Sobre Reversão Geomagnética e Deslocamento de Polos

Sobre Reversão Geomagnética e Deslocamento de Polos

http://thewatchers.adorraeli.com/2011/03/15/about-geomagnetic-reversal-and-poleshift/

postado por  Eye em 15 de março de  2011 nas categorias mudanças climáticas, mudanças na Terra, atividade sismica  e deslocamento de pólos 

 

 

 

Um número crescente de cientistas está começando a se preocupar que isto seja que o deslocamento do pólo magnético pareça estar a caminho, sendo o verdadeiro culpado por trás da mudança climática. Não a poluição aérea causada pelo homem, nem o sol, nem a atividade vulcânica subterrânea aquecendo os oceanos; mas o vagaroso começo de um deslocamento do pólo que tem sido pensado destruir civilizações inteiras no passado e ser uma maior fator nas extinções em massa. A NASA recentemente descobriu e divulgou informação sobre uma violação maior no campo magnético da Terra.

 

Esta violação apenas no campo magnético da Terra é o que está permitindo que os ventos solares entrem na atmosfera da Terra e isso é suficiente para realmente causar confusão no clima. Não apenas esta aceleração do deslocamento do pólo magnético  está mexendo com o clima mas também está tendo maiores efeitos na geopolítica. Estes deslocamentos magnéticos não são apenas capazes de causarem maciças super tempestades globais mas também podem fazer com que certas sociedades, culturas e países inteiros  entrem em colapso, até mesmo irem a guerra uns contra outros.

 

Tudo ainda permanece a ser visto mas a reversão magnética dos pólos da Terra parece estar rapidamente aumentando e está afetando os padrões mundiais de clima. A pergunta real é o quão ruins as coisas poderão se tornar antes que tudo recue para um novo “normal”? Em um tempo da história foi pensado que o Polo Norte fosse a área que é conhecida como Baía de Hudson. Se a Baía de Hudson era a área da última localização do Polo Norte, onde estará a próxima? E o quanto devem piorar as super tempestades globais e alterações climáticas antes que tudo acabe? E podemos parar de culpar uns aos outros por causar isto e trabalharmos juntos para a sobrevivência e manter intacta a civilização?

 

 

 

O Centro Nacional de Dados Geofísicos [NOAA] mantém um conjunto de dados das coordenadas anuais do pólo norte magnético desde 1590 derivado da medições anteriores de logs de navios  até as técnicas dos dias atuais. Note que tem havido montes de relatos de deslocamentos de pólo ultimamente, ao ponto onde o fenômeno esteja realmente causando assuntos do mundo real tais como fechamentos temporários de aeroportos, uma investigação mais profunda esteve em ordem. Depois de transferir dados de 420 anos da posição do pólo Norte do NOAA, configurando-os para se adequarem a uma planilha Excel, acrescentando fórmulas complicadas para determinar a distância exata entre duas séries de coordenadas latitude-longitude, aplicando a fórmula a cada dado apontado na série, e então finalmente plotando tudo em um gráfico visual, está a descoberta alarmante da quantidade de deslocamento de pólo durante os últimos 10 a 20 anos.

 

 

Desde 1860 o deslocamento do pólo magnético tem mais do que dobrado a cada cinqüenta anos. Isto é muito significativo. Durante os últimos 150 anos, o deslocamento do pólo tem sido na mesma direção. Durante os últimos 10 anos o pólo magnético Norte tem se deslocado quase metade da distância total dos últimos 50 anos! Em outras palavras, o deslocamento do pólo magnético tem se acelerado substancialmente. Não é sabido se o deslocamento se acelerará ou alentecerá nos anos a seguir. Alguns dizem que uma reversão do polo é atrasada e este fenômeno poder ser o indicador do início deste processo. .

 

A hipótese do deslocamento do pólo não é para ser confundida com a reversão geomagnética; a reversão periódica do campo magnético da Terra [efetivamente comutando os pólos Norte e Sul]. A reversão geomagnética tem mais aceitação entre a comunidade científica  do que a hipótese do deslocamento do pólo. A hipótese do Polo é quase sempre discutida no contexto da Terra, mas outros corpos no sistema solar podem ter vivenciado uma reorientação axial durante sua existência. A teoria diz que a crosta externa tem se movido várias vezes no passado e se moveria no futuro.

 

Uma reversão geomagnética é uma mudança na orientação do campo magnético da Terra tal que as posições magnéticas Norte e Sul se tornem intercambiadas. O pólo magnético Norte da Terra está a deriva do norte do Canadá em direção a Sibéria com uma taxa atualmente acelerada. É desconhecido se esta “deriva” continuará a se acelerar. A sociedade atual com sua dependência de eletricidade e efeitos eletromagnéticos [isto é, rádio, satélites de comunicação] pode ser vulnerável ás interrupções tecnológicas no evento de uma completa reversão de campo. 

 

 

 

O campo geomagnético da Terra atualmente está passando por uma reversão. Não é sabido quando esta reversão ,estará completa, mas ela já está a caminho e continuará em 2012 e além. O campo está enfraquecendo com conseqüências da irradiação do sol e do espaço profundo. Mas a reversão também significa profundas mudanças dentro da terra com conseqüências de terremotos em lugares onde eles não são comuns e novos vulcões. Durante a reversão podemos vivenciar uma aumentada atividade de terremotos e até mesmo uma tempestade de terremotos. O novos vulcões estão nascendo em vários locais submarinos do Oceano Pacífico agora. A reversão é um produto das mudanças que acontecem dentro da Terra. O núcleo está girando ligeiramente mais rápido do que a crosta que tem sido lentificada pelo efeito da lua por arraste das marés. A rotação diferencial é que gera o campo magnético. Na medida em que o núcleo faz a sua rotação, as linhas do campo magnético se comportam como o que acontece na superfície do sol na medida em que o sol tem diferente rotação do equador ao pólo. A rotação diferencial em ambos os casos estende a linhas do campo magnético de forma que elas rodem feridas em torno do sol e da Terra. Em certo momento em cada caso as linhas do campo magnético se quebram súbita e completamente e o campo se reverte e reconstrói. O fluxo diferencial do sol ocorre muito mais rápido do que o da Terra, de modo que o ciclo magnético ocorra nos ciclos solares a cada 22 anos em média. A Terra demora mais e é aperiódica devido ao enrolamento mais vagaroso e a interação da lua, sol e outros planetas. Típicas reversões de campo podem levar centenas de milhares ou de milhões de anos.  

 

O atual estado da geomagnetosfera é muito caótico sem uma orientação definitiva norte-sul dos pólos. Ao invés, aqui há uma colcha de retalhos de pólos por todos os lugares. Isto é análogo a superfície do sol durante o período de máxima mancha solar onde há muitos campos acoplados a pares de locais solares. O restos do campo principal ainda existem, mas estão enfraquecidos com o pólo magnético sul mais próximo ao equador do que o pólo magnético norte. As imagens de satélites mostram que o campo global tem se quebrado em muitas regiões locais com muitas zonas neutras entre eles onde a radiação solar e cósmica pode chegar sem empecilhos à atmosfera. Em março de 2010 o clima espacial da NASA nos diz duas coisas: a primeira é que o campo magnético da Terra está quase no zero total de força global, quebrado em centenas de pequenos campos acoplados. O sol por enquanto está relativamente quieto segundo o que é observado pela atividade aural sobre a Terra. Estas zonas magnéticas estão continuamente e se deslocando sem mudança de presságio. Parece que o campo estará globalmente neutro por volta de 2012.

 

 

 

Exatamente agora, a Terra está aberta a penetração da radiação ionizante de todas as fontes, mas o clima local solar e o cosmos estão relativamente quietos. Eles não permanecerão assim e é difícil saber antecipadamente quando o evento da radiação virá muito do cosmos. Com o sol, podemos ter um ou dois dias a respeito de um evento próton mas não para os raios gama quando eles nos atingirão no momento em que vemos sinais como ejeção de massa coronal. Quando os campos caóticos estão em sua maior fraqueza é exatamente quando as auras se mostrarão e nos avisarão da radiação ionizante que vem, significando um aumento na radiação que se dirige a uma mudança evolutiva e doenças relacionadas a radiação. 

 

Um sinal dos tempos é o aumento da atividade de terremotos, inclusive em regiões que são consideradas geologicamente estáveis e não sujeitas a terremotos.

 

A magnetosfera da Terra é o que gera os pólos magnéticos da Terra. Ela também nos protege da nociva emanação dos ventos solares e da radiação externa do nosso sistema solar. Isto forra a Terra e se estende para fora da atmosfera. Esse é o porquê a missões a Lua e outros planetas são pragueadas pela radiação mas as missões orbitais são menos.

 

Cientistas sabem que as reversões tem ocorrido muitas vezes no passado. A direção dos grãos magnéticos colocados sucessivamente na crosta da Terra, particularmente no chão dos mares, são uma peça primária de evidência. Quando a rocha é nova e derretida os grãos são livres para se alinharem com o prevalecente campo magnético. Na medida em que a rocha esfria, os grãos se congelam. Na medida em que o solo marinho se expande para fora – no Atlântico – ele é regularmente listrado com a rocha orientado em diferentes direções. Isto indica que os pólos magnético tem se revertido muitas vezes através da história da Terra.

 

A Anomalia do Atlântico Sul [ou SAA] é a região onde o cinturão de radiação interno de Van Allen da Terra faz sua abordagem mais próxima da superfície do planeta. Assim, para uma dada altitude, a intensidade de radiação é maior dentro desta região que em outros lugares. Os cinturões de radiação de Van Allen estão simétricos ao eixo magnético da Terra, que é inclinada em relação ao eixo rotacional da Terra em um ângulo de 11 graus. Adicionalmente, o eixo magnético está deslocado do eixo rotacional em 450 km. Por causa da inclinação e deslocamento, o cinturão interno Van Allen está mais perto da superfície da Terra sobre o Oceano Pacífico Norte.

 

 

Alguns acreditam que a anomalia seja um efeito colateral da reversão geomagnética. Isto pode resultar de um mal entendimento da literatura existente que menciona um enfraquecimento vagaroso do campo geomagnético como uma das várias causas para mudanças nas bordas da SAA desde sua descoberta. O que é verdade é que como o campo geomagnético continua a enfraquecer o cinturão interno de Van Allen fica mais perto da Terra, com um alargamento mensurado do SAA em dadas altitudes. A porção de maior intensidade do SAA vai a oeste em uma velocidade de aproximadamente 0.3 a 0.5 graus por ano e é perceptível nas referências listadas abaixo. A taxa de “deriva” do SAA ETA muito perto da rotação diferencial entre o núcleo da Terra e sua superfície, estimada em 0.3 a 0.5 por ano.

 

É sabido que a SAA está crescendo na extensão e se espalhando na direção oeste do Sul da África, na medida em que o campo magnético interno da Terra se enfraquece rapidamente nesta região. Isto pode ser a evidência inicial  de uma próxima reversão na direção do campo magnético interno da Terra. Não sabemos em detalhes precisamente o que ocorre durante tais reversões, incluindo as mudanças observadas no campo magnético e o tempo que uma reversão leva para se completar. Contudo estes fatores são importantes para saber onde o risco da radiação pode ser aumentado e como a atmosfera possa responder. O campo magnético da Terra tem muitos altos e baixos e reversões em seu passado. A última reversão fio por volta de 800.000 anos atrás. Assim é sabido que a Terra é capaz de regenerar  seu campo e o tem feito na pré-história humana. Compreender o desenvolvimento do SAA pode portanto ser muito importante  para a compreensão do processo de reversão e seu impacto sobre a vida e o meio ambiente natural.  

 

Deslocamentos Polares e Terremotos

 

 

 

O aumento no número de fortes terremotos hoje pode estar relacionado ao fenômeno do deslocamento polar  e ambos são sub-produtos do núcleo mais externo de ferro fervente e turbulento, rolando ao redor de um núcleo de ferro sólido mais externo, tão quente quanto o sol e girando mais rápido do que a rotação do próprio planeta.

 

 

O manto e crosta da Terra estão flutuando no topo de um mar tempestuoso de ferro derretido de condução elétrica que produz o campo magnético do planeta por algo chamado efeito Dínamo. O pólo Norte magnético foi primeiramente localizado em 1831 e tem sido regularmente rastreado até a mais recente mensuração em algum tempo de 2001. Durante este tempo o pólo tem se movido surpreendentemente 1.100 km. De fato, desde 1970 o pólo tem se movido muito mais rápido entre 10 e 40 km anualmente, um aumento incrível de quatro vezes.

 

O deslocamento polar é causado por mudanças substanciais no movimento do núcleo mais externo de ferro derretido.

 

O Dr. Tony Phillips do Science News – a NASA tem afirmado os seguintes detalhes … Aproximadamente 400 reversões de deslocamentos polares tem ocorrido durante os passados 330 milhões de anos enquanto que o intervalo médio entre as reversões durante os recentes tempos geológicos  tem sido por volta de 200 mil anos. A última reversão de campo da Terra ocorreu a 780 mil anos atrás e estamos aparentemente no caminho atrasado. A maioria da evidência reunida pela análise de certos tipos de rocha indicam que um  processo de reversão polar pode levar de 1.000 a mais de 8.000 anos para se completar. Contudo também tem havido relatos do processo se completar  muito mais rápido do que isso; a mais famosa narrativa sendo de medidas tomadas de rocha sob a forma de lava na Montanha Steens, no Oregon, que indicam que o campo magnético tem estado se deslocando mais de seis graus por dia durante um particular deslocamento polar a aproximadamente 16 milhões de anos atrás. Tudo que temos visto aqui a respeito de deslocamento magnético polar e terremotos hoje pode estar relacionado e pode ser os reflexos do que esteja ocorrendo profundamente sob nossos pés.

 

 

 

Quando terremotos maciços rasgam a crosta da Terra, destruindo cidades e matando muitos milhares, os cientistas que tem avisado sobre o relacionamento entre o deslocamento polar em andamento, o núcleo derretido do planeta e as placas tectônica estão lutando para re-verificar seus cálculos.

 

O super-terremoto do Japão que atingiu 9.1 na escala Ritcher e destruiu grande parte da terra a nordeste é um sintoma da crescente devastação reverberando ao redor do globo enquanto o campo geomagnético continua sua incansável urdidura, flutua e muda. O super-terremoto e o super-tsunami  foram gerados por um rompimento gigantesco na crosta da Terra: a placa Norte-americana bateu para cima. A fissura enorme – 150 milhas de comprimento e 50 milhas de largura – fez uma lacuna como uma ferida mortal no leito do mar, mergulhando para baixo nas profundezas do manto quer se desintegra instável.

 

A maioria das pessoas não sabe que as flutuações do campo magnético podem precipitar terremotos e iniciarem estranhos comportamentos em massa de animais – 0 comportamento bizarro como o que foi relatado desde os meses finais de 2010. Ainda que tenha sido demonstrado que alterações na magnetosfera afetam as placa tectônicas da Terra.

A razão pela qual as placas tectônicas são afetadas tem a ver   como como a Terra é construída geologicamente. Primariamente um núcleo de líquido super-aquecido, denso e viscoso da Terra com uma crosta relativamente fina flutuando na superfície – como a crosta rachada de uma torta – é o que compreende as placas tectônicas. Elas estão em movimento constante principalmente devido as maciças correntes profundas dentro do manto do planeta e seu núcleo derretido. As bordas onde duas placas se encontram recebem o nome de falha. As falhas aliviam a titânica pressão interna do planeta. As falhas se afivelam criando montanhas, penhascos e condutos vulcânicos. Algumas falhas são estruturadas diferentemente de outras e exibem qualidades diferentes.   

 

As poderosas correntes de rocha derretida, sob intensa pressão, fervem sob a crosta criando terremotos, vulcões e “deriva” continental. É também o geodínamo que cria o campo magnético da Terra e a interação com a magnetosfera solar pode iniciar as tensões de “deriva” da placa e  o maciço de flambagem e cisalhamento entre as placas chamados de falhas. O movimento ao longo das linhas de falha é chamado de terremoto.

 

O fluxo geomagnético, frequentemente um precursor de poderosos abalos, algumas vezes é acompanhado por harmônicas estranhas: pessoas vêem cores dançando no céu ou ouvem o que soa como música discordante.  As crescentes aberrações do campo magnético – e o aumento nível de atividade do sol – é sintomático da mudança no núcleo da Terra. Uma mudança perigosa. Uma mudança incontrolável. Uma mudança que está levando a possibilidade de desastres cada vez maiores. A atividade vulcânica também aumentará. A evidência existe.  

 

O super-terremoto do Japão foi seguido por dúzias de choques posteriores e então um abalo inteiramente novo sobre uma falha separada no Japão central medindo 6.6 de magnitude. Horas mais tarde um vulcão na Indonésia ao longo da famosa borda do “anel de fogo” do Pacífico explodiu em uma imensa erupção. O campo torcido cria uma harmonia perfeita de catástrofe, morte e destruição.

 

Na medida em que o fluxo no campo magnético da Terra se torna mais errático e a intensidade do campo flutua em um grau maior, a formação de campos energéticos de torção dentro da matriz elétrica podem aumentar. Um campo de torção, definido por A. Akimov, pode se manifestar dentro de um campo elétrico em um estado de fluxo. Eles são distintos campos de energia que podem interagir e afetar energia e matéria. Alguns experimentos tem descoberto evidência que a emanação deles algumas vezes parece exceder a velocidade da luz. Os campos de torção podem mudar a freqüência da luz por raios laser, afetar componentes elétricos, modificar ondas de gravidade e impactar processos biológicos.

 

 

 

 

Além disso os campos de torção podem ir hostis, criar uma resposta em escalada ao girarem obre eles mesmos gerando forças maciças incontroláveis sobre o núcleo derretido que gira através de permutações, episódios de giro errático e pressão. Isso pode ser medido e deduzido pelo fluxo magnético usando supercomputadores. Mas os dados produzidos sempre ao depois do fato e portanto são inúteis como instrumento para previsão. Serve apenas como meio de determinar exatamente o que foi que matou ou deslocou centenas de milhares de pessoas.

 

Enquanto os efeitos do campo se intensificam e o campo geomagnético se torna até mesmo mais errático, mais super-tempestades podem surgir em titãs globais de fúria; mais super-abalos podem ocorrer deslocando linhas costeiras, submergindo ilhas e destruindo regiões inteiras; e mais vulcões podem reiniciar trazendo a morte super aquecida e a destruição da superfície das próprias entranhas da terra.

 

“O que é tão surpreendente é que as mudanças rápidas, quase súbitas, o correm no campo magnético da Terra. Isto sugere que similares mudanças súbitas ocorram no movimento do metal líquido profundamente dentro da Terra que é a razão para o campo magnético da Terra”, disse Nils Olsen, Cientista Senior do DTU Space.

 

O núcleo da Terra consiste de um núcleo interno sólido e um outro núcleo externo líquido aproximadamente 3.000 km abaixo de nossos pés. Os núcleos interno e externo consistem primariamente em ferro e níquel e é o movimento na parte mais externa líquida que cria o campo magnético;  portanto os cientistas podem usar medidas de satélite do campo magnético para descobrir o que está acontecendo no núcleo líquido profundamente dentro da Terra.

 

O campo magnético cerca o planeta como um casulo de força que forma uma barreira contra o vento solar – uma corrente constante mas flutuante de partículas carregadas emitidas pelo sol. Se o campo não estivesse aqui, o vento solar desnudaria quase toda atmosfera, os oceanos ferveriam para o espaço e o planeta não seria capaz de sustentar vida. Marte, cujo campo magnético desapareceu a muito tempo atrás, sofreu este destino. Os campos magnéticos do núcleo e da crosta são fixos para a Terra e assim estão em uma estrutura de rotação. Os campos magnéticos vindos da ionosfera são dirigidos pelos sol e assim eles ficam imóveis em relação aos campos terrestres.

 

 

 

 

 

Mas o campo é complexo e embora o conheçamos desde 1600 – um doutor inglês William Gilbert foi o primeiro a descreve-lo – não entendemos como ele funciona. O campo é composto por vários componentes. Há a contribuição do núcleo derretido, mas como o movimento do líquido gera o campo, é um completo mistério. Uma outra contribuição vem das minerais naturalmente magnéticos na crosta da Terra; tais como minas de ferro e níquel e certas rochas vulcânicas. A ionosfera – camada de gases ionizados na atmosfera de 60 a 500 km acima da superfície do planeta – também gera um campo magnético que contribui para o todo. Por último, e ainda mais surpreendentemente, os oceanos, compostos da água salgada condutiva, geram um campo magnético na medida em que suas correntes movimentam a água através da superfície do planeta.

 

Está se tornando crescentemente importante compreendermos mais sobre o campo magnético: primariamente. Ele é responsável pela nossa continuada existência mas também porque mais e mais a tecnologia em que nós confiamos depende disso. O campo protege as comunicações, posicionamento global e satélites de observação da Terra dos ventos solares. Ele também pode ser responsável pelos aspectos do clima.

 

 

Há evidência que isso aconteceu no passado e esta teoria pode expicar muitas coisas que permanecem um mistério. Há algumas teorias sobre como isso possa acontecer a seguir.

 

Importante construção de massa nos pólos

 . continentes a deriva

. um asteróide atinge a Terra

. um grande objeto/planeta fora do sistema solar se aproxima da Terra

. algo como um vulcão de super tamanho de forma longe do equador

 

Este é um processo que podemos ver acontecendo. O único meio drástico que isso pode acontecer é um asteróide atingindo a Terra ou um grande objeto/planeta se aproximando da Terra. Quanto ao asteróide, a NASA está monitorando objetos próximos a Terra e tenho certeza que estão fazendo um bom trabalho. Quando a aproximação de um planeta, está claro que existe pessoas fazendo referências a Elenin/Planeta X/Nibiru. Não existe uma ligação clara entre 2012 e um deslocamento físico de pólo devido a mudança na gravidade que sustenta nosso sistema solar do modo que ele é. Há também uma possibilidade de um asteróide atingir a Terra. Há também uma ligeira possibilidade de um deslocamento de pólo e reversão magnética a cada dia, mas a vida continua.   

 

Em 2011 os cientistas anunciaram que o pólo Norte magnético estava se movendo mais rápido do que o esperado, mudando de posição em uma taxa de 40 milhas por ano e agora mensurações recentes sugerem que o movimento pode estar se acelerando. Contudo, no passado, os deslocamentos de pólo magnético não tem sido associados a extinções em massa ou rebeliões geológicas. Quando o campo está no fluxo, há maiores interrupções em coisas tais como navegação, e nos animais e aves migratórias que dependem do campo para encontrarem sua rotas, se o campo magnético for comprometido. Ejeções de massa coronal solar ocorrendo enquanto o campo esteja fraco seriam uma assunto para séria preocupação, mas o campo nunca desaparece inteiramente e a atmosfera da Terra também fornece algum escudo. Uma maior ejeção de massa coronal do sol atingindo a Terra durante a fase inicial de uma reversão seria uma situação de crise, contudo, e exigiria um cuidadoso gerenciamento.  Não é sabido se o campo escorrega dentro do fluxo vagarosamente ou se ele alcança seu “ponto de virada” e subitamente torna-se caótico. A maioria da opinião científica é que isso aconteça vagarosamente com o Norte magnético movendo-se para uma latitude de aproximadamente 40 graus do verdadeiro Norte antes de se tornar tão distorcido que perca sua forma. Até mesmo depois que isso acontece ele não parece desaparecer inteirament4e, mas se torna mais fraco com os pólos aparecendo aleatoriamente em diferentes lugares. O movimento do campo magnético está relacionado ao movimento do núcleo da Terra, mas um novo estudo sugere que sua súbita e crescente aceleração seja devida ao derretimento da cobertura da Groenlândia. As reversões podem começar e então serem abortadas, como aconteceu a 10.000 anos atrás.

 

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://conspireassim.wordpress.com/2013/07/10/sobre-reversao-geomagnetica-e-deslocamento-de-polos/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: