MOTHMAN – O Homem Mariposa

MOTHMAN – O Homem Mariposa

Será que uma criatura alienígena apareceu na Virginia Ocidental? Este nome foi dado a uma criatura que alegadamente apareceu em Point Pleasant, área da Virginia Ocidental. Os avistamentos ocorreram em meados de novembro de 1966 a meados de dezembro de 1967, o que faz de 1996 o trigésimo aniversário do aparecimento da criatura. Poderia ela ser um alienígena deixado por um UFO? Uma estranheza da natureza? Algum tipo de ave mal identificada? Ou foi simplesmente uma farsa bem preparada?

Infelizmente não existem fotografias da criatura – exatamente como um filme de monstro mal estraga a câmera ou o filme não é exposto apropriadamente. Segundo as narrativas das testemunhas oculares,  Mothman fica de pé [bípede] mais alto do que um homem, de altura entre 1.82 metros e 2.13 metros, talvez mais alto. Suas características mais proeminentes são as enormes asas sem penas cuja envergadura é de aproximadamente três metros; até mesmo mais não usual são os enormes olhos vermelhos brilhantes em uma face geralmente sem feições. Algumas testemunhas oculares foram incapazes de se recordar de terem visto uma cabeça; estes relatos afirmam que os olhos estavam realmente na área dos ombros, onde um pescoço e a cabeça deviam estar. Poucos, se algum, podem se lembrar de detalhes sobre a presença ou tipo de pés que a criatura possuia. As testemunhas oculares alegaram que o Mothman podia voar sem bater as asas e podia alcançar a velocidade de um autmóvel que tentava fugir a 100 milhas por hora. A criatura nunca foi vista bater as asas quando se elevava do solo – ela evidentemente era capaz de se elevar e flutuar acima da superfície da terra com pouco ou nenhum esforço, não fazendo qualquer som ou barulho.

Um mapa e uma descrição da área onde foi pela primeira avistada a criatura foi na Usina de Energia Elétrica de Ordnance Works North da Virginia Ocidental por dois casais que passeavam em meados de novembro de 1966. Este usina foi criada durante a segunda guerra mundial para fornecer TNT para o esforço de guerra dos EUA. Localizada a aproximadamente seis milhas ao norte de Point Pleasant, na Virginia Ocidental, a área agora serve como uma área pública para caça e pesca e é conhecieda localmente como “a área TNT” ou apenas “TNT.” Construida durante a guerra, a usina era ostensivamente preparada para evitar um possível ataque japonês ou alemão. O armazenamento de explosivos perigosos foi realizado por uma série de bunkers de concreto construidos sobre o solo. Estes bunkers, ou “iglus,” eram enormes estruturas de concreto em forma de domos, cobertas com um pé ou mais de terra e espaçados em um padrão de grade para reduzir as chances de todos os iglus serem destruídos em uma reação em cadeia de uma bomba inimiga. A porta em cada iglu é sólida e de um pé de espessura. A cobertura de terra também servia como camuflagem já que a grama pôde crescer sobre o inteiro complexo embora do ar a instalação deve ter parecido estranha. Foram construídas usinas elétricas gêmeas para fornecer energia para a istalação manufatureira. Uma série de bunkers subterrâneos, túneis e esgotos tambem ligavam o inteiro complexo. Algum tempo depois da guerra, as plantas do layout da fábrica foram destruídas em um ato de típica eficiência de Washington, DC. A fábrica deixou de operar em 1945. Os iglus mais tarde foram usados para armazenamento de explosivos comerciais [talvez ainda sejam] e há rumores que isto tenha nos níveis inferiores resíduos nucleares. Virtualmente todos os iglus são fechados e inacessíveis, a menos que alguém que tenha transpassado e tente abrir; e isto não é aconselhável e potencialmente muito perigoso, até mesmo um risco de vida, por causa das cobras, ratos, gambás, possivel resíduo nuclear, explosivos [e mais tarde resíduo de explosivos mais perigosos do que o TNT] mais os resíduos industriais das usinas até hoje. Na década de 1980 algumas camaradas estavam pescando em um dos designados lagos de pesca quando perceberam um líquido vermelho borbulhando para a superfície. Isto mostrou ser um composto de tolueno. Testes subsequentes determinaram que a área é dos lugares mais poluídos nos EUA. Ele tem seu lugar garantido no “Top 10 Superfundo para Limpeza”. Durante a operação da fábrica os produtos residuais eram permitidos serem depositados em reservatórios para “evaporação”; estes poços eram cavados sob a vegetação que eventualmente cresciam novamente. Esta ação, acoplado com os possíveis esgotos, levaram a um envenenamento da área. Os Corpos do Exército estão ocupados remediando o local; o monitoramento perpétuo e permanente da água do solo será necesário agora e até para sempre! Os lagos afetados tem sido drenados, encapados com uma cobertura de revestimento interno e poços de monitoramentos tem sido instalados. Por causa da destruição das plantas da fábrica, os Corpos do Exército tem tido que anunciar publicamente por informação de qualquer um com experiência de trabalho na fábrica. Isto foi feito para tentar e recuperar alguma informação sobre os locais dos esgotos e dos túneis. É desconhecido se todas as instalações remanescentes serão encontradas.

Mais ocorrências não usuais ao redor de Point Pleasant, Virginia Ocidental. Point Pleasant tem visto sua parte de enchentes e incêndios devastadores; alguns atribuem isto a uma praga durante a agonia do antigo chefe Shawnee, Cornstalk. Em 10 de outubro de 1774 uma grande batalha aconteceu entre os homens da milícia da Virginia liderados por Andrew Lewis, e uma confederação multi-tribal liderada pelo guerreiro Shawnee, Cornstalk; esta batalha aconteceu na confluência dos rios Kanawha e Ohio, mais tarde incorporados em 1794 como a cidade de Point Pleasant. Os homens tribais nativo-americanos foram enganados pelo governador da Virginia [leal aos britânicos], Lord Dunmore, para acreditarem que os homens da milícia estavam vindo para assinar um tratado de paz. A confederação sofreu uma maciça derrota e nunca voltou a área para lutar novamente; os homens da milícia também sofreram pesadas baixas. O intento de Dunmore era desviar a atenção dos colonialistas para longe da independência da Bretanha ao estimular o ódio entre os colonos e os nativo-americanos. Por causa dos interesses britânicos na batalha, alguns tem declarado que esta batalha foi a primeira da revolução americana; os detratores rotulam esta batalha como a última das guerras de fronteira com os índios. Depois da derrota de  Cornstalk como resultado de uma emboscada, ele relatadamente com sua respiração agonizante amaldiçoou a área por 200 anos. Suas palavras despertam muita discussão depois de cada ocorrência desafortunada na cidade durante este período, incluindo enchentes e incêndios severos que pareceram praguear o centro da cidade durante anos, além da situação de refém covarde e assassina da Côrte do Condado de Mason em 1976. O desastre do desabamento da Ponte Silver em 15 de dezembro de 1967 que atingiu o Rio Ohio entre Point Pleasant e Kanauga, Ohio; 46 pessoas morreram na tragédia. Os viajantes da hora do rush estavam indo em suas vidas diárias, se preparando para os feriados do Natal quando a estrutura desabou sobre eles. A ponte foi construída em 1928 como uma ponte suspensa significando que tinha cabos como aqueles encontrados na ponte Golden Gate. Nos meses depois do desabamento, as peças da ponte foram recuperadas e postas como um grande quebra-cabeças em um campo exatamente ao sul de Point Pleasant; tudo, menos o leito da estrada foi recuperado. A análise final realizada pelo Departamento de Transportes dos EUA disse que a falha foi no pino 13 da barra reta sobre o lado norte da ponte e a oeste da torre de Ohio, tinha falhado e feito a cadeia de barra reta cair sob a rodovia. A cadeia de barra reta rio abaixo ao sul foi incapaz de suportar o peso da inteira estrutura o que resultou na falha completa e imediata. Levando a rota 35 dos EUA naquele tempo, a ponte tinha duas estruturas gêmeas: uma exatamente no rio acima em St. Marys, Virginia Ocidental e uma no Brasil. A de St. Mary foi imeditamente fechada, destruída e substituida. Em 1969, uma nova ponte foi completada exatamente ao sul de Point Pleasant e a Rota 35 foi relocada para o lado sul do Rio Kanawha, seguindo o caminho da antiga Rota Estadual 17. A antiga Rota 35 foi renomeada Rota Estadual 62.

MOTHMAN e o Fator C.U.T.E.

de Robert A. Goerman

Relatos de testemunhas oculares, realmente de mais de cem pessoas, de novembro de 1966 a dezembro de 1967, descreveram uma criatura alada que permanecia em pé, mais alta e mais larga que um homem, andando com pernas de aparência humana, decolando reto como um helicóptero, caçando carros, e emitindo sons de zumbido e guinchos. Os olhos vermelhos brilhantes, colocados nos ombros, pareciam ainda mais aterrorizantes do que o tamanho da criatura ou a envergadura de três metros de suas asas.

Os incidentes começaram em 15 de novembro de 1966. As 11:30 p.m., um clássico chevrolet 1957 dirigia vagarosamente ao redor de uma área abandonada da segunda guerra mundial, conhecida localmente como área TNT, a seis milhas ao norte de Point Pleasant, Virginia Ocidental.

O fácil acesso e o isolamento desta área de TNT a tornaram um lugar popular para a juventude local. Dentro do chevrolet 1957 estavam dois jovens casais casados, Roger, 18, e Linda Scarberry e Steve, 20, e Mary Mallette. Eles estavam procurando amigos que também podiam estar fora naquela noite. A busca deles fez uma pausa na Usina de Energia Norte.

“Era a forma de um homem, mas muito maior. Talvez de 1.90 a 2.13 metros de altura. E ele tinha  grandes asas dobradas em suas costas”, disse Roger Scarberry.

“Mas foram os olhos que nos atrairam. Isto tinha dois olhos como faróis de um carro”, acrescentou Linda Scarberry. “Eles eram hipnóticos. Por um minuto, apenas podiamos encara-los. Não podia tirar meus olhos disso.”

Roger Scarberry, que estava dirigindo, pisou no acelerador e fugiu, dizendo que a um ponto o chevrolet tenha alcançado cem milhas por hora. Para horror de todo mundo, a criatura abriu as asas e voou atrás do carro. Ela não parecia bater as asas e a envergadura era de uns três metros.

A criatura seguiu o carro deles até os limites da cidade de Point Pleasant antes de parar a perseguição.

Os casais aterrorizados relataram a experiência deles ao Xerife substituto Millard Halstead.

Linda estava em um tal estado que foi levada a um hospital.

O Xerife do condado de Mason George Johnson chamou uma conferência de imprensa no dia seguinte. Os repórteres entrevistaram todas as testemunhas. A história foi captada pelos serviços de cabo. Um homem do notíciário apelidou a criatura de “Mothman.”

Os céus ajudem os inocentes que se deparam com monstros. Muitos cultos homens de ciência apenas sabem que estes fenômenos estão relacionados a delírios ou uso de álcool. O autor rotula esta reação perpétua de Fator da Necessidade Compulsiva de Explicar (C.U.T.E.). A despeito do acrônimo, isto não é bonito.

Embora o Xerife do condado de Mason George Johnson admitisse que as testemunhas tinham “visto algo” incomum o suficiente para aterroriza-las, ele rapidamente teorizou [sem o menor traço de evidência] que isto possa ter sido um “Shitepoke” exagerado, possivelmente uma estranheza da natureza.”

Segundo a história do “Point Pleasant Register” da quinta-feira, 17 de novembro de 1966: “Este pássaro é também conhecido como um Shagpoke’ e realmente é uma grande ave com pernas finas e estreitas, asas longas e amplas, pés membranosos e vive perto da água e faz um barulho rouquenho,’ eles dizem. A ave… é algumas vezes referida como uma garça verde que descansa de dia e se alimenta de noite.”

Uma outra divulgação da United Press International, com data e local de Point Pleasant, esclareceu as coisas: “Johnson disse que ele sente que seja o que for que alguém viu nada mais é que um ’estranho shitepoke,’ um grande pássaro da família das garças. O  shitepoke, ou corvo marinho como ele algumas vezes é conhecido, é a menor garça do hemisfério ocidental”.

Vamos estabelecer o registro direto. Estes “especialistas” estão confundindo duas aves inteiramente diferentes. A Graça Verde é o anão da família das garças geralmente diurnas, medindo terríveis até meio metro de comprimento. A Graça noturna Negra Coroada é o suspeito noturno a que estão se referindo estes “especialistas”. Ela é descrito como tendo uma constituição pesada, com um capacete preto e as costas e a barriga branca, asas de um cinza pálido, e olhos vermelhos que não piscam e que brilham como brasas esmaecidas. Seu nome científico, Nycticorax, significa “corvo da noite.” e em muitos lugares, esta garça noturna é conhecida como ” squawk” por causa de seu grito curto e rouquenho. Aborde esta ave tímida e ela escapole com um frenético bater de asas e seus gritos rouquenhos. A garça noturna negra coroada mede no máximo setenta centimetros de comprimento. Uma coisa muito distante de algo tão “maior do que um homem” no livro de qualquer um.

Ralph Turner, um professor de jornalismo e comunicações de massa da Universidade Marshall, era um repórter do The Herald-Dispatch (Huntingdon, Virginia Ocidental) quando apareceu a história do Mothman. Ele veio com a brilhante idéia que um repórter deve passar a noite na área TNT onde pela primeira vez foi relatado o Mothman. o editor da cidade Bill Wild concordou com o plano e entregou a história para Turner e o repórter/fotógrafo Mike Hoback.

“Lembro-me de falar com as pessoas nas primeiras horas da manhã”, disse Turner. “Também me lembro de me sentir frio e úmido e ligeiramente tolo. Isto não era uma “coisa quente” naquele tempo,  Turner explicou. “Não sei se muitas pessoas pensavam nisso seriamente, mas era uma boa peça de conversa. Queríamos levar isto a alguma conclusão. Realmente nunca acreditei que houvese algo como o Mothman.” Turner confessou.

Quatro dias depois do avistamento inicial do Mothman em 15 de novembro de 1966, seu artigo de notícias começou: “o caso do monstro do condado de Mason pode ter sido resolvido sexta-feira por um professor da Universidade da Virginia Ocidental. O Dr. Robert L. Smith, professor associado de biologia da vida selvagem na divisão da universidade de florestas, disse ao Xerife de Mason George Johnson em Point Pleasant que ele acredita que a “coisa” que tem estado assustando pessoas na área de Point Pleasant desde terça-feira é uma grande ave que fez uma parada enquanto migra para o sul. ‘De todas as descrições que tenho lido sobre esta “COISA’ isto combina perfeitamente com o grou-canadense”, disse o professor Smith. “Acredito definitivamente que isto é o que estas pessoas estão vendo”.

Duane Pursley, biólogo de vida selvagem e gerente da Estação de Vida Selvagem McClintic disse que ele não acredita que uma ave grande, se ela existiu, estivesse na área com toda a comoção de centenas de pessoas procurando por ela. Ele sugeriu que talvez a ‘coisa”, grou, ou seja o que for que as pessoas relataram terem visto, não era tão grande como elas pensaram em sua excitação. ‘Temos montes de gansos canadenses por aqui durante os períodos de migração”.

Um recorte do “The Athens (Ohio) Messenger” terminou um relato de má vontade sobre o Mothman com “um número de caçadores tem relatado ter visto corujas, maiores que do tamanho normal, na área do condado de Mason.”

“Coruja? Ganso? Brincadeira: Ou Faça Sua Escolha” diz uma outra manchete do The Herald-Dispatch. Ele elaborou, “A despeito da confusão, os relatos são divertidos, disse hoje um assistente do xerife. Ele disse que quase todo mundo tinha expressado sua opinião sobre o que eles acreditavam que as pessoas realmente viram. Elas incluiam: uma grande coruja, um ganso migrante e garotos pregando peças com algum tipo de aparelho falsificado.”

Edward Pritchard, conselheiro do Clube de Interesse em Ciências na Escola Secundária de Proctorville , disse aos repórteres dos jornais que o Mothman podia apenas ser um dos balões atmosféricos liberados pelos estudantes dele. “Os ventos prevalecentes os levariam sobre o condado de Mason”, riu Pritchard . “A luz pega estas coisas em ângulos estranhos e a imaginação faz o resto.”

“Autoridades aqui tem concluido que o chamado monstro do condado de Mason era uma grande ave de algum tipo…” relatou o “The Herald-Dispatch”, esperando colocar um fim nisto.

Certamente é tempo de colocar um fim nesta falta de lógica.

Nunca este autor até mesmo momentaneamente confundiria uma marmota ereta com um Sasquatch ou uma Grande Garça Azul com algum ameaçador pterodactito ou com o pássaro do trovão.

Muitos anos de experiência pessoal ditam o reconhecimento de pequenas e fugidias criaturas [raposas, coelhos, gambás, racuns] brevemente entrando nos raios do farol do carro e isso nem toma mais que um esforço muito pequeno. Até mesmo dirigindo ao longo de mais de cinquenta milhas por hora, a identificação animal é mais fácil ainda com espécies maiores, como cervos e ursos.

Algumas dessas testemunhas oculares deram uma boa olhada no Mothman.

Uma das famílias vivendo na desolada área TNT era a Ralph Thomas. Por volta das 9:00 p.m., 16 de novembro de 1966, Mr. Raymond Wamsley, 19, e Mrs. Cathy Wamsley, 18, com Mrs. Marcella Bennett, 21, levando sua jovem filha estavam terminando uma visita social e andavam de volta para seu carro quando foram perturbadas por algo muito perto delas na propriedade de Thomas ao longo da Estrada White Church

“Isto se levantou vagarosamente do solo. Uma coisa grande e cinza. Maior que um homem, com terríveis olhos vermelhos brilhantes”, relatou Marcella Bennett, que gritou e tomada pelo pânico deixou cair seu bebê e caiu no chão em choque. Na medida em que a criatura desdobrava suas asas, Raymond Wamsley agarrou a criança e orientou as testemunhas a correrem de volta para a segurança da casa, onde elas foram deixadas entrar por Ricky Thomas, 15, e as irmãs Connie e Vickie. A figura  arrastou-se atrás deles, chegando a entrada e espiando pela janela. Eles chamaram a polícia, mas a criatura tinha desaparecido quando a polícia chegou.  Marcella Bennett estava tão traumatizada que precisou de atenção médica. Convidando a ridicularização e a zombaria, estas testemunhas oculares contaram a todo mundo o que viram.

O que elas encontraram não era algum grou canadense de pernas finas, visto como um dos mais cautelosos pássaros da vida selvagem americana.

“Maior que um homem… olhos vermelhos que brilhavam como fogo quando as luzes os atingiam… asas enormes.”

Que gansos canadenses!

Até mesmo décadas mais tarde, pessoas supostamente inteligentes e educadas ainda sugerem explicações completamente ridículas para o inexplicável. Uma tal “explicação lógica” foi recentemente oferecida: ´

Os clássicos avistamentos do Mothman foram inspirados por uma comum coruja de celeiro.

A Coruja de Celeiro  (também conhecida variadamente como “Coruja Branca,” “Coruja Fantasma,” “Coruja Espírito,” “Coruja Dourada,” e “Cujua Cara de Macaco”) é facilmente reconhecida. Estas espécies distintas de corujas chegam ao comprimento de meio metro com uma envergadura de 1,10 metro. Pesa por volta de uma libra. As fêmeas são maiores  do que os machos. Ela tem longas pernas emplumadas e fazem um assovio irritante e alto, muito mais que uma buzina. Ele chega a ter 40 centimetros de altura.

40 centímetros altura mal alcança os joelhos da maioria das pessoas.

O Encontro com o Homem-Mariposa [Mothman]
uma criatura desconhecida que aterroriza dois jovens em um campo de milho da Virginia

de Stephen Wagner

Em meados da década de 1960, uma criatura misteriosa que se tornou conhecida como Mothman assustou os residentes ao redor da cidade de Point Pleasant, Virginia Ocidental. Descrita como tendo grandes olhos vermelhos e asas enormes e silenciosas, a criatura tem se tornado uma lenda na área, e os avistamentos são declarados até hoje. No verão de 2005, Matt e sua meio-irmã encontraram algo desconhecido e eles supuseram que fosse o monstro Mothman. Esta é a história de Matt:

Minha meia-irmã Lynn e eu estávamos visitando os avós dela na Virginia. A casa dos avós dela é no interior com um campo de milho de 20 acres próximo a ela. Aproximadamente a 50 jardas por trás da casa ficam milhas de floresta.

Na primeira noite que estávamos lá,  desfaziamos as malas e ficavamos prontos para dormir. Havia uma cama beliche no quarto de hóspedes que nossos irmãos mais novos iriam dormir. Havia um sofá e uma cama de puxar na sala de estar, que eu e Lynn decidimos dormir lá. Ficamos trocando os canais da televisão e chegamos a um show de lendas urbanas nos EUA. Já que minha meia irmã e eu sempre estivemos interessados em acontecimentos paranormais, decidimos assistir por alguns minutos. Era algo sobre uma criatura chamada “Mothman.” Segundo o show, os avistamentos do Mothman eram ditos ocorrerem principalmente na  Virginia (onde nós estávamos) e no Kentucky. Assim minha meia irmã e eu nos olhamos de queixo caido porque sempre pareciamos acreditar neste tipo de coisas.

Na manhã seguinte, estavamos brincando por lá com uma bola de futebol. Minha irmã é de um time de futebol e ele leva sua bola onde quer que vá. Ela apontou a bola para o campo de milho.

“Oops,” ela sorriu.

Procuramos por horas e horas mas não pudemos encontrar a bola, não importa o quanto procuramos. Minha irmã estava muito desapontada porque era sua bola favorita.

Algo devolve a bola

Na noite seguinte, Lynn, nossos irmãos e eu estávamos asistindo televisão na sala de estar. Repentinamente, ouvimos uma tremenda queda no teto da casa. Nós todos gritamos de medo e nos lançamos sob o esconderijo das cobertas da cama. Então ouvimos passos; passos altos, como se algo anormalmente grande estivesse andando sobre nosso teto.  Nossos pais vieram com olhos assustados e perguntaram se nós tinhamos deixado cair alguma coisa, mas gelaram quando eles também ouviram os passos no telhado. .

Meu padrasto foi até a janela e olhou para o campo de milho que por alguma razão parecia particularmente sinistro naquela noite. Enquanto ele olhava, ele viu a bola de minha irmã cair do telhado!

Ele olhou para baixo, agora sabendo bem porque ela tinha caido tão rapidamente. Ele correu lá para fora e trouxe a bola para dentro. Minha irmã agarrou a bola, rindo feliz por te-la de volta. Meu padrasto e minha mãe voltaram para o outro quarto depois de nos darem boa noite.

Repetinamente, minha irmã olhou a bola e ficou zangada. Furiosa, ela gritou, “olhe!”. Todos olhamos e vimos quatro furos perfeitamente redondos nela. Dois muitos grandes aproximadamente do tamanho de um quarto e meio de uma polegada e os dois menores do tamanho da moeda de dez centavos de dólar. Isto me deu arrepios. E subitamente tive uma lembrança do show que haviamos assistido na noite passada.

Olhei para Josh e Ashley (nossos irmãos mais novos) e disse a eles para sairem da sala. Eles sairam reclamando. Olhei para Lynn e disse: “não pode ter sido o Mothman?”

Ela fez um muchocho e disse, “não seja tolo”

Nada mais de peculiar aconteceu naquela noite. Mas coisas mais estranhas ainda viriam. Por uma semana, as coisas foram pacíficas. Pela próxima quinta e sexta-feiras todos já tinhamos esquecido o inteiro incidente com a bola de futebol. De manhã, acordamos, tomamos café, lavamos os pratos e fomos passear no campo de milho.

Depois de andar por uns quinze minutos, começamos a ouvir barulhos farfalhantes nas plantações de milho vizinhas. Olhamos um para o outro, intrigados. Dentro de mais uns poucos segundos, ouvimos um som guinchante e de raspagem, de alguma forma similar a unhas em um quadro negro. Ficamos de joelhos, cobrindo os ouvidos. Depois que isto parou, Lynn estava tão assustada que as lágrimas corriam pelo rosto dela. Ele dizia em pãnico, “temos que voltar”.

Ouvimos o barulho começar novamente e ela gritou e caimos novamente de joelhos. O barulho parecia vir de cima de nós, e antes que qualquer um de nós tivesse tempo para pensar duas vezes sobre isso, olhamos para cima e vimos algo se lançar nos ultrapassando, rápido como um flash. Estado de joelhos em um campo de milho, não demos uma boa olhada nisso. Isto tinha que ter tido um comprimento de asas de ao menos dez pés [três metros]! Mais tarde ambos concordamos que isto tinha uma figura de tipo humano e asas enormes.

Enquanto corriamos de volta para casa, encontramos um bebê cervo, mal vivo. Nos inclinamos mais perto do cervo e repentinamente Lynn gritou “oh, meus Deus!” e ficou pálida. Eu perguntei o que era e olhei para onde ela estava apontando e vi quatro buracos perfeitamente redondos na barriga do cervo, exatamente iguais aos buracos na bola de Lynn.

Corremos de volta para casa e contamos a história para nossa família. Eles não acreditaram em nós. E provavelmente nunca acreditarão. Mas penso que tudo isso foi real demais para que não acreditemos e isto ainda assombra a mim e a Lynn desde aquele dia.

Anúncios
Published in: on setembro 13, 2008 at 4:45 pm  Comments (29)  
Tags: , ,