Guerra ao Terror

A Guerra ao Terror é uma Farsa.

Paul Craig Roberts
Infowars

4 de fevereiro de 2009

Segundo a propaganda do governo americano, as células terroristas estão espalhadas por toda a América, tornando necessário ao governo espionar todos os americanos e violar as máximas proteções constitucionais. Entre as últimas palavras do presidente Bush, quando ele deixou o mandato, estava o aviso de que a América deve ser logo atacada novamente por terroristas islâmicos.

Hamas – Hamas é uma organização terrorista no mesmo sentido em que o governo israelense e o governo americano são organizações terrorisstas.

Se a América estivesse infestada de terroristas, nós não precisaríamos que o governo nos dissesse. Deveríamos saber isso de eventos. Se não há eventos, os avisos substitutos do governo americano para nos manter vivos e o medo que causa ao público visando aceitar guerras sem sentido, a infração da liberdade civil, os cartões nacionais de identidade, e as incoveniências e perseguições quando eles voam. A indicação mais óbvia de que não há células terroristas é que nem um único neoconservador tem sido assassinado.

Eu não aprovo assassinatos e estou envergonhado do governo de meu país por ele se engajar em assassinato político. Os EUA e Israel tem dado um mau exemplo para a al Qaeda seguir.

Os EUA lidam com a al Qaeda e com o Talibã assassinando os líderes deles, e Israel com o Hamas fazendo a mesma coisa. É razoável assumir que a al Qaeda lidaria com os instigadores e os líderes das guerras da América no Oriente Médio da mesma forma.

Hoje todo membro da al Qaeda está ciente da cumplicidade dos neoconservadores na morte e na devastação inflingida aos muçulmanos no Iraque, Afeganistão, Líbano e Gaza. Sobretudo, os neoconservadores são altamente visíveis e são alvos fáceis se comparados aos líderes do Hamas e do Hezbollah. Os neoconservadores tem sido identificados na media por anos, e como todo mundo sabe, listas múltiplas de seus nomes estão disponíveis online.

Os neoconservadores não tem proteção do Serviço Secreto. Pavoroso de se contemplar, mas seria uma brincadeira de crianças para a al Qaeada assassinar qualquer um ou todos neoconservadores. Ainda que os neoconservadores se movam por ai livremente, uma boa indicação de que os EUA não tem um problema terrorista.

Se, como constantemente alegam os neoconservadores, os terroristas podem contrabandear armas nucleares ou bombas sujas para dentro dos EUA com as quais criar o tumulto em nossas cidades, os terroristas podem adquirir armas com as quais assassinar qualquer neoconservador ou antigo funcionário do governo.

Ainda que, os neoconservadores, que são os americanos mais odiados pelos muçulmanos, permaneçam intocados.

A “guerra ao terror” é uma farsa que tem como frente o controle americano dos oleodutos, os lucros do complexo de segurança-militar, o assalto às liberdades civis para os fomentadores de um Estado Policial, e a expansão territorial de Israel.

Não existia al Qaeada no Iraque até que os americanos a levassem para lá quando invadiram e derrubaram Saddam Hussein, que mantinha a al Qaeda fora do Iraque. O Talibã não é uma organização terrorista, mas um movimento que tenta unificar o Afeganistão sob a lei muçulmana. Os únicos americanos ameaçados pelo Talibã são os americanos que Bush enviou para matar o Talibã e impor um Estado fantoche ao povo afegão.

Hamas é o governo democraticamente eleito da Palestina, ou do pouco que resta da Palestina depois das anexações ilegais de Israel. Hamas é uma organização terrorista no mesmo sentido que o governo israelense e o governo americano são organizações terroristas. Em um esforço para trazer o Hamas sob a hegemonia de Israel, Israel emprega o bombardeio de terror e os assassinatos contra os palestinos. Hamas responde ao terror de Israel com foguetes ineficazes feitos em casa.

Hezbollah representa os shiitas do sul do Líbano, uma outra área no Oriente Médio onde Israel busca expansão territorial.

Os EUA é que apelidam o Hasmas e o Hezbolah de “organizações terroristas” apenas porque os EUA estão do lado de Israel neste conflito. Não há base objetiva para o Departamento de Estado americano “achar” que o Hamas e o Hezbollah são organizações terroristas. Isto é meramente uma declaração de propaganda.

Os americanos e os israelenses não chamam seus bombardeios de terror aos civis. O que os americanos e os israelenses chamam de terror é a resposta do povo oprimido que está imóvel por causa de seus países serem governados por fantoches leais aos opressores. Estes povos, despossuídos de seus próprios países, não tem Departamentos de Defesa, Departamentos de Estados, cadeiras na ONU, ou vozes na imprensa principal. Eles podem se submeter a hegemonia estrangeira ou resistir em áreas limitadas disponíveis a eles.

O fato de que os EUA e Israel realizem uma propaganda infindável para evitar que esta verdade fundamental seja entendida, indica que são Israel e os EUA que estão errados e os palestinos, libaneses, iraquianos e afegãos que estão sendo prejudicados.

Os generais aposentados americanos que servem como propagandistas da guerra para a Fox News estão sempre afirmando que o Irã arma os insurgentes iraquianos e afegãos e ao Hamas. Mas onde estão as armas? Para lidar com os tanques americanos, os insurgentes tem que construir aparelhos explosivos feitos em casa de restos de partes de artilharia. Depois de seis anos de conflito os insurgentes ainda não tem armas contra as metralhadoras dos helicópteros americanos. Contraste este “armamento” com o armamento fornecido aos afegãos pelos americanos a três décadas atrás, quando eles estavam lutando para expulsar os soviéticos.

Os filmes do assalto assassino de Israel a Gaza mostram grandes números de habitantes de Gaza fugindo das bombas israelenses ou desenterrando os mortos e feridos, e nenhuma destas pessoas está armada. Uma pessoa pensaria que por agora cada palestino deveria estar armado, cada homem, mulher e criança. Ainda que todos os filmes do ataque israelense mostrem uma população desarmada. O Hamas tem que construir foguetes feitos em casa que são pouco mais do que um sinal de desafio. Se o Hamas estivesse armado pelo Irã, o assalto israelense em Gaza teria custado a Israel seus helicóipteros com metralhadoras, seus tanques e centenas de vidas de seus soldados.

Hamas é uma pequena organização armada de rifles de pequeno calibre incapaz de penetrar os blindados e armaduras. O Hamas é incapaz de deter pequenos bandos de assentadores israelenses quando eles descerem sobre as vilas palestinas do Banco Ocidental, expulsando os palestinos e se apropriando de sua terra.

O grande mistério é: porque depois de sessenta anos de opressão os palestinos ainda estão desarmados? Claramente, os países muçulmanos estão em cumplicidade com Israel e os EUA para manterem os palestinos desarmados.

A asserção sem suporte que o Irã forneça armas sofisticadas aos palestinos é como a asserção não apoiada que Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa. Estas asserções são justificativas propagandisticas para matar civis árabes e destruir a infraestrutura civil árabe para asegurar que os EUA e Israel mentenham sua hegemonia no Oriente Médio.

Anúncios
Published in: on fevereiro 6, 2009 at 3:30 pm  Comments (3)  
Tags: , , , , ,

armas dos EUA armazenadas em Israel

EUA diz que embarque de armas para Israel não está ligado a Gaza

sábado, 10 de janeiro de 2009
1:28am GMT

Stefano Ambrogi

LONDRES (Reuters) – Os militares americanos tem conseguido alugar um navio mercante para enviar munição para Israel neste mês, segundo os documentos de carga mostrados, mas o Pentágono diz que o embarque não está ligado ao conflito na Faixa de Gaza.

Um portavoz do Pentágano disse que a munição foi para armazenamento em Israel. Os armazenamentos são pré posicionados pelos militares americanos em alguns países para o caso de que eles necessitem de suprimento a curto prazo.

Nos documentos de carga, o Comando Sealift da Marinha Militar dos EUA (MSC) disse que o navio era para carregar 325 conteiners padrão de 20 pés do que é listado como “munição” em duas viagens separadas pelo porto grego de Astakos para o porto israelense de Ashdod em meados de janeiro.

O Tenente Coronel da Força Aérea Patrick Ryder, um portavoz do Pentágano, disse que não comentaria sobre as rotas do embarque por razões de segurança mas confirmou que um embarque de munições para Israel foi planejado.

“A entrega da munição é para o armazenamento de munições americanas pré posicionadas em Israel de acordo com um acordo autorizado pelo Congresso em 1990 entre os EUA e Israel”, disse Ryder.

“Este embarque previamente programado é rotina e não é em apoio a atual situação em Gaza”

O embarque se originou nos EUA, disse Ryder. Ele não forneceu detalhes posteriores sobre a carga pretendida.

A designação de “material perigoso” no manifesto menciona substâncias explosivas e detonadores, mas não dá outros detalhes.

A solicitação do embarque foi feita em 31 de dezembro, com a primeira parte da carta de carga a chegar não depois de 25 de janeiro e a segunda no fim do mês.

A carga para os vasos segue o aluguel de um navio comercial para carregar uma consignação muito maior da ordem em Dezembro.

Uma firma alemã de navegação que venceu o transporte da carga confirmou a ordem quando foi contactada pela Reuters mas declinou posteriores comentários.

Published in: on janeiro 11, 2009 at 10:52 am  Deixe um comentário  
Tags: ,

O Que são armas de urânio?

Armas de Urânio no Afeganistão: O Genocídio Silencioso.

de Christoph R. Hörstel

Uma matéria especial no campo dos crimes de guerra cometidos pelas forças de ocupação no Afeganistão são as chamadas armas de urânio. O urânio é um metal pesado e, como uma consequência, tem um esfeito extremamente forte de penetrar armaduras [blindagens].  Já que os pobres e empoeirados afegãos não podem sustentar o luxo de qualquer placa de armadura, a questão tem que ser apresentada: qual o propósito do uso de um tal armamento especializado ter serventia quando a necessidade militar é questionável?

A qualidade das armas de urânio é, em sua maior parte, extraída pela queima de bastões de combustível e contém aproximadamente 60% da radioatividade do urânio elementar. Além disso, ela também pode conter traços de plutônio-239. Estas taxas de urânio são ligeiramente radioativas e a sua disposição ou armazenamento é cara e difícil. A este respeito, o uso militar é uma solução muito econômica. Quando um tal armamento é colocado em uso, dois efeitos se manifestam: um de natureza radioativa e outro de natureza quimiotóxica. Ambos os efeitos colocam em perigo, juntamente com as forças inimigas, não apenas os próprios soldados de alguém, mas também a população local igualmente.

A seguir está uma descrição de como funcionam as armas de urânio: a munição de urânio atinge seu alvo e o calor é produzido pela energia criada pelo impacto. Isto causa um metal de urânio altamente inflamável que se queima em uma temperatura extremamente alta. Portanto o urânio é vaporizado. Este processo intensifica o potencial destrutivo do projétil, que, sendo um metal pesado, fura uma blindagem literalmente como uma faca quente na manteiga. O urânio se acende e o pequenino urânio e as partículas de óxido de urânio são formadas se depositando no ambiente e contaminando o ar com a poeira e as partículas aéreas. Estas partículas, sendo diminutas [abaixo da escala nano] podem entrar no corpo como um aerosol pela inalação [de modo similar a fumar um cigarro], pela pele ou penetrando as paredes das células. A escala nano, a propósito, significa que nenhuma máscara de gás no mundo pode proteger contra isto, já que as partículas são tão pequeninas que elas passam por todos os filtros. Dependendo do tamanho das partículas, a poeira de urânio pode alcançar os pulmões e permanecer detectável lá por muitos anos. Adicionalmente, elas podem penetrar o tecido pulmonar e entrar na corrente sanguínea, dependendo da solubilidade da partícula. Como tantos exames, como os do Prof. Randall Parish demonstram, pode levar vinte anos para o urânio sair do corpo. Os pulmões e os rins são as áreas mais afetadas, contudo, ao longo dos cânceres, o dano genético pode também ocorrer, o que, por sua vez, pode causar que a estrutura genética danificada e as deformidades se manisfestem na prole da vítima.

Não pode ser negado que o urânio esvaziado é somente suavemente radioativo, mas quando o acima é contrabalançado com este argumento, então isto é um desvio da matéria subjacente. A radiação de um pedaço de metal urânio ou de uma bomba não explodida não vai longe e pode facilmente ser isolada. Mas se o urânio alcança o corpo sob a forma de uma poeira fina, onde ele se deposita nas células, então a radiação bombardeia a composição genética das celulas continuamente e pode levar a fraturas cromossomicas. O efeito carcinogênico é adicionalmente intensificado pela toxidade extrema da poeira de urânio. Inalado, ingerido na água potável ou na comida; ou absorvido pela pele, ele dá aumento a maciços problemas de saúde que podem levar a cânceres múltiplos na mesma pessoa.

A indignação provocada no povo afegão pela aplicação de tal armamento é citada da pesquisa dolorosa do professor afegão Daud Miraki:

“Depois que os americanos destruiram nossa vila e mataram muitos de nós, nós também perdemos nossas casas e nada tinhamos para comer. Contudo, teriamos suportado estas misérias e até mesmo as aceitado, se os americanos não nos tivessem condenado à morte. Quando vi meu neto deformado entendi que minhas esperanças no futuro tinham desaparecido para o bem, diferente da desesperança do barbarismo russo, até mesmo embora naquele tempo eu tenha perdido meu filho mais velho Shafiqullah. Desta vez, contudo, sei que somos parte de um genocídio invisível que nos foi trazido pela América, uma morte silenciosa da qual não escaparemos.”  (Jooma Khan da província de Laghman em março de 2003)

Os efeitos colaterais de tais armas, as complicações subsequentes e a taxa de mortalidade que tal dano provoca a longo prazo são bem conhecidos, contudo, muitos aspectos laterais da aplicação de tais armas, depois de quarenta anos de uso, não tem sido exaustivamente pesquisados.

As seguintes três conclusões de capital importância devem ser retiradas:

1. Todos os fatos indicam que as armas de urânio:

  • a)Não podem fazer distinção entre combatentes e não combatentes.
  • b)Não podem ter seus efeitos limitados ao campo de batalha.
  • c)Não deixam de funcionar depois que o conflito armado acabou.
  • d)Tem repercussões desnecessariamente cruéis.

A poeira de urânio que inevitavelmente resulta do uso das armas de urânio preenchem todas estas quatro condições, inevitavelmente e sempre. Por estas razões o uso das armas de urânio é por exemplo, já de acordo com as Convenções de Haia sobre Leis e Costumes de Guerra e Terra, as Convenções de Genebra e o Ditado da Humanidade (Martens Clause) claramente contrária à lei internacional.

No início de 2001 o então Ministro Federal de Defesa afirmou em uma entrevista com uma radio alemã (Deutschlandfunk), ao ar e em público, o seguinte:

“Em 1999 eu chamei atenção ao fato que a questão dos riscos da radiação não era um necessário a ser examinado por qualquer diligência particular. Não se pode ignorar isto, mas um risco muito mais sério pode terminar sendo que o urânio, como um metal pesado, está concentrado em certas partes do Kosovo, por exemplo, e também na Bósnia. Quando uma pessoa inala isto para os pulmões, esta concentração pode levar a doenças maliciosas. Este é um risco que precisamos monitorar.”

Nada decisivo tem acontecido até agora e os EUA e outros continuam a usar o armamento deles, envenenando povos inteiros [principalmente muçulmanos] no processo.

Os políticos devem portanto ver isto e o seu uso, a produção e proliferação destas armas deve ser proibido, mas isto, todavia, não acontece. Nenhuma menção explícita é feita para tornar isto fora da lei [as armas de urânio] – principalmente porque os países que usam estas armas detém qualquer tentativa de aprovar uma resolução apropriada sobre este assunto. Não obstante, isto não muda o fato de que qualquer uso de armas de urânio – como detalhado acima – é uma contravenção aos direitos humanos. Deste modo isto constitui um crime de guerra que não deve apenas ser punido, mas também deve manter o perpetrador responsável pelos danos incorridos.

2. Agora deve ser o dever de todos aqueles que usam tais armas, e todos os médicos nas áreas onde as pessoas são afetadas, fazer todo o possível e concebível para pesquisar os efeitos e as repercussões, para fazer diagnósticos e desenvolver contra-medidas iniciais. O Juramento de Hipócrates claramente estipula  que é o dever inalienável de cada médico prestar assistência, punivel pela não obediência com a revogação de sua licança médica. O Prof. Siegwart-Horst Günther, os especialistas americanos Doug Rokke e Asaf Durakovic (ambos os quais foram inicialmente ocupados em sua capacidade oficial no exército dos EUA com o assunto das armas de urânio], mas também especialistas não médicos, tais como Dan Williams, Tedd Weyman e muitos outros que estão fazendo contribuições notáveis para o esforço, a grande risco a própria saúde e pessoa.

Um contra-exemplo é uma clínica alemã em Kabul cuja gerência alemã tem até hoje se recusado a tomar até mesmo amostras de tecido que pudessem então ser testadas em institutos de cooperação neutros [raros, mas ainda existentes]. Sob tais condições, não é surpresa que a insurgência afegã toda ela, agora e então, realize operações contra as organizações de ajuda ocidentais, matando suas equipes. [Um outro, ainda que um capítulo não escrito, pode ser devotado a frequente cooperação silenciosa entre o nível de gerenciamento de tais organizações e os serviços secretos de seus países natais].

3. Sobre o assunto das armas de urânio, a nossa imprensa permanece, para falar o mínimo, de lingua presa: de fato, este tem sido o caso desde exatamente fevereiro de 2001. Artigos ocasionais de página inteira vieram perto de trazer para casa as proporções da destruição, horror e futuro dano. Não obstante, o cineasta alemão Frieder Wagner, em seu documentário premiado na TV alemã WDR “Poeira Letal”, diretamente aborda muitos aspectos do uso, repercussões e análise deles bem como questões políticas. De modo exemplar, ele é um de um punhado de companheiros de campanha mundialmente que levantam a consciência dos problemas envolvidos no uso de tais armas e advoga a ilegalidade de tais armas. Infelizmente, embora seu filme seja mais provável de ser visto por grupos particulares ao anoitecer nos cinemas [ou em escolas, graças aos esforços concentrados de professores dedicados, onde a apresentação do filme tem, contudo, sido um grande sucesso] do que depois do noticiário noturno principal.

Desde o início da década de 1990 tem sido primariamente os EUA e o Reino Unido que usam munição de urânio, como por exemplo na Segunda Guerra do Golfo em 1991; na Iuguslávia em 1999; no Iraque em 23003 e no Afeganistão desde 2001. Outros usuários ativos, contudo, são o Paquistão, a Rússia, Israel e a França.

Característico do modo com o qual os EUA lidam com seus próprios especialistas em urânio é o destino do Prof. Durakovic. Ele:

“foi levado ao Pentágono como um especialista em 1998. Entre outras coisas, ele serviu como chefe da equipe médica para o Experimento Conjunto Nuclear Americano-Soviético [experimentos relacionados a limitação dos testes nucleares] na Ásia Central.

Como chefe do Departamento de Medicina Nuclear que o Departamento de Assuntos Veteranos do Centro Veterinário em Wilmington, Delaware, mantém, ele foi responsável pelo exame dos veteranos americanos que estavam sofrendo da Síndrome da Guerra do Golfo. Estes soldados tinham ficado estacionados na Arábia Saudita e tinha estado em contacto com tanques que tinham sido destruídos pelo “fogo amigo” [isto é, os tanques que foram bombardeados por suas próprias tropas com munições de urânio esvaziado explosoras de tanques]. Depois de detectar a presença do urânio esvaziado, e em alguns casos de plutônio, nos corpos dos veteranos, ele foi aconselhado a continuar sua pesquisa em outros campos. Ele não se permitiu ser detido e descobriu que os arquivos de saúde e os testes de laboratório haviam desaparecido.

Em 1997, o Pentágono o substituiu. Juntamente com pessoal de mente similar, ele continuou sua pesquisa a su própria custa, fundando o Centro de Pesquisa Médica sobre Urânio (UMRC). A despeito das perseguições e ameaças, ele continuou a ser ativo contra o acobertamento e efeitos devastadores das armas de urânio esvaziado.

Sobre o tópico do Afeganistão, Durakovic afirmou em uma entrevista com Zeitfragen que:

“O Afeganistão forneceu uma oportunidade de realizar estudos ao tempo do conflito. A Operação Anaconda terminou exatamente quando a primeira equipe do URMC entrou no leste do Afeganistão. A equipe teve acesso aos bens fixos e estacionários, já que o equipamento  militar móvel ou tinha sido removido ou trancado. Os estudos da URMC da população das áreas de Jalalabad, Spin Gar, Tora Bora e Kabul tinham identificado civis sofrendo da mesma sintomatologia multiorgão encontrada na Primeira Guerra do Golfo e nos conflitos dos Balcãs. Os sintomas incluiam fraqueza física, dor de cabeça, dores musculares e esqueléticas inespecíficas, mudanças respiratórias, febre, tosse seca persistente, dor no peito, sintomas gastrointestinais, sintomas neorológicos, perda de memória, ansiedade e depressão.”

Durakovic então entrou em mais detalhes a respeito do preocedimento:

“Os sujeitos controle foram selecionados entre os residentes livres de sintomas de áreas não alvo. Uma avaliação da contaminação ambiental tinha sido realizada pela análise do solo, poeira, destroços bem como da água potável, segundo o critério estabelecido de estimativa de dispersão e riscos de actiniídeos e coleta pós impacto de amostras ambientais. Todos os sujeitos, incluindo os controles, foram instruídos sobre o protocolo e coleta de amostras nas linguagens locais Dari e Pashtu. Cada sujeito assinou um formulário de consentimento. Todas as amostras foram analisadas para a concentração de quatro isótopos de urânio – 234U, 235U, 236U, 238U -, por um multicoletor e indutivamente acoplado a espectrometria de ionização em massa do plasma em laboratórios da British Geological Survey, Nottingham, Inglaterra”.

Em um incidente de bombardeios em Kabul, por exemplo, a concentração média de urânio em um destes grupos testes foi por volta de  99,5 ng/l, níveis que estão dez vezes acima do normal. Mas em um menino dentro deste específico grupo de teste, medimos um valor de 2031,6 ng/l. Queríamos saber porque isto era assim. Estávamos lidando com uma anomalia estatística? Era um infortúnio estranho no laboratório ou algo inexplicável? Pegamos a história deste menino de 12 anos como tarefa. Ele estava em casa tomando o café da manhã com a família quando a bomba atingiu a vila deles. 27 membros de sua família morreram instantaneamente; o garoto sobreviveu. Em um estado de pânico, ele tentou resgatar os membros de sua família dos destroços da casa desabada. Todos estavam mortos. Estávamos chocados quando olhamos o resultado do laboratório deste menino chamado Hussein. Pensamos que pudesse haver um erro no método ou na análise. O teste foi repetido e novamente estava acima de 2,000 ng/l. Na inteira história da contaminação de urânio nunca tinha havido um tal caso. É a primeira vez na história da contaminação interna por actinídeo que um tal valor tem sido registrado como consequência da exposição pela inalação diretamente depois que uma arma ataca. Se este caso nos mostra alguma coisa, então são as consequências terríveis da contaminação interna pelos isótopos de urânio. ”

O resultado deste teste tem sido desafiado por alguns porque isto significa que simplesmente estamos lidando com uma anomalia inexplicável. O próprio Durakovic diz a mesma coisa mas dá, não obstante, uma explicação plausível, como detalhado acima. Contudo todos os outros resultados de testes tem sido desafiados como se sempre fosse o caso destas pessoas terem se tornado contaminadas de outros modos não monitorados pelos cientistas. Estamos seguros e todos cientes desta forma do debate da nicotina: é óbvio que um fumante pode ter contraído seu câncer de pulmão por outros meios. Somente temos umas poucas matérias de lobies para lidar com elas antes que gerenciemos para proibir o fumo em lugares públicos e ter os restaurantes ‘descontaminados’. ’

E devemos deixar isto claro, que nós, por 20 anos agora, não temos cumprido nosso mais alto dever: examinar exaustivamente o problema do urânio e, até onde possível, eliminar todas as dúvidas do processo. Nossa cumplicidade com aqueles que usam tais armas de destruição em massa é clara para o resto do mundo ver. Até onde a inescrupulosidade, o cinismo e o desprezo pela humanidade se estende aos políticos e militares responsáveis por mostrar quão claramente eles consideram seus próprios soldados sejam afligidos pela contaminação por urânio. Casos de soldados e membros da população local sofrendo de doenças ‘inexplicáveis’ estão se tornando crescentemente frequentes.

Assim o portavoz do Departamento de Assuntos dos Veteranos dos EUA,  Terry Jemison, disse à agência francesa de notícias AFP em agosto de 2004, que de 592.560 soldados dispensados ao tempo da segunda guerra do Golfo quase um terço estava pedindo benefício por incapacidade. Posteriormente, quase 25.000 casos estavam sendo processados. A comunicação em questão não pode ser encontrada no website deste departamento. Lamentamos esta incoveniência técnica.

Na Inglaterra em 2 de fevereiro de 2004 a primeira vítima do urânio do exército britânico, Kenny Duncan, foi oficialmente reconhecida. É característico das instituições que lidam com este assunto que o teste foi iniciado e pago pelo Dr. Albrecht Schott em Berlin, Presidente do Centro Mundial do Urânio Esvaziado (WODUC – registrado como caridade). Schrott escreveu que adicionais 66.000 veteranos britânicos de guerra estavam esperando similares reconhecimentos. É um testamento para dar poder aos lobies de armamentos que os soldados, que tem arriscado suas vidas e saúde terminem sofrendo de doenças evitáveis enquanto cumprem seu dever, e também tenham que lutar para ter suas queixas documentadas reconhecidas oficialmente. É provado que Kenny Duncan manteve, entre outras coisas, o dano genético que foi transmitido aos seus filhos.

Conquanto os diplomatas americanos e seus aliados alemães tenham no passado continuamente negado a nocividade das armas de urânio, o uso destas armas tem sido mostrado por muitas fontes oficiais.

Em um estudo sobre as armas de urânio e sua nocividade à saúde das pessoas e ao ambiente, o instituto do exército dos EUA preocupou-se com as invasões:

“Estes projéteis de metal sólido tem velocidade, massa e propriedades físicas para funcionar excepcionalmente bem contra alvos armados. Os projéteis de urânio esvaziado fornecem uma vantagem excepcional de performance, bem acima dos materiais competidores. Isto permite que os perpetradores do urânio esvaziado derrotem um alvo blindado em uma distância significativamente maior. Também, a densidade e as propriedades físicas do urânio esvaziado o tornam ideal para uso em placas blindadas. O urânio esvaziado tem sido usado nos sistemas do exército por muitos anos em ambas as aplicações. Por mais de 20 anos passados, o Departamento do Exército (DA) tem desenvolvido, testado e usado em campo um número de sistemas de armas contendo urânio esvaziado”.

Assume-se que os leitores oficiais que entretenham a idéia de advogar um banimento do uso das armas de urânio se refreiem de tais objeções para não prejudicar a habilidade das tropas no solo de fazer eficazmente a guerra. Um tal curso de não ação também retarda a necessidade do desenvolvimento caro de alternativas. Além disso, está claro para todos os leitores profissionais que ‘o desejo de mudança’ deles colocaria em movimento um exército inteiro de burocratas militares que estão certos de recusarem uma tal considerável confusão. Isto seria o suficiente para acabar com as promissoras carreiras de muitos que se oponham ao uso das armas de urânio. Entretanto o tom do estudo não deve ser uma surpresa: o exército dos EUA nega os efeitos nocivos destas armas, até mesmo em seu próprio pessoal, e alegremente assim o faz, sobretudo, por causa da eficiência digna de congratulações a que tais armas dão aumento, por sua vez, a ultrajantes avaliações tais como as seguintes:

“É altamente improvável que o urânio esvaziado seja um fator contribuinte das doenças inexplicáveis atualmente sendo relatadas pelos veteranos de Tempestade no Deserto”.

Os medos são amainados até mesmo no prefácio do relatório que qualquer dano ambiental teriam que ser resolvido depois do fim da guerra – ou que o correspondente risco de responsabilidade teria que ser suportado:

“Sobretudo, é improvável a futura mediação dos campos de batalha apenas para remover o urânio esvaziado será necessária.”

Conquanto isso levasse cinco anos na década de 1990 antes que os primeiros sintomas começassem a se manifestar em grande escala [sobretudo na área de Basra], a população do Afeganistão começou a mostrar sinais dos efeitos imediatamente, evidentemente devido a absoluta quantidade de material de urânio lançado. O Professor Miraki cita uma testemunha no Afeganistão:

“Entendi esta morte lenta, ainda que certa, quando vi sangue na minha urina e desenvolvi uma dor severa em meus rins juntamente com problemas de respiração que eu nunca tinha tido antes. Muitos membros da minha família começaram a se queixar de confusão e as mulheres grávidas abortaram seus bebês enquanto outras deram a luz à crianças defeituosas”. (Akbar Khan da província Paktika, fevereiro de 2003)

A existência de novas doenças agoniantes [em maior número e em várias manifestações] em áreas que tem sido intensamente bombardeadas não pode ser discutida de o quanto urgente a necessidade de uma pesquisa extensa seja. Mas este é exatamente um dos muitos problemas não explicados a respeito da pesquisa dos potenciais efeitos colaterais adversos das armas de urânio. De fato, estamos enfrentando uma variedade grande e imprevisível de sintomas para os quais as explicações padrão do meio exato pelo qual ocorre o envenenamento não pode ser contabilizado. A Assembléia Geral da ONU requisitou que o Secretário Geral avalie a opinião dos Estados membros e das organizações internacionais a respeito das ramificações do uso de munições de urânio que era para ser apresentado sob a forma de um relatório no próximo encontro da Assembléia Geral no outono de 2008. Esta seria uma oportunidade de ouro para o Bundestag (o governo federal alemão) apresentar todo seu conhecimento disponível a respeito do efeito completamente deletério das munições de urânio e a contravenção delas das leis internacionais para bom uso. Isto seria perfeitamente no interesse nacional, e não apenas porque o Bundeswehr tenha decidido esquecer o uso do urânio em seus sistemas de armas e usar o menos eficiente – mas também menos nocivo – carbureto de tungstênio, que supostamente causa câncer. Contudo, as companhias alemãs Rheinmetall e MBB experimentaram as armas de urânio em muitos testes na Alemanha pelos anos de 1970, bem como nos anos de 1990. O ex ministro de defesa Scharping permitiu a testagem das armas de urânio e deu aos militares a oportunidade de observar os possíveis riscos à saúde, risco à saúde que foram vivenciados por aqueles afligidos como se segue:

“Minha esposa estava grávida e estávamos alegremente esperando o momento de ver nosso segundo filho. No dia do parto, minha esposa se sentiu estranha, dizendo não se sentir bem e com dor no abdomen. Quando o bebê nasceu, dificilmente era humano. Parecia que alguém houvesse espancado um bebê e o coberto de farinha. Minha pobre criança parecia ter rolado em um cesto de farinha. Quando minha esposa viu o bebê, entrou em choque por cinco horas.”  (Qunduz, Zar Ghoon, Dezembro de 2002)

Segundo o jornal Jane’s Defence que publicou o seguinte angustiante diagrama   sobre o uso das armas de urânio, é o Afeganistão, de todos os lugares – um dos países mais pobres do mundo -, onde os vários tipos de armas tem sido usados mais extensamente [e também possivelmente onde a mais alta tonelagem foi lançada]. Além disso, Dai Williams ,  o especialista dedicado e auto-didata sobre armas de urânio, fornece o seguinte diagrama interessante:

De início foi proposta uma pergunta sobre qual o propósito tinha uma arma perfuradora de blindagem em um país atacado pela pobreza com quase nenhum concreto, blindagem ou proteção de qualquer tipo. Todos teremos que ficar acostumados com o fato que se isto não é sobre o efeito perfurador de blindagem de tais armas, e então só pode ser um genocídio silencioso e intencional. Todas as 36 nações do Hindu-Kush – inclusive a Alemanha -, são cúmplices do que está acontecendo sob seus próprios olhos; olhos fechados para a perpetração diária deste genocídio.

Gostaria de terminar esta seção com as palavras de um antigo membro do parlamento, ex executivo da media e advogado da paz, o Honorário Coronel do Exército dos EUA Dr. Juergen Todenhoefer, que comenta sobre a confusão moral feita pelo ocidente das violações dos direitos humanos de outros povos enquanto faz o pior eles próprios. “A comunidade ocidental, que é mantida unida por seu sistema de valor, fracassará, se esta padrão duplo não parar”.

Published in: on dezembro 16, 2008 at 11:16 am  Deixe um comentário  
Tags:

Bush e a Tortura

Na medida em que Bush se prepara para deixar a Casa Branca, a questão da tortura o assombra
The Canadian Press
Dezembro de 2008

WASHINGTON — Nos dias finais da Presidência irrefreavelmente impopular de George W. Bush, parece quase apropriado que o assunto mórbido da tortura – e seu apoio de prática na Guerra contra o terror – tenha se tornado um assunto predominante.

As sempre crescentes conversas a respeito do que Bush costumava chamar o ‘programa’, um processo super secreto de técnicas de interrogatório que incluiam afogamento simulado, ficar de pé por longos períodos de tempo, hipotermia, privação prolongada de sono e o uso de drogas psicotrópicas.

Bush e  sua equipe de política externa e oficiais legais, enfrentando a pressão dos Democratas congressistas e das organizações de direitos humanos, estão em conflito com os chamados de processar  funcionários da CIA e do Departamento de Justiça que autorizaram a tortura.

“O único meio de evitar que isto aconteça é se assegurar que aqueles que foram responsáveis pelo programa de tortura  paguem o preço por isso”.   Michael Ratner,  um professor da Escola de Direito de Columbia e presidente do Centro de Direitos Coinstitucionais, disse recentemente.

Não vejo como reconquistar nossa estatura moral ao permitir que aqueles que estiveram intimamente envolvidos nos programas de tortura simplesmente saiam de cena e levem vidas onde eles não são mantidos responsáveis”.
Bush, enquanto isso, está sendo pressionado por estes pelo direito de terem garantidos seus perdões desde já para qualquer funcionário da equipe envolvida na formação e implementação do ‘programa’ .

Bush deve considerar perdoar – e deve ao menos estar altamente elogiando – todos os que serviram de boa fé na Guerra contra o terror, mas cujos deveres podem agora serem suscetíveis de uma perseguição demagógica ou de inspiração política por alguns que desejam marcar pontos políticos” escreveu recentemente no New York Times o estudado direitista Bill Kristol.

Os agentes da CIA  que realizaram o afogamento simulado da mente mestra do 11 de setembro Khalid Sheikh Mohammed, e os funcionários do NSA (Agência de Segurança Nacional) que ouviram os telefonemas do Paquistão, não devem se preocupar sobre as leis ou a difamação pública. De fato, Bush deve querer dar a algum destes servidores públicos a Medalha da Liberdade … eles merecem isto.”

Eric Holder, a escolha de Obama para advogado geral, tem denunciado a tortura.

Em uma fala à Sociedade da Constituição Americana em junho, Holder exigiu o fim da prática de enviarem os suspeitos de terrorismo para países que praticam a tortura. Ele disse que os EUA devem declarar que não sujeitarão os prisioneiros a interrogatórios forçados ou tratamento degradante.
Ele também pediu um fim para os grampos ilegais, uma outra marca registrada das políticas de Bush depois de 11 de setembro.

Bush, disse estar consumido que seu legado, pode prejudica-lo até mesmo posterior ao perdão de alguns membros de sua equipe. Tais perdões profiláticos também implicariam que as  de seu governo depois de 11 de setembro eram ilegais, quando ele muito havia insistido que elas eram legais.

Ao invés, o presidente parece estar apostando que Obama dará a sua equipe um passe. Os oficiais da Casa Branca tem dito que tais perdões são desnecessários, indicando as opiniões legais do Departamento de Justiça que apoiaram os métodos da administração de deter e interrogar suspeitos de terrorismo.

“Antes de realizar os interrogatórios, os funcionários da CIA buscaram aconselhamento do Departamento de Justiça e estou ciente que não há evidência que estes advogados do Departamento de Justiça forneceram algo diferente de seu próprio julgamento do que a lei exigia”, o advogado geral de Bush, Michael Mukasey, disse em uma fala em 20 de novembro em New York.

Ele prontamente desmaiou um momento depois em uma fala esmaecida que se tornou uma sensação no YouTube, não muito depois que um membro da audiência gritou: “Tirano!  Você é um tirano!”

Não obstante a bola agora está firmemente na côrte de Obama com a insistência da  Casa Branca que a administração de Bush recebeu a garantia de funcionários do Departamento de Justiça que nada havia de ilegal quanto ao ‘programa’.

O presidente eleito aparentemente está ávido, contudo, em evitar a aparência de buscar punir Bush e os partisans da Guerra que pode irromper como uma consequência. Aqueles íntimos de Obama dizem que é improvável que ele lançará provas criminais sobre as práticas de Bush pós 11 de setembro .

Ao invés, ele está relatadamente considerando uma comissão para investigar as póliticas contra terrorismo e tornar públicos o máximo de detalhes possíveis sobre as políticas de tortura do governo Bush.

idéia pareceu ganhar algum apoio esta semana de Patrick Leahy, o líder democrata do comitê do Senado.

“Pessoalmente, gostaria de saber exatamente o que aconteceu… mais como  um tipo de coisa  ‘o passado é um prólogo’ ele disse.

Quero ter certeza que isto não acontecerá novamente. A tortura é um assunto maior”.

A comissão teria o poder de ordenar que as agências americanas de inteligência abram seus arquivos para revisão, e questionar os oficiais seniores que aprovaram a simulação de afogamento e outras táticas de tortura.

Published in: on dezembro 5, 2008 at 3:44 pm  Deixe um comentário  
Tags: ,

A Rússia e o Ocidente

Dezesseis Razões porque a Rússia não Deve Nunca Confiar no Ocidente

Stanislav Mishin

14.10.2008

1. O Ocidente saqueou a Rússia

Começando com a pressão sobre o regime de Yeltsin e com os oligarcas escolhidos a dedo e os burocratas como intermediários, tem sido estimado que o Ocidente tem rasgado tanto quanto 500 bilhões da Rússia, sob a forma de recursos, dinheiro, equipamento e tesouros de 1991 a 1999. Tudo de valor, fechado ou não por acordo, foi tomado. Inteiras cidades acordariam e descobririam que as várias fábricas manufatureiras que suportavam a economia delas estavam agora vazias de todo equipamento, que havia sido retirado amargamente de noite.

Por um mês inteiro, Vladivostok, o maior porto do Pacífico, uma cidade do tamanho de San Francisco, se encontrou sem eletricidade, na medida em que os burocratas chave tinha sido capazes de agarrar todo petróleo das anteriores companhias petrolíferas do governo, recentemente privatizadas sem qualquer regulamentação, e enviado isto para o exterior para o Japão e outros países. Isto de fato deixou as usinas elétricas locais e as refinarias vazias.

Os EUA, o Banco Mundial e o FMI amaram dar a Yeltsin e a sua turma “empréstimos” que frequentemente corriam em multi-bilhões e eram de fato custeados por seus próprios contribuintes que foram igualmente saqueados. Depois de tomarem sua parte dos empréstimos, os mais 90% que permaneceram foram refunilados para fora da Rússia e de volta para os EUA onde eles foram muito rapidamente lavados. O Banco de New York entrou neste esquema, movimentando mais de 6 bilhões em empréstimos do FMI e outros dinheiros da Rússia. Depois de uma profunda investigação congressional, os ladrões no Congresso dos EUA deram a eles uma bofetada por seu ‘erro’ de contabilidade.

A despeito de tudo isto, a Rússia tem se provado ressurgente e tem substituido o equipamento e indústrias roubadas, para se tornar no presente dia a 6a. maior economia, uma que oferece ultrapassar a França e a Bretanha neste ano ou no próximo.

2. O Ocidente apoiou Yeltsin quando ele massacrou o Parlamento

O Parlamento Russo, que em 1991 permaneceu contra a linha dura do golpe comunista contra Gorbachev, e com quem o próprio Yeltsin tinha se alinhado e sem cujo apoio ele nunca teria se tornado presidente, do que ousou permanecer em 1993 contra os projetos do Ocidente para os recursos russos. O parlamento se apressou a votar contra a terapia de choque de Yeltsin, a terapia que era destinada a colocar todos os recusos russos nas mãos de uns poucos dos homens mais corruptos no mundo e seus apoiadores ocidentais [tais como o vendedor de carros… que como um bilionário agora está no exílio na Bretanha. Um assassino que faz barulhos constantes de levantar um golpe na Rússia. Um homem que financiou a Jihad islâmica na Chechênia… nenhum outro do que o querido o Ocidente: Berezovsky).

Esta ato de inssurreição do Parlamento resultou na ordem do regime de Clinton para sua marionete Yeltsin “fazer algo sobre isto”. Yeltsin fez. Ele ordenou que os tanques cercassem o prédio e abrissem fogo, resultando em mais de 500 mortes. Na semana seguinte, A Vaca da Guerra Albright chegou para beija-lo e abraça-lo  e o declarar um Grande Democrata. Devemos supor que pelos padrões o O cidente ele seja, especialmente quando se vê como o Ocidente trata seus próprios dissidentes e as demonstrações desses. (Seattle, Los Angeles, Washington DC todos me vem a mente).

3. O Ocidente apoiou os Chechenos e outros elementos separatistas

Vários anos antes até mesmo da Guerra da Chechênia começar, o Ocidente, particularmente a CIA, começou o custeio em massa dos chechenos e outros grupos islâmicos pela Rússia, em um esforço para criar a instabilidade e posteriormente quebrar a Rússia.  Muito disto tem sido nascido do testemunho de antigos ministros turcos, como foi documentado em entrevistas diretas no programa russo “Plan Caucus”. Os chechenos contrabandeariam diamantes para ajudar a custear as operações deles, enquanto a OTAN e a CIA criavam campos de treinamento na Turquia, com plena participação turca. Os ministros até mesmo admitiram o encontro de Bin Laden com seus manipuladores da CIA em 1993, bem no início da primeira Guerra da Chechênia.

De fato os sauditas e outros regimes islâmicos também estavam envolvidos. Muitos filmes foram feitos de soldados russos e civis e usados como videos de treinamento e recrutamento pelos islâmicos ao redor do mundo. Isto foi até mesmo o caso do massacre na escola de Beslan e foi regular nas guerras dos Balcãs contra os sérvios cristãos, croatas e macedonios… todos com a permissão de Washington ou abençoada e forçada ignorância.

Com certeza os EUA/Bruxelas visavam não apenas a desestabilização do Cáucaso e um dos maiores trânsitos de petróleo russo, não era isto apenas seu objetivo comprar a boa vontade islâmica ao trair Cristo e os cristãos [uma corda muito forte em toda política moderna ocidental é o ódio à antiga cristandade]; a meta completa era o total desmembramento da Rússia e a drenagem de seus recursos e poder cerebral a um ponto que fosse inalcançável até mesmo para a marionete Yeltsin e suas traidoras elites no poder.

Então o dinheiro que foi lavado da Rússia pelos bancos ocidentais, exatamente quão frequentemente concluir para financiar os Jihadistas islâmicos e outros grupos rebeldes menores bem como estando em alguma conta bancária de oligarcas ou políticos ocidentais.

Como Madame Halfbright..er Albright uma vez disse sobre a Rússia: “A Sibéria tem recursos demais para apenas uma nação [Russia] manter”. Esta de fato foi a mesma mulher, a mesma Secretária de Estado, que foi citada dizendo: “porque ter um militar se você não pode usa-lo?” Para este fim, os EUA mais uma vez tentaram forjar uma República da Sibéria, até mesmo indo tão longe quanto a impressão de uma moeda diferente, que felizmente nunca viu a luz do dia e ainda está na Suíça. Um país gigantesco como este, com apenas 20 milhões de pessoas, teria sido forçado a buscar a proteção de DC [e absoluta e devastadora exploração] ou enfrentar a anexação chinesa. Novamente, graças a Cristo, este plano foi de vida curta e o nacionalismo russo mais uma vez ganhou o dia.

4. O Ocidente expandiu uma aliança para incluir todo o pacto de Varsóvia e partes da Antiga União Soviética.

O Ocidente deu a Gorbachev uma promessa: deixe a Alemanha Oriental e o Leste Europeu e nos permita reunificar os alemães e a OTAN não se moverá para o Ocidente. Isto durou por todos os dois anos e a marcha por um anacronismo que deve ter sido dissolvido pouco depois do Pacto de Varsóvia, tem sido a melhor parte em 15 anos. A OTAN agora tem lutado três guerras de agresssão: bombardeio dos sérvios na Bósnia, bombardeio da Iugoslávia e agora mirou o Afeganistão. A OTAN posteriormente tentou absorver a Ucrânia e a Georgia, depois que as revoluções dos EUA/Comunidade Européia instalaram marxistas apropriadamente de acordo e até mesmo abordaram o Azerbaijão, uma ditadura islâmica [realmente uma monarquia] para afiliação.

Certamente se o Ocidente apoiasse o golpe islâmico no UZBESQUISTÃO que aconteceu em 2003, a OTAN também teria os convidado.

Porque a Rússia deveria confiar em uma militância armada de ateus sem cristo e seus capangas islâmicos?
5. O Ocidente bombardeou o mais íntimo aliado da Rússia, a Sérvia.

Em claro apoio da Jihad islâmica na Bósnia e na província sérvia do Kosovo [e mais tarde sem bombas mas com dinheiro na Macedonia) o Ocidente tem atacado o mais íntimo aliado da Rússia enquanto fazia tudo que pudesse para expandir a presença de Jihadistas islâmicos nos Balcãs. Em pura linguagem hipócrita, ele chama as guerras que tem causado e os Estados Jihadistas que eles criaram: “trazer estabilidade a região”.

O comandante da OTAN, Wesley “conquistador” Clark até mesmo ameaçou afundar os navios neutros russos, chineses, indianos e ucranianos e cacarejou que se eles não gostassem disso, ele estaria em Moscou em trinta dias. Eu estou assumindo que ele quis dizer que depois de uma divertida caminhada de bicicleta lá, já que a OTAN pode perguntar a seus avôs quão bem eles estiveram no tempo passado… aqueles que tem avôs.

6. O Ocidente apoiou cada Jihad destinada aos cristãos ortodoxos.

O Ocidente tem se prostituido tão claramente ao Islã pelos passados 17 anos que até mesmo muito disto é menos do que livre e se manteve no escuro mas que as pessoas tem começado a perceber. Assim o padrão é estabelecido: se o Ocidente [particularmente a esfera anglo dos EUA e Reino Unido] vai a guerra com os muçulmanos sobre tudo [geralmente idealismo e recursos] para que eles possam então atacar e sacrificar algum grupo cristão menor. Vários exemplos tem sido: os armenios ortodoxos e os assírios ortodoxos e os gregos iotolanos ortodoxos na Turquia; os gregos cipriotas ortodoxos na Turquia; os gregos cipriotas ortodoxos em Chipre; os Bósnios e Sérvios e Macedônios; os coptas ortodoxos no Egito; os ortodoxos e metodistas no sul do Sudão; os iraquianos ortodoxos e católicos; os libaneses católicos; os palestinos ortodoxos e os cristãos católicos e vários outros grupos menores ao redor do mundo.

Afinal, alguns sacrifícios devem ser feitos pela Nova Ordem Anglo-Ocidental e que melhor quer ser livrar dos então incômodos cristãos?

7. O Ocidente derrubou os aliados da Rússia e criou regimes socialistas marionetes.

Não há baixeza na qual o Ocidente não tenha afundado, cultivando em uma “precipitada” revolução de cores. Os que tiveram sucesso foram na Ucrânia, Georgia, Sérvia [embora o primeiro ministro terminasse sangrando depois de uns poucos tiros], Quirguistão [onde o novo governo ainda era pró Russia mas os islâmicos foram capazes de ganhar muito poder no sul do pequeno país… e centenas morreram no combate] e a Moldovia [embora na Moldovia foi bem sucedido em tornar os comunistas marionetes e os aliados de DC/Bruxelas em troca de cancelar a revolução “espontanea” ).

As vitórias ocidentais na Ucrânia [ onde até mesmo Una-Unsa, o partido nazista local, foi patrocinado com o dinheiro dos contribuintes americanos] era para rasgar o país afastando-o da Rússia, contra a vontade da maioria de seu povo. Um outro sub-produto dos socialistas laranjas e trotkistas que o Ocidente trouxe e colocou no poder, foi um retorno total de mercados controlados, estabelecimento do preço de mercado pelo governo e uma economia completamente arruinada. No primeiro ano o crescimento caiu 13% [antes dos socialistas de DC/Bruxelas] a menos de 3%. De fato o roubo do gás natural subiu às alturas.

Na Georgia, o advogado americano treinado Saakashvili tinha feito seu caminho para se aproximar da media independente, matar oponentes políticos [para incluir seu própro primeiro ministro e o segundo] e espancar manifestantes, mas desde que ele apoia a expansão da OTAN e dá conforto aos Jihadistas islâmicos se dirigindo para a Rússia, ele está correto para o Ocidente.

Os fracassados estavam no Uzbequistão [onde o Ocidente contratou radicais islâmicos do Paquistão e do Afeganistão para derrubar o ditador secular Islam Karimov]. Felizmente para Karimov, ele tinha muito menos escrúpulos sobre usar a violência do que na Ucrânia e na Geórgia e que o Ocidente comprou a Revolução Jihad morta em sangue e aço do exército. De fato isto custa aos EUA um aliado nominal e ganha para Rússia um aliado absoluto e custa a OTAN uma base aérea.

A revolução de cor da Armenia também fracassou, mas ao custo da vida de centenas nos combates de rua. Belarus foi esperto o suficiente para cortar imediatamente sua revolução de cor.

A tentada revolução de cor na Rússia nunca começou, não importa quanto dinheiro os EUA e a União Européia colocassem  em uma Outra Rússia e seu principal partido o Partido Nacional dos Trabalhadores Bolchevistas , isto é, nazistas. Falando simplesmente, os russos tem longas memórias e ainda sentem a dor do saque ocidental na década de 1990. Não, obrigada.

8. O Ocidente apoiou ativamente os candidatos vendidos na Rússia com ajuda financeira dada ilegalmente e treinamento revolucionário.

Com os liberais na Rúsia um não iniciante, vendo como Yabloko ainda não pode vir com qualquer idéia nova que não tenha sido tentada na década de 1990 e ainda não denunciará os oligarcas que saquearam a Rússia e eram seus membros de partido e os oligarcas mais radicais no exílio [a maioria na Bretanha] o Ocidente descobriu um outro cavalo vendido onde apostar: uma Outra Rússia.

o Líder da Outra Rússia era Gary Kasparov, um antigo campeão de xadrez que é também um residente de New Jersey. Ele é famoso por dar entrevistas fora da Rússia, declarando quão estúpidos e desprezíveis são os russos. Seu apoio dentro do país dificilmente passe de 2%. Então houve seu parceiro e chefe da União Democrática Popular, o líder Mikhail Kasyanov (que foi apelidado “Misha 2%” por causa da comissão que ele recebeu cedendo bens do Estado russo para oligarcas e negócios ocidentais a preços de queima de estoque] e finalmente a maioria do partido [sim, há outros menores e tão corruptos vendidos além destes três palhaços, mas eles não valem a pena mencionar] Eduard Limonov (um criminoso, que queria ser um revolucionário, dito homossexual), líder do Partido Nacional dos Trabalhadores Bolchevistas , isto é, nazistas.

Sim o dinheiro dos contribuintes americanos e da União Européia foram para apoiar esta escória, em um esforço de mais um a vez vender a Rússia rio abaixo. Glória a Deus do povo ter sido mais sábio.

9. O Ocidente financiou o Partido Nacional dos Trabalhadores Bolchevistas , isto é, nazista na Rússia

Isto é certo, a Casa da Liberdade [um a fachada do governo americano] dá dinheiro para a Outra Rússia. Prim eiramente, esta ação é tão ilegal na Rússia quanto os chineses pagarem aos democratas sob Clinton ou os árabes ao Republicanos sob Bush I e II. Mas sendo hipócritas não é algo que faça Washington DC perder o sono.

Sobretudo, Kasparov, seu antigo candidato principal e residente em New Jersey e seu partido pessoal foram e são um partido minoritário na Outra Rússia. A maioria está no Partido Nacional dos Trabalhadores Bolchevistas , isto é, nazistas de  Limonov… e a única diferença é, vai a suástica e vem a fioce o martelo. Sim senhores, os amantes americanos da liberdade, seus dólares de contribuintes apoiam o Partido Nazista russo, exatamente com o eles apoiam o membro ovelha negra da Coalisão Laranja Ucraniana dos Trotkistas: Una-Unsa, o Partido Nazista Ucraniano. Tenho certeza que seus avôs que combateram Hitler estão tão orgulhosos de vocês por apoiarem tudo isto. Certo? Certo?

10. O Ocidente rompeu seus acordos militares tão logo eles se tornaram inconvenientes.

11. O Ocidente impediu a Rússia de bobardear o Talibã e deu ao Talibã dinheiro.. isto foi até que o Talibã ajudasse a atacar o Ocidente.

Quais foram as primeiras ações de George Bush? Para continuar o legado de Clinton de apoiar o Talibã contra a Rússia, a Aliança do Norte foi apoiada contra os russos,  iranianos, hindus e Kazaks. Os americanos queriam um oleoduto e para este fim eles precisavam de estabilidade  a despeito de que radicais ou fanáticos eles colocassem no trono. A despeito do fluxo de drogas [e incidentalm ente, desde que os EUA invadiram  o Afeganistão todos os records na produção do ópio tem sido quebrados … agora isto é progresso].

Bush usou a ONU e a OTAN para impedir que Putin bombardeasse o Talibã. Ele então acompanhou seu primeiro ato com uma doação de 48 mihões de dólares ao Talibã em maio de 2001. Quer dizer que isto não veio de seu próprio bolso?

12. O Ocidente aceitou a ajuda Russa na Organização Mundial de Comércio, na Asia Central e na costumeira gratidão ocidental, tentou expulsar a Rússia da área.

A Rússia foi a prim eira a chamar a América e oferecer ajuda. A Rússia também igualm ente tem sido a primeira e a única [a incluir a América] a colocar um monumento para as vítimas de 11 de setembro em solo americano. A Rússia abriu caminho pelo Afeganistão, permintindo as bases americanas e da OTAN na Ásia Central. Esta ajuda de fato foi tom ada e então usada para tentar expulsar a RÚSSIA da Ásia Central na intenção de cerca-la e dividi-la para neutraliza-la. Não há qualquer amor cristão aqui,som ente a direção de possuir e controlar tudo.

Glória a Cristo, que estas tentativas foram principalmente esragadas e resultaram em tiros pela culatra. Mas o dano a verdade foi finalmente fatal e as elites russas não tem mais qualquer ilusão sobre com o que eles estão lidando. Quando vier om próximo presidente, e a despeito de quem seja ele, e isto continua, haverá um prego final em algum tipo de fora de alcance e verdade.

13. O Ocidente está colocando silos interceptadores de mísseis que podem facilmente manter misseis nucleares balísticos de curto alcance diretamene na porta da Rússia.

Há alguém que possa imaginar que os generais russos começassem a ameaçar a colocar bombardeiros de volta em Cuba? Quando os EUA agora podem atin gir a Rússia [Moscou] em menos de cinco minutos e tem provado sem preocupação sobre matar civis cristãos ortodoxos, a despeito do fingimentos de não matar civis. Sejam os in dígeas nos EUA, os sulistas na Confederação, os filipinos na antiga colônia, os alemães e japoneses em suas cidades, os sérvios em suas cidades e similares, os civis tem sido alvos por mais de 200 anos.

Muito certamente, os generais russos estão preocupados.

14. O Ocidente tentou e fracassou em controlar os recursos chave do petróleo russo e em vingança tem movido uma guerra de propaganda incessante contra a Rússia por sete anos.

Uma palavra: Khodorkovsky e o inteiro caso sórdido com a Exxon comprando ilegalmente (ou tentado fazer isto] os principais campos de petróleo da Rússia.

15. O Ocidente dá asilo regular aos Jihadistas islâmicos procurados pela Rússia e os criminosos russos e oligarcas criminosos enquanto exge que a Rússia entregue seus cidadãos sob acusações [a extradição é ilegal sob a Constituição russa…não que as leis tenham importância para o Ocidente]

Entre várias pequenas pessoas desvantajosas da Jihad Islâmica, a Edição    Chechena,  que tem obtido e recebido santuário na UAE protegida pelo Ocidente ou Qatar ou Arábia Saudita [lar da JIHAD] há grandes pessoas que tem recebido isto diretamente nos EUA e Reino Unido.

Com certeza os três maiores são Ilyas Akhmadov, a peça porta-voz [agora morto] dos senhores de guerra da Jihad islâmica Maskhadov e Basayev, que obtiveram proteção nos EUA e agora é um contribuinte regular para o Comitê Pró-jihadista americano para paz na Chechênia (ACPC). O liderança da ACPC é como um quem é quem do poder Neocom. Isto está correto, “conosco ou com as multidões terroristas” se prostituem fora para os islâmicos constantemente, tão longo seus russos, sérvios, hindus e outros estão morrendo. Eles até mesmo  se prostituem para o que é mais precioso para eles: Israel, ao constantemente empurrar uma Mapa para a Estrada da Paz [isto é, Suicídio Nacional] ou outro.

O Reino Unido tem também dado santuário a jihadista islâmico checheno e contrabandista de materiais nucleares Ahmed Zakaev (sócio de negócios do agora morto encoberto islâmico Alexander Litvinenko) e o patrocinador da Jihad Chechena e antigo oligarca russo Boris Berezovsky.

16. O Ocidente despreza o patriotismo russo e a cristandade e trabalha duro para esmagar ambos.

Da constante imprensa negativa [parece a regra do polegar on de há três negativas para um positivo] que empurra para corromper os valores ocidentais, o massacre da guerra cultura nunca tem fim. Esteja isto bloqueando os canais russos pelo cabo ocidental para empurrar os sodomitas ocidentais para dirigirem paradas ofensivas tão possíveiws pelas ruas das cidades russas para um infindável apoio ocidental Dhimmi e torcendo pelo islã na Rússia, o assalto nunca descansa.

Qualquer movimento radical ou evento é explodido de toda proporção e ecoado sem fim em todos os noticiários, e os desenvolvimentos positivos [se forem relatados] são mostrados como eventos fortuitos da natureza ou os resultados dos russos fazendo algo de duas caras para obter isto.

A guerra do Ocidente contra a Rússia nunca fez uma pausa r não pode mais ser considerada um a guerra contra a União Soviética. Muitos dos principais proponentes tem aparecido e claramente se mostrado como russofóbicos que eles são… para o aplauso das elites ocidentais em geral.

Porque eles nos odeiam? Porque nos temem, porque eles temem que permaneçamos no caminho de seus sonnhos da utopia marxista trotkista. O reavivamento religioso e cultural russo não é apenas uma ameaça para as elites da Rússia mas um a ameaça ao controle deles da inteira Europa Oriental, especialmente os países ortodoxos. Deus priba que isto possa dar aos alemães ou franceses as idéias de que suas culturas não devam ser subvertidas pelo modo anglo-saxônico e a cultura corporativa neutra de não cultura. Deus proiba que estes mesmos alemães ou franceses possam ter a idéia do que eles tem é digno de lutar por.

E Deus proiba que a Rússia possa mais uma vez  tomar seu papel histórico como defesora da cristandade ortoxa na Europa e da cristandade em geral entre os muçulmanos. Os proprietários de muitas das almas da elite ocidental não deverão estar felizes. A luz da verdade envergnha o Diabo e as almas que ele possui.

Published in: on outubro 24, 2008 at 1:49 pm  Deixe um comentário  
Tags: ,

Pânico Bancário de 2008 e a Morte da OTAN

O Pânico Bancário de 2008 e a Morte da OTAN

Stanislav Mishin

OTAN, uma organização não apenas ultrapassada mas sem um propósito oficial, não somente tem vivido após o seu inimigo, o Pacto de Varsóvia,e não apenas sobreviveu ao seu propósito de defender a Europa Ocidental da União Soviética e do Pacto de Varsóvia. Mas como uma mancha raivosa, tem, ao invés de morrer uma morte digna, continuado para engolir uma nação após outra em seu “pacto de paz e defesa” enquanto lançava três guerras de agressão.

A OTAN foi originalmente destinada a manter a Alemanha controlada, a América na Europa e os Soviéticos fora. O propósito da OTAN, como todas as boas burocracias, tem mudado. Ela tem renegado suas promessas à Rússia de não se expandir na direção leste e tem se expandido nesta direção em alguns regimes mais que questionáveis, particularmente nos Bálticos. Ao mesmo tempo, enquanto declarava a Rússia um parceiro útil, embora um parceiro menor que não vale nem mesmo ser convidado, ela alcançou um novo propósito.

O propósito foi encontrado inicialmente nos campos de batalha da Bósnia e então mais tarde no ar sobre as cidades sérvias, onde civis foram massacrados pelas patas apoiadas pelo ‘trabalho bem feito” da OTAN. De fato, tudo isto foi feito com um braço maior se torcendo pelos americanos de uma relutante OTAN Européia. Pareceria que ao defender e apoiar militarmente os Jihadistas islâmicos tivesse algo a ver que Dhimmi Washington estava muito mais apto do que os europeus. Contudo o USD venceu e a Europa foi ao longo exatamente como continuou no Afeganistão.

O Afeganistão foi o primeiro combate de guerra real da OTAN. Não mais são os primariamente bombardeiros da OTAN que atiram as bombas, frequentemente sobre alvos civis, de 3.500 metros, nem esta é uma guerra de combate com uma forma jihadista de guerrilha, treinada pelos mesmos especialistas da OTAN. O Afeganistão como um todo já tem mostrado que a OTAN é uma bomba vazia. Muitos de seus membros tem optado por contribuir com alguma coisa para o conflito e muito poucos tem enviado soldados e os tem enviado sob regras tão estritas de engajamento (ROE)s que eles nada são além de inúteis.

Para os Neocons anglo-americanos, isto com certeza foi um desastre. Sua garra de poder sobre a Europa e portanto sobre a União Européia em geral, estava rachando. Acrescente a isto os nós econômicos ligados pela Rússia com vários membros chave, usando cordas muito reais de energia e investimentos de negócios, e a OTAN estava optando por ser nada mais do que um círculo de costura. Os Neocons anglo-americanos tinham tomado uma nítida ação, algo que faria com que Estados membros da OTAN recuem de volta sob o abrigo Neocon e se unifique contra o inimigo comum. Mas quem? Os muçulmanos demonstraram pouca habilidade de protegerem o poder militar na Europa, eles fazem muito melhor com os imigrantes. Os chineses estavam fora de questão como uma regra geral de caminho para muito do dinheiro da elite em risco para aquele tipo de falta de lógica. Então havia apenas uma escolha clara: a Rússia. Mas como ressurgir a União Soviética, ou ao menos a sua sombra?

Entra diretamente o estágio, um pequeno tempo e o ditador georgiano e um que não vai brilhar muito egoisticamente. O fantoche perfeito: Saakashvili.

Apaparentemente convencer Saakashvili que o extermínio de uma província autônoma cheia de uma minoria que era não só protegida pelos russos mas que era composta em 90% por cidadãos russos, não era um conceito difícil, até mesmo embora ele devesse ter sabido que havia uma chance muito grande que as coisas se mostrassem como se mostraram. Quanto e que tipo de ajuda foi prometida ao lider georgiano sempre será um mistério. O que é sabido, de conhecimento de primeira mão deste escritor, é que os georgianos estavam esperando que os americanos lutassem uma guerra contra a Rússia para eles, desde 2001, desde os tempos de Shevardnadze.

De fato, os EUA e o Reino Unido não tinham planos para iniciar uma guerra pela Georgia mas a Georgia era central para os planos deles  de começarem uma guerra para eles. Começar uma guerra a Georgia começou, contudo não apenas os russos reagiram mas eles reagiram em uma velocidade de relâmpago, destruindo a máquina de guerra georgiana em dois dias e absolutamente dirigindo as forças georgianas para uma completa retirada. Nas pequenas nações há pouco espaço para se retirar.

Os Neocons anglo-americanos venceram por toda a guerra PR, fazendo seu fantoche sociopata parecer parte da vítima. Contudo, passada a retórica, a reação desejada não aconteceu. A Alemanha, França e Itália não se alinharam com o complexo militar industrial anglo-americano. Ao invés, eles negociaram um acordo, a última coisa que os Neocons haviam planejado ou queriam. Sobretudo, apareceram cisões em vários outros países da OTAN, até mesmo na Estonia, onde grupos de MPs bastante decididos foram o bastante e eles não iriam sofrer pela estupidez georgiana ao perderem negócios com a Rússia. Até mesmo Bruxelas dise Não e todos disseram redondamente não aos Planos de Ação dos Membros para a Ucrania e a Georgia.

Todos estes foram severas explosões para os trotkistas anglo-americanos, não menos severo do que eles próprios não virem em defesa de seu fantoche. Isto igualmente foi uma mensagem poderosa.O fracasso no Afeganistão somente acrescentou insulto à ferida.

Ainda, tudo isto por si só, pode não ser o suficiente para finalmente terminar com a OTAN e o fim de 100 anos de Guerra Ideologica, porque sim, caro leitor, ainda não temos deixado este período. A Rússia não é mais a União Soviética, não mais marxista lenininistas; mas o marxismo trotskista econômico [nazismo]  está vivo e bem, tendo infectado o Ocidente fluindo do corpo apodrecido do marxismo trotkista militar [nazismo]. A OTAN é a guarda final contra a volta do mundo tradicional, onde as nações buscam vantagens econômicas por elas próprias e não em nome de alguma forma mutante de internacionalismo. Esta é a guarda final contra os estados nacionalistas que buscam a melhoria de seu povo em primeiro lugar  e não alguma hipotética vila global da elite internacionalista.

Pânico Bancário de 2008 pode ser, contudo, a pedra final que abate este idoso e ameaçador Golias. Os trotkistas anglo-americanos que criaram esta confusão, estão curtos, em bancarrota. Sua habilidade de projetar o poder enfraquece a cada dia com um novo Dow-Jones baixo. Ao mesmo tempo, nações como a Islândia, uma vez um de seus postos militares chave, está buscando ajuda não de seus aliados mas da própria Rússia. Unidos por laços históricos, religiosos, culturais ou econômicos, ou todos os acima, nacões como a Islândia, Alemanha, Romania, Bulgária, Grécia, Checo, Eslovóquia e outras  naturalmente sairão da aliança da bancarrota. Os laços históricos que eram supostos terem morrido ao longo da história, como proclamado por um dos pais do NEOCONISMO trotskista: Fukuyama, agora voltarão ao globo para um equilíbrio a muito não visto e um que promete mais estabilidade do que os regimes internacionalistas dos últimos cem anos.

Published in: on outubro 19, 2008 at 4:01 pm  Deixe um comentário  
Tags: , ,

A questão da Ossetia do Sul

A questão da Ossetia do Sul – A Russia se mantém de pé

pravda 22 de agosto de 2008

As consequências a longo prazo dos eventos recentes no Cáucaso ainda não estão claras. Os lados envolvidos no conflito tem dito tudo que eles consideraram necessário a dizer sob a atual situação política. As repúblicas não reconhecidas da Ossetia do Sul e Abkhazia tem sobrevivido a um outro conflito sangrento com a Georgia. O conflito tem provado que é absolutamente impossível que as três nações vivam dentro das fronteiras de um Estado legal. Parece que as duas repúblicas pedirão a Moscou que novamente reconheça a independência delas.

A Georgia tem tido uma impressão objetiva de sua própria administração política e sua aptidão para a solução de metas estratégicas. Os militares georgianos tem provado serem absolutamente incapazes de realizarem ações militares civilizadas enquanto as autoridades da Georgia mostraram que não se importam em pensar sobre seu povo.

A Rússia foi forçada a lançar uma maciça ação militar em resposta à agressão da Georgia. As tropas russas testaram seus talentos sobre o inimigo armados com armas americanas, israelenses e ucranianas.

Os candidatos presidenciais americanos não perderam uma boa oportunidade de exercerem suas opiniões em politica externa. Pela primeira vez em muitos anos, os falcões de Washington e seu secretário de Estado se tornaram honestos em suas declarações sobre a Rússia.

A política é cheia de cinismo. Georgia estava obviamente resolvendo seus próprios problemas enchendo Tskhinvali de bombas e mísseis a noite. Milhares de ossetianos estavam pensando sobre sua futura existência.

Os sentimentos anti-russos foram externados em Washington, Bruxelas, Kiev, Varsóvia, etc. Rússia, Europa e os EUA tinham suas próprias razões para fazerem suas queixas, uns dos outros, com certeza. Contudo, a Georgia e a Ossetia do Sul foram rapidamente movidas para o background contra os assuntos do acordo de mísseis EUA-Polônia e o futuro dos embarques de combustível da Rússia para a Europa. Moscou mantem-se para defender seus interesses geopolíticos, enquanto a OTAN se coloca contra a Rússia, e os EUA demonstraram sua real influência no mundo, que por sua vez mostrou-se indiferente `as opiniões de Washington sobre um pequeno país democrático da Georgia.

O nó caucasiano se torna um exemplo clásico do início de uma crise global. A crise apareceu ao tempo, quando a Rússia decidiu passar das palavras às ações pela primeira vez na recente história. O Ocidente foi obviamente surpreendido e atemorizado.

As instituições,que imitaram a manutenção da paz no globo, pareceram ser organizações inúteis. A OSCE se tornou uma participante do conflito porque a administração georgiana tinha previamente informado a organização do iminente ataque sobre a Ossetia do Sul. A OTAN mostrou que não estava disposta a se encontrar em uma clara oposição contra a Rússia. Quanto a ONU, não há ilusões quanto a eficiência desta organização antes. Sua sede pode somente ser boa para televisionar as discussões internacionais, mas elas não podem ser uma plataforma onde decisões consolidadas e eficientes sejam tomadas.

A crise na Ossetia do Sul tem dividido a sociedade ocidental. Tão grande variedade de opiniões e visões na media européia e americana pode por último ser vista no umbral da incursão dos EUA no Iraque.

É um segredo aberto que o mundo tem muito mais que uma média opinião da Rússia. Contudo, muitos jornalistas ocidentais urgem que seus líderes finalmente parem de aborrecer o Urso Russo, especialmente quando isto vem para a influência da Rússia em suas regiões históricas.

A media ocidental sempre tem sido bem cautelosa em sua atitudde para com a Rússia. A corrente abordagem deles carrega uma simple mensagem. O Ocidente devia ter domado a Rússia uma década atrás, mas agora tem que lidar com isto.

A Rússia tem exercido uma forte determinação para se levantar de seus joelhos, embora isto ainda não tenha sobressaído. Suas ações na Ossetia do Sul e Georgia tem testado as possibilidades militares, diplomáticas e políticas da Rússia. Parece que Moscou tem estado ganhando a luta feroz na política externa, embora não pretenda ganhar a luta a todos os custos. A Rússia depende do Ocidente exatamente como o Ocidente depende da Rússia.

Rússia deve fazer o melhor possível para não dar o passo para a euforia de um super-poder em elevação. Vale notar que até mesmo os céticos reconhecem a nova qualidade das politicas da Rússia como resultado da restrição política de Moscou em tudo a respeito da recente atividade militar no Cáucaso.

Se Moscou mantém o novo status, então o conflito na Ossetia do Sul se tornará um trampolim para sérias mudanças geopolíticas no mundo. Divivindo a OTAN, a oposição da Turquia aos EUA, o problema nucear do Irá – estes são apenas uns poucos assuntos da crise em desenvolvimento.

Published in: on agosto 22, 2008 at 7:29 pm  Deixe um comentário  
Tags: , ,

MK Ultra, Os Bush e o Engano Mundial

MK Ultra, Os Bush e o Engano Mundial:

a profecia se desdobrando na medida em que o mundo é escravizado

de Eric Jewell

28 de fevereiro de 2003

Uma História do MK Ultra
2Thes.2 [11] “E por esta causa Deus deve enviar a eles a forte desilusão, que ele devem acreditar uma mentira”:

Este é um trabalho apressado, mas cheio de fatos a respeito das atrocidades do controle mental perpetrado pelos mais escuros elementos do governo americano, deste a última metade do século até os dias atuais. O assunto é tão detalhado, documentado e disseminado, que seriam necessários vários livros para abordar exaustivamente este assunto, mas minha esperança é que este trabalho educará o leitor e o armará com fatos suficientes que ele possa facilmente fazer estudos posteriores sobre o assunto. O intento é documentar o assunto em áreas que provem a existência deste programa usado em uma escala individual e em uma escala em massa sendo usada mundialmente.

Durante a década de 1940 a CIA produziu e desempenhou um papel de estrela no que então foi conhecido como “Operação Paperclip“. A Operação Paperclip dependeu de uma campanha de má orientação. Esta má orientação foi simples. Os EUA levou o mundo a buscar muitos dos oficiais militares nazistas que cometeram grandes atrocidades contra seus prisioneiros em uma tentativa de condena-los por crimes de guerra. Isto foi altamente publicado com o fervor da media. Contudo, por trás das cenas, as comunidades americanas de inteligência estavam recrutando cientistas nazistas e renomados médicos nazistas dos campos de concentração e psiquiatras. Estes homens eram todos oficiais nazistas de alto escalão das SS, que eram culpados de cometerem ofensas cinzentas e algumas vezes curvadoras da mente, todas elas durante a guerra. Muitos destes homens recrutados para trabalharem para nós eram os mesmos homens que eram os responsáveis pelos horrores cometidos em Auschwitz e outros campos. Eles receberam a opção de vir trabalhar para nós em tais laboratórios como Los Alamos por muito mais dinheiro do que eles recebiam dos alemães, ou serem processados na completa extensão da lei pelos crimes deles. De fato, a decisão da maioria foi quase que instantânea.

MK Ultra não é apenas uma teoria da conspiração. O projeto que ele abrange veio de expandir os trabalhos dos médicos nazistas e cientistas recrutados pela Operação Paperclip.

É um fato que a CIA propôs e realizou experimentação de controle mental de meados da década de 1940 em diante, usando os cientistas alemães trazidos a esta nação. Em um grande grau é uma questão de registro público e foi sempre uma matéria do Comitê de Investigação do Senado. O que realmente é revelado é certamente mais estranho e muito mais assustador do que a ficção.

Em 1975, durante o primeiro encontro do comitê do Senado a respeito do MK Ultra foi dito; “De seu inicio em 1950 até seu término em 1963, o programa da adminstração subreptícia de LSD a sujeitos humanos não voluntários e sem conhecimento disso demonstra uma falha da liderança da CIA em prestar atenção adequada aos direitos dos indivíduos e fornecer eficaz orientação aos empregados da CIA.

Embora fosse conhecido que a testagem era perigosa, as vidas e a sanidade dos sujeitos teste foram colocados em risco e ignorados… Embora fosse claro que as leis dos EUA estavam sendo violadas, os testes continuaram.”

A CIA, 2 dois anos mais tarde em 1977, se descobriu novamente diante do Senado e homens chave foram questionados a respeito do papel deles na realização destes e outros experimentos tortuosos e assassasinos mentais. Em 1975-1976, contudo, George H.W. Bush foi indicado diretor da CIA, e as audiências do Senado tem revelado que uma quantidade maciça de trabalhos científicos a respeito dos projetos Mk ultra tem sido destruídos. Deve ser notado que a história oficial afirmada pela maioria do trabalho científico foi destruída em 1972. O interesse dos EUA no controle mental e na manipulação mental pode ser rastreado ao Dr. A. Newton Richards em 1941. Este foi o ano que o Serviço de Guerra Química se uniu ao Comitê de Pesquisa Médica. Richards era o liberal progressista diretor que tinha concluido que havia a necessidade de progredir com certos estudos a nível de experimentação humana.

Por causa do horror e ultraje público que seria levantado, e para ser capaz de correr sem obstáculos, este tipo de operação de fato mais tarde se tornou conhecida como uma operação ‘negra”.

Em 1942 Richards contactou o Secretário de Guerra Henry Stimson requisitando aprovação para uso do pessoal militar para experimentação envolvendo gases venenosos. Por último, muitos múltiplos milhares de homens do serviço sofreram tal “experimentação”.

Em março de 1943, Vannevar Bush aprovou um plano de Richard para realizar secreta experimentação “medica” em prisioneiros da penitenciária federal em Terre Haute, Indiana.

A Academia Nacional de Ciências tem estimado que desde a década de 1940 mais de 60.000 homens a serviço foram submetidos a similares experimentos ameaçadores e encurtadores da vida. É posteriormente estimado que talvez tantos quantos 20.000 homens de serviço e seus dependentes foram intencionalmente expostos ao rádio. Considere também que estas estatísticas somente incluem a experimentação admitida. Os 80.000 homens americanos a serviço não estão sozinhos nisto. A “experimentação’ também foi realizada em prisioneiros, prostitutas e doentes mentais americanos. Os negros e brancos pobres foram irradiados e desenvolveram crescimentos cancerosos no que é conhecido como “experimentação” terminal… experimentação para a morte.

Em 1953 “paperclip” começou a produzir frutos com vários novos programas sancionados sob o então diretor da CIA Allan Dulles. Operação Paperclip evoluiu para o Projeto “Bluebird” (1949), projeto Naomi (1950, e projeto “Artichoke” (1951), e então MK Ultra (1953) se tornou oficialmente designado o nome código para todo este projeto multi-facetado que operou sem restrição ou qualquer consideração humana. Apenas uns 24 anos depois, a CIA se encontrou convocada para responder por alguns destes projetos diante comitês do Senado, mas infelizmente isto foi passado por alto, acobertado e depois esquecido, mas não antes de certos fatos escaparem.

O programa MK-Ultra agrupava uma ampla variedade de projetos, todos concernentes a controle mental. A documentação revela ao menos 149 sub-projetos. Tudo, desde lavagem cerebral e repatriotização, para criar correios involuntários de informação classificada, para tornar uma pessoa média em um assassino sem até mesmo saber que eles estavam sendo manipulados, foi visto como “como podemos fazer isto?”. Isto foi realizado por meio de uma dieta incansável de drogas, hipnose e trauma.

Havia vários especialistas nazistas… médicos trabalhando para fabricar genética para criar a raça perfeita, e outros se especializando em quebrar o homem, enquanto ainda outros desenvolviam hipnoticamente pessoas médias para realizarem metas encobertas pré estabelecidas.

Bios, Evidência e Testemunho

Dr. Joseph Mengele
Joseph Mengele começou seus estudos em filosofia, medicina e antropologia na Universidade de Munique em 1930. Durante este tempo o Partido Nazista era o segundo partido político mais popular na Alemanha. Foi durante este tempo que Munique estava sob o encanto ferozmente apaixonado e amante anglo, do ódio das minorias, de falas hipnoticamente cativantes de Adolph Hitler. Mengele não perdeu tempo abraçando o nazismo e em 1931 se uniu aos Capacetes de Aço.

Depois de se distinguir em batalha, Mengele chegou a Auschwitz para estudar genética. Trabalhando como um oficial da sinistra SS, seu trabalho incluia a experimentação de remoção de genes defeituosos ou inferiores e substitui-los por genes superiores e visa versa. Uma das metas máximas de seu trabalho era descobrir a fórmula genética para criar uma super raça. Esta raça superior era para ser geneticamente engenheirada para ser a raça mestra, enquanto ao mesmo tempo criava uma raça escrava para a realização das tarefas menos glamurosas.

Um de seus primeiros atos como um oficial das SS deixando sua marca ao chegar a Auschwitz, foi ordenar a morte de 1.000 judeus; homens, mulheres e crianças.

Ele foi recrutado pela CIA no fim da guerra, e trabalhou grandemente no Brasil. A despeito de seu abominável império no infame campo da morte e da quantidade maciça de evidência contra ele, ele nunca foi seriamente perseguido como um criminoso de guerra.

Sidney Gottleib
Gottleib foi um cientista alemão importado que teve laços muito fortes com a inteligência dos EUA, um dos quais era Richard Helms, que era o vice diretor das operaçõs encobertas da CIA. Após ser recrutado pelos EUA no fim da segunda guerra mundial, Gotleib também chefiou a Divisão Química do MK Ultra.

Gottleib foi por um tempo superior de Joseph Mengele em Auscwhitz. Depois de ser recrutado para os EUA, Gottleib substituiu Willis Gibbins para supervisionar o MK Ultra.

Ele trabalhou extensamente com o LSD, até mesmo pessoalmente o experimentando. A um ponto de sua carreira na CIA, ele escorregou grandes doses de drogas alteradoras da mente para seis de seus colegas, que de nada suspeitavam. O Dr. Frank Olson teve uma viagem violentamente má e precisou ser hospitalizado. Logo depois de um exame por um Dr. Harold Abramson, Olson encontrou-o em um quarto de hotel. Abramson afirma que ele deu a Olson um bourbon e lhe deu Benzedrina e que Olson então se tornou delirante novamente e saltou da janela do 10 andar para sua morte.

Uma Olhada Íntima em Alguns Projetos Passados do MK Ultra
O seguinte documento desclassificado da CIA de 1955 claramente mostra as várias agendas de lavagem cerebral dos tipos de experimentação do MK Ultra. A desvalorização da vida humana é clara. Também deste documento seguinte e do testemunho posterior de pesquisadores que trabalharam nesta área, e a informação concernente aos “pais” da psiquiatria moderna, podemos ver que estas práticas tem seguido pelo dias modernos das enfermarias psiquiátricas. É também visto que parte da experimentação incluiu desacreditar publicamente os indivíduos também. Isto provavelmente era para ser usado em indivíduos que estavam tentando permanecer no caminho da agenda da Nova Ordem Mundial, expondo coisas tais como o dúbio programa MK Ultra.

[O Documento começa]
RASCUNHO

[Deletado]

5 de maio de 1955

Uma porção do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Divisão TSS/Química é devotada à descoberta dos seguintes materiais e métodos:

1. Substâncias que promoverão o pensamento ilógico e a impulsividade a ponto onde o recipiente será desacreditado em público.

2. Substâncias que aumentem a eficiência do processo de pensamento e da percepção.

3. Materiais que evitarão ou contra-agirão o efeito intoxicante do álcool.

4. Materiais que promoverão o efeito intoxicante do álcool.

5. Materiais que produzirão os sinais e sintomas de doenças reconhecidas de modo reversível de modo que possam ser usados para fingir-se enfermo, etc.

6. Materiais que tornarão a indicação da hipnose mais fácil ou de outro modo aperfeiçoem sua utilidade.

7. Substâncias que aperfeiçoarão a habilidade de indivíduos de suportarem privação, tortura e coação durante interrogatórios e a chamada “lavagem cerebral”.

8. Materiais e métodos físicos que produzirão amnésia para eventos precedentes e durante seu uso.

9. Métodos físicos de produzir choque e confusão durante longos períodos de tempo e capaz de uso subreptício.

10. Substâncias que produzem inabilitações físicas tais como paralisia das pernas, anemia aguda, etc.

[quebra de página ]

-2-

11. Substâncias que produzirão pura euforia sem subsequente esvaziamento.

12. Substâncias que alteram a estrutura da personalidade de modo tal que a tendência do recipiente se tornar dependente de uma outra pessoa seja aperfeiçoada.

13. Um material que cause confusão mental de um tal tipo que o indivíduo sob sua influência achará difícil manter a fabricação sob questionamento.

14. Substâncias que diminuirão a ambição e a eficiência do trabalho geral de homens quando administrada em quantidades não detectáveis.

15. Substâncias que promoverão fraqueza ou distorção da visão ou faculdades da audição, preferivelmente sem efeitos permanentes.

16. Uma pílula de nocaute que possa subrepticiamente ser colocada em drinks, comidas, cigarros, como um aerossol etc que será segura de usar, fornecerá o máximo de amnésia e será apropriada para uso para agentes tipo base ad hoc.

17. Um material que possa subrepticiamente ser administrado pelas rotas acima e que em quantidades muito pequenas tornará impossível para um homem realizar qualquer atividade física, seja ela qual for.

O desenvolvimento de materiais deste tipo segue a prática padrão de tais casas farmacêuticas éticas como [deletado, mas possivelmente Eli Lilly que anteriormente havia auxiliado em tal experimentação]. É relativamente um procedimento de rotina desenvolver a droga a ponto de testagem humana. Ordinariamente, as casas farmacêuticas dependem dos serviços de médicos particulares para a final testagem clínica. Os médicos são voluntários em assumir a responsabilidade de tais testes para o avanço da ciência da medicina. É difícil e algumas vezes impossível para o TSS/CD oferecer um tal atrativo a respeito de seus produtos. Na prática, tem sido possível usar os contratados externos para as fases preliminares deste trabalho. Contudo, a parte que envolve a testagem humana em níveis eficazes de doses apresenta problemas de segurança que não podem ser manuseados pelo contratado comum.

[quebra de página]

-3-

A instalação proposta [deletado] oferece uma oportunidade única para o manuseio seguro de uma tal testagem clínica em adição das muitas vantagens ressaltadas na proposta do projeto. Os problemas de segurança mencionados acima são eliminados pelo fato que a responsabilidade para a testagem ficará completamente com o médico e o hospital. [Deletado] permitirá que o pessoal do TSS/CD supervisione o trabalho muito estreitamente para se assegurar que todos os testes são realizados segundo as práticas reconhecidas e revestidos das adequadas salvaguardas.

[fim do documento]

A seguir temos um memorando do Dr Sidney Gottleib de 1953 que ressalta os projetos do MK Ultra utilizando hipnose.

[Começa o documento]

RASCUNHO-SG/111 11 de maio de 1953

MEMORANDUM PARA REGISTRO

Assunto: Visita ao Projeto [deletado]

1. Neste dia o escritor passou o dia observando experimentos com Mr. [deletado] sobre o projeto [deletado] e no planejamento do trabalho do próximo ano sobre o projeto (Mr. [deletado] já tem submetido sua proposta ao [deletado]).

2. A imagem geral do presente status do projeto é uma de uma série cuidadosamente planejada de cinco experimentos. A maioria do ano tem sido gasta em filtrar e padronizar um grande grupo de sujeitos [aproximadamente 100] e os meses entre agora e 1o. de setembro devem trazer muitos dados, de forma que estes cinco experimentos devem estar completos por 1o. de setembro. Os cinco experimentos são: (N é o número total de sujeitos envolvidos no experimento.)

Experimento 1 – N-18 Ansiedades hipnoticamente induzidas a serem completadas em 1o. de setembro.

Experimento 2 – N-24 Habilidade aumentada hipnoticamente de aprender e recordar material escrito complexo, a ser completado em 1o. de setembro.

Experimento 3 – N-30 Resposta ao polígrafo sob hipnose, a ser completada em 15 de juhno.

Experimento 4 – N-24 Habilidade aumentada hipnoticamente de observar e recordar um arranjo complexo de objetos físicos.

Experimento 5 – N-100 Relacionamento entre a personalidade e suscetibilidade à hipnose.

3. O trabalho para o próximo ano (1o. de setembro de 1953 a 1o.de junho de 1954) se concentrará em:

Experimento 6 – O problema do código morse, com a ênfase no QI relativamente menor dos sujeitos do que aquele encontrado nos voluntários das Universidades.

[quebra de página]

Experimento 7 – Recordação da informação adquirida hipnoticamente por sinais muito específicos.

[deletado] submeterá planos detalhados de pesquisa de todos os experimentos ainda não submetidos.

4. Um sistema de relatos foi decidido, recebíveis em junho, setembro e dezembro de 1953 e em março e junho de 1954. Estes relatos além de darem um sumário do progresso de cada um dos sete experimentos também incluirão dados crus obtidos em cada experimento. Ao completar qualquer experimento, um relato final, completo e organizado nos será enviado.

5. Depois de 1o. de junho, [deletado] o novo endereço será:

[deletado]

6. Uma nova revista científica foi observada no escritório de [deletado]:

Journal of Clinical and Experimental Hypnosis
publicado trimestralmente pela Sociedade para CF. & E.H.
publicante é Woodrow Press, Inc.
227 E. 45th Street
New York 17, N.Y.
Priço é $6.00
Até hoje, dois números foram publicados, Vol. 1 #1 Janeiro de 1953, e Vol. 1 #2 Abril de 1953.

7. Uma impressão muito favorável foi deixada sobre o escritor pelo grupo. O projeto experimental de cada experimento é muito cuidadosamente feito, e os padrões de detalhe e instrumentação parecem ser muito altos.

Sidney Gottlieb
Chefe da Divisão Química, TSS
Original Somente.

-2-

[Documento termina]

A seguir temos uma entrevista com o Dr. George Estabrooks. A seguir estão trechos de uma entrevista de 1971. Isto foi mais de um ano antes que os registros governamentais a respeito do MK Ultra fossem relatadamente destruídos.

A Hipnose Vem da Idade
Science Digest, Abril de 1971 George H. Estabrooks, Ph.D., graduado de Harvard (1926) e erudito de Rhodes

Uma das aplicações mais fascinantes e perigosas da hipnose é seu uso na inteligência militar. Este é um campo com o qual estou familiarizado por formular orientações para técnicas usadas pelos EUA nas duas guerras mundiais.

A comunicação na guerra é sempre uma dor de cabeça. Os códigos podem ser quebrados. Um espião profissional pode ou não permanecer comprado. Seu próprio homem pode ter uma lealdade inquestionável, mas seu julgamento é sempre uma questão em aberto. O “correio hipnótico”, por outro lado, fornece uma solução única. Eu estive envolvido ao preparar muitos sujeitos para este trabalho durante a segunda guerra mundial. Um caso bem sucedido envolveu um capitão do Corpo de Serviço do Exército que chamaremos George Smith.

Capitão Smith tinha se submetido a meses de treinamento. Ele foi um sujeito excelente mas não entendeu isto. Eu tinha removido dele, por sugestão pós hipnótica, toda lembrança de até mesmo ter sido hipnotizado.

Primeiro tive que o Corpo de Serviço chamasse o capitão a Washington e dissesse a ele que eles precisavam de um relato de um equipamento mecânico da Divisão X com sede em Tóquio. Smith foi ordenado sair por jato na manhã seguinte, pegar o relato e voltar. Conscientemente, isto era tudo que ele sabia, e esta foi a história que ele contou a sua esposa e amigos. Então eu o coloquei sob profunda hipnose e dei a ele – oralmente – uma mensagem vital a ser entregue diretamente em sua chegada ao Japão a um certo coronel – vamos dizer que o nome dele fosse Brown – da inteligência militar. Além de mim, o Coronel Brown era a única pessoa que podia hipnotizar o Capitão Smith. Isto é “fechando.” Eu realizei isto ao dizer ao hipnotizado capitão: “Até ordens posteriores minhas, somente o Coronel Brown e eu podemos hipnotizar você. Usaremos uma frase sinal ‘a lua está clara’. Seja onde for que você ouvir esta frase de Brown ou de mim você entrará instantaneamente em profunda hipnose. Quando o Capitão Smith acordou novamente ele não tinha memória consciente do que havia acontecido em transe. Tudo o que ele estava ciente era que devia se dirigir a Tóquio para pegar o relato da divisão.

Em sua chegada lá, Smith reportou-se a Brown, que o hipnotizou com a frase sinal. Sob hipnose, Smith enviou a minha mensagem e recebeu outra para levar de volta. Despertado, ele recebeu o relato da divisão e voltou para casa de jato. Lá eu o hipnotizei mais uma vez com a frase sinal e ele me deu a resposta de Brown que tinha sido obdedientemente guardada em sua mente sub-consciente. O sistema é virtualmente a prova de falhas. Como exemplificado neste caso, a informação foi fechada no sub-consciente de Smith para recuperação por somente duas pessoas que sabiam a combinação. O sujeito não tinha memória consciente do que aconteceu, assim não podia revelar segredos. Ninguém mais pode hipnotiza-lo, até mesmo se vierem a saber a frase sinal. Nem todas as aplicações do hipnotismo para a inteligência militar são tão limpas quanto esta. Talvez você tenha lido “As Três Faces de Eva”. O livro foi baseado em um caso relatado em 1905 pelo Dr. Morton Prince do Hospital Geral de Massachusetts e Harvard. Ele surpreendeu todo mundo no campo ao anunciar que ele havia curado uma mulher chamada Beauchamp de umm problema de divisão de personalidade. Usando a sugestão pós hipnótica para submergir uma faceta incompatível e infantil da paciente, ele tinha sido capaz de tornar os outros dois lados de Mrs. Beauchamp compatíveis, e reuni-los em uma única e coesa personalidade. Os hipnoterapeutas clínicos pelo mundo pularam na moda da personalidade múltipla como uma fronteira fascinante.

Pela década de 1920, não apenas eles tinham aprendido a aplicar a sugestão pós-hipnótica para lidar com este estranho problema, mas também tinham aprendido como partir certos indivíduos complexos em personalidades múltiplas como Jeckyl-Hydes. O potencial para a inteligência militar tem sido um pesadelo. Durante a segunda guerra mundial, trabalhei esta técnica com um vulnerável tenente da marinha que chamarei Jones. Sob o olho observador da inteligência da marinha eu parti sua personalidade em Jones A e Jones B. Jones A, uma vez um normal trabalhador da marinha, tornou-se inteiramente diferente. Ele falava da doutrina comunista e entendia disso. Ele foi recebido entusiasticamente por células comunistas, recebeu uma dispensa honrosa do Corpo e se tornou um membro do partido.

O cômico foi Jones B, a segunda personalidade, anteriormente aparente no Marine consciente. Sob hipnose, este Jones tinha sido cuidadosamente treinado por sugestão. Jones B era a personalidade mais profunda, conhecia todos os pensamentos de Jones A, foi um americano leal, e foi impresso a nada dizer durante as fases conscientes.

Tudo o que eu tinha a fazer era hipnotizar o homem inteiro, entrar em contacto com Jones B, o americano leal, e eu tinha um conduto diretamente para o campo comunista. Trabalhei maravilhosamente por meses com este sujeito, mas a técnica saiu pela culatra. Conquanto não houvesse meio de um inimigo expor a dupla personalidade de Jones, eles suspeitaram disso e jogaram o mesmo truque conosco mais tarde. O uso da “hipnose andante” na contra-inteligência durante a segunda guerra mundial ocasionalmente se tornou tão evoluida que ela exigiu demais até mesmo da minha credulidade. Entre os truques mais complicados usados, estava a prática de enviar um agente acordado perfeitamente normal ao campo inimigo depois dele ter sido cuidadosamente treinado em hipnose desperta para atuar a parte de um potencial sujeito hipnotismo. Treinado em auto-sugestão ou auto-hipnose, um tal sujeito pode passar em cada teste usado para localizar uma pessoa hipnotizada. Usando isto, ele pode controlar a taxa de seu batimento cardíaco, se anestesiar a um grau contra a dor de um choque elétrico ou tortura.

No caso de um oficial que chamaremos Cox, este um contra-espião cuidadosamente preparado, recebeu um título para indicar que ele tinha acesso a informação de top prioridade. Ele foi plantado em um café internacional em uma país de fronteira onde era certo existirem agentes inimigos. Ele falava demais, bebia bastante, fez amizade com as garotas locais e fingiu um interesse infantil em hipnotismo. A esperança era que ele cometesse um erro crasso na situação onde agentes inimigos o raptariam e tentariam hipnotiza-lo, para extrair a informação dele. Cox trabalhou tão bem que eles cairam no truque. Ele nunca se permitiu ser hipnotizado durante as sessões. Enquanto fingia ser um sujeito hipnotizado do inimigo, ele estava reunindo e realimentando informação.
[fim da entrevista]

Mais experimentação
Em 1942 o Dr.Winfred Overholser do OSS, o predecessor da CIA, começou a pesquisa da busca de um soro da verdade usando mescalina, uma droga derivada do cactus peyote. Isto se mostrou ineficaz como soro da verdade e eles começaram a experimentar com doses líquidas altamente concentradas de Marijuana. O governo dos EUA durante a segunda guerra mundial cresceu toneladas de marijuana. A história oficial era que ela seria usada para fazer cordas, sacos etc, mas o botão e a folha era concentrado para criar este soro da verdade sem cheiro e sem sabor. Em alguns casos isto foi muito efetivamente usado durante o interrogatório de suspeitos agentes duplos e até mesmo entre os próprios cientistas produzindo o produto. Suas reações produzidas contudo se provaram serem instáveis, conquistando vários resultados entre muitos sujeitos teste a um tal ponto que outros meios novamente tiveram que ser buscados.

1944 viu os primeiros esforços dos EUA em recrutar ativamente cientistas nazistas nos campos médicos e nuclear.

1950 viu a CIA unir forças com o Pentágono e um programa de modificação de comportamento foi iniciado chamado “Operação Bluebird”. Os prisioneiros de guerra norte coreanos eram cheios de barbituratos, benzedrina, e hipnotizados antes do interrogatório. Uma outra meta deste programa era induzir amnésia nos sujeitos teste de forma que eles não pudessem recordar os processos de drogueamento e tortura. A terapia por eletrochoque também se tornou uma parte da mistura.

1953 viu a transformação do OSS na CIA. Por agora eles tinham importado muitos doutores nazistas que tinham chefiado os programas de controle mental e lavagem cerebral ao longo de alguns registros dos campos de morte que não tinham sido destruídos. Segundo estes registros os alemães haviam obtido bons resultados usando mescalina, então mais uma vez a CIA voltou a mesa de projetos. O Projeto Naomi tinha sido um projeto de controle mental da CIA usando LSD 25. Foi a este ponto que o Projeto Naomi foi renomeado para o agora infame “MK Ultra”. MK Ultra era agora a operação de abrigo envolvendo controle mental, modificação de comportamento e interrogatório. Seus métodos eram uma mistura de psicocirurgia, eletrochoqueterapia, várias drogas poderosas alteradoras da mente e hipnose, enquanto no fim produzindo amnésia de forma que os sujeitos teste de nada suspeitavam.

1967 na Universidade McGill o Dr Ewen Cameron realizou experimentação para o MK Ultra usando eletrochoqueterapia, LSD e privação sensorial.

1974 um contratado do Departamento de Defesa, J. Scapitz, pretendeu combinar a tecnologia do MK Ultra com a tecnologia de microondas para produzir efeitos em massa na população do mundo. Em 1994, apenas 20 anos mais tarde, o Departamento de Justiça começou a supervisionar o novo trabalho realizado no Alasca para um projeto chamado HAARP. HAARP de fato é uma enorme disposição de microondas. A disposição foi atualizada novamente extensamente em 1998.

Em 1988 o governo dos EUA finalmente assentou um processo legal de 8 anos trazido contra ele pelos advogados de Washington Joseph L. Rauh, Jr., e James C. Turner. O processo foi assentado fora da corte pela mísera soma de 750 mil dólares e foi em benefício de oito cidadãos canadenses que foram vitimizados e sobreviveram às experiências do MK Ultra realizadas por Ewen Cameron, que também alcançou notoriedade como presidente das Associações Americana e Canadense de Psicologia. Foi assentado fora da corte no interesse da “segurança nacional”.

ENTRAM OS BUSHs
O avô de G.W. Bush, Prescott Bush, e seu padrasto, George Herbert Walker, inicialmente fizeram a fortuna deles suprindo a máquina de guerra nazista na medida em que abriam o caminho deles pela conquista da Europa. O dinheiro de Bush forneceu o aço nazista, o gás, os materiais, munições e e daí em diante, até Prescott ser acusado pelo ato de comerciar com o inimigo. A família Bush tinha investido pesdamente na política e políticos do Terceiro Reich.

“A fortuna da família Bush veio do Terceiro Reich” – John Loftus, ex Departamento de Justiça dos EUA, investigador de crimes nazistas de guerra e Presidente do Museu do Holocausto na Flórida citado no Sarasota Herald-Tribune 11/11/2000

A família Bush é ligada financeiramente ao Grupo Carlyle, uma companhia de fachada de Bin Laden que tem enriquecido seus investidores por meio de adquirir contratos de defesa. Seu rendimento médio anual para seus investidores tem sido 34% e, especializando-se em armamento e aparato de defesa, eles são enriquecidos financeiramente a cada maior ação militar.

Quando George H.W. Bush se tornou Diretor da CIA em 1975, segundo sua biografia oficial, ele foi mesmo o primeiro externo da CIA a ser indicado como diretor. De fato isto era um tempo muito crítico para a CIA e um tempo muito crítico para a Nova Ordem Mundial, na medida em que seus planos para controle mental em massa eram para serem colocados em uso prático, e os trabalhos estavam sendo vazados a respeito da existência do MK Ultra. Sem mencionar que vários doutores envolvidos nisto já haviam falado publicamente a respeito destes deveres diabólicos. Certamente este não era o tempo para um novato, então esta parte da biografia dele é verdadeira? Não, segundo um memorando de J Edgar Hoover que se referiu a um “Mr. George Bush da CIA” que era um agente envolvido com exilados cubanos que mais tarde se tornaram envolvidos no Fiasco da Baía dos Porcos. George Bush tem negado publicamente ser este homem. Ele se recorda de estar no Texas naquele tempo e nega lembrança posterior. Então por toda semelhança, a CIA não estava de todo nas mãos de um novato, mas possivelmente de um dos maiores agentes que já a serviram.

Já que Bush era o homem da CIA com os exilados cubanos que foram empurrados para o debacle da fracassada Baía dos Porcos, isto o colocou em oposição direta a JFK e seus planos de rasgar a CIA. Será que Kennedy repentinamente criou para ele mesmo um inimigo mortal em George H.W. Bush? Se assim for, há muita ironia nisto tudo. JFK escreveu e implementou a Publicação do Departamento de Estado #7277, que é a impressão básica de 40 anos para a Nova Ordem Mundial. A história desde então tem provado que temos implementado e seguido o plano de Kennedy para o nono grau. Se Bush foi instrumental no assassinato de JFK, então o arquiteto da Nova Ordem Mundial foi na realidade assassinado pelo homem que lançou isto pelo mundo. Em inúmeras ocasiões por sua presidência, George H.W. Bush se referiu orgulhosamente a Nova Ordem Mundial e creditou-se por liderar isto.

O ex Presidente Bush também pode ser ligado a uma outra tentativa de assassinato, e há alguns detalhes intrigantes associados com um que estamos para observar.

Ronald Reagan estava concorrendo ao seu primeiro mandato para presidente dos EUA, de fato, pelo partido republicano. Seu oponente republicano número Um era George H.W. Bush, e naquele tempo parecia haver uma certa animosidade entre os dois. Reagan havia declarado publicamente que ele nunca levaria Bush como seu vice-presidente. De fato, Reagan era mais elegível. Ele era carismático e manuseava bem a imprensa.Ele se tornou conhecido como um grande comunicador. Segundo o Ten. Cel. “Bo” Gritz, depois de receber a aprovação republicana como candidato presidencial, Reagan foi convidado para um encontro com os Rockerfellers na cidade de New York onde lhe foi dito,

“Se você não tomar meu chefe da Comissão Trilateral” (George Bush era então o chefe da CFR, que tinha estado trabalhando por décadas para nos levar sob uma Nova Ordem Mundial) “‘como seu companheiro de chapa, o único meio que o veremos dentro da Casa Branca será como turista”

De fato Reagan aceitou Bush como seu companheiro de chapa para vice-presidente, e foi apenas dois meses depois de sua posse, em 30 de março de 1981, que Reagan foi baleado. Quando o primeiro tiro atingiu um agente do serviço secreto atirando Reagan do veículo, não vimos uma mostra de dor na face dele, mas James Brady recebeu um tiro na cabeça e dois outros auxiliares foram baleados também. A limosine presidencial se acelerou e uma ambulância deixou a cena vários minutos depois se dirigindo ao mesmo hospital levando Brady. De algum modo a limosine chegou no hospital 15 minutos depois da chegada de Brady.

Segundo uma biografia sobre Nancy Reagan de Kitty Kelly.

“É seguro dizer que Nancy Reagan odiava o Vice Presidente George Bush — o ambicioso espião da CIA e ex diretor da CIA que tomou a presidência sem uma eleição. Este ódio foi certamente uma motivação tão eficaz quanto um soro da verdade. (o ex diretor da CIA Richard Helms, um dos vinte oficiais da Casa Branca de Reagan/Bush condenados no caso Irã-Contra [o escândalo de cocaína por drogas/armazenamento por dinheiro-OTAN], testemunhou perante o Congresso que a CIA realizou com sucesso mais de 60.000 assassinatos. Assassinos controlados mentais [o programa de psicologia e tortura do MK-ULTRA] era apenas uma das muitas especialidades da CIA. A equipe da embaixada da Costa Rica de Reagan e Bush – inclusive o embaixador – foi expulsa da nação pelo crime de importar cocaína para os EUA. Como chefe da CIA, Bush foi certamente um dos empregados mais brutais do governo dos EUA.

Segundo o próprio Reagan, ele nunca sentiu qualquer dor em permanecer na calçada, mas foi somente depois de ser atirado da limosine, fora da linha de fogo, que ele sentiu o ferimento. O Ten. Cel. Bo Gritz, que era o homem responsável por quebrar o impasse entre o Departamento de Cumprimento Legal dos EUA e Randy Weaver que estava sob seu comando, relata as próprias palavras de Reagan, bem como um pouco mais sobre fatos pouco conhecidos.

“Eu sabia que tinha sido ferido, mas pensei que tinha sido ferido pelo homem do Serviço Secreto chegando sobre mim no carro. Como foi isto, devo dizer que foi uma dor quase paralizante. Tenho descrito isto como se alguém o houvesse atingido com um martelo. Mas a sensação, assim me pareceu, veio depois que eu estava no carro e então eu pensei que talvez a arma dele ou algo tivesse quebrado uma costela. Sentei-me no assento, e a dor não desaparecia, e de repente, descobri que estava tossindo sangue”.

É interessante que o Ten. Cel. Gritz especifique que Reagan não foi atingido por uma bala mas sim por uma pequenina tabuleta. Isto certamente era inconsistente com a arma especificada como tendo sido usada por Hinkley. Um outro fato interessante diz respeito a ligação entre John Hinkley e enfermarias psíquiátricas. Lembre-se que as enfermarias psiquiátricas são amplamente utilizadas pelos governos para realizarem tal experimentação. Devemos também notar as práticas dos dias atuais nestas enfermarias e seu uso disseminado de drogas que curvam a mente com estes passados cruéis e mortais experimentos que são desconcertantemente similares. Hinkley tinha entrado e saido destas enfermarias várias vezes. Acrescente a isto a ligação entre a família de Hinkley com a família de Bush, que se beneficiou da tentativa de assassinato, e temos algumas implicações seriamente sádicas e malignas.

O pai de Hinkley era um homem muito rico e um enorme contribuidor das campanhas de Bush. Eles interagiam socialmente. No dia em que supostamente Hinkley atirou em Reagan, seu irmão estava para jantar com Neil Bush, irmão de G.W. Bush e filho de George H.W. Bush. Isto apenas é altamente suspeito e uma possível coincidência, mas quando ligado ao resto dos fatos há mais evidência circunstâncial que condena muitas pessoas em uma corte de justiça. A este ponto deve ser dito que os fatos vão muito além de circunstanciais…

Este incidente (a tentativa de assassinato de Reagan) de fato deu a George H.W. Bush a presidência, e de fato foi depois deste evento que ele, Ollie North e outros planejaram o negócio da troca de armas por drogas. É muito provável que uma vítima do MK Ultra tenha se tornado o óbvio bode expiatório.

Na década de 1940, a companhia farmacêutica Eli supervisionava os experimentos do MK Ultra usando mescalina e LSD. George Bush tinha sido um diretor da Eli Lilly bem como diretor da CIA ao tempo quando muito do trabalho científico a respeito do MK Ultra acidentalmente surgiu.

O legado do MK Ultra passou de pai para filho? Há um laço interessante a respeito de G.W. Bush. Enquanto governador do Texas, ele supervisionou a execução de 130 prisioneiros.

Karla Faye Tucker era uma esposa abusada que havia matado o marido, cumpriu vários anos de prisão, entregou sua vida a Cristo e tinha um ministéro muito eficaz na prisão. Os cristãos por toda a nação estavam pedindo pela vida dela… até mesmo Pat Robertson tentou intervir e pediu a GW por uma parada de execução para ela. Isto não resultou em nenhum bem e ela foi executadda e GW publicamente fez piada dela em uma entrevista de televisão. A verdade é que GW somente concedeu uma suspensão de execução durante todo o seu mandato como governador do Texas, a despeito de todas as queixas legítimas de inocência envolvendo vários daqueles que foram executados. A única suspensão de execução que ele garantiu foi para Henry Lee Lucas, que era um comprovado assassino em massa, e estava ligado a mais de 300 assassinatos. Lucas afirmou que havia tiros e que ele era parte de um anel que matava, raptava, canibalizava e praticava o Satanismo e que principais politicos estavam envolvidos. É muito provável que Lucas também fosse uma vítima da tecnologia do MK Ultra. Lucas afirma que a CIA estava envolvida. A verdade é que quando se compara os fatos do MK Ultra como dados pelos mesmos homens envolvidos, com a vida de Henry Lee Lucas vemos asustadoras similaridades no modo de operação que é similar também a experiência de John Hinkley. Lucas esteve entrando e saindo de instituições mentais por vários anos de sua vida. Houve vezes dele ficar amarrado na cama e drogado por semanas ao ponto em não ter memória dos eventos que transpiraram durante sua estada. Estas eram as mesmas técnicas utilizadas, juntamente com a hipnose, para criar assassinos, como foi declarado pelos mesmos doutores que realizaram os “programas”.

Quem eram estes altos politicos para os quais ele trabalhava [e que também eram adoradores de Satã] ele nunca declarou publicamente, mas G.W. Bush deu a Henry Lee Lucas o único perdão que ele manuseou em uma apresentação não caraterística de seu novo conservadorismo compassivo descoberto. Parece embora que exatamente como repentinamente ele descobriu esta compaixão, ele exatamente a perdeu novamente depois da execução de Lucas, na medida em que as execuções foram recomeçadas em um passo frenético. Também ele sendo um homem da Skull and Bones, ele não é nenhum novato na atividade satânica.

Os fatos relativos a vítimas raptadas sendo levadas a Matemoros e Juarez, no México revelados por Lucas foram estabelecidos nos anos seguintes quando em uma fazenda abandonada localizada exatamente fora daquela cidade, o governo americano começou a escavar corpos de homens e mulhers que haviam sido torturados e mortos. Parece que tem havido estranhos privilégios garantidos a Lucas durante sua prisão. Segundo Jim Boutwell, xerife do Condado Williamson, Texas, “Henry era um prisioneiro não usual. Ele recebeu uma cela de alta segurança e umas poucas amenidades especiais…”

Lucas tinha passado dez anos na prisão em um caso anterior de assassinato e foi libertado em 1970. Ele afirma que então foi recrutado e treinado em um campo paramilitar localizado nos Everglades da Flórida. Talvez acrescentando peso à história dele, além dos fatos do MK Ultra e como estas mesmas técnicas foram documentadas e usadas nele, temos este testemunho do Ten. Comandante Thomas Narut tirado de Harry V. Martin e David Caul, “Mind Control”, Napa Valley Sentinel, Agosto-Novembro de 1991″

.”A informação foi divulgada em uma Conferência da OTAN em Oslo de 120 psicólogos da aliança de 11 nações…A Marinha forneceu todos os fundos necessários, segundo Narut. Dr. Narut, em uma sessão de perguntas e respostas com repórtes de muitas nações, revelou como a Marinha estava secretamente preparando grandes números de assassinos. Ele disse que os homens com quem ele tinha trabalhado para Marinha estavam sendo preparados para operações tipo comando, bem como operações encobertas em embaixadas americanas mundialmente. Ele descreveu os homens que foram por este programa como “atiradores e assassinos” que podem matar sob comando. O exame cuidadoso dos sujeitos foi realizado por psicólogos da Marinha pelos registros militares… e muitos eram assassinos condenados cumprindo sentenças em prisão militar”.

[fim do artigo]

Um outro fato interessante que parece verificar a informação dada por Lucas a respeito dos raptos, assassinatos e experimentação de controle mental sendo realizados em Matamoros e Juarez, no México, envolve Rafael Resendez-Ramirez. Ele tinha seguido os sistemas ferroviários no oeste da América na década de 1980, matando viscosa e aleatoriamente na medida em que aterrorizava todos aqueles que viviam perto de uma linha ferroviária na Califórnia. Ele se encaixava perfeitamente no cenário dado por Lucas. Ramirez era abertamente um adorador de Satã, e um assassino de muito sangue frio. Ele surpreendentemente havia nascido em Matamoros [México] e atravessou a fronteira para os EUA por Juarez [México], as mesmas duas cidades que Lucas afirmou serem elementos negros do nosso governo para estas hediondas tarefas. Segundo a mãe de Ramirez, “estranhos” em uma fazenda fora de Matamoros o criaram. Ao tomar os fatos da história de Lucas e compara-los com os fatos da história de Ramirez, parece que temos muito mais que coincidência. Certamente segundo os padrões de hoje, batante evidência para indiciar o nosso governo por punição cruel e não usual e conspiração para assassinato, entre outras várias acusações.

Isto nos traz da Operação Paperclip nos anos de 1940 ao tipo de manipulação do MK Ultra, não importa o nome do projeto, passando pelas décadas de 1980 e 1990. Isto também mostra o alto nível de envolvimento das agências de inteligência dos EUA, inclusive indiciando homens tais como G.H.W. Bush bem como seu filho G.W.

Atualizando Isto com o Controle Mental em Massa

Então temos examinado uma história condensada dos projetos de controle mental individual realizados pelo governo dos EUA. Agora devemos fazer a pergunta: “E quanto ao controle mental em massa?”

Permita-me que submeta que a manipulação mental individual tem servido aos elementos negros de nosso governo bem, e tem apenas servido para criar confusão e ansiedade em nossa sociedade pelas décadas recentes. Isto, por sua vez, tem feito com que a população grite por mais e mais intervenção do governo, que parece ser o efeito trabalhado e esperado por aqueles que nos levariam a uma Nova Ordem Mundial. Acrescente a este SDP #7277 de autoria do Presidente Kennedy em 1959 quando ele era então Senador, e é aparente que trazer a Nova Ordem Mundial não é toda a agenda externa, mas uma agenda do governo americano. Devemos também ver que a Comissão Trilateral [CFR], a TLC, a Liga das Nações, a ONU são todas criações do governo americano. Para trazer à fruição estes nefastos planos bem colocados contudo, mais seria necessário. Algo deve ser feito além do nível individual, a até mesmo além do nível nacional. Alguns dos objetivos podem ser:

A. As pessoas do mundo em cada nação individual devem ser segregadas em grupos menores que possam ser facilmente manipulados por vários meios de técnicas psicológicas. Por exemplo, separando brancos de negros, pobres de ricos, protestantes de católicos, democratas de repblicanos etc.

B. Estes grupos menores podem posteriormente serem divididos para criarem até mesmo uma maior divisão, que permitirá a distração das massas como um todo e os manterá afastados em ordem de assegurar a agenda da Nova Ordem Mundial.

C. Achar um meio para stressar as massas para mante-las distraídas dos eventos reais em sua busca pela simples sobrevivência.

D. Achar um meio de posteriormente acalmar as massas em um estado que evite que elas pensem por conta própria examinando situações ao redor delas e do mundo.

Estes são apenas uns poucos pontos dos problemas que temos tido que nos enderessar e a consequência, embora este seja apenas um exemplo minúsculo. É a esperança do escritor mostrar ao leitor que estes problemas não tem sido apenas endereçados, mas que eles já tem sido abordados e a comunidade mundial, especialmente os cidadãos dos EUA, são na atualidade agora nada mais que uma sociedade adormecida pela lavagem cerebral.

Entra HAARP

HAARP é o acrônimo para “PROGRAMA DE PESQUISA DE ALTA FREQUÊNCIA ATIVA AURORAL”.Segundo o website oficial do governo relativo a HAARP, isto é uma estação de pesquisa localizada em mais de trinta acres de terra de propriedade do Departamento de Defesa do egoverno americano. Também somos estranhamente informados por este mesmo website oficial, “A especialização técnica e serviços de aquisição como necessários para o gerenciamento, administração e avaliação do programa estão sendo fornecidos cooperativamente pela Força Aérea [Laboratório de Pesquisa da Força Aérea] e a Marinha [Escritório de Pesquisa Naval e Laboratório de Pesquisa Naval]. Já que HAARP consiste em muitos itens individuais de equipamento científico, tannto grandes quanto pequenos, há uma lista considerável de organizações comerciais, acadêmicas e do governo.”

Podemos perguntar, “O que esta instalação de pesquisa pretendeu ao simplesmente estudar a nossa atmosfera fazendo isto em propriedade do Departamento de Defesa?” A resposta pode muito bem residir em revelar quais são as reais funções de HAARP. HAARP consiste emuma distribuição em fase de 180 torres colocadas afastadas 80 pés em uma grade de 1.000 pés por 1.200 pés. Tem duas antenas que transmitem ondas ELF e VLF, variando de 2.8 a 7 MHz (VLF) e de 7 a 10 MHz, (ELF) na atmosfera do topo de cada torre. A distribuição é energizada por 30 abrigos, cada um responsável pela energia de 6 torres. Cada abrigo contém 6 pares de transmissores de 10 kW, permitindo uma transmissão de 3600 kW da distribuição. O sinal pode ser focalizado fortemente em uma única área ou disperso em amplo alcance. Há vários de tais sítios colocados pelo mundo; sítios que transmitem ondas ELF mundialmente.

A maioria qwue está familiarizada com HAARP contudo, estão familiarizados apenas com o sítio no Alasca, pensando que esta seja a única instalação. Aproximadamente ninguém hoje está ciente dos muitos outros sítios localizados em Porto Rico, África do Sul, e os vários na antiga União soviética. É uma importante nota lateral que o projeto foi concebido e experimentado com o início nos anos de 1950, segundo nosso governo. Não coincidentemente, esta é a estrutura de tempo que o MK Ultra estava operando com carta branca e de vento em popa. Qual é a importância disso (HAARP) a respeito do controle mentalem massa? A resposta reside no efeito das ondas ELF tanto no cérebro humano quanto no corpo humano.

Para entender os efeitos das ondas ELF no cérebro humano, precisamos entender primeiro um pouco a respeito dos diferentes padrões e comprimentos de ondas, nos quais nós, humanos, normalmente funcionalmos.

Ondas Cerebrais DELTA estão na faixa de 0.5 a 4 ciclos por segundo, e são geradas da parte da frente do cérebro. Este padrão é geralmente associado com o sono profundo e alguns místicos orientais alcançam este estado enquanto despertos mas em profunda meditação.

Ondas Cerebrais THETA estão na faixa de 4 a 7 ciclos por segundo. Este padrão é associado ao sono leve e profundo repouso. A criatiidade e o pensamento innspirado frequentemente acompanham este estado. Quão frequentemente você está quase adormecido e uma idéia ou slução subitamente o atinge?

Ondas Cerebrais ALPHA são quase não existentes em crianças abaixo dos dez anos. Este padrão de onda está gerando em 7 a 12 ciclos por segundo. Este é um padrão muito interessante. É um padrão que evita a concentração. É altamente suscetível a sugestionabilidade. Em outras palavras, uma pessoa operando neste padrão é facilmente levada, até mesm o contra a vontade dela. Pode ser agradável e até meso eufórico. Por alguma razão nestes dias a maioria dos homens e mulheres estão operando pelas susas horas de despertar em um estado de onda alfa.

Ondas Cerebrais BETA tem uma ampla variedade de 13 a 27 ciclos por segundo. Estas ondas devem aparentemente ser o padrão ótimo para humanos andarem e trabalharem durante suas horas de vigília. Este padrão nos prermite analisar as coisas e situações e mais prontamente permitir que o cérebro humano se focalize em um estímulo externo. É associada com a atividade mental alerta.

Ondas Cerebrais GAMMA são algumas vezes chamadas de ondas hiper beta e operam acima de 27 ciclos por segundo. Estas podem ser associadas com hiperatividade ou rápidas explosões súbitas de atividade física.

Tendo isto em mente, é importante saber que tanto o cérebro quanto o crpo se tornam afetados peo estimulo ELF externo. Frequências diferentes tem efeitos diferentes bem como um sentimento de euforia, extrema vertigem e doença e confusão, acelaração do crescimento de células cancerosas, algumas vezes tanto quanto 6X ou mais. Um dos efeitos mais interessantes é o fato que as frequências entre 8 e 12 Hz podem realmente “carregar” a onda cerebral humana.

O que significa ‘carregar’ o cérebro de alguém? Se o cérebro de alguém está operando em 15 ciclos por segundo, dizemos que ele está operando em um padrão de onda cerebral Beta. Isto também como vimos é o padrão ótimo para análise e pensamento e exame do estímulo externo. Se este cérebro que está operando normalmente é então exposto a ondas ELF na frequência de 8 a 10 ciclos por segundo, como um camaleão muda a cor dele, assim também a onda cerebral muda do padrão Beta para o padrão Alfa, exatamente combinando-se com o padrão da fonte externa. Esta mudança acontece em alguns cérebros imediatamente depois do contacto externo.

Qual a importância destas descobertas?

O cérebro deve normalmente trabalhar no padrão Beta pelas horas normais de trabalho. Contudo, uma fonte externa emitindo ondas ELF podem fazer com que o cérebro passe para o padrão Alpha que é um padrão que não permite a concentração, o foco e o exame profundo; desta forma colocando o indivíduo em um estado onde muito facilmente é levado a sugestão. Em outras palavras, uma pessoa neste estado facilmente sofre uma lavagem cerebral.Ela não pode focar as realidades das coisas que estão acontecendo a ela e examina-las. Alguém que viva neste estado vive uma vida rasa de comer, beber e se alegrar, é facilmente entretida e distraída. Alguns sentam-se diante da televisão consumindo toda e qualquerb propaganda que for apresentada. A pessoa vive uma vida rasa e nem mesmo entende isto porque isto se torna a norma.

Os transmissores HAARP, bem com o os similares transmissores mundiais transmitem variando as frequências, As frequências mais usadas estão dentro do alcance que afetaria o cérebro o retirando do estado Beta para o Alpha. Para ver o efeito, tudo o que precisamos fazer é olhar esta sociedade zumbificada altamente influnciada onde vivemos. Uma outra nota lateral interessante. Muitos entre os leitores se lembrarão do velho com ercial sobre a marijuana, onde vemos serem apresentados os resultados dos eletroencefalogramas. Vemos altos picos consistentes e ouvimos as palavras, “Este é o seu cérebro”.

A seguir, vemos os picos se nivelarem até que tudo o que vemos é quase uma lihaa reta e ouvimos as palavras ominosas, “Est é o seu cérebro com a marijuana”. O que não é explicado é que os verdadeiros efeitos da marijuana nos padrões cerebrais humanos. O que vemos sendo apresentado no comercial são as ondas Alpha. Segundo todos os estudos idôneos como os da Universidade Cornell e muitos outros mais, a marijuana abaixa o padrão ALPHA mas atira o cérebro de volta ao Beta onde ele realiza seu melhor pensamento e profundo exame. Iste premite um exame mais profundo. Isto também tem sido mostrado melhorar os efeitos malignos da inferior onda de frequência ELF sobre o corpo humano tal como o fato de ser um retardador do câncer.

Muitas questões tem sido levantadas por estes fatos. Porque os EUA e a Rússia construiram estes transmissores mundialmente? Sabendo como são grandes os homens da ciência, acreditaremos que eles não saibam dos efeitos de lavagem cerebral das ondas ELF que eles estão produzindo? Ou este padrão está afetando nossas mentes a ponto que nem até mesmo questionaremos quando vemos as tecnicas mais iniciais de lavagem cerebral? Isto foi tentado e abandonado por Sidney Gottleib e outros. É provado por pesquisas em universidade ser benéfico ao corpo paa seu apropriado padrão Beta de onda cerebral. Esta é a razão que tem sido rotulada pela principal pesquisa universitária, como sendo a mais segura e mais benéfica droga na Terra que tem sido condenada ilegal?

Conclusão

Ao colocar estes fatos e questões em seus lugares apropriados juntamente com os fatos do programa MK Ultra podemos ver que a inteligência americana tem sabido por mais de meio século como manipular e fazer lavagem cerebral e usar a humanidade. Isto tem sido realizado surpreenentemente tanto no nívelindividual quanto sobre as massas da humanidade como um todo, mundialmente.

Os efeitos de tudo isto tem sido surpreendentes. Violentes homens atiradores tem sido criados para aterrorizar esta nação e de fato o mundo por meio de drogas e modernos esforços psicológicas. Estes mesmos homens tem sido libertados várias vezes e voltam às ruas porque os poderes que tem estado inundando nosso sistema de prisão com ofensores menores e menos violentos e portanto já criaram uma desculpa para libertações mais anteriores. Assassinos em massa como Henry Lee Lucas, que tem ligações provadas com a experimentação MK Ultra e politicos de alto nível, tem sido abertamente perdoados. Acrescente a isto que a sociedade é programada para viver em um padrão de onda cerebral Alpha e não Beta pelo uso dos transmissores de HAARP mundialmente. Eles não podem pensar para examinar profundamente, e estão abertos a sugestão, então quando vemos a violência nas ruas, e os eventos estagiados tais como a tragédia de 11 de setembro, ao invés de olharmos os fatos claros recebemos a sugestão da lavagem cerebral da media e pedimos por mais controle do governo.

Eles permitem atos ytais como os atos de Segurança Doméstica e os atos Patriotas serem aprovados, despindo-nos de nossos direitos civis em nome da segurança de coisas criadas pelo nosso próprio governo. Qual é a motivação de nosso alto nível politico que está no saber? A publicação do Departamento de Estado #7277, de autoria do Senador JFK em 1959 e entrada em vigor como a política americana sob sua presidência em 1961 prova que a agenda dos EUA é a de dominação mundial pelo uso da construção da ONU. Isto está dando permissão para a agenda incessante de trazer a Nova Ordem Mundial que continua sem ser desafiada, tudo enquanto se faz a lavagem cerebral e a manipulação das pessoas para pedir por isto emnome da paz e da segurança.

De fato como foi profetisado, temos perpetrado contra o mundo uma grande ilusão fazendo com que as populações mundiais recebam e acreditem em mentiras.

Deus abençoe a todos
Eric Jewell

Published in: on agosto 20, 2008 at 8:33 pm  Comments (5)  
Tags: , , ,

Arma de Dispersão de Multidão

Como se Proteger da Arma de Dor da Raytheon

Não seja queimado!
de MANUEL GARCIA, Jr.

Em um artigo publicado em Counterpunch em 28 de maio, Michael Dickinson descreveu o aparelho de microondas para dispersão de multidões sendo produzido pela Corporação Raytheon. Quero oferecer algumas soluções e contramedidas. Primeiramente, permita-me fazer um a breve descrição deste aparelho.

Hoje estamos familiarizados com cozinhar com o microondas. Neste processo, a radiação eletromagnética com comprimentos de onda de alcance de milímitros a centímetros penetra na comida e causa o aquecimento de suas moléculas. Já que a maior parte dos alimentos contém água, é primariamente isto que é aquecido. Contudo, muitas moléculas com similares dimensões físicas no que diz respeito aos comprimentos de laços entre o núcleo atômico podem ser similarmente aquecidas. A física é a que se segue.

As moléculas são construídas por átomos individuais ligados a laços químicos em estruturas geométricas. A água é H2O, um átomo de oxigênio ligado a dois de hidrogênio, o arranjo sendo um V com um ângulo interno de apenas abaixo de 105 graus. A distância entre o núcleo é na ordem de um Angstrom, que é aproximadamente um sobre dez a décima potência do metro [ou aproximadamente 10 nanocentímetros]. Os átomos em cada extremidade do laço químico na molécula da água são diferentes [hetero polar] e assim há uma ligeira diferença na carga elétrica de uma extremidade do laço para a outra. Isto tem a ver com as intrinsicidades de como os elétrons [peso leve, partículas orbitantes negativamente carregadas] do núcleo atômico individual [relativamente maciço e positivamente carregado] agora orbita o núcleo da molécula, como uma estrutura composta. Este desequilíbrio de carga faria com que a molécula se movesse para se alinhar com o campo elétrico imposto. Se o campo elétrico alterna, então a molécula pode ser colocada em um movimento alternante, tal como rotação aproximadamente no ponto médio de um laço químico como se este fosse um link sólido; ou uma vibração como se o laço fosse um elástico. Isto é como os campos elétricos alternantes das microondas, com frequências de dezenas de centenas de giga-hertz (GHz; 1 Hertz = 1 ciclo por segundo), excita as moléculas. O movimento molecular é calor; é o movimento acelerado das moléculas em um corpo de material que é vivenciado como calor. As moléculas excitadas colidem mais rapidamente com seus vizinhos e as fronteiras que contém material, e este efeito tem efeitos macroscópicos que chamamos de pressão e calor.

Você pode notar que seu forno de microondas tem uma rede construída na janela da porta. Esta rede é um material condutor eletricamente (metal) que tem buracos menores do que o comprimento de onda das microondas que estão sendo produzidas. Porque os buracos são menores que o comprimento de ondas, a rede parecerá uma folha contínua de material condutor para as microondas dentro do forno [cavidade] e agem como um eficaz “plano de solo” ou escudo que corta o campo elétrico do microondas e evita sua escapada. O propósito dos buracos é que você posa ver dentro do forno enquanto ele está operando. Claramente, se os buracos são maiores que o comprimento de onda de qualquer radiação eletromagnética produzida no forno de microondas, então a porção menor do comprimento de ondas escapará. Assim a rede da porta é um importante aparelho de segurança e devemos esperar que uma tal rede similar seja embebida dentro das paredes do forno.

O aparelho de dispersão de mutidões é basicamente a irradiação de um ambiente de forno de microondas para uma locação remota. Será que a Raytheon apenas remove a rede de uma das parede e deixa as microondas vazarem? Isto é inefeciente demais. Ao invés, um arranjo elaborado chamado de “antena canalizadora de fase” é de uso. Uma antena canalizadora de fase é a combinaçãom de muitas antenas individuais [simples osciladores eletromagnéticos] em proximidade estreita, mas cada uma desencadeia de um tal modo que a emissão combinada da canalização tem uma propriedade como um raio. Se você pode imaginar várias crianças patinhando na superfície da água em uma banheira de um modo tal que o efeito acrescente-se em uma grande onda, em oposto a cada uma de suas pequenas ondas interferindo uma com as outras para pouco efeito, exceto para produzir uma espumosidade sem variação significativa do nível de água, então você entende o conceito. A matemática da produção de raios é implementada por circuitos elaborados energizando muitos pequenos nodos da antena [as crianças] e controlado – ou faseados – por computadores.

Por estes meios, o ambiente eletromagnético de um forno de microondas pode ser transmitido ou projetado a alguma distância. Este é o aparelho do ‘raio da dor” desenvolvido pelos militares americanos. Obviamente, o grau de desconforto e destruição que pode ter tem dependido da energia disponível. Um prático aparelho de dispersão de multidão exige meios razoáveis de transporte, então um caminhão ou “humvee.” Isto sugere que a fonte de energia para o aparelho é limitada ao motor do transportador [talvez dirigindo um gerador elétrico]. Dado a eficiência do processo e a magnitude do motor do transportador, então temos os meios de determinar o alcance efetivo do aparelho [onde também sabemos alguma densidade eficaz da energia no alvo]

Bem, como você faz para demover isto? A melhor proteção é a distância, apenas não esteja no alvo! Contudo, se alguém desejar se engajar em uma demonstração e estar protegido deste aparelho, a melhor proteção será seu próprio escudo magnético ou “caixa de Faraday.” Se você estiver dentro de uma Caixa de Faraday, onde as redes de abertura são pequenas em relação a incidente radiação, e com um fio terra que dirige a energia eletromagnética interceptada para longe de você, então você está seguro. Este remédio não é provável de ser conveniente, mas então, talvez talentos criativos possam encontrar refinamentos eficazes do conceito. Uma veste de armadura com correntes caindo de suas ancas para levar as correntes ao solo pode não ser a proteção ideal. Contudo, escudos plásticos com redes embebidas, até mesmo folhas de alumínio ou fibras de poliéster aluminizado [brilhantes sacos de lixo?] por trás dos quais os indivíduos possam permanecer [agachados?] podem permitir que as pessoas evitem o intento do aparelho. Uma vez uma pessoa entenda a física que é utilizada contra ela, ela pode ser capaz de encontrar materiais prontamente disponíveis para contramedidas eficazes; isto exige algum planejamento.

Dado que uma reunião popular possa planejar se proteger de um aparelho de raio de calor para dispersar multidão ao se armar com escudos protetores do comprimento corporal, roupas Faraday, podem também usar escudos refletores e ajustar a fase para que os raios retornem a fonte?

Isto nos traz a mente a história do raio de calor de Arquimedes, durante o cerco de Siracusa durante 214-212 AC. O historiador romano Lucan escreveu que durante o cerco da cidade de Roma, Arquimedes tinha os defensores de Siracusa alinhando seus escudos de bronze e cobre, que tinham sido altamente polidos, para refletir a luz do sol sobre os barcos atacantes, que queimaram em chamas. Experimentos modernos destinados a duplicar este efeito mostram que o efeito é mais provável com muitos refletores, ideais condições atmosféricas e a orientação de objetos em relação ao sol, e com materiais altamente combustíveis e coberturas nos alvos. Para uma falange de nossos escudos refletores e protetores de ação popular, Cavaleiros Faraday, o equivalente pode ser usar os lados concavos [talvez parabólicos] de seus escudos protetores e refletores [com fios terra e com manivelas insuladas para seus usuários] para redirecionar a incidente radiação microonda de volta a sua fonte, ou para algum outro lugar.

Com certeza, há que se entender que qualquer contramedida bem sucedida em relação aos aparelhos de raios para dispersão de multidão é garantia que impulsione as autoridades a escalar para medidas de controle mais letais. Para uma revolução continuada, este é simplesmente um outro nível de planejamento.

Published in: on julho 14, 2008 at 6:09 pm  Deixe um comentário  
Tags: , ,

Armas Termobáricas

Modernas Armas Termobáricas da Rússia

wikipedia

“Pai de Todas as Bombas” é o apelido de uma arma termobárica de fabricação russa ativada de envio ar/terra que é afirmado ser quatro vezes mais poderoso do que a boma de explosão aérea de Ordem Maciça dos militares americanos (MOAB ou a “mãe de todas as bombas”), tornando-a a mais poderosa arma convencional [não nuclear] no mundo. O chefe substituto de staff das forças armadas russas, Alexander Rukshin, é citado como tendo dito, “tudo que esteja vivo meramente se evapora”. Isto foi com sucesso testado no entardecer de 11 de setembro de 2007, quando a arma foi lançada de um bombardeiro pesado Tupolev Tu-160 com um paraquedas. Segundo o militar, a nova arma substituirá vários tipos menores de bombas nucleares em seu arsenal.

Descrição

O aparelho a vácuo tem o rendimento equivalente a 44 toneladas de TNT usando 7.8 toneladas de um novo tipo de alto explosivo desenvolvido com o uso da nanotecnologia. Por causa disto, esta bomba é capaz de emitir ondas de choque tão poderosas quanto uma pequena arma nuclear. A bomba funciona ao explodir em pleno ar enquanto a principal destruição é inflingida por uma onda de choque ultrassônica e uma temperatura incrivelmente alta que incinera tudo na vizinhança. As armas termobáricas diferem das armas convencionais explosivas ao usar o oxigênio da atmosfera, muito mais que carregar um agente oxidante em seus explosivos. Elas produzem mais energia do que as armas normais, mas são mais difíceis de controlar.

Segundo a informação, a nova bomba é menor do que a MOAB mas muito mais mortal porque, devido a nanotecnologia, a temperatura no epicentro da explosão é duas vezes mais alta. Ele dz que as capacidades da bomba são comparáveis às armas nucleares, mas ao mesmo tempo, o uso desta arma não danifica ou polui o ambiente [fora o ambiente dentro do raio da explosão], como uma arma nuclear faria.

Em comparação, a MOAB produz o equivalente a 11 toneladas de TNT de 8 toneladas de alto explosivo. O raio da explosão da FOAB é de 300 m, mais que o dobro daquele da MOAB, e a temperatura no epicentro desta explosão é duas vezes mais alta.

Comparando as bombas dos EUA e da Rússia
Indicador EUA (????[9]) Rússia (F???[10])
Massa: 8200 kg 7100 kg
TNT equivalente: 11 tons ~44 tons
Raio de explosão: 150 m (492 ft) 300 m (984 ft)

Análise e Legitimidade

Alguns analistas de defesa questionam tanto o rendimento da bomba quanto se ela pode ou não ser empregada por um bombardeiro Tupolev. Um relatório de Wired diz que fotos e video do evento sugerem que ela é projetada para ser empregada nas costas de um avião de carga de baixa velocidade, e eles notam que o video do teste da bomba divulgado pelos russos nunca mostra a bomba e o Tupolev na mesma tomada de foto. Há também questões sobre que tipo de explosivo realmente esteja sendo usado. Eles citaram Tom Burky, um cientista senior pesquisador em Battelle, dizendo “Nem mesmo está claro que tipo de arma os russos testaram.” Ele questiona se foi o que alguns especialistas chamam de “explosivo combustível-ar” ou se foi uma arma termobárica. “As bombas combustível-ar e termobáricas diferem na utilidade”. Burky diz que a arma apresentada no vídeo parece ser uma do tipo explosivo combustível-ar, baseado em sua forma.

Phillip Coyle, um conselheiro do Centro de Informação de Defesa em Washington, D.C., diz ser cético sobre o verdadeiro poder da “Pai de Todas as Bombas’. “Sua explosão pode ser maior do que a de MOAB,” ele concede, “mas não é quatro vezes maior — ao menos 50% maior, apenas dependendo do tamanho da bomba e como estas bombas são projetadas.”

Contudo, John Pike, um analista do grupo formador de opinião GlobalSecurity, diz que a despeito de seu ceticismo, ele acredita que Pai de Todas as Bombas seja a grosso modo tão poderosa como dizem os russos. O que ele não acredita é que a arma seja realmente nova. Ele diz que os russos tem possuído várias armas termobáricas por ao menos quatro décadas. Pike diz:

‘Há explosivos combustível-ar, projetados para gerarem uma intensa pressão de explosão sobre uma grande área. É relatado que a bomba russa é a chamada bomba termobárica, que produz explosão e calor. Os militares russos tem sido pioneiros no desenvolvimento e uso destas armas termobáricas. Esta teria que ser uma das maiores enviáveis, bombas lançadas na história militar.”

Robert Hewson, um editor de Jane’s, disse a BBC que era provável que a FOAB de fato representasse a maior bomba não nuclear do mundo. “Você pode argumentar sobre os números e como você escala isto, mas os russos tem um longa história comprovada do desenvolvimento de armas da classe termobárica”.

UPI afirmou que o aparelho “impulsionaria enormemente as capacidades militares convencionais da Rússia.”

RPO “Bumblebee” é um lançador portátil de foguete produzido e exportado pela Rússia e a antiga União Soviética.

Descrição

A RPO é um lançador de foguete em forma de tubo auto contído para um único tiro que opera de modo muito similar a alguns lançadores de foguete RPG e LAW. O lançador é um tubo selado carregado em um pacote em pares. A mesma pessoa pode remover o tubo, coloca-lo em posição de fogo e lançar a arma sem ajuda. Depois do lançamento, o tubo é descartado. Todos os modelos são externamente similares.

Munição

Cada arma contém um único foguete, do qual há três variedades. O foguete básico é o RPO-A, que tem uma ogiva termobárica e é projetada para atacar alvos macios sob cobertura moderada. O RPO-Z é uma ogiva incendiária destinada a espalhar fogo e incendiar alvos. Finalmente, há uma ogiva produtora de fumaça, o RPO-D.

Especificações fornecida por Jane’s:

* Calibre: 93 mm
* Comprimento:
o lançador: 920 mm
o Rfoguete: 700 mm
* peso:
o arma única: 11 kg
o Pacote de trânsito de duas: 22 kg
* Alçance de vista: 600 m
* Alcance:
o Minimo: 20 m
o Maximo: 1,000 m
* Velocidade inicial: 125 ±5 m/s
* Ogiva:
o RPO-A: 2.1 kg termobárica
o RPO-Z: 2.1 kg incendiária
o RPO-D: 2.3 kg fumaça
* Temperatura operacional: -50 to +50ºC
* duração de vida: 10 years

Operadores

* Rússia
* China
* Sri Lanka
* Líbano

HISTÓRIA DO SERVIÇO

O uso do RPO pelas forças especiais russas tem sido implicada no possível início de incêndio que matou tantos na crise dos reféns da escola em Beslan.

TOS-1 Buratino é um lançador múltiplo de foguete de 30-barril russo e arma termobárica montada no chassis de um tanque T-72. TOS-1 foi projetado para derrotar os inimigos em fortificações, em campo aberto, e em veículos ligeiramente blindados e de transporte. Os primeiros testes de combate aconteceram no Vale Panjshir durante a guerra soviética no Afeganistão.

Published in: on julho 14, 2008 at 4:29 pm  Comments (3)  
Tags: