designando-a ao vácuo. A força é um efeito e isto nunca existe no vácuo, a priori.”  (Toward A New Electromagnetics Part 4: Vectors And Mechanisms Clarified, slide 14.) O problema é que a física e a eletrônica como ensinadas nas universidades estão erradas e há problemas com as definições, assim nesta breve introdução, direi coisas de modo simplificado que podem não estar corretas em um entendimento superior, mas são passos necessários no início do entendimento. Meu propósito não é explicar a mecânica de exatamente ‘como isto funciona”, não sou qualificado para fazer isto. Meu propósito é o de lhe encorajar a quebrar sua lavagem cerebral e despertar para a realidade e ver quem realmente é o seu inimigo. Um conhecemento destas coisas é uma questão de vida ou morte.

HAARP, O SISTEMA (PROGRAMA DE PESQUISA DE ALTA FREQUÊNCIA ATIVA AURORAL)

Se toda esta energia está disponível do espaço vazio, então como ainda estamos usando combustíveis fósseis, você pode perguntar. A resposta é simples. Os poderes que nos controlam são muito ricos. Eles ficaram ricos ao controlarem coisas tais como a indústria da energia [principalmente do petróleo e nuclear]. A última coisa no mundo que eles querem é que tenhamos energia livre, que é o que resulta do entendimento da psicoenergética (eletromagnetismo escalar, energética, etc.).

O que tudo isto significa para você? Vamos olhar um exemplo. Há um maior projeto do governo americano sendo construído no Alasca chamado programa “HAARP”. Uma das patentes para este projeto afirma que ele pode “causar… interrupção total das comunicações sobre uma grande área da Terra… interrompendo não apenas as comunicações baseadas na Terra mas também aquelas aéreas e marítimas (tanto de superfície quanto de sub-superfície)… destruição de mísseis ou aeronaves, deflexão ou confusão … modificação atmosférica… alterar a absorção solar… ozônio, nitrogênio etc… as concentrações podem ser artificialmente aumentadas…”

Tenho um amigo que recentemente voltou do Canadá. Ele esteve em contacto com Nick Begich, Jr., que está monitorando o projeto HAARP (contacte Nick em P.O. Box 201393, Anchorage, AK 99520). Foi dito ao meu amigo que o governo fez um teste de pleno poder de watts de HAARP em 14 de dezembro de 1994.

Esta data se torna muito mais interessante quando você a combina com o seguinte artigo que apareceu no jornal *Austin American-Statesman* do dia seguinte, 15 de dezembro de 1994.

Cidades do oeste no escuro depois do blecaute em oito Estados.  *Sobrecarga de energia pode ter desencadeado interrupções para mais de dois milhões de pessoas, de Richard Cole, AP.

SAN FRANCISCO – Uma inexplicável sobrecarga de energia na principal linha elétrica de transmissão da Costa Oeste causou blecautes e outras interrupções de energia através de oito Estados do oeste na quarta feira, fechando uma usina nuclear e forçando médicos a operarem sob a luz de lanterna.

Tantos quantos dois milhões de usuários de Arizona a Washington ficaram sem energia por períodos variando de uns poucos segundos a várias horas, quando um trecho da gigantesca grade de energia do Pacífico de 500-kilovolt parou depois da meia noite. O blecaute escureceu as casas de um milhão de usuários californianos e interrompeu a energia em Arizona, Nevada, Utah, Oregon, Washington, Idaho e Montana.

Uma inspeção inicial não mostrou quebras na seção onde o problema começou, uma linha de 60 milhas entre Tracy e Fresno no Vale Central da  Califórnia.

“Acreditamos que foi uma sobrecarga de energia fora de nossa área de serviço, e uma sub-estação se derrubou para evitar uma sobrecarga de nosso sistema, exatamente como um interruptor de circuito faria em sua casa” ” disse Bill Sessa, o porta-voz da Pacific Gas & Electric Co..

Agora vamos olhar mais estreitamente uma das patentes de HAARP (extraído de um arquivo sobre HAARP retirado da Internet):

INVENTOR: Peter Koert, Washington, DC ASSIGNEE: APTI, Inc., Washington, DC (U.S. Corp.) APPL-NO: 07/524,435 DATE FILED: May 17, 1990 INT-CL: [5] HO4B 7/00; HO1Q 3/22 US-CL-ISSUED: 342/367, 372 US-CL-CURRENT: 342/367, 372 SEARCH-FLD: 342/367, 353, 371, 372; 455/64 REF-CITED:

DOCUMENTOS DE PATENTE DOS EUA

3,445,844 5/1969 Grossi et al. 342/367 4,253,190 2/1981 Csonka 455/12 4,686,605 8/1987 Eastlund 361/231 4,712,155 12/1987 Eastlund et al. 361/231 4,817,495 4/1989 Drobot 89/1.11 ART-UNIT: 222 PRIM-EXMR: Gregory C. Issing LEGAL-REP: Foley & Lardner

SUMÁRIO:

Esta inveção se relaciona a geração de um Espelho Artificial Ionosférico (AIM), ou uma camada de plasma na atmosfera. O AIM é usado como a ionosfera para refletir a energia RF a longas distâncias. Um AIM “inclinável” é criado por uma antena aquecedora controlada em fase e frequência. A antena aquecedora muda de fase para rastrear um raio para pintar uma camada de plasma. A frequência é mudada para refocar continuamente nas altitudes superiores para inclinar a camada de plasma.

Aqui está uma citação de *Youth Action News* a respeito de HAARP:

A petente do Dr. Bernard J. Eastlund, de 13 de agosto de 1991 (No. 5,038,664) descreve um sistema agora sendo implementado no transmissor HAARP dos EUA:

Se as partículas que formam o plasma ao longo das linhas de campo da Terra continuassem a se mover com um constante ângulo de passo, frequentemente designado “alfa,” elas logo impactariam a superfície da Terra. Contudo, no campo de força convergente, o ângulo de passo muda de um tal modo que permite que a partícula se vire ao redor e evite o impacto.

O ponto no qual a partícula se vira ao redor é chamado de ponto de espelho. Este processo é repetido para a outra extremidade da linha de campo. A partícula novamente volta ao redor e é chamada de “ponto conjugado” do original ponto de espelho. A partícula portanto é aprisionada e pula entre dois espelhos magnéticos. A partícula pode continuar a oscilar no espaço desta maneira por longos períodos de tempo.  (Carta com cópia de julho de 1994 de  *Youth Action News,* P.O. Box 312, Alexandria, VA 22313.)

Penso que é óbvio que o projeto HAARP é o mesmo que a fase dos espelhos conjugados do eletromagnetismo escalar que Bearden descreve em artigos que ele tem escrito detalhando a guerra atmosférica russa contra os EUA e o abate do transportador espacial *Challenger*, a destruição de inúmeros foguetes e mísseis, e o relativo andamento [inclusive recentes] de abates de muitas aeronaves (tais como a queda do USAIR perto de Pittsburgh). E agora, isto foi revelado logo depois do bombardeio do Edifício Federal de Oklahoma City, onde houve duas explosões, a segunda das quais veio de explosões de raio de pulso acima. (*CONTACT: jornal The Phoenix Project* 25 de abril de 1995, p. 31. para subscrições, chame  1-800-800-5565.)

CONFUSÃO

Um dos resultados que o eletromagnetismo escalar pode produzir, como listado acima, é “confusão”. Ouvimos sobre controladores se tornarem “confusos” no Iraque e abaterem seus próprios helicópteros. Ouvimos sobre um piloto tentando pousar em um portaviões e se tornar confuso” e cair.

Recentemente ouvimos nos noticiários que um piloto de helicóptero na Coréia ficou ‘confuso” e atravessou a fronteira sendo abatido. Nos jornais de hoje, enquanto escrevo estas notas, está um artigo que afirma: “apenas o erro humano foi culpado de um helicótero do Exército dos EUA atravessar para a Coréia do Norte e ser abatido no inverno passado, mas nenhum envolvido deve ser punido, disse o Exército em um relatório na quinta-feira. Diz que Hilemon e Hall ficaram desorientados em terreno não familiar.” (*Austin American Statesman,* “O Exército não culpa ninguém pelo abate na Coréia do Norte,” p. A3, 23 de junho de 1995.)

Isto soa bastante razoável até que você pare e comece a pensar. É quase que impossível para os veículos militares altamente sofisticados de hoje se tornarem “perdidos” a menos que algo bem maior aconteça, por causa dos satélites de geoposicionamento e tais. Qualquer pescador pode comprar um pequeno aparelho portátil que lhe dirá onde está. Como podem pilotos voando em uma das mais perigosas fronteiras do mundo apenas atravessarem? Você deve se lembrar do fatídico raid ao Irã para resgatar os reféns durante o governo Carter, de 24 a 26 de abril de 1980. Como você se recorda, o raid fracassou porque os helicópteros se perderam e tiveram seus equipamentos estragados por causa das tempestades de areia e os pilotos ficaram “confusos” e acidentaram uns aos outros. Este foi um incidente muito embaraçoso para os EUA. Havia as pessoas mais altamente treinadas do mundo [as equipes Deltas das Forças Especiais dos EUA] voando o melhor equipamento no mundo, e eles foram derrotados por tempestades de areia? Isto nunca ocorreu a qualquer um dos pilotos que simplesmente voam acima das tempestades de areia? Isto não sugere que há muito mais nesta história?

Vamos examinar este evento mais estreitamente. O Cel. Charlie Beckwith foi o oficial a cargo da equipe Delta e descreve o evento em seu livro *Delta Force.* (Harcourt Brace Janovich, com Donald Knox, copyright 1983.)

Três transportadores de tropas MC-130s e três transportadores de combustível EC-130s sairam da Ilha Masirah fora da costa de Oman e voaram a um ponto no deserto do Irã. Lá era para eles esperarem oito minutos a chegada de oito helicópteros. Então a força de assalto de 118 homens seria carregada nos helicópteros RH-53D para continuarem o raid. Por alguma razão, os helicópteros chegaram hora e meia mais tarde. Quando os helicópteros chegaram, Beckwith citou-os como dizendo, “Tem sido um inferno de viagem” e “palavras para expressar que se tivéssemos qualquer sentido moveriamos os helios fora do deserto e carregariamos todo mundo nos C-130s e iríamos para casa.”

Palavras estranhas para os soldados mais motivados e preparados entre os militares, não acha?  “Não entendi como embora o tempo que ele realmente tinha; e ele não elaborou esta sua declaração.” Dois helicópteros nunca chegaram e os seis que eventualmente chegaram vieram espalhados de todas as direções.

Um dos pilotos disse, “Não sei quem realmente está dirigindo as coisas em meu nível, mas lhe direi que é muito violento, que muita consideração cuidadosa deve ser dada para cancelar esta operação. Você não tem idéia do que eu tenho passado. A pior tempestade de areia nos atingiu. Isto foi violento! Vou lhe dizer, não estou certo de que estamos indo fazer isto. Realmente não estou certo que possamos fazer isto.”

“Aqui estão dois oficiais muito fortes que tenho observado e conhecido, que agora estavam muito abalados.

“As coisas eram tão confusas que a missão foi cancelada. Eles começaram a carregar os C-130s para ir embora. Virei-me e comecei a andar silenciosamente na direção da cabeça da linha. Era aproximadamente  2:40 A.M. Alguns pilotos dos C-130 tinham começado a disparar seus motores. A poeira voava ao redor. Entre as rajadas de vento, vi um dos helicópteros se levantar e inclinar para a esquerda. Ele escorregou ligeiramente para trás. Então,  BALLLOOEE! Não foi uma bomba, não foi uma rachadura! Foi uma pancada!”

A seguir uma explosão de gasolina. Uma bola de fogo azul inchou a noite. Obviamente o helicóptero que eu tinha acabado de ver decolar – tinha sido o do Major Schaefer – tinha atingido o EC-130 mais ao norte, aquele o qual o Elemento Azul tinha acabado de abordar. (pp. 244-248).

P. 251: “Apenas duas horas de missão, este helicóptero recebeu uma indicação que uma de suas lâminas de motor estava para funcionar mal. Ele pousou uma vez. Um outro helicóptero [o número oito] pousou com ele. Quando foi determinado que o número seis não podia continuar, sua tripulação subiu a bordo do outro helicópero, que então continuou para Deserto Um. O helicóptero número cinco, aquele no qual estava voando o Coronel Pittman voltou ao carregador 4/5 do caminho para Deserto Um, quando depois de voar através de várias tempestades de areia ciclônicas, começou a ter problemas de instrumentos”.

Dr. Peter Beter registrou os seguintes comentários sobre este incidente um mês mais tarde, em 28 de junho de 1980, que foram publicados no jornal *Wisconsin Report* em 31 de junho de 1980. (Dr. Beter foi um advogado praticante diante da Suprema Corte dos EUA, indicado para o Banco de Exportação-Imnportação dos EUA pelo presidente Kennedy, esteve envolvido em atividades de inteligência, foi responsável por revelar que não há ouro em Fort Knox, e tinha muitos contactos na inteligência. Ele tinha acesso a fontes de informação muito altas.) [Nota do tradutor: as cartas do Dr Beter são um conjunto de 67 cartas, abordando os mais variados tópicos da política americana com repercussão internacional, foram escritas na década de 1970 mas ainda tem relevância para os dias atuais e serão objeto de tradução futura neste blog]  Citando:

Os comandos americanos que foram enviados ao Irã tentaram o máximo seguir as ordens e cumprirem seu dever. Mas desconhecido para eles, aqueles que haviam planejado o raid não pretendiam que isto tivesse sucesso. Eles supostamente alcançariam Teerã mas descobriram tarde demais que eram uma força pequena demais para fazer o trabalho. Tão logo os comandos começaram a ter grandes problemas, isto foi usado como uma desculpa para que jatos da marinha americana bombardeassem Teerã; e com a paixão americana exaltada, a crise do Irã era para se escalar com movimentos adicionais. Mas por mais de um ano agora,a inteligência russa havia sido informada sobre até mesmo os mais secretos planos de Washington; e então os russos estavam prontos.

Eles resolveram o mais recente plano de guerra dos bolchevistas de dois modos. Primeiro, uma enorme armada de cosmosferas estava flutuando acima em 25 de abril na medida em que a força americana de helicópteros entrou no Irã. Usando suas capacidades atmosféricas, as cosmoferas intensificaram as tempestades de areia na área. Elas também usaram radiação de microondas que causa confusão mental para causar náusea, desorientação e fadiga entre as tripulações dos helicópteros. Esta tecnologia russa de “mistura cerebral” é a mesma tecnologia que revelei pela primeira vez em minha carta de número 20.

Os russos estavam esperando fazer com que a missão desistisse desesperançadamente mas sem baixas, mas a força comando americana alcançou seu primeiro ponto de checagem, se reagrupou e se preparou para continuar.  Então as cosmosferas ligaram seus transmissores de confusão mental a plena força. Um helicóptero decolou, mais se inclinou malucamente e se fatiou em um avião de transporte de tropas C-130. Dois outros se prepararam para decolar. As cosmosferas acima dispararam explosões de baixa energia de suas armas de raios de partículas, as laminas do rotor sairam e os helicópteros não foram a lugar algum. A este ponto estava óbvio que tudo estava acabado. O raid foi abortado e toda a energia mudou para os esforços de explicar o desastre ao público. Logo os corpos queimados dos comandos mortos voavam para casa para a Base da Força Aérea de Dover, Delaware. Esta foi a segunda vez em menos de dois anos que Dover recebeu os cadáveres de um secreto raid de comando dos EUA! A primeira vez eles que tinham pago o preço para uma operação bem sucedida foi na Guiana [Jonestown]. Em 28 de abril… Cyrus Vance pediu exoneração como Secretário de Estado, em protesto.

No parágrafo seguinte, Beter continua a contar sobre os raios de pulso russos que desencadearam a erupção do Monte St. Helens em 18 de maio, mas esta é uma outra história.

Você não pensa que precise aprender e entender o que tem acontecido?

A única melhor fonte de informação em andamento e de background é o jornal *CONTACT*. Para informação sobre subscrição, telefone 1-800-800-5565 ou escreva para Contact, Inc., P.O. Box 27800, Las Vegas, NV 89126.

Para informação do  Dr. Beter, escreva para *Wisconsin Report,* P.O. Box 45, Brookfield, WI 53008-0045.

Também escreva para catálogo e ordem da Tesla Book Company *Fer-De-Lance* e/ou *AIDS: Biological Warfare* pelo Ten. Cel  Tom E. Bearden, Tesla Book Company, P.O. Box 121873, Chula Vista, CA 91912.

Para mais informação Tesla contacte International Tesla Society, P.O. Box 5636, Colorado Springs, CO 80931.

A verdade é a única coisa que pode lhe salvar. Aprender a verdade é uma jornada de toda uma vida. Possa você aproveitar a viagem.

A FARSA DO MASSACRE DE JONESTOWN

Ao estudar que a verdade está por trás de muitos eventos na história recente, você encontrá interessantes interligações. Uma vez você possa entender que os mesmos grupos de elite de conspiradores estão por trás de muitos de nossos problemas, não deve ser surpreendente que exista ligações, porque são as mesmas pessoas envolvidas. Um dos melhores exemplos bem conhecidos disto é E. Howard Hunt. A maioria dos pesquisadores sabe que Hunt esteve envolvido em tais eventos aparentemente não relacionados como a invasão da Baía dos Porcos, assassinato de Kennedy e Watergate. Se você fizer o seu dever de casa, encontrará ligações entre o massacre de Jonestown, o massacre de Waco e o bombardeio do edifício federal em Oklahoma City.

Para entender a tragédia de Jonestown de Jim Jones, você precisa entender algo do background.

Em 1976-79, trabalhei na seção classificada de Control Data Corporation. Control Data tinha os computadores mais poderosos do mundo naquele tempo, e eles eram usados pelos EUA em seus projetos mais secretos e mais importantes. Também fui coordenador do Grupo de Interesse Especial de Mensa chamado “Doomsday Club.”

Escrevia uma newsletter chamada *Doomsday Club News and Intelligence Report.* Aprendi algumas destas coisas que me preocuparam sobre o que a Rússia estava fazendo e citei um artigo de 2 de outubro de 1978, da revista *Aviation Week and Space Technology* em minha newsletter de outubro.

Aprendi, por exemplo, que a Rússia tinha estado abatendo nossos satélites espiões. O que naquele tempo eu não sabia era que o Dr. Peter David Beter também estava preocupado, porque estava obtendo informação superior de alguns de nossos serviços de inteligência sobre o que realmente estava acontecendo.

Por exemplo, em junho de 1976, Dr. Beter recebeu informação que a Rússia havia plantado uma bomba nuclear na Ilha Mt. Desert, Maine, perto de Seal Harbor, casa de Nelson Rockefeller. Ele relatou a informação ao General George S. Brown, Presidente da Junta de Chefes de Staff, que teve a informação conferida e encontrou a bomba.

Nelson Rockefeller imediatamente pôs sua casa a venda, embora ela tenha sido dos Rockefeller por duas gerações. Dr. Beter disse, “Mas meu relato de junho de 1976 sobre a bomba de Seal Harbor levou muito além das presentes condições não estabelecidas lá. Isto provou à alta inteligência que as cartas do  Dr. Beter podiam receber confiança por dizer a verdade; e daquele ponto em diante comecei a receber grandes quantidades de informação de inteligência que não eram confiadas a outros canais de informação pública.” (Dr. Beter Audio Tape #39 gravada em 29/10/78.)

Dr. Beter continuou a dar ao Gen. Brown tal informação como a precisa localização do secreto local de míssel e bomba da Rússia, inclusive algumas que haviam sido plantadas em solo americano e em rios americanos, perto de represas etc. A Rússia as plantaria e o Dr. Beter contaria a Brown, e Brown as removeria.

Os bolchevistas em nosso governo que estavam trabalhando com a Rússia arranjaram para que Brown fosse substituído, e as bombas não foram mais removidas. Em 1o. de outubro de 1976, o Presidente Gerald Ford (um secreto comunista e membro da Máfia de Michigan) assinou o que tem sido chamado de traiçoeiro Acordo da Sexta-feira Vermelha e os russos tiveram permissão para continuarem sem interferência.

Na carta de Beter  #39, gravada em 29/10/78, e impressa no *Wisconsin Report* de 16 de novembro de  1978, ele citou o mesmo segundo artigo de outubro *Aviation Week* que eu citei em minha newsletter de outubro, sobre a Rússia possuir a tecnologia de armas de raios de partícula. Em sua carta ele disse, “Em setembro de 1977 relatei o primeiro uso operacional das armas de raio de partícula no espaço pela Rússia.

Em 20 de setembro de 1977, os russos explodiram um satélite espião americano em uma enorme bola de fogo no espaço quando ele passava sobre o Observatório de Petrozvodsk no norte da Rússia. E mal uma semana mais tarde, em 27 de setembro de 1977, a secreta base lunar americana na Cratera de Copernicus foi silenciada por um ataque de raio neutron da Rússia da órbita da Terra. A América tinha perdido a Batalha da Colheita da Lua. Imediatamente a América foi forçada a parar sua secreta corrida de armas de raio com a Rússia, porque subitamente nossos governantes invisíveis estavam titubeando na beira da própria guerra – e a Rússia subitamente estava chamando os tiros”.

E agora, meus amigos, vocês sabem sobre o que foi o Pouso Lunar Apollo [farsa] – foi uma cobertura para as reais missões militares acima de top secretas. Embora top secretas, dicas da base tem aparecido aqui e ali. A divulgação de dezembro 1993/janeiro 1994 da revista *Air & Space*, no artigo “Assegurando um Alto Solo”, dise:

“Os detalhes da base lunar, que foram contidos em um grosso relatório secreto chamado ‘Programa Militar da Base Lunar’ ou ‘Estudo do Observatório Lunar  S.R. 183,’ foram revelados pelo Diretorado de Planejamento e Análise Espacial da Divisão de Mísseis Balísticos da Força Aérea, em abril de 1960. O coração do S.R. (Requerimento de Estudo) 183 era um Sistema subterrâneo de bombardeio da Terra baseado na Lua que asseguraria “retaliação positiva” no evento de um ataque soviético contra os EUA. Embora o relatório tenha dito que a construção do complexo de mísseis pudesse ser adiado por três ou quatro anos, ele pedia o planejamento ativo para a base começar ‘imediatamente’ se a máxima vantagem militar devesse ser derivada do programa lunar.”

Os amplos ressaltos do plano da base lunar tem sido públicados em abril e setembro de 1959 de *Aviation Week.* Richard Hoagland, R. Renè, Bill Kaysing e outros tem determinado que os pousos lunares da NASA como apresentados foram falsos e eles discutem o que realmente possa ter acontecido. Hoagland tem encontrado evidências de restos de estruturas altamente avançadas na Lua e em Marte. O que Hoagland não sabe é que algumas destas estruturas podem ser de construção americana. Esta é uma história que permanece a ser contada.

Você imaginará de onde Beter recebeu sua informação, incluindo informação que até mesmo a mais alta inteligência não conhecia. A maioria de nós não está pronto para responder esta questão, mas para aqueles de vocês que estão prontos, direi que a resposta é revelada na página 204 de *Missing the Lifeboat?* Phoenix Journal #86 e página 29 de *Ascension or Never-Never Land?* Phoenix Journal #98. [telefone 1-800-800-5565 para ordenar.]

Em 25 de maio de 1961, o Presidente Kennedy em sua fala dirigida à União, deu uma famosa declaração onde disse : “Acredito que esta nação deva se dedicar a alcançar a meta, antes que esta década termine, do pousar o homem na Lua e que ele volte seguramente à Terra”.

Aparentemente ele não sabia naquele tempo, embora logo começasse a aprender, que ao tempo em que deu esta declaração, já havia uma base na Lua. Um ano mais tarde, em 22 de maio de 1962, uma sonda espacial pousou em Marte e confirmou a existência de um ambiente que pode sustentar a vida. Não muito depois, a construção de uma colônia no planeta Marte foi começada em real facilidade.

Se você quiser saber mais, sugiro que pesquise o assunto conhecido entre o grupo dos UFOs como “Alternativa 3” (o livro com  este nome é 75% verdade e 25% desinformação]. “Bob Grodin” foi um pseudônimo  de um astronauta que viu a base real. A base lunar foi estabelecida por nossos governantes atuais, conhecidos como Bilderbergers (este projeto foi chefiado por um grupo particular chamado Jason Society), com sede na Suíça.

Eles tem encontros para fazer seus planos e o jornal *Spotlight* gosta de bravatear que é capaz de penetrar em tais encontros. O que *Spotlight* não sabe é que os encontros principais são realizados em um submarino nuclear sob a capa de gelo polar. Há muitos poucos quebradores do partido lá. Para prova que a NASA tem mentido para você, contacte Richard Hoagland de Mars Mission. Enquanto estiver lá, pergunte sobre Dan Quayle. *(The Mars Mission,* 122 Dodd St. Weehawken, NJ 07087).

A Corporação RAND desenvolveu maquinário movido a energia nuclear para criar túneis subterrâneos na base. O maquinário foi também usado nos EUA para construir uma rede enorme de túneis e complexos subterrâneos. Você pode querer ler  *Underground Bases and Tunnels – What is the Government Trying to Hide?* de Richard Sauder, um livro disponível da revista *Spotlight*.

As pessoas que trabalharam nos programas Apollo e na NASA dirão que não sei do que estou falando, afinal, eles estavam “lá” e eles “sabem”. Para os sérios pesquisadores de mente aberta, aqueles que entendem que há algo podre com a NASA e querem saber a verdade, direi que os reais veículos lunares operaram fora de S-4 em Nevada (e algumas vezes Area 51), sem mencionar as bases russas.

A CRISE DOS MÍSSEIS CUBANOS

Em 1962, foi sabido que a Rússia estava empregando misseis nucleares em Cuba. A informação foi obtida de fotos tiradas por uma aeronave U-2 pilotada por Roger Chaffee. O Presidente John F. Kennedy, graças a informação fornecida a ele pelo desertor russo Coronel Oleg Penkovsky, sabia da fraqueza militar da Rússia e avisou Khruschev para retirar os mísseis. Khruschev não estava em posição de enfrentar Kennedy, então ele removeu os mísseis. A história tem sido escrita muitas vezes em livros e artigos.

O piloto do U2 Roger Chaffee mais tarde foi escolhido como um astronauta da Apollo 1, comandada pelo veterano astronauta Gus Grissom (vôos Mercury e Gemini). A evidência indica que Chaffee, Grissom e White foram assassinados, talvez porque Grissom não gostou de cooperar com uma farsa.

Grissom disse a sua mulher, “Se houver um sério acidente no Programa Espacial, é provável que seja comigo”. Grissom tentou que o chefe administrador da NASA Joe Shea fosse ao teste da Apollo com ele. Chaffee nunca havia estado no espaço, mas era um veterano de missões secretas de inteligência tais como os vôos do U2. NASA teve sete acidentes de incêndio de oxigênio antes que Grissom, Chaffee e White fossem ‘acidentalmente’ queimados na Apollo I em janeiro de 1967.

General Phillips, superior de Frank Borman, fez uma investigação que foi retirada do público ao ser “classificada”. Porque classificada? O que eles estavam escondendo? Oito astronautas morreram de “acidentes” em 1967. Para mais detalhes veja *NASA Mooned America!* de R. Renè. (R. Renè, 31 Burgess Place, Passaic, NJ 07055.)

O que Kennedy não sabia, quando aconteceu a crise dos mísseis cubanos, era que a Rússia estava muito perto de empregar um sistema de armas totalmente novo. Khruschev perdeu grande parte de seu prestígio com seus conterrâneos, temporariamente. Para recuperar prestígio com seus líderes, em 10 de abril de 1963 ele testou seu novo sistema de armas ao destruir o submarino nuclear *U.S.S. Thresher*. Esta é uma história para outra vez. O que todos estes livros sobre a crise dos misseis cubanos não contam a você, contudo, foi para onde Khruschev moveu aqueles mísseis.

Naquele tempo a aliança secreta Rockefeller/Soviéticos estava de vento em popa, e os planos conjuntos de longo alcance para uma guerra nuclear controlada estavam indo bem adiante. Ambos os lados estavam olhando adiante para uma eventual fraude, mas isto ainda estava bem no futuro naquele tempo. O fortalecimento deliberado da Rússia às custas da América era parte do plano conjunto para um Governo Mundial e conquista.

A crise dos mísseis cubanos de 1962 lançou um temporário alicate no programa quando o Presidente Kennedy interviu pessoalmente e parou o armamento nuclear de Cuba; e por fazer isto, e outras indiscrições humanas, ele perdeu a vida em Dallas pouco um ano depois. Para informação adicional sobre os planos secretos de Kennedy leia *Final Judgment* de Michael Collins Piper, disponível do jornal *Spotlight* , 300 Independence Ave. SE, Washington, D.C. 20003.

GUIANA

O sucessor de Kennedy, Lyndon Johnson, assegurou-se de seguir o script mais cuidadosamente. No final da crise cubana, os russos precisavam de uma nova base para frente na área do Caribe para propósitos estratégicos até que o calor saísse de Cuba. Para acomodar a Rússia, a Guiana foi selecionada para este propósito, e David Rockefeller providenciou que um marxista chamado Forbes Burnham se tornasse o Primeiro Ministro. Em troca, o Banco Chase Manhattan se tornou o agente fiscal para a Guiana, dando a Rockefeller accesso ao ouro produzido na Guiana; e como um fator chave em tudo isto, o então Presidente Lyndon Johnson em 1965 devolveu a base aérea americana, Atkinson Field, para a Guiana.

O direito da América reter o controle sobre a base por várias décadas mais foi simplesmente abandonado sem qualquer desculpa oferecida. Atkinson Field foi então renomeada Campo Aéreo de Temehri, ao sul de Georgetown, a capital da Guiana. Este é o campo aéreo de onde os helicópteros americanos levaram os cadáveres a serem embarcados para América depois do desastre de Jonestown.

Quando Johnson deu o campo aéreo de Temehri para a Guiana Marxista, ele de fato entregou uma grande oportunidade à Rússia. O campo aéreo de Temehri é o maior em toda América Latina, maior até mesmo que o maior aeroporto de Nova Iorque, o aeroporto John F. Kennedy; e sua localização o torna ideal para transportar as tropas cubanas e suprimentos para a África.

Como um resultado, a ação de Johnson em benefício dos Rockefellers roubou dos EUA uma importante conexão logística para a África enquanto abria as portas para as tropas cubanas. Nossos problemas posteriores com as tropas cubanas em Angola e em outros lugares na África foram parcialmente o resultado.

Por alguns anos, a atividade militar russa na Guiana foi concentrada ao redor da vizinhança do campo aéreo de Temehri. Em 1974, os russos colocaram mísseis em lugares que cercavam o campo aéreo. Então os mísseis foram retirados destes locais e movidos para um complexo separado de mísseis a oeste de Georgetown, durante os seguintes dois anos.

Naquele complexo, os mísseis foram empregados em sítios espalhados sobre uma área de algumas 30 milhas de diâmetro. Aproximadamente no centro estava uma instalação de Comando e Controle comandada por pessoal russo. E o complô começou a se espessar.

Depois que a relocação da base de mísseis foi completada, o complexo dos mísseis foi centrado em um ponto aproximadamente a 70 milhas a noroeste do campo aéreo de Temehri. Não foi acidente que o kibbutz do Templo do Povo foi localizado tão perto da base de mísseis.

Ao tempo em que o Escritório de Serviços Estratégicos (OSS) [depois CIA] foi criado na Segunda Guerra Mundial, Nelson Rockefeller já tinha uma forte presença na América Latina com sua própria agência chamada Coordenador de Assuntos Interamericanos. Lembro-me de uma história que me foi contada por uma amigo que, como um jovem alemão na América do Sul, foi preso por ser alemão e enviado a um campo de concentração no Texas por toda a duração da Segunda Guerra Mundial. Mais tarde ele voltou a América do Sul. Ele me contou sobre o tempo em que viveu na fronteira da Colômbia e Venezuela e admirava os enormes e maravilhosos campos de flores possuidos por Rockefeller. Você sabia que Rockefeller amava flores e estava no negócio de flores? Que tipo de flores? Papoulas!

ORIGENS DO TEMPLO DO POVO

As origens do Templo do Povo na década de 1950 nada tem a ver com as intrigas do governo. Não foi senão até aproximadamente 1970 que certos elementos da comunidade de inteligência dos EUA começaram a infiltrar e subverter o Templo do Povo. Os irmãos Rockefeller sempre tem tido a prática padrão de apoiar não apenas a facção no poder mas também espionar os oponentes daquela facção – e quem não quer um pouco de custeio “gratuito” e apoio em dinheiro? Desta maneira eles sempre estão em uma posição, ao menos teoricamente, de cortar qualquer um que tente se libertar do controle deles.

No caso da Guiana, os Rockefellers queriam ter um tal instrumento na Guiana na medida em que examinavam Forbes Burnham, o Primeiro Ministro, o qual eles puseram no poder com o uso do dinheiro deles. Certos elementos dentro da comunidade de inteligência dos EUA, sob a coordenação geral da CIA, receberam a tarefa de encontrar meios de realizar isto.

No curso de avaliar várias opções, foi concluido que o Templo do Povo se provaria ideal. O perfil psicológico do líder, Jim Jones, indicava que ele poderia se converter em uma arma poderosa dos governantes invisíveis. Ao contrário dos relatos na maior media controlada, Jim Jones nasceu judeu, e ele já exibia tendências na direção de uma organização no estilo kibbutz que podia ser canalizada nas direções úteis. Isto seria realizado por meio de fatores conscientes e inconscientes. A nível consciente, dinheiro e um poderoso apoio político seriam canalizados nesta direção; a nível inconsciente, a técnica de programação psicológica seria empregada. .

Gradualmente, Jim Jones perderia o controle de sua própria personalidade e se tornaria parte do que os nossos governantes invisíveis queriam que ele fosse. O processo inevitavelmente criaria inúmeros conflitos internos e tornaria Jim Jones um homem perturbado e perigoso.

MUDANÇAS NO COMPORTAMENTO

Por 1973, mudanças no comportamento de Jones começaram a ser percebidas por seus amigos e seguidores. Sua conversão em um agente semi-consciente de morte e intriga estava subjacente na facilidade daquele tempo. Neste mesmo ano, os fundos disparados do Templo do Povo foram utilizados para lançar o kibbutz agrícola em Jonestown, Guiana, embora apenas umas poucas pessoas estivessem lá naquele tempo. A Guiana era um rígido Estado marxista, e ninguém poderia ter lançado um novo empreendimento como a Comuna sem a aprovação de Forbes Burnham; mas os agentes de David Rockefeller se asseguraram que Burnham recebesse todas as garantias que ele necessitava para que o composto de Jones se encaixasse completamente no ambiente marxista da Guiana. Ao mesmo tempo, Forbes Burnham tinha começado a enganar David Rockefeller, exatamente como havia sido temido. Ele agora estava jogando a bola politicamente mas estava escondendo muito da produção de ouro da Guiana em cavernas nas montanhas. David Rockefeller descobriu isto algum tempo depois, mas por então o problema muito maior estava se desenvolvendo de uma fraude pela Rússia de forma que Burnham foi deixado intocado para abrir caminho para coisas muito maiores.

Pelo verão de 1974, os irmãos Rockefeller ainda estavam sonoramente na cama com o Kremlin, e já havia sinais ominosos de que algo estava acontecendo na Rússia que eles não entendiam; mas eles simplesmente não podiam imaginar que seus velhos aliados do Kremlin, os bolchevistas, estavam sendo derrubados.

Avisos públicos sobre os mísseis na Guiana foram negados ou ignorados. A planejada e programada guerra nuclear estava sendo arquitetada para o final da década de 1970 e eles não queriam o plano estragado pelo conhecimento público; mas dois anos depois, as fraudes militares russas da América começaram com a Crise dos mísseis submarinos de 1976, uma outra história para uma outra vez.

MAIOR ALVO

A base de mísseis da Guiana era um dos maiores alvos do planejamento revisado. Quando este planejamento começou dois anos antes, a Batalha Espacial pela Colheita da Lua ainda estava no futuro. Parecia inconcebível que a América pudesse perder sua secreta base de armas de raio que logo estariam operacionais na Lua; e tão logo eles tivessem esta base lunar da qual depender, nossos governantes invisíveis pensavam que não poderiam mais perder. Mas a luz do engano dos mísseis submarinos, eles queriam ser capazes de arrancar tantos dentes militares da Rússia quanto possível. Deste modo, sua destruição da Rússia seria até mesmo mais completa do que originalmente planejado.

Os planejadores da Operação Guiana receberam um problema difícil para resolver. O objetivo era dizimar a base de mísseis russa na Guiana e remover a ameaça que ela oferecia ao Canal de Panamá e cidades sul americanas; mas isto era uma operação pré guerra realizada encobertamente e com completa surpresa. Tinha que ser encoberta porque a Rússia e os EUA não podiam suportar saber que a base sequer existia; e a surpresa tinha que ser completa porque até mesmo o mais breve aviso, a base podia ser reforçada e defendida por tropas cubanas.

Por estas necessidades foi concluido que um raid estilo comando seria necessário, algo como o raid israelense no Aeroporto de Entebbe, em Uganda, em julho de 1976. Um outro tipo de ataque teria exigido que nossos líderes fizessem o que o Presidente Kennedy fez em 1962, isto é, dizer ao povo americano que estava em ação e pedir o nosso apoio. A todos os custos, uma coisa que nossos governantes invisíveis estavam determinados a não fazer era nos dizer qualquer coisa. O problema então se elevou – como obter forças atacantes conjuntas na Guiana em uma força grande e rápida o suficiente para fazer o trabalho sem trair a mão deles.

Dizimar uma base como aquela da Guiana não era uma tarefa fácil. Foi então concluído que de alguma forma muito subitamente, maciça e compelente desculpa teria que ser fornecida para habilitar a junta militar secreta a entrar na Guiana temporariamente. A desculpa, seja qual for que ela fosse, teria que ser tão visível para atar as mãos da Rússia de forma que esta não pudesse retaliar na Guiana sem abrir mão do que ela tinha estado fazendo lá; e a desculpa teria que parecer não militar, ainda que exigisse especialização militar.

Sobretudo, alguma provisão teria que ser feita para todas as baixas no ataque à base de mísseis a serem removidas da Guiana depois do raid, caso contrário sua presença na Guiana podia ter sido feita um incidente internacional anunciado por uma história diferente e não relacionada a secreta base de mísseis.

Por exemplo, o governo da Guiana, seguindo os ditames russos, poderia ter publicamente apresentado os corpos das forças militares conjuntas mortas no ataque e dizer que foram mortas em uma tentativa de golpe de Estado contra Forbes Burnham. Isto era uma ordem muito grande, mas o kibbutz de Jonestown provou ser a resposta. Tudo que era necesário era arranjar que muitas centenas de cidadãos americanos morressem “subitamente” na Guiana e sob condições que garantissem uma instantânea publicidade maciça.

A absurda enormidade da tragédia exigiria envolvimento militar, e o local de Jonestown foi feito para proporcionar isto. Os helicópteros que se ligavam entre o campo aéreo de Temehri e Jonestown naturalmente voariam sobre o complexo dos mísseis – cujos detalhes eram conhecidos a despeito da camuflagem especializada. Isto significava que as forças militares conjuntas pudessem ser estabelecidas perto dos perímetros da base de mísseis e mais tarde recuperadas, juntamente com as baixas, com relativa facilidade.

E na medida em que os repórteres no campo aéreo de Temehri observavam os helicópteros saindo a noroeste e voltarem na mesma direção, eles eram levados a assumir que tudo estava acontecendo para e de Jonestown a algumas 150 milhas de distância. Eles não tinham meios de saber que muitos vôos eram de e para a base russa de mísseis, que ficava na mesma direção, mas somente na metade da distância.

NO INÍCIO DO ESQUEMA

Quando foi decidido usar as mortes de Jonestown como um acobertamento ao ataque da base de míssel, Jonestown estava funcionando apenas como um posto avançado do Templo do Povo. Não havia pessoas suficientes lá para fornecer um maior incidente que servisse ao propósito pretendido, e então, através de meios diretos e indiretos, Jim Jones foi persuadido a ir ele próprio para o kibbutz da Guiana, levando o máximo de seu rebanho que o seguisse. Isto se revelou ser entre 25% e 30 % e ao seguirem Jones ele se identificaram como o grupo mais altamente dependente de Jones pessoalmente. Eles também eram os mais suscetíveis às influências combinadas de exaustão, intimidação e isolamento de ajuda externa – em outras palavras, exatamente por meio de lavagem cerebral.

Até mesmo desde os dias da Guerra da Coréia tinha sido sabido conclusivamente que as técnicas de lavagem cerebral podem fazer às pessoas todos os tipos de coisas. Até mesmo endurecidos soldados veteranos americanos na Coréia cairam vítimas de lavagem cerebral em números surpreendentes porque eles não entendiam o que estava acontecendo a eles. As vítimas de Jonestown não eram soldados endurecidos. Em agosto de 1977, Jim Jones partiu para a Guiana com seu rebanho sacrificial. Naquele mesmo mês, o Embaixador da ONU Andrew Young levou uma mensagem ao Primeiro Ministro Forbes Burnham da Guiana. Ele disse que sob certas condições os EUA e o Banco Mundial aumentariam sua ajuda a Guiana – isto é, o bolso de Burnham alinhado a dez vezes mais que os números anteriores. E então o desastre chave de  Jonestown foi colocado em movimento pouco antes da Batalha pela Colheita da Lua.

POBRE LEO RYAN

Para desencadear a tragédia inteira em um clarão de publicidade, o interesse do falecido congressista Leo J. Ryan foi desenvolvido e programado.

Em uma amostra de coragem que hoje é praticamente desconhecido no Congresso dos EUA, Ryan foi a Guiana sabendo que isto podia ser perigoso. Mas o que ele não sabia, com certeza, foi que ele havia sido atraído ao fazer a viagem naquele trágico porvir; isto foi planejado bem antes.

O Congressista Ryan e aqueles que morreram com ele no Aeroporto de Port Kaituma foram baixas na guerra secreta que estava levando à Guerra Nuclear 1. E então centenas de outros civis americanos que morreram no chamado “suicídio em massa” em Jonestown, Guiana.

Na medida em que se aproximava o tempo do congressista Ryan fazer sua viagem antecipada a Guiana, outras atividades foram colocadas em movimento no estado militar e diplomático. Era essencial que a atenção da Rússia fosse desviada da Guiana até que fosse tarde demais para proteger a base de mísseis.

O prêmio da Rússia no Hemisfério Ocidental de fato é Cuba; e então nos dias finais antes da batalha da Guiana no Dia de Ação de Graças de 1978, a trompeteada crise de mísseis MIG-23 foi usada para desviar a atenção russa para Cuba. Somente tarde demais o Kremlin descobriu que o alvo real não era Cuba, mas a Guiana.

A BATALHA DO DIA DAS GRAÇAS DE 1978

Ajudantes próximos do falecido congressista Leo Ryan tem relatado publicamente que sua fatídica decisão de ir a Guiana foi desencadeada por um relatório do Departamento de Estado para ele, quando ele descobriu  que o relatório era totalmente insatisfatório. Esta reação de Ryan tinha sido corretamente prevista e, de fato, deliberadamente encorajada. Com a chegada das eleições, o congresista Ryan decidiu programar a viagem para depois das eleições durante o recesso parlamentar. Esta era uma reação muito natural, e também havia sido antecipada pelos planejadores atrás das cenas. Nenhum político perderia a oportunidade de fazer campanha exatamente no dia da eleição.

Na medida em que se aproximava o tempo para a viagem dele, a falsa questão da crise dos mísseis cubanos MIG-23 irrompeu. O governo Carter tinha aprendido quase um ano antes que os russos iam enviar MIG-23s para Cuba e decidiu que isto seria um pretexto perfeito para uma falsa crise. Os MIG-23 podem transportar certos tipos de armas nucleares como declarado; mas até mesmo este papel é o de uma arma tática mais apropriada para apoio de solo ou forças navais. O MIG-23 por si só não ameaçava a América do mesmo modo que o havia feito a crise dos mísseis cubanos de 1962; assim quando os EUA começaram a jogar com os MIG-23s, era óbvio para o Kremlin que isto era um esforço deliberado para aprofundar a tensão pública sobre Cuba.

As questões eram: Exatamente o que os EUA estavam querendo? O governo Carter estaria tão louco a ponto de invadir Cuba? Tal coisa soava irracional, mas os governantes invisíveis da América estavam se comportando cada vez mais irracionalmente.

Isto, também, foi parcialmente deliberado e foi pretedido para manter os enxadristas do Kremlin fora de equilíbrio, mas também foi parcialmente um resultado do aumentado grau de controle sobre a América destes esquizofrênicos satânicos, os bolchevistas.

Cuba era, afinal, muito importante para a Rússia porque a Rússia estava olhando adiante para a dominação mundial depois da Primeira Guerra Nuclear, e por isto, Cuba é a principal cabeça de ponte russa no Hemisfério Ocidental. Até mesmo mais urgentemente, Cuba era o lar não admitido da frota russa de submarinos do Caribe, e esta frota tinha repetidamente se movido para posições de ataque no Golfo do México durante um período anterior de dois anos e mais durante períodos de tensão.

Como se isto não fosse o bastante, havia concentrações de armas nucleares em ao menos quatro localizações em terra em Cuba. Uma estava perto da costa norte aproximmadamente 10 milhas terra a dentro a sudeste de Cardenas. Esta localização fica a 150 milhas ao sul de Cape Sable, Flórida. Um segundo sítio estava aproximadamente a 150 milhas a leste-sudeste daquele e aproximadamente 10 milhas terra a dentro da costa norte. Umas 120 milhas mais ao sudeste estava uma terceira concentração a 15 milhas a nordeste de Marti, bem terra a dentro. Um quarto sítio nuclear estava perto da ponta leste de Cuba, a 18 milhas norte-noroeste da Base Naval dos EUA de Guantanamo Bay.

Com tudo isto em jogo, a publicidade americana sobre os MIG-23s causou preocupação no Kremlin. E no início de novembro a tensão aumentou quando os EUA começaram a enviar vôos de reconhecimento SR-71 sobre Cuba – sombras de 1962 e dos U-2.

Em resposta, formações maciças no Atlântico, Pacífico e Frotas Submarina do Caribe da Marinha russa começaram a flanar ao longo das costas leste e oeste da América e do Golfo em 6 de novembro. Eles não estavam em formação de ataque, mas seus grandes números assinalavam um aviso claro a Washington. Neste momento, elas ainda estão em formação, muitas com armamento neutron.

Então durante a semana imediatamente anterior, as tragédias da Guiana e a pseudo-crise dos MIG-23 construiram um clímax. Começando na terça-feira, 14 de novembro, uma enorme força tarefa naval combinada de americanos e britânicos começou a se dirigir para Cuba. Em meados da semana, as forças de defesa cubanas estavam em pleno alerta, e na quinta-feira, 16 de novembro,um grupo de 12 senadores dos EUA em Moscou – supostamente para discutir os acordos SALT – se encontraram com o KOSYGIN da Rússia.

Lá eles pressionaram a alegada matéria do argumento dos MIG-23 cubanos, chamando a isto de um “um falso argumento”. Como um antigo piloto de teste e primeiro astronauta americano em órbita, o Senador John Glenn sabia do que estava falando, mas a raiva do Kosygin sobre os comentários sobre os MIGs forneceu a comunidade de inteligência dos EUA a prova valiosa que uma ação de imitação em relação a Cuba estava funcionando. No dia seguinte, 17 de novembro, a Rússia admitiu publicamente enviar MIG-23s a Cuba, chamando-os de armas estritamente defensivas.

No mesmo dia um editorial no *Washington Post* tipificou a crescente atenção da media aos MIG-23s cubanos. Ele era intitulado: “Uma Nova Crise de Mísseis Cubanos?” No dia seguinte, sábado, 18 de novembro de 1978, o Congressista Leo Ryan, três noticiaristas e uma mulher tentando escapar de Jonestown foram assassinados no aeroporto de Port Kaituma. Ao menos uma dúzia de outras pessoas ficaram feridas, mas não foi feito qualquer esforço para destruir o avião cheio dos fugitivos aterrorizados de Jonestown. De fato, muitas testemunhas ainda estavam vivas, e um avião menor conseguiu decolar depois do massacre no aeroporto e relatar o ataque na capital, Georgetown.

Imediatamente a atenção mundial se concentrou na Guiana, e enquanto isso o assassinato em massa em Jonestown – erroneamente chamado de suicídio em massa – estava a caminho.

A este ponto, o elaborado plano falsificado em relação a Cuba não era mais necessário, então o Pentágono anunciou que um exercício naval de rotina estava em progresso e que não se aproximaria de Cuba mais que 50 milhas. As forças de defesa cubanas relaxaram, mas a ação real estava apenas começando na Guiana. As execuções metódicas do Congressista Ryan e dos três importantes noticiaristas tinham garantido que Jonestown logo estaria no centro da atenção da publicidade. Tendo garantido esta publicidade, Jim Jones então ordenou as execuções em massa no kibbutz de Jonestown.

DETALHES DO MASSACRE

Os detalhes completos do desastre de Jonestown podem nuncar vir a ser conhecidos publicamente. Contudo, é certo, que muitos poucos daqueles que morreram foram voluntários em tirar as próprias vidas. Alguns foram atraiçoados, não entendendo que aqueles rituais de morte eram reais. Muitos mais resistiram, mas eram fracos, indefesos e eram confrontados por esquadrões armados de execução. Assim por vários meios, várias centenas de pessoas foram envenenadas com cianeto de potássio, muitas sendo injetadas forçadamente. Muitas fugiram para a selva, onde os Boinas Verdes dos EUA e as forças especiais SAS britânicas os seguiram e os levaram de volta ao Templo, onde os abateram a tiros. Finalmente, quando o assassinato em massa foi completado, os executores realizaram sua tarefa final de gerenciar a horrível cena de morte. Para obter a surpresa necessária para atacar a base de mísseis russa, era criticamente importante que os primeiros relatos de Jonestown descrevessem a cena como um suicídio em massa. Somente deste modo seu real significado militar podia ser oculto por tempo suficiente para enganar os russos.

Portanto, todos os corpos livres de ferimentos a tiros foram arranjados em linhas e outros agrupamentos, sugerindo a primeira vista, que eles morreram voluntaria e deliberadamente. Esta foi a cena que recebeu as tropas guianesas mais tarde no dia seguinte, no domingo, 19 de novembro. Foi mais de 24 horas depois que as vítimas do kibbutz morreram e os executores, incluindo o verdadeiro Jim Jones, já tinham ido embora. Jim Jones não morreu em Jonestown.

AS TROPAS COM MEDO DE DOENÇAS

As tropas guianesas estavam com medo de possíveis doenças mas contaram os corpos tão acuradamente quanto possível sem manusea-los intimamente ou move-los. O total que elas contaram na noite de domingo foi de 409. A impressão inicial de um suicídio em massa foi absorvida pela maior media controlada dos EUA. Sem esperar uma investigação, a media divulgou a imagem de suicídio de Jonestown como se este fosse um fato comprovado. Depois de uns poucos dias, as pessoas começaram a levantar perguntas, mas então a imagem inicial de suicídio tinha servido ao seu propósito de abrir as portas da Guiana para os EUA.

Por exemplo, na terça-feira, 21 de novembro, o filho sobrevivente de Jim Jones, Steven, disse a uma conferência de imprensa em Georgetown, “Que não havia meio de ter sido um suicídio em massa.” E que no mesmo dia, segundo o *Washington Star,* uma fonte guianesa ressaltou uma séria discrepância médica na cena de morte do kibbutz de Jonestown. Ela disse, “Se você morre de cianeto, que parece ter sido o veneno, seu corpo tem um espasmo e contorção de morte, mas em Jonestown todo mundo parecia relaxado”

A razão para esta discrepância era que pelo tempo em que chegaram as tropas guianesas, todos os corpos haviam sido rearranjados. Eles também, em sua maior parte, foram colocados com a face para baixo. Isto foi assim para as fotos amplamente publicadas não arruinassem a impressão desejada de calma preetndida  e evitar que você visse a expressão final de agonia das vítimas.

O PESADELO CONTINUOU

Para continuar a charada de pesadelo para enganar os russos, os EUA inicialmente publicamente exigiram que a Guiana coletasse e enterrasse as centenas de corpos. Como combinado, a Guiana respondeu que este era um problema americano e que a América devia levar os corpos de volta para os EUA. Exatamente como planejado. Para facilitar esta hedionda e enorme tarefa, a Guiana concordou de não seguir a lei guianesa usual que exige que qualquer corpo seja autopsiado antes da remoção do país. Com este arranjo, os EUA obtiveram carta branca para o acesso militar a Guiana, o que era necessário.

A inteligência russa entendeu o que estava em ação na segunda-feira, 20 de novembro, mas claramente era tarde demais para deter isto. “Temos uma base secreta de misseis lá e os EUA estão prontos para destrui-la”. Isto teria reunido a opinião mundial a favor da América e, embora as cosmosferas russas rapidamente convergissem sobre a Guiana, elas, também , eram inúteis nas condições encobertas da batalha lá. Suas armas de raios de partículas carregadas poderiam ter feito um curto trabalho nas forças estilo comando, mas no processo eles teriam dizimado a própria base russa. Os mísseis da Guiana tinham se tornado apenas um fator menor no poder militar da Rússia desde a Batalha da Colheita da Lua, um ano antes. Eles não eram valiosos o suficiente para que a Rússia declarasse guerra aberta por sua conta. E então sob estas condições, a Rússia estava impotente de agir, já que a tragédia de Jonestown tinha sido estagiada.

Na medida em que se aproximava o Dia de Ação de Graças, enormes transportes americanos, helicópteros, tropas e equipes médicas enxameavam a Guiana. Em um canto remoto do enorme campo aéreo de Temehri um posto de comando foi criado para as operações gêmeas de Jonestown e a base de mísseis russas.

Tão logo algumas das tropas começaram a nauseante tarefa de limpar o kibbutz de Jonestown, outras forças conjuntas de ataque estavam tomando posição ao redor da base de mísseis nas preparações do ataque surpresa. Enquanto isso, dia após dia a contagem de mortos em Jonestown permanecia inalterável em 409.

Então no próprio Dia de Ação de Graças, aconteceu a Batalha da Guiana. Forças militares com experiência em selva e guerra surpresa se moveram no complexo russo, atacando todos os sítios dispersos simultaneamente. Como no raide de Entebbe, a própria batalha não durou muito. Ela tinha que acabar muito rapidamente para ter sucesso.

Primeiro as pequenas equipes no sítio perto de cada míssel foi dominada e então morta. Os próprios mísseis foram rapidamente incapacitados. A seguir as forças militares seguiram para o Centro de Controle e Comando dos mísseis onde aconteceu uma batalha sangrenta. Quado a fumaça acabou, cada pessoa dento da base de míssel havia sido morta, inclusive os comandantes russos. Quando a batalha terminou, os helicópteros do campo aéreo de Temehri começaram a pousar dentro do complexo arruinado dos mísseis e retirar os feridos. Primeiro, havia ordens estritas de não deixar corpos das forças atacantes no solo da Guiana, e então a área inteira foi varrida em busca de cada membro da força atacante que estivesse faltando. Seus corpos, como aqueles das vítimas de Jonestown, foram colocados em sacos do tipo usado no Vietnã em clareiras onde os helicópteros podiam pousar para pega-los. Finalmente, as forças combinadas tinham ordens de remover as ogivas nucleares e enviá-las para Georgetown de onde seguiam para os EUA. Membros das forças especialmente treinados começaram a trabalhar imediatamente depois dos ataques iniciais as equipes dos mísseis. Em 24 de novembro, sexta-feira, todas as ogivas haviam sido removidas. Elas, também foram colocadas em sacos de cadáveres, uma por saco, com alguma folhagem da selva para dar ao saco uma aparência razoável.

De fato nada desta guerra foi aparente aos repórteres no campo aéreo de Temehri, cujo acesso ao posto americano de comando lá foi cuidadosamente controlado. Quando os membros feridos das forças atacantes eram levados de volta ao campo aéreo, depois da Batalha da Guiana no anoitecer do Dia das Graças, eles eram mantidos fora das vistas dos repórteres. Caso contrário, quando ocasionalmente os repórteres viam sacos de corpos sendo movidos de lugar em lugar eles naturalmente presumiram que todos continham as vítimas de Jonestown. Eles não tinham meios de saber que alguns continham comandos mortos e que outros continham ogivas nucleares russas. A carga contínua da morte do kibbutz de Jonestown foi a cobertura perfeita para as consequências da Batalha da Guiana.

DE ONDE ELES PODIAM TIRAR TODOS ESTES CORPOS?

Muitos repórteres estavam totalmente intrigados com a escolha da Base da Força Aérea de Dover em Delaware para a ponte aérea da Guiana. A maioria das vítimas de Jonestown era da Califórnia, e lá existem instalações mortuárias, similares a da instalação de Dover, na Base da Força Aérea Oakland na Califórnia. Dover foi escolhida para facilitar e transferência das ogivas russas para a vizinha Área de Teste de Aberdeen e Arsenal. Isto foi feito para vôos rasos de Dover à Base da Força Aérea de Phillips.

Originalmente a contagem guianesa de 409 foi aceita pelos oficiais americanos na Guiana. Isto tinha levantado questões quanto ao resto de aproximadamente 1.000 residentes relatadamente estarem em Jonestown e que tinham desaparecido. Finalmente, no Dia de Ação de Graças, com a operação de limpeza de corpos em andamento, um porta-voz militar disse aos repórteres, “A avaliação que temos feito é simplesmente que não havia muito mais pessoas em Jonestown ao tempo do suicídio.” Mas até mesmo na medida em que ele falava, a Batalha da Guiana estava sendo travada na base russa de mísseis. Pelo meio dia de sexta-feira, o dia depois do Dia de Ação de Graças, 485 sacos de corpos já haviam chegado ao campo aéreo de Temehri. Os  “corpos” das ogivas eram destinados a elevar muito além dos 409 corpos originalmente contados pelas tropas guianesas no kibbutz. Foi um mal engano, o tipo de coisa que acontece no calor da batalha. Algo tinha que ser feito e rapidamente.

Então naquela sexta feira depois do Dia de Ação de Graças, um porta-voz nervoso e sem fala do Pentágono no campo aéreo de Temehri fez um estonteante anúncio a televisão CBS [alguns de nós a chamam de CIABS não é, Dan Rather?]: “A contagem original das pessoas encontradas mortas em Jonestown foi descoberta estar em um sério erro. Agora parece haver 780 corpos, no total, encontrados no local. Eles simplesmente estavam embaixo de outros corpos. Havia adultos maiores agrupados juntos e sob suas crianças foram encontrados corpos, e sob estes, foram encontrados outros corpos de adultos menores e crianças’. De fato um suicídio muito curioso.

Irritado pelos repórteres incrédulos, o governo embelezou mais tarde a história. O *Washington Star* citou o mesmo porta-voz como tendo dito na noite de sexta-feira: “Perto do centro da pilha de corpos, perto do hall de reunião, eles estavam em três profundidades em algumas áreas. Eles estavam em camadas com cobertores entre eles.” Não é muito interessante que todas estas pessoas caissem em linhas retas e bem orquestradas? A história era tão inacreditável que dentro de dois dias o próprio governo desmentiu sua história sobre os cobertores como “um rumor”. Ainda que a idéia básica de corpos no alto de outros corpos tivesse que ser mantida, e então no sábado, 25 de novembro, um outro porta-voz da Força Aérea tentou fazer com que isto soasse plausível com as seguintes palavras: ” Do que observei, o povo, quando cometeu suicidio, se alinhou em pequenos círculos, as crianças em frente a eles, e na medida em que morriam eles se dobravam para o interior do círculo”.

Até mesmo embora a história continuasse cada vez mais curiosa, quase todo mundo engoliu a linha, o anzol, a isca e o peixe!

O acobertamento da Guiana foi mundial em suas dimensões – e tinha que ser. Na Guiana, o Vice Primeiro Ministro Reid fez o primeiro anúncio público ao povo guianês sobre Jonestown no anoitecer de sexta feira, 24 de novembro, no parlamento. Então ele se recusou a responder perguntas, e saiu aos gritos de “vergonha, vergonha’, “acobertamento” dos membros do parlamento. E nos EUA no Dia de Ação de Graças o Diretor do FBI William Webster disse que: “O esquadrão de desastre do FBI tinha identificado positivamente o corpo de James Warren Jones pelos registros de impressões digitais”. Isto foi uma mentira, e naquele momento Jim Jones estava realizando bem sua pré-planejada escapada da Guiana.

COMO JIM JONES SAIU?

Os planos para a remoção de Jones foram bem planejados adiantadamente. Um barco oceânico, bem armazenado de suprimentos e dinheiro estava esperando por ele perto do centro ribeirinho de Bartica, 35 milhas a sudoeste de Georgetown. Para fazer seu caminho para Bartica de Jonestown, Jones tinha um passe de salvo conduto. Bem cedo na manhã do Dia de Ação de Graças, na medida em que havia começado a Batalha da Guiana, Jones se dirigiu corrente abaixo na direção de Georgetown. Pouco depois do meio dia seu barco deixou a boca do rio Essequibo para o Oceano Atlântico .

De lá Jones seguiu um itinerário complicado que era destinado a evitar que fosse seguido; mas a despeito disso, ele foi seguido. Da Guiana, Jones se dirigiu a leste por aproximadamente 330 milhas e então virou ao sul, chegando perto de La Mere, Guiana Francesa, ás 5:30 A.M. hora local, 27 de novembro. De lá ele viajou  por terra para a capital Caiena, e tomou um avião que atravessou o Oceano Atlântico para Freetown, Aeroporto de Sierra Bissau, chegando lá a aproximadamente às 7:00 P.M. hora local, 28 de novembro. De lá, menos de duas horas depois, ele subiu a bordo de um DC-3 e decolou. Sua rota o levou na direção leste para Tambacounda, (Senegal); de onde foi para Mali com paradas em Segou, Mopti e Gao; então direto para Agadez (Niger) e Largeau (Chad). De lá seu avião continuou para Atbaqra (Sudão) e então uma curta parada final em Port Sudan onde ele chegou ás 4:00 A.M., 30 de novembro, hora local.

Quando ele chegou a Port Sudan, Jones encontrou um transporte executivo que o esperava e que era de propriedade e operado pela inteligência israelense. Dentro de 20 minutos o avião decolou com Jones e se dirigiu ao meio do Mar Vermelho na direção do Golfo de Aqaba. As 6:30 A.M. hora local de 30 de novembro o avião de Jones pousou brevemente em Elath, a porta de trás de Israel; então em um aeroporto particular fora de Jerusalém ele se dirigiu para um encontro de instrução de inteligência. Tenho informação que Jones esteve em Israel por sete ou oito anos e então foi morto por seus ‘mantenedores” por ser perigoso demais te-lo por perto. Contudo, tenho outras informações que conflitam com isto e assim não sei dizer qual seja o seu status atual. Tenho ouvido pregadores dando sermões ressaltando a história de Jim Jones e Jonestown. Eles realmente não tem noção da verdade e estão meramente reforçando a lavagem cerebral que tem recebido.

TEN. CEL. JAMES “BO” GRITZ E JONESTOWN

O oficial a cargo de todas as forças especiais dos EUA para a América Latina ao tempo do holocausto de Jonestown era o Ten. Cel. James “Bo” Gritz. Gritz foi o soldado original no qual o personagem “Rambo” foi baseado. Gritz foi o soldado mais condecorado da Guerra do Vietnã. O masacre da Guiana foi realizado pelos homens de Bo Gritz (juntamente com as tropas britânicas SAS). A revista *Flatland* , em uma entrevista com Gritz, perguntou a ele:

Questão: Você treinou as Forças Especiais que foram a Jonestown? Qual era a precisa natureza da operação?

“Não sei precisamente, porque foi uma operação compartimentalizada. A única coisa que sei com certeza é que o Sargento que citei saindo de Jonestown, é que ele estava insistente porque estava desgostoso, ao escrever seu livro. Ele estava, sem compromisso, indo chamar este livro de “Todos os Negros estão Mortos.” Perguntei a ele, “Porque você daria tal título a alguma coisa de modo tão ofensivo?” Ele disse, “não faz diferença qual a sua cor, credo, sexo; quando você é tratado do modo que eles foram lá, seja o que for que você seja, você é um negro e nada mais”.Penso que aqueles soldados viram coisas que os afetaram e os tornaram muito zangados. Tenho visto outras coisas como estas em combate onde tem havido abusos. Escrevi sobre um deles em meu livro, onde um Capitão torturou um jovem severamente e o jovem sargento pôs uma suástica e disse, “Se vou agir como um nazista vou parecer com um”. Penso que a mesma coisa de impacto negativo ocorreu em Jonestown.”

Gritz tem mais sobre Jonestown em sua biografia, *Called to Serve.* Talvez você simplesmente não possa acreditar no que estou lhe dizendo. Você acreditaria se eu lhe dissesse que soube do oficial Boina Verde a cargo dos homens que fizeram a matança? Ele admite que a informação foi compartimentalizada e não foi senão quando ele soube o que seus homens estavam realmente fazendo. A seguinte informação está nas páginas 584-587 do livro dele:

“A verdadeira história do campo de Jonestown na Guiana tem sido trazida a luz por meio da extensa investigação realizada por John Judge, de Philadelphia e Washington, D.C., e outros pesquisadores e investigadores dedicados. A verdade, que foi cuidadosamente suprimida da media americana, é que era realmente um campo de trabalho escravo dirigido por Jones com a ajuda da CIA. A maior parte da informação que se segue é do sumário de investigação de John Judge, suplementada pela informação fornecida pelas equipes das Forças Especiais que tinha treinado e comandado, que foram enviadas para limpar os restos de Jonestown.”

“A maioria das pessoas pobres negras ou hispânicas e ativistas sociais que se tornaram prisioneiras do campo foram levadas para lá pelo uso da força ou coação ou atraídas por falsas mentiras, onde experimentos extensos de controle mental induzido por drogas eram realizados neles. Até mesmo antes deles se mudarem para a Guiana havia relatos de espancamentos, raptos, abuso sexual e mortes misteriosas que vazaram para a imprensa sobre o Templo do Povo em Ukiah, Califórnia.

“Jim Jones tinha um passado muito interessante que foi menosprezado pela media: Durante o tempo em que seu amigo Dan Mitrione estava ensinando técnicas de tortura a brasileiros e argentinos, Jones também foi enviado ao Brasil onde sua casa, transporte e artigos de mercearia eram enviados a ele pela embaixada americana, e ele viajava frequentemente para Belo Horizonte, a sede da CIA no Brasil.

“Jones tinha sido contactado em Ukiah por ‘missionários cristãos’ da World Vision (World Vision é uma operação de fachada controlada pela CIA), uma ordem evangélica que realizou trabalho de espionagem para a CIA no sudeste asiático. A maior partes dos principais capangas de Jones eram de backgrounds ricos e educados com muitas ligações com as agências militares e de inteligência. Eram pessoas que estavam envolvidas em abrir contas bancárias, complexas transações legais e acordos financeiros que colocavam as pessoas sob controle do Templo do Povo.

“Alguns dos capangas de Jones eram: Dr. Lawrence Layton era o chefe da Pesquisa de Guerra Química e Biológica das Bases de Teste Dugway em Utah por muitos anos e mais tarde trabalhou como Diretor de Desenvolvimento de Mísseis e Satélites da Divisão de Propelentes da Marinha em Indian Head, Maryland. Sua esposa, Lisa, era filha de Hugo Phillips, que havia representado o enorme cartel de fabrica nazista, I.G. Farben, como vendedor de ações. A filha deles, Debbie, conheceu e se casou com George Philip Blakey, cujos pais tinham extensas ações da Solve Drugs, uma divisão da I.G. Farben.

“Blakey era reputado estar treinando mercenários em Jonestown que eram enviados para trabalhar nas forças UNITA de Angola sustentadas pela CIA. O pai de Terri Buford, o Almirante Charles T. Buford, trabalhava com a inteligência naval. O pai de Marie Katsaris era ministro da igreja ortodoxa grega, pensada ser um conduto de fundos da CIA, e ela afirmou ter provas que ele era um agente da CIA. Os ‘sobreviventes oficiais’ foram representados depois de seu retorno aos EUA por Joseph Blatchford, um advogado que tinha sido indicado antes de um escândalo envolvendo a infiltração da CIA no Peace Corps.

“As pessoas que foram retiradas de San Francisco para começar sua ‘nova vida’ na Guiana foram levadas de ônibus para a Flórida e chegaram na Guiana amarradas e amordaçadas, onde elas eram forçadas a trabalhar 16 horas por dia ou mais, e eram alimentadas com rações mínimas. Na medida em que mais e mais rumores começaram a chegar nos EUA sobre drogas, espancamentos, tortura, humilhações sexuais e coação no local na Guiana, o congressista Leo Ryan decidiu ir a Guiana e verificar a situação por ele próprio.

“Ryan já havia anteriormente desafiado as operações da CIA no exterior, como um membro do Comitê da Câmara responsável pela supervisão da inteligência. Ele era co-autor da controvertida Emenda Hughes-Ryan, que teria exigido revelação prévia da CIA aos comitês congressionais de todas as operações encobertas planejadas. A Emenda seria derrotada pouco depois de sua morte em Jonestown.

“Com Ryan a caminho de Jonestown, o segredo que cercava o campo seria quebrado e medidas desesperadas seria necessárias para evitar que a verdade escapasse, muito menos os prisioneiros. Em uma tentativa fútil de testar os métodos de condicionamento deles, os líderes em Jonestown aparentemente tentaram implementar uma real tentativa de suicídio, mas isto foi obviamente ignorado. As histórias oficiais primeiro determinaram 408 vítimas, mas mais tarde revisaram para um total de 913. Foi afirmado que 505 corpos haviam sido encobertos por aqueles primeiros 408 que haviam caído diretamente sobre eles, confundindo aqueles que haviam contado de fotografias aéreas – uma tentativa clara e ridícula de acobertamento.

“Contudo, os primeiros relatos eram verdadeiros –  408 tinham morrido, e 700 fugiram para a selva onde as tropas britânicas Black Watch e as Forças Especiais Americanas estavam realizando “exercícios de treinamento”. Dos 700, 505 haviam sido deliberadamente abatidos a tiros na selva e foram acrescentados a contagem daqueles que supostamente cometeram suicídio ao beber cianeto com Kool Aid.

“A verdade é que aproximadamente 400 prisioneiros foram forçados a morrer pela injeção, segundo o chefe examinador médico da Guiana, Dr. Mootoo, que chegou a Jonestown dentro de horas do massacre. Ele encontrou marcas de agulhas nas omoplatas esquerdas de 80 a 90% das vítimas, e outras haviam sido mortas a tiros ou estranguladas.

“Como médico chefe examinador, o testemunho do Mootoo ao Grande Juri Guianês chegou a conclusão que todas as pessoas menos três que morreram em Jonestown foram assassinadas por ‘pessoas desconhecidas’. Várias fotografias mostram ferimentos de tiros nos corpos também. O porta-voz do exército dos EUA, Ten. Cel. Schuler, disse a imprensa, ‘As autópsias não são necessárias. A causa da morte não é uma questão aqui” e os médicos forenses que mais tarde realizaram autópsias em Dover, Delaware, nunca souberam dos achados do Dr. Mootoo.

“As tropas guianesas descobriram uma enorme quantidade de drogas, o suficiente para controlar a inteira população de Georgetown, Guiana (pop. 200.000), por mais de um ano. Um armário continha 11.000 doses de Thorazine, um perigoso tranquilizante, e outras drogas tais como sodium pentothal (soro da verdade), hidrato de cloral (um hipnótico), demerol, Tálio (confunde o pensamento), haliopareael e Largatil (poderosos tranquilizantes) e muitos outros. Era muito evidente que Jonestown era um campo de concentração dirigido com mão de ferro, completo com experimentação médica e psiquiátrica.

“Ordens diretas para encobrir a causa da morte vieram de altos níveis do governo americano. Zbigniew Brzezinski, o conselheiro de segurança nacional do Presidente Carter, autorizou Robert Pastor a ordenar ao Ten. Cel Gordon Sumner tirar dos corpos os braceletes médicos que eles eram forçados a usar para identificação. Pastor mais tarde serviu como Vice Diretor da CIA.

“Um dos sargentos das Forças Especiais designadas para o massacre de Jonestown ficou tão ultrajado sobre o que ele testemunhou que decidiu descrever os eventos em um livro. Embora o Ato de Sigilo evitasse que ele detalhasse tudo o que aconteceu, o SFC Inman cuidadosamente escondeu a história inteira dentro de seu título : *All The Niggers Are Dead!* Quando lhe pediram para que ele explicasse a crueza do nome, ele respondeu: “Senhor, isto é o que eles eram. Tanto negros quanto brancos eram negros; isto é o que um escravo é; isto é o que eles eram. Esta era a nossa mensagem final de rádio quando o trabalho a que fomos designados tivesse acabado.’ Pude dizer por sua amargura que o governo não tinha medo de que o livro pudesse ser impresso. Ele apenas precisava de alguém onde lançar sua raiva.

“O Primeiro Ministro da Guiana Forbes Burnham chegou ao poder como resultado de um golpe de Estado contra o recalcitrante líder guianês Cheddi Jagan. Richard Dwyer, um agente da CIA trabalhando como Chefe Substituto da Missão na Embaixada Americana da Guiana, foi mostrado ter estado na cena ao tempo do massacre e na pista do aeroporto, onde ele fracassou em ordenar as tropas guianesas, armadas com metralhadoras, em defender Ryan e sua equipe.

“O Oficial Chefe Consular Richard McCoy, que foi descrito como amigo íntimo de Jim Jones, trabahava para a inteligência militar e foi um ‘empréstimo’ do Departamento de Defesa ao tempo do massacre. Dan Webber, que foi enviado a Jonestown um dia depois, também era um agente da CIA.

“O embaixador americano John Burke, que havia servido na CIA desde 1963 e que tinha trabalhado com Dwyer na Tailândia, segundo Philip Agee, tentou parar a investigação de Ryan. O Departamento de Estado escondeu todos os relatos das violações em Jonestown do congressista Leo Ryan, enquanto a embaixada regularmente fornecia a Jones cópias dos inquéritos congressionais sob o Ato de Liberdade de Informação.

“Segundo relatos atuais, Jonestown tem sido repopulada com mais de 1.000 pessoas do Laos do grupo étnico Hmong que plantavam ópio e serviram sob o General Vang Pao durante a nossa guerra secreta no Laos e Cambodia. Segundo estes relatos, World Vision estava também tentando mover a população da Ilha de Dominica para Jonestown.

“Além do já mencionado campo de tortura, Colonia Dignidad, um outro é relatado estar localizado em Pisgua, Chile. Dentro da própria Guiana está uma outra ‘comunidade religiosa’, chamada Hilltown, que também operava sob uma estrutura férrea, com 8.000 negros dos EUA e Guiana. Eles tiveram permissão a limpar o local de Jonestown de sapatos e armas, ambos os quais estavam em falta na Guiana. É somente uma questão de tempo antes que outro Jonestown seja exposto. É triste saber que o que começou como uma organização reunidora de informação tem se tornado um instrumento do dragão.”

NO INÍCIO…

Em março de 1919 na publicação da revista *Electrical Experimenter*, os detalhes do sistema de comunicação subterrânea de Roger foram divulgados. Este sistema foi mais tarde classificado secreto e usado para se comunicar com os submarinos durante a Primeira Guerra Mundial. Isto envolvia o uso de frequências pelo solo e água. Os sinais eram 5.000 vezes mais fortes do que os sinais pelo ar. As patentes estão confundindo a maioria dos engenheiros, mas para alguém que entende, é óbvio que os transmissores estavam usando ondas escalares. Se você imaginar se pode ser possível para cientistas anteverem este tipo de tecnologia descrita nos artigos anteriores de Fogo Vindo do Céu, você precisa estar ciente que esta tecnologia já existe por um longo tempo. Realmente, um tempo muito longo.

Por exemplo, em 1977, Louis Kervran ganhou o Prêmio Nobel por mostrar que plantas e animais [seus experimentos principais foram com galinhas] usam uma tecnologia de tipo de onda escalar para transmutar elementos, por exemplo, transformar potássio em cálcio. Isto é impossível segundo as ‘leis’ da física atualmente ensinadas nas escolas. A Elite regente não quer que as pessoas comuns tenham este tipo de conhecimento, porque isto condenará o controle dela sobre nós. Assim, as leis que eles ensinam estão erradas.

Enquanto os barões do petróleo sabotavam os esforços de Nikola Tesla para fornecer energia barata ou gratuita para o mundo, os russos tomaram um interesse neste material e o desenvolveram.

Nikita Kruschev pediu a seus físicos, especificamente Pyorte (Peter) Kapitsa, para desenvolver um sistema para defesa total contra mísseis e aeronaves. Ao estudar Tesla e outros, eles foram bem sucedidos e, em 1960, Kruschev anunciou o desenvolvimento de uma fantástica arma soviética que podia destruir toda vida no mundo. (“Kruschev Diz que Soviéticos Cortarão as Forças em um Terço; Veja ‘Fantastic Weapon’,” de Max Frankel, *New York Times,* 15 de janeiro de 1960, p. 1.) Contudo, isto ainda não estava completamente pronto e em 1962 Kruschev foi forçado a recuar durante a crise dos mísseis cubanos. Isto fez com que ele perdesse prestígio com seu governo e povo.

U.S.S. THRESHER E O U-2

Na medida em que as coisas não iam bem para Kruschev, ele decidiu usar o sistema de armas antes que este estivesse completamente operacional. Em 10 de abril de 1963, ele com sucesso detectou e destruiu o submarino nuclear *U.S.S. Thresher,* usando um canhão escalar sob a água. No dia seguinte, eles celebraram disparando uma explosão de pulso criando uma tremenda explosão sub-aquática aproximadamente a 100 milhas ao norte de Porto Rico, ao sul de onde haviam afundado o *Thresher.*

Cel. Tom Bearden descreveu o evento: “Isto deixou uma assinatura, o companheiro de sub-superficie, o *U.S.S. Skylark,* estava na  zona de respingo da interferência escalar submarina. Isto é, o espúrio barulho eletromagnético estava sendo gerado em todos os sistemas elétricos do *Skylark*, alguns dos quais ficaram realmente incapacitados. Foi tão intenso o ‘desarranjo elétrico’ que precisou de mais de hora e meia para que o  *Skylark* transmitisse uma mensagem de emergência de volta a sua sede que o  *Thresher* estava em sério problema e que o contacto com ele havia sido perdido.

Alguns dos sistemas de comunicação do *Skylark* realmente falharam, mas mais tarde reassumiram inexplicavelmente a operação, uma vez tenha acabado o desarranjo. Este tipo de desarranjo de múltiplas bandas e múltiplos equipamentos eletrônicos, de fato, juntamente com a falha anômala do equipamento eletrônico e sua posterior misteriosa recuperação, eram assinaturas diretas do uso de interferômetro escalar exotérmico contra a área alvo subersa na vizinhança do *Skylark.*

“No dia seguinte, 11 de abril de 1963, o mesmo sistema de canhão escalar soviético foi testado no modo pulso de destruir submarino. Uma enorme explosão submarina eletromagnética ocorreu fora da costa de Porto Rico, aproximadamente a 100 milhas ao norte da ilha. A enorme explosão submarina causou um enorme cogumelo fervente de água de aproximadamente um terço de milha de altura. O cogumelo de água então caiu de volta no oceano, completando a assinatura.

“Felizmente o inteiro incidente foi visto por uma atônita tripulação de uma aeronave comercial americana que passava em seu ponto de checagem nesta área.” (Veja Robert J. Durant, “An Underwater Explosion – or What?” *Pursuit,* 5(2), Abril 1972, p. 30-31.) Para mais informação sobre o desastre do *Thresher* e os problemas de *Skylark* veja John Bentley, *The Thresher Disaster,* Doubleday, Garden City, N.Y., 1975, particularmente p. 164.

“Esets dois incidentes foram completos testes operacionais das novas super armas de Kruschev. Ele provavelmente programou este dramático golpe “dois em um” em um esforço para recuperar o prestígio com o Partido Comunista depois de sua desastrosa queda por Kennedy na crise dos mísseis cubanos uns poucos meses antes. Aparentemente a tentativa foi bem sucedida, já que ele permaneceu no poder por um outro ano antes de ser deposto.”

Há também evidência que o vôo U-2 de Francis Gary Powers foi abatido por esta tecnologia. Bearden diz: “De fato, a aeronave de alto vôo de Gary Powers foi provavelmente abatida em 1960 por um canhão escalar eletromagnético usando radares modificados e pulsos cronometrados escalares para fornecer uma explosão aérea e EMP.” (*Fer-De-Lance,* de Tom Bearden, p. 65.)

A DEFESA RUSSA OTAL

Em 1968, os soviéticos deram uma declaração em *Military Strategy* que a USSR havia alcançado uma defesa 100% e que o Ocidente não tinha  (*Sokolovsky,* 3a Edição). Eles estavam dizendo a verdade, e se estavam, a que estavam se referindo? Isto é uma questão de vida ou morte, você sabe.

Dr. Edward Teller disse em 1987: “Hoje, os soviéticos tem o monopólio da defesa e pretendem mante-lo. Praticamente nada temos feito em termos de defesa civil.” Ele também disse, “Os soviéticos têm trabalhado nos últimos dez anos aperfeiçoando armas a laser e agora têm um laser capaz de atirar a 1.000 milhas sem que seu raio se espalhe mais que cinco pés”  (Jan.-Fev. 1987 *Fusion*).

PROJETO PAPERCLIP

Antes que continuemos na sequência de tempo do que aconteceu, quero voltar e ressaltar algumas ligações que você precisa saber. O material anterior de Fogo Vindo do Céu diz que os russos tiveram sucesso em desenvolverem plataformas de levitação anti-gravidade, que são as mesmas coisas geralmente chamadas de disco voadores. De fato, os soviéticos usaram antigos cientistas nazistas para obter seus avanços.

Os nazistas realmente originaram os discos voadores, e eles obtiveram as idéias deles e a informação concernente a eles de extraterrestres. Isto é o que todos os registros indicam. Darei a você algumas pistas e se você for sério, pode fazer sua pesquisa e provar isto por você mesmo. Você não tem que acreditar em mim ou em qualquer pessoa mais – examine você mesmo!

Para informação sobre os cientistas nazistas, sugiro que você estude o material sobre o Projeto Paperclip. (*Project Paperclip* de Clarence Lasby; *The Torbitt Document* de William Torbitt; *The Nazi Connection ao Assassinato de John F. Kennedy* de Mae Brussell; etc.) Um antigo membro desta operação é um bom amigo meu. Entre os alemães [ e austríacos] envolvidos no Paperclip estava um espião comunista chamado Henry Kissinger – você já ouviu falar nele?

Um outro alemão era Werner von Braun, que foi trazido a este país e se tornou o chefe do programa espacial americano. Von Braun trabalhou para um general alemão chamado Walter Dornberger, e tinha sido um  *SS Sturmbannfuhrer* desde 1937. Dornberger estava a cargo de Peenemunde. No fim da guerra, von Braun e 115 outros cientistas alemães se renderam aos americanos e foram trazidos a Fort Bliss, Texas (exatamente através da linha estadual da base de White Sands, Novo México).

Em 1950 eles foram transferidos para o Arsenal Redstone em Huntsville, Alabama. Cel. Tom Bearden foi um fisico nuclear no Arsenal Redstone. O relatório original de segurança de Von Braun disse: “Ele foi um oficial das SS mas não há informação disponível que ele fosse um ardente nazista. O sujeito é visto como uma potencial ameaça à segurança pelo Governador Militar”. Von Braun minimizou sua afiliação as SS e disse que era apenas honorária e que ‘sua verdadeira razão para trabalhar no programa nazista de mísseis tinha sido a potencial utilidade de suas máquinas para viagem espacial” (*Blowback,* p. 39).

Dornberger foi condenado como criminoso de guerra, então mais tarde foi secretamente trazido para os EUA a pedido de von Braun ao Alto Comissário John J. McCloy. Ele foi trabalhar para Bell Aircraft (Bell Textron) onde trabalhou como diretor do programa espacial como diretor de R&D [pesquisa e desenvolvimento]  (James “Bo” Gritz, *Called to Serve,* p. 511). Ele também era um consultor especial da CIA  (*The Nazi Hunters,* p. 217).

Eventualmente ele serviu na diretoria de várias companhias aeroespaciais. Ele ajudou a desenvolver um veículo trans-atmosférico movido a energia nuclear (TAV). Estes veículos começaram a operar fora da Área 51 em Nevada, e outros lugares. Dornberger se tornou chefe da Bell Aerospace Corporation e tinha aproximadamente 30 antigos cientistas nazistas trabalhando para ele. Um homem chamado Stanton Friedman está percorrendo o país dizendo que ele trabalhou neste tipo de sistemas de propulsão nuclear. Ele vende vídeos com fotos.

McCloy foi Secretário Assistente de Guerra e bloqueou muitas execuções de muitos criminosos de guerra nazistas. Ele era um que supervisionou o internamento em campos de concentração dos nipo-americanos na Califórnia. Em 1949 ele se tornou Alto Comissário na Alemanha e perdoou criminosos de guerra condenados como Alfred Krupp e o Dr. Hjalmar Schact (que foi trabalhar para Aristotle Onassis).

Ele se tornou conselheiro legal das companhias de petróleo “Seven Sisters”, uma das quais era gerenciada pelo pai do agente da CIA George de Mohrenschildt, que era um espião nazista durante a Segunda Guerra Mundial. “O primo de George, o produtor de cinema Barão Constantine Maydell, foi um dos principais agentes da Abwehr alemã na América do Norte, e foi recrutado por Gehlen…” (Gritz, p. 538).

OPERAÇÃO SUNRISE

Segundo o Cel. Bo Gritz, o ex chefe das Forças Especiais do Exército dos EUA para a América Latina, o “General Reinhard Gehlen, o oficial chefe de inteligência de Hitler contra a União Soviética, tinha fechado um acordo com os americanos  (Chamado OPERAÇÃO SUNRISE) que não era, por razões óbvias, divulgado para a instituição da media. Os principais negociadores foram Allen Dulles e William Casey do OSS, Sir William Stephenson para os britânicos e o General SS Karl Wolff, chefe da Gestapo na Itália e ex chefe da equipe pessoal de Heinrich Himmler” (p. 562).

Operação SUNRISE se desenvolveu na Operação OVERCAST com o General Walter Dornberger e Werner von Braun, e então se tornou o Projeto PAPERCLIP, BLOODSTONE e BELARUS, etc. (ibid.).

John McCloy, a propósito, mais tarde serviria na Comissão Warren e ajudou a encobrir o assassinato de JFK. Ele se tornou chefe do Banco Mundial, chefe do Banco Chase Manhattan, chefe da Fundação Ford, presidente do Conselho das Relações Exteriores [CFR] e co-autor de *Freedom From War, The United States Program For General And Complete Disarmament In A Peaceful World* (Department of State Publication 7277).

Von Braun tinha um assistente chamado Fred Wolff:  “…este assunto tinha sido amplamente conhecido pelas sugestões de Dr. von Braun (que Wolff rascunhou rapidamente para receber o cheque de von Braun).” *War For The Moon* de Martin Caidin, E.P. Dutton, 1959, capítulo “Project Moon,” p. 61 (este livro foi ilustrado por Fred Wolff). Note acima que o chefe da Gestapo na Itália, Karl Wolff, estava trabalhando com von Braun. Será que o nome original de Fred era Karl, ou era filho dele? Não estamos aqui falando de Smith ou Jones, quantos homens chamados Wolff eram amigos íntimos de von Braun lá nesta pequena organização?

Gehlen, von Braun e Dornberger continuaram a ter considerável influência na política americana, como relatado em *Blowback,* p. 64: “Gehlen também desempenhu um papel principal na famosa brecha de míssel da década de 1950. ‘Gehlen nos forneceu [a CIA] relatos especificos sobre o progama soviético de ICBM ,’ Victor Marchetti diz. ‘Ele disse, “Temos dois relatos confiáveis confirmando isto” e eles [os soviéticos],tem apenas instalados três mísseis naquele sítio’ et cetera, afirmando que eles tinham contactos entre cientistas alemães capturados pelos russos no final da guerra.” Os relatos de inteligência foram transmitidos ao Pentágono pelos canais inter-agências, e a palavra sobre o novo desenvolvimento alarmante eventualmente vazaram de lá para a imprensa.

“Walter Dornberger acrescentou combustível a este incêndio em 1955 ao publicar especulações alarmantes que os soviéticas podiam atacar do mar, usando mísseis de curto alcance empregados em latas flutuantes fora da costa dos EUA. Ele esteve profundamente envolvido a este ponto no próprio programa americano de ICBM, e as opiniões dele recebiam um peso considerável nas discussões públicas”

PROJETO OVERCAST

Em 19 de julho de 1945, a Junta de Chefes de Staff aprovou um programa chamado Operação Overcast. Sob este programa, 350 cientistas alemães e técnicos seriam trazidos para os EUA por um período de seis meses. O programa foi clasificado Top Secret para oculta-lo do público americano.  (Ashman, Charles & Wagman, Robert J., *The Nazi Hunters,* Warner Books, p. 212.)

Quando os nazistas foram trazidos para os EUA, inicialmente foram colocados em Campo Overcast. Campo Overcast era no campo  Wright, que mais tarde se tornou famoso entre os pesquisadores UFOs como Base da Força Aérea de Wright-Patterson, lar do infame Hangar 18. Até mesmo o Senador Barry Goldwater teve seu acesso negado a esta instalação.

O Rabino Stephen Wise, chefe do Congresso Americano Judaico, descobriu que a esposa de um membro da equipe de foguetes do Campo Wright era um antigo oficial do Partido Nazista e em maio de 1946 disse: ‘Esta operação [Paperclip, antes chamada Overcast] é tudo mais que deplorável ao tempo em que oficiais de nosso governo acham todas as razões possíveis para deixarem de cumprir a política declarada do Presidente Truman para resgatar quantas vítimas do terror nazista que a nossa lei de imigração possa permitir… tão longo premiamos os antigos servidores de Hitler enquanto deixamos suas vítimas em campos DP, não podemos até mesmo fingir que estamos fazendo qualquer esforço real para alcançar as metas pelas quais lutamos.”

Rabino Stephen Wise é também famoso por sua citação:” Alguns chamam a isto comunismo. Eu chamo de judaismo!”

Quando os alemães foram inicialmente levados a New York, “Em Port Washing, eles viveram em condições confortáveis em um castelo que havia sido construído pelo multimilionário Jay Gould. Eles se banhavam em banheiras de mármore e comiam em uma imponente sala de jantar ” (p. 203, *American Swastika* de Charles Higham).

“Em agosto de 1945, o avião particular do General Walter Bedell Smith foi usado para transportar Gehlen e cinco de seu staff geral para a capital americana. Eles viajaram em roupas simples, um de seus membros usando uma caixa de violino como maleta. É interessante ressaltar que Bedell Smith era o chefe de staff de Eisenhower” (p. 260, *American Swastika*).

Em 4 de março de 1946, a operação teve seu nome trocado para Operação Paperclip, sem limite de tempo ou número de alemães. Um outro alemão que foi trazido, que não era um cientista, foi Otto von Bolschwing. Ele foi educado na Universidade de Londres e na Universidade de Breslau. Ele se uniu ao Partido Nazista em 1o. de abril de 1932 e desenvolveu um negócio de importação/exportação, possuia uma mina de carvão e esteve envolvido em várias companhias farmacêuticas. Quando a guerra irrompeu, ele se uniu as SS e se tornou um oficial de inteligência, trabalhando com os ramos alemães da General Electric e Standard Oil. Ele esteve a cargo de importantes fundos que vieram por meio da ligação nazista de  Allen Dulles no Banco Schroeder de New York. Em 1945 ele foi contactado pelo CIC do Exército e em 1947 era um membro da organização Gehlen. Ele veio para os EUA e obteve um emprego com Alfred Driscoll, ex governador de New Jersey e presidente da companhia farmacêutica Warner-Lambert. Mais tarde ele se uniu a Transinternational Computer Investment Corporation (TCI) em Silicon Valley, Califórnia e se tornou vice-presidente da companhia.  Reinhard Gehlen trabalhou para a TCI durante o tempo em que estava ajudando Richard Nixon a concorrer a Presidente.

MICHAEL PAINE

Aqueles que estudaram o assassinato do Presidente Kennedy talvez se recordem que a esposa de Lee Harvey Oswald, Marina, estava ficando com Ruth Paine. Em 30 de abril de 1961, Oswald se casou com Marina Pruskova na União Soviética. Ele escreveu ao Senador americano John Tower para ajuda-lo a voltar aos EUA e isto lhe foi garantido. Lembre-se, Oswald tinha sido incriminado e deixou os EUA, então ele pediu a um senador americano para ajuda-lo a retornar e obteve isto! Porque ele escolheu Tower para pedir e porque Tower o ajudou? Tower tomou o lugar de Lyndon Johnson no senado e mais tarde se tornou o  chefe do Comitê de Serviços Armados. Uma cota especial de não imigrante foi dada a mulher de Oswald. Oswald e Marina chegaram aos EUA em 12 de junho de 1962 e foram para Dallas. “Ele voltou a Dallas em 2 de outubro de 1963, e foi se encontrr com os agentes da CIA George de Mohrenschildt e Ruth e Michael Paine. Michael Paine trabalhou para o criminoso de guerra nazista Gen. Walter Dornberger em Bell-Textron em Dallas” (Gritz, p. 529). Na página seguinte – “A maior parte dos contactos de Oswald em Dallas, de fato, era com pessoas contratadas por Dornberger.”

A maioria das pessoas que testemunhou sobre Oswald perante a Commissão Warren foi cuidadosamente selecionada entre associados de Dornberger. Gritz diz destas mesmas pessoas: “Grupos emigrados do Leste Europeu e russos fornecidos por Gehlen eram o pessoal inicialmente treinado para estas missões em um campo especial criado em Oberammergau em 1946, sob o comando do General Sikes e SS General Burckhardt, e com a ajuda de Henry Kissinger e Lucius Clay. O campo tinha 5.000 elementos anti-comunistas que foram preparados lá e se chamavam ‘Forças Especiais”. (p. 564).

Esta foi a origem das Forças Especiais do Exército dos EUA e na página seguinte Gritz diz: “Muitos dos remanescentes foram para treinamento especial de guerrilha como recrutas das Forças Especiais em Fort Bragg, Carolina do Norte e ajudaram a formar o núcleo dos atuais Boinas Verdes. Eles mais tarde estariam em casa em sua primeira designação – o SS Bad Tolz Flint Kaserne no coração dos Alpes Bavaros.”

E na página 566 Gritz diz: “A equipe imediata de Gehlen de aproximadamente 350 agentes, de fato, foi  trazida em massa para a Divisão Histórica do Exército dos EUA. Quase toda resistência ao usar os criminosos de guerra nazistas para realizarem as missões da CIA parecem ter sido superadas ao tempo em que Allen Dulles se tornou diretor em 1953.” A insígnia da cabeça de morte da SS nazista foi adotada como símbolo das Forças Especiais do Exército dos EUA (p. 567).

O patrão do agente da CIA George de Mohrenschildt na própria  CIA foi George Bush. De Mohrenschildt tinha um amigo íntimo, John W. Mecom, que foi um dos incorporadores do Fundo San Jacinto que foi usado para lavar dinheiro das drogas. (“Surreptitious Entry: The CIA’s Operations in the United States,” de Thomas B. Ross do *Chicago Sun Times* em *The CIA File,* editado por Robert L. Borosage e John Marks (Viking, 1976), e citado em *The Mafia, CIA & George Bush* de Pete Brewton, p. 317.)

De Mohrenschildt tinha um outro amigo, Jean de Menil, presidente da Schlumberger Corporation. Jim Garrison conta sobre Schlumberger ser a fonte das armas envolvidas nas operações anti-Castro e na Algéria. Em  1977, horas depois de arranjar para se encontrar com um investigador para o Comitê Seleto sore Assassinatos da Câmara,  de Mohrenschildt se uniu a longa linha de pessoas envolvidas no assassinato de Kennedy que “cometeram suicídio.”

Se você tiver estômago para examinar isto, você descobrirá que os presidentes Johnson, Nixon, Reagan a Bush *atiraram* seu caminho para a Presidência.

E as pessoas mantendo uma lista tem identificado mais de 30 pessoas próximas ao presidente Clinton que tem sido assassinadas ou ao menos morreram sob misteriosas circunstâncias. Se você contar as guerras, os nossos presidentes tem sido responsáveis pelas mortes de milhares de pessoas. E você meu amigo, é republicano ou democrata?

Oswald disse a um estenografo público que um engenheiro (Michael Paine) se ofereceu para publicar um livro sobre a União Soviética para Oswald se ele o escrevesse. Os Paines começaram a subsidiar os Oswalds e mais tarde Mrs. Oswald se mudou para os Paines, onde ela e Ruth conversavam todo dia em russo.

Lee Harvey Oswald então foi a New Orleans e se envolveu com o “Fair Play For Cuba Committee.” O chefe era um judeu chamado V.T. Lee, nome real Tappin. Pesquisadores de Lee Harvey Oswald deve levar em conta o fato que havia várias pessoas que diziam ser Oswald. Quando estava vivendo com os Paines, Oswald practicou tiros com um rifle que ele mantinha em sua garagem. Alguns dizem que ele tomou um “pot-shot” em  General Walker naquele tempo. Em setembro, foi anunciado que o Presidente Kennedy visitaria Dallas, e três semanas depois Mrs. Paine chamou Mr. Truly, o gerente do Depósito de Livros da Escola Texas e conseguiu um emprego para Oswald lá, sob o nome de “O.H. Lee.” (*New York Post,* Dec. 10, 1963, p. 22.)

MAIS LIGAÇÕES DE ASSASSINATOS

Imediatamente depois que Kennedy foi assassinado lá foram lançadas três investigações – pelo Escritório Geral do Advogado do Texas, o FBI e o Congresso dos EUA. Em 9 de dezembro de 1963, dezessete dias depois do assassinato, o jornal comunista *Worker* exigiu que as três investigações parassem e que apenas Earl Warren fizesse a investigação. Três dias mais tarde, o Presidente Johnson ordenou que os três grupos parassem e colocou Earl Warren a cargo, exatamente como os comunistas haviam ordenado.

Warren imediatamente começou a destruir evidência. Enquanto os outros grupos estavam encontrando informação de múltiplas pessoas envolvidas, Arlen Specter veio com a teoria da “bala mágica’ para explicar o que aconteceu. Ninguém mais apoiou esta teoria, exceto Gerald Ford, mas esta se tornou a conclusão da Comissão Warren. Gerald Ford, cujo nome real era Leslie Lynch King (*American Heritage Dictionary,* 1979), em seu livro *Portrait of the Assassin,* página 51, fala sobre Lee Harvey Oswald estar na folha de pagamento da Cruz Vermelha americana enquanto esteve na Rússia. A atual chefe da Cruz Vermelha é Elizabeth Dole, a esposa do Senador Bob Dole. Specter tem se tornado proeminente recentemente nas investigações de Waco e Ruby Ridge, e está fazendo campanha para presidente. Não parece que talvez os comunistas estejam por trás do assassinato de Kennedy? Se isto apenas fosse simples! Precisamos prestar atenção no que e quem estas pessoas são, na medida em que seus nomes aparecem em todos os tipos de lugares estranhos.

O marido de Ruth Paine, Michael, trabalhou como engenheiro na Bell Aerospace para o ex general alemão Dornberger, chefe de pesquisa de Bell. Paine era parte da operação Gehlen.

Werner von Braun se tornou um amigo pessoal de J. Edgar Hoover e logo depois que chegou aos EUA se tornou também um amigo pessoal de Lyndon B. Johnson. Von Braun trabalhou com Hoover em projetos de segurança na Autoridade do Vale Tennessee, o Arsenal Redstone e mais tarde na Agência Nacional Espacial. Em 1958 Lyndon Johnson, líder da maioria no Senado, ajudou a empurrar o Ato Espacial Nacional, dando fundos a von Braun.

A Marinha e a Força Aérea estavam a cargo dos programas de misseis dos EUA quando a Rússia lançou seu satélite Sputnik em outubro de 1957. Duas semanas depois, eles lançaram o muito maior Sputnik II que levava um cão ao espaço. Os russos haviam posto um pacote de seis toneladas em órbita, enquanto dois meses depois a Marinha tentou lançar um satélite do tamanho de grapefruit de três libras e meia em seu míssel Vanguard. Isto alcançou a altura de quatro pés e explodiu na televisão nacional. Eisenhower foi então relembrado sobre o fato pouco conhecido dos cientistas nazistas em Huntsville, assim ele os mandou ir adiante. Menos de dois meses mais tarde os ex nazistas colocaram o primeiro satélite americano em órbita, o Explorer I, em 31 de janeiro de 1958.

“Sputnik forçou duas agendas espaciais nos EUA, uma pública e a outra top secreta.” (Burrows, William E., *Deep Black – Space Espionage And National Security,* Random House, 1986, p. 138.)

Reinhard Gehlen era o chefe da organização de espionagem nazista Abwehr durante a Segunda Guerra Mundial, e ao fim da guerra ele se aproximou do OSS e se ofereceu para trabalhar para eles, com sua equipe e registros. Eles aceitaram e trouxeram muitos de sua equipe para os EUA sob o Projeto Paperclip.

Gehlen permaneceu chefe do serviço de inteligência da Alemanha Ocidental até se aposentar em 1968. Frank Wisner, que trabalhou para Allen Welsh Dulles, era um advogado de Wall Street que se tornou chefe do ramo secreto de inteligência de Dulles e era responsável pela organização Gehlen. Trabalhando com Wisner estava o graduado de Harvard Harry Rositzke que trabalhava na mesma sala com Arthur Schlesinger, Jr. e Richard Helms, que mais tarde se tornou Diretor da CIA em 1966.

Um da equipe de Wisner era George Bookbinder, que mais tarde se tornou presidente da Corporação de Desenvolvimento RAND. Esta foi a organização de Gehlen que escavou o famoso túnel de Berlim. Eles, especialmente a Corporação RAND, se tornaram bons em escavar túneis [exceto por não terem dominado aqueles aborrecedores “hum”!).

POVO DA TERRA/SHAN

O livro  *Air America* diz, durante o conflito do Vietnã, “Um quartel general foi estabelecido em Cingapura onde Frank Wisner, o Vice Diretor de Planos da CIA, foi pessoalmente chefiar a operação.” (Robbins, Christopher, *Air America,* New York: Avon Books, 1979, p. 70).

Air America era uma linha aére a secreta da CIA envolvida na Operação Phoenix na Guerra do Vietnã. Um de seus pilotos era John Lear, de fama UFO. O nome Phoenix era uma tradução de Phung Hoang, um pássaro mítico que os vietnamitas dizem ter poderes mágicos para trazer notícias de paz. A CIA trazia drogas de Khun Sa, o líder do povo “Shan”.

Bo Gritz, em *Called To Serve,* fala que Khun Sa tentou parar o comércio de drogas e foi forçado a continuar pelos americanos. Na página 300, Gritz conta que o Presidente Reagan ofereceu reconhecer Shanland como uma nação nova e independente. Suponho ser apenas uma coincidência que a nave de comando (“disco voador”) das naves envolvidas na história UFO de Billy Meier tenha sido chamada “Phoenix” e que os extraterrestres envolvidos disseram que seu nome na Terra era “Shan.”

O homem a cargo da operação de drogas da CIA no Vietnã foi Richard Armitage, que mais tarde se tornou Secretário Assistente de Defesa.  Armitage embarcava as drogas para Manuel Noriega no Panamá, qe as embarcava para George Bush, chefe da CIA e mais tarde Presidente, nas bases de drogas de Bush em  Mena, Arkansas, Base da Força Aérea Homestead na Flórida, e para Zapata e Black Rose e tais operações da família Bush.

Armitage tinha um melhor amigo chamado Erich von Marbod, também uma pessoa da organização de Gehlen e amigo de Bo Gritz. Ao fim da guerra do Vietnã, “ele [Armitage] e Erich enviaram secretamente toneladas de munições em carregamentos estratégicos ao redor do sudeste asiático. Os amigos de Erich parecem um global “Quem é Quem”. Ele era um grande amigo do Xá do Irã. Ele também era muito íntimo de James Schlesinger, que foi indicado Diretor da CIA por Richard Nixon em dezembro de 1972. Schlesinger mais tarde se tornou Secretário de Defesa de 1973-1975 e Secretário do Departamento de Energia de 1977-1979″ (Gritz, p. 300). Erich “…era um protegido de Henry Kissinger.”

NIXON, BUSH & DONOVAN

Na página 572 de seu livro, Gritz diz: “A campanha na Indonésia marcou a entrada da CIA em operações em grande escala, e embora isto tenha sido um fracasso, quanto mais a Agência fracassava no futuro, mais ela crescia e prosperava. Muito estranhamente, o homem que ajudou a sustentar  Dulles e Frank Wisner [lembre-se, Wisner era da rede nazista de espionagem de Gehlen] em campanha foi Richard Nixon.”

Em 1969, Richard Nixon estava na Califórnia fazendo campanha e um dos apoiadores de sua campanha era Reinhard Gehlen, ex chefe do serviço secreto nazista (Abwehr). Gehlen tinha uma firma de alta tecnologia chamada  TCI (Transinternational Computer Investment Corp.) que trabalhava em projetos classificados do Departamento de Defesa. Seu tradutor para os projetos alemães era Helene von Damme, que era também secretária pessoal e indicada do Governador  Ronald Reagan e continuou sua secretária pessoal quando ele se tornou presidente. Von Damme mais tarde se tornou embaixadora americana na Austria.  Von Damme era uma antiga secretária do Alto Comando Nazista.

William Donovan, chefe do OSS, e Allen Dulles, chefe do OSS na Europa sob Donovan (que mais tarde se tornou chefe da CIA até que o Presidente Kennedy o despedisse – é dito que disse a Kennedy, “Você não pode me despedir! Você nem mesmo sabe para quem eu trabalho!” e J. Edgar Hoover, chefe do FBI, trouxe Reinhard Gehlen e seu grupo de espionagem da Abwehr para os EUA. Um dos homens envolvidos era o oficial de contra-inteligência William P. Clark. Clark se casou com a sobrinha de Werner von Braun, Joan von Braun (Brauner). Clark uma vez foi membro do Conselho das Relações Exteriores [CFR].

Clark mudou-se para San Luis Obispo na Califórnia e se uniu a Ronald Reagan. Ele se tornou o Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente Reagan. Um processo deu entrada no sul da Califórnia indicando William Clark como estando envolvido no assassinato de Kennedy. Os pesquisadores Mae Brussell, William Torbitt, o Advogado Distrital Garrison, e outros dizem que Lyndon Johnson, J. Edgar Hoover, Werner von Braun, e Walter Dornberger estavam envolvidos no assassinato de Kennedy. Também envolvidos estavam Richard Nixon, George Bush e Allen Dulles.

Cel. Bo Gritz, em *Called To Serve* (p. 534), cita um memorando escrito por um assistente de equipe do FBI em 1947: “Nixon interviu em benefício de um gângster de Chicago que estava para ser chamado como testemunha diante de um comitê do congresso… É minha declaração juramentada que um tal de Jack Rubinstein de Chicago, notado como testemunha potencial nas audiências do Comitê da Câmara para Atividades Não Americanas, está realizando funções de informação para a equipe do congressista Richard Nixon, Republicano da Califórnia. É solicitado que  Rubinstein não seja chamado para testemunho aberto nas audiências supramencionadas. Neste mesmo ano Rubinstein se mudou para Dallas, Texas, e mudou seu nome para JACK RUBY…”

Sam Giancana bravatou que Nixon era controlado pelos gângsteres, veja o livro  *Double Cross* escrito por seu irmão.

GEHLEN E O STAFF GERAL ALEMÃO

Dick Russell em *The Man Who Knew Too Much* é um dos pesquisadores com muitos detalhes do envolvimento de Nixon, Bush e Dulles e disse, “Willoughby tinha uma correspondência regular com Allen Dulles – antes que JFK despedisse Dulles – e com os antigos nazistas que dirigiram a rede de espionagem baseada a Europa da CIA  (p. 707).

Gehlen foi responsável o Staff Geral Nazista depois da guerra ao colocar seu agente Adolph Heusinger a cargo do Staff Geral Alemão. *Der Spiegel* said: “É bem verdade que o General Gehlen tinha engajado o antigo chefe de Operações da Wehrmacht para um outro propósito do que o serviço de espionagem. O chefe de espionagem alemã ocidental naquele tempo não pensava em se confinar meramente coletando e canalizando informação. Dois anos antes Adenauer ofereceu soldados aos aliados, o General Gehlen estava, com o General Heusinger, já engajados em reunir um novo staff geral de alto comando.” (*Der Spiegel,* 29 de fevereiro de 1956.)

A Heusinger Wehrmacht estava envolvida na corrida espacial (lembre-se, foi os alemães que começaram os foguetes, discos voadores etc.). O livro *Heusinger of the Fourth Reich* de Charles R. Allen, Jr., disse: “O colunista conservador Edgar Ansel Mower em 28 de setembro de 1962 relatou que o jornal da Alemanha Ocidental *Die Welt* de Hamburgo devotou um longa série dos vigorosos esforços sendo realizados pelo Ministro de Defesa da Alemanha para aperfeiçoar os “raios da morte”  (LASERS) que, quando disparados de uma plataforma espacial, “queimariam, vaporizariam, destruiriam qualquer matéria conhecida e material por sua fantástica concentração de energia de milhões de watts, e, da distância da Lua, levaria exatamente 1.3 segundos para matar”  (*Long Island Daily Press,* 28 de setembro de 1962). Note que em 1962 eles estavam falando sobre lasers vindos de uma base lunar.

WILLIAM CLARK

O membro da Operação Paperclip William Clark foi um que pressionou para perdoar Ollie North. Clark tem um rancho na Califórnia chamado “Ninho das Águias”. Havia uma metralhadora na sala de estar de Clark que veio do roubo ao Armamento da Guarda Nacional em  Oxnard, Califórnia. O resto das armas do roubo foi estocado em um esconderijo do composto do Ramo Davidiano em Waco, Texas. Quando “eles” queriam “suas” armas de volta,  David Koresh não quis devolve-las. Oh, amigos, porque vocês vão examinam nossos líderes?! Porque perdem tempo em operetas quando a coisa real é muito mais interessante?!

Uma outra coincidência interessante, não que nosso atual presidente da Junta de Chefes de Staff Gen. John Shalikashvili (que sucedeu o membro Gen. Colin Power, parte judeu e parte membro do CFR] fala inglês com um sotaque estranho e nasceu na Geórgia Soviética. A media tem relatado que seu pai era um major da Waffen SS nazista. A despeito disso, ele é o querido dos sionistas, com forte apoio de Les Aspin, o Centro Simon Wiesenthal, o Senador Carl Levin, etc.

Quando Reagan se tornou Governador da Califórnia, ele indicou William Clark como Juiz da Corte Superior no condado de San Luis Obispo. Mais tarde Reagan o indicou Secretário Substituto de Estado.  Quando  James Watt se exonerou como Secretário do Interior, William Clark o substituiu. Reagan indicou a esposa de Clark, Joan Brauner (von Braun) Clark como representante alternativa dos EUA  para a Assembléia Geral da ONU.

Ray Renick diz: “Os quartéis generais americanos da organização Gehlen  estão no condado de San Luis Obispo. O principal escritório é chamado “Ninho das Águias.” Muitos oficiais públicos, juízes, supervisores e pessoal do cumprimento legal são amigos pessoais e associados de negócios (no tráfico de drogas, não menos) da Organização Gehlen e “Ninho das Águias.” O Juiz William P. Clark e Mrs. Joan Clark (nee von Braun, Brauner) são os executivos por trás da Organização Gehlen, “Ninho das Águias” e do interesse em trafico de drogas da Companhia de Gado Zapata. [o gado é trazido do México. O gado tem quatro estômagos.] Ronald Reagan é um parceiro silencioso no negócio de gado/drogas em San Luis Obispo. Lembre-se, Clark foi um dos arquitetos originais do Projeto Paperclip! A Companhia de Gado Zapata é afiliada a companhia de petróleo Zapata de George Bush de Houston, Texas (REF: “The SLO Connection,” Barrons article “The Mexican Connection”) – 19 de setembro de 1988.

Uma grande firma de advocacia para a organização Gehlen é Sinsheimer, Schiebelhut e Baggett.

A organização Gehlen, copiando a Nova Ordem de Hitler, estabeleceu um sistema de campo de concentração no condado de San Luis Obispo. Ele foi chamado Instituto de Treinamento Especializado da Califórnia. Ele desenvolveu planos chamados ” Plano do Rei Alfred, Operação Splitter, Operação Garden Plot,* e *REX-84* e foi mais tarde renomeado Agência Federal de Gerenciamento de Emergência (FEMA). Você pode obter mais informação sobre estes assuntos da Milícia de Montana, Bo Gritz, *Spotlight Newspaper,* etc.

Também trazido sob a operação *Paperclip* foi Henry Kissinger. Os destacamentos do Exército Americano 44o. CIC e 970o.CIC negociaram a rendição do Exército alemão no norte da Itália e Áustria na Operação Sunrise que foi transformada em Paperclip. Mais tarde o Vaticano forneceu documentos e ajudou muitos nazistas a escaparem para a Amércia do Sul, inclusive Martin Bormann.

O Príncipe Bernhard da Holanda criou um grupo que se tornou conhecido como os Bilderbergers. Muitos pesquisadores conservadores tem vindo a reconhecer que os Bilderbergers são uma força importante para a Nova Ordem Mundial.  O que eles provavelmnte não sabem é que Bernhard foi um antigo nazista das tropas de assalto das SS.

Algumas das pessoas que se renderam na Operação   *Paperclip* incluiram Theodore Shackley e Heide Kingsbury (filha do General Galland, projetista do Messerschmidt ME 262). Kingbury se tornou secretário e transcritor da corte para o juiz  William Clark. Shackley se tornou o chefe da Operação *Phoenix* no Vietnã (Laos). Shackley foi chefe de JM Wave, apelido do escritório da CIA em Miami durante os eventos da Baía dos Porcos e assassinato de Kennedy (Furiati, p. 41). (Furiati, Claudia, *ZR Rifle – The Plot To Kill Kennedy And Castro,* Ocean Press, Victoria, Australia, 1994. De registros cubanos desclassificados sobre o assassinato de  Kennedy.)

Para mais informação veja *Reinhard Gehlen, Master Spy* (não posso no momento encontrar meu exemplar e não me lembro do autor). Em 1968, depois do assassinato de Kennedy, Gehlen se retirou para seu chalé na Bavária. O chalé foi um presente de Allen Dulles. *The General Was A Spy* de Heinz Hohne e Hermann Zolling,, *Project Paperclip* de Clarence Lasby, *Shootdown* de R.W. Johnson (fala sobre o envolvimento de Clark no abate de Korean Airlines 007), *Project Paperclip* de Ray Renick, e *Torbitt Document* de William Torbitt são todos recursos para mais informação. A fonte mais acurada de informação para uma visão geral são os jornais  *Phoenix Journals* e *CONTACT*.

CIENTISTAS ALEMÃES E ALIENÍGENAS

Aqui está algo sobre o que você deve pensar seriamente. A única coisa que todo mundo concorda [cristãos, ateus, republicanos, democratas, comunistas e todos mais] é que os nazistas eram degenerados, doentes, lunáticos, estranhos, extremamente malignos. Pergunto-lhe, como pode ser isto?

É possível que seja uma outra mentira? Você me pergunta se estou dizendo que os nazistas não eram malignos. Qual a sua definição de maligno? A evidência apoia o que você acredita? Como pôde a inteira nação de alemães – muitos deles seus irmãos e irmãs e ancestrais diretos – serem totalmente malignos? Eles eram diferentes de nós? Nosso governo estava dizendo a verdade? O governo já nos disse a verdade sobre alguma coisa?

Vamos voltar a Werner von Braun. Em 1959, (em *News Europa,* 1o. de janeiro de 1959), von Braun afirma isto sobre extraterrestres em uma entrevista: “Nos encaramos com poderes que eram muito mais fortes do que haviamos presumido, e cuja base de operações é atualmente desconhecida por nós. Estamos agora engajados a entrar em contacto estreito com estes poderes, e em seis ou nove meses pode ser possível falar com mais precisão sobre este assunto.”

O grande pioneiro espacial alemão Hermann Oberth disse, “Não podemos aceitar o crédito por nossos avanços registrados em certos campos científicos sozinhos; temos sido ajudados.” Quando perguntado quem ajudou, ele disse:  “pessoas de outros mundos.” (Robin Collyns, *Did Spacemen Colonize the Earth?* London: Pelham Books, 1974, p. 236.)

O importante especialista alemão em foguetes Dr. Walter Riedel disse: “Estou convencido que os discos tem uma base fora do mundo.” (Abril de 1952, *LIFE* magazine, p. 96.)

A *American Weekly* de 24 de outubro de 1954, citou o Professor Oberth da Alemanha: “É minha tese que os discos voadores são reais e que são naves espaciais de um outro sistema solar.”

General Douglas MacArthur,citado em *The New York Times,* 8 de outubro de 1955, disse “As nações do mundo tem que se unir – a próxima guerra será uma guerra interplanetária. As nações da Terra devem algum dia fazer uma frente comum contra o ataque de pessoas de outros planetas.”

Há muitas provas de que os discos voadores são reais. A questão agora é, o que eles são e de onde eles vêm.

NICAP

O Comitê Nacional de Investigações sobre Fenõmenos Aéreos (NICAP) foi fundado em 1956 pelo físico da Marinha  Thomas Townsend Brown. Brown é conhecido como o descobridor do efeito de capacitância eletrogravídica. Ele foi o Vice presidente de Douglas Aircraft (um dos grupos fundadores da Corporação RAND). NICAP ganhou uma reputação como uma operação de fachada da CIA. Por muitos anos foi chefiada pelo Major da Marinha Donald Keyhoe.

Em *Der Weltraum Rueckt Uns Nagher, Blanvalet Verlag,* Capítulo III, de; Major Keyhoe, ele diz que os EUA infiltraram 600 cientistas na Boemia em uniforme s de tripulação de tanques, em 1945, para verificar algumas das bases U.F.O.  O Vice-Almirante Roscoe Hillenkoetter, um antigo diretor da CIA, foi um membro da diretoria da NICAP por anos.

Um video chamado *UFO Secrets of WW II German Flying Saucers* e um chamado *UFO Secrets of the Third Reich,* ambos produzidos pela American Academy of Dissident Scientists, estão disponíveis e o número telefônico das fitas é : 310-473-9717. (American Academy of Dissident Scientists, 10970 Ashton Ave. #310, Los Angeles, CA 90024. Um de seus presidentes é Vladimir Terziski. veja WWII German Flying Disk Schematic Drawing Found

Acuff foi despedido e substituído pelo agente da CIA Alan Hall em 1979. Christof Friedrich fez campanha para se tornar Primeiro Ministro no Canadá. Uma rádio judaica anunciou uma entrevista com Friedrich para tentar desacreditá-lo, mas o resultado foi a dispensa, colocação na lista negra e subsequente perseguição do moderador judeu.

*Cosmic Patriot Files* (atualmente disponível em anúncios em publicações UFOe na maioria dos negociantes de livros sobre UFO) diz no *Vol. 2*, p. 131 que em 1945 os alemães começaram a transferir seus projetos de disco voador para uma base secreta e subterrânea perto do Polo Sul. Também em 1945, o General Hans Kammler desapareceu da Alemanha e foi para o Polo Sul em um U-Boat U-977 alemão, e os discos voadores alemães começaram a aparecer nos EUA.

Samisdat estava vendendo um manuscrito chamado “The Lightning & the Sun” de Savitri Devi, um “guru”  da Índia cujo livro  ligava as raízes do nazismo com a pirâmide no Egito e o Faraó Akhn-aton e o antigo culto do sol.

Willard McIntyre, um amigo de Stuart Nixon, que foi assistente do presidente do NICAP John (Jack) Acuff, acusou Acuff de vender o material ao Samisdat e pretender ligar Samisdat ao NICAP. Um membro da diretoria da NICAP, o Senador judeu Barry Goldwater, estava bem aborrecido ao saber do envolvimento com o  Samisdat, que ele considerava uma organização nazista.

Goldwater estava ocupado concorrendo á presidência e sem dúvida não apreciaria esta ligação aos nazistas e UFOs. O chefe de seu comitê presidencial era alguém que você provavelmente tenho ouvido falar,  chamado Ronald Reagan. Goldwater era presidente do Comitê de Inteligência do Senado e Comitê das Forças Armadas no Senado. Ele tentou obter entrada no afamado Hangar 18 de Wright-Patterson e lhe foi negado. Havia mais nesta situação do que nos é permitido saber.

De qualquer modo, Acuff tinha que ir embora e foi forçado a sair. Uma nova diretoria foi votada na qual foram incluidos dois novos membros: um era o ajudante do Senador Goldwater, Charles Lombard, e o outro era John Fisher. Se você se recorda, nos escritos iniciais de Fogo Vindo do Céu eu disse que o General George Keegan, chefe da Inteligência da Força Aérea, inspirou a fundação do Conselho de Segurança Nacional ao tentar avisar o público americano do que estava acontecendo. O presidente do Conselho de Segurança Nacional era – adivinhe quem? – John Fisher. Um co-presidente do conselho era o Senador Robert Dole. Os membros deste Conselho não sabiam quem eram os seus inimigos reais e foram sabotados.

“NICAP continuou a ter dados confidenciais sobre UFOs vazados durante o comando de Acuff. Mais tarde em 1976, por exemplo, um oficial no Pentágono forneceu a Acuff cópias de um número de documentos classificados, inclusive o agora famoso relatório iraniano e vários outros relatórios “quentes”. Isto tinha que ser parado, então Acuff foi retirado e substituído pelo agente aposentado Alan Hall. “Não muito é conhecido sobre o background de Hall, exceto que ele evidentemente trabalhou em alguma capacidade técnica – talvez com o Escritório de Inteligência Científica…” My-Oh-My. Que redes emaranhadas…

ENTÃO VEIO 1947

O famoso incidente de Roswell ocorreu em 1947. Neste ano, a Operação Majestic-12 foi supostamente criada por Truman para controlar a situação UFO, foi aprovado o Ato de Segurança Nacional e foi criado o Projeto SIGN em Wright-Patterson e a CIA foi criada. O Almirante James Forrestal logo foi indicado Secretário de Defesa, mais tarde sendo assassinado quando foi atirado da janela de um hospital por agentes da CIA, porque ele queria dizer a verdade sobre os discos voadores.

A queda de um disco voador em  Roswell, New Mexico, em 1947 tem sido descrita pelo governo como nada mais que um balão atmosférico. Ainda que uma investigação pelo Escritório de Contabilidade do Governo e outros tenham demonstrado que todos os registros relativos a este evento foram ilegalmente destruidos.

Uma outra coisa estranha sobre este evento é que o governo deve ter liberado centenas destes balões atmosféricos em 1947 – ou – talvez eles não fossem balões atmosféricos? Um arquivo no computador da MUFON chamado *1947.SIT* lista os relatados avistamentos de UFOs durante 1947, ordenados por Estado. Houve 853 eventos e 3.283 testemunhas *relatadas.* Quantas mais não foram relatadas? Muitos balões atmosféricos, você não acha?

Em 1951, o Congresso estava falando em transformar a Antártica em uma área de testes nucleares, mas subitamente mudou de idéia quando Washington foi inundada por UFOs e imagens de discos voadores sobre a Casa Branca apareceram nas páginas principais dos jornais.

ANTÁRTICA

Em 1980, recebi a seguinte carta de Christof Friedrich de Samisdat, escrita em 1979, no mesmo ano em que John Acuff saiu da NICAP por vender documentos classificados da CIA ao Samisdat. Como ela é longa demais, citarei apenas parte dela.

“A BUSCA PELAS BASES DE UFO DE HITLER NA ANTÁRTICA. Devido ao número esmagador de cartas e chamadas telefônicas solicitando detalhes sobre nossos novos livros, novos produtos, tours de palestras e projetos e pesquisa física e nosso intenso programa experimental de construção de UFO, temos que usar esta forma menos pessoal de nos manter em contacto com nossos muitos amigos e colaboradores ao redor do mundo..

“Sua resposta ao nosso mais recente envio pelo correio e atividades tem sido mais encorajadora! Temos recebido pedidos e solicitações de tão longe quanto Nomea no Pacífico Sul, Ilha de Páscoa,  Chile, Argentina, Brasil, Venezuela, Panamá, México, países satélites soviéticos, China, África do Sul, Pérsia,  Congo, Austrália, Japão, bem como de cada país na Europa Ocidental e quase todos os Estados dos EUA.

Não apenas esta resposta é extensa, é maciça – uma clara indicação de parte do reconhecimento dos pesquisadores UFO e membros do público que estão cansados da comida-lixo que lhes é servida pelos grupos UFO da velha linha e publicações que expõem o álibi e oficial da  CIA-KGB que todos os UFOs são extraterrestres. O que os observadores mundiais de UFO agora querem é o alimento real do assunto – uma séria investigação dos UFOs cujas origens são terrestres. SAMISDAT é a única organização a fazer tal esforço, mas não estamos sós, por termos milhares de apoiadores como você que quer saber a verdade que os charlatães do disco por trinta anos tem tentado esconder com fantasias de “pequenos homens verdes”. É com pessoas como você que tem feito de  SAMISDAT a organização UFO mais ativa e publicante do planeta Terra!

[quero inserir aqui uma pergunta aos leitores que se consideram sérios pesquisadores UFO. Você já ouviu falar em Samisdat? Foi o que pensei. Continuando:]

“Certamente podemos estar orgulhosos desta obtenção que é resultado, não apenas de nossos esforços hercúleos e sacrifícios, mas nosso fiel apoio durante esta luta de cinco anos contra as forças de vestidos interesses, engano e preconceito que tem tentado ocultar a história UFO sob o manto de falta de lógica infantil e claras mentiras.

Por muitos anos tenhos determinado buscar este novo curso de investigação, firme no conhecimento de que o homem é capaz de alcançar o que ele percebe. O claro sentido de nossos pesquisadores de direção e percepção os tem guiado inamovivelmente em sua descoberta de pistas aparentemente insignificantes e a derivação de padrões portanto. Somente tal pesquisa devotada e dolorosa pode ter sucesso em desenterrar o presente conjunto de fatos que indicam a origem terrena da maioria dos discos voadores. Como uma descoberta vital leva a outra, temos alcançado certas conclusões que são lógicas e inescapáveis, contudo impopulares como podem ser hoje.

“Nossas descobertas tem nos levado a produção de um número de livros atualmente suprimidos e algumas vezes vilificados que agora são best-sellers subterrâneos. *UFOS – NAZI SECRET WEAPON?* foi nosso primeiro título, agora esgotado em cinco edições completas. Nossos segundo livro, *SECRET NAZI POLAR EXPEDITIONS,* está chegando rápido e já esgotou duas edições. As traduções em linguas estrangeiras destes livros estão chegando rapidamente e está se tornando óbvio que todo mundo no bloqueio forçado pela media da verdade tem sido quebrado. Três livros adicionais estão atualmente sob produção e circularão nossa Fase Um do Programa de Publicação : *THE CIA-KGB-UFO COVERUP, THE ANTARCTICA THEORY* e *THE LAST BATTALION.*

“Durante o curso de nossa pesquisa, temos descoberto alguns cientistas alemães originais dos discos voadores ainda vivos! Estes pioneiros espaciais são, com certeza, velhos homens agora em seus 70 e 80 anos. Nossas entrevistas com eles serão incorporadas em nosso programa regular de palestras bem como em futuros livros.

“Também temos sido capazes de estabelecer equipes de pesquisa no Canadá, EUA e em particular na Alemanha, cuja tarefa é descobrir os princípios básicos do vôo sem asas que trouxeram a existência os originais UFOs nazistas. Já, estas equipes tem projetado e construido pequenos modelos em escala, alguns usando energia convencional e outros tendo sistemas de propulsão sem precedentes na tecnologia aeroespacial de hoje. Com a pesquisa adicional, esperamos tornar disponiveis vários modelos sob a forma de kit para construtores por hobby.” fim da citação.

ALMIRANTE BYRD E OPERAÇÃO HIGHJUMP

Também em 1947, o Almirante Richard E. Byrd levou 4.000 tropas militares dos EUA, Bretanha e Austrália em uma invasão a Antártica [Operação Highjump e acompanhamento], mas encontrou pesada resistência dos discos voadores nazistas e teve que suspender a invasão. Um contra-almirante que esteve na invasão tem se aposentado no Texas, e disse que esteve chocado quando leu o material de Fogo Vindo o Céu. Ele sabia que havia lá um monte de abates de aeronaves e foguetes mas não sabia que a situação era tão má.

A invasão da Antártica consistiu em três grupos de batalha de Norfolk, VA, em 2 de dezembro de 1946. Eles foram liderados pelo navio de comando do Almirante Byrd, o cortador de gelo *Northwind,* e consistia em um navio catapulta *Pine Island,* o destroyer *Brownsen,* o portaviões *Phillipines Sea,* o submarino ameicano *Sennet,* dois navios de apoio *Yankee* e *Merrick,* e dois petroleiros *Canisted* e *Capacan,* o destroyer *Henderson* um navio com hidro-avião *Currituck.* Uma força britânico norueguesa e uma força russa, e acredito que algumas forças canadenses e australianas também estiveram envolvidas.

Em 5 de março de 1947 o jornal *El Mercurio* de Santiago, Chile, tinha um artigo manchete “A Bordo do Monte Olimpo nos Altos Mares”. que citou Byrd em uma entrevista com  Lee van Atta: “Alm. Byrd declarou hoje que é imperativo que os EUA iniciem imediatas medidas de defesa contra regiões hostis. O almirante posteriormente declarou que ele não queria assustar alguém indevidamente mas que era uma amarga realidade que no caso de uma nova guerra os EUA continental seriam atacados por objetos voadores que podiam voar de polo a polo em incriveis velocidades”. (Anteriormente ele tinha recomendado bases de defesa no Polo Norte). O Almirante Byrd repetiu os pontos de vista acima resultantes de seu conhecimento pessoal reunido sobre os polos norte e sul, diante de uma conferência de notícias realizada pelo Serviço Internacional de Notícias”.

Quando Byrd voltou as EUA, ele foi hospitalizado e não teve permissão para realizar outras conferências de notícias. Em março de 1955, ele foi colocado a cargo da Operação Deepfreeze que era parte da exploração da Antártica do Ano Internacional Geofísico  (1957-1958). Ele morreu, alguns tem sugerido que foi assassinado, em 1957. Os pesquisadores UFO estão familiarizados com um diário supostamente sendo do Almirante Byrd que fala de uma entrada para a Terra Oca nos polos e um ser chamado o Mestre. O diário geralmente é considerado uma farsa, mas até mesmo se for uma farsa, é uma indicação de que algo estava acontecendo para que fosse construída uma farsa.

Os pesquisadores UFO também estão cientes dos avistamentos estranhos de discos voadores com suásticas ou cruzes de ferro neles, seres alienígenas falando alemão etc. Um exemplo é o americano Reinhold Schmidt, cujo pai nasceu na Alemanha, que conta em seu livro *Incident At Kearney* (Nebraska) que ele foi levado a um disco voador em várias ocasiões. Ele disse que a tripulação falava alemão e agia como soldados alemães. Ele disse que eles o levaram a regiões polares (se alguém está fabricando uma história, porque eles afirmariam, de todos os lugares o polo?)

Depois de voltar ele foi perseguido pelo governo americano. Sua descrição de discos voadores combina com as imagens capturadas dos alemães. Em 1959, três grandes jornais no Chile relataram artigos de página sobre encontros UFOs onde os membros da tripulação pareciam ser soldados alemães. Na década de 1960, houve relatos em New York e New Jersey de discos voadores alienígenas que falavam alemão, ou inglês com sotaque alemão.

Nos julgamentos de espionagem atômica de Julius e Ethel Rosenberg, eles falaram de “vasos de guerra do espaço”. Ja que eles tiveram acesso a informação top secreta, sobre o que eles estavam falando?

HITLER ESCAPOU!

Lembro-me de ter ouvido, na década de 1950, rumores que Hitler tinha escapado para uma secreta base nazista no Polo Sul. Em 1952, Dwight D. Eisenhower disse: “Temos sido incapazes de desenterrar uma única parte tangível de evidência da morte de Hitler. Muitas pessoas acreditam que Hitler escapou de Berlim”.

Quando o Presidente Truman perguntou a Joseph Stalin na conferência de Potsdam em 1945 se Hitler estava morto ou não, Stalin respondeu asperamente: “Não”. O principal oficial do exército de Stalin, Marechal Gregory Zhukov, cujas tropas foram as que ocuparam Berlim, claramente afirmou depois de uma investigação longa e cuidadosa em 1945: “Não encontramos qualquer cadáver que possa ser o de Hitler.”

O chefe americano do conselho de julgamento em Nuremburg, Thomas J. Dodd, disse: “Ninguém pode dizer que ele está morto”. O Major General Floyd Parks, que era o comandante geral do setor de Berlim, afirmou para publicação que ele esteve presente quando o Marechal Zhukov descreveu sua entrada em Berlim, e Zhukov declarou que acreditava que Hitler pudesse ter escapado. Lt. Gen. Bedell Smith, Chefe de Staff do Gen. Eisenhower na invasão européia e mais tarde diretor da CIA, declarou publicamente em 12 de outubro de 1945: “nenhum ser humano pode afirmar conclusivamente que Hitler esteja morto.”

Cel. W.J. Heimlich, antigo chefe da inteligência dos EUA em Berlim, afirmou para publicação que ele estava a cargo de determinar o que havia acontecido a Hitler e depois de uma cuidadosa investigação seu relato foi: ‘Não há evidência além daquela de ouvir dizer que apoie a teoria do suicídio de Hitler’. Ele também declarou, “Com base na evidência presente, nenhuma companhia de seguro na América pagaria uma queixa sobre Adolph Hitler.”

O juiz de Nuremburg Michael Mussmanno disse em seu livro *Ten Days to Die,* “A Rússia deve aceitar muito da culpa [na extensão em que ela até existe] que Hitler não morreu em maio de 1945.” Contudo, Mussmanno declarou que ele entrevistou o garçom pessoal de Hitler, seu camareiro, seu motorista, suas duas secretárias, pilotos, generais principais etc. e todos eles concordaram perfeitamente que Hitler havia cometido suicídio. Ele disse que eles não podiam ir adiante juntos e fazer uma história que concordasse em perfeito detalhe sem uma falha em qualquer ulgar, então eles deviam estar dizendo a verdade e ele estava absolutamente convencido que Hitler cometeu suicídio. A história inicialmente nos soa convincente, até que você entende que eles podem ter memorizado a história antecipadamente e que todas estas pessoas quase que veneravam Hitler. Estas testemunhas até mesmo concordavam perfeitamente em detalhe na vida real?

O antigo Secretário de Estado Jimmy Byrnes em seu livro *Frankly Speaking* (como citado em abril de 1948 *The Cross and The Flag*): “Enquanto em Potsdam na Conferência dos Quatro Grandes, Stalin saiu de sua cadeira, veio e tocou seu copo de licor com o meu de um modo amigável. Perguntei a ele: ” Marechal Stalin, qual é a sua teoria sobre a morte de Hitler?’ Stalin replicou: “Ele não está morto. Ele escapou para a Espanha ou para a Argentina.”

Ainda tenho a publicação de setembro de 1948 de uma revista chamada  *The Plain Truth* com um artigo manchete: “Hitler está vivo ou morto?,” sub-título: “Aqui estão sumarizadas as conclusões de uma exaustiva investigação de três anos – junto com as razões para acreditar que Hitler possa estar vivo e secretamente planejando a maior farsa da história.”

Um outro artigo em novembro de 1949, diz “Os nazistas foram para o subterrâneo em 16 de maio de 1943!” e os detalhes de um encontro na residência de Krupp von Bohlen-Halbach, o chefe da I.G. Farben, etc., no qual eles planejaram a Terceira Guerra Mundial”.

Um outro artigo de agosto de 1952, entitulado “HITLER DID NOT DIE,” sub-título “O falso suicídio de Adolph Hitler no bunker de Berlim agora é exposto como a maior farsa da história! A evidência positiva vem a luz que HITLER não morreu – aqui está a nova evidência que Hitler está vivo, diretamente do subterrâneo nazista, hoje!”

A publicação de junho de 1952 de *The Plain Truth* tem a manchete: “HITLER *PODE ESTAR VIVO!”* O artigo delara:” Agora, novos fatos ou fatos apresentados,vazaram. Agora é relatado que em 1940 os nazistas iniciaram a reunir tratores, aviões, trenós, planadores e todos os tipos de maquinários e materiais nas regiões polares Sul – pelos seguintes quatro anos os técnicos nazistas construíram em um continente  quase desconhecido, a Antártica, o Xangrilá do Fuhrer – a nova Berchtesgaden.

A reportagem diz que eles furaram uma montanha inteira e construiram um novo refúgio completamente camuflado – um esconderijo mágico na montanha. O continente recentemente descoberto é maior do que a Europa – a 5.600 milhas da África, a 1.900 milhas da ponta sul da América do Sul e a 4.800 milhas da Austrália.

Não é uma mera superfície coberta de gelo, mas um continente real, com planícies, vales, montanhas com picos acima de 15.000 pés. A temperatura no interior  é por volta de zero no verão e a neve cai 20 a 30 graus abaixo de zero no inverno. Em outras palavras, não é mais frio que partes de Dakota do Norte ou Canadá.

A revista *Bonjour* , o *Police Gazette,* e o jornal parisiense *Le Monde* todos tinham artigos sobre o esconderijo de Hitler no Polo Sul. O Almirante Doenitz, em 1943, declarou, “A frota alemã de submarinos tem agora estabelecido um paraíso terreno, uma fortaleza inextpugnável, para o Fuhrer, seja em qual for a parte do mundo”. Embora ele não especifique a exata localização,  *Bonjour* ressaltou que e 1940 os engenheiros nazistas tinham começado a construção de edifícios que suportavam temperaturas de 60 graus abaixo de zero.

Tem havido fortes rumores desde o fim da guerra que Hitler escapou para o Polo Sul. Ainda que a maioria das pessoas simplesmente se recusem a acreditar na evidência, a idéia de que Hitler possa ter sobrevivido a guerra é simplesmente inaceitável! É desapontadora demais para muitas pessoas!

Há muitas provas que os americanos e russos mentiram sobre o que aconteceu a Hitler, e há fortes rumores que ele escapou para a Antártica. Há ampla prova que um grupo maior de nazistas espapou para a Argentina. O que você pensa? Porque o Almirante Byrd liderou uma invasão a Antártica e porque o enorme sigilo sobre toda a situação?

Em 1981, Donald McKale escreveu *Hitler: O Mito da Sobrevivência* para tentar estabelecer o resto das perguntas sobre o que aconteceu a Hitler. A folha de guarda do livro diz: “Neste livro um importante historiador examina o mistério mais absorvente e persistente mundial pós guerra, revelando porque isto tem perdurado e onde nos leva o mistério. A certeza absoluta do que aconteceu ainda nos foge hoje”.

Apenas recentemente na TV ainda há programas contando o final, de uma vez por todas, esta é a história real sobre o que aconteceu a Hitler. Ainda que todos eles realmente não respondam a pergunta. Um recente programa de TV chamado “O Que realmente aconteceu a Adolph Hitler,” depois de investigar inúmeras histórias, termina dizendo que, a despeito da Glasnost e da nova liberdade de acesso aos arquivos russos, os arquivos sobre Hitler ainda são alguns dos itens mais altamente classificados dos soviéticos.

O *Diario Illustrado* de Santiago, Chile, 18 de janeiro de 1948 disse: “Em 30 de abril de 1945, Berlim estava em dissolução mas pouco desta dissolução era evidente no campo aéreo de Templehof. As 4:15 p.m. um JU52 pousou e tropas SS diretamente de Rechlin para a defesa de Berlim desembarcaram, todos eles muito jovens, não mais velhos que 18 anos. O atirador neste avião em particular era um engenheiro de nome  B… que tenho conhecido por alguns anos e do qual eu tenho conseguido a isenção do serviço militar. Ele pretendia abastecer e deixar Berlim o mais rápido possível. Durante o intervalo para reabastecimento, Mr. B… foi subitamente tocando nas costelas por seu radio operador com uma inclinação para olhar em certa direção. A aproximadamente 100 a 120 metros ele viu um jato Messerschmitt Modelo 332 [um comentário do editorial diz que devia ser um ARADO 234]. Br. B.. e o rádio operador viram, sem qualquer duvida, em pé diante do jato seu comandante em chefe,  Adolf Hitler, vestido no uniforme cinza de campo e gesticulando animadamente com alguns funcionários do Partido, que obviamente o estavam assistindo partir. Por aproximadamente 10 minutos enquanto reabasteciam, os dois homens observaram esta cena e por volta das 4:30 p.m. eles decolaram novamente. Eles ficaram extremamente perplexos ao ouvirem durante o boletim militar de notícias da meia noite, algumas sete hora e meia mais tarde, que Hitler havia cometido suicídio.”

Em um programa da Corporação de Transmissão Canadense chamado ‘Como isto aconteceu” de 17 de setembro de 1974, às 7:15 p.m., um Prof. Dr. Ryder Saguenay, cirurgião oral da Faculdade de Odontologia da Universidade da Califórnia em Los Angeles, disse que Hitler tinha ordenado que um avião especial deixasse Berlim com todos os registros médicos e dentários, especialmente raios X, de todos os principais nazistas para uma origem desconhecida. Ele disse que os registros dentários usados para identificar o corpo de Hitler foram desenhados de memória por um assistente dentário que desapareceu e nunca mais foi encontrado.

Um editorial em *Zig Zag,* Santiago, Chile, de 16 de janeiro de 1948, afirma que em 30 de abril de 1945, o capitão de vôo Peter Baumgart levou Adolf Hitler, sua esposa Eva Braun, bem como amigos leais de avião do aeroporto Tempelhof para Tondern na Dinamarca (ainda controlada pela Alemanha). De Tondern, eles tomaram um outro avião para Kristiansund na Noruega (também sob controle alemão). De lá eles se uniram a um comboio de submarino. (*U.F.O. Letzte Geheimwaffe des III Reiches,* Mattern, pp. 50-51.)

O escritor judeu Michael Bar-Zohar em *The Avengers,* p. 99, disse: “Em 1943 o Almirante Doenitz tinha declarado: “A frota alemã de U-boat está orgulhosa de ter feito um paraíso terreno, uma fortaleza inexpugnável para o Fuhrer, em algum lugar do mundo.’ Ele não disse em que parte do mundo isto existia, mas muito obviamente era na América do Sul.”

O escritor alemão Mattern disse que o Almirante Doenitz falando a uma turma de graduação de cadetes navais em Kiel em 1944: “A Marinha Alemã já tem um grande papel no futuro. A Marinha Alemã conhece todos os lugares ocultos para onde levar o Fuhrer, se houver necessidade. Lá ele pode preparar suas últimas medidas em completo silêncio.”

Os alemães dizem que estiveram em contacto com extraterrestres. Agora considere o que Ronald Reagan, que esteve envolvido com a antiga organização nazista de espionagem de Gehlen, disse ao líder soviético  Mikhail Gorbachev em um encontro da conferência de 1985 em Genebra. Ele fisse a ele: “A sua tarefa e a minha seriam muito mais fáceis nestes encontros que realizamos se subitamente houvesse uma ameaça a este mundo de um outro planeta lá fora no universo. Esqueceriamos todas as pequenas diferenças locais que temos entre nossos países e descobririamos de uma vez por todas que realmente somos todos seres humanos aqui nesta Terra juntos”. (*International Herald Tribune e Daily Telegraph,* 5 de dezembro de. 1985.)

Em 21 de setembro de 1987, Reagan falou perante a Assembléia Geral da ONU e disse: “Ocasionalmente penso, quanto rapidamente nossas diferenças mundiais desapareceriam se estivéssemos enfrentando uma ameça alienígena de fora deste mundo. E ainda que eu pergunte, não há uma força alienígena já entre nós?.”

Em 4 de maio de 1988, no Palmer House Hotel de Chicago, Reagan disse: “Frequentemente tenho imaginado que tal se todos nós no mundo descobríssemos que estávamos ameaçados por um poder do espaço externo, de um outro planeta.”

Você com certeza tem ouvido falar do programa Star Wars de Reagan. Se você estudar o que foi relatado depois da Guerra do Golfo sobre os mísseis Patriot, você descobrirá que o programa dos mísseis PATRIOT e o Programa Star Wars eram uma grande mentira e o dinheiro foi gasto em outra outra coisa além do que nos é dito. Os mísseis Patriot nunca abateram um Scud, como foi aprendido pelo inquérito congressional e relatado por Israel.

Há tantas facetas nesta história, que é difícil explicar uma parte porque isto não faz sentido a menos que você entenda as outras partes.

DEFESAS POLARES

Uma coisa que o Almirante Byrd declarou em uma conferência de imprensa depois de sua derrota na Antártica foi que o continente da Antártica devia ser cercado por uma ‘parede de instalações de defesa já que isto representava a útima linha de defesa para a América”. Embora EUA e Rússia tenham sido aliados durante a guerra, repentinamente a Cortina de Ferro foi criada e nós e os russos nos tornamos inimigos. Ambos, soviéticos e americanos cercamos os polos com bases de detecção e de defesa, e no intervalo estava a estéril terra de ninguém dos polos onde absolutamente ninguém viveu, ou viveram? Pode isto ser que fingimos que estamos nos defendendo dos russos e eles finjam que se defendem de nós enquanto realmente estamos ambos apavorados do que está entre nós – o último batalhão nazista?

Os pesquisadores UFO devem agora começar a ver a luz do porque a Marinha tem sempre estado na liderança da pesquisa UFO. E nós devemos entender porque, exatamente do início, eles publicaram ordens de atire para matar contra qualquer UFO e porque a situação foi tão altamente classificada! E os pesquisadores anti-comunistas tem mais pistas agora do porque estamos dando ajuda aos soviéticos ao mesmo tempo que os chamamos de nossos inimigos!

UFOs – NAZISTAS OU ALIENS?

Deixe-me ter certeza que você entende, embora, nem todos os UFOs sejam nazistas. Originalmente eles eram nazistas com alguns alienígenas. Mas ao longo de lá realmente eram extraterrestres, e é daí que alguma tecnologia veio. Leia as vidas de Walter Russell, Nikola Tesla, o mais altamente avançado matemático do mundo Ramanujan, etc., e todos eles dizem que estiveram em contacto com deuses” (A deusa Namagiri, no caso de Ramanujan) ou que receberam “iluminação” de um mensageiro cósmico no caso de Walter Russell. Russell é um que compreendeu a verdadeira física, em oposição aos enganos ensinados na física moderna.

O PROGRAMA ESPACIAL RUSSO

Vamos voltar a origem do programa espacial russo. Os russos também capturaram muitos cientistas alemães de foguete e espaciais. Mais tarde o físico chefe russo foi Kapitsa, que uma vez chefiou o laboratório de pesquisa atômica da Universidade Cambridge. (*Assault on the Unknown, The International Geophysical Year* de Walter Sullivan, McGraw-Hill Book Co., New York, p. 56. Parte das explorações do ano internacional geofísico foram acobertamentos para a investigação da secreta base nazista de UFO na Antártica, veja os livros citados em outros lugares). Os russos tiveram sucesso  em seus empreendimentos e em 1972, em um encontro dos líderes comunistas em Praga, Brezhnev afirmou que os soviéticos seriam capazes de controlarem os oceanos, 90% da terra e o ar e o espaço. Ele disse que controlariam, não que invadiriam ou conquistariam.

Em 1974, a construção da instalação de enrgia dirigida de Tara em Saryshagan foi começada.

Em 1975, um artigo soviético no *International Life*  fala sobre guerra atmosférica, mudança na natureza do relâmpago, e usar a energia direta de tremendo poder em alvos específicos. Fala sobre a utilização da energia atmosférica para suprimir a atividade mental de grandes grupos de pessoas.

Em 13 de julho de 1975 – ele repetiu seu chamado por um banimento de armas de destruição em massa ao visitar senadores americanos. Eles não podiam entender sobre o que ele estava falando.

Em agosto de 1975 – Ponomarev fez a mesma proposta a um grupo de congressistas americanos visitando o Kremlin, com o mesmo resultado.

Em novembro de 1975 – grandes quantidades de gás hidrogênio com traços de trítio foram detectadas no Semipalatinsk pelos satélites de reconhecimento TRW da Força Aérea americana. General George Keegan tinha estado prestando atenção especial a esta instalação desde que um de seus homens o avisou que algo “podre” estava acontecendo lá em 1972. Este foi a evidência confirmando as suspeitas dele da pesquisa soviética de raios de partícula.

De outubro a dezembro de 1975 – os soviéticos destruiram ao menos cinco satélites americanos sobre o Oceano Índico.

Em 1976 – o Departamento de Estado revelou que a embaixada americana em Moscou tinha estado continuamente sob ataque de algum tipo de radiação microonda pelos soviéticos. Dois embaixadores foram mortos e outras pessoas ficaram doentes. Todos os empregados da embaixada receberam um aumento de pagamento de 20%  por risco nocivo durante o dever.

Em 1976 – o físico soviético Rudakov visitou os EUA e deu uma palestra que foi imediatamente classificada, o quadro negro recolhido. O material que era de conhecimento científico aberto ao público na União Soviética era considerado classãificado aqui nos EUA. Porque? Quem estava sendo mantido no escuro?

30 de março de, 1976 – um enorme boom inexplicado aconteceu sobre a Holanda. Provável teste do canhão escalar soviético.

4 de julho de 1976 – Dia da Independência! A Rússia se unui as nossas celebrações ao ativar seu gigantesco transmissor *Woodpecker* [pica-pau] causando uma interferência mundial em todas as frequências de 3 a 30MHz. As transmissões tem sido contínuas desde então. Mais tarde o governo americano disse que eram meramente radares russos sobre o horizonte.

10 de setembro de 1976 – European Airways vôo 831, Moscou para Londres, viu uma enorme bola de luz cegante abaixo dele. Os pilotos contactaram os soviéticos e foi dito para não fazerem perguntas. Isto provavelmente foi um teste para medir a reação britânica e determinar se os britânicos sabiam o que era.

Em 1976 – A Suécia detectou evidência de explosões nucleares do Semipalatinsk mas sem atividade sísmica.

Em 1976 – A Doença dos Legionários ataca o centro de Philadelphia. Mata 34, 187 outros ficaram doentes. Dr. P. David Beter dise que realmente foi causada pelos soviéticos liberando gás plutônio, mas Bearden diz que foi um ataque eletromagnético escalar.

ARMAS ESCALARES ATIVADAS

24 de março de 1977 – um luminoso caminho de luz apareceu fora da costa do Saara Espanhol, na África, e um grande globo de luzes dinâmicas aprareceu acima dele. Bearden diz que foi um teste do escudo de Tesla que defende qualquer coisa dentro dele de um ataque externo.

11 de junho de 1977 – um cientista soviético deu uma entrevista ao jornalista Robert Toth [que estava em Moscou para o *Los Angeles Times* na qual falou da energia vindo do vácuo do espaço. A KGB rapidamente prendeu ambos e os acusou de possuirem segredos do Estado soviético. A maioria dos cientistas americanos daquele tempo pensava que energia do vácuo era algo sem sentido.

26 de setembro de 1977 – Rússia lançou o veículo espacial octágono Intercosmos 17 e destruiu a base lunar dos EUA, como mencionado mais cedo no material de Fogo Vindo do Céu. Os soviéticos também destruiram nossos satélites espiões e ‘tomaram um alto solo’. A Rússia tem nos evitado de controlar o espaço desde então.

Dezembro de 1977 e mais tarde – misteriosos booms inexplicados começaram a ocorrer fora das costas americanas. Isto foi, segundo Bearden, registro e calibração de arma soviética, e segundo Beter eram avisos ao nosso governo.

Também em 1977 – A Rússia começou com facilidade a guerra atmosférica. Dois enormes pontos quentes foram criados no Pacífico que causaram um efeito de El Niño e resultaram em um dos invernos mais severos já registrados. Para mais informação, leia o material de Tom Bearden e examine seu material de referência.

27 de janeiro de 1978 – todos os três motores falharam em um Boeing 727 fora da costa leste dos EUA, e reiniciaram um a um quanto o avião estava  8.000 pés. Bearden diz que foi um teste soviético e um aviso. Quatro aviões se acidentaram em 6 dias a noroeste de Las Vegas em fevereiro de 1978. Deste ponto sobre eventos com aeronaves e acidentes são tão numerosos para listar e ainda estão acontecendo. Booms atmosféricos foram relatados acima da costa do Texas, Nova Scotia, South Carolina.

2 de abril de 1978 – 39 pilotos em uma corrida fora da Flórida vivenciaram ‘perda de tempo” em relógios sincronizados. Luzes inexplicáveis e objetos iluminados vistos e rastreados ao radar sobre a Flórida.

Para mais informações sobre talentos escalares eletromagnéticos de pássaros, terremotos, observações de escudos de Tesla, acidentes e muito mais como parte de eventos causados artificialmente pelos veja o material de Tom Bearden, do Dr. Beter, e materiais relacionados de outros autores. Há tantos que é difícil para mim listar.

COALITION INSIDER

Em dezembro de 1978, recebi o Vol. 1, No. 1 de *Coalition Insider,* um relatório da Coalisão para o Fortalecimento da Paz. Isto foi publicado pelo Conselho de Segurança Americano, começado pelo General George Keegan depois que ele se exonerou como chefe da Inteligência da Força Aérea para se tornar um cidadão privado e assim pudesse avisar sobre a arma de raios de partícula soviéticas e o desenvolvimento de outras armas. O artigo da página de trás intitulado ” Os Soviéticos tem Satélites Assassinos” diz: “Em uma conferência de notícias recentemente, o Secretário de Defesa Harold Brown revelou que a União Soviética tem colocado em operação um satélite espacial interceptador capaz de abater os satélites militares e civis americanos.” Como ele sabia das capacidades destes satélites interceptadores? Porque eles já haiam abatido os nossos satélites!

O artigo posteriormente declarou: “No ano passado, a União Soviética denunciou os EUA por até mesmo considerar o desenvolvimento de um similar satélite interceptador espacial, capaz de abater os satélites interceptadores soviéticos, antes que eles possam anular nossos satélites de reconhecimento. Qualquer de tais planos, avisou Moscou, estará em violação direta do tratado dos usos pacíficos do espaço. Mas, os soviéticos já tinham um satélite assassino deles!”

O co-presidente da conferência de imprensa foi retratado; seu nome era Senador Robert Dole.

NORTHERN BOOK HOUSE

Também em 1978 recebi um pacote de literatura comunista do distribuidor soviético Northern Book House, Box 1000, Gravenhurst, Ontario, Canadá. Naquele tempo, considerei o material um lixo ilógico e sem sentido. Agora, na medida em que o reviso, estou chocado. Eles falam sobre humanos e animais respondendo a ondas eletromagnéticas. Eles falam sobre o estudo do cientista soviético Dr. N. A. Kozyrev dos terremotos na lua. Eles fala sobre obter energia do vácuo.

Eles bravateiam sobre a primeira aeronave supersônica, a soviética TU-104, introduzida em 1956 (eles ignoram o bombardeiro supersonico alemão Horten XVIII, fabricado em 1945). Apenas citarei o artigo: “Lembra-se de 1956? O primeiro avião a jato para passageiros. Mudou o curso inteiro do võo. [vastamente aumentando as pessoas transportadas].

Quando NN [*Northern Neighbors,* publicação de Northern Book House] disse isso (15 anos atrás), hor-hor-hor, que exagero! O avião era de fato o famoso TU-104 soviético, muito a frente dos EUA. Agora eles tem [Rússia] a aeronave supersonica TU-144.

E onde estão os EUA ? Quando NN disse isto estaria muito atrás da USSR. Mas ouse tudo isto, perdemos. Nós não dizemos que os EUA teriam qualquer SST afinal, como este não tem. Desculpe-me, mas não espere nos ver exagerar todo tempo. Estes dias é difícil ver como estamos atrás.

Oh, mas agora nos é dito que estamos bem a frente deles. Nosso transporte supersônico de passageiros é o,   ah, er, não é – alguém pode me ajudar aqui, por favor? E nossa estação espacial é ah, er, oh – não importa. Temos Disney World, como lá!

Eles citam um artigo do *U.S. News & World Report*  “U.S. Superiority Has Ended,” de 5 de abril de 1971. O centro da revista são várias imagens de dentro da estação espacial deles e quatro homens trabalhando lá por meses a cada vez. Eles ressaltam que os astronautas americanos tem o pouso de queda no oceano na volta, enquanto os astronautas soviéticos  pousam no solo.

A página seguinte tem um artigo condenando o sionismo como racismo! Um dos artigos fala do sistema educacional russo. No sistema deles, não há dever de casa, todo estudo é feito na escola. Todo mundo aprende uma outra lingua começando no grau um.Em algumas escolas o treinamento físico consiste em três horas por dia! Não é surpresa que eles ganhem todas as medalhas olímpicas. Oh bem, provavelmente eles estejam apenas bravateando.

KAMMLER

Qualquer pessoa familiarizada com a Alemanha nazista será familiarizada com Himmler, Speer, Bormann e tais mas poucos devem ter ouvido falar de Hans Kammler. Kammler era um General das SS, mito mais uma aquisição de qualquer maneira que você veja isto.  Kammler “era visto por muitos na hierarquia nazista como o homem mais poderoso na Alemanha fora do Gabinete.” (*Blunder! How the U.S. Gave Away Nazi Supersecrets to Russia,* por Tom Agoston, Dodd, Mead & Co., p. 4.)

Kammler, cuja posição de autoridade estava diretamente abaixo de Himmler, esteve a cargo dos projetos mais secretos de Hitler, especificamente projetos tais como os primeiros motores a jato do mundo e foguetes. Ele tinha mais de 14 milhões de pessoas trabalhando com ele, a maioria construindo fábricas subterrâneas. Agoston disse que os projetos dele eram equivalentes a estar a cargo da construção das Grandes Pirâmides ou do Coliseu em Roma. Speer disse que ele considerava que Kammler estava sendo considerado para tomar sua posição [ a de Speer].

Trabalhando sob Kammler a cargo dos foguetes estava o General Walther Dornberger, que com o Dr. Werner von Braun, desenvolveu o foguete V-2. Trabalhando com Kammler no “centro de pesquisa militar de alta tecnologia mais avançda do Reich” no complexo de armamento de Skoda em Pilsen, Checoslováquia, estava o  General Dr. Wilhelm Voss. Alguns projetos em Skoda permanecem secretos até hoje, mas seu reconhecimento entre os projetos foi um do Dr. Franz Josef Neugebauer, “um especialista em sistemas térmicos para propulsão nuclear de aeronaves.” (Agoston, p. 12.)

Albert Speer, em seu livro *Spandau, The Secret Diaries,* bravateia que foi ele que ordenou a Werner Heisenberg parar de construir a bomba atômica e se concentrar em um motor de urânio para aeronaves. Até o fim da guerra, Hitler tinha até mesmo tornado Goering e Speer subordinados a Kammler. Eisenhower admite em *Crusade In Europe* que os nazistas estavam a seis meses de desenvolverem armas avançadas que teriam mudado as consequências da guerra.

RUDOLPH HESS E A SECRETA BASE ESPACIAL ALEMÃ

Rudolph Hess, o melhor amigo de Hitler e segundo no comando, foi para a Inglaterra para tentar parar a guerra com a Bretanha e foi preso como criminoso de guerra em 10 de maio de 1941 e foi impedido de ter qualquer contacto com  o público até ser assassinado. Ele era o único prisioneiro na prisão de Spandau. Qualquer um que prestasse atenção a situação dele de todo deve ter imaginado qual era o grande segredo que ele sabia que o tornava tão perigoso para os Aliados? Talvez a resposta seja revelada no livro de Friedrich *Secret Nazi Polar Expeditions* na página  34: Hess “foi confiado com todos os importantes arquivos da Antártica… o Próprio Hess, guardava o Arquivo polar…”

Se você olhar um mapa da Antártica verá que uma porção do que é chamado Queen Maud Land é chamado new Schwabenland. Isto é a parte do continente mais perto da África do Sul. Os alemães fizeram uma maior expedição a esta área em 1938-1939 e começaram a construção de uma maior base. Para detalhes desta expedição veja o livro de Friedrich. Este livro tem fotografias de poços de água quentes e outras informações que o surpreenderá. Tem mapas que mostram que a Operação Highjump do Almirante Byrd (a Força Tarefa Naval  68) de invasão militar chegou no sítio oposto as bases alemães. O livro conta que o maior item alimentar na área é chamado krill. Você já ouviu falar de “Krill?” Os mapas da Operação Highjump dizem que eles deixaram o lado alemão do continente inexplorado.

Um homem que foi muito influente na moderna política alemã pós guerra foi Hans-Ulrich Rudel, um frequente palestrante convidado nos círculos alemães políticos e militares. Rudel foi o homem preparado por Hitler para ser o seu sucessor. É sabido que Rudel fez frequentes viagens a Terra do Fogo na ponta da América do Sul mais próxima da Antártica. Uma das últimas mensagens de Martin Bormann do bunker em Berlim para Doenitz mencionou a Terra do Fogo.

O livro, *UFOs, Nazi Secret Weapon?* diz (p. 8) “A avaliação de Hitler sobre os judeus pode ser melhor resumida como contido nos “Protocolos dos Sábios de Sião”. Este é um aspecto UFO muito importante de toda a história UFO, porque nele, achamos as sementes de muitas decisões de longo alcance tomadas trinta anos depois’. Você tem uma idéia de como um assunto tão politicamente incorreto com os Protocolos  pode se relacionar a  UFOs? [leia mais sobre os protocolos. São uma farsa]

Um livro chamado *America’s Aircraft Year Book* fala sobre os EUA usar cientistas alemães capturados em Ft. Bliss e Wright Field. “Entres estes no grupo alemão em Wright Field estavam Rudolph Hermann, Alexander Lippsisch, Heinz Schmitt, Helmut Heinrich e Fritz Doblhoff e Ernst Kugel. Hermann foi anexado a Estação de Pesquisa Aerodinâmica de Peenemunde, onde eram armazenados os foguetes V-2 e lançados contra a Inglaterra. Um especialista em supersonica, ele esteve a cargo do túnel de vento supersônico  em Kochel nos Alpes Bávaros. Ele também era membro do grupo a que foi confiado os planos futuristas de Hitler de estabelecer uma estação espacial base de reabastecimento de foguete como um satélite ao redor da Terra em uma distância de 4.000 milhas – um esquema que ele e certos oficiais de alto escalão do AAF em 1947 ainda acreditavam ser possível.”

Mais tarde a evidência mostra que a maioria, se não todos, os cientistas de naves e de disco voadores desapareceram. A evidência disponível indica que eles foram para a América do Sul ou Antártica.

Os jornais *El Mercurio* e *Der Weg* disseram que um grande comboio de submarinos foi descoberto pela Marinha britânica no final da Segunda Guerra Mundial.  Todas as unidades Aliadas disponíveis se engajaram no comboio e foram totalmente destruídas, exceto por um capitão de um destroyer, que foi relatado dizendo, “Meu Deus, me ajude, possa nunca mais encontrar tal força”.

Em 10 de julho de 1945, mais de dois meses depois do fim da guerra, o submarino alemão U-530 se rendeu as autoridades argentinas. O comandante era Otto Wermoutt. O submarino tinha uma tripulação de 54 homens [normalmente a tripulação é de 18 homens] e a carga consistia de 540 barris de cigarros e estoques não usualmente grandes de comida. O comandante tnha 25 anos, o segundo ofcial 22  a tripulação tinha uma média de 25, exceto por um homem que tinha 32 anos. Esta era uma tripulação não usualmente jovem e ao serem questionados sobre isto foi sabido que todos eles diziam não ter parentes.

Um mapa de um livro espanhol chamado *Is Hitler Alive?* com a rota do comboio do Fuhrer mostra que ele passou ao longo da Ilha Geórgia do Sul., onde mais tarde uma secreta base subterrânea foi o foco de uma batalha secreta durante a Guerra das Ilhas Falkland.

Em 4 de abril de 1944 as 4:40 a.m. o submarino alemão U-859 saiu em uma missão misteriosa levando 67 homens e 33 toneladas de mercúrio lacrado em garrafas de vidro em estreitas ampolas a prova de água. Este submarino foi afundado por um submarino inglês e a maior parte da tripulação morreu. Um sobrevivente em seu leito de morte aproximadamente trinta anos depois falou sobre a carga cara e guns mergulhadores checaram a história e encontraram o mercúrio. Para que propósito este mercúrio seria usado? E para onde eles o estavam levando?

Há muitas outras histórias de outros TU-boats e sobreviventes alemães, a maioria no Hemisfério Sul. Os alemães e outras nações européias exigiram registros muito meticulosos de todo mundo, incluindo seus parentes, emprego, endereço, filhos etc. e no fim da guerra os Aliados, entrecruzando os registros, levando em conta as baixas e mortes, determinaram que estavam faltando 250.000 pessoas.

WERNER HEISENBERG

Hitler assinou a ordem para que a bomba atômica fosse construída em 26 de setembro de 1939. O principal cientista deste projeto foi Dr. Werner Heisenberg. (Powers, Thomas, *Heisenberg’s War,* Alfred A. Knopf, 1993, p. 16.) Heisenberg ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1932 “pela criação da mecânica quantum” Ele era professor de física teórica em Leipzig e mais tarde Diretor do Instituto  Max Planck de Física. Seu melhor amigo, até a guerra, era Niels Bohr. Edward Teller recebeu seu doutorado ao estudar com Heisenberg (Powers, vii).

Thomas Powers escreveu em seu livro *Heisenberg’s War, The Secret of the German Bomb,* no qual um dos principais temas era tentar verificar o fato de que a Alemanha estava muito a frente do resto do mundo no desenvolvimento da bomba e ainda que os Aliados estavam perplexos quando encontraram o primitivo reator experimental no fim da guerra que era supostamente o melhor que os alemães pudesem obter. Desculpas tais como a ineficiência alemã etc não se enquadram na evidência, e dizer que os alemães eram mais morais que os judeus americanos que desenvolveram a bomba não é politicamente aceitável.

É sabido que os alemães estavam também trabalhando na bomba de hidrogênio, e os Aliados freneticamente bombardearam as instalações de água pesada. Há muitos livros e filmes sobre os heróis que pararam os esforços nucleares alemães, ainda que em alguns lugares você descubra que ao menos uma carga de água pesada nunca foi encontrada.

Em uma fala em junho de 1949, Vannevar Bush conta que os Aliados estavam extremamente preocupados que os alemães estivessem a frente na bomba, mas finalmente descobriram que eles não haviam realizado 5% do empreendimento que tinha sido levado ao sucesso… neste país. Ele culpou a falha deles a típica regimentação e sistema totalitário alemão. Mas se você pensar sobre isto com a mente aberta, você deve entender que ‘regimentalização e sistema totalitário” é mais eficiente, especialmente em se tratando de armas.

Powers explora a explicação de Heisenberg que os alemães “tinham usado a influência deles como especialistas para dirigirem o trabalho em canais que tem sido mapeados no relato adiante’ Mas este tal relato não explica o que aconteceu. Powers disse: “Sua narrativa está incompleta. Algo foi retirado”. (p. 482). Na última página ele resume dizendo, “Ninguém nega o que Samuel Goudsmit encontrou no sul da Alemanha em 1945 – um programa em pequena escala de pesquisa atômica que não oferecia ameaça aos Aliados. É difícil designar razões para o fracassso que eles tem mantido a matéria por quase 50 anos”.

Quando o Marechal de Campo Erhard Milch visitou os laboratórios Gottow em 1945 onde a pesquisa atômica estava sendo realizada, ele perguntou a Heisenberg, “Quanto grande teria que ser uma bomba para destruir New York ou Londres?” Heisenberg respondeu: “Grande como um abacaxi, e teremos uma cesta cheia para o Fuhrer pelo Natal…!” (Mattern-Friedrich, *UFOs, Nazi Secret Weapon?,* p. 77. Parete do material no livro veio de documentos clasificados obtidos da CIA. Veja em algm outro ugar no texto.) (Precisa-se de 33 libras de urânio altamente enriquecido ou 13 libras de plutônio para fazer uma pequena bomba atômica).

Em 1943 Niels Bohr escapou da Dinamarca para Londres e relatou que a Alemanha estava fazendo a bomba. Eles também tinham prova que os alemães tinham alcançado maiores suprimentos de urânio e também de tório.”

QUEM CRIOU A BOMBA ATÔMICA?

Boris Pash, chefe de segurança do Projeto Manhattan, e o cientista Samuel Goudsmit seguiram os tanques em Paris e na Alemanha procurando pelo laboratório nucleares alemães, que eles encontraram em Strasbourg. Isto foi chamado Operação Alsos (Grego para “luvas”). Peter Goodchild em seu livro *J. Robert Oppenheimer, Shatterer of Worlds,* p. 110 disse: “Muito cedo uma imagem do progresso alemão começou a emergir. Eles revelaram que havia sido dito a Hitler das possibilidades de uma arma nuclear em 1942 e que tinha havido uma série inteira de experimentos de pilha de urânio.

Mas os fatos cruciais foram que até mesmo tão tardiamente quanto em agosto de 1944 os experimentos ainda estavam no estágio inicial. Os alemães nem tinham certa informação que uma reação explosiva em cadeia era possível, nem que eles tivessem mecanismo ou material para fazer a bomba deles. Era aparente que o projeto tinha se movido para frente dificilmente desde 1942. Havia uma ou duas pessoas em Washington que, quando leram o relatório final de Goudsmit, suspeitaram que a informação tinha vindo facilmente demais, mas a maioria das pessoas acreditou.”

É possivel que a Alemanha de fato tenha desenvolvido a bomba e que os Aliados tenham mantido isto secreto? Em *Heisenberg’s War,* p. 481, Vannevar Bush é citado dizendo em junho de 1949: “Os nazistas queriam uma bomba atômica e nós sabiamos disso. Eles tiveram uma boa chance como nós a tivemos. Nos anos tensos depois de 1945 pensamos que eles fossem estreitos competidores, até mesmo que eles pudessem estar seis meses a nossa frente. Então depois que Stuttgart caiu e a missão Alsos fez o seu trabalho, descobrimos. Os nazistas nem mesmo alcançaram a primeira base”. Surpresa, surpresa. Ou era mentira, mentira?

Minhas melhores hipóteses, baseadas na evidência, é que há uma forte possibilidade de que os alemães tenham desenvolvido a bomba atômica. Os americanos conseguiram capturar algumas delas no incício de 1945, e então em 6 de agosto de 1945 atiraram uma em Hiroshima. Isto explicaria a curiosa declaração de J. Robert Oppenheimer que a bomba que caiu em Hiroshima foi feita na Alemanha. Será que os alemães podiam ter com eles algumas bombas quando Hitler escapou? Era o comboio submarino protegido por armas nucleares e eles que pararam a Operação Highjump? Talvez não, mas é apenas uma conjectura, mas fortemente suspeito que tenhamos obtido a bomba dos alemães.

Em *Blowback,* “a primeira narrativa completa do recrutamento dos nazistas pela América, e seu efeito desastroso em nossa política doméstica e exterior” por Christopher Simpson, ele afirma: “Em 6 de julho de 1945 a Junta de Chefes de Staff (JCS) especificamente autorizou um esforço para explorar… escolher, mentes raras cuja contínua produtividade intelectual desejamos usar sob o projeto top secreto apelidado Overcast… De início, isto foi justificado com base que os cientistas alemães podem ser úteis na guerra que continua contra o Japão” (p.33).

Quando os Aliados encontraram o laboratório alemão da bomba atômica, ficaram surpresos que era apenas um pequeno reator de concreto em uma caverna, pequeno demais para ser crítico. Ainda que eles tenham tido problemas consideráveis em um programa top secreto para agarrar estes cientistas porque eles podiam ser úteis em derrotar o Japão? O que eles estavam indo fazer, atirar concreto radioativo nos japoneses? Tom Agoston em *Blunder!* diz (p. 38) que “Desconhecido pelos cientistas Aliados, os alemães tinham sido capazes de construir um armazenamento apreendível de UU-235 e tinha mantido mais de duas toneladas, bem como duas toneladas de água pesada.”

William Stevenson, em *A Man Called Intrepid,* diz “Os alemães tinham o homem [Heisenberg] cujo trabalho teórico era a base da bomba” (p. 456) e “No campo militar, a opinião que prevalecia em 1939 era que o país com maior chance de reunir as peças era a Alemanha”.

Vamos ver agora, a bomba era uma idéia alemã, eles tinham os melhores cientistas, eles tinham habilidade comprovada de desenvolverem armas avançadas, eles tinham fontes de material cru e ainda que a bomba deles consiste de nada mais que concreto  radioativo em uma caverna na montanha na base de uma igreja? (*Heisenberg’s War,* p. 421.) O     laboratório alemão foi capturado em 21 de abril de 1945, então três meses mais tarde, em 16 de julho, uma bomba foi testada em Alamogordo, New Mexico. Então em 6 de agosto de 1945, uma foi atirada em Hiroshima, e em 9 de agosto em Nagasaki. Isto sem contar a explosão nuclear na área de Oakland, Califórnia,mas supostamente não sabemos disso.

Pash e Goudsmit na Operação Alsos capturaram várias toneladas de urânio e ‘isto foi embarcado para a Bretanha e então para os EUA, transformado em gás hexafluoreto de urânio para a separação  isotópica em Oak Ridge, Tennessee, e finalmente na forma de U-235 usada para destruir Hiroshima.” (*Heisenberg’s War,* p. 362.)

A maioria dos arquivos classificados da Segunda Guerra Mundial tem sido rotineiramente desclassificados sob as determinações do Ato de Liberdade de Informação. Tom Agoston (*Blunder!,* p. 124) disse sobre a informação Alsos, “Os arquivos permanecem suprimidos e trancados a chave em Washington, muito além da rgra de trinta anos. O motivo para isto permanecer assim é um mistério de quatro décadas.”

Ele também disse que o testemunho de Albert Speer, se referindo ao General Kammler, “A transcrição continua a ser classificada além da regra normal de trinta anos e não é esperar se tornar pública antes de 2020.”

Kammler desapareceu no fim da guerra e é relatado que tenha cometido suicídio [há quatro versões diferentes]. Se ele estivesse morto, porque o segredo? Kammler era visto como o homem mais importante na Alemanha fora do Gabinete. A cadeia de comando era de Hitler para Himmler para o substituto de  Himmler na SS, o General Karl Wolff para SS General Oswald Pohl para Kammler, e mas tarde o link era mais direto.

Dr. Wilhelm Voss disse a Agoston que o que aconteceu a Kammler era uma “matéria quente” que não podia ser revelada. Agoston disse que um dos associados íntimos de Kammler era Rudolph Hess, que voou para a Bretanha e permanecerá fechado até 2020″ (p.160).

O que deu uma prova para mim quando li no Phoenix Journal #18 (*Blood And Ashes*), falando do Projeto Manhattan, “Com certeza, eles utilizaram a produção alemã de urânio e realmente a bomba usada no Japão foi construída na Alemanha” (p. 159). O autor destes jornais é “One Who Knows.”

SUBMARINOS ALEMÃES NO ATLÂNTICO SUL

O jornal *France Soir* tinha a seguinte narrativa: “Quase dois anos e meio depois da cessação das hostilidades na Europa, o baleeiro islandês “Juliana” foi parado por um grande U-boat alemão. O Juliana estava na região Antártica ao redor das Ilhas Malvinas [agora Falkland] quando um submarino alemão subiu a superfície e um oficial naval alemão levantou a bandeira de Luto – vermelha com uma borda preta.

O comandante do submarino enviou um grupo de abordagem, que se aproximou do Juliana em um pequeno bote de borracha, e tendo abordado o baleeiro exigiu do Capitão Hekla parte de seus estoques de comida fresca. A solitação foi feita em um definitivo tom de ordem a qual qualquer resistência seria loucaz. O oficial alemão falava um inglês correto e pagou por suas provisões em dólares americanos, dando ao Capitão um bõnus de 10 dólares a cada membro da tripulação do Juliana. Enquanto a comida era transferida para o submarino, o comandante do submarino informou ao Capitão Hekla a exata localização de um grupo de baleias. Mais tarde o Juliana encontrou o grupo no local designado.”

O francês *Agence France Press* de 25 de setembro de 1946, disse: “Os rumores contínuos sobre a atividade de U-boats alemães na região da Terra do Fogo entre a ponta mais ao sul da América Latina e o continente da Antártica são baseados em acontecimentos verdadeiros.”

Tem havido histórias e livros escritos sobre alemães falsificando a moeda americana e de outra forma obtendo placas de impressão do dinheiro americano, que podem ser os responsáveis pelo uso alemão do dinheiro americano.

O  livro de recordes mundiais Guinness diz que o maior roubo não resolvido foi o desaparecimento do inteiro Tesouro alemão no fim da guerra.

RAND CORPORATION

Em janeiro de 1946 o industrialista Donald Douglas abordou a Força Aérea do Exército com um plano para o governo e a indústria trabalharem juntos em planejamento estratégico a longo prazo. Isto foi chamado Projeto RAND, um nome dado por Arthur Raymond para Pesquisa e Desenvolvimento. Muito do primeiro dinheiro do governo foi para a equipe de von Braun. (McDougall, Walter al. …*the Heavens and the Earth, A Political History of the Space Age,* Basic Books, New York, 1985, p. 89.)

LESLIE R. GROVES

Groves é conhecido como o General no comando do Projeto Manhattan que construiu a bomba atômica. Ele foi escolhido porque ele foi um dos que supervisionaram a construção do Pentágono, e por 1942, estava a cargo de toda construção militar americana em todos os lugares. Depois da guerra ele foi trabalhar para a Remington Rand Corporation.

BORIS PASH

“As apostas na busca do talento científico da Alemanha eram muito altas. A única maior importante força de ataque americana, por exemplo, com a equipe de Alsos, que alvejava a pesquisa atômica do Eixo, os armazenamentos de urânio, e os cientistas nucleares, bem como a pesquisa de guerra química e biológica nazista. O comandante desta designação foi o Coronel do Exército Boris Pash, que previamente havia sido o chefe de segurança do Projeto Manhattan – o programa de desenvolvimento da bomba atômica dos EUA – e que mais tarde desempenhou um papel importante em programas de ação altamente secretas e encobertas dos EUA.

Pash teve sucesso brilhantemente em sua missão, se apoderando dos principais cientistas alemães e mais de 70.000 toneladas de núcleo de urânio do Eixo e produtos de rádio. O urânio tomado durante estes raids foi eventualmente embarcado para os EUA e incorporado as armas atômicas dos EUA .” (Simpson, Christopher, *Blowback,* Collier Books, New York, 1988, p. 26.)

“Um outro notável veterano Bloodstone é Boris Pash, um oficial de inteligência de carreira identificado no Relatório Final da investigação do Senado dos EUA de 1975-1976 sobre as atividades de inteligência como diretor aposentado da unidade da CIA responsável por planejar assassinatos” (*Blowback,* p. 108).

*Blowback,* p. 152-153 diz: “Os registros da Operação Bloodstone acrescenta uma nova peça importante de informação para um dos assuntos públicos explosivos de hoje: o papel do governo dos EUA – especificamente da CIA – em assassinatos e tentativas de assassinatos de oficiais estrangeiros. Segundo uma investigação do Senado de 1976, um oficial chave da Operação Bloodstone é o oficial OPC a que foi especificamente delegada a responsabilidade de planejar os assassinatos da agência, raptos e similares “trabalhos úmidos”.

“O Coronel Boris Pash, um dos mais extraordinários e menos conhecidos personagens da história de inteligência americana… seu trabalho para as agências americanas de inetligência o colocam na tarefa crítica recebendo a responsabilidade de planejar operações pós guerra de assassinato… O Coronel Pash é um dos poucos originais remanescentes da inteligência dos EUA e sua experiência no combate aos comunistas remonta a Revolução Russa de 1917.

Ele estava em Moscou e na Europa Oriental naqueles dias com o pai dele, um missionário de extração russa, e o jovem Past passou grande parte de guerra civil soviética trabalhando do lado dos exércitos Brancos, então com refugiados czaristas que tinham fugido de seu país. Na década de 1920 Past foi designado como oficial da reserva com o serviço da inteligência militar dos EUA… ele… desempenhou um papel na internação dos civis japoneses na Califórnia, e logo foi designado como oficial chefe da contra-inteligência no Projeto Manhattan, o esforço super-secreto dos EUA para desenvolver a bomba atômica. [Mais de uma decada mais tarde foi o testemunho do Coronel Past que ajudou a selar o destino do cientista Robert Oppenheimer no caso de segurança muito bem conhecido em 1954]

Antes que a guerra acabasse, isto seria rechamado, o Coronel Past liderou uma série de operações especiais celebradas conhecidas como Missão Alsos que eram destinadas a capturar os melhores especiaistas atômicos e químicos que os nazistas tinham a oferecer.

“Depois da guerra o Coronel Past serviu como representante do exército em Bloodstone na primavera de 1948, quando as tarefas deste projeto, inclusive recrutar os desertores, contrabandear refugiados de trás da Cortina de Ferro, e assassinatos foram estabelecidos. As operações especiais de Bloodstone, como definidas pelo Pentágono, podiam ‘incluir guerra clandestina, subversão,  sabotagem e… assassinato’, segundo os registros da Junta de Chefes de Staff de 1948. Em março de 1949, Pash foi designado pelo exército para a divisão OPC da CIA… Sua unidade de cinco homens na CIA, conhecida como PB/7, recebeu uma carta escrita que dizia em parte que a ‘PB/7 seria responsável por assassinatos, raptos e tais outras funções de tempo em tempo que podem receber… a maior autoridade’.

De *Dulles* de Leonard Mosley (A Biography of Eleanor, Allen and John Foster. London: Hodder & Stoughton, 1978.), encontramos, p. 459: “Mas agora ele [Allen Dulles] estava interessado em experimentos mais sinistros da Agência em drogas de ligação mental,   ampolas portáteis de virus letais, e venenos esotéricos que matavam sem deixar traço. O senso de humor de Allen foi tocado quando ele aprendeu que a unidade trabalhando nestes empreeendimentos deletérios era chamada “Comitê de Alteração da Saúde” (dirigida por Dr. Sidney Gottlieb e Boris Pash)… Richard Bissell… tinha agora sucedido a Frank Wisner como diretor substituto dos planos …”

Para aprender mais sobre experimentos de controle mental e de tortura de Pash e Gottlieb, leia *Journey Into Madness: The True Story of Secret CIA Mind Control and Medical Abuse* de Gordon Thomas (Bantam Books, New York, 1989).

Uma das pessoas que eles mataram foi Frank Olson (um médico de guerra biológica da CIA cuja especialidade era o anthrax), enquanto eles estavam tabalhando no Subproject-68, também conhecido MK-ULTRA. MK-ULTRA começou como *Projeto Bluebird,* criado em 20 de abril de 1950, pelo Diretor da CIA Almirante Roscoe Hillenkoetter (que mais tarde foi um membro do NICAP), e em 20 de julho de 1950, eles começaram a usar sódio amital, Benzedrina e outras drogas para fazr lavagem cerebral em prisioneiros.

em setembro de 1950, o *Miami News* publicou um artigo sob a manchete “Técnicas de Lavagem Cerebral”que foi considerado o primeiro uso formal do termo. Um dos parceiros de Gottlieb foi o Dr. Harold Wolff, que parece ser um médico de Paperclip. Ele trabalhou com o  Parke-Davis e “…permaneceu estreitamente ligado com o projeto de lavagem cerebral M-K Ultra” (p. 191). Ele ajudou a estabelecer um apartamento e introduzir LSD nos hippies em San Francisco, e trabalhou no Projeto Mindbender (um tipo de operação Candidato Manchuriano) com William Buckley.

INão é interessante que tantos dos participantes na maioria dos segredos dos segredos da Segunda Guerra Mundial ainda estejam envolvidos no assasinato de Kennedy e outros casos mais atuais? Muitos livros e artigos tem sido escritos sobre a CIA estar envolvida no assassinato de JFK, e agora você sabe que o homem a cargo dos assassinatos da CIA era Boris Pash, antigo chefe de segurança do Projeto Manhattan . Ele também chefiou um grupo tentando capturar a tecnologia avançada de Hitler, incluindo os discos voadores e outros segredos.

O livro *ZR Rifle – The Plot To Kill Kennedy And Castro* de Claudia Furiati, p. 36, diz que um homem chamado William Harvey tinha estado a cargo do posto da CIA em Berlim ocidental até 1960, tentão foi colocado a cargo dos assassinatos da CIA por Richard Bissell em 1961. Os planos para assasinar líderes políticos foi apelidado  *ZR-RIFLE,* chefiado por Harvey. Bo Gritz disse na p. 525 de seu livro: “O assasinato de Kennedy foi apelidado ‘ZR-RIFLE’.” A mim parece aparente que Harvey e Pash estavam usando o mesmo par de calças.

Em 1941, Ian Fleming, o futuro criador das histórias de “James Bond”, e nauele tempo um oficial de alto escalão da inteligência britânica, dugeriu a William Donovan que ele criasse uma inidade especiallmente treinada e selecinada de assassinato. PB/7 (Pash Boris Seven) foi o original conceito do “Agent 007” . Se minha memória está correta, credito que Nixon afirmou que William Harvey era o real 007.

Presumo que Pash foi o Agente 001, ou talvez ele tivesse sete agentes trabalhando para ele [originalmente eram cinco]. Se você quer entender mais sobre como estas várias facções tais como CIA, KGB, nazistas, comunistas, FBI etc podem estar lutando umas com as outras e trabalhando juntas ao mesmo tempo, você precisa entender quem estava acima deles, controlando-os. Para entender isto, olhe para a inteligência britânica. Você descobrirá que a inteligência britânica é uma operação da realeza britânica e européia e da aristocracia!

E. Howard Hunt, quando na prisão em dezembro de 1975, em uma entrevista com o *New York Times,* disse que o chefe da unidade de assassinato da CIA era Boris Pash. Pash foi designado para Angleton a este tempo (veja *Final Judgment,* p. 207). Angleton foi chefe do escritório em Israel da CIA e era muito pró Israel. Ele também estava estreitamente envolvido com Meyer Lansky.

Em *Cold Warrior,* a biografia de James Jesus Angleton de Tom Mangold, ele diz na página 362: “Gostaria contudo de colocar a registroque os amigos pessoais mais próximos no exterior de Angleton, então e subsequentemente, vieram do Mossad (o serviço isrealense de reunião de inteligência) e que ele tinha uma estima imensa por seus colegas israelenses e pelo Estado de Israel, que o recompensou com honras profundas depois desua morte.” Seu lugar foi preenchido depois de sua morte por William Colby. QUANDO  Kissinger queria “obter LaRouche,” ele pediu ajuda a Angleton. A pedra tumular de Angleton é em hebraico.

Na página 97 de *Final Judgment,* Piper diz que “A equipe de ZR/Rifle, de fato, foi uma das favoritas de Angleton entre os projetos da CIA, wque ele dirigiu conjuntamente com seu colega William Harvey.”

Segundo Claudia Furiati, Joseph Schreider estava a cargo dos laboratórios da CIA e do desenvolvimento de venenos para assassinatos, e diz que Harvey estava a cargo dos assassinatos poíticos, trabalhando fora do escritório de Miami dirigido pelo [Paperclip] Shackley, e estava trabalhando com Schreider para tentar envenenar Castro. Acima temos Boris Pash e Sidney Gottlieb trabalhando juntos da mesma maneira. Temos Pash e Harvey nos mesmos locais, fazendo o mesmo trabalho, a cargo dos mesmos projetos – fale sobre  sinecura. Acredito que Harvey estava realmente na sede em Langley, acima de Shackley em Miami.

*Blowback,* p. 153, diz que Pash “…serviu como um representante do Exército em Bloodstone na primavera de 1948, quando as tarefas do projeto, inclusive o recrutamento de desertores, contrabando de refugiados para fora da Cortina de Ferro, e asssinatos, foram estabelecidos. Em março de 1949, Pash foi designado pelo Exército para a Divisão OPC da CIA.”

Harvey morreu em 6 de junho de 1976, segundo Dick Russell, e Pash westava com 80 anos em 1988 segundo Simpson.

DISCOS VOADORES ALEMÃES

A avançada tecnologia de Hitler incluia misséis balísticos intercontinentais, aeronaves de decolagem vertical, motores a jato, mísseis cruise, canhões de sons e muitos outros itens avançados. Os Aliados capturaram planos para o que veio ser o jato jumbo Boing 747. Entre os itens mais secretos capturados estavam os planos para discos voadores, que inicialmente foram chamados de “Krautmeteors.” Baseado na evidência, eles eram construidos já por volta de 1933 e entraram na produção em massa em 1940. Os cientistas envolvidos nestes projetos eram Bellonzo, Schriever, Miethe e Victor Schauberger.

Schauberger desenvolveu o tipo de disco chamado de “chapéu voador” que mais tarde foi visto sobre os EUA. A versão final foi o Disco de Bellonzo-Schriever-Miethes, tão grande quanto 135 pés e mais de 225 pés de diâmetro. Eles viajavam mais de 2.000 quilometros por hora e eram planejados para irem acima de 4.000 quilometros por hora. Em 1945 eles podiam alcançar uma velocidade de 1.300 mph e uma altitude de 40.000 pés em menos de três minutos. Os alemães desenvolveram a nave de asas Delta e estavam trabalhando na tecnologia stealth etc.

Muitos pilotos viramnaves estranhas sobre a Alemanha, tao logo a nave foi construída, Hitler ordenou que ela fosse desmontada e embarcada para algum lugar – provavelmente a Antártica. Nenhuma das naves foi capturada pelos Aliados embora alguns cientistas tenham sido capturados e então a maioria desapareceu, mas de uma certa forma podem ser traçados a Bell Textron e a lugares tais como a Area 51, que, surpresa!, é famosa por seus avistamentos UFO.

Aqui estão alguns exemplos de itens de noticiários durante a Segunda Guerra Mundial concernentes aos UFOs alemães, do *New York Times:*

*NEW YORK TIMES,* 14 de dezembro de 1944:

“isteriosa Bola flutuante é a Nova arma alemã. SUPREME HEADQUARTERS, Allied Expeditionary Force, 13 de dezembro  – uma nova arma alemã tem feito seu aparecimento no front aéreo ocidental, foi revelado hoje.

“Homens da Força Aérea Americana relatam que eles estão encontrando esferas de cor prata no ar sobre o território alemão. As esferas são encontradas sozinhas ou em grupamentos. Algumas delas são semi-translúcidas”.

e, “SUPREME HEADQUARTERS 13 de dezembro (Reuters) – Os alemães tem produzido uma arma secreta e a estão guardando para a estação do natal.

“O novo aparelho, aparentemente uma arma de defesa aérea, parece enormes bolas de vidro que enfeitam as árvores de natal. Não há informaçao disponível de como sejam sustentadas como estrelas no céu, o que elas são e qual possa ser o propósito delas.”

GUERRA DAS ILHAS FALKLANDS

A Guerra das Ilhas Falkland tinha mais a ver com os nazistas do que com a Argentina; para mais dettalhes do que aconteceu, por favor consulte o *Phoenix Journals.*

Os alemães, de sua base na Antártica, começaram a se infiltrar na Argentina, Chile, etc., e compraram grandes porções de terra e varreram corporações. Eles também investiram em corporações na Alemanha e em outros lugares com planos para uma volta. Eles usaram o Tesouro alemão, capturaram o Tesouro de outras nações, e falsificaram a moeda americana impressa em reais placas de impressão americanas dadas sos russos e capturadas pelos alemães.

Algumas placas foram roubadas pelo Secretário Assistente do Tesouro dos EUA Harry Dexter White (nome real  Weiss) sob Henry Morgenthau e enviadas aos soviéticos para uso na Alemanha ocupada. Eles também aranjaramo roubo em massa de tonelas de nosso especial papel moeda. Quando J. Edgar Hoover foi ao Presidente Truman com toda a evidência de que o Secretário Assistente do Tesouro era um espião cominista e ladrão, Truman de fato removeu Weiss (White) de seu cargo – e o promoveu a chefe do Fundo Montetário Internacional [FMI]. A história tem um fim mais que comum – quando a controvérsia foi desenvolvida na imprensa a respeito do incidente, Weiss se tornou um “suicida.”

O MILAGRE ECONÔMICO ALEMÃO

Para mais informação sobre como foi alcanado o milagre econômico alemão depois da guera pelos alemães, você deve ler livros tais como  *Martin Bormann, Nazi in Exile* de Paul Manning (“…Bormann se tornou a força guiadora no milagre econômico que levou ao renascimento da indústria alemã  e finanças em 35 anos seguindo a derrota política e militar. Nos meses miguantes da Segunda Guerra Mundial na medida em que o Terceiro Reich estava balançando e finalmente sucumbindo na derrota, Bormann criou 750 corporações espalhadas entre aquelas nações que permaneceram neutras. Estas nações receberam a riquza fugitiva da Alemanha e se tornaram a base de poder que capacitou a Alemanha a subir de novo para a força política e econômica. Da folha de guarda). Este livro expande no encontro em Strasbourg em 10 de agosto de 1944, mentcionado no livro de Michael Bar-Zohar *The Avengers.*

Em 1986, enquanto pesquisávamos estes assuntos, recebemos 161 página sob uma busca de Liberdade de Informação concernente ao que aconteceu ao Tesouro alemão no fim da Segunda Guerra Mundial. Muitos destes documentos tem sido secretos até a desclassificação para cumprir nossa solicitação. Um documento foi o No. 19,489, de 27 de novembro de 1944, Assunto: Transmitindo o Relatório de Inteligência No. EW-Pa 198 [?, pouco legível] pela Seção Econômica G-2, o Secretário de Estado, do Ten. Cel. John W. Easton, Divisão de Guerra Econômica.

A carta de cobertura afirmou “Tenho a honra de incluir o Relatório de Inteligência No. EW-Pa 198 da Seção Econômica G-2, SHAEF [*Supreme Headquarters Allied Expeditionary Forces*], datado de 07 de novembro de 1944, descrevendo os planos dos industrialistas alemães para a ressurreição pós guerra da Alemanha. Entre os tópicos abordados neste relatório estão: patentes, reservas financeiras, exportação de capital, e localização estratégica de pessoal técnico”. É óbvio que Manning citou destes documentos em seu livro sobre Bormann.

Ao descrever o encontro de 10 de agosto de 1944, em Stasbourg, algumas sentenças nos documentos permanecem: ‘os industrialistas alemães devem, isto disse, por meio de suas exportações aumentar a força da Alemanha. Eles também devem se preparar para financiar o Partido Nazista que seria forçado a ir para o subterrâneo como os (em Gebirgverteidigungsstellengehen). De agora o governo deveria alocar grandes somas aos industrialistas para que cada um possa estabelecer uma segura fundação pós guerra em países estrangeiros.

As existentes reservas financeiras em países estrangeiros devem ser colocadas a disposição do Partido para que um forte Império alemão possa ser criado depois da derrota. Isto também exige imediatamente que as grandes fábricas na Alemanha criarem pequenos escritórios técnicos ou de pesquisa que seriam absolutamente independentes e não teriam ligação conhecida com a fábrica. Estes escritórios erceberão planos e desenhos de “novas armas” bem como documentos que eles necessitem para continuar a pesquisa deles e que não devem cair nas mãos dos inimigos.

As últimas sentenças neste documento são, “depois da derrota da Alemanha o Partido Nazista reconhece que certos de seus melhores e mais conhecidos líderes serão condenados como criminosos de guerra. Contudo, em cooperação com os industrialistas está-se arranjando para colocar os membros menos conspícuos mais mais importantes em posições com várias fábricas alemãs como especialistas técnicos ou membros de seus escritórios de projeto e de pesquisa.

Alguns dos documentos eram concernentes ao Ouro Saqueado (1945-1948). Número de Acesso 56-75-101, Conteiner da Agência número 169, número de arquivo BIS/2/00.” Estes documentos são relativos ao ouro alemão saqueado sendo transferido para o Bank for International Settlements [BIS] na Suiça. Um parágrafo importante diz (#9): “Está claro da correspondência e do testemunho que o gerenciamento do B.I.S. durante a guerra estava ‘nas mãos do Conselho de Administração,no qual os representantes do Eixo tinham uma influência autoritária’, e que em 1942 os alemães favoreceram a reeeleição do Presidente McKittrick cujas ‘opiniões pessoais’ eles caracterizaram como ‘seguramente conhecidas’.

Anexado ao arquivo estava um recorte do *New York Times,* cuja data não estava incluida mas parece ser 1945, que declara: “McKITTRICK programado para o correio na caçada. Ele tomará os deveres como vice presidente do Banco aqui no próximo outono.  Thomas H. McKittrick, o banquero americano que tem servido como presidente do B.I.S.desde o início de 1940, se tornará o vice presidente do Chase National Bank de New York no próximo outono, Winthrop W. Aldrich, presidente da diretoria do Chase, anunciou ontem “. O artigo termina citando McKittrick: “Entendo que é meu dever realizar uma tarefa neutra em tempo de guerra. Esta é uma coisa extremamente dificil que estou tentando fazer, mas eu farei o melhor que possa.”

Um outro documento anteriormente classificado top secreto foi “Assunto: Conversa na Suiça com Mr. McKittrick, Presidente do Bank for International Settlements” de Orvis A. Schmidt para o Secretário do Tesouro Morgenthau, datado de 23 de março de 1945. Isto descerve os relacionamentos  de McKittrick com o chefe real do sistema bancário nazista, um vice presidente chamado Puhl.

“Puhl foi descrito por McKittrick como um banqueiro de carreira que tinha estado com o Reichsbank por aproximadamente 20 anos, que não partilha do ponto de vista nazista… o Banco Nacional Suiço disse que para se assegurar que eles não estivesem obtendo o ouro saqueado eles tinham solicitado que um membro do  Reichsbank, que eles viam como confiável, certificasse cada parcela de ouro que eles comprassem como não sendo o ouro saqueado; A pessoa que tem feito esta certificação é Puhl.”

Puhl era o Vice Presidente senior do Reichsbank, Emil Johann Rudolf Puhl. Ele estava a cargo de tomar o espólio ao banco e estava a cargo disto para os nazistas. Seu escriturário senior de embarque  Albert Thoms disse que eles precisavam de 30 homens para ajuda-lo a escolher e reempacotar os valores, que consistiam em milhões de marcos de ouro, libras esterlinas, dólares e francos suiços; 3.500 onças de platina, mais de 550.000 onças de ouro e 4.638 quilates em diamantes e outras pedras preciosas, bem como centenas de peças de trabalhos de arte” (p. 226, *Aftermath,* Ladislas Farago, Avon, 1974).

Este material foi embarcado para fora do país na Operação Fireland ou Aktion Feuerland em alemão, que  Farago explicou em uma nota de rodapé em seu livro sobre Bormann: “A transação foi chamada de ‘Terra do Fogo” depois que o arquipélago da Terra do Fogo na extremidade sul da Argentina e Chile, a área para a qual alguns dos embarques foram originalmente consignados” (p. 228). Na página seguinte Farago disse: “Somenet uma porção erlativamente pequena do tesouro das SS foi custodiado por Bormann e enviado para o exterior no curso da Aktion Feuerland. Grande parte disso ainda está desparecida.”

A Alemanha havia desenvolvido a auto-suficiência anets do fim da guerra, e estava fabricando seu próprio petróleo, produzindo “manteiga” de carvão,inventado leite em pó, desenvolvido a secagem por congelamento, aprendido a estocar farinha indefinidamente, estava desenvolvendo sua própria comida em estufas de solo “verde” etc. Estes projetos eram também necessários para a sobrevivência da secreta força UFO, que Hitler chamou de “Último Batalhão” na Antártica.

A falsificação do dinheiro britânico e americano foi realizada sob a Operação Bernhard. As falsas notas britânicas tem sido frequentemente discutidas em livros e artigos sobre Bernhard, mas a moeda americana falsificada não é tão bem conhecida. Recentemente o governo dos EUA anunciou que ele estava lançando umnovo dinheiro para contra-atacar a falsificação, que foi dita estar vindo de Saddam Hussein e do Líbano. Seria mais correto dizer que estava vindo da América do Sul, mas este dinheiro supostamente é dinheiro das drogas. A vida fica complicada.

Quando o jornal *CONTACT* primeiramente apresentou a série Fogo Vindo do Céu, seguiu-se uma reimpressão da informação sobre a Guerra das Ilhas Falkland. Nesta série, foi revelado que os russos, trabalhando com as forças de Rockefeller, derrotaram as forças britânicas bolchevistas na Ilha Geórgia do Sul.

Se você não leu esta série, isto pode não fazer sentido para você. É importante conhecer esta informação, se você pretende tentar entender o que está acontecendo. As forças nazistas estavam envolvidas na Guerra das Ilhas Falkland, do lado dos russos. Isto é difícil de acreditar se você não tem idéia do que seja isto.

Os russos eram nacionalistas, em oposição as forças sionistas-bolchevistas que tomaram o país deles. Os bolchevistas-sionistas foram treinados na parte baixa de East Side da cidade de New York City e financiadas pelos banqueiros de New York e Londres. Eles invadiram a Rússia, mataram o Tzar e muitos nacionalistas e tomaram o governo.

Você pode começar a ver como alguém como Boris Pash, wcom um background de família nacionalista russa, pode trabalhr com a Gestapo nazista e os agentes das SS? Até mesmo o General americano George Patton disse que ele teria lutado com os nazistas contra os bolchevistas comunistas. Patton didde que houve uma conspiração internacional dos banqueiros sionistas que eram o problema do mundo  (veja *Patton’s Papers,* Vol. 2, p. 735 por exemplo).

Em 20 de abril de 1982, aniversário de Hitler, a força comando russos/Rockefeller/Nazistas irrompeu e inseriu uma boma neutron na base naval subterânea na Ilha Geórgia do Sul.

Para mais sobre a história do que realmente aconteceu na crise das Ilhas Falkland, leia a publicação de 17 de janeiro de 1995, de *CONTACT: The Phoenix Project* ou Phoenix Journal #13, *Skeletons In The Closet. (Contact,* Inc., P.O. Box 27800, Las Vegas, NV 89126 ou telefone para 1-800-800-5565. Para *Phoenix Journals,* escreva para Phoenix Source Distributors, Inc., P.O. Box 27353, Las Vegas, NV 89126 or call 1-800-800-5565. Os números telefônicos são os mesmos, mas os endereços de corespondência são diferentes.)

Alexander Haig era o General representando os Rockefellers. Em seu livro *Caveat,* o capítulo sobre as Falklands começa: “Em 28 de março de 1982, um domingo, o embaixador britânico, Nicholas (“Niko”) Henderson, entregou-me uma carta de Lord Carrington. Um grupo de argentinos, escreveu o secretário do exterior, tinha chegado nove dias antes na ilha da Geórgia do Sul, uma possessão britânica no Atlântico Sul a uns poucos graus acima do Círculo Antártico e aproximadamente 600 milhas a leste das Ilhas Falkland, uma colônia britânica.” Apostarei que você pensou que a Guerra das Ilhas Falkland era por causa das Ilhas Falkland!

Much anuncio foi feito pela media sobre o conflito entre Jeane Kirkpatrick e Alexander Haig. Kirkpatrick é uma sionista e era a embaixadora americana na ONU.  Ela tem uma coluna regular no jornal  *The Jewish Press*, “O maior jornal independente anglo-judaico”. Haig tinha um longo relacionamento com Henry Kissinger, de quem Haig se tornou conselheiro militar senior em 1969. Lembre-se que Kissinger veio do pesoal da Operação  Paperclip.

Em janeiro de 1982, Reagan substituiu seu conselheiro de segurança nacional, Richard Allen, por William P. Clark, uma outra pessoa do Paperclip, e que era o substituto de Haig. Nixon disse, “Quando você as uzes qacesas tarde no escritório de Henry [Kissinger], geralmente lá está Al Haig.” (*War In The Falklands, the Full Story* de *Sunday Times* do London Insight Team, Harper & Row, New York, 1982, p. 123.)

Se você duvida que os nazistas nunca desistiram e que eles planejavam continuar a guerra depois de sua derrota na Alemanha, e planejavam voltar para finalmente alcançar os objetivos deles, então talvez deva ler os seguinets livros:

Connell, Brian, *A Watcher On The Rhine,* William Morrow & Co., New York, 1957. “Velho vinho em novas garrafas’, como os nazistas tem voltado ao poder.

Horne, Alistair, *Return To Power,* Fredrick A. Praeger, Inc., New York, 1956. “A luta pela unificação, muito mais que por qualquer restauração do nazismo, pode um dia a força da Alemanha fora do campo ocidental.”

Tetens, T.H., *The New Germany And The Old Nazis,* Random House, New York, 1961. “Uma narrativa franca e frequentemente chocante que detalha como o próprio Hitler manipulou sua volta ao poder em quase todo camino da vida alemã”.

Winkler, Paul, *The Thousand-Year Conspiracy,* Charles Scribner’s Sons, 1943. “A Alemanha secreta por trás da máscara.”

White, Theodore H., *Fire In The Ashes,* William Sloane Associates, New York, 1953. O fogo do nazismo nas cinzas da Europa.

Sayers, Michael and Kahn, Albert E., *The Plot Against The Peace,* Book Find Club, New York, 1945. “…descubra os planos secretos da Alemanha nazista para uma Terceira Guerra Mundial.”

Schultz, Sigrid, *Germany Will Try It Again,* Reynal & Hitchcock, New York, 1944. O título lhe dá uma pista?

Dornberg, John, *Schizophrenic Germany,* MacMillan Company, New York, 1961. “A nova Alemanha Ocidental dos anos pós guerra é tão democrática quanto somos levados a acreditar, ou o nazismo ainda está latente?”

Lord Russell, Brigadier, of Liverpool, C.B.E., M.C., *Return of the Swastika?” David McKay Co., New York, 1969. Russell foi parte da equipe de promotores de Nuremberg.

Há mais, apenas acontece seerm aqueles em minha biblioteca pesoal. Eu os li, a maioria a 20 ou 30 anos atrás, não quero dar a impressão que a Alemanha seja a fonte dos problemas do mundo; A Alemanha simplesmente tem sido parte de uma imagem muito maior. Outros livros valiosos que lhe darão insight são:

Bacque, James, *Other Losses,* Stoddart Publishing Co., Canada, 1989. A verdade sobre como Eisenhower assassinou centenas de prisioneiros alemães de guerra depois de terem se rendido. General George Patton escreveu em 1945 que  Eisenhower estava ‘usando métodos praticamente da Gestapo” na tortura e assasssinato de prisioneiros de guerra alemães. Você pode obter o livro provavelmente do jornal *Spotlight*.

Sutton, Anthony C., *Wall Street And The Rise Of Hitler, ’76 Press, Seal Beach, Calif., 1976.

ALBERT EINSTEIN

Albert Einstein é um bom exemplo de ouro engano e farsa do programa da bomba atômica. Quando muitas pessoas pensam na bomba atômica, pensam em Einstein. Ele foi apresentado como o maior cientista mundial, e um herói do programa da bomba atômica. Mais em uma inspeção mais íntima você descobrirá que suas maiores contribuições foram o uso de sua influência para obter o apoio do Presidente Roosevelt para a bomba e ele era um pessoalmente responsável por trazer o maior espião atômico comunista Klaus Fuchs para o Programa. Os russos nada sabiam sobre a bomba atômica até que Fuchs levou-a a atenção deles em 1942. (*Heisenberg’s War,* p. 524).

Graças a Fuchs, (e a uma quantidade maciça de material secreto ilegalmente embarcado pelo Lend-Lease)  eles foram capazes de explodirem sua própria bomba em 1949. Einstein era membro de uma célula comunista com Fuchs. Fuchs foi o principal cientista no Projeto Manhattan e ele deu os segredos atômicos aos soviéticos. (Jordan, George Recey, *From Major Jordan’s Diaries,* Harcourt, Brace and Co., New York, 1952.)

Nos é ensinado que Einstein é o autor da Teoria da Relatividade, ainda que tenha surgido a evidência que prova que o autor real foi Mileva Maric, a primeira esposa de Einstein.

Einstein tinha uma reputação no Instituto Politécnico Suiço de ser um homem de pobres hábitos de trabalho e era frequentemente repreendido pela preguiça durante todos os seus anos escolares, incluindo a Universidade. Ele desenolveu um romance com uma colega de classe, Mileva, que o ajudou com a matemática. Sua autobiografia diz: “Em meu trabalho particicipou uma estudante servia Mileva Maric com quem mais tarde me casei”. Ela teve uma filha ilegítima em 1902, wque eles entregaram para adoção. Eles se casaram em 1903, se separaram em 1912, e se divorciaram em 1919. Foi quando Einstein casou-se com sua prima Elsa. O manuscrito original da Teoria da Relatividade submetido a publicação tinha o nome de Maric nele como co-autora.

Para mais provas, veja o artigo “Teoria da Relatividade – Quem é o real autor?” do  Dr. Rastko Maglic e J. W. McGinnis, Presidente, Siciedade Internacional Tesla, em julho/agosto 1994 publicação da revista *Extraordinary Science*, que contém referência para documentação posterior.

Einstein foi uma farsa e uma fraude  imposta a comunidade científica para evitar que esta aprendesse demais e para promover os judeus como sendo superiores, um tipo de nazismo às avessas.

A famosa equação de Einstein “E=MC ao quarado” está errada, ou na melhor das hipótese apenas parcialmente correta A definição dele de energia está errada, a definição dele de massa está errada, C é definido como a maior velocidade possível para qualquer coisa, então é elevada ao quadrado, que seria até mesmo mais rápido e assim contradiz a dfinição. A luz é descrita como uma constante, o que está erradamente definido. Em um enetndimento superior, a luz não se move, a nossa percepção da velocidade da luz está errada. Aqueles que realmente entendem, e que podem provar isto ao criar matéria do ‘nada’, por exemplo, dizem que a oroginal luz branca é invisível e imóvel. Leia os livros de Walter Russell para mais informação.

Einstein foi um sionista com filiação a ao menos 16 orgaizações comunistas de fachada tais como Amigos dos Soviéticos. Einsteinfoi o chefe dop Comitê do Livro Negro Judeu, que foi listado como uma frente comunista em 1947 no Relatório de Atividades Anti-Americanas do Comitê da Câmara.

A ciência correta sendo descoberta e revelada por pessoas tais como Nikola Tesla, Walter Russell, Tom Bearden, Andrija Puharich, etc., foi suprimida para evitar que a humanidade alcançasse independência de energia [e portanto independência política e militar] dos barões do petróleo e da energia nuclear Rockefeller/Rothschild. Esta é a mesma tecnologia que leva ao entendimento da boa saúde, e portanto a independência da turma farmacêutica/médica, que acontece ser a mesma turma de escroques do petróleo.

PAUL ROSBAUD

Rosbaud foi um dos principais espiões britânicos na Alemanha Nazista. Ele trabalhou como conselheiro científico da firma editora de Springer Verlag. Ele veio a conhecer Albert Einstein, Peter Kapitsa, Niels Bohr, Ernest Rutherford, Leo Szilard, Otto Hahn, e outros de importância na busca da bomba. Kapitsa mais tarde foi creditado por Tom Bearden como o criador russo das avançadas armas de tecnologia de Tesla. Kapitsa recebeu o  Prêmio Nobel em 1978 por seu trabalho em física de baixa temperatura e campos magnéticos muito fortes, áreas que eram buscadas no desenvolvimento das plataformas anti-gravidade.

Rosbaud tinha o apelido de The Griffin. Os livros de história dizem que os Aliados descobriram por meio de The Griffin que a Alemanha não tinha a bomba atômica, e enytão os militares podiam avançar com mais confiança. Um livro intitulado  *The Griffin* de Arnold Karmish (Houghton Mifflin, Boston, 1986, na página 199,no capítulo intitulado “Double-Cross” fala disso):

“No domingo, 26 de dezembro de 1943, o dia em que foi afundado o *Scharnhorst*, a maior manchete em Londres no  *Sunday Express* foi “A Arma Secreta pode não vir”. Abaixo estava um artigo longo e acurado de  Kai Siegbahn, o filho do relutante anfitrião de Lise Meitner, Manne Siegbahn. Ele explicou os fundamentos da energia nuclear e descreveu a pesquisa pré guerra. Quanto a bomba, Siegbahn concluiu: ‘A despeito de todo sigilo sobre a pesquisa no problema do urânio, aventuro-me a dizer que a bomba de urãnia ainda seja não-existente, exceto como um objeto de pesquisa. É mais difícil dizer se é possível de todo construir tal bomba, mas pelo presente parece que se um link essencial está faltando para tornar a bomba de urânio uma realidade.’

Até mesmo mais notável, o *Sunday Express* foi além da opinião de Siegbahn para assegurar a seus leitores que “isto portanto pode ser uma fonte de consolo ao saber que os capazes cientistas suecos do átomo acreditam que os alemães não te tido sucesso na criação de átomos explosivos”. O *Express* explicou suas fontes de informação ao dizer, ‘cientistas suecos tinham estreitos contactos com os cientistas alemães até que os alemães recentemente prenderam professores e estudantes noruegueses’. Entre estes ercentemente presos estava, com certeza, Odd Hassel.

“A segurança de imprensa sobre a bomba atômica foi extremamente dura nos EUA e até mesmo mais dura na Bretanha, então o aparecimento do artigo a primeira vista pareceu um enigma. O *Express* era de propriedade de William Maxwell Aitken, Lord Beaverbrook, es ministro da produção de guerra e agora lord do selo particular. Lord Beaverbrook estava intimamente familiriazado coma história do projeto da bomba atômica e seu curso atual, e ele estava em contacto constante com seus editores sobre o que eles deviam imprimir. Então estava claro que o artigo de Kai Siegbahn não foi um acidente  – mas qual foi o seu propósito?

“Não é difícil discernir o propósito reassugurador da mensagem ao público britânico. Rumores sobre as armas secretas de Hitler tinham sido numerosos, e as ações contra Rjukan tinham concentrado a atenção na bomba. Mas a Gestapo e a Abwehr também leram os jornais britânicos.

“Da exploração de Jacques Allier aos ataques das instalações norueguesas, os alemães tinham mantido pronta a lição que a água pesada era essenvial para a pesquisa atômica e que os Aliados fariam qualquer coisa para deter a produção. Agora, um artigo de um importanet cientista neutro – aparentemente publicado com aprovação especial – levava a forte implicação que os britânicos ainda estavam no estágio de pesquisa e sem muita esperança de “tornar a bomba atômica uma realidade’.

“O artigo era, com certeza, uma deliberada plantação do SISt, concebida no Comitê Double-Cross Committee (O Comitê XX), presidido por John Masterman do MI-5.”

As mentiras eram e são o procedimento padrão de operação de ambos os lados. O artigo continua: “O principal especialista SIS da Abwehr era Frank Foley [que trabalhou com Masterman] da Seção V, então ele foi recrutado pelo Comitê XX como conselheiro senior. Nos meses iniciais, seu trabalho foi interrompido por uma designação especial, eralizar um longo interogatório de Rudolf Hess. Quando ele voltou quatro meses depois. Foley retornou uma vez mais o negócio da mentira.”

Então você vê que aqueles envolvidos com a mentira sobre a bomba eram os mesmos muito interessados no que era dito por Rudolf Hess. A informação de Hess permaneceu altamente classificada muito depois da guerra, até que ele recentemenet foi assasinado par que pudessem fechar a prisão Spandau e impedi-lo de falar. No livro, *Journey Into Madness, The True Story of Secret CIA Mind Control And Medical Abuse* de Gordon Thomas, p. 152, fala d um dos chefes dos programas de controle mental da CIA, o Dr. Grant Cameron, indo a Nuremberg para “estabelecer um estado mental em Rudolf Hess.” Suponho se este foi estabelecido como para determinar ou criar.

Rosbaud era um amigo íntimo de  Goudsmit que dirigiu a Operação Alsos com Boris Pash. Goudsmit “formou uma amizade íntima com Rosbaud tque durou até a morte de Paul” (p. 241).

Depois da guerra, Rosbaud formou a imprensa Pergamon com Robert Maxwell. Maxwell veio a se tornar o barão da imprensa britânica (p. 250, *The Griffin*) e estava trabalhando com o MOSSAD israelense vendendo bombas nucleares em maletas aos israelenses no bombardeio do New York Trade Center. (Entrevista com Galen Winsor de Tom Valentine, *Radio Free America,* 23 de março de 1993. Estas bombas foram usads pelas Forças Especiais já em 1960 pelo Sgt. Joe Garner, “As maletas de bombas nucleares foram testadas pelo exército em 1960,” *Houston Chronicle,* 23 de janeiro 1995. Também veja  “Backpack Nukes for ‘Nam, Inside SF’s Super-Secret A-Bomb Project” em *Soldier Of Fortune,* maio de 1995.)

A informação que o  espião Rosbaud, que era judeu, forneceu é  mencionada em um memorando do Departamento de Justiça dos EUA datado de 26 de abril de 1955, onde se lê: “[Rosbaud] voltou a Alemanha determinado a ajudar a Inglaterra e seus Aliados a todos os custos. Isto ele realizou. Os registros sobre este assunto contém corroboração oficial que o Dr. Rosbaud permaneceu em Berlim durante a Segunda Guerra Mundial com o propósito de obter certa inteligência técnica para os EUA e Reino Unido. Esta infomação foi extremamente útil e insubstituível paraa causa dos Aliados e envolveu um grande risco da parte do Dr. Rosbaud. As atividades dele em benefício da causa aliada foram bem sucedidas e de tal importância que até mesmo hoje elas não podem ser reveladas e ainda estão altamente classificadas.”

Quando você lê o livro, você vê que a informação mais importante que Rosbaud forneceu era o estatus de não existência da bomba alemã. Ainda que, os detalhes exatos ainda sejam altamente clasificados. Então qual é o grande negócio? Porque a informação ainda está acima de top secreta? [itens top secretos etm sido desclassificados].

Uma outra coincidência curiosa é quem depois que o Samisdat publicou a informação sobre os UFOs nazistas, dois jornalistas da Springer Publishers voaram para Toronto para entrevistar Ernst Zundel (chefe do Samisdat) em pessoa. Samisdat costumava vender uma fita desta entrevista.

SAMUEL ABRAHAM GOUDSMIT

Ua outra curiosidade é Goudsmit. Ele aparece em lugares interessantes. Ele apoiou Oppenheimer durante o julgamento de espionagem de Oppenheimer. A APRO (Aerial Phenomena Research Organization, fundada em 1952) *Bulletin,* de agosto de 1975, continha informação obtida de registros desclassificados da CIA [e bem sanitizados] a respeito do Painel Robertson que foi reunido em 1953 para estudar UFOs. Dr. H.P. Robertson era um especialista em cosmologia do Instituto de Tecnologia da Califórnia, diretor do Grupo de Avaliação de Sistemas de Armas no Escritório do Secretário de Defesa e um empregado clasificado da CIA.

O painel foi reunido pelo Escritório de Inteligência Científica da CIA e incluiu o Dr. Samuel Abraham Goudsmit, físico teórico e presidente do Departamento de Física dos Laboratórios Nacionais Brookhaven.   Goudsmit era muito mais um dandi pesado a ser perdendo tempo com UFOs que o governo mantinha não existirem. Outros membros do painel do OSI foram o presidente do painel Dr. Howard Percy Robertson, em sua saída como professor de física matemática do Instituto de Tecnologia da Califórnia a estar em tempo integral no OSI; o físico Dr. Luis Walter Alvarez, da Universidade da Califórnia, Berkeley, um especialista em magnetismo e microondas [ foi especulado que o UFO de Roswell foi abatido por microondas) e segundo pesquisadores UFO um membro do Majestic-12 e do Jason Group; o geofísico Lloyd Viel Berkner, Presidente das Universidades Associadas, Inc., que operavam os aceleradores de partícula nos Laboratórios Nacionais Brookhaven (segundo David Jacobs, *The UFO Controversy in America,* Berkner “acompanhou o Almirantel Byrd” nas expedições a Antártica.Berkner é geralmenet listado como membro do Majestic-12 e do Jason Group); o astrônomo Dr. Thornton Leigh Page, Vice Diretor, Escritório de Operações de Pesquisa, Universidade Johns Hopkins e antes um físico *Naval*.

Outros incluiram Frederick Clark Durant, um engenheiro de foguete; o astrônomo Dr. Joseph Allen Hynek, da Universidade Estadual de Ohio (lar de Wright-Patterson) que também era um consultor do Centro de Inteligência da Força Aérea dos EUA [que fez o projeto Livro Azul dos UFOs]. O Painel entrevistou uma longa lista de Generais e chefes e outrs grandes indivíduos.

Fred Durant se encontrava regularmente com Stuart Nixon, assistente de John Acuff, chefe do NICAP. (Timothy Good, *Above Top Secret,* William Morrow & Co., New York, 1988, p. 349.) Durant trabalhou com  von Braun, Krafft Ehricke, o astrônomo de Harward Fred Whipple, o físico de Maryland Fred Singer, o comandante da Marinha George Hoover e outros na base lunar de Ehricke e projeto da base de Marte.

O general de exército John Medaris estava a cargo da Agencia de Mísseis Balísticos acima de von Braun e em 20 de março de 1959, recebeu uma diretiva para o estudo de uma base lunar tripulada. “General Medaris organizou um esforço para eralizar o estudo que se tornou o Projeto Horizon. Menos de três mesesmais tarde, em 8 de junho, o estudo foi completado.

Na primeira página do estudo [quatro de cinco volumes dos quais tem sido desclasificados], as conclusões são declaradas: As conclusõs militares, políticas e científicas indicam que é imperativo para os EUA estabelecerem um  posto externo lunar na data mais cedo possível… O Projeto Horizon representa a capacidade mais inicial possívelmpara os EUA estabelecerem um posto externo lunar ” [Project Horizon 1959, vol. 1, p. 1]. (Marsha Freeman, *How We Got To The Moon, The Story of the German Space Pioneers,* 21st Century Science Associates, Washington, D.C., 1993, p. 210.)

Ehricke trabalhou com Dornberger em Bell até 1954 quando ele foi para a Convair Astronautics na Califórnia onde esteve a cargo de construir estações espaciais e a base lunar. *The Washington Star,* 29 de dezembro de 1958, descreveu a estação Convair como “o filho cerebral de Krafft Ehricke.” Durant, Whipple e George Hoover eram parte do Escritório de Pesquisa Naval. O assistente de Whipple,   J. Allen Hynek, foi parte do Painel Robertson, bem como Durant.

Na corespondência do pesquisador UFO, William Steinman, com Grant Cameron, ele afirma: “Contactei particularmente o Dr. Alvarez, quando ele admitiu que tomou parte da recuperação de um disco no México. Ele não entrou em detalhes concernentes aos eventos e quem mais estava envolvido’. Steinman escreveu o ivro *UFO Crash At Aztec* que é uma fonte excelente para mais informação sobre estes homens. Infelzmente é um livro grande, pesadamente documentado mas sem index.

Dr. Lloyd Berkner é também listado em *Assault On The Unknown, The International Geophysical Year* como o chefe da parte americana do estudo do Ano Internacional Geofísico. Ele foi um homem de rádio na primeira Expedição Byrd a Antártica e desenvolveu a sondagem que mapeia s camadas radio refletoras da atmosfera. Berkner era Presidente da Diretoria de Ciência Espacial. Operação Highjump não é mencionada, mas Berkner oi parte da Operação Deepfreeze na Antártica em 1957-1958, chefiada por Byrd até a morte dele, bem como foram Werner von Braun e Frederick C. Durant. Berkner se tornu umm  Contra Almirante da Marinha.

Um outro cientista da Antártica foi o Dr. Carl Augustus Heiland, que trabalhou com Vannevar Bush e que foi parte da equipe de recuperação do acidente de UFO em Aztec  (p. 85, *UFO Crash At Aztec*). Ele parece ser um  importante cientista de Paperclip, e ele recebeu seu doutorado da Universidade de  Hamburg. Um outro cientista muito importante foi o Dr. Eric Henry Wang. Não entro desta vez nesta história senão para citar Steinman: “O assunto do Dr. Eric Henry Wang permanece ua das áreas mais sensíveis da ufologia” (p. 282). Dr. Eric Wang era chefe do Escritório de Estudos Especiais do Comando de Materiais da base da força área de Wright-Patterson. Ele era um auastríaco graduado no Instituto Técnico de Viena e “um íntimo associado de Victor Schauberger.” (Hamilton, William F., *Cosmic Top Secret,* Inner Light, 1991, p. 23.) O livro de Steinman tem um capítulo inteiro sobre os projetos de discos voadores da Alemanha nazista, muitos dos quais usavam os projetos de Schauberger.

Goudsmit concluiu que os avistamentos UFO eram devidos ‘a formação de patos e outros pássaros”. A conclusão oficial do painel foi que o interesse em UFO era perigoso e que a situação deveria ser minimizada e encoberta. Jacobs disse que Robertson mostrou o primeiro relatório final do painel ao General Charles Cabell, diretor da inteligência da força aérea e mais tarde diertor substituto da CIA a cargo de operações clandestinas, “que expressou satisfação com isto.”

O irmão de Cabell, Earl, era o prefeito de Dallas durante o assasinato de Kennedy, e aparentemente foi um que ordenou  que a caravana de automóveis mudasse a rota na área emboscada. Earl mais tarde foi trabalhar para Howard Hughes. General Cabell era a pessoa que instruiu o Presidente Kennedy antes da invasão da Baía dos Porcos. Robert Groden em *High Treason* cita Victor Marchetti como dizendo que Clay Shaw, David Ferrie, E. Howard Hunt, Frank Sturgis, Bernard Barker, Charles Cabell e Richard Nixon “estavam todos trabalhando juntos no planejamento da operação da CIA da Baía dos Porcos.”

Kennedy mais tarde despediu Cabell. Cabell e Richard Bissell estavam a cargo do programa  U-2. Lee Harvey Oswald recebeu um emprego dentro de uma semana de sua chegada a Dallas rtabalhando em mapas para vôos do U-2 (Jim Garrison, *On The Trail of The Assassins*). Em 1957, Oswald era um operador de radar na base de U-2 em Atsugi, Japão.

General Cabell ordenou a reatiivação do Projeto Grudge em 27 de outubro de 1951, e em 11 d dezembro de 1951, o Major General John A. Stamford, “tendo substituido o Major General Cabell como diretor de inetligência, recebeu uma instrução completa do serviço do programa UFO do Capitão Edward J. Ruppelt e do Coronel Frank Dunn, chefe do Centro de Inteligência Técnica Aérea.” (Flammonde, Paris, *UFOs Exist!* Ballantine Books, New York, 1976, p. 392-393.)

Segundo Leonard Moseley, *Dulles,* p. 366, Bissell “era um amigo de Frank Wisner, e tinha primeiro encontrado Foster [John Foster Dulles] quando Eleanor deu uma fesa emt McLean para os irmãos dela, Vice-Presidente Nixon, Bob Bowie, e outros membros da administração.” Não tenho a prova, mas apostaria que Cabell e Bissell e Boris Pash estavam muito confortáveis, especialmente quando Cabell era o segundo em comando sob Allen Dulles. Recorde-se que  Wisner era o chefe da CIA do grupo de espionagem nazista de Gehlen.

A CONEXÃO KENNEDY-NAZISTAS

O pai de JFK, Joseph Kennedy, tinha uma reputação de ser pró nazista ou ao menos pró Hitler. Joe era um contrabandista de bebidas alcoólicas e membro da Máfia, embora ele odiasse o chefe da  Máfia judia (Mishpucka)  Meyer Lansky (nome real Maier Suchowljansky). Ele foi embaixador ameicano na Bretanha mas foi chamado por causa de seu ponto de vista pró Hitler.

No livro *Final Judgment* de Michael Collins Piper, você encontrará uma história sobre DeWest Hooker. Hooker era um bom amigo de Joseph Kennedy e de George Lincoln Rockwell, o Comandante do Partido nazista americano. Piper fala do arranjo feito com Hooker e Rockwell para ajudar a eleger JFK. Hooker disse, “Francamente, até onde me diz respeito, foi meu trabalho colocar Johnny Kennedy na Casa Branca.” Sugiro que você leia o livro que está disponível do jornal *Spotlight* ou Liberty Lobby. Se u citar pequenas partes dele você achará difícil de acreditar. Asseguro-lhe que a história é verdadeira, porque conheço bem o homem que foi segurança e esetnógrafo/escrivão do comandante Rockwell.

Quando o Senador Joe McCarthy estava realizando as audiências sobre comunistas no governo, seus asistente, sentado na mesma mesa que ele, era Robert Kennedy. O senador na escrivaninha ao lado da de McCarthy era o Senador John F. Kennedy. JFK era um *interno* que conhecia a fonte dos problemas. Quando ele se tornou presidente, ele despediu os chefes da CIA, instalou seu irmão como Advogado Geral e disse que iria colcar os EUA no padrão prata, parar com a Guerra do Vietnã, eliminar o envolvimento do governo com a Máfia e eliminar o problema do Federal Reserve. Também tem sido relatado que ele iria dizer a verdade sobre os UFOs. Dez dias depois dele dar uma palestra na Universidade de Columbia dando estas declarações, ele foi assassinado.

IMBECIS NAZISTAS?

Quando Dornberger foi trabalhar para a Bell, Bell recrutou um outro antigocientista do exército alemão, Krafft Ehricke, “que tinha sido um conselheiro do projeto alemão da bomba atômica emm tempo de guerra” segundo Jack Manno, *Arming The Heavens* (Dodd, Mead & Co., 1948). Lemos umlivro que diz que a Alemanha não tinha umm projeto de bomba atõmica e lemos outro que diz que ela tinha.  Manno disse que Wolfgang Noggerath foi trazido e posto a cargo do que veio a ser o míssel  Polaris. Willy Fiedler fio trazido e tornado chefe de planejamento de sistemas de lançamento sub-aquáticos para submarinos.

Vamos resumir a história como é apresentada. Os americanos estavam muito a frente dos estúpidos alemães nazistas, embora ainda não tivessem suas bombas atômicas. Quando a guerra estava tyerminando, eles enviaram equipes e buscaram freneticamente os cientistas atômicoa alemães. Capturaram alguns destes cientistas burros e incompetentes e rapidamente os levaram para os EUA em programs super-secretos que ainda são altamente classificados. Colocaram aqueles perdedores estúpidos a cargo de seus projetos e de repente começar a fabricar bombas atômicas. E mísseis – e satélites – e tudo mais.

ACOBERTAMENTO E OCULTAÇÃO

Falando sobre mentiras e enganos seria razoável pensar que se nossos satélites espiões fossem destrupidos em 1977, como é afirmado em Fogo Vindo do Céu, então teria havido todos os tipos de repercussões e muitas pessoas que dependem destes satélites saberiam.Como a verdade podeia ser mantida secreta?

Uma parte da resposta é reveladda em um livro chamado *The Falcon And The Snowman* de Robert Lindsey (Pocket Books, New York, 1979). Este livro conta a história de Christopher John Boyce. Boyce foi trabalhar para a TRW  em 29 de julho de 1974. TRW é a companhia que fez a sonda Viking que foi a Marte e os satelites que forneceram a informação sobre as atividades russas no Semipalatinsk e outros lugares ao General George Keegan.

Boyce trabalhou na seção super secreta da ‘caixa preta”, ele era o homem com as chaves e códigos para acessar a caverna. Ele tinha acesso aos arquivos dos Projetos Rhyolite, Argus, Pyramider e “Projeto 20,030”, projetos que envolviam dados dos satélites espiões que vinham da base americana em  Pine Gap (apelida Moreno), Austrália, perto de Alice Springs. Ele aprendeu coisas que o aborreceram, tais como a interferência da CIA nas eleições australianas, os EUA mentindo a outros governos etc. Leia o livro para mais sobre esta história. Ele começou a roubar e vender documentos a embaixada russa no México e em janeiro de 1977 ele foi preso e acusado de espionagem.

“Apareceu durante o julgamento de Boyce-Lee que os dados dos satélites vão para uma estação de leitura na Austrália – mas não aquele que monitora os satélites de aviso inicial. Ao invés, os dados vão para um complexo dirigido pela CIA em um  vale chamado Pine Gap. Depois que os computadores de Pine Gap tem processado os dados, eles vão para os Sistemas de Defesa e Espacial da TRW com sede em Redondo Beach, Califórnia” (p.111, *The New High Ground* by Thomas Karas).

Foi afirmado que o resultado dele vender os segredos aos soviéticos, ossoviéticos mudaram e codificaram suas transmissões, camuflaram suas instalações etc. de forma que os satélites espiões repentinamente não funcionaram mais. Stansfield Turner, diretor da CIA, disse que os resultados da espionagem de Boyce eram “desesperadores e talvez aterradores.”

Como rsultado da espionagem dele, nos é dito, a CIA não tinha mais a cobertura por satélite do Irã, por exemplo, levando a crise dos reféns iranianos. Você se lembra quando a CIA foi criticada por estar  surpresa na queda do Xá e por não prever a crise dos reféns iranianos? Na verdade os EUA não tinham o pré conhecimento quando eles orquestraram estes eventos mas isto de demais para abordar aqui. É uma rede muito entremeada… Nada como isto é apresentado ao púbico por nossa media e líderes.

“Nossa comunidade de inteligência estava desarranjada. Um maior sistema de satélites de inteligência, desenvolvido e empregado ao custo de bilhões de dólares durante a década passada, sem conhecimento soviético, tinha sido comprometido por procedimentos de inetligência tão porosos quanto um queijo  suiço’.Esta foi a declaração feita em 8 de dezembro de 1978 por William Clements que era Secretário substituto de Defesa ao tempo em que Boyce trabalho na “caverna” e que mais tarde se tornou governador do Texas.

Você ficaria surpreso ao saber que Boyce pode ter sido manipulado? Até mesmo o autor do livro percebeu mistérios: “Porque a TRW colocaria um estudanet universitário de 21 anos, ganhando 140 dólares por semana, em uma posição sensível de segurança nacional em primeiro lugar; é, ao menos em retrospecto, um enigma. Circunstancialmente, a decisão da TRW sw deixar os papéis Pyramider sem estarem trancados na “caverna’ onde Chris could read them shortly before his departure suggests they could have been left as bait. And there was tpodia le-los rapidamente antes de sua partida e o mistério das impressões digitais de Daulton [asistente de Boyceno crime] nas mesas de circuito.

Um especialista em impressões digitais do FBI  testemunhou que tinha encontrado as impressões de Daulton na mesa de circuito de uma das máquina de encriptação na “caverna”. Ainda que ambos espiões, quado as negativas nada significavam a respeito de poderem ser condenados ou não, insistiram que Daulton nunca havia entrado na “caverna’ e nem tocado nas mesas de circuitos. E cetamente a presença de um oficial da embaixada americana na embaixada soviética na manhã da prisão de Daulton acrescentou uma outra curiosidade ao caso” (p. 422).

Dalton, o parceiro de Boyce, afirmou que todo tempo esteve trabalhando sob acobertamento para a CIA.  “O caso do homem de neve e o espião que se chamou Falcon foi um episódio que demonstrou uma surprendente inépcia da parte da CIA” (p. 423).

O adovogado de defesa de Boyce, George Chelius lmais tarde desenvolveu uma prática legal lucrativa no condado Orange, Califórnia, atendendo a homens de negócios e desenvolvedores de terra  (p. 427).

Um evento similar foi quando William Kampiles vendeu aos russos um manual completo sobre o satélite KH-11 (algumas vezes chamado Big Bird, mas tecnicamente não é o mesmo) em março de 1978. Kampiles era um escriturário de operações na sede da CIA e pediu exoneração em outubro de 1977, exatamente depois dos russos destruirem nossos satélites. Em fevereiro de 1978 ele foi a Atenas, Grécia. Em 23 de fevereiro ele foi a embaixda soviética e começou a fazer arranjos para vender a eles documentos. Ele foi preso e foi a julgamento emnovembro de 1978 e foi condenado a 40 anos.

A instalação em Pine Gap, Austrália, é algo que precisa de um exame estreito. Stan Deyo, em *The Cosmic Conspiracy,* fala de umconsórcio multi-nacional em Pine Gap que tem “veículos atmosféricos radicais”. Em outras palavras, os UFOs tem sido vistos entrando e saindo de Pine Gap. Deyo menciona que o Dr. Vannevar Bush (afirmado ser um membro do MJ-12) fez visitas repetidas a área. Deyo diz que eles estão realizando pesquisas em ressíduos de UFOs acidentados em Pine Gap.

Fecharei esta seção com algo a poderar: o astrônomo Dr. James Greenacre e quatro colegas em uma conferência sobre “Problemas na Lua” em New York em 1964 disse que em 29 de outubro de 1963 eles observaram vários pontos coloridos na lua que se moviam em formação. Um mês depois Greenacre observou o mesmo fenômeno.

A publicação de maio de 1966 de *UFO Nachrichten.* Vol. 117, disse: “Prof. Dr. Greenacre viu em ou próximo a lua ao meos 31 naves espaciais de tamanho gigantesco. Algumas eram de 300 metros a 4.8 quilômetros de comprimento. Elas estavam em movimento enquanto eram observadas pelos telescópios. Também, claramente discerníveis estavam inúmeras naves menores de aproximadamente 150 metros de diâmetro que se moviam após ou ao lngo da enorme nave, a ‘nave mãe’ ocasionalmente mudava de cor, como no frequenemente relatado, estilo pulsante.”

Continue observando.

Arma de Dispersão de Multidão

Como se Proteger da Arma de Dor da Raytheon

Não seja queimado!
de MANUEL GARCIA, Jr.

Em um artigo publicado em Counterpunch em 28 de maio, Michael Dickinson descreveu o aparelho de microondas para dispersão de multidões sendo produzido pela Corporação Raytheon. Quero oferecer algumas soluções e contramedidas. Primeiramente, permita-me fazer um a breve descrição deste aparelho.

Hoje estamos familiarizados com cozinhar com o microondas. Neste processo, a radiação eletromagnética com comprimentos de onda de alcance de milímitros a centímetros penetra na comida e causa o aquecimento de suas moléculas. Já que a maior parte dos alimentos contém água, é primariamente isto que é aquecido. Contudo, muitas moléculas com similares dimensões físicas no que diz respeito aos comprimentos de laços entre o núcleo atômico podem ser similarmente aquecidas. A física é a que se segue.

As moléculas são construídas por átomos individuais ligados a laços químicos em estruturas geométricas. A água é H2O, um átomo de oxigênio ligado a dois de hidrogênio, o arranjo sendo um V com um ângulo interno de apenas abaixo de 105 graus. A distância entre o núcleo é na ordem de um Angstrom, que é aproximadamente um sobre dez a décima potência do metro [ou aproximadamente 10 nanocentímetros]. Os átomos em cada extremidade do laço químico na molécula da água são diferentes [hetero polar] e assim há uma ligeira diferença na carga elétrica de uma extremidade do laço para a outra. Isto tem a ver com as intrinsicidades de como os elétrons [peso leve, partículas orbitantes negativamente carregadas] do núcleo atômico individual [relativamente maciço e positivamente carregado] agora orbita o núcleo da molécula, como uma estrutura composta. Este desequilíbrio de carga faria com que a molécula se movesse para se alinhar com o campo elétrico imposto. Se o campo elétrico alterna, então a molécula pode ser colocada em um movimento alternante, tal como rotação aproximadamente no ponto médio de um laço químico como se este fosse um link sólido; ou uma vibração como se o laço fosse um elástico. Isto é como os campos elétricos alternantes das microondas, com frequências de dezenas de centenas de giga-hertz (GHz; 1 Hertz = 1 ciclo por segundo), excita as moléculas. O movimento molecular é calor; é o movimento acelerado das moléculas em um corpo de material que é vivenciado como calor. As moléculas excitadas colidem mais rapidamente com seus vizinhos e as fronteiras que contém material, e este efeito tem efeitos macroscópicos que chamamos de pressão e calor.

Você pode notar que seu forno de microondas tem uma rede construída na janela da porta. Esta rede é um material condutor eletricamente (metal) que tem buracos menores do que o comprimento de onda das microondas que estão sendo produzidas. Porque os buracos são menores que o comprimento de ondas, a rede parecerá uma folha contínua de material condutor para as microondas dentro do forno [cavidade] e agem como um eficaz “plano de solo” ou escudo que corta o campo elétrico do microondas e evita sua escapada. O propósito dos buracos é que você posa ver dentro do forno enquanto ele está operando. Claramente, se os buracos são maiores que o comprimento de onda de qualquer radiação eletromagnética produzida no forno de microondas, então a porção menor do comprimento de ondas escapará. Assim a rede da porta é um importante aparelho de segurança e devemos esperar que uma tal rede similar seja embebida dentro das paredes do forno.

O aparelho de dispersão de mutidões é basicamente a irradiação de um ambiente de forno de microondas para uma locação remota. Será que a Raytheon apenas remove a rede de uma das parede e deixa as microondas vazarem? Isto é inefeciente demais. Ao invés, um arranjo elaborado chamado de “antena canalizadora de fase” é de uso. Uma antena canalizadora de fase é a combinaçãom de muitas antenas individuais [simples osciladores eletromagnéticos] em proximidade estreita, mas cada uma desencadeia de um tal modo que a emissão combinada da canalização tem uma propriedade como um raio. Se você pode imaginar várias crianças patinhando na superfície da água em uma banheira de um modo tal que o efeito acrescente-se em uma grande onda, em oposto a cada uma de suas pequenas ondas interferindo uma com as outras para pouco efeito, exceto para produzir uma espumosidade sem variação significativa do nível de água, então você entende o conceito. A matemática da produção de raios é implementada por circuitos elaborados energizando muitos pequenos nodos da antena [as crianças] e controlado – ou faseados – por computadores.

Por estes meios, o ambiente eletromagnético de um forno de microondas pode ser transmitido ou projetado a alguma distância. Este é o aparelho do ‘raio da dor” desenvolvido pelos militares americanos. Obviamente, o grau de desconforto e destruição que pode ter tem dependido da energia disponível. Um prático aparelho de dispersão de multidão exige meios razoáveis de transporte, então um caminhão ou “humvee.” Isto sugere que a fonte de energia para o aparelho é limitada ao motor do transportador [talvez dirigindo um gerador elétrico]. Dado a eficiência do processo e a magnitude do motor do transportador, então temos os meios de determinar o alcance efetivo do aparelho [onde também sabemos alguma densidade eficaz da energia no alvo]

Bem, como você faz para demover isto? A melhor proteção é a distância, apenas não esteja no alvo! Contudo, se alguém desejar se engajar em uma demonstração e estar protegido deste aparelho, a melhor proteção será seu próprio escudo magnético ou “caixa de Faraday.” Se você estiver dentro de uma Caixa de Faraday, onde as redes de abertura são pequenas em relação a incidente radiação, e com um fio terra que dirige a energia eletromagnética interceptada para longe de você, então você está seguro. Este remédio não é provável de ser conveniente, mas então, talvez talentos criativos possam encontrar refinamentos eficazes do conceito. Uma veste de armadura com correntes caindo de suas ancas para levar as correntes ao solo pode não ser a proteção ideal. Contudo, escudos plásticos com redes embebidas, até mesmo folhas de alumínio ou fibras de poliéster aluminizado [brilhantes sacos de lixo?] por trás dos quais os indivíduos possam permanecer [agachados?] podem permitir que as pessoas evitem o intento do aparelho. Uma vez uma pessoa entenda a física que é utilizada contra ela, ela pode ser capaz de encontrar materiais prontamente disponíveis para contramedidas eficazes; isto exige algum planejamento.

Dado que uma reunião popular possa planejar se proteger de um aparelho de raio de calor para dispersar multidão ao se armar com escudos protetores do comprimento corporal, roupas Faraday, podem também usar escudos refletores e ajustar a fase para que os raios retornem a fonte?

Isto nos traz a mente a história do raio de calor de Arquimedes, durante o cerco de Siracusa durante 214-212 AC. O historiador romano Lucan escreveu que durante o cerco da cidade de Roma, Arquimedes tinha os defensores de Siracusa alinhando seus escudos de bronze e cobre, que tinham sido altamente polidos, para refletir a luz do sol sobre os barcos atacantes, que queimaram em chamas. Experimentos modernos destinados a duplicar este efeito mostram que o efeito é mais provável com muitos refletores, ideais condições atmosféricas e a orientação de objetos em relação ao sol, e com materiais altamente combustíveis e coberturas nos alvos. Para uma falange de nossos escudos refletores e protetores de ação popular, Cavaleiros Faraday, o equivalente pode ser usar os lados concavos [talvez parabólicos] de seus escudos protetores e refletores [com fios terra e com manivelas insuladas para seus usuários] para redirecionar a incidente radiação microonda de volta a sua fonte, ou para algum outro lugar.

Com certeza, há que se entender que qualquer contramedida bem sucedida em relação aos aparelhos de raios para dispersão de multidão é garantia que impulsione as autoridades a escalar para medidas de controle mais letais. Para uma revolução continuada, este é simplesmente um outro nível de planejamento.

Published in: on julho 14, 2008 at 6:09 pm  Deixe um comentário  
Tags: , ,

Armas Termobáricas

Modernas Armas Termobáricas da Rússia

wikipedia

“Pai de Todas as Bombas” é o apelido de uma arma termobárica de fabricação russa ativada de envio ar/terra que é afirmado ser quatro vezes mais poderoso do que a boma de explosão aérea de Ordem Maciça dos militares americanos (MOAB ou a “mãe de todas as bombas”), tornando-a a mais poderosa arma convencional [não nuclear] no mundo. O chefe substituto de staff das forças armadas russas, Alexander Rukshin, é citado como tendo dito, “tudo que esteja vivo meramente se evapora”. Isto foi com sucesso testado no entardecer de 11 de setembro de 2007, quando a arma foi lançada de um bombardeiro pesado Tupolev Tu-160 com um paraquedas. Segundo o militar, a nova arma substituirá vários tipos menores de bombas nucleares em seu arsenal.

Descrição

O aparelho a vácuo tem o rendimento equivalente a 44 toneladas de TNT usando 7.8 toneladas de um novo tipo de alto explosivo desenvolvido com o uso da nanotecnologia. Por causa disto, esta bomba é capaz de emitir ondas de choque tão poderosas quanto uma pequena arma nuclear. A bomba funciona ao explodir em pleno ar enquanto a principal destruição é inflingida por uma onda de choque ultrassônica e uma temperatura incrivelmente alta que incinera tudo na vizinhança. As armas termobáricas diferem das armas convencionais explosivas ao usar o oxigênio da atmosfera, muito mais que carregar um agente oxidante em seus explosivos. Elas produzem mais energia do que as armas normais, mas são mais difíceis de controlar.

Segundo a informação, a nova bomba é menor do que a MOAB mas muito mais mortal porque, devido a nanotecnologia, a temperatura no epicentro da explosão é duas vezes mais alta. Ele dz que as capacidades da bomba são comparáveis às armas nucleares, mas ao mesmo tempo, o uso desta arma não danifica ou polui o ambiente [fora o ambiente dentro do raio da explosão], como uma arma nuclear faria.

Em comparação, a MOAB produz o equivalente a 11 toneladas de TNT de 8 toneladas de alto explosivo. O raio da explosão da FOAB é de 300 m, mais que o dobro daquele da MOAB, e a temperatura no epicentro desta explosão é duas vezes mais alta.

Comparando as bombas dos EUA e da Rússia
Indicador EUA (????[9]) Rússia (F???[10])
Massa: 8200 kg 7100 kg
TNT equivalente: 11 tons ~44 tons
Raio de explosão: 150 m (492 ft) 300 m (984 ft)

Análise e Legitimidade

Alguns analistas de defesa questionam tanto o rendimento da bomba quanto se ela pode ou não ser empregada por um bombardeiro Tupolev. Um relatório de Wired diz que fotos e video do evento sugerem que ela é projetada para ser empregada nas costas de um avião de carga de baixa velocidade, e eles notam que o video do teste da bomba divulgado pelos russos nunca mostra a bomba e o Tupolev na mesma tomada de foto. Há também questões sobre que tipo de explosivo realmente esteja sendo usado. Eles citaram Tom Burky, um cientista senior pesquisador em Battelle, dizendo “Nem mesmo está claro que tipo de arma os russos testaram.” Ele questiona se foi o que alguns especialistas chamam de “explosivo combustível-ar” ou se foi uma arma termobárica. “As bombas combustível-ar e termobáricas diferem na utilidade”. Burky diz que a arma apresentada no vídeo parece ser uma do tipo explosivo combustível-ar, baseado em sua forma.

Phillip Coyle, um conselheiro do Centro de Informação de Defesa em Washington, D.C., diz ser cético sobre o verdadeiro poder da “Pai de Todas as Bombas’. “Sua explosão pode ser maior do que a de MOAB,” ele concede, “mas não é quatro vezes maior — ao menos 50% maior, apenas dependendo do tamanho da bomba e como estas bombas são projetadas.”

Contudo, John Pike, um analista do grupo formador de opinião GlobalSecurity, diz que a despeito de seu ceticismo, ele acredita que Pai de Todas as Bombas seja a grosso modo tão poderosa como dizem os russos. O que ele não acredita é que a arma seja realmente nova. Ele diz que os russos tem possuído várias armas termobáricas por ao menos quatro décadas. Pike diz:

‘Há explosivos combustível-ar, projetados para gerarem uma intensa pressão de explosão sobre uma grande área. É relatado que a bomba russa é a chamada bomba termobárica, que produz explosão e calor. Os militares russos tem sido pioneiros no desenvolvimento e uso destas armas termobáricas. Esta teria que ser uma das maiores enviáveis, bombas lançadas na história militar.”

Robert Hewson, um editor de Jane’s, disse a BBC que era provável que a FOAB de fato representasse a maior bomba não nuclear do mundo. “Você pode argumentar sobre os números e como você escala isto, mas os russos tem um longa história comprovada do desenvolvimento de armas da classe termobárica”.

UPI afirmou que o aparelho “impulsionaria enormemente as capacidades militares convencionais da Rússia.”

RPO “Bumblebee” é um lançador portátil de foguete produzido e exportado pela Rússia e a antiga União Soviética.

Descrição

A RPO é um lançador de foguete em forma de tubo auto contído para um único tiro que opera de modo muito similar a alguns lançadores de foguete RPG e LAW. O lançador é um tubo selado carregado em um pacote em pares. A mesma pessoa pode remover o tubo, coloca-lo em posição de fogo e lançar a arma sem ajuda. Depois do lançamento, o tubo é descartado. Todos os modelos são externamente similares.

Munição

Cada arma contém um único foguete, do qual há três variedades. O foguete básico é o RPO-A, que tem uma ogiva termobárica e é projetada para atacar alvos macios sob cobertura moderada. O RPO-Z é uma ogiva incendiária destinada a espalhar fogo e incendiar alvos. Finalmente, há uma ogiva produtora de fumaça, o RPO-D.

Especificações fornecida por Jane’s:

* Calibre: 93 mm
* Comprimento:
o lançador: 920 mm
o Rfoguete: 700 mm
* peso:
o arma única: 11 kg
o Pacote de trânsito de duas: 22 kg
* Alçance de vista: 600 m
* Alcance:
o Minimo: 20 m
o Maximo: 1,000 m
* Velocidade inicial: 125 ±5 m/s
* Ogiva:
o RPO-A: 2.1 kg termobárica
o RPO-Z: 2.1 kg incendiária
o RPO-D: 2.3 kg fumaça
* Temperatura operacional: -50 to +50ºC
* duração de vida: 10 years

Operadores

* Rússia
* China
* Sri Lanka
* Líbano

HISTÓRIA DO SERVIÇO

O uso do RPO pelas forças especiais russas tem sido implicada no possível início de incêndio que matou tantos na crise dos reféns da escola em Beslan.

TOS-1 Buratino é um lançador múltiplo de foguete de 30-barril russo e arma termobárica montada no chassis de um tanque T-72. TOS-1 foi projetado para derrotar os inimigos em fortificações, em campo aberto, e em veículos ligeiramente blindados e de transporte. Os primeiros testes de combate aconteceram no Vale Panjshir durante a guerra soviética no Afeganistão.

Published in: on julho 14, 2008 at 4:29 pm  Comments (3)  
Tags:

Inseminação Alienígena?

Gravidez em Virgens e Problenas de DNA Alienígeno

Ted Twietmeyer

Se você nunca teve um bebê e ainda é uma virgem, avisarei a você agora sobre alguns fatos revelados nestes relatório que podem ser inquietantes. Contudo, os dados fornecidos aqui também podem ser úteis se você está sofrendo de alguns tipos de problemas médicos não explicados.

Se você é uma mulher adulta, dexe por um minuto a imaginação livre. Imagine-se sendo uma mulher virgem e sua menstruação começa a não vir como deveria. Já que você nunca teve um intercurso sexual, você imagina que algo está muito errado. Você marca uma consulta com um ginecologista para um exame; durante o exame, o doutor desenvolve um olhar atônito. Então, ele, passa por cima do que vê e lhe dá a notícia impossível, até mesmo embora ele lhe possa dizer que você permanece virgem, mas está grávida.

Depois de você ter este choque repentino de ser mãe, você começa a imaginar como isto pode ter sido possível. Vagarosamente você entende as inúmeras preocupações que serão parte de sua vida, como o aumento do tamanho de seu estômago, as perguntas, olhares e reprovações de amigos, familiares e colegas que sabem que você está grávida embora sozinha, as consultas com o gineco-obstetra, menos exercício físico em um futuro próximo, preocupações sobre defeitos de nascimento e o que fazer se eles ocorrerem – toda esta precupação às custas de um bebê que, em primeiro lugar, você não devia estar esperando. E se você é uma modelo, você tem até mesmo uma maior preocupação com a qual lidar.

Nesta era de promiscuidade, ninguém acreditará que você ficou grávida sem um intercurso sexual. Ainda pior, seu bebê não terá pai. E se você agora tem um namorado, você não o verá muito mais quando ele descobrir. Ele nunca acreditará que você engravidou sem intercurso. Repentinamente, você estará em um vôo solo em sua vida e descobrirá como é cruel o mundo onde vivemos.

Como uma virgem, acreditar estar grávida parecerá impossível. Você teve na vida real uma imaculada conceição, algo supostamente impossível e só encontrada na Bíblia.

Tudo isto é uma ficção? Na realidade, esta coisa horrível tem acontecido a um incontável número de mulheres. E após uma mãe virgem levar seu bebê por alguns meses, passando por todas as dificuldades da gravidez, uma manhã ela acorda e vivencia um outro choque – não há mais bebê. Ela rapidamente volta ao seu médico, que agora está totalmente perplexo depois de confirmar o fato. Nada na escola de medicina o preparou para isto. Não há parto, não há aborto: apenas sumiu. Agora ele também está por conta própria como você esteve. Se ele disser a alguém em sua profissão o que ele viu, será o motivo de riso na cidade.

Tal é o sofrimento e a experiência de incontáveis mulheres mundialmente, e provavelmente vem ocorrendo a séculos, senão milênios. Imagine a agonia da mulher no passado – tal como nos tempos vitorianos ou Quaker. Seria uma passagem segura para ser posta fora de casa e da cidade, ou apedrejada, porque ninguém acreditaria nela.

Mas a ciência sabe que assuntos biológicos como a gravidez não terminam depois do parto ou do aborto. A mãe pode carregar células fetais dentro de seu corpo por um longo tempo após o parto. Em um artigo recente de Scientific American a pesquisa relativa a descoberta da retenção das células fetais foi apresentada. Primeiro, é importante notar que o texto não cobriu a migração de células fetais da inseminação de um bebê alienígena. Este artigo apenas assume a responsabilidade da pesquisa atual, que uso aqui, na minha teoria.

Para as mulheres que tem um fator Rh diferente daquele do feto [mãe Rh- e feto Rh+], elas devem receber uma injeção depois do parto ou do aborto. Isto evita sérias complicações para os fetos futuros, causadas pela mistura de dois diferentes tipos sanguíneos na circulação materna [sensibilização].

O que acontece durante a gravidez é algo conhecido como microquimerismo fetal ou maternal. Isto não se refere às células sanguíneas vermelhas, mas às células tissulares. A plascenta não é uma barreira para a transferência de células como já se pensou. O microquimerismo materno ocorre quando as células da mãe entram no feto e permanecem lá. Com o microquimerismo fetal, as células do feto se movem através da plascenta para a mãe. O sangue circula livremente na mãe e no feto através da plascenta. Hoje isto está recebendo considerável pesquisa, já que sugere que isto possa contribuir para doenças e problemas de saúde para a mãe.

A pesquisa que descobriu que isto ocorre já tem uns 60 anos. Outras pesquisas remontam de 1893, quando um pesquisador alemão encontrou sinais de tal transferência nos pulmões de mulheres que morreram de desordem hipertensiva da gravidez. Em 1979, L. Herzenberg da Universidade Stanford descobriu células masculinas no sangue das mulheres que estavam grávidas de meninos. Na década de 1990 foi descoberto que “pequenos números de células estranhas sobrevivem indefinidamente em indivíduo sadios”. Note que a palavra “estranha” aqui pode significar quase que qualquer tipo de células.

As células adquiridas pela mãe podem durar por décadas e podem se tornar parte dos órgãos da mãe. Atualmente é acreditado que em alguns casos isto possa resultar em um ataque auto-imune, mas que também possam causar a cura em outros casos. Embora isto não seja especificamente afirmado no artigo, isto pode ser uma das causas de MS e outras desordens auto-imunes.

O Microquimerismo pode também funcionar de outro modo, quando as células da mãe estão presentes no feto. Isto não é o mesmo que o fato do bebê se desenvolver no útero da mãe, já que estas células adquiridas pelo feto são diferentes.

J. Lee Nelson que escreveu o artigo afirma que seus colegas encontraram células maternas em adultos que tinham um sistema imunológico normal, inclusive uma pessoa de 46 anos: “embora a maioria das células que se transferem vivam por um tempo limitado e morram, as células tronco são uma exceção. As células tronco podem se dividir e criar um número de tipo de células especializadas, tais como aquelas que constituem o sistema imunológico ou o tecido de um órgão. Células de longo prazo foram encontradas serem células tronco ou descendentes relacionados das células tronco nos sujeitos teste.”

A pesquisa atual mostra que a mãe carrega estas células em todos os órgãos, exceto no cérebro que ainda não foi confirmado. (Acredito na presença destas no cérebro e em outros órgãos na cabeça, incluindo os olhos, o que poderá ser confirmado no futuro. O sangue circula livremente do feto aqui também). Além dos órgãos, as células fetais também tem sido encontradas na pele, medula óssea, cérvice, tireóide e até mesmo glândulas salivares das mães.

Você provavelmente já fez uma ligação entre o possível microquimerismo fetal e a inseminação da gravidez alienígena. Para muitas mulheres que tem sido inseminadas [nem todas de modo diferente daquela que os fazendeiros inseminam o gado] não pára com uma gravidez. Este pesadelo pode acontecer muitas vezes a mesma mulher.

Isto é tão horrível de acontecer a uma mulher sozinha que, até onde eu saiba, ninguém até mesmo fez um filme sobre como isto pode acontecer na vida real. Contudo, alguns anos atrás algumas das vítimas da inseminação alienígena apareceram em um raro documentário para a televisão. Algumas mulheres no documentário disseram que elas consideraram cometer suicídio, e o documentário afirmou que ao menos uma realmente cometeu o suicídio depois de vários episódios de gravidez. Muitas mulheres tem se mudado para milhares de milhas de distância em uma tentativa de parar com as abduções, mas isto não tem resolvido o problema. Muitas mulheres são inseminadas novamente depois que um bebê é retirado delas durante uma noite.

Claramente, há seres na Terra e visitando a Terra que absolutamente não tem qualquer respeito pela vida humana, como o fazemos. De fato, somos como gado para eles.

O conhecimento disto pode ser usado como uma vantagem. Por exemplo, se as células alienígenas podem ser coletadas, um teste de DNA pode ser realizado com elas. Tal teste pode realmente mostrar como se parece um bebê alienígena, dizendo-nos quanto ele se parece ou não conosco.

Um outro uso para este conhecimento do DNA alienígena é que isto pode ser útil no combate de doenças de origem desconhecida. Frequentemente os pesquisadores simplesmente precisam saber onde procurar para começar o isolamento de um patógeno ou outro problema. As amostras de doenças erradicadas são mantidas em laboratório para este propósito: fornecer aos pesquisadores quantidades suficientes de patógenos para pesquisa.

Do artigo do Scientific American temos aprendido que células estranhas presentes nas mães são facilmente coletadas para pesquisa. Nesta base, um teste de DNA pode também ser realizado que possa determinar se as células são humanas ou alienígenas.

O trabalho detalhado descrito pelo Dr. Nelson nos mostra que este é um assunto muito complexo ainda sob pesquisa em andamento. Esta pesquisa também está recebendo intenso exame dos pesquisadores médicos. Conheço um cientista de renome mundial e tenho perguntado a ele se algumas doenças oculares podiam estar relacionadas ao microquimerismo em fêmeas. Até esta data não recebi ainda uma resposta.

Em um ensaio escrito por Dalya Rosner (um estudante de PhD da Universidade Cambridge em 2004,) ela estabeleceu um caso de problemas de doenças auto-imunes associado a presença de células estranhas no corpo: “Um número de estudos tem encontrado uma correlação entre a presença destas células que trespassam e um grupo de condições conhecidas como doenças auto-imunes nas quais o sistema imunológico se volta contra os próprios tecidos do corpo. Geralmente um órgão específico ou tecido é alvejado levando a doenças tais como o diabetes, que é causado pela destruição das células produtoras de insulina no pâncreas, ou a artrite reumatóide, na qual o sistema imunológico ataca nossas juntas.”

Ela também descreve as implicações de células estranhas no corpo: “sob circunstâncias normais o sistema imunológico é programado para conviver pacificamente com as células do próprio corpo e destruir apenas os invasores estranhos, tais como germes ou células com o DNA errado. As células que contém um DNA diferente podem crescer por mutação [o mecanismo que produz o câncer], transplante de ógão, inclusive transplante de medula óssea, ou através do microquimerismo.

Tais células expressam um padrão ligeiramente alterado dos marcadores químicos em suas superfícies, ajudando o sistema imunológico a identifica-las como estranhas e levando a um montante ataque imunológico que as destrói.

Dalya Rosner continua: “Uma vez os cientistas acreditaram que duas pessoas com o mesmo DNA [gêmeos idênticos] possuiam o mesmo potencial genético, até mesmo se eles estivessem vivendo em ambientes diferentes. O microquimerismo, contudo, lança dúvida sobre esta visão tradicional.”

Em conclusão, existe evidência suficiente para a pesquisa biológica hoje que mostra o efeito negativo de células estranhas no corpo. As células estranhas nas mães que se tem originado de fetos podem logicamente ter origem terrestre ou alienígena.

Naturalmente nem todas as mães apresentarão efeitos negativos pela presença de células estranhas, mas claramente algumas o fazem. Os efeitos negativos podem demorar anos para aparecerem e não é claramente entendido por enquanto. Provavemente seja a saúde do sistema imunológico da mãe e sua genética que determine se ela terá ou não problemas auto-imunes mais cedo ou mais tarde, na vida.

Irã inicia jogos de guerra

Irã inicia jogos de guerra
Front page / World
09/07/2008 07:17 Source: AP ©

Irã testou nesta quarta-feira mísseis de longo e médio alcance durante jogos de guerra que os oficiais dizem que são em resposta às ameças israelenses e americanas, relatou a televisão estatal.

O Gen. Hossein Salami, o comandante da força aérea da elite das Guardas Revolucionárias do Irã, foi citado como tendo dito que o exércicio demonstraria “a nossa resolução e poder contra inimigos que nas semanas recentes tem ameaçado o Irã com uma linguagem dura”.

Os jogos de guerra de quarta-feira foram realizados na boca do Estreito de Hormuz, um canal estratégico por onde passa 40% do petróleo do mundo.

A filmagem mostrou ao menos três mísseis disparados simultaneamente, e disse que a barragem incluia uma nova versão do míssel Shahab-3, que os oficiais tem dito ter um alcance de 1.250 milhas (2.000 quiilometros) e é armado com uma ogiva convencional de uma tonelada.O que colocaria Israel, a Turquia, a Península Arábica, Afeganistão e Paquistão dentro do alcance do míssel.

“Nossas mãos sempre estarão no gatilho e nossos mísseis sempre prontos para lançamento”, o oficial da agência de notícias IRNA citou Salami como tendo dito isso na quarta-feira.

Os testes vieram a menos de um dia depois que o Presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad descartou os temores que Israel e EUA possam estar se preparando para atacar seu país, chamando a possibilidade de ‘piada engraçada”.

“Eu lhe asseguro que não estaremos em qualquer guerra no futuro”, Ahmadinejad disse a uma conferência de notícias na quinta-feira durante uma visita aa Malaisia para um enontro dos nações muçulmanas em desenvolvimento.

Oficiais iranianos tem divulgado uma mistura de declarações conciliatória e belicosas nas recentes semanas sobre a possibilidade de um confronto com os EUA e Israel.

Um porta-voz da Casa Branca chamou os testes de quarta feira “completamente inconsistentes com as obrigações do Irã para com o mundo.”

“O regime iraniano apenas aprofunda o isolamento do povo iraniano da comunidade internacional quando ele se engaja neste tipo de atividade”, disse Gordon Johndroe, porta-voz do Conselho Nacional de Segurança.

“Eles também devem refrear os futuros testes de mísseis se eles realmente buscam ganhar a confiança do mundo”, ele acrescentou, falando do Japão, onde o Presidente George W. Bush está comparecendo a um encontro do G8.

Os militares israelenses enviaram aviões sobre o leste do mediterrâneo para um grande exércicio militar em junho que os oficiais americanos descreveram como um possível ensaio de um ataque as instalações nucleares iranianas, que o Ocidente teme estejam destinadas a produzirem armas atômicas.

Iran diz que seu programa nuclear é para gerar apenas eletricidade, não armas.

Por meses, Ahmadinejad e outros oficiais iranianos tem dito que eles não acreditam que os EUA atacarão por causa de suas dificuldades no Iraque, preocupações domésticas e preocupações sobre os efeitos colaterais adversos na região.

Ao mesmo tempo, Teerã tem dado seus avisos de retaliação se americanos – ou israelenses – o ataquem, incluindo ameaças de atingir Israel e bases americanas no Golfo e parar o tráfego do petróleo pela vital região do Golfo.

No último junho, Vice Almirante Kevin Cosgriff, que era então comandante da 5a. Frota da Marinha dos EUA, disse que qualquer tentativa do Irã de fechar o Estreito de Hormuz seria vista como um ato de guerra. A 5a. Frota dos EUA está baseada em Bahrain, atravessando o Golfo do Irã.

O exercício israelense foi amplamente interpretado como um show de força bem como a prática de talentos necessáriois para executar uma missão de ataque de longo alcance.

Shaul Mofaz, um Ministro do gabinete israelense, criou um tumulto internacional no mês passado ao dizer que Israel não teria outra escolha senão atacar o Irã se este não parasse seu programa nuclear. Mofaz é um antigo chefe militar e ministro de defesa, e tem sido o representante de Israel em um diálogo estratégico sobre o Irã com oficiais americanos.

Na quarta-feira, o porta-voz do governo israelense Mark Regev disse que Israel “não deseja hostilidade e conflito com o Irã”.

“Mas está claro que o programa nuclear iraniano e o programa de mísseis balísticos iranianos é uma questão de grave preocupação”, disse Regev.

A Guarda e o exército regular do Irã rotineiramente realizam exercícios duas a três vezes por ano.

O Futuro das Armas Táticas Nucleares

O Futuro das Armas Táticas Nucleares

Documento criado em 26 de junho de 2001
Air & Space Power Journal – Chronicles Online Journal
Aprovado para divulgação pública: a distribuição é ilimitada

de William Conrad

Por décadas agora, tem sido tomado por garantido que as armas nucleares eram, em algum sentido, inúteis. Contudo, o argumento tem geralmente sido que isto seja por causa da política: as bombas enormes eram tão poderosas que apenas um punhado delas seriam necessárias para destruir o mundo, tornando presumidamente um maior conflito que levasse a que elas fossem lançadas em primeiro lugar, algo sem sentido. [isto, de fato, podem ser um ponto muito importante, já que a proliferação nuclear está colocando pequenos arsenais nas mãos de poderes de terceiro escalão, embora isto também se aplique aos maiores]. De fato, a consciência deste fato ajudou a estimular o que você chamaria de “tabu nuclear”, uma crença que as armas nucleares sejam qualitativamente diferentes de outras armas, e que o uso delas represente a encruzilhada de algum limiar, o comprometimento de um ato particularmente desumano provável de levar à destruição da humanidade.

Contudo, a história militar mostra que a distinção entre armas “aceitáveis” e “inaceitáveis” exita apenas na mente do homem, uma convenção como qualquer outra, sem uma lógica necessária e provavelmente não permanente. A dinamite, afinal, tinha uma vez sido pensada ser tal arma, não apenas desumana, mas certamente para tornar a guerra impossível em virtude de sua destrutividade, ou fazer com a civilização desmoronasse se caísses em mãos erradas. O absurdo de tais previsões não apenas está claro em retrospectiva, mas indica em que extensão estas convenções sobrevivem ao contacto com o mundo real, que depende, em grande parte, das características de especificos aparelhos nucleares, muito mais do que uma aversão geral as armas baseadas nos princípios de fissão e fusão. E conquanto haja pouca comparação no potencial poder destrutivo das armas nucleares com aquele da dinamite, a verdade é que a inutilidade das armas nucleares pode ter descendido tanto da praticalidade quanto da política.

Além de serem muito poderosas, as armas nucleares eram altamente radioativas e enviadas com extrema falta de acurácia, pelo que o tamanho completo de sua explosão era para ser compensado. Não há esperança de emprega-las taticamente contra, vamos dizer, uma concentração de tropas; as bombas ‘sujas’ da inicial era nuclear deixaram os campos de batalha tão desesperançadamente irradiados que os soldados não podiam combater neles. [ o uso de bombas atômicas em qualquer lugar perto de tropas amigas na planejada invasão do Japão foi descartada por esta razão]. Sobretudo, a falta de acurácia dos sistemas de envio significam que os rendimentos das armas teriam que ser bem grandes, e as armas usadas copiosamente, o que somente pioraria as coisas.

Pode não ter havido poupança de esquemas de contornar estes problemas, tais como o uso de unidades mais móveis e menores, mas nenhum deles até mesmo se provou possível. Consequentemente, as armas nucleares da era podem somente ser empregadas estrategicamente, e foi compreendido que até mesmo então, o bombardeio estratégico, até mesmo em grande escala no qual tem sido praticado, era de eficácia incerta em quebrar a capacidade de uma nação fazer guerra. Até mesmo Hiroshima, depois de ter recebido a bomba atômica, sobreviveu ao dano inflingido e estava funcionando novamente dentro de dias. Adicionalmente, foi considerado altamente questionável, ao menos com as armas disponíveis na década de 1940, que ataques nucleares poderiam dobrar os joelhos da Rússia, muito menos impedir o Exército Vermelho de dominar a Europa Oriental.

Posteriormente, conquanto nenhuma quantidade de munições convencionais possa ser igual ao poder nuclear de um super poder de completa megatonagem, os efeitos de qualquer coisa do tipo de uma troca nuclear entre os superpoderes que eram capazes de lançar pela década de 1960, podia ser replicado com munições não nucleares. A validade do conceito tem sido provada pelo alto comando americano usar um bombardeio de fogo sobre Tóquio , no qual 16.7 milhas quadradas da cidade foram queimadas até o solo em uma única noite, o General Curtis LeMay lançou os bombardeios de fogo noite após noite contra cidade após cidade até que seus depósitos de suprimentos ficaram sem bombas; ressuprido, ele continuou a campanha de bombardeios de incêndio… até o fim da guerra, quando 63 cidades japonesas tinham sido total ou parcialmente queimadas… Hiroshima e Nagasaki sobreviveram ao bombardeio atômico porque Washington as tinha removido da lista de alvos de Curtis LeMay.

Para o propósito de destruir uma cidade de cada vez, as bombas atômicas não eram mais destrutivas que TNT, apenas menos caras logisticamente porque apenas um avião podia fazer o trabalho de centenas, o que por sua vez significou que as armas nucleares eram mais úteis enquanto era desejável destruir centenas de cidades de uma vez. Sobretudo, paricularmente nos últimos anos da Guerra Fria, isto também era um assunto de auto-aniquilação, desde que até mesmo era possível para um dos superpoderes destruir as forças nucleares de seu adversário em um primeiro ataque, o sistema climático da Terra retaliaria contra isto, por assim dizer. O dano ambiental derivado de um inverno nuclear não apenas teria tornado impossível fazer uma guerra [por exemplo, as resultantes nuvens de poeira e fumaça degradariam a performance dos jatos], mas tornado a existência impossível, produzindo fome e epidemias em uma escala desconhecida.

Ao mesmo tempo, pode ser que os bombardeios de incêndio de LeMay sobre o Japão constituissem uma campanha quase nuclear, que é o porque isto deva ser tão surpreendente; é o fato de que a despeito do contexto da Guerra Fria na qual a limitada Guerra da Coréia foi lutada, uma outra campanha de bombardeios de fogo maciças foi realizada contra a Coréia do Norte. Novamente, algo similar aos efeitos de uma guerra nuclear foi tentado sem o emprego de reais armas nucleares, exceto, de fato, pelo fato de que o NAPALM tinha a virtude de não mostrar uma chuva radioativa através do nordeste asiático. Certamente, nem todos os Estados que possuem as armas nucleares possuem tais recursos, mas até mesmo as nações menores que adquiriram arsenais nucleares eram geralmente poderes militares predominantes em sua região, e portanto também capazes de assegurar sua segurança pelos meios convencionais, como o fizeram os israelenses na guerra Árabe-Israelense de 1973 quando sua posse de arsenal nuclear falhou em evitar um [embora limitado] ataque árabe.

Tudo isto fez das armas nucleares ferramentas menos eficazes de estratégia ou tática do que de aniquilação, ajudando a avançar a associação das armas nucleares ao apocalipse. Contudo, é provável que haja tipos inteiramente novos de armas nucleares empregados no futuro; de fato, alguns países parecem estar se aproximando disto. Seguindo a campanha áerea da OTAN de 1999 contra a Iuguslávia, a Rússia havia iniciado a reorganizar seu arsenal para limitada guerra nuclear, como uma medida a meio caminho entre nada fazer e envolver seu arsenal nuclear estratégico em uma mudança capaz de abalar o mundo.

Os projetistas de armas russas [e presumidamente suas contrapartes em outros países] tem estado por anos desenvolvendo novas classes de armas nucleares, com rendimentos tão baixos quanto umas poucas dezenas de toneladas e um centésimo a um milésimo de vezes mais “limpas” do que as atuais gerações de armas [isto será por causa que eles alcançaram a fusão sem uma fissão primária, o que significa que nenhum material radiativo físsel é usado, e que não há necessidade de obter massa crítica, e então as explosões nucleares muito pequenas são possíveis.) Posteriormente, o governo russo está relatadamente iniciando a construção de dez mil armas nucleares táticas, com rendimento de um décimo de um quiloton ou menos, para obter uma capacidade nuclear certeira [a habilidade de usar pequenas armas nucleares do mesmo modo que os EUA usam as “smart bombs’ e cruise misseis], tornando uma ‘guerra nuclear limitada” teoricamente possível.

As armas nucleares tão pequenas e limpas quanto as que os militares russos pretendem usar borrarão as linhas entre as armas nucleares e as convencionais, já que as versões mais novas da anterior irão, na teoria, ser apenas marginalmente mais contaminantes, indiscriminadas ou destrutivas que as últimas [embora elas serão mais eficientes em alguma medida]. Isto tornará seu uso mais prático de um ponto de vista militar, bem como condenará o argumento que elas representem um tipo de arma único e não permitido. Concomitantemente, os estrategistas russos acreditam que isto tornará seu uso improvável de provocar uma guerra total, e a ameaça de seu emprego portanto mais crível do que o bater de sabres que acompanhou os protestos anteriores russos sobre a expansão da OTAN ou a política americana em relação ao Iraque.

De fato, isto não tem o significado de uma primeira tentativa de formular um plano para lutar uma guerra nuclear, e é possível que esta doutrina possa ser tão quixotesca como todas aquelas que a precederam. Contudo isto difere dos esquemas da Guerra Fria em um modo muito importante: o escopo destes planos é muito menos ambicioso. Onde uma bomba nuclear é substituída por centenas de bombardeiros estratégicos carregados com milhares de toneladas de bombas incendiárias [ou centenas de bombas substituídas por uma única arma nuclear], uma mini-bomba nuclear pode agora ser usada em lugar de um esquadrão de aeronaves táticas com apenas umas poucas toneladas de bombas guiadas a laser por peça. Posteriormente, conquanto a Rússia possa ser improvável de realmente empregar tais armas em todas, senão nas crises mais graves, tal concepção significa maior liberdade de ação para a Rússia substituir seu arsenal nuclear por sua força convencional a muito dilapidada.

Não obstante, que os os russos serão capazes de transformar a visão deles em realidade é algo a ser dado. Pode ser que o governo russo, que intencionalmente vazou estes planos, esteja sobrevalorizando o grau no qual relevantes tecnologias tem sido aperfeiçoadas. Posteriormente, conquanto as novas armas tem relatadadamente estado nas pranchetas de projetos por anos, e estejam a ser manufaturadas de existentes materiais nucleares e combinadas aos disponíveis sistemas de envio, grandemente reduzindo o custo do programa, virtualmente qualquer despesa, contudo modesta, parece as vezes estar além dos recursos da Rússia. A despeito da prioridade que isto tem sido concordado para custeio, o arsenal russo cresce crescentemente decrépito, o governo tem sido incapaz de manter a infraestrutura de suas forças nucleares ou do ciclo de produção de armas de armas nucleares, muito menos desenvolver com sucesso e empregar novas armas. Os atrasos infindáveis na construção do primeiro submarino balístico da classe Borey, a produção do novo missel intercontinental balístico Topol-M tem estado continuando em passo muito mais vagaroso do que originalmwente esperado. A mais recente expedição a Chechnya é provável reduzir o custeio até mesmo além do curto prazo.

A despeito, alguém pode presumir que os russos sejam sinceros em sua intenção, até mesmo na medida em que os países ocidentais parecem estar continuando na direção oposta. Tanto os EUA quanto o Reino Unido tem sido muito mais rápidos em abandonar as armas táticas do que as estratégicas. A avaliação por alguns especialistas que a Revolução nos Assuntos Militares tem tornado isto possível para que armas convencionais realizem missões que anteriormente só seriam executadas por armas nucleares tem as tornado irrelevantes a muitos olhos. Isto é especialmente verdadeiro porque muitos observadores, depois de viverem por tanto tempo a sombra da Guerra Fria, não parecem capazes de separar as armas táticas das estratégicas. Nesta atmosfera, o Presidente Bush unilateralmente ordenou a destruição das armas táticas nucleares americanas, e o Congresso tem “levado esta decisão ao concreto” ao aprovar legislação que proibe a testagem, desenvolvimento, e armazenamento de ogivas nucleares tendo rendimentos de menos de cinco quilotons, então a opção nuclear tática está, por agora, fora da mesa. A Marinha Real da Inglaterra, ao mesmo tempo, retém apenas sua capacidade nuclear em seus submarinos balísticos nucleares Trident. Não obstante, a pesquisa não teve uma parada nestes países, como é indicado pelo trabalho continuado em armas de pulso eletromagnéticos nos EUA, e experimentos em “fusão por confinamento” realizados por cinco membros do clube nuclear, bem como vários não nucleares, menos Estados avançados como a Alemanha e o Japão.

Posteriormente, se a acurácia, no presente, é compensada completamente pelas recentes reduções na massa, é um outro assunto. A carga atual de um pacote de missel anti-navio leva somente uma fração do impacto de uma única concha disparada pelas armas principais de um navio de batalha da classe Iowa da era da Segunda Guerra Mundial, quatro dos quais retornaram ao serviço na década de 1980 na Marinha dos EUA porque ainda não havia substituto para eles. Isto também é frequentemente afirmado pelos observadores dos militares americanos de hoje, embora mais avançados tecnologicamente em certos aspectos do que em 1991, “ainda não são uma força para vencer a Gerra do Golfo” e tem sido seu tamanho reduzido tão profundamente para que isto repita o feito.

Um modo de contornar este problema é aumentar o poder de fogo, bem como a precisão, dos sistemas atuais, para combinar as novas armas nucleares com sistemas mais precisos de envio agora disponíveis. As armas nucleares do tipo que os russos tem declarado a intenção de empregar seriam um meio de contornar isto. No presente, por exemplo, o trabalho está sendo feito para tornar os misseis cruise em genuínos bombardeiros não tripulados , capazes de atacar múltiplos alvos. Deve haver submunições nucleares de baixo rendimento, cada uma com o poder de uma grande bomba convencional, a ser empregada para este fim; eles drasticamente multiplicariam a efetividade da carga de mil libras de um Tomahawk, que no presente fica pálido próximo até mesmo a um único avião de ataque, talvez ainda mais de misseis Tomahawk, grandemente aumentando a potência do que tem vindo a ser a preferida resposta americana a provocações dos Estados Hostis. Concenbívelmente, uma campanha aérea pode ser executada sem enviar um único piloto ao espaço áereo do inimigo, e devem os misseis cruise serem flexíveis o bastante para fazer a diferença tática ser desenvolvida, eles podem executar operações até mesmo mais ambiciosas, tais como lentificar uma reinvasão do Kuwait pelo Iraque. Mais modestamente, contudo, forças expedicionárias menores seriam capazes de dominar o número superior de oponentes locais com armas similares disparadas pela artilharia ou lançadas por uma aeronave. [tal abordagem seria de uso particular para um país como a Bretanha ou França, que tem arsenais nucleares e redes mundiais de bases, mas são incapazes de enviar forças militares significativas muito longe de casa].

Politicamente, contudo, tal ação deve ser inatingível por algum tempo [particularmente a luz do adimitidamente reduzido, não obstante existente, risco de contaminação radioativa, é mais provável que estas armas serão inicialmente usadas em circunstâncias que não oferecem alternativas ao ataque nuclear. As armas nucleares podem ser as únicas armas capazes de atacar tipos específicos de alvos, tais como certas instalações subterrâneas. [a última adição ao arsenal nuclear americano é o B 61-11, que é projetado como um penetrador da terra]. Sobretudo, muitos dos projetos atuais de armas baseadas no espaço, tais com o laseres de raios-X; sistemas de defesa de mísseis, como armas de plasma que ionizam a atmosfera; e até mesmo armas “não letais” como armas de pulso eletromagnético (EMP), tem base na tecnologia nuclear. [o desenvolvimento destas armas, incidentalmente, pode ser legal sob o Tratado Compreensivo de Banimento de Testes]. Também pode haver circunstâncias nas quais, por uma razão ou outra, munições com guia de precisão [ou seu comando ou sistemas de controle] podem não estar disponíveis nos números necessários.

Se um tal cenário aparecerá em um futuro próximo, contudo, é incerto. Muitos ressaltariam que esta inteira linha de raciocínio é controvertida devido ao declínio da guerra convencional em geral que, é ressaltado corretamente, é ao menos uma razão porque os militares estão encolhendo em primeiro lugar. A União Soviética, por todos seus comprometimentos militares, não lutou uma guerra convencional depois de 1945, e nem o fizeram os EUA depois da Coréia até a Tempestade no Deserto. Neste tipos de guerras que geralmente tem sido lutadas, como no Vietnã, no Líbano e no Afeganistão, até mesmo as armas nucleares táticas teriam sido, até mesmo assumindo a voluntariedade de contaminar o território amigo, de na melhor das hipóteses uma utilidade ocasional, o inimigo sendo dispersado, se escondendo entre a população civil, pronto a disparar e correr e possuindo pouca infraestrutura.

Certamente, a maioria dos Estados de hoje não tem um grande medo da invasão externa, a sabedoria convencional sustentando que a maioria das guerras serão assuntos internos, movidos entre guerrilhas ou terroristas e as forças da ordem doméstica. A despeito, ninguém argumentaria com a avaliação de que por ao menos pelas próximas poucas décadas, Estados marginais, pouco desenvolvidos, como Etiópia e Eritréia, pode mover uma guerra convencional entre Estados em uma escala modesta. Poucos realmente descontariam a possibilidade da guerra entre Estado maiores, tais como a Índia e o Paquistão, ou esporádica, o conflito assimétrico entre os EUA e Estados Hostis como o Iraque.

Até mesmo onde não é o caso, o crescimento da guerrilha não lança muito o fim da guerra convencional na medida a que consigna a isto um fim de jogo, e então somente por causa da clara superioridade dos Estados no poder militar convencional, que eles sobrevivem principalmente ao evitar. As guerrilhas usam táticas de atirar e correr que podem ser capazes de ligar recursos maciços, sabotar a vontade e a força de um oponente maior, exarcerbar tensões sociais e até mesmo negar ao inimigo o controle eficaz sobre seu próprio território, mas elas não podem ocupar o solo na medida em que eventualmente elas devem vencer, a seguir do que tudo é uma mera preparação. Saigon, afinal, não caiu pelas guerrilhas, mas para o exército norte vietnamita, e a mesma lógica se mantém verdade hoje; na Colombia, a insurgência da FARC [Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia] está trabalhando na direção de alcançar um nível de força que lhe permita abertamente desafiar as forças do governo no campo.

Ao mesmo tempo, é provavelmente incorreto assumir que “as forças da ordem” permaneçam centradas no Estado. O monopóloio do Estado sobre a violência tem sido sempre de certa forma teórico e provavelmente se tornará mais no futuro. (Ate mesmo se nos EUA grande parte de sua população considere um direito constitucional ter armas, e governadores de Estado tenham alguma autoridade para chamarem suas próprias unidades militares, como Guarda Nacional]. O declínio dos sistemas de bem estar e a emergência de um mundo de mercado crescentemente menos sobrecarregado pelas fronteiras ou regulamento, e o declínio do Estado de guerra entre Estados em grande parte do mundo tem privado até mesmo os Estados mais bem sucedidos de grande parte de sua razão da ser. Outros Estados, onde falta legitimidade política aos olhos de seu povo, ou viabilidade econômica, tem simplesmente cessado de existir, como tem sido o caso na Somália e no Afeganistão, e pode ser o caso em muitos outros lugares em um futuro previsível.

Em outro caso, os serviços que o governo uma vez forneceram estão sendo crescentemente privatizados, do cuidado de saúde à segurança física, e até mesmo o poder militar é crescentemente disperso. O fim da Guerra Fria tem visto o aumento das companhias militares particulares, como Sandline International, que faz de tudo desde treinar soldados até excluir rebeliões por uma taxa, e exatamente como o comandante militar tem retornado ao estágio militar, assim por dizer, devem fazer os lordes e os duques. Na Colômbia, o governo central tem se aliado com forças paramilitares de extrema direita que estão de fato no controle de 10% do país, para combater uma insurgência esquerdista aparentemente irretratável. Na Rússia, tem havido a conversa de restaurar os Cossacos como parte da instituição militar.

Estados falidos, dos quais Colômbia e Rússia são dois exemplos, sobretudo, sempre possuirão a preponderância do poder que tem forçado as guerrilhas a atirar e correr. Ao invés, a quebra da ordem os forçarão a se acomodar a difusão das forças armadas até mesmo incluindo alianças com algumas facções, o que brandirá seu poder militar mais abertamente sob as circunstâncias. Como os senhores feudais que os precederam, eles provavelmente terão o equivalente moderno dos castelos, e seus exércitos podem possuir coniderável equipamento pesado, e a infraestrutura vai ao longo disto. Os insurgentes chechnos, notavelmente, tem possuído uma força aérea com mais de 250 aeronaves quando a Rússia invadiu república em 1994, bem como centenas de veículos blindados e peças de artilharia. As forças Bósnias da Sérvia que cercaram Sarajevo eram similarmente equipadas. Em qualquer caso, as guerras convencionais mais provavelmente mudarão de forma ou encolherão no escopo do que desaparecerão, apenas na medida em que parece que algum tipo de autoridade central sobreviverá na maioria dos lugares, até mesmo se o poder dos Estados de hoje serão em muitos casos parcelados por outros participantes. Estas forças podem todas ser alvos de tais armas descritas aqui, ou, talvez, dependendo de quão amplamente a tecnologia se prolifere, o uso delas.

A despeito da forma exata que o conflito tomará no futuro, contudo, as armas nucleares serão no futuro menos contaminantes, mais discriminadas, e mais versáteis o que, com o declínio das forças convencionais e a partição do conflito internacional, fortalecerá a tentação de usa-las. De fato, pode haver situações nas quais as armas nucleares táticas parecerão não ser somente a única escolha, e não será a primeira vez que alguém argumente que as armas nucleares tinham que ser usadas para poupar vidas. O tabu provavelmente se quebrará em alguma extensão, aplicando-se apenas a categorias particulares de armas nucleares, muito mais do que a armas nucleares geralmente, ou o uso de armas contra alvos específicos, libertando os tomadores de decisão de usa-las. O uso destas armas, por sua vez, condenará o tabu, criando o precedente para outras. Em qualquer caso, o que teria sido condenado em um período, como tem sido o caso da dinamite, se tornará não apenas meramente aceito, mas até mesmo aplaudido em um outro, a proibição inicial tão anacrônica para os observadores do futuro como o horror com o qual a Igreja tem visto os arcos e flechas parecerem às pessoas de nosso tempo.

Published in: on julho 10, 2008 at 2:07 pm  Comments (2)  
Tags: ,

Tsunami de 2004

Tsunami de 2004

Joe Vialls, 5 de janeiro de 2005, atualizado em 4 de fevereiro de 2005

Por favor, ajude a manter o fluxo de inteligência

Previsível talvez, permaneço permanentemente barrado pelas multinacionais americnas incluindo o Yahoo e o PayPal, e mais recentemente tenho tido restrições completamente inaceitáveis nos layouts e gráficos de minha webpágina por outros, que por enquanto, não serão nomeados. Tudo parece mostrar o intento de remover completamente meu conteúdo da Internet, ou obter um controle editorial de 100% sobre mim. A vida nunca é fácil para um antigo veterano de combate vivendo com uma minúscula pensão de incapacidade, mas tem que ser admitido que estas multinacionais e outras fortalezas tem tornado a minha vida ainda mais difícil. Se você aprecia estes relatos de inteligência e gostaria de ajudar sua continuação ao me ajudar financeiramente, por favor, clique no botão doar abaixo que o redirecionará para minha página de doações e um provedor de pagamento online. Para aqueles que não gostam de doações online de qualquer tipo, posso pessoalmente processar os cheques de dólares australianos ou de libras esterlinas e converter quase que qualquer nota de banco em moeda usável. Meu endereço é “J. Vialls”, 45 Merlin Drive, Carine, Western Australia 6020. Se alguém lá fora tem banco online na Internet e deseja doar, por favor, direcione os fundos para minha conta bancária na Austrália Ocidental mostrada aqui. Obrigado por se importar.

Account name: J. Vialls
Bank Name: Bank West
Swift Code: BKWAAU6P
BSB: 306-074
Account #: 0574527

Será que New York orquestrou o tsumani asiático?
Com o Afeganistão e o Iraque já perdidos, os banqueiros de Wall Street estavam todos desesperdamente olhando por outros meios de controlar o mundo, quando subitamente e muito conveniente, o Canal de Sumatra explodiu. Truque ou ameaça?

O real epicentro da explosão no Canal de Sumatra: uma mesquita perto do ponto zero, Aceh

“Outros estão se engajando em um eco-tipo de terrorismo, de forma que podem alterar o clima, criar terremotos ou vulcões remotamente, por meio do uso do ondas eletromagnéticas”.

O Secretário de Defesa dos EUA William S. Cohen, em abril de 1997 – grande surpresa! -, presumidamente Cohen já sabia que uma arma nuclear gera o que ele chama obliquamente de “ondas eletromagnéticas”. A despeito de ter um número enorme de vítimas em seu próprio Estado de Tamil Nadu, a Ìndia completamente converteu a vigilância do navio INS Nirupak em um hospital flutuante de 560 leitos em menos de 72 horas e então enviou isto não armado para ajudar as pessoas desesperadas de Aceh, na Indonésia. Em comparação direta, a América enviou navios de combate e Marines armados. A Marinha americana tinha dois navios hospitais cada um de 1.000 leitos, o ‘Comfort’ e o ‘Mercy’, mas nenhum deles foi enviado. Embora o USNS Comfort tenha sido empregado em New York quando 3.000 Americanos morreram em setembro de 2001, esta atual falta de ação envia um forte sinal que 150.000 [a maioria muçulmanos] morreram no sudeste asiático, e meio milhão ficaram feridos, e isto não recebe qualquer preocupação dos corretores do poder em New York.

O governo indiano sabia completamente bem que este não era um terremoto “normal”. Em 27 de dezembro a Índia se recusou a se unir aos exclusivo clube de quatro de George Bush, que teria efetivamente empurrado este poder nuclear asiático para fora de sua nova coalizão, com a Rússia, China e Brasil [BRIC]. Em 28 de dezembro o governo indiano polidamente avisou os militares americanos para permanecerem distantes do território soberano da Índia, e em 29 de dezembro o editorial do India Daily publicamente questionou a natureza do evento: “Foi isto um fechamento para um país mostrar a região que o tumulto pode ser criado?”… “Dado o nível de devastação e dado o fato de que a Índia é um poder regional no sul da Ásia, a Marinha indiana tinha uma obrigação de investigar e contar ao mundo o que descobriu.”

Teoricamente, a ogiva americana de 9 megatons W-53 pode facilmente ser colocada dentro de uma pequena câmara de saturação de mergulho que a protege das maciças pressões de 10.000 libras por polegada quadrada no fundo do Canal de Sumatra. O inteiro pacote blindado pesaria menos de 5 toneladas, o que permitia que ele fosse escorregado sobre a popa de qualquer vaso de suprimento de petróleo, dos quais existem mais de 300 apenas na Ásia. Quem até mesmo perceberia?

A despeito da natural tendência humana de ficar chocado e em silêncio pelo grande número de mortos e feridos na Ásia em 26 de dezembro de 2004, e a despeito de também estar ligeiramente temeroso de perder a credibilidade pessoal por causa da magnitude do crime aparente, há muitas prováveis irregularidades na história americana oficial do tsumani que simplesmente tem que ser registradas agora, ou serão perdidas para sempre nas areias do tempo.

Está além de qualquer dúvida que uma gigantesca onda de maré [tsumani] esmagou seu caminho pelo sul e sudeste asiàtico, e ainda teve força bastante para continuar todo caminho através do Oceano Índico para a África, onde matou ou feriu umas poucas centenas mais. Assim, a única questão que devemos perguntar é se este tsumani foi uma catástrofe natural ou foi causada pelo homem? Um evento natural seria horrível o bastante, mas se o tsumani foi criado pelo homem, então estamos inquestionavelmente olhando ao maior crime de guerra isolado na história global.

Para fazer qualquer sentido de todas as irregularidades, devemos começar do início, e então seguir o curso dos eventos como eles se desdobraram, especialmente os eventos na vizinhança imediata do real epicentro do tsumani, porque este último é bem diferente da localização que tem sido incessantemente divulgada pelo New York Times e CNN.

No meio dia, hora local na Austrália, eu fielmente registrei a magnitude e a posição marcada pelo Escritório Geofísico de Jacarta na Indonésia. Um terremoto de 6.4 na escala Richter tinha atingido o norte da ilha indonésia de Sumatra. O Escritório Geofísco de Jacarta meticulosamente notou que o epicentro do evento foi localizado a 155 milhas sul-sudeste da província de Aceh.

Esta localização é aproximadamente a 250 milhas ao sul da posição mais tarde selecionada pelo NOAA americano, que marcou o epicentro a norte-oeste de Aceh, e inicialmente declarou que a leitura da escala Richter era 8.0. Até mesmo como isto não fosse suficiente para cobrir o dano causado por este evento extraordinário, então o NOAA progressivamente atualizou a leitura para 8.5, então para 8.9, e finalmente para 9.0 – ao menos até agora.

Então as primeiras irregularidades comprovadas promovidas pelos funcionários do NOAA, que subitamente inventaram um novo pico sísmico “flexível” de muito maior magnitude do que o de Jacarta, quando o do escritório de Jacarta foi localizado muito mais perto e quase ao alcance do ponto branco. Creia-me, quando eu lhe digo que não existe uma coisa tal como o novo pico “flexível”, afirmado pela NOAA. O primeiro pico sísmico que você registra é apenas o pico real, a menos de fato que você manualmente dirija uns poucos outros picos por sua conta, para relizar a agenda proposta. Naturalmente, há apenas um epicentro que foi fielmente registrado por dúzias de sismógrafos indonésios e indianos.

Sem falar da enorme disparidade nos valores Richter, os indonésios e indianos estavam perturbados ao descobrir que o preâmbulo normal do terremoto foi perdido pelas cartas dos sismógrafos. Tudo isto significa que o número normal incessantemente crescente de ondas tranversas “S”, que sempre precedem os terremotos, não foram encontradas, como os posteriores pós choques, que igualmente acompanham um terremoto que ocorre natulmente ou um terremoto gerado pela onda incessante de Tesla. Houve “avisos” de pós choques do NOAA, mas nenhum realmente sucedeu.

Para simplificar os asuntos para os leitores não técnicos, um terremoto é sempre desencadeado por uma frequência eletromagnética ressonante na faixa de 0.5 a 12 Hertz, mas isto não é um processo instantâneo, porque a frequência ressonante deve ser precisa. Então, na medida em que a ressonância se aproxima, a linha de falha começa a tremer como um pedaço de corda sob tensão, e envia avisos aos sismógrafos sob a forma de ondas transversas incessantemente crescententes.

Se tudo o que você obtém é este grupo de ondas de compressão “P”, então você está quase certo de estar olhando uma explosão subterrânea ou sub-aquática. Estes eram de fato os únicos copiosos sinais sísmicos que os indonésios e indianos receberam, e eles pareciam curiosamente similares aqueles geradas muitos anos atrás pelas grandes armas nucleares subterrâneas em Nevada.

Voltaremos mais tarde a esta tarefa relativamente simples de enviar armas termonucleares de multi-megatons para o fundo do canal de Sumatra, e então detonar isto com um efeito surpreendente, mas exatamente agora precisamos retornar a nossa tarefa inicial de seguir a trilha dos eventos e das irregularidades inexplicáveis. Primeiro, devemos viajar ao sul da distante ilha deserta da Austrália, atualmente governada por um obsequioso adulador de Wall Street conhecido como Pequeno Johnny Howard. Para o intenso desprazer de muitos seus sujeitos australianos, Little Johnny nunca faz um movimento para fora da Austrália a menos que primeiro ele receba instruções explícitas de seus mentores de New York. Lembre-se desta realidade, porque isto é extremamente importante em termos do que a Austrália fez a seguir.

Na manhã de 27 de dezembro, a media australiana [de propriedade de New York] estava deixando muito claro que a nação piormente atingida era o Sri Lanka, uma ilha na ponta sul da Índia, que como a Austrália, é uma nação membro do Commonwealth britânico. De acordo, Tim Costello, chefe de uma das maiores instituições de caridade da Austrália, fez planos imediatos de voar para a área e avaliar a necesidade de ajuda. Mas naquela mesma manhã, Little Johnny estava dançando em um tom muito diferente, que baseado na sua conhecida subserviência, deve ter estado a tocar sua linha telefônica de Wall Street.

De uma maneira perfeitamente encoberta, Little Johnny secretamente despachou dois aviões de transporte Hércules, da RAAF cheios de suprimentos para a Malaisia em “Stand By”, e dirigiu dois outros para Darwin no norte da Austrália. Por favor, note, que se Little Johnny tivesse qualquer preocupação humanitária, todos os quatro Hércules podiam ter voado diretamente para o parceiro da Commonwealth, o Sri Lanka, onde todos os outros australianos já tinham ouvido da media que a ajuda era necessária. Mas não, não era para ser assim, e Little Johnny esperou pacientemente as ordens de New York.

O período de espera foi curto, e depois que um jato de alto vôo de reconhecimento confirmou que a pista de decolagem estava limpa em Medan no leste da Sumatra, todos os quatro Hércules australianos completos com soldados, armas e outros equipamentos invadiram Sumatra ao sul da devastada província de Aceh. Por sua vez, com 90% de sua população morta pelo Tsumani, Aceh logo podia se tornar a própria Baía de Guantánamo da Indonésia, cheia de australianos e americanos pesadamente armados.

Cuntudo, lembre-se cuidadosamente, ao tempo em que estes quatro Hércules tocaram Medan, o público comum australiano ainda não tinha idéia que a Sumatra havia sido extremamente atingida. Somente Little Johnny sabia, e com certeza sua confiável bola de cristal em New York. Para o inferno com o Sri Lanka, seus patrões queriam uma base principal para os enormes contratos de reconstrução na Ásia, destinados a substituirem o fracassado roubo de petróleo e a reconstrução do Iraque, e manter o pobre velho Sião em suas pernas cambaleantes em New York por mais umas semanas ou meses.

No final, que diabo importa quantos muitos Goyim tinham que morrer? E, hey, no lado do crédito eles já tinham gerenciado para matar mais de 100.000 muçulmanos em Sumatra com uma única onda de maré, que foi o pagamento parcial para suas retumbantes derrotas no Afeganistão e no Iraque.

É desnecessário dizer que os australianos eram meramente um partido avançado, logo a ser unido por um curiosamente bem preparado e equipado contingente de militares americanos. Embora seja duvidoso que qualquer dos oficiais e homens envolvidos realmente compreendam o que está acontecendo. Somente um punhado de pensamento para questionar o porque eles tinham estado passando um ano inteiro em treinamento para “Uma Missão Humanitária”, quando o ponto inteiro da Marinha dos EUA e Marine Corps é normalmente matar pessoas em grandes números. Apenas olhe para Fallujah.

Como se por mágica, o Pentágono manipulou para ter dois grupos de batalha prontos para navegar no mesmo momento da notícia, de Hong Kong e Guam durante o período normalmente caótico do Natal e do Ano Novo. A disciplina militar tem ido ao diabo desde os meus dias, quando todo mundo, incluindo o gato do navio, estava dormindo em alguma hospedagem altamente questionável, de um modo ou outro. Mas não estes 10.000 americanos que tem ficado rigidamente atentos ao lado de seus catres dia e noite.

O próximo pedaço foi soberbamente orquestrado, porque aconteceu no mar, longe dos olhos observadores dos espiões de docas ou imaginários agente da KGB. Mas primeiro você tem que saber quem estava envolvido. A equipe um de Hong Kong apressou-se, compreendida pelo USS Abraham Lincoln com poder nuclear e seus vasos de escolta, enquanto muito mais interessante a equipe de Guam se apressava, liderada pelo USS Bonhomme Richard, um transportador de assalto marinho anfíbio engordado por amuradas com armas nos topos de madeira. E isto não é tudo, acredite-me, porque Bonhomme Richard está de fato liderando uma real armada conhecida como “Grupo 5 de Ataque Expedicionário”.

USS Bonhomme Richard é acompanhado pelo U.S.S. Duluth, um vaso de transporte anfíbio para docas; o USS Rushmore, um navio de pouso; o missel cruiser do USS Bunker Hill, o destroyer com mísseis teleguiados USS Miliuse e o missel guiado do USS Thach. Para tomar cuidado do lado sub-aquático das coisas, eles se uniram ao submarino nuclear assassino USS Pasadena, enquanto o navio da Guarda Costeira dos EUA de alto suporte Munro também vinha ao longo, presumidamente para lidar com a Aduana Asiática e taxas.

Agora então, embora “O Grupo 5 de Ataque” podia estar carregando armas nucleares em quantidade suficiente para destruir metade do mundo conhecido, e o título talvez esteja em falta quando se vê de uma perspectiva estritamente humanitária, o engenheiro chefe da equipe, Sgt. Julio C. Dominguez, diz diferentemente: “O Grupo de Apoio de Serviço dos Marine” tem sido preparado para uma missão humanitária deste tipo por aproximadamente doze meses agora, e está mais preparado para uma missão real”. Bem, OK chefe, mas porque você não se pergunta porque esteve sendo treinado par uma misteriosa missão humanitária um ano antes que ela de fato acontecesse, especialmente quando seu trabalho diário é deixar os muçulmanos cheios de buracos?

A parte realmente inexplicável veio de ambos grupos de batalha entrados do Oceano Índico. O USS Abraham Lincoln parecia tão inocente quando um transportador de 70 aviões de ataque pode parecer, mas já estava caregando 2.000 marines ao invés de seu complemento normal de 500. Isto é uma quantidade enorme de poder de fogo a ser colocado nas ruas desertas de Banda Aceh, especialmente quando Wall Street normalmente espera que estes marines morram discretamente pelo Sião no Iraque. Agora então, como eles sabiam que marines extras seriam necessários antes que a equipe um deixasse Hong Kong, porque este excesso de 1.500 marines certamente não estavam esperando ao redor da doca de Kowloon para sair em uma corrida.
.
Então, enquanto os dois grupos de batalha aparentemente se dirigiam a duas direções diferentes no Oceano Índico, um evento até mesmo mais estranho aconteceu. Embora o Grupo 5 de Ataque Expedicionário [humanitário] era suposto ajudar as pessoas no Sri Lanka, os marines de combate a bordo do USS Bonhomme Richard se transferiram para o vaso anfíbio de transporte U.S.S. Duluth, que então se separou do ESG-5 e se dirigiu para a equipe um. Então, sem que os indonésios estivessem cientes disto, o relativamente inócuo transportador de aviões USS Abraham Lincoln tinha sido usado para ocultar a chegada de ao menos 3.500 marines pesadamente armados na pequenina província de Aceh.

Isto mais ou menos nos leva a data da conhecida atividade militar, embora ontem na televisão australiana o cameraman acidentalmente filmou alguns destes marines pesadamente armados [que tentavam manda-lo embora] buscando uma devastada base militar indonésia por qualquer arma remanescente. Agora, pode me chamar de ultrapassado, mas se estes camaradas e seus patrões estão diretos, o trabalho particular deve ser deixado para o exército indonésio.

Estarei circunspecto como exatamente uma grande arma termonuclear conseguiu chegar ao fundo do Canal de Sumatra, embora toda evidência sísmica e a preparação para a missão resultante indiquem fortemente que este é o caso. Afinal, estamos de volta a velha pergunta: quem se beneficia? e neste caso em particular quem é suficientemente insano para matar mais de 150.000 civis apenas para tomar o poder? Baseado na passada performance no Iraque e em outros países sem sorte, seria que somente os candidatos realistas sejam Wolfowitz e companhia, lutando sempre para criar “Um Só Governo Mundial”

Certamente nenhum dos outros poderes nucleares incluindo a Rússia e a China permanecem para ganhar qualquer coisa deste ultrajante assassinato em massa, então, como sempre no fim, voltamos a Sherlock Holmes via a caneta de Sir Arthur Conan Doyle: “Quando você tem descartado o impossível, seja o que for que permaneça, não importa quão improvável, é a verdade”.

Para o Cabal Sionista, obter arma termonuclear na América não é um grande truque, especialmente quando temos o precedente de 100 pequenas descomissionadas ogivas atômicas ar-ar sendo contrabandeadas pela porta de trás do Pentágono para formar o núcleo do atual arsenal do Estado Judaico. Uma vez um sistema de armas está desatualizado e fora de serviço, leais militares desinformados não podem mais rastrear isto. Aqueles que desejam entender como tal aparentemente pequena arma pode ir a 20.000 pés profundamente no canal oceânico, e então forçar um tsumani gigantesco exatamente através do Oceano Índico, farão bem em olhar o diagrama do famoso atacante ‘Dambusters’ da repressa alemã, a maioria da qual é auto explicativa. .

O projetista da bomba robusta da RAF [atualmente chamada “Highball”] foi um cientista chamado Barnes Wallace, que já havia conquistado uma formidável reputação com seu bombardeiro Wellington, que ele construiu geodésicamente, assim o habilitando a absorver enormes punições antes de realmente ser abatido no céu. Muitos Wellington retornaram a base literalmente em trapos, enquanto muitos desafortunados primos como o Stirling e o Halifax era todos também frequentemente designados às profundidades do Mar do Norte.

Wallace sabia que bombardear represas verticalmente era uma completa perda de tempo, e a única possibilidade de sucesso reside em colocar uma mina contra a parede da represa em sua base. Você vê, a água não pode ser comprimida, significando que se a mina fosse pressionada contra a parede da represa no momento da detonação, parte de sua energia automaticamente seria gasta na própria parede. Tão longe na água relativamente rasa, a maioria da energia da explosão seria perdida na atmosfera em uma enorme nuvem explodindo de água.

Embora seja óbvio que a parede da represa não possa ser destruída por uma única bomba de um bombardeiro Lancaster (seria muito pesado para que a aeronave decolasse com ela), Wallace colocou suas esperanças no fato científico que o stress cumulativo deve fazer o trabalho, e ele provou estar certo. Embora oficialmente três destas bombas, cada uma contendo 6.500 libras de TNT, foram consideradas serem ataques diretos, uma delas se inclinou ligeiramente, significando que a gigantesca represa Mohne foi completamente rompida por um total de 13.000 libras de pressão por polegada quadrada de trinitro-tolueno.

É a incompressibilidade da água em particular que importa profundamente no Canal de Sumatra. No fundo você já tem 10.000 libras de pressão por polegada quadrada pressionando a nossa arma de escolha, e acima da arma há uma coluna de água de 20.000 pés de altura, que é o que causou a pressão em primeiro lugar. Não somente isto. O canal se estreita no fundo, significando que a arma está estritamente guardada nele, com uma chance muito real de mover a placa tectônica se a tonelagem suficiente for usada.

Neste caso em particular não havia uma necessidade real de mudar a placa tectônica, e a ciência sugere que se esta explosão causasse tal efeito, vários pós choques muito poderosos teriam ocorrido, como tem acontecido com os maiores terremotos do passado. Mas, como previamente declarado, e colocado de lado no aparentemente deliberado provocativo pelos falsos avisos do NOAAA americano, não tem havido um único pós choque que possa ser ligado direta e cientificamente ao evento no Canal de Sumatra às 07:58, hora local, de 26 de dezembro de 2004. Mais tarde tremores podem ou não estarem ligados a arma.

Para forçar a subserviência na Ásia e garantir a parte do leão nos contratos de reconstrução incrivelmente lucrativos, tudo o que era necessário era que um tsumani muito grande alvejasse as nações selecionadas, o que estava facilmente dentro das capacidades de uma grande bomba termonuclear. Não há nada novo nas “Explosões Marítimas”, como elas são chamadas, e a mais de 30 anos atrás já existiam planos na América e na Rússia para dizimar as cidades costeiras um do outro usando exatamente esta técnica. A onda de maré de uma profunda explosão marítima é relativamente limpa, permitindo que o agressor tome a terra, construções etc, com um mínimo de demora.

Se tudo tivesse saído de acordo com o plano, então a Indonésia, Sri Lanka e Índia teriam sido levados para o FMI e o Banco Mundial por trinta anos ou mais – tempo suficiente para esperar que o preço do petróleo baixasse novamente, depois do fiasco letal no Iraque. Ao mesmo tempo, se o governo indiano tivesse mordido a isca, a mortal coalisão de Rússia-China-Índia- Brasil [BRIC] teria morrido na água. Não era um mal dia de trabalho para uma única arma termonuclear discretamente removida do processo de descomissionamento.

Alguns podem reclamar que tenho deixado de fora os gigantescos campos de gás da ExxonMobil em Aceh, mas este não é o caso. Certamente eles eram campos de sub-superfície muito produtivos, e inquestionavelmente produziriam montes de gás, uma vez os equipamentos de superfície fossem reparados, mas no isolamento, eles eram completamente incapazes de poupar o Novo Sião do colapso. Wall Street precisa de gigantescos contratos de reconstrução e muitos deles.

Se me lembro corretamente, pouco antes do Natal recebi um grande número de emails de várias pessoas falando de um camarada alemão que aparentemente afirmou que Wolfowitz tinha conseguido uma arma crítica e estava indo atacar Houston em 26 ou 27 de dezembro. Realmente nunca li o email inteiro, mas parece muito provável que ele tenha inicialmente circulado por Wolfowitz ou um de sua gangue, como uma clássica distração de desinformação. Tente algo nas linhas de “vocês devem prestar muita atenção em Houston em 26 de dezembro, enquando eu bombardeio a Ásia nas suas costas “

mais sobre 11 de setembro

Muçulmanos Supendem as Leis da Física!

de J. McMichael

Algumas das fontes tem falecido desde que este artigo original foi publicado em 21 de outubro de 2001. Onde pude encontrar substitutos eu os tenho indicado com a palavra “ou” e uma referência a uma cópia alternativa. Esta revisão foi publicada em 25 de novembro de 2001.

Tentei ser patriota. Tentei acreditar. Observei estes edifícios de um quarto de milha de altura cairem por suas catástrofes vezes seguidas. Ouvi o anunciante e os especialistas explicarem o que havia acontecido. E trabalhei minha lamentável falta de fé, batendo em meu crânio com o controle remoto e olhando fixamente as imagens na tela da TV.

Mas como sou um pobre camponês mental, não pude escapar dos ensinamentos de meus ancestrais. Temo estar preso em meu tempo, emparedado no anterior entendimento científico por minha inabilidade de abandonar o estado mental do segundo milênio.

Mas é o suficiente sobre mim. Vamos nos mover para a Ciência e Tecnologia do Século XXI. Aqueles de vocês que não podem acreditar, devem ler a verdade oficial pela rota adotada e talvez vocês serão capazes de ocultarem a própria ignorância.

Aqui estão os ossos nus do incidente do WTC:

A Torre Norte foi atingida às 8:45 a.m. do norte aproximadamente no 93o. andar e desabou por volta das 10:29 a.m.
A Torre Sul foi atingida às 9:03 a.m. do sul por volta do 80o. andar e desabou ás 9:50 a.m.;

O fato de usar combustível de jato para derreter o aço é uma descoberta surpreendente, realmente. É também surpreendente que até agora ninguém tenha sido capaz de fazer isto funcionar e isto prova que os terroristas não eram pessoas estúpidas. Os trabalhadores do ferro lutam com tochas de acetileno, oxigênio engarrafado, arcos eletrônicos de geradores, fornalhas elétricas e outros truques elaborados, mas o que estes brilhantes terroristas usam? Combustível de jato, que custa aproximadamente 80 centavos o galão no mercado aberto.

Vamos considerar: Um avião cheio de combustível de jato atinge a torre norte as 8:45 a.m., e o fogo do combustível queima por um tempo com chamas brilhantes e fumaça negra. Podemos ver as fotografias da fumaça branca e as chamas saindo das janelas.

Então por volta das 9:03 a.m. (que é o tempo que foi marcado para a colisão do segundo avião com a torre sul), a chama estava em sua maioria apagada e apenas fumaça negra saia do edifício. Para minha mente simples, isto indicaria que a primeira chama tinha morrido, mas algo ainda estava queimando ineficientemente, deixando fuligem [carbono] na fumaça. Um fogo com fumaça fuliginosa ou é de baixa temperatura ou está faltando oxigênio, ou ambos .

Por 10:29 a.m., o fogo na torre norte havia cumprido o feito que acho tão surpreendente: ele derreteu os suportes de aço do edifício, causando uma reação em cadeia dentro da estrutura que desabou o edifício.

E com menos combustível para alimentar o fogo, a torre sul desabou somente 47 minutos depois da colisão do avião e novamente com destruição completa. Isto é somente metade o tempo que levou para destruir a torre norte.

Tento não pensar sobre isto. Tento não pensar sobre o fogo do petróleo queimando por 104 minutos e apenas ficando cada vez mais quente até alcançar 1538 graus Celsius (2800 Fahrenheit) e derreter o aço [o aço é aproximadamente 99% ferro; e os pontos de derretimento do aço e do ferro podem ser visto aqui .

(ferramenta de conversão Celsius/Fahrenheit em )

Tento não pensar como o fogo alcançou temperaturas que apenas o oxigênio engarrafado ou ar forçado podem produzir. E tento não pensar sobre todo o aço que havia na construção: 200.000 toneladas dele.

Tento esquecer que o aquecimento do aço é como pingar xarope em uma placa: você não pode obter isto adiantado. O calor apenas flui para as partes mais frias, resfriando a parte que você está tentando aquecer. Se você pinga o suficiente e muito rapidamente, você consegue que o xarope se adiante um pouco. E com a chegada muito rápida do calor você pode aquecer uma parte do objeto de aço mas o calr muito rapidamente se espalhará e a parte quente resfriará logo depois que você parar.

Como posso acreditar que o fogo queimou por 104 minutos na torre norte, gradualmente aquecendo 200.000 toneladas de aço de suporte como uma forja de ferreiro, com o calor fluindo pelo esqueleto da torre? Se o colapso fosse devido ao aço aquecido, os especialistas seriam capazes de nos dizer quantas mil toneladas foram aquecidas para derreter o aço na temperatura do derrretimento em 104 minutos e quanto de combustível seria necessário para produzir tal calor. Um simples Boing 767 poderia transportar tanto combustível? Mas felizmente há uma nota na web page da BBC: “Fogo alcança 800 graus C – calor suficiente para derreter os suportes de aço dos pisos.” Isto é uma das coisas sobre as quais anteriormente lhe avisei: no século XX, o aço derretia a 1535 graus Celsius (2795 F) mas no século XXI, ele derrete a apenas 800 graus C (1472 F).

Isto pode ser explicado por um engano do repórter: 800 a 900 graus C é a temperatura de trabalhar o ferro. Mas macio como é, nunca poderia ser usado para aço estrutural em um arranha-céu, símbolo nacional.

Mas então mais abaixo, a página da BBC repete o número 800 graus C em negrito, e o artigo enfatiza que a informação veio de Chris Wise, “Engenheiro Estrutural.” Este indivíduo profissional se permitiria ser mau citado em uma publicação global?

Eduardo Kausel, um professor de engenharia civil e ambiental do M.I.T., falou como se segue a um painel na área de engenheiros estruturais e civis de Boston: “Acredito que o calor intenso amaciou ou derreteu os elementos estruturais – reforços de piso e colunas – assim eles se tornaram como goma de mascar e isto foi o bastante para desencadear o desabamento”. Kausel aparentemente está satisfeito que um fogo de querosene possa derreter aço – embora ele não se aventure a uma temperatura específica do fogo.

Estou sentindo isto vindo novamente, o horrível criticismo que me faz duvidar da palavra das maiores pessoas âncoras. Por favor, apenas pense sobre este ensaio como uma súplica por ajuda e não permita que isto interfira com sua justa fé. O colapso da Fé da América em seus líderes não deve sofrer uma outra baixa no horizonte americano. Em minha mente doente, penso nos pisos de cada torre como uma faixa de um disco LP (33-1/3 RPM), exceto que os pisos eram quadrados ao invés de circulares. Eles eram empilhados ao redor de um eixo central que consistia em múltiplas colunas de aço interceptadas por dúzias de poços de elevadores.

A forma externa das torres era quase que quadrada, mas o núcleo interno era mais retangular. As fotografias das fases iniciais da construção mostram como os nucleos internos retangulares foram orientados nos edifícios acabados. Nota-se que o núcleo da torre norte era alinhado leste-oeste, e a torre sul era alinhada norte-sul. Com o núcleo central suportando o peso do edifício, os discos eram ligados juntos e estabilizados por um outro conjunto de colunas de aço na borda externa, estreitamente destacadas e completamente rodeando a estrutura. Esta estrutura resultante era tão estável que o topo das torres oscilavam apenas três pés em alto vento. Os arquitwtos chamavam a isto de um projeto ‘de um tubo dentro de outro tubo” .

Os especialistas na TV nos disseram que as juntas entre os andares e as colunas centrais derreteram [ou os reforços dos pisos, ou as colunas centrais, ou as colunas exteriores, dependendo do especialista] e isto fez com que os pisos desabassem e caissem sobre os inferiores. Este piso inferior sobrecarregado, e dois deles cairam no piso abaixo então como dominós.

De volta a década de 1970, quando o WTC foi construído, o WTC era o edifício mais alto que já havia sido construído na história do mundo. Se considerarmos os engenheiros estruturais, fornecedores, construtores e inspetores municipais neste trabalho, podemos imaginar que eles tenham sido muito cuidadosos quanto a cada aspecto. Se um parafuso fosse calculado ser apropriado, você pode apostar que três ou quatro seriam usados. Se houvesse qualquer dúvida sobre a qualidade de uma viga mestra ou raio de aço, você pode estar certo que isto foi rejeitado. Afinal, qualquer falha atrairia a atenção de metade do mundo civilizado e nenhuma corporação desejava a reputação deste tipo de estupidez, particularmente se houvessem baixas.

Não sei as especificações exatas do ETC, mas conheço muitos comércios [e alguns onde tenho trabalhado] que um membro estrutural deve ser fisicamente capaz de sustentar três vezes a carga máxima que seria necessária. Segundo o Livro de Mão de Engenharia e Técnica de McNeese e Hoag, Prentice Hall, 3a. edição, de setembro de 1959: página 47 (Tabela) Fatores de Segurança em Vários Materiais, o fator mandatório da segurança para o aço estrutural é 600%. Isto é, uma estrutura de aço pode ser avaliada para uma carga de apenas um sexto de seu real limite teórico. Dado que em nenhum destes andares estava acontecendo uma venda por atacado de grandes pianos ou uma convenção de elefantes naquele dia, é improvável que qualquer um dos andares estivesse carregado ao máximo. Então, qualquer um dos pisos deveriam ter sido capazes de suportar mais do que o seu próprio peso mais o dois andares acima dele. Suspeito que o WTC tenha sido engenheirado para margens mais seguras do que as pontes médias de ferrovias, e que a carga real de cada piso era menos de um sexto de sua Força de Rotura. Os discos foram construídos por redes de suportes de aço. Os suportes radiais corriam pelo perímetro do piso para as colunas centrais e anéis concêntricos de suportes ligados a suportes radiais, formando um padrão como uma teia de aranha. Onde os suportes radiais se conectavam com as colunas centrais, imagino as juntas que se pareciam como grandes aros fixos onde as vigas mestras se encontravam em uma ponte – grampos de polegadas de espessura ligando os raios às colunas.

Para enfraquecer estas juntas, um incêndio teria que aquecer os aros ou grampos ao ponto onde eles se partissem do aço. Mas aqui está uma outra coisa que me dá problemas – todas as juntas entre os discos e as colunas centrais teriam que ser aquecidas na mesma taxa para desabarem ao mesmo tempo – e na mesma taxa, na medida em que as juntas com as colunas externas em todos os lados, senão um lado do disco cairia danificando o piso abaixo e tornando óbvias as distorções na pele da construção, ou atirando o topo da torre fora de equilíbrio e para um lado.

Mas não havia irregularidades na queda destes edifícios. Eles cairam quase que perfeitamente como um conjunto de cartas nas mãos de um mago fazem uma mistura aérea.

Isto é particularmente preocupante, já que o primeiro avião atingiu um lado da torre norte, causando [você pensaria] um enfraquecimento de um lado onde as colunas exteriores foram atingidas e um incêndio mais intenso de um lado que do outro. E o segundo avião atingiu perto do canto da torre sul emum ângulo que causou que muito combustível tenha sido jogado fora das janelas no lado adjacente.

Sim, a torre sul também desabou em perfeita simetria, espelindo poeira em todas as direções como um fogo de artifício de 4 de julho queimando no solo.

Esta simetria de descida é até mesmo mais notável na torre sul por causa que nos primeiros momentos do desabamento, os 20 andares superiores da torre sulse inclinaram para o sul. Sejam quais forem as irregularidades que fizeram a torre sul se inclinar, as imagens subsequentes mostram a torre caindo dentro de seu proprio fundamento. Não há relatos deste cubo de concreto e aço dos andares superiores caindo 1.000 pés sobre as construções abaixo.

O especialista em implosão Mark Loizeaux, presidente de Controlled Demolition, Inc. de Phoenix, MD, foi também enganado pela imagem. Tendo observado os desabamentos nos noticiários da televisão, Loizeaux disse que a torre sul, de 1.362 pés de altura caiu muito similarmente a uma árvore. Recente reassisti uma filmagem do desabamento da torre sul. Nesta tomada, os andares superiores descem como uma unidade completa, inclinada como mostrado na página da BBC, escorrengando para baixo por trás dos edifícios intervenientes como uma peça de um cenário. Esta cena é a mais intrigante de todas. Já que os andares superiores não foram desabados [a conexão entre as colunas centrais e os discos estavam intactas], esta reunião se apresentaria aos andares inferiores como um bloco de discos sem um buraco central. Como então um disco sem um buraco central escorregaria com ou outros discos? Onde iriam as colunas centrais se elas não podiam penetrar os andares superiores na medida em que os discos caiam?

Se o fogo derretesse as juntas dos andares de forma que o desabamento começou do 60o. andar para baixo, os andares superiores seriam deixados pendurados no ar, suportados apenas pelas colunas centrais. Esta situação logo se tornaria instável e os 30 andares mais altos ruiriam [para usar a imagem de Loizeaux] muito similar a queda dos 600 pés do topo de uma árvore de 1.300 pés.

Este modelo também se aplicaria a torre norte. Segundo a doutrina do dominó de Chris Wise, o colapso começou apenas no andar do incêndio, não na cobertura. Como foi que os andares superiores simplesmente desapareceram ao invés de esmagar a terra como um bloco de milhares de toneladas de concreto e aço?

Ao tentar reconstruir e entender este evento, precisamos saber se as cenas que estamos asistindo são editadas ou simplesmente mostram cruamente os fatos como foram gravados.

Mas vamos voltar nossa atenção ao incêndio. O combustível líquido não queima quente por tanto tempo. O combustível líquido e evapora ou ferve na medida em que queima, e o vapor queima na medida em que ferve. Se a temperatura ambiente passa de do ponto de fervura do combustível e o oxigênio é farto, o processo constrói uma explosão que consome o combustível.

O combustível de jato [querosene refinado] ferve a temperaturas acima de 160 graus Celsius (350 F) e o vapor queima em chamas a 41 graus Celsius (106 F). Em um ambiente de 1.500 graus F, o combustivel do jato pequeninamente nas paredes, pisos e tetos ferveria rapidamente. Se houvesse oxigênio suficiente, ele queimaria; caso contrário ele se dispersaria pelas janelas abertas e as chamas quando isto encontrasse o oxigênio em ar aberto – como provavelmente aconteceu nas imagens que mostravam chamas saindo das janelas. Alguns nova iorquinos que estavam a milhas de distância afirmaram que sentiram o cheiro do combustível, o que indicaria que os vapores de combustível estavam escapando sem serem queimados.

Note que o combustível de jato queimando externo ao edifício aqueceria as colunas externas, mas não aqueceriam significativamente as colunas centrais que sustentavam o peso. Seguindo este raciocínio, o fogo do combustível do jato não explica adequadamente a falha das colunas centrais.

Se o combustível queimasse gradualmente em uma temperatura abaixo do ponto de fervura do combustível de jato (360 C), ou queimado rapidamente acima do tempo de fervura do combustível de jato, em nenhum caso um edifício de escritórios cheio de combustível despejado de um jato sustentaria um fogo de 815 graus C (1500 F) por tempo suficiente para derreter 200.000 toneladas de aço. E certamente, os tapetes, papéis de parede, arquivos de documentos, escrivaninhas ocasionais – nada mais em um escritório estava em quantidade suficiente para produzir esta temperatura. O WTC não era uma madereira ou uma fábrica química. O que estava queimando?

OK, já que isto foi mencionado, eu também fiquei atônito com a quantidade de poeira de concreto. Nenhum concreto que eu conheça se pulveriza como este. Isto é enervante. Minha experiência com concreto tem mostrado que isto se esfarela sob stress, mas raramente faz isto em apenas desistir do fantasma e se transformar em pó. Mas olhe as imagens – realmente é uma poeira fina em grandes nuvens ondulantes se espalhando a centenas de pés da torre desabada. E as pessoas no solo vêem pouco mais do que uma parede opaca de poeira – com polegadas de poeira enchendo as ruas e os pulmões subsequentemente.

O que aconteceu aqui?

Preciso de uma injeção impulsionadora da fé. Gostaria de encontrar uma fotografia de todos estes discos empilhados no solo, exatamente como eles cairam – alguém viu algo assim? Foi-me dito que foi o peso cumulativo destes discos caindo um sobre o outro que causou o desabamento, mas não vejo os discos empilhados como panquecas a nível do solo.

Um amigo meu chamado Dr. Robert Schuller estava na televisão falando sua sua viagem às ruinas. E ele anunciou na entrevista que não havia um único bloco de concreto nos destroços. Das originais 425.000 jardas cúbicas de concreto que estavam nos edifícios, tudo era pó. Como isto aconteceu?

Tenho uma outra coisa para a qual preciso de ajuda – as colunas de aço no centro. Quando os discos cairam, estas colunas de aço centrais de um quarto de milha de altura, [ao menos do solo ao incêndio], devem ter sido deixadas de pé nuas e não apoiadas no ar, e então elas devem ter caido intactas ou em seções até o chão abaixo, golpeando edifícios a centenas de pés do local do WTC como gigantescas árvores caindo na floresta. Mas não tenho visto qualquer imagem mostrando estas colunas em pé, caindo, ou jazendo no chão. Nem tenho ouvido falar de qualquer dano causado por elas.

Agora sei que estes terroristas devem saber muito melhor estas coisas do que eu. Eu teria olhado seus planos kamikases com jatos comerciais e os rejeitaria como – embora espetaculares, mas não com danos significativos. O WTC nem mesmo era um alvo militar estratégico.

Mas se me fosse dado a designação de um terrorista sequestrador, eu tentaria atingir as torres bem baixo, nos suportes, para derruba-las, talvez aprisionando os trabalhadores de solo para cima, exatamente como as pessoas nas histórias principais do topo foram aprisionadas. Até mesmo os pilotos kamikases japoneses miravam a linha d’água. Mas você vê, estes terroristas estavam certos que o edifício desabaria magicamente deste modo; o piloto que atingiu a torre norte escolheu um ponto a apenas 20 andares do topo. E o kamikase para a torre sul foi apenas ligeiramente mais baixo, a despeito da linha do horizonte relativamente aberta a 25 ou 30 andares.

Os terroristas aparentemente previram o inteiro cenário – o incêndio do combustível, o vagaroso enfraquecimento da estrutura, e o desabamento horrível do edifício – fenômenos que os arquitetos de New York e os comitês de aprovação de engenharia civil nunca sonharam.

Até mesmo se você certamente odeie estes homens, tem que admirar seu gênio.

Poucos oficiais ou engenheiros tem sido surpreendidos por esta volta dos eventos – aparentemente todo mundo certificou isto para colisões por aviões, mas que ninguém ficou surpreso que ambas as colisões causassem terríveis catástrofes em ambas as torres. De fato, seus tartamudeios, murmúrios e circunlóquios fariam um político corar:

“Eventualmente, a perda de força e rigidez dos materiais resultantes do incêndio, combinados os dano inicial do impacto, teria causado uma falha do sistema de suporte de um andar,ou os remanescentes perímetros das colunas, ou até mesmo o núcleo interno, ou alguma combinação”.

Em uma centena de anos de edifícios altos na cidade, este tipo de desabamento nunca havia acontecido antes. Nunca. Não foi previsto por qualquer um dos especialistas envolvidos na construção das torres do WTC. Mas agora que isto aconteceu, todo mundo entende isto perfeitamente e ninguém está surpreso.

Será que esta engenharia civil do Terceiro Milênio é um caso galopante de retrospectiva perfeita?

Scientific American, a prestigiada revista científica da ciência de ponta observou:

“A despeito das preliminares divagações do painel sobre os mecanismos de falha responsáveis pela queda das torres gêmeas, a causa definitiva não foi ainda determinada. Relatadamente, a Fundação Nacional de Ciência tem custeado oito projetos de pesquisa para testar a catástrofe do WTC. A Sociedade Americana dos Engenheiros Civis está patrocinando vários estudos do local. Enquanto isso, o Instituto de Engenharia Estrutural da Sociedade Americana dos Engenheiros Estruturais tem criado uma equipe investigativa para analisar o desastre e aprender com a falha”.

Surpreendente: Ao menos dez estudos profissionais independentes de um incidente que cada profissional parece já ter entendido. Não obstante, a aparente falta de respostas e todos estes estudos que ainda não estão prontos, o parágrafo seguinte diz : “Como as Torres Caíram”, e o leitor é tratado com uma variedade de especulações, cada uma delas enviada como uma certeza que nenhuma explicação até mesmo seria seriamente desafiada.

Tenho encontrado apenas um especialista que admite candidamente sua surpresa. Este foi Mark Loizeaux, presidente da Controlled Demolition, Inc. de Phoenix, MD:

“Observando os desabamentos nos noticiários da televisão, Loizeaux diz que a torre sul de 1.362 pés de altura, que foi atingida aproximadamente no 60o. andar, cairia muito similarmente a uma árvore. Isto é o que era esperado, diz Loizeaux. Mas a torre norte de 1.368 pés de altura, similarmente atingida por volta do 90o. andar, “encurtou-se”, diz Loizeaux. Ela caiu verticalmente, ele acrescenta, muito mais do que cair acima. “Não tenho uma pista,” diz Loizeaux, a respeito da causa do encurtamento.

Houve somente um engenheiro altamente qualificado do Novo México que pensou que o desabamento só podia acontecer com a ajuda de explosivos de demolição, e ele foi tolo o suficiente para fazer esta declaração em público.

Romero é um antigo diretor de ‘Energetic Materials Research and Testing Center at Tech”, que estuda materiais explosivos e os efeitos das explosões em edifícios, aeronaves e outras estruturas. Romero disse que baseou sua opinião no video transmitido pelas redes de televisão. Romero disse que o desabamento das estruturas pareciam aqueles das implosões controladas utilizadas para demolir velhas estruturas.

“Seria difícil para algo como um avião desencadear um evento como este”, disse Romero em uma entrevista telefônica de Washington, D.C.

Romero disse que ele e um outro administrador da Tech estavam na área do metrô de Washington quando um avião atingiu o Pentágono. Ele disse que ele e Denny Peterson, vice presidente de administração e finanças, estavam a caminho de um edifício de escritórios perto do Pentágono para discutir programas de pesquisa custeados pela defesa na Tech.

“Se as explosões fizeram as torres desabarem, as detonações podiam ter sido causadas por uma pequena quantidade de explosivos”, ele disse.

“Podia ter sido uma quantidade realativamente pequena de explosivos em pontos estratégicos”, ele disse.

“Os explosivos provavelmente seriam colocados em mais de dois pontos de cada uma das torres”, ele disse.

Mas Romero revisou o que disse dez dias depois e admitiu que a coisa toda era perfeitamente natural e nada tinha de surpreendente. Fico a imaginar o que aconteceu naqueles dez dias para fazer com que ele se tornasse tão esperto sobre o assunto e tão rapidamente. A retratação agora é apresentada na web página do Albuquerque Journal.

E então, embora demonstrando como é normal este fenômeno de desabamento , os edifícios 6 e 7 do WTC desabaram também. Outros edifícios, incluindo o edifício Salomon Brothers de 47 andares [WTC 7] desabou mais tarde, enfraquecido pelos desabamentos anteriores e mais edifícios vizinhos podem ainda cair, dizem os engenheiros. Parece que nenhum edifício na área, a despeito do projeto, está imune à doença galopante do desabamento do WTC. Isto nunca aconteceu no século XX, mas é benvindo pelas leis físicas do universo do Terceiro Milênio.

Perdoe-me, mas esta recitação não tem me dado o alívio que esperava. Devo voltar ao trabalho.

Acredito no Presidente, na Bandeira e na Estátua da Liberdade. Acredito na honestidade do FBI e na humildade dos homens militares. Acredito que as pessoas âncoras das redes de notícias, que se esforçam para aprender a verdade, conhecer a verdade e contar a verdade para a América.

E acredito que os americanos sejam tão bem educados nas básicas leis de física discutidas acima que eles se levantariam em fúria se alguém tentasse aplicar um truque barato de Hollywood neles.

Eu acredito…. Algumas pessoas tem escrito para mim [ou comentado publicamente] que o desabamento do WTC foi um evento perfeitamente normal causado pelo calor do incêndio. Deixe-me recordar uns poucos detalhes à atenção do leitor antes de responder esta declaração.

Citando o engenheiro estructural Chris Wise, a web página da BBC afirmou que os suportes de aço no WTC alcançaram 1500 graus Fahrenheit e derreteram. Isto com certeza não está correto, e forneci um link para uma mapa de química online que mostra que o aço derrete mais perto de 2800 graus F.

Note que a declaração (que o aço do WTC derreteu) não é minha: A declaração veio da web página da BBC , citando Chris Wise, e de outros na televisão.

Os críticos tem ressaltado que o aço não derrete a 1500 F, mas amacia e perde sua força o bastante para fazer com que as torres desabassem. Somos pedidos para acreditar, como um australiano colocou isto, que a sustentação do aço se torna um licor quando aquecido pelo fogo. Corus Steel é uma corporação trans-nacional que comercializa o aço estrutural. Um gráfico na página deles mostra a força diminuída do aço quando ele é aquecido.

Note que o aço estrutural a 550 graus C (1022 F) tem 60% da força do aço em temperaturas normais. Este enfraquecimento do aço quando aquecido é supostamente responsável pelo desabamento catastrófico das Torres. A declaração gera três perguntas a serem respondidas para que se determine se este fenômeno pode causar o desabamento do WTC:

1. Quanta força o aço teria que perder para que o WTC desabasse?

2. Que temperatura o aço teria que alcançar para ocasionar esta perda de força?

3.Qual foi a temperatura do fogo [incêndio] no WTC; i.e., que foi alcançada para enfraquecer criticamente os edifícios?

Questão 1:

No artigo original citei minha própria experiência que um aparelho de apoio deve ser capaz de sustentar três vezes a carga máxima que pode ser aplicada.

Isto mostra que esta regra elementar é aplicável apenas a cargas dinâmicas, não estáticas [estruturais] dos edifícios comerciais. Desde então, tenho sido informado por um engenheiro estrutural comercial que a proporção padrão para cargas estáticas é cinco, não é três. Isto é, se uma ponte é cotada para carregar uma tonelada, ela deve ser capaz de sustentar cinco toneladas sem desabar, ao tempo que a ponte é construída.

Voltando ao incêndio no WTC, podemos ver que reduzindo a estrutura do aço a 60% sua força proporcinal não deve ser enfraquecida até o colapso catastrófico, porque 60% ainda é a sustentação triplicada da carga proporcional. A estrutura de aço teria que ser reduzida a 20% da força avaliada para desabar.

Portanto, até mesmo se o incêndio tivesse aquecido o aço a 550 graus C (1022 F), isto não teria sido suficiente para causar o desabamento das torres.

Questão 2:

A pagina da Corus sobre o fogo versus os suportes de aço, diz que estes teriam que ser aquecidos a aproximadamente 720 graus C (1320 F) para enfraquecer o aço a 20% de sua temperatura fria.

O texto nesta página discute uma outra mudança no aço acima de 550 graus C (1022 F): Ele perde a elasticidade e se torna plástico. A elasticidade significa que o aço é curvado, retorna a sua forma original e se liberta de volta. A plasticidade significa que o aço está permanentemente deformado e não salta de volta a forma original.

Se ele volta ou não, nossa principal preocupação com esta página é determinar o ponto no gráfico onde o aço seria enfraquecido a 20% de sua força original, e que aponta para 720 graus C (1320 F).

Para o aço, 550 graus C (1022 F) é um limiar importante, contudo, não devemos estar irrefletidamente com isto. Se uma torre de aço fosse aquecida a 550 C, a perda da elesticidade poderia significar que ela não voltasse a forma anterior depois do ataque do vento, e uma série de pancadas pode fazer com que a torre caia. Se a tensão excedeu a força reduzida do aço aquecido.

Questão 3:

Agora vamos fazer uma suposição no calor real do incêndio.

Afortunadamente, um número de estudos tem sido feitos sob condições muito similares. Na Europa, os estacionamentos em andares múltiplos são frequentemente construídos com aço, e a possibilidade de um veículo pegar fogo é uma possibilidade distinta. Um veículo estacionado, carregado com gasolina, diesel, pneus, óleo de motor, estofamento, fluido hidráulico etc pode causar um incêndio que parece muito quente, Um número de outros veículoss podem estar estacionados perto daquele que esteja queimando, e eles também podem ser incendiados, com uma conflagração geral. Qualquer número de carros pode conter quase qualquer item doméstico de compras etc.

Estes materiais são similares aos materiais que esperaríamos queimando nos escritórios do WTC: o combustivel do jato [que é querosene refinado] é muito similar ao diesel usado em alguns carros europeus, óleo, estofamento etc.

Presumidamente, um carro pode pegar fogo e inflamar outros carros estacionados perto. Como explicado acima, “as temperaturas máximas alcançadas [nos atuais testes de incêndio] em estacionamentos abertos em quatro países” foi 360 graus C (680 F), e o aço estrutural tem “suficiente resistência inerente para suportar os efeitos de qualquer incêndio que possa ocorrer.”

Aqui está um parágrafo relevante, completo: “os estacionamentos construídos de aço tem sido rigorosamente testados em alguns países (Tabela 3). Estes testes demonstram que a maioria do aço não protegido em estacionamentos abertos tem suficiente resistência inerente para suportar os efeitos de qualquer incêndio que ocorresse. A Tabela 3 lista as temperaturas máximas alcançadas nos testes em estacionamentos abertos em quatro países. Estes podem ser comparados com as caraterísticas temperaturas de falha nos pisos e colunas de 620 [graus] C e 550 [graus] C respectivamente.”

Note que a descrição não limita a duração do incêndio. Para tal, não parece ser matéria se o fogo queimou toda a semana ou apenas por duas horas. Nenhuma menção é feita como algumas pessoas tem sugerido [de interpretações errôneas de outros gráficos que envolvem tempo], que o calor prolongado traga o enfraquecimento progressivo do aço.

Aqui estão os dados da Tabela 3 :
Testes de incêndio em escala completa e temperatura máxima medida do aço
País Raio Coluna
Reino Unido 275 C (527 F) 360 C (680 F)
Japão 245 C (473 F) 242 C (467 F)
EUA 226 C (438 F) –
Austrália 340 C (644 F) 320 C (608 F)

Um incêndio em um estacionamento é um evento muito impreciso e o aquecimento dos suportes de aço variaram amplamente nos testes. A temperatura dos raios horizontais variaram de 226 C nos EUA a 340 C na Austrália; e a temperatura das colunas verticais variaram de 242 C no Japão a 600 C no Reino Unido. Nenhum aço foi protegido com insulação térmica, que é geralmente usada nos edifícios de escritórios, incluindo o WTC.

Para minha mente, esta é a resposta definitiva: a temperatura dos suportes de aço não protegidos naqueles testes de incêndio foi 360 graus C (680 F), e há um longo caminho do primeiro limiar crítico no aço estrutural, 550 graus C (1022 F).

Alguns podem argumentar que havia combustível demais envolvido nos eventos do WTC, que foram muito maiores do que em um estacionamento. Há também muito mais aço envolvido, as colunas de suporte eram mais maciças e eram protegidas por insulação. Peso que este caso esteja completo: o incêndio não enfraqueceu suficientemente a estrutura do WTC para causar o desabamento das torres.

Published in: on julho 6, 2008 at 12:14 pm  Deixe um comentário  
Tags: ,

Consequências Mortais do Eco-imperialismo

AS Consequências Mortais do Eco-imperialismo

de Steven Milloy
Ciencia espúria de Fox New
Dezembro de 2003

A burocracia do aquecimento global da ONU está se encontrando [de férias?] em Milão, nesta semana, para ponderar como reviver o problemático tratado internacional do aquecimento global, conhecido como Protocolo de Quioto. Esta semana os noticiários trouxeram que a Rússia pode dizer “não” ao tratado todo e selar sua condenação.

“Um certo número de perguntas tem sido apresentadas sobre a ligação entre o dióxido de carbono e a mudança climática que não parece ser convincente e claramente estabelece sérias quebras no crescimento econômico que não parecem ser justificadas”, disse um auxiliar do Presidente russo Vladimir Putin.

As desvantagens científicas e econômicas são excelentes razões para rejeitar isto. Uma outra razão que não é mencionada muito frequentemente, contudo, está exposta de modo compelente por Paul Driessen em seu novo livro, “Eco-imperialismo: O Poder Verde e a Morte Negra.”

Driessen, um companheiro fellow da Fundação de Pesquisa Econômica Atlas e um antigo membro do Sierra Club e Crescimento Zero da População, revela como é ideológico o movimento ambiental – essencialmente composto por americanos e europeus ricos e de tendência esquerdista – quer impor suas opiniões a bilhões de latino americanos, asiáticos e africanos pobres.

O Eco-imperialismo viola os mais básicos direitos humanos destas pessoas, sustenta Driessen, e nega a elas oportunidades econômicas, a chance de vidas melhores e o direito de livrar seus países de doenças que já foram derrotadas a muito tempo atrás nos EUA e na Europa.

O ator de Hollywood e eco-imperialista Ed Begley, Jr., por exemplo, prega que “as duas formas mais abundantes de energia na Terra são a energia solar e eólica. Isto é muito mais barato para todo mundo na Africa ter a eletricidade da qual precisam, em suas cabanas”.

Drissen ressalta, todavia, que enquanto os painéis solares seriam um melhor melhoramento das condições atuais em muitas áreas do Terceiro Mundo, eles são muito similares a um band-aid para desenvolver a deficiência crítica elétrica mundial.

“Elas não podem possivelmente fornecer energia suficiente para qualquer coisa mais que as necessidades básicas, e a eletricidade fotovoltaica de grande escala é muito mais cara do que aquela produzida por carvão, gás natural, fábricas nucleares e usinas hidrelétricas. A energia eólica tem as mesmas deficiências. Para os paises empobrecidos onde uns poucos tem acesso a eletricidade, estas não são considerações vazias”, escreve Driessen.

O movimento ambiental “tem repetidamente usado a alegada ameaça de uma eco-catástrofe global – isto é, o aquecimento global -, para superar os desejos das pessoas que mais desesperadamente precisam de energia e progresso”, ele acrescenta.

Na província hindu de Gujarat, um projeto de represa foi parado por eco-ativistas que pressionaram as agências internacionais de empréstimo para retirar o apoio financeiro. A represa tinha que ser parada porque “ao mudar o caminho do rio, mataria pequenas criaturas ao longo de seus bancos e desarragairia um povo tribal na área”, disse uma eco-ativista orgulhosamente enfatizada.

“O povo local tribal, contudo, não pareceu apreciar a intervenção dela,” oferece Driessan. “Um residente zangadamente chamou o trabalho dos ativistas de crime contra a humanidade, porque o projeto teria fornecido eletricidade para 5.000 vilas; energia renovável de baixo custo para indústrias e usinas de tratamento de esgoto; irrigação para as plantações, a água potável para 35 milhões de pessoas.”

O livro de Driessen não está limitado ao aquecimento global e os problemas de energia do Terceiro Mundo. O capítulo “Mosquitos Sustentáveis – Pessoais Descartáveis”, descreve a tragédia em andamento da cruzada eco-ativista contra o DDT.

“Nosa família e comunidade está sofrendo e morrendo de malária, e europeus e ambientalistas demais só falam em proteger o ambiente”, diz uma mulher de negócios de 34 anos em Uganda, com malária. “Mas e quanto as pessoas? Os mosquitos estão por todos os lugares. Você pensa que está seguro e não está. Europeus e Americanos podem se proteger da malária e pesticidas. Mas nós não podemos”, ela acrescentou.

A mulher ugandense é apenas uma de mais de 300 milhões de vítimas anuais de malária no Terceiro Mundo. Entre 2 a 3 milhões morrem a cada ano. “Mais da metade das vítimas são crianças, que morrem a taxa de duas por minuto ou 3.000 por dia – o equivalente a 80 onibus escolares completamente lotados caindo de um penhasco a cada dia do ano”, explica Driessen.

A despeito da história de terror para a saúde em andamento, o Programa Ambiental da ONU, Banco Mundial, Greenpeace, Rede de Ação Pesticida, Fundo Mundial da Vida Selvagem, Médicos pela Responsabilidade Social e outros grupos eco-imperalistas se opõem ao uso do DDT – a única solução prática para a crise da malária. A atitude perturbadora dos eco-imperialistas em relação ao Terceiro Mundo talvez seja ainda mais assustadora como descrito por Robert S. Desowitz em um livro imperdível, “The Malaria Capers,” (W.W. Norton, 1991).

Desowitz relata que um funcionário da Agência dos EUA para Desenvolvimento Internacional chamado Edwin Cohn como tendo dito, “O Terceiro Mundo não necessitou de uma força de trabalho saudável porque há um excesso de tralhadores; é melhor que algumas pessoas fiquem doentes com a malária e dissemine as oportunidades de trabalho ao redor.”. Até mesmo mais bruscamente, Cohn relatadamente disse que as pessoas no Terceiro Mundo eram melhor mortas do que vivas e se reproduzindo tumultuadamente.”

Não deve haver dúvida, então, sobre o sub-título o eco-imperialismo: Poder Verde de fato significa Morte Negra.

Steven Milloy é o publicante de JunkScience.com, um erudito adjunto do Instituto Cato e autor de “Junk Science Judo: Self-defense Against Health Scares and Scams” (Cato Institute, 2001).

“O movimento ambiental que ajudei a fundar tem perdido sua objetividade, moralidade e humanidade. A dor e o sofrimento que isto está inflingindo a famílias nos países em desenvolvimento não devem mais ser tolerados por muito tempo. Este é o primeiro livro que tenho visto que conta a verdade e permanece na linha. é muito importante que ele seja lido por qualquer um que se importa com as pessoas e o progresso em nosso planeta.” – Patrick Moore, Greenpeace co-fundador

“Paul Driessen tem nos dado uma surpreendente força. Ele explora um dos problemas mais complexos de hoje: a demanda rica sensitiva ambientalmente exigindo que os pobres do Terceiro Mundo se auto alimentem, resolvendo seus problemas de saúde, e tomando seu lugar de direito entre os povos prósperos da Terra. O Eco-imperialismo fornece uma munição intelectual aterrorizante e é claramente escrita. É muito absorvente de se ler”. – Rabbi Daniel Lapin, Toward Tradition

“Os países em desenvolvimento precisam se libertar para tomar suas próprias decisões de como melhorar as vidas de seu povo. Os ativistas que nunca tiveram que se preocupar sobre inanição, malária e simples sobrevivência não tem direito de impor seus medos, preconceitos e ideologias aos pobres do mundo. Esta é a mensagem central deste livro. É uma mensagem que precisa ser amplamente disseminada”. – CS Prakash, Professor of plant genetics, Tuskegee University

“Tem chegado o tempo de manter estes radicais nos padrões civilizados de comportamento, acabar com a tolerância de suas políticas letais, e exigir que eles sejam responsabilizados pelos excessos deles, e a pobreza, doença e morte que eles tem inflingido aos pobres e indefesos. O eco-imperialismo é um começo excelente. Driessen faz um trabalho de mestre ao desnudar o manto de virtude dos radicais, dissecando suas falsas afirmações e exigindo deles os padrões morais e éticos que eles há muito tem exigido de todo mundo, exceto eles próprios. E ele faz isto com humor, ultraje e paixão. E sempre sem despedaçar quaisquer murros. Cada cidadão preocupado e fazedor de política deve ler este livro. Os ambientalistas o odiarão. As massas destituídas do mundo o amarão. E todo mundo será desafiado por ele a reeexaminar suas crenças e as afirmações da instiuição ambiental.” – Niger Innis, National Spokesman, Congress of Racial Equality (de sua introdução ao Eco-Imperialismo)

“Paul Driessen forçadamente faz o caso que o movimento ambientalista tem sido desnecessariamente anti-humano. O real desafio moral e técnico é salvar tanto o planea quanto as pessoas, e nos tem sido dados talentos intelectuais e societários para fazer isto. Esperançosamente, com o aumento da população mundial agora terminando, nós seremos livres para novamente sermos humanos” – Dennis Avery, Hudson Institute, autor de Saving the Planet With Pesticides and Plastic

“O mundo em desenvolvimento está se desenvolvendo! Como um sul-africano vivendo e trabalhando na África do Sul, vejo a cada dia a interação entre entre os negócios corporativos internacionais, modernos e avançados e o mundo do povo transicional rural se movendo para o desenvolvimento de uma existência em uma cabana de grama. Este processo é complexo e algumas pessoas do Primeiro Mundo estão propagando suas próprias agendas extremamente pessoais para ‘salvar o mundo’ frequentemente causando mais dano as economias em desenvolvimento do que uma sociedade que genuinamente se importa entende. Paul Driessen tem feito um trabalho soberbo de ver a imagem do nosso lado do oceano. Um país em desenvolvimento não precisa da opressão ideológica do Primeiro Mundo. Ele precisa se desenvolver na direção de suas próprias metas por meios de seu auto-respeito. Driessen deixa isto claro, com fatos e imagens temperadas de paixão e humor.” – Kelvin Kemm PhD, CEO: Stratek Business Strategy Consultants, Pretoria, South Africa.

“O Eco-Imperialismo: Poder Verde – Morte Negra é uma crítica sem barreiras ao que o autor chama de ‘ambientalismo ideologico”. Mas diferente dos outros livros, este livro desafia os eco-ativistas no que agora tem sido a fonte primária da força deles: a clara avaliação que eles representam tudo que é nobre, ético, socialmente responsável e sustentável, como até mesmo ordenado por Deus. Raramente poupando palavras Driessen demonstra que “longe de ser moral” as radicais políticas verdes, os princípios de táticas de pressão que perpetuam a pobreza, a miséria, a doença e a morte prematura de centenas de milhões de pessoas.” – Alan Caruba, National Anxiety Center, autor de Warning Signs

“Exatamente como os grupos ambientais tem bloqueado a apropriada diminuição das florestas e contribuído para os incêndios devastadores na Califórnia, os grupos também tem desempenhado um papel dominante em negar acesso aos instrumentos básicos de proteger e melhorar as vidas das pessoas mais pobres do mundo nos países em desenvolvimento. A cumplicidade e as consequências devastadoras das ações ambientais das ONGs são clara e precisamente documentadas no livro de Paul Driessen. Driessen está absolutamente correto em sua avaliação que as ações dos grupos ambientais não são submetidas a qualquer padrão de acurácia científica, comportamento ético, lei e governo. Os grupos ambientais tomam seu modelo de ação social/politico do modo do ativismo ambiental das décadas de 1960 e 1970, quando as afirmações mais selvagens de dano ambiental eram aceitas sem análise crítica. Esta abordagem do ativismo ambiental aborda grandes mudanças. Algumas são boas, mas outras estão devastadoramente erradas. A história do DDT é um exemplo de ativismo ambiental levado a consequências extremas e horríveis. O modelo do ativismo ambiental consiste em fabricações, uso seletivo ou claro mau uso da ciência, das ações legais, a intimidação dos cientistas e das corporações, a desobediência civil e uma convicção absoluta que todos os métodos encobertos e não éticos, política eram justificados para obter o bem maior. O mesmo modelo é usado hoje até mesmo na medida em que as consequências terríveis das ações ambientais se tornam crescentemente aparentes. Driessen está correto. Já é tempo que as organizações ambientais tenham que manter padrões já exigidos das corporações não lucrativas; que são conduta ética, respeito pela acurácia científica, responsabilidade e transparência.” – Donald R. Roberts, PhD, professor de saúde pública tropical.

“Driessen clara e talentosamente mostra como muitas afirmações falsas dos verdes se tornam política de governo no Primeiro Mundo. Em essência, a mensagem do eco-imperialismo é: é tempo que os negócios parem de estar tão atemorizados do extremismo verde que eles sentem como ser-mais-verde-que- você, e pedir desculpas por fazer negócios. Os negócios devem ser socialmente responsáveis e sob nenhuma circunstância deve ter uma atitude de quem não importa com o ambiente. Mas isto não pode ser a paranóia extrema entre o público, e Driessen claramente diz que os governos do Primeiro Mundo e diretorias de companhias não podem sacrificar vidas negras no interesse de promover uma correta imagem verde.” – Green & Gold Forum, Pretoria, South Africa

Published in: on julho 5, 2008 at 2:35 pm  Deixe um comentário  
Tags: , ,