mais sobre 11 de setembro

Muçulmanos Supendem as Leis da Física!

de J. McMichael

Algumas das fontes tem falecido desde que este artigo original foi publicado em 21 de outubro de 2001. Onde pude encontrar substitutos eu os tenho indicado com a palavra “ou” e uma referência a uma cópia alternativa. Esta revisão foi publicada em 25 de novembro de 2001.

Tentei ser patriota. Tentei acreditar. Observei estes edifícios de um quarto de milha de altura cairem por suas catástrofes vezes seguidas. Ouvi o anunciante e os especialistas explicarem o que havia acontecido. E trabalhei minha lamentável falta de fé, batendo em meu crânio com o controle remoto e olhando fixamente as imagens na tela da TV.

Mas como sou um pobre camponês mental, não pude escapar dos ensinamentos de meus ancestrais. Temo estar preso em meu tempo, emparedado no anterior entendimento científico por minha inabilidade de abandonar o estado mental do segundo milênio.

Mas é o suficiente sobre mim. Vamos nos mover para a Ciência e Tecnologia do Século XXI. Aqueles de vocês que não podem acreditar, devem ler a verdade oficial pela rota adotada e talvez vocês serão capazes de ocultarem a própria ignorância.

Aqui estão os ossos nus do incidente do WTC:

A Torre Norte foi atingida às 8:45 a.m. do norte aproximadamente no 93o. andar e desabou por volta das 10:29 a.m.
A Torre Sul foi atingida às 9:03 a.m. do sul por volta do 80o. andar e desabou ás 9:50 a.m.;

O fato de usar combustível de jato para derreter o aço é uma descoberta surpreendente, realmente. É também surpreendente que até agora ninguém tenha sido capaz de fazer isto funcionar e isto prova que os terroristas não eram pessoas estúpidas. Os trabalhadores do ferro lutam com tochas de acetileno, oxigênio engarrafado, arcos eletrônicos de geradores, fornalhas elétricas e outros truques elaborados, mas o que estes brilhantes terroristas usam? Combustível de jato, que custa aproximadamente 80 centavos o galão no mercado aberto.

Vamos considerar: Um avião cheio de combustível de jato atinge a torre norte as 8:45 a.m., e o fogo do combustível queima por um tempo com chamas brilhantes e fumaça negra. Podemos ver as fotografias da fumaça branca e as chamas saindo das janelas.

Então por volta das 9:03 a.m. (que é o tempo que foi marcado para a colisão do segundo avião com a torre sul), a chama estava em sua maioria apagada e apenas fumaça negra saia do edifício. Para minha mente simples, isto indicaria que a primeira chama tinha morrido, mas algo ainda estava queimando ineficientemente, deixando fuligem [carbono] na fumaça. Um fogo com fumaça fuliginosa ou é de baixa temperatura ou está faltando oxigênio, ou ambos .

Por 10:29 a.m., o fogo na torre norte havia cumprido o feito que acho tão surpreendente: ele derreteu os suportes de aço do edifício, causando uma reação em cadeia dentro da estrutura que desabou o edifício.

E com menos combustível para alimentar o fogo, a torre sul desabou somente 47 minutos depois da colisão do avião e novamente com destruição completa. Isto é somente metade o tempo que levou para destruir a torre norte.

Tento não pensar sobre isto. Tento não pensar sobre o fogo do petróleo queimando por 104 minutos e apenas ficando cada vez mais quente até alcançar 1538 graus Celsius (2800 Fahrenheit) e derreter o aço [o aço é aproximadamente 99% ferro; e os pontos de derretimento do aço e do ferro podem ser visto aqui .

(ferramenta de conversão Celsius/Fahrenheit em )

Tento não pensar como o fogo alcançou temperaturas que apenas o oxigênio engarrafado ou ar forçado podem produzir. E tento não pensar sobre todo o aço que havia na construção: 200.000 toneladas dele.

Tento esquecer que o aquecimento do aço é como pingar xarope em uma placa: você não pode obter isto adiantado. O calor apenas flui para as partes mais frias, resfriando a parte que você está tentando aquecer. Se você pinga o suficiente e muito rapidamente, você consegue que o xarope se adiante um pouco. E com a chegada muito rápida do calor você pode aquecer uma parte do objeto de aço mas o calr muito rapidamente se espalhará e a parte quente resfriará logo depois que você parar.

Como posso acreditar que o fogo queimou por 104 minutos na torre norte, gradualmente aquecendo 200.000 toneladas de aço de suporte como uma forja de ferreiro, com o calor fluindo pelo esqueleto da torre? Se o colapso fosse devido ao aço aquecido, os especialistas seriam capazes de nos dizer quantas mil toneladas foram aquecidas para derreter o aço na temperatura do derrretimento em 104 minutos e quanto de combustível seria necessário para produzir tal calor. Um simples Boing 767 poderia transportar tanto combustível? Mas felizmente há uma nota na web page da BBC: “Fogo alcança 800 graus C – calor suficiente para derreter os suportes de aço dos pisos.” Isto é uma das coisas sobre as quais anteriormente lhe avisei: no século XX, o aço derretia a 1535 graus Celsius (2795 F) mas no século XXI, ele derrete a apenas 800 graus C (1472 F).

Isto pode ser explicado por um engano do repórter: 800 a 900 graus C é a temperatura de trabalhar o ferro. Mas macio como é, nunca poderia ser usado para aço estrutural em um arranha-céu, símbolo nacional.

Mas então mais abaixo, a página da BBC repete o número 800 graus C em negrito, e o artigo enfatiza que a informação veio de Chris Wise, “Engenheiro Estrutural.” Este indivíduo profissional se permitiria ser mau citado em uma publicação global?

Eduardo Kausel, um professor de engenharia civil e ambiental do M.I.T., falou como se segue a um painel na área de engenheiros estruturais e civis de Boston: “Acredito que o calor intenso amaciou ou derreteu os elementos estruturais – reforços de piso e colunas – assim eles se tornaram como goma de mascar e isto foi o bastante para desencadear o desabamento”. Kausel aparentemente está satisfeito que um fogo de querosene possa derreter aço – embora ele não se aventure a uma temperatura específica do fogo.

Estou sentindo isto vindo novamente, o horrível criticismo que me faz duvidar da palavra das maiores pessoas âncoras. Por favor, apenas pense sobre este ensaio como uma súplica por ajuda e não permita que isto interfira com sua justa fé. O colapso da Fé da América em seus líderes não deve sofrer uma outra baixa no horizonte americano. Em minha mente doente, penso nos pisos de cada torre como uma faixa de um disco LP (33-1/3 RPM), exceto que os pisos eram quadrados ao invés de circulares. Eles eram empilhados ao redor de um eixo central que consistia em múltiplas colunas de aço interceptadas por dúzias de poços de elevadores.

A forma externa das torres era quase que quadrada, mas o núcleo interno era mais retangular. As fotografias das fases iniciais da construção mostram como os nucleos internos retangulares foram orientados nos edifícios acabados. Nota-se que o núcleo da torre norte era alinhado leste-oeste, e a torre sul era alinhada norte-sul. Com o núcleo central suportando o peso do edifício, os discos eram ligados juntos e estabilizados por um outro conjunto de colunas de aço na borda externa, estreitamente destacadas e completamente rodeando a estrutura. Esta estrutura resultante era tão estável que o topo das torres oscilavam apenas três pés em alto vento. Os arquitwtos chamavam a isto de um projeto ‘de um tubo dentro de outro tubo” .

Os especialistas na TV nos disseram que as juntas entre os andares e as colunas centrais derreteram [ou os reforços dos pisos, ou as colunas centrais, ou as colunas exteriores, dependendo do especialista] e isto fez com que os pisos desabassem e caissem sobre os inferiores. Este piso inferior sobrecarregado, e dois deles cairam no piso abaixo então como dominós.

De volta a década de 1970, quando o WTC foi construído, o WTC era o edifício mais alto que já havia sido construído na história do mundo. Se considerarmos os engenheiros estruturais, fornecedores, construtores e inspetores municipais neste trabalho, podemos imaginar que eles tenham sido muito cuidadosos quanto a cada aspecto. Se um parafuso fosse calculado ser apropriado, você pode apostar que três ou quatro seriam usados. Se houvesse qualquer dúvida sobre a qualidade de uma viga mestra ou raio de aço, você pode estar certo que isto foi rejeitado. Afinal, qualquer falha atrairia a atenção de metade do mundo civilizado e nenhuma corporação desejava a reputação deste tipo de estupidez, particularmente se houvessem baixas.

Não sei as especificações exatas do ETC, mas conheço muitos comércios [e alguns onde tenho trabalhado] que um membro estrutural deve ser fisicamente capaz de sustentar três vezes a carga máxima que seria necessária. Segundo o Livro de Mão de Engenharia e Técnica de McNeese e Hoag, Prentice Hall, 3a. edição, de setembro de 1959: página 47 (Tabela) Fatores de Segurança em Vários Materiais, o fator mandatório da segurança para o aço estrutural é 600%. Isto é, uma estrutura de aço pode ser avaliada para uma carga de apenas um sexto de seu real limite teórico. Dado que em nenhum destes andares estava acontecendo uma venda por atacado de grandes pianos ou uma convenção de elefantes naquele dia, é improvável que qualquer um dos andares estivesse carregado ao máximo. Então, qualquer um dos pisos deveriam ter sido capazes de suportar mais do que o seu próprio peso mais o dois andares acima dele. Suspeito que o WTC tenha sido engenheirado para margens mais seguras do que as pontes médias de ferrovias, e que a carga real de cada piso era menos de um sexto de sua Força de Rotura. Os discos foram construídos por redes de suportes de aço. Os suportes radiais corriam pelo perímetro do piso para as colunas centrais e anéis concêntricos de suportes ligados a suportes radiais, formando um padrão como uma teia de aranha. Onde os suportes radiais se conectavam com as colunas centrais, imagino as juntas que se pareciam como grandes aros fixos onde as vigas mestras se encontravam em uma ponte – grampos de polegadas de espessura ligando os raios às colunas.

Para enfraquecer estas juntas, um incêndio teria que aquecer os aros ou grampos ao ponto onde eles se partissem do aço. Mas aqui está uma outra coisa que me dá problemas – todas as juntas entre os discos e as colunas centrais teriam que ser aquecidas na mesma taxa para desabarem ao mesmo tempo – e na mesma taxa, na medida em que as juntas com as colunas externas em todos os lados, senão um lado do disco cairia danificando o piso abaixo e tornando óbvias as distorções na pele da construção, ou atirando o topo da torre fora de equilíbrio e para um lado.

Mas não havia irregularidades na queda destes edifícios. Eles cairam quase que perfeitamente como um conjunto de cartas nas mãos de um mago fazem uma mistura aérea.

Isto é particularmente preocupante, já que o primeiro avião atingiu um lado da torre norte, causando [você pensaria] um enfraquecimento de um lado onde as colunas exteriores foram atingidas e um incêndio mais intenso de um lado que do outro. E o segundo avião atingiu perto do canto da torre sul emum ângulo que causou que muito combustível tenha sido jogado fora das janelas no lado adjacente.

Sim, a torre sul também desabou em perfeita simetria, espelindo poeira em todas as direções como um fogo de artifício de 4 de julho queimando no solo.

Esta simetria de descida é até mesmo mais notável na torre sul por causa que nos primeiros momentos do desabamento, os 20 andares superiores da torre sulse inclinaram para o sul. Sejam quais forem as irregularidades que fizeram a torre sul se inclinar, as imagens subsequentes mostram a torre caindo dentro de seu proprio fundamento. Não há relatos deste cubo de concreto e aço dos andares superiores caindo 1.000 pés sobre as construções abaixo.

O especialista em implosão Mark Loizeaux, presidente de Controlled Demolition, Inc. de Phoenix, MD, foi também enganado pela imagem. Tendo observado os desabamentos nos noticiários da televisão, Loizeaux disse que a torre sul, de 1.362 pés de altura caiu muito similarmente a uma árvore. Recente reassisti uma filmagem do desabamento da torre sul. Nesta tomada, os andares superiores descem como uma unidade completa, inclinada como mostrado na página da BBC, escorrengando para baixo por trás dos edifícios intervenientes como uma peça de um cenário. Esta cena é a mais intrigante de todas. Já que os andares superiores não foram desabados [a conexão entre as colunas centrais e os discos estavam intactas], esta reunião se apresentaria aos andares inferiores como um bloco de discos sem um buraco central. Como então um disco sem um buraco central escorregaria com ou outros discos? Onde iriam as colunas centrais se elas não podiam penetrar os andares superiores na medida em que os discos caiam?

Se o fogo derretesse as juntas dos andares de forma que o desabamento começou do 60o. andar para baixo, os andares superiores seriam deixados pendurados no ar, suportados apenas pelas colunas centrais. Esta situação logo se tornaria instável e os 30 andares mais altos ruiriam [para usar a imagem de Loizeaux] muito similar a queda dos 600 pés do topo de uma árvore de 1.300 pés.

Este modelo também se aplicaria a torre norte. Segundo a doutrina do dominó de Chris Wise, o colapso começou apenas no andar do incêndio, não na cobertura. Como foi que os andares superiores simplesmente desapareceram ao invés de esmagar a terra como um bloco de milhares de toneladas de concreto e aço?

Ao tentar reconstruir e entender este evento, precisamos saber se as cenas que estamos asistindo são editadas ou simplesmente mostram cruamente os fatos como foram gravados.

Mas vamos voltar nossa atenção ao incêndio. O combustível líquido não queima quente por tanto tempo. O combustível líquido e evapora ou ferve na medida em que queima, e o vapor queima na medida em que ferve. Se a temperatura ambiente passa de do ponto de fervura do combustível e o oxigênio é farto, o processo constrói uma explosão que consome o combustível.

O combustível de jato [querosene refinado] ferve a temperaturas acima de 160 graus Celsius (350 F) e o vapor queima em chamas a 41 graus Celsius (106 F). Em um ambiente de 1.500 graus F, o combustivel do jato pequeninamente nas paredes, pisos e tetos ferveria rapidamente. Se houvesse oxigênio suficiente, ele queimaria; caso contrário ele se dispersaria pelas janelas abertas e as chamas quando isto encontrasse o oxigênio em ar aberto – como provavelmente aconteceu nas imagens que mostravam chamas saindo das janelas. Alguns nova iorquinos que estavam a milhas de distância afirmaram que sentiram o cheiro do combustível, o que indicaria que os vapores de combustível estavam escapando sem serem queimados.

Note que o combustível de jato queimando externo ao edifício aqueceria as colunas externas, mas não aqueceriam significativamente as colunas centrais que sustentavam o peso. Seguindo este raciocínio, o fogo do combustível do jato não explica adequadamente a falha das colunas centrais.

Se o combustível queimasse gradualmente em uma temperatura abaixo do ponto de fervura do combustível de jato (360 C), ou queimado rapidamente acima do tempo de fervura do combustível de jato, em nenhum caso um edifício de escritórios cheio de combustível despejado de um jato sustentaria um fogo de 815 graus C (1500 F) por tempo suficiente para derreter 200.000 toneladas de aço. E certamente, os tapetes, papéis de parede, arquivos de documentos, escrivaninhas ocasionais – nada mais em um escritório estava em quantidade suficiente para produzir esta temperatura. O WTC não era uma madereira ou uma fábrica química. O que estava queimando?

OK, já que isto foi mencionado, eu também fiquei atônito com a quantidade de poeira de concreto. Nenhum concreto que eu conheça se pulveriza como este. Isto é enervante. Minha experiência com concreto tem mostrado que isto se esfarela sob stress, mas raramente faz isto em apenas desistir do fantasma e se transformar em pó. Mas olhe as imagens – realmente é uma poeira fina em grandes nuvens ondulantes se espalhando a centenas de pés da torre desabada. E as pessoas no solo vêem pouco mais do que uma parede opaca de poeira – com polegadas de poeira enchendo as ruas e os pulmões subsequentemente.

O que aconteceu aqui?

Preciso de uma injeção impulsionadora da fé. Gostaria de encontrar uma fotografia de todos estes discos empilhados no solo, exatamente como eles cairam – alguém viu algo assim? Foi-me dito que foi o peso cumulativo destes discos caindo um sobre o outro que causou o desabamento, mas não vejo os discos empilhados como panquecas a nível do solo.

Um amigo meu chamado Dr. Robert Schuller estava na televisão falando sua sua viagem às ruinas. E ele anunciou na entrevista que não havia um único bloco de concreto nos destroços. Das originais 425.000 jardas cúbicas de concreto que estavam nos edifícios, tudo era pó. Como isto aconteceu?

Tenho uma outra coisa para a qual preciso de ajuda – as colunas de aço no centro. Quando os discos cairam, estas colunas de aço centrais de um quarto de milha de altura, [ao menos do solo ao incêndio], devem ter sido deixadas de pé nuas e não apoiadas no ar, e então elas devem ter caido intactas ou em seções até o chão abaixo, golpeando edifícios a centenas de pés do local do WTC como gigantescas árvores caindo na floresta. Mas não tenho visto qualquer imagem mostrando estas colunas em pé, caindo, ou jazendo no chão. Nem tenho ouvido falar de qualquer dano causado por elas.

Agora sei que estes terroristas devem saber muito melhor estas coisas do que eu. Eu teria olhado seus planos kamikases com jatos comerciais e os rejeitaria como – embora espetaculares, mas não com danos significativos. O WTC nem mesmo era um alvo militar estratégico.

Mas se me fosse dado a designação de um terrorista sequestrador, eu tentaria atingir as torres bem baixo, nos suportes, para derruba-las, talvez aprisionando os trabalhadores de solo para cima, exatamente como as pessoas nas histórias principais do topo foram aprisionadas. Até mesmo os pilotos kamikases japoneses miravam a linha d’água. Mas você vê, estes terroristas estavam certos que o edifício desabaria magicamente deste modo; o piloto que atingiu a torre norte escolheu um ponto a apenas 20 andares do topo. E o kamikase para a torre sul foi apenas ligeiramente mais baixo, a despeito da linha do horizonte relativamente aberta a 25 ou 30 andares.

Os terroristas aparentemente previram o inteiro cenário – o incêndio do combustível, o vagaroso enfraquecimento da estrutura, e o desabamento horrível do edifício – fenômenos que os arquitetos de New York e os comitês de aprovação de engenharia civil nunca sonharam.

Até mesmo se você certamente odeie estes homens, tem que admirar seu gênio.

Poucos oficiais ou engenheiros tem sido surpreendidos por esta volta dos eventos – aparentemente todo mundo certificou isto para colisões por aviões, mas que ninguém ficou surpreso que ambas as colisões causassem terríveis catástrofes em ambas as torres. De fato, seus tartamudeios, murmúrios e circunlóquios fariam um político corar:

“Eventualmente, a perda de força e rigidez dos materiais resultantes do incêndio, combinados os dano inicial do impacto, teria causado uma falha do sistema de suporte de um andar,ou os remanescentes perímetros das colunas, ou até mesmo o núcleo interno, ou alguma combinação”.

Em uma centena de anos de edifícios altos na cidade, este tipo de desabamento nunca havia acontecido antes. Nunca. Não foi previsto por qualquer um dos especialistas envolvidos na construção das torres do WTC. Mas agora que isto aconteceu, todo mundo entende isto perfeitamente e ninguém está surpreso.

Será que esta engenharia civil do Terceiro Milênio é um caso galopante de retrospectiva perfeita?

Scientific American, a prestigiada revista científica da ciência de ponta observou:

“A despeito das preliminares divagações do painel sobre os mecanismos de falha responsáveis pela queda das torres gêmeas, a causa definitiva não foi ainda determinada. Relatadamente, a Fundação Nacional de Ciência tem custeado oito projetos de pesquisa para testar a catástrofe do WTC. A Sociedade Americana dos Engenheiros Civis está patrocinando vários estudos do local. Enquanto isso, o Instituto de Engenharia Estrutural da Sociedade Americana dos Engenheiros Estruturais tem criado uma equipe investigativa para analisar o desastre e aprender com a falha”.

Surpreendente: Ao menos dez estudos profissionais independentes de um incidente que cada profissional parece já ter entendido. Não obstante, a aparente falta de respostas e todos estes estudos que ainda não estão prontos, o parágrafo seguinte diz : “Como as Torres Caíram”, e o leitor é tratado com uma variedade de especulações, cada uma delas enviada como uma certeza que nenhuma explicação até mesmo seria seriamente desafiada.

Tenho encontrado apenas um especialista que admite candidamente sua surpresa. Este foi Mark Loizeaux, presidente da Controlled Demolition, Inc. de Phoenix, MD:

“Observando os desabamentos nos noticiários da televisão, Loizeaux diz que a torre sul de 1.362 pés de altura, que foi atingida aproximadamente no 60o. andar, cairia muito similarmente a uma árvore. Isto é o que era esperado, diz Loizeaux. Mas a torre norte de 1.368 pés de altura, similarmente atingida por volta do 90o. andar, “encurtou-se”, diz Loizeaux. Ela caiu verticalmente, ele acrescenta, muito mais do que cair acima. “Não tenho uma pista,” diz Loizeaux, a respeito da causa do encurtamento.

Houve somente um engenheiro altamente qualificado do Novo México que pensou que o desabamento só podia acontecer com a ajuda de explosivos de demolição, e ele foi tolo o suficiente para fazer esta declaração em público.

Romero é um antigo diretor de ‘Energetic Materials Research and Testing Center at Tech”, que estuda materiais explosivos e os efeitos das explosões em edifícios, aeronaves e outras estruturas. Romero disse que baseou sua opinião no video transmitido pelas redes de televisão. Romero disse que o desabamento das estruturas pareciam aqueles das implosões controladas utilizadas para demolir velhas estruturas.

“Seria difícil para algo como um avião desencadear um evento como este”, disse Romero em uma entrevista telefônica de Washington, D.C.

Romero disse que ele e um outro administrador da Tech estavam na área do metrô de Washington quando um avião atingiu o Pentágono. Ele disse que ele e Denny Peterson, vice presidente de administração e finanças, estavam a caminho de um edifício de escritórios perto do Pentágono para discutir programas de pesquisa custeados pela defesa na Tech.

“Se as explosões fizeram as torres desabarem, as detonações podiam ter sido causadas por uma pequena quantidade de explosivos”, ele disse.

“Podia ter sido uma quantidade realativamente pequena de explosivos em pontos estratégicos”, ele disse.

“Os explosivos provavelmente seriam colocados em mais de dois pontos de cada uma das torres”, ele disse.

Mas Romero revisou o que disse dez dias depois e admitiu que a coisa toda era perfeitamente natural e nada tinha de surpreendente. Fico a imaginar o que aconteceu naqueles dez dias para fazer com que ele se tornasse tão esperto sobre o assunto e tão rapidamente. A retratação agora é apresentada na web página do Albuquerque Journal.

E então, embora demonstrando como é normal este fenômeno de desabamento , os edifícios 6 e 7 do WTC desabaram também. Outros edifícios, incluindo o edifício Salomon Brothers de 47 andares [WTC 7] desabou mais tarde, enfraquecido pelos desabamentos anteriores e mais edifícios vizinhos podem ainda cair, dizem os engenheiros. Parece que nenhum edifício na área, a despeito do projeto, está imune à doença galopante do desabamento do WTC. Isto nunca aconteceu no século XX, mas é benvindo pelas leis físicas do universo do Terceiro Milênio.

Perdoe-me, mas esta recitação não tem me dado o alívio que esperava. Devo voltar ao trabalho.

Acredito no Presidente, na Bandeira e na Estátua da Liberdade. Acredito na honestidade do FBI e na humildade dos homens militares. Acredito que as pessoas âncoras das redes de notícias, que se esforçam para aprender a verdade, conhecer a verdade e contar a verdade para a América.

E acredito que os americanos sejam tão bem educados nas básicas leis de física discutidas acima que eles se levantariam em fúria se alguém tentasse aplicar um truque barato de Hollywood neles.

Eu acredito…. Algumas pessoas tem escrito para mim [ou comentado publicamente] que o desabamento do WTC foi um evento perfeitamente normal causado pelo calor do incêndio. Deixe-me recordar uns poucos detalhes à atenção do leitor antes de responder esta declaração.

Citando o engenheiro estructural Chris Wise, a web página da BBC afirmou que os suportes de aço no WTC alcançaram 1500 graus Fahrenheit e derreteram. Isto com certeza não está correto, e forneci um link para uma mapa de química online que mostra que o aço derrete mais perto de 2800 graus F.

Note que a declaração (que o aço do WTC derreteu) não é minha: A declaração veio da web página da BBC , citando Chris Wise, e de outros na televisão.

Os críticos tem ressaltado que o aço não derrete a 1500 F, mas amacia e perde sua força o bastante para fazer com que as torres desabassem. Somos pedidos para acreditar, como um australiano colocou isto, que a sustentação do aço se torna um licor quando aquecido pelo fogo. Corus Steel é uma corporação trans-nacional que comercializa o aço estrutural. Um gráfico na página deles mostra a força diminuída do aço quando ele é aquecido.

Note que o aço estrutural a 550 graus C (1022 F) tem 60% da força do aço em temperaturas normais. Este enfraquecimento do aço quando aquecido é supostamente responsável pelo desabamento catastrófico das Torres. A declaração gera três perguntas a serem respondidas para que se determine se este fenômeno pode causar o desabamento do WTC:

1. Quanta força o aço teria que perder para que o WTC desabasse?

2. Que temperatura o aço teria que alcançar para ocasionar esta perda de força?

3.Qual foi a temperatura do fogo [incêndio] no WTC; i.e., que foi alcançada para enfraquecer criticamente os edifícios?

Questão 1:

No artigo original citei minha própria experiência que um aparelho de apoio deve ser capaz de sustentar três vezes a carga máxima que pode ser aplicada.

Isto mostra que esta regra elementar é aplicável apenas a cargas dinâmicas, não estáticas [estruturais] dos edifícios comerciais. Desde então, tenho sido informado por um engenheiro estrutural comercial que a proporção padrão para cargas estáticas é cinco, não é três. Isto é, se uma ponte é cotada para carregar uma tonelada, ela deve ser capaz de sustentar cinco toneladas sem desabar, ao tempo que a ponte é construída.

Voltando ao incêndio no WTC, podemos ver que reduzindo a estrutura do aço a 60% sua força proporcinal não deve ser enfraquecida até o colapso catastrófico, porque 60% ainda é a sustentação triplicada da carga proporcional. A estrutura de aço teria que ser reduzida a 20% da força avaliada para desabar.

Portanto, até mesmo se o incêndio tivesse aquecido o aço a 550 graus C (1022 F), isto não teria sido suficiente para causar o desabamento das torres.

Questão 2:

A pagina da Corus sobre o fogo versus os suportes de aço, diz que estes teriam que ser aquecidos a aproximadamente 720 graus C (1320 F) para enfraquecer o aço a 20% de sua temperatura fria.

O texto nesta página discute uma outra mudança no aço acima de 550 graus C (1022 F): Ele perde a elasticidade e se torna plástico. A elasticidade significa que o aço é curvado, retorna a sua forma original e se liberta de volta. A plasticidade significa que o aço está permanentemente deformado e não salta de volta a forma original.

Se ele volta ou não, nossa principal preocupação com esta página é determinar o ponto no gráfico onde o aço seria enfraquecido a 20% de sua força original, e que aponta para 720 graus C (1320 F).

Para o aço, 550 graus C (1022 F) é um limiar importante, contudo, não devemos estar irrefletidamente com isto. Se uma torre de aço fosse aquecida a 550 C, a perda da elesticidade poderia significar que ela não voltasse a forma anterior depois do ataque do vento, e uma série de pancadas pode fazer com que a torre caia. Se a tensão excedeu a força reduzida do aço aquecido.

Questão 3:

Agora vamos fazer uma suposição no calor real do incêndio.

Afortunadamente, um número de estudos tem sido feitos sob condições muito similares. Na Europa, os estacionamentos em andares múltiplos são frequentemente construídos com aço, e a possibilidade de um veículo pegar fogo é uma possibilidade distinta. Um veículo estacionado, carregado com gasolina, diesel, pneus, óleo de motor, estofamento, fluido hidráulico etc pode causar um incêndio que parece muito quente, Um número de outros veículoss podem estar estacionados perto daquele que esteja queimando, e eles também podem ser incendiados, com uma conflagração geral. Qualquer número de carros pode conter quase qualquer item doméstico de compras etc.

Estes materiais são similares aos materiais que esperaríamos queimando nos escritórios do WTC: o combustivel do jato [que é querosene refinado] é muito similar ao diesel usado em alguns carros europeus, óleo, estofamento etc.

Presumidamente, um carro pode pegar fogo e inflamar outros carros estacionados perto. Como explicado acima, “as temperaturas máximas alcançadas [nos atuais testes de incêndio] em estacionamentos abertos em quatro países” foi 360 graus C (680 F), e o aço estrutural tem “suficiente resistência inerente para suportar os efeitos de qualquer incêndio que possa ocorrer.”

Aqui está um parágrafo relevante, completo: “os estacionamentos construídos de aço tem sido rigorosamente testados em alguns países (Tabela 3). Estes testes demonstram que a maioria do aço não protegido em estacionamentos abertos tem suficiente resistência inerente para suportar os efeitos de qualquer incêndio que ocorresse. A Tabela 3 lista as temperaturas máximas alcançadas nos testes em estacionamentos abertos em quatro países. Estes podem ser comparados com as caraterísticas temperaturas de falha nos pisos e colunas de 620 [graus] C e 550 [graus] C respectivamente.”

Note que a descrição não limita a duração do incêndio. Para tal, não parece ser matéria se o fogo queimou toda a semana ou apenas por duas horas. Nenhuma menção é feita como algumas pessoas tem sugerido [de interpretações errôneas de outros gráficos que envolvem tempo], que o calor prolongado traga o enfraquecimento progressivo do aço.

Aqui estão os dados da Tabela 3 :
Testes de incêndio em escala completa e temperatura máxima medida do aço
País Raio Coluna
Reino Unido 275 C (527 F) 360 C (680 F)
Japão 245 C (473 F) 242 C (467 F)
EUA 226 C (438 F) –
Austrália 340 C (644 F) 320 C (608 F)

Um incêndio em um estacionamento é um evento muito impreciso e o aquecimento dos suportes de aço variaram amplamente nos testes. A temperatura dos raios horizontais variaram de 226 C nos EUA a 340 C na Austrália; e a temperatura das colunas verticais variaram de 242 C no Japão a 600 C no Reino Unido. Nenhum aço foi protegido com insulação térmica, que é geralmente usada nos edifícios de escritórios, incluindo o WTC.

Para minha mente, esta é a resposta definitiva: a temperatura dos suportes de aço não protegidos naqueles testes de incêndio foi 360 graus C (680 F), e há um longo caminho do primeiro limiar crítico no aço estrutural, 550 graus C (1022 F).

Alguns podem argumentar que havia combustível demais envolvido nos eventos do WTC, que foram muito maiores do que em um estacionamento. Há também muito mais aço envolvido, as colunas de suporte eram mais maciças e eram protegidas por insulação. Peso que este caso esteja completo: o incêndio não enfraqueceu suficientemente a estrutura do WTC para causar o desabamento das torres.

Anúncios
Published in: on julho 6, 2008 at 12:14 pm  Deixe um comentário  
Tags: ,

The URI to TrackBack this entry is: https://conspireassim.wordpress.com/2008/07/06/mais-sobre-11-de-setembro/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: