Abduções ET ou do Governo?

Projeto Open Mind (MILABS): Algumas Abduções Alienígenas são Experimentos de Controle Mental do Governo?

de Katharina Wilson

A maioria das pessoas entende que como uma única entidade, o governo não está ciente da extensiva natureza do fenômeno UFO-ET. Embora seja seguro assumir que o conhecimento deles tem sido altamente compartimentalizado, há pessoas específicas dentro do governo [agências específicas e pessoal militar ligado a estas agências] que tem a “necessidade de saber”. É a estes indivíduos que estou me referindo quando falo sobre o alegado envolvimento do governo nas abduções. Os tipos de abdução que eles alegadamente realizam tem sido chamadas “MILABS.”

Há diferentes hipóteses sobre porque alguns abduzidos estão vendo pessoal militar durante suas supostas experiências alienígenas.

I. Quem eles estão vendo?

O pessoal militar…

a. …pode realmente ser ETs usando técnicas de camuflagem e mémorias em tela para enganar os abduzidos a acreditarem que o governo deles está envolvido.
b. …pode ser parte de uma agência secreta ou uma equipe militar que esteja envolvida em recuperar a informação dos abduzidos sobre os ETs
c. …pode estar trabalhando com alguns ETs
d. …pode ser híbrido –  uma combinação genética ou cruzada entre humanos e ETs, que vestem uniformes de tipo militar para confundir os abduzidos.
e. …pode ser parte de uma secreta agência humana ou equipe militar abduzindo humanos para criar a impressão que os ETs abduzem humanos; ou para disseminar a confusão a respeito da possível presença e atividades dos ETs na Terra; ou por alguma outra razão além do nosso atual entendimento.

II. Motivo

A despeito se nossos abdutores são humanos ou extraterrestres, os motivos possíveis para interagir com ou  nos abduzir incluem:

a. um estudo longitudinal: estudar as respostas psicológicas e fisiológicas dos abduzidos durante longos períodos de tempo
b. estudar diferentes tipos de respostas humanas e como elas se relacionam a diferenças culturais e socio-economicas
c. a criação de uma nova raça  (uma hipótese controversa)
d. a criação de um soldado “novo e melhor”
e. realizar experimentos físicos para testes secretos de:

(i) novas drogas e vacinas
(ii) técnicas de clonagem (pela coleta de tecidos e fluido)
(iii) modificação do comportamento / técnicas de “controle mental”
(iv) alterações e/ou mapeaento do genoma humano
(v) substâncias desconhecidas (talvez alienígenas)
(vi) induzir experiências paranormais

III. Manter Sigilo

Se estamos ou não lidando com extraterrestres ou com um nefasto grupo de poderosos seres humanos, parece haver subjacente uma campanha de desinformação.  Isto tem sido orquestrado para enganar os abduzidos – e portanto a comunidade de pesquisa e o público – sobre qual seja a verdade. Para afastar o foco da verdadeira agenda, os aliens podem querer que nós lembremos de termos visto humanos, e os humanos podem querer que nos lembremos de termos visto ETs.

IV. Ajudar a Humanidade

É duvidoso [mas não é impossível] que o grupo humano teria intenções de ajudar seus companheiros no futuro. A menos que o grupo humano tenha desenvolvido a tecnologia para olhar o futuro da humanidade, minha hipótese é que qualquer “propósito de ajuda” relacionado a este fenômeno incluiria um pequeno grupo de humanos que se separou do “nefasto grupo humano”, extraterrestres, seres espirituais ou todos os três.  É também sensível assumir que seres espirituais que venham em ambas formas positivas e negativas e possam também estar influenciando o completo fenômeno UFO-ET.

Pode ser esforços para mostrar aos abduzidos o que o futuro da humanidade reserva, talvez até mesmo demonstrar o que alguns ETs estão planejando fazer. Muitas das visões e sonhos de aprendizado que os abduzidos vivenciam ilustram que uma guerra catastrófica e mudanças na Terra ocorrerão em nosso futuro. Pela dessensibilização e treinamento, as visões, os sonhos de ensinamento e outros cenários podem ser instrumentos que os ETs estejam usando como meios de ajudarem os abduzidos a manterem um certo nível de funcionamento durante um futuro evento desta magnitude.

de Katharina Wilson © 1996

Notas:

[1] O termo “MILABS foi dado pelo Dr. Helmut_Lammer e significa “abduções militares.”

Além disso, o Dr. Steven Greer também tem lançado uma investigação sobre este assunto. Dr. Greer tem afirmado que ele tem informação de primeira mão de antigo pessoal militar que estão prontos para irem a registro como tendo ou conhecimento de primeira mão sobre isto ou a experiência direta sobre este assunto.

[2] As Opções (d) e (e) tem sido publicadas pelo Dr. Jacobs em seus livros. Venho com as mesmas hipóteses de minhas experiências e pesquisas pessoais. Se você é novo neste assunto e não leu os livros do Dr. Jacob, altamente recomendo os seguintes: David M. Jacobs, The UFO Controversy in America, (Indiana University Press, 1975); Secret Life: Firsthand Accounts of UFO Abductions, (1992), and The Threat, (1998); Simon & Schuster.

[3] Para propósitos de manter isto de certa forma conciso, tenho optado por não discutir o que acredito ser o impacto do espírito-mundo sobre o fenômeno UFO-ET. Minha razão é que não sou nem uma especialista em fenômeno paranormal nem em ensinamentos religiosos-espirituais. Contudo, acredito que seja possível qur algumas porções do fenômeno da abdução possam envolver uma ‘guerra espiritual’. Se você está interessado neste assunto, por favor procure “True Light Ministries” de Bobby Ripp e “CE 4 Research Group.” de  Wes Clark.Os links deles estão localizados em “Resources of the Personal Contact” deste website.

[4] “Experiências de aprendizado” pode ser um termo melhor, já que eles não são sonhos. Contudo, muitos abduzidos se sentem mais confortáveis chamando-os de sonhos. Os sonhos de aprendizado ocorrem dentro do contexto de uma abdução. O abduzido participa ativamente de um sonho de aprendizado ou experiência de aprendizado. Visões são normalmente mostradas aos abduzidos embora algumas vezes hava algum entrelaçamento entre os dois. O ponto principal é que as visões e sonhos de aprendizado são usados para transmitir um monte de informação durante um período de tempo relatvamente curto. Ambos podem ilustrar a verdade ou ser de uma natureza enganosa. A maioria dos abduzidos descreve ambos fenômenos como sendo incrivelmente vívidos e muitos se lembram de detalhes sobre eles.

Introdução

Não estou certa do que seja pior: acreditar que você tem sido abduzido e experimentado por ETs de um outro planeta ou suspeitar que você tem sido abduzido e experimentado por membros de nossa própria espécie. Talvez seja mais fácil para nós em um sentido psicológico, suspeitar que temos sido abduzidos e experimentados por alienígenas  porque de um modo estranho, podemos desculpar os aliens por não entenderem nossos costumes e por “não saber melhor”.

Quando ouvi minha primeira história sobre uma pessoa que acreditava que eles tinham sido experimentados por membros de nosso próprio gobverno, pensei ter ouvido tudo. Para mim, esta história era mais inacreditável e mais bizarra do que as histórias que eu tinha ouvido sobre as abduções alienígenas. O que esta pessoa disse era, que eles acreditavam que tinham sido expostos a microondas de pequenas caixas negras que tinham sido colocadas nas propriedades deles por agentes secretos do governo. Eles diziam que tinham sido irradiados por microondas como parte de um experimento secreto do governo. Eu descartei esta informação como vindo de alguém que estava paranóide e não dei a isso um outro pensamento. Durante este tempo de minha vida eu nada sabia sobre a experimentação de nosso governo em cidadãos americanos.

Pouco depois, decidi escrever sobre minhas experiências de abdução. Escrever meus livros levou vários meses e durante este tempo eu me mantive ocupada com a programação de apoio da abdução e me encontrei revivendo muitos eventos da vida que eu pensava que tinha posto para trás de mim por bem. Havia também certas experiências que há muito eu havia procurado uma explicação, mas nada encontrei.  Estas eram as minhas experiências de abdução com encontros alienígenas durante os quais eu vi militares e outro pessoal de aparência oficial. Em “The Alien Jigsaw”, uma das minhas conclusões foi a que eu tinha sido abduzida por alienígenas, e ou alguns membros do governo estavam trabalhando com eles, ou os aliens tem me manipulado para acreditar que o nosso governo esteja trabalhando com eles. Pouco eu entendia que este aspecto de minhas experiências alien me levariam a escrever este artigo hoje.

Um outro evento que me levou a escrever este artigo foi a minha correspodência com um pesquisador austríaco chamado Dr. Helmut_Lammer que atualmente está publicando um livro sobre controle mental e abduções alienígenas. Já que o Dr. Lammer me pediu para escrever para seu novo livro, eu precisava entender mais sobre o assunto de controle mental. Meu primeiro passo era ler. Depois de ler inúmeros livros e narrativas pessoais,entendi que precisava dar uma olhada mais profunda em algumas de minhas experiências de abdução.

Embora haja muitas diferenças impressionantes entre as experiências dos abduzidos e as vítimas de controle mental, há também alguns paralelos perturbadores. Como o Dr. Lammer e outros, estou preocupada com o que parece ser um claro entrelaçamento entre o que alguns abduzidos relatam e o que algumas vítimas de controle mental relatam.

O que eu quero fazer no Projeto Open Mind (MILABS) é determinar se os militares e outro pessoal do governo que os abduzidos relatam verem durante  suas experiências tem ambos o motivo e os meios de estarem lá.

Em “The Controllers” [Os Controladores, futuro artigo neste blog] Martin Cannon escreve, “a tarefa não recompensada dos abduzidos é relatar o que ele ou ela tem vivenciado tão verdadeiramente quanto possível, não contaminado pela especulação externa”.

A Parte Dois do Projeto Open Mind se focaliza nos sujeitos do controle do comportamento e controle mental. Nesta seção confio pesadamente no trabalho de outros pesquisadores e jornalistas. Para cada assunto que eu discuto há muitos livros, cada um com centenas de páginas. Para cada livro, há milhares de documentos e relatos que os pesquisadores e jornalistas tem laboriosamente localizado e meticulosamente estudado. Assim, para melhor entendimento desta mensagem tenho incluido uma seção sobre os autores  de forma que o leitor possa ganhar algum conhecimento básico sobre os mensageiros.

Tenho criado a seguinte linha do tempo porque é importante entender a história recente de nosso governo federal e como as atividades de certas agências fazem negócios. Quero deixar claro que o governo dos EUA certamente não é o único governo que tem permitido experiências em seus próprios cidadãos. Contudo, gostaria de lembrar ao leitor que somente na América temos o direito de expressarmos publicamente nossas crenças, idéias, preocupações sem medo de retribuição. Gostaria de manter este direito, e talvez ao ensinar a outros que o segredo gera a impunidade, nós não percamos este direito.

Minha linha de tempo termina em 1980 porque sinto que a maioria dos livros e informação sobre controle mental, UFOs e abduções alienígenas tem sido publicada ou televisionada desde 1980 pode ainda ser localizado. Finalmente, esta linha de tempo foi criada como um  rápido guia de referência para mostrar ao público quão bem o fenômeno UFO tem sido documentado, bem como tão bem o controle mental e comportamental tem sido estudado.

Em seu livro, “Flying Saucers from Outer Space”, o Major Donald Keyhoe faz referência a vários avistamentos que ocorreram durante os anos de 1800 e até mesmo afirma que objetos não usuais e luzes tem sido relatados por todo mundo tão cedo quanto nos anos de 1700.

1933 – A investigação oficial sobre objetos voadores não identificados  (UFOs) começou quando misteriosos “foguetes fantasmas” foram vistos sobre a Escandinávia, Bretanha e EUA.

1939 – Começou a Segunda Guerra Mundial

1941 – COI, o escritório de Coordenador da Informação foi criado pelo Presidente Roosevelt para o General William J. Donovan, emissário especial de Roosevelt. A meta de Donovan era lutar “a nova e importante guerra”. A guerra psicológica. Esta foi a guerra que eventualmente foi movida contra o povo americano.

1942 – Milhares de pessoas em Los Angeles, Califórnia, testemunharam um enorme UFO planando sobre a cidade. Foram disparadas 1.430 cargas de anti-aeronaves contra o UFO em uma tentativa de abater a nave. Isto falhou. A nave se moveu na direção de Santa Monica e então Long Beach, e então desapareceu de vista.

1942 – O OSS, Escritório de Serviços Estratégicos foi formado para substituir o COI. A carta de direitos para a guerra psicológica para o OSS foi criada. Durante seus três anos de existência, “ele desenvolveu guerra psicológica como uma arma eficaz contra a mente de populações civis e militares tanto estrangeiras quanto domésticas”.

1943 – pequenos veículos aéreos de origem desconhecida foram avistados por pilotos durante a Segunda Guerra Mundial. Nem os alemães, nem os britânicos, nem os americanos sabiam o que eles eram ou a quem pertenciam. Os pilotos apelidaram estes objetos de “foo fighters.” Neste mesmo ano, um objeto em forma de frigideira de torta foi visto por um jovem de 26 anos que estava na Marinha nas Ilhas Russell. Ele não relatou seu avistamento oficialmente até 1947.

A guerra tinha envolvido cada maior poder no mundo e estava rompendo adiante. Em uma tentativa de construir a primeira bomba atômica, o Projeto Manhattan decolava em pleno vôo. Um grande grupo de cientistas americanos e “refugiados europeus” teve sucesso em construir a primeira bomba atômica que acabou com a Segunda Guerra Mundial em 1945.  A Segunda Guerra Mundial não apenas ajudou a criar a primeira bomba atômica, também fez da ciência o fator de mobilização para a defesa de um país.

1945 – (Pós guerra) o OSS foi desmantelado e o Ato de Segurança Nacional criou a estrutura de comando para a Guerra Fria.

1946 – os “foguetes fantasmas” e outros objtos voadores não identificados continuaram a serem relatados sobre muitos países diferentes, mundialmente.

1947 – junho: o piloto veterano Kenneth Arnold teve um avistamento de nove objetos voadores brilhantes em forma de crescente voando em formação perto de Monte Rainier, Washington. Os objetos estavam viajando “ao menos em 1.200 milhas por hora.”

1947 – julho: a queda do que foi acreditado ser uma nave estraterrestre de origem desconhecida fez manchetes nos jornais. Isto agora é conhecido como “o Incidente de Roswell”. Apenas nos EUA, houve centenas de relatos de objetos voadores não identificados durante aquele ano.

1947 – setembro: A CIA, Agência Central de Inteligência foi criada para continuar de onde o OSS parou.  Segundo Good, “a CIA…foi criada no mesmo mês do  MJ-12.” Este ainda é um tópico calorosamente debatido. “MJ-12 (Majestic 12) foi um painel altamente secreto formado pelo Presidente Truman para investigar UFOs e relatar seus achados ao Presidente.”

1947 – Foi criado o Projeto SIGN. Este foi um estudo da Força Aérea sobre UFOs, sua performance e seu propósito. “Para preservar a segurança, uma ligação entre o Projeto SIGN e o Majestic 12 foi limitada a duas pessoas dentro da divisão de inetligência do Comando Material Aéreo.” “O Projeto SIGN foi criado para investigar [UFOs] e também esconder a verdade do público.”

1948 – Os pilotos de um DC-3 da Eastern Airlines relataram estarem em um curso de colisão com um objeto em forma de charuto ‘aproximadamente duas vezes o diâmetro de um B-29 sem superfícies protusas.” Segundo um dos pilotos, “ele parou com uma tremenda explosão de chamas de trás e disparou entre as nuvens, sua propulsão a jato balançando o nosso DC-3.”

1948 – o Projeto SIGN foi renomeado Projeto GRUDGE e o estudo da Força Aérea sobre UFOs foi realizado sob o nome código “Blue Book.” Na realidade, o Projeto GRUDGE não realizou um estudo sério sobre UFOs.

1948 – as intrusões de UFO começaram a ocorrer sobre bases militares sensíveis e instalações nucleares pelos EUA. Estas intrusões foram abordadas em um relatório secreto da CIA em 1952.

1948 – talvez 1949: o Projeto TWINKLE foi criado pela Força Aérea em resposta ao que ela pensava ser mísseis guiados extraterrestres que explodiram perto de Albuquerque, Novo México.

1950 – o Projeto BLUEBIRD foi aprovado pelo primeiro Diretor da CIA, Roscoe Hillenkoetter. Ele também aprovou o uso de fundos “não garantidos” [fora do orçamento] para pagar por suas áreas sensíveis. Isto começou o primeiro programa comportamental estruturado da CIA. Suas metas consistiam em “controlar um indivíduo ao ponto onde ele fará o que quisermos contra sua vontade e até mesmo contra as leis fundamentais da auto-preservação.” Alguns de seus sujeitos experimentais incluiramm prisioneiros de guerra norte coreanos e suspeitos agentes duplos.”

1951 – o Projeto GRUDGE é renomeado Projeto BLUEBOOK

1951 – pilotos militares americanos relataram UFOs perto da Islândia e em muitas locações através dos EUA.

1951 – o Projeto BLUEBIRD foi renomeado Projeto ARTICHOKE. O Diretor da CIA aprovou uma ligação com a Marinha e o Exército que estavam interessados em descobrir um soro da verdade. Uma outra ligação foi formada com a Força Aérea que queria estudar técnicas de interrogatório. A informação também foi trocada com os governos britânico e canadense.

Alguns sujeitos experimentais do Projeto ARTICHOKE incluiram: agentes suspeitos, agentes suspeitos de serem duplos. pessoas que tinham uma razão conhecida para o “engano”, estudantes universitários americanos [supostamentes nos testes mais benignos] e estrangeiros [já que a CIA era mais provável de tentar certos procedimentos neles do que em cidadãos americanos]. Experimentos “terminais” ou “para a morte” eram geralmente realizados lá fora, em outros países.

Segundo Bowart, o método de controle usado em dois agentes envolveu drogas e hipnose [narco-hipnose]. Os sujeitos eram hipnoticamente regredidos e feitos reviverem as experiências passadas. Sugestões pós hipnóticas eram dadas para induzir a amnésia total de seus interrogatórios. A CIA disse que estes experimentos foram “muito bem sucedidos”.

1951 – o Projeto CHATTER, um programa altamente clasificado da Marinha em busca de uma “droga da verdade” começou. Eles estavam procurando um meio de alguém falar rápido no caso de uma emergência de segurança. Estes experimentos usaram barbituratos, anfetaminas e heroína. As drogas eram fornecidas pelo Escritório de Narcóticos e companhias farmacêuticas. Alguns dos sujeitos experimentais incluiam os próprios cientistas, e a maioria estudantes.

1952 – uma outra onda de avistamentos UFO ocorreu neste ano. “Em 19 e 20 de julho os UFOs foram vistos por sobre todo Washington, D.C. por tripulações de várias aeronaves comerciais e foram rastreados pelo radar da base da Força Aérea de Andrewsbem como pelo Centro de Controle de Tráfego Aéreo no Aeroporto Nacional de Washington.”

1952 – A  NSA, a Agência de Segurança Nacional é criada como uma agência separadamente organizada dentro do Departamento de Defesa. Com sede em Fort Meade, Maryland, suas principais funções são proteger as comunicações do governo dos EUA e interceptar as comunicações estrangeiras. Eles tem a habilidade de monitorar, traduzir e decifrar as comunicações de qualquer tipo.

1952 – o Projeto CASTIGATE começou quando a Marinha e a CIA se uniram para testar uma “poção secreta”| que consistia em um depressor, um estimulante e o ingrediente ativo da marijuana. As drogas eram para ser administradas durante um período de três dias. O experimento foi realizado na Alemanha em uma base secreta da CIA em uma instalação militar. Os sujeitos experimentais incluiam um conhecido agente duplo, um suspeito agente duplo e três desertores. O Projeto CASTIGATE foi considerado um fracasso.

1952 – MKNAOMI (M-K significando controle mental.) O acordo do TSS com a Divisão de Operações Especiais  do centro de pesquisa biológica do Exército em Fort Detrick, Maryland, cujo negócio era produzir armas biológicas para uso da CIA.

TSS significa Equipe de Serviços Técnicos e era uma agência referida como ” os Magos da Máquina” similar ao  que “Q” é para James Bond.

1952 – em direção ao fim de 1952, a Força Aérea tinha mais de 1.500 novos relatos UFOs em seus arquivos e 303 deles eram não identificados. O avistamento sobre Washington D.C. mudou muito para a Força Aérea. Já que a puyblicidade era completa, um painel especial foi criado para desmentir oficialmente os UFOs. Esta painel foi patrocinado pela CIA e foi chamado “O Painel Robertson.”

1953 – O Painel Robertson disse: “O meta do desmentido resultaria na redução do interesse público em discos voadores, que hoje evoca uma forte reação psicológica. Esta educação poderia ser realizada pela media de massa tal como a televisão, imagens em movimento, artigos populares… Um tal programa deve tender a reduzir a atual credulidade do público e consequentemente sua suscetibilidade a uma propaganda hostil sagaz”.

Neste mesmo ano, um jato da Força Aérea desapareceu sobre o norte de Michigan enquanto tentava interceptar um UFO. Segundo Good, “…o incidente nunca tem sido explicado… nem os destroços e nem o piloto nunca foram encontrados.”

1953 – o Projeto CHATTER foi abandonado pela Marinha.

1953 – o MKULTRA, um programa da CIA para uso encoberto de armas químicas e biológicas começou. Bowart afirma, “Segundo documentos da CIA, MKULTRA era ‘um projeto de abrigo para custeio de projetos sensíveis’ e encoberta “política e procedimentos para o uso de bioquímicos em operações clandestinas…’ ” “MKULTRA era excetuado de controles financeiros normais da CIA e permitia que o TSS começasse projetos de pesquisa sem contratos ou acordos escritos.”

Como usual, MKDELTA e MKNAOMI já tinham sido estabelecidos antes que a CIA desse permissão especial para o MKULTRA. MKDELTA se tornou o braço operacional do MKULTRA.

MKULTRA se concentrava em drogas, especificamente LSD já que a CIA tinha uma fobia sobre o LSD acabar nas mãos dos russos. A CIA queria usar o LSD como uma arma. Os russos e a Guerra Fria eram usados como uma desculpa de segurança nacional para a maioria das ações da CIA. A CIA estudou centenas de outras drogas além do LSD, bem como experimentou com: “radiação, eletrochoque, psicologia, antropologia, sociologia, psiquiatria, sustâncias de perseguição e aparelhos e materiais paramilitares”.

Parece que os próprios cientistas apreciavam testar eles próprios as drogas, mas eles também usaram muitos pacientes de hospital, voluntários [a maioria estudantes], prisioneiros que eram geralmente pagos por sua participação com mais drogas, e eventualmente qualquer um que a CIA pudesse obter, sem o consentimento deles, com certeza. Os “cientistas” da CIA até mesmo se reduziram a cobrir de pó ou de spray incautos cidadãos americanos quando estes andavam nas ruas das cidades. Mais tarde eles estudariam como manipular genes, e desenvolver compostos que pudessem estimular ataques cardíacos e derrames.

1954 – “Em 5 de maio, dois objetos enormes manobraram a alta atitude sobre WASHINGTON  D.C. No dia seguinte o radar da Marinha rastreou uma máquina enorme circulando a 90.000 pés acima da capital… em junho… a mesma espaçonave ou uma similar voltou… desta vez ela permaneceu duas horas manobrando entre a capital e Baltimore”

1954 – o Projeto SIGMA foi alegadamente criado para estabelecer comunicações com os aliens. É dito ter encontrado “sucesso positivo”. Se os relatos de primeira e segunda mãos dos militares que tem sido baseados na instalação secreta de Groom Lake são verdadeiros, então o Projeto SIGMA de fato teve sucesso.

1957 – Um fazendeiro sul-americano chamado Antonio Villas-Boas foi abduzido por seres não humanos e levado a bordo de uma nave que tinha póusado em seu campo. Villas-Boas contou sua história aos externos pela primeira vez em 1958. Ainda se passariam quatro anos antes que a abdução de Betty e Barney Hill ocorresse nos EUA.

1958 – Major Donald Keyhoe, Diretor do Comitê Nacional de Investigações do Fenômeno Aéreo (NICAP), apareceu como convidado no “Armstrong Circle Theater Show.” Ele tinha planejado fazer um anúncio sobre o que o governo dos EUA sabia sobre os UFOs. Ele começou afirmando, “E agora vou revelar algo que nunca tem sido revelado antes… pelos últimos seis anos temos estado trabalhando com um comitê congressional investigando o segredo oficial sobre os UFOs…” Naquele momento o produtor do show (CBS) cortou o audio e o público não foi capaz de ouvir o resto da declaração do Major Keyhoe. Mais tarde foi determinado ter feito isso por causa da pressão dos porta-vozes da Força Aérea no interesse da segurança Nacional.

1961 – Enquanto dirigia para casa em New Hampshire do Canadá em uma noite de 1961, um casal chamado Betty e Barney Hill avistou um disco voador no céu. Depois de muitos meses de sofrimento eles buscaram ajuda psiquiátrica. Depois de várias regressões hipnóticas eles se recordaram de terem sido abduzidos por humanóides [mais tarde chamados aliens]. Este foi o primeiro caso relatado de abdução nos EUA. A história deles foi publicada em 1966.

1964 – MKULTRA se torna MKSEARCH. Muitos sub-projetos ficam sob MKULTRA enquanto os experimentos comportamentais mais sensíveis vão para MKSEARCH. Estes experimentos foram realizados em prisioneiros, pacientes de câncer terminal, e pessoas que eram descritas como ‘mentalmente defeituosas”. Eles também usaram ondas de radar em cérebros de macacos (que arriscava “cozinhar” o cérebro deles) e um cientista tomou a cabeça de um macaco e tentou coloca-la no corpo de outro. Outros experimentos envolveram estudar telepatia, radio frequências e memória.

1964 – Começaram os relatos de pessoas que diziam terem visto seres aliens em associação com UFOs. Relatos envolvendo misteriosos homens do governo que tentavam silenciar as testemunhas foram relatados também. Estes homens misteriosos tem sido chamados de MIBs ou “Men In Black.” Há uma especulação que estes MIBs sejam agentes da CIA ou homens de uma agência ainda mais sigilosa. Há também alguns ufologistas e pesquisadores da abdução que acreditam que os MIBs sejam realmente aliens disfarçados em humanos.

Neste mesmo ano um pouso de UFO ocorreu e deixou evidência física. O pouso ocorreu em Socorro, Novo México, e foi testemunhado por um policial chamado Lonnie Zamora. A Força Aérea esteve envolvida na investigação deste caso e ele permanece listado como não identificado.

1967 – Um homem chamado Stephen Michalak foi até um UFO pousado perto de Falcon Lake, Canadá. Quando ele tocou a nave uma explosão de ar quente saiu de uma grelha de escapamento e o atingiu. Ele imeiatamente ficou nauseado e com uma terrível dor de cabeça. A explosão do vapor quente criou uma marca de queimadura dolorosa em sua região do estomago.

Projeto MOONDUST, embora não seja dada nenhuma data de criação, é descrito por Good: “Este projeto era, e possivelmente ainda seja, um programa de destroços espaciais estrangeiros da Divisão de Tecnologia Externa da Base da Força Aérea de Wright-Patterson, Dayton, Ohio que pertence ao Comando de Sistema da Força Aérea dos EUA. Quanto sua função primária seja a recuperação de restos de mísseis e de satélites, há indicações que ela também tem estado envolvida a recuperação de artefatos mais exóticos. Alegadadamente o Projeto MOONDUST está envolvido na recuperação de UFOs acidentados.

1967 ou 1968, Projeto OFTEN/CHICKWIT foi iniciado pelo Corpo Químico do Exército e o Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento da CIA para criar novos compostos de drogas “que possam ser usadas ofensivamente”. Os alucinógenos eram testados em prisioneiros na Pennsylvania, mas pouco é conhecido sobre os experimentos. “Documentos da CIA mencionam ´vários acidentes de laboratório’ nos quais uma droga designada EA-3167 produziu ‘prolongados efeitos psicóticos no pessoal do laboratório’

Pareceria que a  testagem de drogas da CIA continuou durante a década de 1970 porque há “um memorando da CIA datado de 8 de março de 1971 que indica que uma reserva de mais de 26.000 drogas tinha sido adquirida  ‘para futura testagem’

1969 – oficialmente terminou o Projeto BLUEBOOK. Já que ele tinha sido feito público, cada pesquisador sério agora sabe que o Projeto BLUEBOOK nada mais era que um acobertameno bem planejado de avistamentos UFO, fotografias UFO, vídeos UFO, e investigações UFO pelo governo dos EUA.

MKSEARCH continuou no início da década de 1970 e mais experimentos foram realizados sob o ORD, o Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento.  Alguns destes experimentos consistiriam em implantar eletrodos nos cérebros de gatos, cachorros e répteis e controla-los remotamente. Os experimentos animais sempre foram [e ainda são] realizados primeiro e infamemente, mas não ouvimos sobre estas atrocidades.

Segundo Bowart, as seguintes agências estavam envolvidas nos projetos de pesquisa comportamental e de modificação do comportamento: o Departamento de Defesa; o Departamento do Trabalho; a Fundação Nacional de Ciências; a Administração dos Veteranos;; o Departamento da Saúde, Educação e Bem-estar; o Instituto Nacional de Saúde Mental; a Administração de Assistência ao Cumprimento da Lei [sob o Departamento de Justiça]. “Todas as agências acima eram denominadas em secretos documentos da CIA como aquelas que forneciam cobertura de pesquisa para o MKULTRA.”

1970 – pela década de 1970 uma onda de avistamentos UFO ocorreu na Bolívia, Espanha, Coréia, Irã e Peru.

1972 – o Projeto SNOWBIRD foi alegadamente criado para teste de vôo de naves aliens recuperadas e é dito estar continuando em Nevada. O Projeto AQUARIUS, que ainda está classificado, alegadamente também está relacionado ao estudo dos UFOs. Até agora sabemos que este seja um projeto classificado a longo prazo.

1973 – Enquanto pescavam uma noite em Pascagoula, Mississippi, Charles Hickson e Calvin Parker ouviram um som de ataque. Quando eles olharam na direção do som, para surpresa deles – eles viram uma nave se aproximando. Não havia barulho de motor, apenas uma uz pulsátil azul. Assim começou uma outra abdução de humanos por seres não humanos. O caso deles foi investigado pelo falecido Dr. Allen Hynek, Professor de Astronomia da Universidade Northwestern, um principal especialista em UFOs na América. O caso se tornou público, primeiro pela imprensa e então pelo próprio Charles Hickson.

1977 – Depois dos julgamentos e tribulações da CIA em meados dos anos de 1970, o Presidente Carter indicou seu antigo colega de turma em Annapolis, Almirante Stansfield Turner, chefe da comunidade de inetligência. Segundo Bowart, “Ao fazer isso ele deu ao Almirante tais poderes que nenhum outro Diretor de Inteligência na história dos EUA já tivesse possuído… Parecendo reorganizar a comunidade de inteligência sob Turner, ele meramente fortaleceu seu potencial totalitário.”

1980 – Durante o litígio contra a CIA pelos “Cidadãos Contra o Segredo UFO” (CAUS), um representante do NSA “admitiu em uma audiência na côrte que o NSA tinha encontrado um total de 239 documentos sobre UFOs que eram relevantes para as solicitações do FOIA.”

1980 – em dezembro, um objeto fogoso foi visto no céu noturno do Texas por uma mulher chamada Betty Cash, a amiga dela Vickie Landrum, e seu neto de sete anos Colby. O objeto tinha chamas disparando dele e as três testemunhas sairam do carro para ver melhor. O objeto tinha a forma de um diamante e fziam sons de bip. Ele estava cercado por 23 helicópteros Chinook que, estranhamente, pareciam estar escoltando a nave fogosa. Depois do avistamento deles, “Betty teve uma dor de cabeça cegante, dores em seu pescoço e nódulos na cabeça e escalpo pela queima de onde saia um fluido claro. Ele teve vômitos, diarréia e náusea. Quatro dias mais tarde ele foi admitida no hospital como vitima de queimadura … mais tarde … Betty desenvolveu câncer de mama e fez uma mastectomia.”

As testemunhas processaram o governo dos EUA, mas “o caso delas foi eventualmente arquivado com base em que nenhum tal objeto era possuido, operava ou estava no inventáro da Força Aérea, Marinha, Exército ou NASA.”

Geralmente é acreditado por muitos indivíduos, incluindo os autores de várias referências que tenho citado, que nem os projetos de controle mental nem seus projetos UFOs foram terminados na década de 1970. Porque o nosso governo permite que estas agências operem em segredo, não há imputabilidade. A meta destas porção do Projeto Open Mind (MILABS) é apresentar ao leitor as tecnologias que podem estar envolvidas em responder a pergunta: “Algumas abduções alienígenas são experimentos de controle mental do governo?” Até mesmo se decidirmos que todas as abduções alienígenas são realizadas por ETs, esta informação ainda será útil para o nosso entendimento de como os humanos podem ser controlados. Se decidirmos que algumas abduções são realizadas por uma força nefasta de dentro de nosso governo, ou que o fenômeno da abdução alienígena é um acobertamento para um projeto secreto sendo realizado por outros humanos, entender esta informação pode nos ajudar a terminar algumas ou todas estas atividades.

Tenho dividido a seguinte informação em sete seções. Por favor, comprenda que apenas estou dando uma breve história ou descrição de cada um destes assuntos já que há bastante informação publicada sobre todos eles – com a exceção da seção II – para escrever seis livros separados. A informação  que cobrirei inclui: I) Uma Breve História da Estimulação Eletrônica do Cérebro, II) Controle Intracerebral Radio Hipnótico e Dissolução Eletrônica da Memória, III) Aplicações da Eletroencefalografia, IV) Hipnose, V) Radiação Microondas, VI) Uma Defesa Duvidosa, e VII) Cirurgia Virtual – Realidade Virtual .

Seção I

Uma Breve História da Estimulação Eletrônica do Cérebro ou ESB

Em 1928, os cientistas descobriram o que eles chamaram um ‘centro de violência’ no hipotálamo do cérebro. Eles descobriram que quando a região posterior do hipotálamo do cérebro de um animal era destruído, o animal permanecia em um permanente estado de raiva. Logo, os cientistas descobriram que ao invés de destruir esta área do hipotálamo, tudo o que eles precisavam fazer era estimula-la para produzir os mesmos efeitos da raiva e o comportamento violento. Então veio a invenção de pequeninos eletrodos como agulhas que podem ser inseridos em qualquer parte do cérebro sem causar um dano permanente. Os cientistas descobriram que eles podiam conectar estes estimuladores cerebrais a um aparelho que habilitaria o animal a estimular seu próprio cérebro. Obviamente, quando era dada uma escolha aos animais, eles preferiam estimular outras áreas de seus cérebros tais como os centros do prazer do que os centros da violência ou da dor.

Com fundos doados pela Fundação Rockefeller à Universidade McGill, uma instalação psiquiátrica chamada Allan Memorial foi criada em 1943, e um Dr. Ewen Cameron se tornou o chefe da instalação. Com custeio adicional da CIA durante a década de 1950, Cameron usou técnicas experimentais em seus pacientes, muitos dos quais eram mulheres.

Uma das terapias de Cameron foi chamada “despadronização,” e foi descrita como “a quebra dos padrões existentes de comportamento, tanto os normais quanto os esquizofrênicos, por meio de eletrochoques particularmente intensivos, geralmente combinados com prolongada indução do sono por drogas” O que ele criou foram “vegetais mentais’.  Cameron deixou estas pessoas desafortunadas com muito poucas memórias. Contudo, ele não parou aqui.

Cameron então usaria uma outra técnica em seus pacientes que ele chamou de “direção psíquica”. Durante esta parte de sua “terapia” ele bombardearia o paciente com repetidas mensagens verbais que eram “emocionalmente carregadas” e mentalmente abusivas. Os pacientes eram forçados a ouvirem gravações de audio toda a noite assim que se deitavam [drogados] em suas camas porque Cameron ordenou que os auto-falantes fossem colocados sob os travesseiros. Depois de duas semanas ou mais, ele então forçaria os pacientes a ouvirem as chamadas fitas de direcionamento psíquico positivo aparentemente para induzir novos padrões de pensamento. Cameron victimizou seus pacientes pelo uso de técnicas não aprovadas de modificação comportamental.

Também durante as décadas de 1940 e 1950, um neuro-cirurgião (da Universidade McGill) chamado Wilder Penfield e seu colega realizaram experimentos de estimulação cerebral em cérebros expostos de pacientes durante a neuro-cirurgia. O que eles descobriram foi que os cérebros de seus pacientes podiam ser estimulados de um modo tal que eles se lembrariam de eventos passados. Os médicos também descobriram que os cérebros de seus pacientes podiam ser estimulados para faze-los vivenciar  “estranhos sentimentos de familiaridade”. Seus pacientes estavam alertas durante estes procedimentos, mas “eles relatavam que as coisas e as pessoas na sala de operação eram de certa forma familiares. Alguns disseram que eles sentiam que tudo ao redor deles tinha acontecido antes ou era parte de um sonho.”

A maior parte das pessoas que tem feito um curso básico de psicologia tem sido apresentada a José Manuel Rodriquez Delgado, o neurofisiologista que, em 1964, se tornou famoso por parar um touro em uma arena com um simples toque de um botão em uma caixa preta que Delgado tinha em suas mãos. Este “feito surpreendente” foi realizado pelo uso de aparelhos de estímulo eletrônico cerebral que tinham sido implantados no cérebro do touro. Ainda é uma matéria controversa se Delgado realmente controlou o comportamento do touro ou se o touro estava preocupado com a dor que ele vivenciava devido ao estímulo cerebral.

Quando Delgado chegou a Escola Médica da Universidade de Yale em 1950, o equipamento para realizar o estímulo cerebral era volumoso e caro. Logo, com a ajuda de Delgado e o custeio do Escritório de Pesquisa Naval, o equipamento se tornou muito menor e mais conveniente. Pela década de 1970 um inteiro aparelho estimulador do cérebro pode ser implantado sob a pele e permanecer lá a vida inteira do indivíduo.

Segundo Scheflin e Opton em “The Mind Manipulators”, uma das futuras previsões de Delgado incluia, “Computadores micro-miniaturizados que podem ser implantados sob a pele para fornecer o estímulo “a demanda” para específicos grupos neuronais sem perturbar o comportamento em andamento… [os cientistas serão capazes de] dar luz aos cegos… som aos surdos… e induzir prazer e amizade em seres humanos.”

Durante a década de 1970, uma pesquisa realizada por uma equipe de cientistas chefiada por William Dobelle “implantou 64 eletrodos em áreas do córtex visual de cérebros de voluntários totalmente cegos. A estimulação do córtex por um único eletrodo criou algumas experiências visuais primitivas, fazendo um sujeito ‘ver” um fosfeno – um pequenino ponto de luz brilhante que parecia estar localizado a vários pés diante da face do espectador. A equipe de Dobelle descobriu que se um número de eletrodos eram ativado ao mesmo tempo, os sujeitos podiam distinguir padrões significativos entre fosfenos que ocorriam simultaneamente… um sujeito que tinha ficado acidentalmente cego por vários anos antes foi capaz de ver vários padrões e formas, e até mesmo diferenciar as letras do alfabeto.

Os pesquisadores atualmente estão trabalhando em aparelhos mais sofisticados para ajudar os cegos a verem. Por exemplo, ‘uma pessoa cega um dia será provida com um olho artificial que consiste em uma camara de TV altamente miniaturizada montada em um revestimento de vidro. As imagens serão convertidas por um pequenino computador que enviará a informação ao cortex visual por meio de eletrodos implantados.”

Em 1975, um outro cientista trabalhando na Universidade de Tulane em New Orleans chamado Dr. Robert Heath também realizou experimentos envolvendo ESB. Dr. Health, cuja principal pesquisa era a psicobiologia da psicose e da violência, é considerado ser um cientista altamente controvertido. Por mais de 25 anos “ele implantou eletrodos de estímulo e registro profundamente nos cérebros de uma ampla variedade de pessoas.”

Ainda há um outro cientista trabalhando fervorosamente para controlar o comportamento humano durante a década de 1970 também. Contudo, este cientista, Joseph A. Meyer era um especialista em computador do  NSA. Scheflin e Opton escrevem, “[Meyer] propôs anexar aparelhos de rastreamento, que ele chama de ‘transponders,’ em metade de todos americanos que já tenham sido presos por crime diferente de violação de trânsito…” Os autores continuam sua discussão sobre os planos de Meyer, “Não nos precisamos preocupar com a opressão eletrônica, implica Meyer, porque já estamos em um permanenet estado de guerrilha. De um lado estão os habitantes das favelas que são uma sobra econômica, e do outro lado estamos o resto de nós. Se os habitantes das favelas que são os reais alvos do sistema de transponder, e eles já estão sujeitos a tanta punição pela polícia, côrtes, celas e prisões que o sistema do transponder seria um alívio.”

A seguir está uma lista parcial do que os cientistas tem alcançado usando aparelhos de estimulação cerebral:

A aceleração, diminuição ou parada do coração.
A inibição do instinto materno.
Ajustar o diâmetro da pupila a vontade.
Ajudar as vítimas de derrame a se recuperarem da paralisia.
Forças as pessoas a falarem, ficarem caladas, se tornarem amigaveis e se tornarem eroticamente              arrebatadas.
Induzir prazer, orgasmo e dor
Bloquar o processo de pensamento de um indivíduo
Evocar memórias e criar alucinações
Dramaticamente alterar o comportamento de um indivíduo

Segundo Bowart, “Em 1969 Dr. Delgado solicitou ao governo dos EUA para aumentar a pesquisa em ESB, [estimulação eletrônica do cérebro] para produzir a informação fundamental que daria nascimento a uma sociedade “psico-civilizada”. Ele disse que a pesquisa necessária não podia ser gerada pelos próprios cientistas, mas deveria ser promovida e organizada pela ação governamental declarando a conquista da mente humana uma meta nacional em paridade com a eliminação da pobreza ou o pouso do homem na lua.”

Pela década de 1970 era publicamente conhecido e provado que a estimulação cerebral podia dramaticamente alterar o comportamento dos seres humanos. A maioria dos casos sobre os quais lemos em livros de psicologia pop e textos de psicologia são meios positivos de usar a estimulação cerebral  para “eliminar sintomas de violência e agressão incontrolável”, ou outros comportamentos negativos que alguns cientistas incorretamente rotulam como “sintomas.”

Seção II

Controle Intracerebral Radio Hipnótico [RHIC] e Dissolução Eletrônica da Memória [EDOM]

Segundo Lincoln Lawrence, autor de “Were We Controlled?” “RHIC envolve o contacto de radio com o sujeito que tenha sido anteriormente hipnotizado e ensinado a realizar certas ações e manter certas atitudes. As sugestões pós hipnóticas são transmitidas por ondas de radio desencadeando certos comportamentos pré condicionados…” Em um artigo da revista Gallery de 1977 citado por Scheflin e Opton, Lawrence afirma, “a Dissolução Eletrônica da Memória altera o sentido de tempo ao emitir ondas de radio e tons de sinal ultra sônico que agem sobre os químicos do armazenamento da memória no cérebro.”

A Dissolução Eletrônica da Memória é realizada ao ‘danificar eletronicamente o cérebro” portanto fazedo com que o neuro transmissor acetilcolina,’para criar a estática que bloqueia a visão e os sons’. Você então não teria memória do que viu ou ouviu; sua mente estaria em branco.”

A acetilcolina foi o primeiro neurotransmissor a ser descoberto e é o neurotransmissor mais comum encontrado no cérebro. A acetilcolina é descrita como o neurotransmissor secretado pelos nervos motores para excitar os músculos esqueléticos e isto é ativado pelo nervo vago [ o décimo nervo craniano  na medula que enerva a maioria dos órgãos no abdomen] bem como os nervos que controlam a maioria dos órgãos internos.

Importante para nossa discussão, é que a acetilcolina é um dos primários neurotransmissores envolvidos na memória. A memória envolve partes diferentes do cérebro e quatro processos diferentes: 1) um registro sensorial, 2) a memória imediata, 3) a memória a curto prazo, e 4) a memória a longo prazo. Além disso, cada um desses quatro processos tem sua própria escala de tempo. Um outro neurotransmissor comum envolvido com o aprendizado e a memória é a norepinefrina. Há vários neurotransmissores e aminoácidos envolvidos com o aprendizado e a memória e cada um tem uma função específica. Parece lógico que se impulsos elétricos são usados para bombardear o cérebro de uma pessoa, um complexo órgão neuroquímico, isto afetará os neurotransmissores do indivíduo. Se estes níveis são suficientemente alterados, então a memória também pode ser afetada.

Até onde posso dizer, RHIC-EDOM primeiramente apareceu no livro de Lincoln Lawrence em 1967. Segundo Bowart, “Lawrence…pode ter tido muito mais evidência [sobre RHIC] que ele teve permissão para apresentar. Suas credenciais indicam que ele estava trabalhando em ligação com o Departamento de Defesa. Em 1975 um jornalista chamado James L. Moore afirmou ter recebido documentos secretos do poessoal da CIA descrevendo RHIC-EDOM. Se isto foi algum tipo de farsa elaborada, então  porque isto  apareceria quase dez anos depois e relacionado a CIA? Se isto foi um vazamento intencional, o que a agência podia ganhar ao liberar esta informação? Certamente seria de grande valor para a humanidade se Moore tivesse partilhado [ou partilhasse] estes documentos com outros pesquisadores.

Interessantemente, segundo Bowart, “Uma equipe de pesquisa e desenvolvimento do Laboratório de Biologia e Espaço da Universidade da Califórnia no Instituto de Pesquisa Cerebral em Los Angeles descobriu um meio de estimular o cérebro ao criar um campo elétrico com pletamente externo a cabeça. Dr. W. Ross Adey estimulou o cérebro com níveis de pulso elétrico que estavam muito abaixo daqueles que se pensava serem eficazes na velha técnica de implante.” Além disso, por volta de 1975, os cientistas também estavam testando uma primitiva máquina de “|leitura de pensamento” com resultados positivos.

Seção III

Aplicações Interessantes da Eletroencefalografia

O EEG fornece uma informação completa sobre o estado mental de uma pessoa e o EEG também pode nos dizer um pouco da resposta de uma pessoa a um estímulo específico. “Há, contudo, muito barulho de fundo na forma de espontâneas ondas cerebrais, e isto torna difícil identificar que mudanças nas ondas cerebrais estão ocorrendo devido a um estímulo específico. Uma variação relativamente nova no uso do EEG usa computadores para extrairem os barulhos de fundo de forma que as respostas das ondas cerebrais possam ser identificadas. Esets padrões de onda associados com estimulos específicos são chamados de potenciais evocados [ou respostas evocadas].

“Nas palavras de Edward Beck, um dos pioneiros das respostas evocadas, “uma qualidade única e identificadora… muitos indivíduos podem ser reconhecidos por características distintas  de suas respostas evocadas… Em outras palavras, a resposta evocada de uma pesoa é como uma impressão digital do cérebro.”

Esta idéia tem aplicações fascinantes se você está usando um implante cerebral  com capacidades do EEG para identificar um indivíduo. Não apenas você pode localizar a proximidade do indivíduo ao usar algo como o GPS, Sistema de Posicionamento Global, você pode monitorar suas respostas evocadas como parte de sua coleção de dados de bio-telimetria.

A resposta P300 ou onda P3, é uma “resposta de longa latência” que o seu cérebro tem a um estímulo. Isto pode ser criado por cliques, tons, flashes de luz ou pratcamente qualquer outro estímulo que uma pesoa possa detectar. Os cientistas são capazes de medir isto e é acreditado “representar uma atividade de tomada de decisão endógena do córtex”. Na década de 1970, os cientistas estavam estudando isto e outros meios de medir a atenção sob um custeio do Departamento de Defesa.

“No caso da questão P300… a distinção é entre um brinquedo eletrônico que pode detectar o estímulo sensorial ou a perspectiva muito mais interessante que o P300 represente uma das primeiras medidas objetivas da atividade cerebral correspondente a um ato da vontade. Se a segunda alternativa puder ser comprovada, os psicobiologistas possuiriam uma sonda eletrônica capaz de detectar o instante exato quando uma pessoa toma uma decisão. E, mais importante que tudo, eles saberiam antecipadamente de qualquer ação da parte da pessoa!

Durane minhas experiências de abdução, frequentemente pensei, “eles sabem o que eu vou fazer antes mesmo que eu o faça…” Isto é quão rapidamente os aliens pensam e respondem. Isto é telepatia ou é tecnologia? Eles são aliens ou são humanos?

Experimentos realizados no Centro de Medicina Comportamental de Yale mostram que “uma alteração neurofisiológica na atividade da onda cerebral ocorre e responde a uma atividade mental. Meramente imaginar que você está fazendo algo pode trazer a ativação cerebral similar ao que acontece quando realmente fazemos isso’. As palavras que são faladas e as imagens que são mostradas a um sujeito podem realm ente ter efeitos físicos sobre o sujeito, assim a terapia verbal pode ser uma terapia neural.’

O que pode ser aprendido ao colocar um sujeito em um “labirinto mental” e medir suas respostas evocadas ou sua onda P3? Uma coisa muito interessante que você pode estudar seria as respostas do indivíduo durante uma abdução ou uma percebida abdução por seres aliens, e como as respostas do sujeito diferem de uma experiência da vida normal. A despeito se ou não implantes são colocados nos cérebros das pessoas por seres alienígenas ou agentes de controle mental, a resposta evocada e a onda P3 são provavelmente apenas uma pequena representação dos dados que estão sendo coletados destes sujeitos.

Seção IV

Hipnose

A hipnose é frequentemente descrita como um estado de relaxamento durante o qual o indivíduo retém uma certa quantidade de controle. Contudo, o que o hipnólogo diz e como ele diz isso pode ter efeitos duradouros sobre o sujeito. As pessoas podem ser levadas a responderem perguntas de uma maneira particular enquanto estão sob hipnose. Considere as seguintes definições que tem sido publicadas em dos textos didáticos universitários de psicologia:

“Hipnose é um estado de sugestionabilidade aumentada no qual uma pessoa é de forma não usual voluntária a realizar as diretivas do hipnólogo, inclusive aquelas que alteram as percepções do ego e do ambiente”. Alguns dos efeitos reputados da hipnose incluem memória aumentada, redução da dor, melhoria da performance atlética, melhoria da performance escolar, e habilidade de lembrar dos estágio mais iniciais do desenvolvimento. Alguns pesquisadores acreditam que a hipnose pode também ser usada pelos terapeutas para criar divisões de personalidade em seus pacientes.

De fato, não estou implicando que os pesquisadores da abdução que usam a hipnose estejam fazendo algo como isso. Muito mais, esta discussão é destinada a apresentar ao leitor o que os cientistas afiliados á CIA tem feito no passado, e o quão poderosos podem ser os efeitos da hipnose sobre certos individuos.

A seguir um breve olhar em alguns cientistas que são notórios por seu trabalho com a hipnose.

Dr. George Estabrooks foi o chefe de psicologia da Universidade Colgate durante a década de 1930. Estabrooks afirmou que “A hipnose não funciona em todo mundo e que somente uma pessoa em cada cinco é um bom sujeito para ser colocado em transe profundo…” Além disso, a hipnose e a narco-hipnose [a combinação de drogas com a hipnose] tem sido demonstrado fazer os sujeitos acreditarem que estão falando com alguma outra pessoa que não é o cientista interrogador.

Durante os anos iniciais da Guerra Fria, a CIA descobriu seu primeiro “Tzar da pesquisa comportamental”. O nome dele era Morse Allen. Um dos primeiros sucessos dele foi fazer com que “jovens secretários da CIA permanecessem depois do horário do trabalho… provando para sua própria satisfação que [com o uso da hipnose] ele podia fazer com eles o que quisesse.”

Isto me leva de volta ao tempo em que eu estava revisando algumas transcrições da hipnose de uma outra abduzida. Durante as sessões dele de hipnose com um hipnólogo homem, ele me disse que enquanto sob hipnose, “o doutor a ama muito”. Logo depois desta sessão a mulher começou a sentir sentimentos deslocados de afeição em realação ao hipnólogo. É desnecessário dizer, isto perturbou grandemente esta mulher. Quando ela entendeu o que estava acontecendo, ela ficou incrédula, mas não tinha outro meio de explicar seus sentimentos. Levou várias semanas para que os sentimentos dela cedessem.

[Este é um exemplo de um hipnólogo que cometeu um engano durante a hipnose. Estou usando isso como uma ilustração do poder que a hipnose pode ter sobre um indivíduo em particular. Isto não deve ser mal interpretrado como um exemplo do que todos os pesquisadores de abdução fazem aos abduzidos enquanto estes estão sob hipnose.]

Durante o trabalho inicial de Morse Allen com a hipnose, sua meta era “…tomar um existente estado de ego – tal como um companheiro imaginário da infância – e construir isto em uma personalidade separada, desconhecida da primeira”. Allen então trabalharia com esta nova personalidade que ele criou e “a comandaria para realizar deveres específicos sobre os quais a personalidade principal de nada saberia. Haveria um vazamento inevitável entre as duas personalidades, particularmente nos sonhos; mas se o hipnólogo fosse suficientemente sagaz, ele poderia construir histórias cobertura e válvulas de segurança que evitariam que o sujeito agisse inconsistentemente”.

Isto foi o que foi feito com uma bela e talentosa mulher chamada Candy Jones durante a década de 1960. Candy Jones foi usada pela CIA como um correio e se tornou uma vítima de abuso e tortura por mais de dez anos. Seu caso foi estudado por Donald Bain e publicado em 1976.

Este vazamento de informação é pertinente a nossa discussão já que também se relaciona a abduções. Alguns pesquisadores da abdução acreditam que os aliens usam algum tipo de sugestão pós hipnótica de forma que os abduzidos não se lembrem de suas abduções. Contudo, sabemos da informação que tem sido relatada por abduzidos que muito da informação, tem, de fato, “vazado”.

Já que sem dúvida temos hipnólogos sagazes e aliens, talvez “histórias coberturas e válvulas de segurança” tem sido constrúidos durante o processo de indução de amnésia. Em outras palavras, como ressalta Martin Cannon em “The Controllers” bem como a Dra. Karla Turner fez em seu trabalho; devemos considerar a possibilidade que alguma informação que estamos obtendo dos abduzidos possam ser hisstórias cobertura, talvez até mesmo a informação para torar da trilha certa as nossas investigaçãoes. Cannon cita um Dr. Martin T. Orne para ilustrar este ponto:

[Você deve saber que o Dr. Orne foi o chefe do Comitê sobre Hipnose da Pesquisa Naval. Ele ajudou a desenvolver o uso coercivo do controle mental hipnótico para a CIA. O  Dr. Orne também recebeu grandes somas de dinheiro da CIA para apoiar sua pesquisa de hipnose em Harvard.] [93] Citando o Dr. Orne:

“A S [subjeito] que é capaz de desenvolver uma boa amnésia pós hipnótica também responderá a sugestões para se lembrar de eventos que realmente não ocorreram. Ao despertar, ele recordará os eventos sugeridos. Se algum, este fenômeno é mais fácil de produzir que a amnésia total, talvez porque isto elimine o sentimento subjetivo de um espaço vazio na memória.”

Este é um cenário confuso  a considerar se você é um abduzido ou um pesquisador da abdução. Não posso imaginar que um grupo de indivíduos queira admitir que possam ser tão manipulados por outros humanos ou aliens. Contudo, é importante para nós considerarmos que isto, de fato, possa estar ocorrendo. Não quero implicar que todas as abduções aliens possam ser explicadas por esta técnica, mas devemos olhar o que os humanos [e os aliens] são capazes de fazer. A este ponto, ainda somos deixados com as escolhas que ressaltei em “The Alien Jigsaw”: 1) os aliens estão nos manipulando para nos fazer acreditar que nosso governo está nos abduzindo, 2) O nosso governo realmente está nos abduzindo, 3) Tanto os aliens quanto o nosso governo estão nos abduzindo. Pesoalmente, não gosto de qualquer uma dessas escolhas.

Como documentado por John Marks, durante os anos de 1960 a Divisão de Contra-inteligência da CIA tinha três metas: “1) induzir a amnésia muito rapidamente em sujeitos involuntários; 2) criar uma amnésia durável; e 3) implantar sugestão pós hipnótica operacionalmente útil e durável.”

Certamente esta beve visão geral da hipnose, podemos ver que se agentes humanos do controle mental quissesem que alguém se lembrase de aliens ao invés de lembrarem de humanos, isto pode ser realizado. O mesmo é verdadeiro em relação aos aliens. Além disso, se um sujeito tem sido implantado com um implante altamente sofisticado, um grupo pode ter encontrado um meio de obter o sujeito a cada vez que seja necessário que ocorra uma abdução. É possível que eles possam ordenar que o sujeito vá até eles.

Seção V

Radiação Microondas

Microondas são compostas de radiação eletromagnética e tem um comprimento de onde de aproximadamente 12 para aproximadamente 0.04 polegadas [ entre os comprimentos de onda do infra-vermelho e do radio de ondas curtas]. O alcance da frequência é de 1.000 a 300.000 megahertz. As microondas são usadas para radaar, ligações de comunicação a distâncias moderadas e cozinhar.

As microondas podem :

Afetar o sistema nervoso central
Alterar o ritmo natural da onda cerebral no corpo
Induzir alucinações
Criar mudanças na percepção, inclusive uma perda no sentido de tempo
Alterar as secreções das glândulas endócrinas
Produzir alterações comportamentais.

Por dez anos, iniciando em 1962, os russos bombardearam a embaixada americana em Moscou com radiação microondas. A CIA sabia disso mas manteve isto em segredo para encobrir seus próprios experimentos com radiação. Esta “não ação” da CIA custou as vidas e a saúde de alguns de seus empregados que trabalhavam na embaixada americana em Moscou.

Simplesmente ler esta lista parcial do que as microondas podem fazer, podemos ver que se bastante microondas são dirigidas a um sujeito, pode-se induzir alucinações e talvez até mesmo um sentimento de ‘tempo perdido”. Se o indivíduo não presta atenção a tempo, eles podem assumir que tiveram uma experiência de abdução quando de fato foi algo mais. É possível então que um grupo nefasto de experimentadores pode fazer certos indivíduos acreditarem que estão sendo abduzidos por aliens se eles quiserem fazer assim.

Não posso deixar esta breve discussão sobre as microondas sem mencionar outras formas de tecnologia de ondas. Em 1995, o Dr. Nicholas Begich e Jeane Manning co-autoraram “Angels Don’t Play This HAARP”: Advanços na Tecnologia de Tesla. O livro deles c ontém muitíssima informação que eu não posso oferecer nesta visão geral nos detalhes que a pesquisa deles cobre. Cintudo, simplesmente ao ler o prefácio do Dr. Patrick Flanagan, aprende-se que ele desenvolveu uma máquina de telepatia eletrônica chamada Neurofone, há 37 anos atrás! Dr. Flanagan discute os problemas que ele teve com o governo para obter uma patente para sua nova invenção, a as cautelas que o público deve ter sobre o possível mal uso da tecnologia de HAARP.

Mas o que é HAARP?  É Programa de Pesquisa de Alta Frequência Ativa Auroral. O aparelho é destinado a irradiar mais do que 1.7 gigawatts (bilhões de watts) de energia irradiada na ionosfera – a camada eletricamente carregada sobre a atmosfera da Terra. O livro de Begich e Manningexamina os efeitos que tem as radio frequências sobre animais, humanos e meio ambiente.

Durante a primeira semana de setembro de 1996, CNN trouxe uma breve história sobre como as morsas estavam escorregando para suas mortes de vários penhascos ao longo da costa do Alasca. Eles mostraram o filme dos pobres animais escorregando e lutando todo o caminho da descida até a borda dos penhascos antes de fato serem atirados abaixo sobre as rochas. Durante a transmissão do noticiário, o repórter foi taxativo sobre o fato de que os animais nada tinham de errado e nem estavam se suicidando. Eles estavam simplesmente perdendo seu equilíbrio – todos de repente e em numeros recordes. Isto pode ter sidfo um efeito de HAARP? Estão os pobres animais sno irradiados com uma frequência específica que faz com que eles percam o equilíbrio [equilíbrio do ouvido interno] momentaneamente? Humanos e animais não merecem morrer a cada vez que o nosso governo projeta um novo brinquedo – ou arma – que é o que HAARP tem se mostrado ser.

Seção VI

Uma Defesa Duvidosa

Devido ao sistema individual de crenças, provavelmente sempre haverá pessoas que resistirão em acreditar nas abduções alien ígenas e no controle mental. Também existirão pessoas que tentarão desaprovar e até mesmo desacreditar estes indivídos. Porque não chama-los de completos mentirosos como o fazem os dementidores frequentemente, alguns céticos afirmam que as abduções nada mais são que “memórias” de episódios esquizofrênicos ou ilusões. O mesmo tem sido dito das vítimas do controle mental.

John Carpenter, John Mack, e o falecido Nicholas Spanos tem feito um trabalho digno de menção ao defender os abduzidos e explicar a verdade sobre a boa fé das desordens mentais e seu relacionamento com a abdução alien. E acredito que a Fundação William Bowart está lutando para educar o público sobre os experimentos de controle mental. Infelizmente, ainda há um outro obstáculo que todos nós teremos que ultrapassar em nossa jornada para a iluminação.

FMS ou Síndrome da Falsa Memória é uma ‘síndrome’ não comprovada que é popular para usar na tentativa de desacreditar vários assuntos desagradáveis, um dos quais é a “abdução alien”. Contudo, a Sindrome da Falsa Memória não é reconhecida oficialmente no  DSM-III-R, o Manual Diagnóstico e Estatístio das Desordens Mentais, de forma que como isto pode se tornar uma tal arma poderosa?

Lembre-se do Dr. Martin T. Orne, (que ajudou a CIA a desenvolver usos coercivos de controle mental hipnótico] de nossa discussão anterior sobre a hipnose? Você pode achar isto de certa forma um conflito de interesses saber que ele “é também um membro original da mesa de aconselhamento da Fundação da Síndrome da Falsa Memória..”

Autor de “Psychic Dictatorship in the U.S.A.”, Alex Constantine escreve, “O debate da memória recuperada foi discutido em uma conferência de 1993 sobre Desordem da Personalidade Múltipla. Richard Lowenstein, um psiquiatra da Escola Médica da Universidade de Maryland, argumentou que a Fundação é “dirigida para a media e dedicada a levar adiante a disinformação”.

Constantine afima, “A diretoria da FMSF é quase que inteiramente composta de antigos médicos militares e da CIA atualmente empregados pelas maiores universidades. Nenhum deles tem background em abuso ritual – seu interesse em comum é modificação do comportamento”.

Embora eu gostasse de ver mais referências citadas que apoiem todas as afirmações de Constantine, seu capítulo sobre a Síndrome da Falsa Memória e a ‘Fundação” por trás dela devem ser revisadas. “Acid Dreams” de Lee e Schlain e  The Search for “The Manchurian Candidate” de Marks verificam as ligações de Martin Orne e Louis Jolyon West com CIA, ambos os quais foram membros passados da Fundação da Falsa Memória.

Seção VII

Cirurgia Virtual – Realidade Virtual

Há uma nova operação na “cidade”  – quase. Ela é chamada de “cirugia da telepresença” e é esperada ter até mesmo maiores efeitos na medicina do que a laparoscopia teve quando entrou em pleno uso.

A cirurgia da telepresença é “uma nova tecnologia na qual umm  cirurgião humano manipula instrumentos cirurgicos que parecem se estender dentro de uma imagem tridimensional do corpo do paciente enquanto os computadores traaduzem perfeitamente os movimentos do cirugião nas ações paralelas de uma máquina que tem os reais instrumentos cirurgicos dentro de um paciente de carne e osso.”

O coronel do excército Rick Satava, que é um  cirurgião laparoscópico bem como um grente do programa da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada do governo (ARPA) é conhecido ser o “pai da cirurgia da telepresença.”

O sistema da cirurgia da telepresença foi desenvolvido por uma companhia chamada  SRI, Instituto de Pesquisa Stanford na Califórnia. “O aparelho é uma criação de Phillip Green…que tem estado inventando equipamento para diagnóstico médico desde a década de 1960.”

A meta máxima é ter robôs cirurgicos remotamente operados que possibilitarão que os cirurgiões realizem  cirurgias a centenas de milhas de distância do paciente.

Uma outra revolução quieta, desta vez na fabricação de chips para computador, também está ocorrendo. Em janeiro de 1996, Popular Mechanics trouxe um pequeno artigo intitulado “Grampeando o Cérebro”. Este pequeno artigo explicou como os cientistas da Cal Tech criaram um chip de silicone que pode conter céllas nervosas enquanto ainda permitem que elas formem conexões interneurais. Seus chips “tem  16 cavidades de micro-máquinas, chamadas de neurodungeons, nas quais os neurônios imaturos são injetados. Cada topo da cavidade é coberto com uma grade que mantém o neuronio aprisionado, mas que permite que ele envie rebentos e se conectem a outros neuronios. Os pesquisadores ‘grampeiam’ com eletrodos na parte inferior de cada cavidade para “ouvir” o que os neuronios estão dizendo uns aos outros”.

Conquanto a cirurgia da telepresença ainda não tenha chegado – ao menos não em público – a realidade virtual já chegou. Pode ser argumentado que algumas das experiências que os abduzidos descrevem possam ser explicadas pela tecnologia da realidade virtual. Acredito que esta é uma possibilidade por causa da extensão na qual a tecnologia dos implantes tem sido estudada e desenvolvida. Além disso, a falacida Karla Turner, autora e pesquisadora de abduções, descreveu esta possibilidade em seu livro “Taken: Inside The Alien-Human Abduction Agenda”. Dr. Turner chamou estes tipos de experiência de Cenários de Realidade Virtual [VRS]

Se alguém tem sido implantado com um aparelho intracerebral, então os operadores do implante podem ser capazes de abduzir alguém “ao abduzir sua mente” enquanto o corpo da pessoa permanece na cama. A inexplicável vividez de algumas narrativas de abdução pode ser explicada pela implantação eletrônica de memórias no cérebro do abduzido. Certamente este pode não ser o caso de todas as abduções, mas pode explicar uma pequena porção das abduções.

Os raros casos que vem a mente são os daqueles indivíduos que parecem ter algum tipo de memória ou experiência a cada noite por semanas a fio. Podem estas pessoas serem levadas de suas casas a cada noite, noite após noite, sem ninguém ver qualquer coisa, ou a informação está sendo forçada na mente delas por akgum tipo de chip de realidade virtual? De um modo ou outro, o pobre indivíduo está vivendo um pesadelo.Como aprendemos em nossa discussão sobre eletroencefalografia, “as palavras que são faladas e a as imagens que são mostradas ao sujeitom podem realmente ter efeitos físicos sobre o sujeito, e então a terapia verbal pode ser uma terapia neural”.

Certaimente muitas abduções são físicas, na qual o indivíduo flutua através do teto ou da janela fechada para dentro de um UFO que plana. Relatos de abduções com múltiplsas testemunhas e participantes fortemente apoiam a realidade da abdução alienígena física. Contudo, é importante considerar que algumas abduções possam ser “abduções virtuais”. Devemos entender que a despeito de se a abdução é física ou mental, o abduzido [ou a vítima de controle mental] ainda vivencia os traumas físico e emocional relacionados a ela.

As Origens da Tecnologia

Segundo Walter Bowart, autor de “Operation Mind Control”, “Grealmente há um intervalo de vinte anos entre o desenvolvimento em laboratório de uma nova tecnologia e sua aplicação em massa”.  Begich e Manning tem um interessante linha de tempo para HAARP que inclui algumas das invenções de Nikola Telsa; eu tenho pesquisado as origens da laparotomia e laparoscopia [com descobertas interessantes] pela segunda metade do Projeto Open Mind.

Olhando para Trás

Um dos colegas de Delgado, Dr. Stuart Mackay publicou um livro em 1968 intitulado “Bio-Medical Telemetry”. Ele afirmou, “Entre os muitos instrumentos de telemetria sendo usados hoje estão a miniatura de transmissores de radio que podem ser engolidos, carregados externamente, ou implantados cirurgicamente em homens ou animais… Os transmissores introduzidos através das aberturas naturais do corpo humano podem sentir o PH do estomago, o local do sangramento ao longo do trato gastrointestinal, a intensidade da radiação, e as mudanças na pressão na bexiga devida a micção…” Dr. Mackay continuou para afirmar, “…é esperado que estas poucas palavras preliminares darão um sentimento do escopo desta atividade… as possibilidades são limitadas apenas pela imaginação do investigador.”

Repare também que P.M. Persson, um pesquisador do Instuituto de Pesquisa de Defesa Sueca ecreveu em um artigo em 1965: “Uma parte essencial da bio-telemetria abrange a transmissão de dados. Isto ocorre principalmente Acom a ajuda de um transmissor implantado cirurgicamente… a tecnologia tem sido desenvolvida muito extensamenet na pesquisa médica.”

Se a gente voltar ainda mais atrás no tempo, considere o seguinte: os implantes estavam sendo usados em pessoas não voluntárias ‘tão cedo quanto cinquenta an os atrás [como mostrado] nos raios X de operações que ocoreram, por exemplo, no Karolinska Hospital em 1946, ou no Hospital Infantil Sachska em 1948, ambos localizados em Estocolmo [Suécia]. … isto foi primeiramente descoberto por uma mãe depois de uma v isita não programada. Ao ouvir os gritos de sseu filho na sala de operações, ele correu entrando e descobriu uma equipe cirurgica e enfermeiras sob a chefia do médico senior Alm, que mandara que ela saísse, não, contudo, antes que ela testemunhasse como eles estavam dirigindo uma grande quantidade de eletrodos pela base do cranio ainda macio de seu filho”

Um caso muito bem documentado de implante de aparelho eletrônico em uma vítima não voluntária é o caso de Robert Naeslund. Naeslund foi involuntariamente implantado durante uma operação em Estocolmo, SUÉCIA,  durante o final da década de 1960. Ele tem os raios X que mostram claramente o transmissor em forma de cogumelo em seu cérebro. Citando Naeslund, “Tenho sido usado em um experimento médico que tem significado uito sofrimento e tem sido muito doloroso. A operação foi realizada pelo Dr. Curt Strand, que inseriu um objeto estranho, um chamado transmissor cerebral, em minha cabeça através de minha pasagem nasal direita.”

Quantas vezes nós temos ouvido abduzidos dolorosamenet relatarem como os aliens os implantaram colocando um pequeno  objeto  através de sua cavidade nasal e cavidade do sinus? Quantas vezes ignoramos esta informação vinda das alegadas vítimas de controle mental?

Parece que os implantes de vários tipos tem sido colocados em humanos, com ou sem o consentimento deles, ao menos desde a década de 1940. Segundo quem você perguntar, abduzido alien ou vítima de ontrole mental, é acreditado que eles tem sido colocados por médicos humanos ou aliens.

Os Mensageiros

Esta seção é destinada a fornecer ao leitor uma informação geral sobre os autores cujas referências e informação eu usei na primeira parte do Projeto Open Mind. Nem sempre fui capaz de obter informação pessoal sobre os autores e nestes casos, inclui mais informação sobre seus livros ou pesquisa.

Bain, Donald. The Control of Candy Jones. Chicago, Illinois: Playboy Press, (Distributed by Simon & Schuster, Inc. New York) 1976.

Jacket Highlights – “Bela e talentosa, Candy Jones era a principal modelo americana nas décadas de 1940 e 1950. Em um mês ela foi a capa de 11 revistas e se apresentou em uma peça da Broadway. Então ela entrou em tempos difíceis. Em 1960, ela relata, ele foi financeiramente receptiva a uma abordagem da CIA para agir como correio. Ela avalia que serviu à agência por 12 anos. Esta é a própria história de Candy deses anos tumultuosos, recriada das fitas feitas enquanto ela estava sob hipnose profunda… Foi enquanto estava sob hipnose que Candy falou de ser usada como uma cobaia em um programa de controle mental da CIA. Esta história assustadora foi retirada de mais de 200 horas de gravação durante os transes de Candy.”

“Sob hipnose, Candy relata como um médico da CIA partiu sua psique em duas personalidades distintas, criando duas mulheres em um só corpo a sua vontade. Ela conta de viajar a Taiwan onde foi torturada fisicamente; de ter sido posta a disposição da sede da Agência; de ser conduzida a tentar o suicídio durante uma tentativa de silencia-la… as revelações recentes dos experimentos de controle mental da CIA fazem da história dela inegavelmente plausível…..”

Tenho Tido Velhas Memórias Evocadas

Em junho de 1990, tive um encontro durante o qual eu estava de pé em minha sala de jantar perto da mesa. Em resumo, um gorducho doutor pequeno qe estava usando um qavental cirúrgico verde, inseriu dois pequenos postes de metal em minha boca por trás dos meus dentes e foi muito doloroso. Eu pude sentir a dor e a pressão em ambas as minhas têmporas quando subitamente, senti como se os aparelhos tivessem penetrado meu cérebro.

Eu me tornei muito emotiva e comecei a reviver velhas memórias. Era como se os eventos que vivenciei no passado estivessem ocorrendo naquele exato momento. Eu estava de pé em minha sala de estar, mas também estava em minha aula de psicologia. Então, subitamente, eu estava tocando em uma orquestra de uma Universidade que frequentei. Estava tocando minha clarineta e estava no meio de um concerto, mas ain da estava de pé na minha sala de estar e estava consciente dos dois eventos ocorrendo simultaneamente. O pequeno doutor humanóide estava estimulando os caminhos da mempória em meu cérebro.

Depois eu estava convencida que um dos aparelhos estava [preso no meu cérebro, achei-me em um hospital e estava vivenciando tanta dor que eu cai no chão. Naquele tempo, eu acreditava estar a bordo de uma nave alienígena mas dentro esta estrutura parecia um hospital.

Recuperei a consciência depois de ouvir a voz de uma criança dizer, ‘um humano morto?” em referência a mim deitada no chão.

Olhei para cima e vi uma mãe com uma criança de pé perto de mim e levantei. Então entrei em uma sala enorme por portas duplas onde vi muitas pessoas deitadas em mesas. Cada pessoa estava cercada por uma equipe de médicos. Eu pasei por uma mesa onde uma mulher negra estava deitada. Ele estava lutando para se levantar e um dos médicos tomou um bastão e tocou nela. Parecia que isto enviou uma corrente de eletricidade porque a mulher caiu para trás e novamente na cama, desmaiou.

Depois dessa experiência acordei em minha cama me ‘sentindo extremamente tonta”, como se eu tivesse sido drogada. Tive dor de cabeça e a minha mandíbula estava bastante dolorida e tive uma ligeira elevação da temperatura. Quando me olhei no espelho do banheiro não pude encontrar uma evidência física que o aparelho tinha estado em minha boca. Não havia sangue, marcas de punção ou arranhões por trás ds meus dentes, em minhas gengivas ou no céu da boca.

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://conspireassim.wordpress.com/2008/09/20/abducoes-et-ou-do-governo/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] If you liked this post then you may like this one […]

  2. Eu sou abduzido desde a infância, me lembro de três abduções e se pedir ajuda a alguém vou passar por louco. O governo massacra, tortura, esfola e assassina milhares e mais milhares de crianças desaparecidas “misteriosamente” todos os anos. Só no Brasil são mais de 110 crianças desaparecidas todos os DIAS. O problema maior é que nos tornamos mais assassinos que o governo. Já ouvi confissões de pessoas dizendo que se excitam sexualmente quando lêem sobre militares cometendo abuso sexual com crianças e adolescentes. A humanidade está fria, congelada, insensivel, cruel, fútil, burra e enganada. Eu oro, medito e jejuo todos os dias pedindo pra que essas pessoas saibam que o mundo não é como papai e mamãe nos contaram em casa e titia nos contou na escolinha. Uma crueldade traumática bombardeia as crianças todos os dias em nome do dinheiro e do poder militar, até quando vamos financiar o abatedouro?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: