Crianças e Telefones Celulares

Médicos Oncologistas Advertem contra o uso do telefone celular por crianças

29 de julho de 2008

Canwest News Service

de Tiffany Crawford

Um proeminente especialista em câncer nos EUA está acautelando os pais a limitar o uso de telefones celulares por crianças a emergências porque ele afirma que a energia eletromágnetica que o celular emite provavelmente penetre os cérebros de uma criança mais profundamente do que aquele de um adulto.

Esta afirmação segue os caminhos de avisos similares recentemente divulgados por especialistas canadenses que sugerem que crianças abaixo dos dez anos usem as linhas comuns o máximo possível e limitem as conversas em celulares a curtas e infrenquentes chamadas.

Dr. Ronald B. Herberman da Universidade de Pittsburgh, Instituto do Câncer, juntamente com uma equipe de especialistas internacionais, tem postado um relatório no website da universidade pedindo que as pessoas tomem precauções no uso dos telefones celulares.

“Os órgãos em desenvolvimento de um feto ou criança são mais prováveis de serem sensíveis a qualquer efeito possível da exposição a campos eletromagnéticos”, disse Herberman em uma das recomendações de seu relatório.

“Não permitam que as cianças usem um telefone celular, exceto para emergências.”

A Saúde do Canadá diz que não há evidência científica que já mostre uma ligação entre o uso do telefone celular e o desenvolvimento do câncer.

“Até agora, não há evidencia convincente, de estudos animais ou humanos, que a energia dos telefones celulares seja suficiente para causar sérios efeitos na saúde, tais como cancer, crises epilépticas ou desordens do sono”, diz a agência federal em seu website.

Segundo Herberman, o problema é que o tecido vivo é vulnerável a campos eletromagnéticos dentro das bandas de frequência usadas pelos telefones celulares. Ele argumenta que as crianças tem uma taxa de absorção mais alta porque seus cérebros ainda estão se desenvolvendo.

Herberman acredita que porque os estudos ainda “não mostrem claramente que eles são perigosos” as pessoas devem considera-los um risco potencial à saúde. Ele não advoga a erradicação dos telefones celulares, mas sim que se reduza a exposição. Algumas recomendações incluem o uso de fones de ouvido, não mantendo seu telefone perto de seu corpo e usando a mensagem de texto sempre que for possível.

Os especialistas também aconselham evitar usar um telefone celular quando o sinal esteja fraco ou quando se movimentando em alta velocidade, tal como em um carro ou trem, porque isto aumenta a energia ao máximo, quando o telefone repetidamente tenta se conectar a uma nova antena de transmissão.

Em junho, a Saúde Pública de Toronto pubicou um relatório de um oficial de saúde médica recomendando que os pais limitem o acesso das crianças ao telefone celular.

“A pesquisa que está disponível sugere que as crianças sejam mais provavemente mais vulneráveis que os adultos”, conclui o relatório.

A Saúde de Toronto também está recomendando que as crianças usem as linhas telefônicas comuns e aparelhos que deixem as mãos livres sempre que possível .

Anúncios