Novas Gripes, Velhos Medos

O Alarmante Projeto do Pentágono: Bioguerra utilizando a Vacina da Gripe Aviária

F. William Engdahl

Global Research
15 de agosto de 2008

Há alarmante evidência acumulada por séria fonte científica que o governo dos EUA já está para fazer ou já tem “feito uma arma” da Gripe Aviária. Se os relatos são acurados, isto pode desencadear uma nova pandemia no planeta que pode ser mais devastadora do que a Gripe Espanhola de 1918, que matou estimadamente 30 milhões de pessoas mundialmente antes de eventualmente acabar. O Pentágono e o NIH realizam experimentos com os restos congelados do virus de 1918 que estão nas alturas da loucura científica. Estão os EUA perto de desencadear uma nova pandemia seletiva racial através do processo da vacinação obrigatória com a alegada vacina contra a Gripe Aviária?

“Dado a chocantemente óbvia falta de qualquer ameaça de um vírus não feito uma arma H5N1, como podemos explicar que a administração Bush gaste bilhões de dólares preparando cada um dos 50 Estados para o que ela chama de “inevitável pandemia de Gripe Aviária” que eles dizem poder matar metade ou mais de todos americanos e números similares de pessoas ao redor do globo?

Há razão para acreditar que seções do cartel da indústria farmacêutica internacional estejam agindo de acordo com os EUA para desenvolver uma subtância de virus H5N1 geneticamente modificado que possa desencadear uma pandemia criada pelo homem, talvez mais mortal do que a ‘Gripe Espanhola de 1918″ exigindo mais de 30 milhões de vidas.

Rima E. Laibow, MD, chefe da Natural Solutions Foundation, uma cidadã do grupo de vigilância monitorando a indústria farmacêutica afirma, “Nossa melhor inteligência é que a pandemica Gripe Aviária já tem sido criada por meio da engenharia genética nos Estados Unidos, fundindo o genoma mortal da Pandemia de 1918, mal chamada de Gripe Espanhola, com o DNA do inócuo virus H5N1 em um meio de crescimento de células de rins humanos, segundo os Institutos Nacionais de Saúde e o fabricante da vacina. Alguns virologistas acreditam que isto asseguraria que o virus mutante criado pelo homem reconheça células humanas e como invadi-las”.

Se verdadeiro, como ressalta Laibow, “Um fato básico virológico que não tem sido dito ao público é que é impossível fazer uma vacina contra um vírus que ainda não existe. Os esforços de Relações Públicas ao contrário, se uma vacina está sendo feita contra ao vírus da Gripe Aviária em sua forma pandemica, isto significa que o vírus pandemico já existe, pondo um fim na discussão”.

O genoma da pandemia de 1918, da chamada Gripe Espanhola, foi recentemente intencionalmente ressuscitado pelo governo dos Estados Unidos de um cadáver congelado que morreu da gripe em 1918 no Alasca. Por causa desta ‘ressurreição’, ambas a Gripe Aviária e sua vacina, agora são uma importante ameaça à saúde pública.

A Gripe Espanhola, que afinal não era espanhola, foi criada nos Estados Unidos por um programa anterior de bioarmas e injectada em sadiós jovens homens [isto é, soldados] como a primeira vacina obrigatória nos militares durante a Primeira Guerra Mundial. A Gripe Espanhola, que se originou em bases militares no Estado do Kansas, foi uma das epidemias mais mortais na história moderna. Também foi uma das mais bem sucedidas armas biológicas criadas, até agora.

Até esta data, há apenas por volta de 385 casos humanos de Gripe Aviária identificados mundialmente [assumindo que estas identificações sejam confiáveis, com certeza], com 243 mortes. Para apresentar o absurdo deste esforço em perspectiva Laibow ressalta, as mortes cardíacas súbitas, que os pesquisadores acreditam estarem pesadamente associadas ao consumo de aspartame, é a causa principal de morte que, segundo os Centros de Controle de Doenças [CDC], por exemplo, matou 460.000 americanos em 1999 e os números continuam aumentado ( veja http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/mm5106a3.htm.)

Mas o aspartame não está sob crítica. Interessantemente como uma nota de rodapé sobre o aspartame,  G.D. Searle, a companhia farmacêutica de Chicago esteve em perigo de perder sua licença concedida pela Administração de Drogas e Alimentos dos EUA [FDA] nos anos de 1980 até que Donald Rumsfeld, fora do Governo, foi indicado Presidente da Searle. Rumsfeld usou seus contactos em Washington para fazer com que a FDA aprovasse o aspartame, a despeito dos testes conhecidos mostrando os sérios efeitos sobre a saúde dos ratos teste.

Como documento em detalhes em meu livro, ‘Seeds of Destruction: The Hidden Agenda of Genetic Manipulation’, o mesmo Don Rumsfeld continuou para se tornar presidente e principal acionista de uma companhia farmacêutica na Califórnia, a Gilead Sciences Inc., que desenvolveu e patenteou em 1996 o TAMIFLU, primeiramente como uma droga contra a AIDS, e mais tarde como uma vacina contra a Gripe Aviária H5N1. Em 1997 Donald H. Rumsfeld foi indicado Presidente da Diretoria da Gilead Sciences, onde ele permaneceu até o início de 2001 quando se tornou Secretário de Defesa. Como Secretário, ele se recusou a vender suas ações naquele tempo em que ele esteve sob alegações de conflito de interesses quando ele ordenou que um bilhão de dólares em TAMIFLU fosse comprado para ser injetado nos militares americanos como uma ‘precaução’. Mas tarde foi provado que o TAMIFLU não era antídoto para H5N1 e seus efeitos colaterais eram algumas vezes muito severos.

Laibow acrescenta, “Dada a chocantemente óbvia falta de qualquer ameaça de um vírus H5N1 não feito arma, como podemos explicar que a administração Bush gastasse bilhões de dólares preparando cada um dos cinquenta Estados para o que ela chama de ‘inevitável pandemia de Gripe Aviária’ que eles dizem possa matar metade ou mais de todos americanos e números similares ao redor do globo? ”

De modo preocupante, em 3 de junho, a Associated Press relatou, “Tyson Foods Inc. tem começado a matar e enterrar as carcaças de 15.000 frangos de um rebanho que testou positivo para a exposição a uma cadeia de gripe aviária no noroeste do Arkansas, disseram funcionários na terça-feira.”

Tyson Foods é o maior produtor industrializado de galinhas no mundo e tem estado repetidamente sob ataque por suas condições não sanitárias de cruzamento e matança. Em janeiro de 2005, um Escritório de Contabilidade do Governo dos EUA (GAO) relatou ao Senado americano, “A Segurança na Indústria da Carne e Aves Domésticas”, concluindo que as fábricas de processamento de carne e aves domésticas nos EUA tem “uma das mais altas taxas de ferimentos e doenças em toda indústria”. Eles citaram a exposição a “químicos perigosos, sangue, matéria fecal, exacerbados pela pobre ventilação e frequentemente temperaturas extremas. Os trabalhadores tipicamente enfrentam condições perigosas, barulho alto, devem trabalhar em confinamentos estreitos com instrumentos agudos e maquinário perigoso”.

A industrialização dos frangos criados e mortos nos EUA tem progredido ao ponto que por volta de 2003 quando os primeiros casos de Gripe Aviária eram relatados na Ásia, cinco gigantes companhias de agronegócios multinacionais dominavam a produção da carne de frango nos EUA. As cinco companhias eram Tyson Foods, a maior do mundo;  Gold Kist Inc; Pilgrim’s Pride; ConAgra Poultry; e Perdue Farms. A maioria dos surtos de Gripe Aviária na Àsia tem sido rastreados de volta a tais centros industriais em massa de frangos.

Em maio deste ano,  Canadian Press relatou de Toronto, “Um experimento combinando virus H5N1 de Gripe Aviária e uma cadeia de gripe humana em um laboratório produziu um número surpreendente de virus híbridos que eram biologicamente capazes, um novo estudo revela. E conquanto nenhum destes virus prole fosse tão virulento quanto o original H5N1, aproximadamente um em cada cinco era letal aos camundongos em doses baixas, mostrando que eles retinham ao menos uma parte do poder de seu perigoso pai”.

O artigo de Toronto continua, “O trabalho sugere que sob as circunstâncias corretas – e não está claro quais sejam elas – os dois tipos de virus de gripe podem trocar genes de um modo que pode permitir ao H5N1 adquirir a capacidade de desencadear uma epidemia. Este processo é chamado de reagrupamento. ‘Este estudo está mostrando exatamente isto: Há um risco que este virus possa com sucesso se reagrupar com um vírus humano’, disse Richard Webby, diretor do centro de pesquiza da influenza da Organização Mundial de Saúde no Hospital St. Jude em Memphis, Tennessee.”

A Pesquisa de Bioarmas do Pentágono

Prof. Mathew Meselson, um professor de biologia molecular de Harward, e um cientista muito respeitado na área de guerra química e biológica, confirma que o governo dos EUA tem extensamente pesquisado e desenvolvido armas biologicas no passado. Meselson descreveu uma instalação americana, ao norte de Terre Haute, Indiana, construída em 1944 que teria produzido 50.000 bombas de quatro libras de antrax mensalmente uma vez em completa operação.

Meselson foi parte de uma equipe que provou a liberação acidental do antrax em uma instalação soviética em 1979, desaprovou acusações de guerra biológica no Laos e Cambodia nos anos de 1970 e foi a força diretora por trás de popularizar a Convenção de Armas Químicas em 1994.

Desde que assumiu o mandato, a administração Bush-Cheney tem feito muito para enfraquecer a Convenção das Armas Químicas bem como aquelas das armas biológicas. Um dos primeiros atos de George Bush como Presidente no início de 2001 foi se opor ao proposto Protocolo internacional de Armas Tóxicas e Biológicas, sem explicação, levando ao encerramento das conversas.

Em um estudo de 2004, a Associação Médica Britânica avisou que o mundo estava talvez a poucos anos de distância de “terríveis armas biológicas capazes de matar apenas pessoas de específicos grupos étnicos”, citando avanços na tecnologia genética das armas.

O Departamento de Segurança Doméstica dos EUA tem de forma bastante assustadora anunciado que está ordenando a produção e armazenamento de uma vacina para a influenza pandemica: “O Governo dos EUA está dando passos para minimizar a necessidade de tomar decisões de alocação das vacinas ao apoiar os esforços para aumentar a capacidade de produção da viacina contra a influenza. Custeio importante está sendo fornecido para desenvolver novas tecnologias de vacinas que permitam a produção suficiente da vacina da influenza para qualquer pessoa nos EUA que queira ser vacinada dentro de seis meses da declaração de uma pandemia”

O Curioso papel de Sanofi Pasteur

O Governo dos EUA tem estado financiando o desenvolvimento de uma vacina contra o H5N1 em uma base “de trilha rápida” desde 2004.  Sanofi Pasteur em Swiftwater, Pensilvânia, uma subsidiária da gigantesca companhia farmaceutica francesa, a terceira maior no mundo, fabricou uma vacina inativada feita do virus H5N1 isolado no Sudeste da Ásia em 2004.  Sanofi Pasteur, parte do grupo francês Sanofi Aventis, foi premiada pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) dos EUA, parte dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), NIAID para fabricar a vacina H5N1 em maio de 2004.

Em abril de 2007 o FDA aprovou a vacina de Sanofi Pasteur para H5N1 até mesmo embora um ano antes o FDA tenha citado [indiciado] a Sanofi Pasteur por produzir vacinas FLOUZONE contaminadas. A vacina H5N1 aprovada pelo FDA é por sí só aparentemente não eficaz no evento de uma transmissão de um surto de humano-para humano de Gripe Aviária. Ao anunciar a sua aprovação, o FRA declarou: “Duas injeções dadas em um intervalo de 28 dias pode fornecer ‘limitada’ proteção se uma pandemia ocorrer. Aproximadamente 45% das pessoas que receberam a vacina em um estudo desenvolveram uma resposta imune ao virus”.

Até agora o H5N1 não tem sofrido mutação para uma forma que possa facilmente ser transmitida de pessoa-a-pessoa. Então no que é que o Sanofi Pasteur e outros laboratórios sob contrato do governo dos EUA estão engajados? Seim o for, isto claramente pode ser classificado de top-secreto. A respeita revista britânica “New Scientist” comentou: “Se o H5N1 não sofrer mutação, não está claro se as vacinas desenvolvidas agora funcionarão contra uma cadeia pandemica. Os fabricantes podem talhar uma nova vacina para esta cadeia, mas os atuais métodos de produção levam meses”.

A revista notou que a pesquisa sobre a vacina do Sanofi foi realizada pelos Institutos Nacionais de Saúde como parte dos esforços do governo dos EUA para se preparar para uma pandemia de gripe.  A questão sliente é se eles “se preparam para uma epidemia de gripe” ou se eles preparam ‘uma epidemia de gripe”. Porque o governo americano está gastando milhares de dólares dos contribuntes para armazenar estas vacinas H5N1 que provavelmente não funcionarão contra um tal surto pandemico?

Em 2 de julho de 2008, o jornal London Daily Telegraph relatou, “Três médicos poloneses e seis enfermeiras estão enfrentando processo criminal depois que um número de pessoas sem teto morreram a seguir de testes médicos para uma vacina contra o virus da Gripe Aviária H5N1.”

O relato acrescentou que a equipe médica, da cidade nortista de Grudziadz, estava sendo investigada por testes médicos em 350 pessoas pobres e sem teto no ano passado, que os promotores dizem envolveram uma vacina não testada para um vírus altamente contagioso. As autoridades afirmam que as alegadas vítimas receberam três a serem testadas que eles pensavam ser uma convencional vacina contra a gripe mas, segundo os investigadores, era realmente uma droga contra a gripe. O diretor do centro dos sem teto de Grudziadz, Mieczyslaw Waclawski, disse a um jornal polonês que no ano passado, 21 pessoas do centro dele morreram, uma estatística muito acima da média de aproximadamente oito.

O relato polonês não especifica se esta vacina estava sendo desenvolvida sob contrato com o Departamento de Segurança Doméstica dos EUA pelo Sanofi-Pasteur. Contudo, é sabido que o Sanofi Pasteur tem estado produzindo grandes quantidades de uma tal vacina em uma fábrica que eles tem na China.

Dr. Laibow relata que a “Vacina Pata a Gripe Aviária Pandemica” foi programada ser liberada para os Estados Unidos este mês pelo fravricane francês da vacina, Sanofi Pasteur, de uma instalação que eles possuem na China, onde ela está sendo produzida. O Governo dos EUA divulgou seu plano para alocação da vacina em julho. Laibow teme que um cenário mais sinistro de uma liberação deliberada dos patógenos da Gripe Aviária sobre a população que possa ativar uma lei marcial e foçar uma vacinação com mortes resultantes de milhões que pode estar iminente.

A Gripe Espahola Reavivada pelo Pentágono

Em 2003 os cientistas do exército dos EUA recriaram o virus da Gripe Espanhola em laboratório. Segundo um relato naquele tempo pelo grupo de vigilância. O Projeto Sunshine que monitora a pesquisa de armas químicas e biológicas do governo dos Estados Unidos divulgou uma declaração que o virus da Gripe Espanhola que matou de 20 a 40 milhões de pessoas em 1918 esta atualmente sob reconstrução. Vários genes da gripe de 1918 extraordinariamente letal tem sido isolados e introduzidos nas cadeias contemporaneas de gripe. Estes se provaram serem letais para ratos, enquanto o vírus construido com os genes de atuais tipos de gripe dificilmente tinham qualquer efeito. Estes experimentos facilmente podem ser abusados para propósitos militares mas fornecem pouco benefício de um ponto de vista médico ou de saúde pública”.

Eles continuaram, “A Gripe Espanhola de 1918 foi altamente infecciosa e em comparação com os virus contemporanereos da gripe – mataram uma alta percentagem  daqueles infectados -, incluindo muitas pessoas mais jovens. Apenas a Gripe Espanholafez com que a expectativa média de vida nos EUA em 1918 caisse por dez anos. Daí, os virus da gripe serem percebidos hoje como uma séria ameaça de guerra biológica. Exatamente a dus semanas atrás, um fundo de pesquisa de 15 milhões de dólares foi concedido nos EUA para desenvolver medidas protetoras especialmente contra um ataque bioterrorista usando virus da gripe”.

A declaração acrescentou, “A despeito da natureza muito perigosa do virus de 1918, os esforços para reconstrui-lo começaram em meados dos anos de 1990 quando o Dr Jeffrey Taubenberger do Intituro de Patologia das Forças Armadas dos EUA em Washington DC teve sucesso em recuperar e sequenciar fragmentos do RNA viral de tecidos preservados das vítimas de 1918. Na corrente publicação da revista científica ‘Emerging Infectious Diseases’ os novos detalhes genéticos do vorus da gripe de 1918 serão publicados”.

Mas ainda mais amedrontador, eles relatam, “Mas depois [parcialmente] desenovelar a sequência genética do vírus, os cientistas deram um passo adiante e começaram a trazer de volta à vida o virus da gripe de 1918. Despercebido pelo público, eles tiveram sucesso em criar um virus vivo contendo dois genes de 1918 que se provaram ser muito letais em experimentos animais. Este experimento está apenas a um passo de distância de tirar completamente da garrafa o demonio de 1918”.

Eles concluem, “Uma ressuscitação da Gripa Espanhola não é necessária e nem garantida de um ponto de vista de saúde pública. Alegadamente, os experimentos recentes buscaram testar a eficácia das existentes drogas antivirais sobre a reconstrução do 1918. Mas há pouca necessidade para drogas antivirais contra a cadeia de 1918 se a cadeia de 1918 não tivesse em primeiro lugar sido recriada. “Simplesmente não faz qualquer sentido científico criar uma nova ameaça exatamente para desenvolver contramedidas para ela”, diz Jan van Aken, biologista do Projeto Sunshine, ‘A caraterização genética de cadeias de gripe tem importantes aplicações biomédicas. Mas não é justificável  recriar esta cadeia erradicada e particularmente perigosa que pode desencadear um tumulto se liberada, deliberada ou acidentalmente”.

Sinceramente vamos esperar que não, mas como o Prof. Stephen Block, biofísico da Universidade de Stanford com anos de experiência em pesquisa biológica classificada do Pentágono e do governo dos EUA ressaltou em um outro contexto,  “Somos tentados a dizer que ninguém em sua mente perfeita até mesmo usaria estas coisas”

Sanofi Pasteur entrega a vacina H5N1

Em 28 de abril deste ano em uma divulgação oficial à imprensa das sedes do Sanofi Pasteur em Swiftwater, Pensilvania e Lion, na França, a companhia declarou, “Sanofi Pasteur, a divisão de vacinas do grupo Sanofi-Aventis, anunciou hoje que o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA  (HHS) tem aceito o volume do antigeno H5N1 da vacina para produzir aproximadamente 38.5 milhões de doses da vacina para proteger contra uma nova cadeia de gripe aviária. Sanofi Pasteur tem um contrato de muitos anos com o HHS como parte deste programa pandemico e receberá um pagamento de 195.5 milhões de dolares no segundo quarto de 2008 pela aceitação do volume do lote de vacinas”.

Então, em 16 de junho deste ano, Sanofi Pasteur divulgou a seguinte liberação anunciando que ela doaria 60 milhões de doses da vacina H5N1 para a Organização Mundial de Saúde durante mais de três anos para o estabelecimento de um armazenamento global da vacina H5N1″

O presidente e CEO de Sanofi Pasteur, Wayne Pisano, disse na divulgação, “O vírus H5N1 está atualmente circulando em algumas das regiões mais pobres do mundo e um surto de influenza pandemica mais provavelmente atingiria populações vivendo em áreas com acesso limitado às vacinas. Esta doação das vacinas H5N1 visa se dirigir às necessidades destas populações mais vulneráveis. Além de apoiar os esforços dos governos”, acrescentou Pisano, “é essencial que a indústria colabore com organizações internacionais como a Organização Mundial de Saúde, a Fundação Bil e Melinda Gates e outros globais pagadores da saúde. Este é o melhor meio de construir um armazenamento de vacinas para as nações em desenvolvimento, prontas para serem empregadas no caso de um evento de um surto pandemico de gripe”.

A Fundação Bill e Melinda Gates, além de ser um apoiador financeiro da chamada Caverna da Semente para o Dia Final no Ártico, tem dedicado os bilhões da fundação para apoiar o controle da população especialmente na África. Entre outros projetos eles, bem como a Fundação Rockefeller estão financiando a Aliança para uma Revolução Verde na Àfrica, cujo chefe é o antigo Secretário Geral da ONU Kofi Annan.

Como o principal fabricante mundial da vacina contra a influenza, Sanofi Pasteur produz metade das vacinas contra a influenza distribuidas mundialmente. Nos EUA ela produziu mais de 40% da vacina contra a gripe distribuidas para a estação de gripe de 2007-2008. O fato de que o governo dos EUA tenha revivido o virus da Gripe Espanhola de 1918 indica que tudo seja possível. Há neste mundo algumas pessoas que não estão ‘em sua mente perfeita’. Deus proiba que este seja o caso.

F. William Engdahl é o autor de ‘Seeds of Destruction: the Hidden Agenda of Genetic Manipulation’
Ele pode ser contactado através de seu  website, http://www.engdahl.oilgeopolitics.net.

Anúncios
Published in: on maio 16, 2009 at 4:07 pm  Comments (1)  
Tags: , , ,

The URI to TrackBack this entry is: https://conspireassim.wordpress.com/2009/05/16/novas-gripes-velhos-medos/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. eu odiei iiiieeeeeeeckaaaaa


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: